Doutrina da Bíblia Textus Receptus Texto Tradicional, a palavra de Deus, canônica plena verbal infalível inerrávelmente inspirada, providencial e perfeitamente preservada em incessante uso pelos fiéis

1. BIBLIOLOGIA

(A DOUTRINA DA BÍBLIA)

H.M.S. Set/97

Estudo dedicado ao Pastor Otoniel Feliciano Mendes, modelo de apaixonado, frutífero, inimitável e incansável evangelista pessoal e  pregador ao ar-livre, modelo de defesa da sã doutrina, de paciência nas perseguições, de pastor amoroso, de amigo fiel, de árvore que até na velhice dá frutos. Meu pastor aquí na terra.




“A Bíblia” significa e éO Livro de Deus”. Tem 66 livros, sendo 39 no V.T. e 27 no N.T. [1]

 

1.1. A BÍBLIA É A CORPORIFICAÇÃO DA REVELAÇÃO DE DEUS

1.1.1. Argumento “a priori (prova que tem que haver uma Bíblia Divina, mas ainda não prova que é a nossa): O homem é depravado e não pode ir a Deus. Deus é  bom, amor, misericórdia, graça, ... Portanto, esperar-se-ia que Deus se revelasse e corporificasse Sua revelação.

1.1.2. Argumento da analogia: (exige haver uma Bíblia Divina, mas ainda não prova que é a nossa): Homens ±“bons” comunicam verdades aos que a necessitam. Deus é infinitamente bom At 14:15-17. Portanto, seguramente Deus se revelou e corporificou Sua revelação.

1.1.3. A singular e espantosa indestrutibilidade da Bíblia: Mesmo sob a mais tenaz/variada, violenta/sutil perseguição já vista [2], a Bíblia nunca pode ser destruída! [3] Portanto ela tem que ser divina.

1.1.4. Transcedente caráter

a. O padrão moral da Bíblia é tão inatingível e condenador que não pode ser senão divino Ex 20; Lv 20:7; Mt 5:21-22, 27-28 [ou 20-48]; Tg 2:10. Contraste com outros “livros sagrados”!!!: os deuses greco-romanos, os dos egípcios, cananeus, tupís-guaranís,..!!!

b. A unidade única e perfeita da Bíblia prova: seu autor é Deus. [4] E.g.: O sentido de cada palavra ou conceito é sempre o da sua da primeira menção (“amor” Gn 22:2 + Jo 3:16); Os “tipos” ou “Sombras” do V.T. casam perfeitamente com o “Corpo” no N.T. (serpente de bronze Nu 21:6 + Jo 3:14-15; cordeiro pascal)! [5] Contraste com outros ...

c. A precisão histórica da Bíblia é única e perfeita! [6] E.g. Ruínas das muralhas de Jericó, todas caídas para fora!

1.1.5. Supernatural precisão científica: [7] A Terra é um esferóide Is 40:22 suspenso no vazio Jó 26:7; A 1a. Lei da Termodinâmica Hb 4:3,10 e a 2a. das mais universais leis da ciência Sl 102:26 (serão abolidas Ap 21:1-5); Vida só vem de vida, e do mesmo tipo Gn 1:21. Contraste ...[8]

1.1.6. Assombrosa (!) precisão profética (para mim, este é o argumento esmagador): A Bíblia é singular - tem muitas centenas de profecias detalhadas & “impossíveis”, mas todas as que deviam ser cumpridas o foram literalmente! Is 46:9,10; 2Pd 1:19:

a. Profecias sobre centenas de nações [9].

b. Profecias sobre o milagre da indestrutibilidade de Israel (todas outras nações espalhadas desapareceram!) Gn 12:1-3; 15:5 vs. Jr 30:11; Lv 26:44; Is 11:11-12; Jr 31:35-36; 46:28; Ez 37:21; Mt 24:34; Rm 11:1-5, 25-32.

c. Profecias sobre a  História de Israel [10]

d. Profecias sobre a  seqüência dos impérios mundiais Dn 7, 11;

e.  Profecias sobre a 1a. vinda de Cristo, todas (mais de 90 explícitas) literalmente cumpridas!: montando jumento Zc 9:9-10, entrada em Jerusalém em 6.abril.32 Dn 9:24-26 + calendário; espantosos detalhes da crucificação Sl 22:14-18; 34:20 (ossos); 69:21 (fel); Is 53:4-6; Zc 12:10 (traspassado); ressurreição Sl 16:10; 30:3,9; 40:1-2; Is 53:1; Os 6:2.

f.   Profecias sobre os últimos dias [do domínio dos gentios sobre o local do templo Lc 21:24]: Uniformitarianismo evolucionista 2Pd 3:3-4. Tremendas: multiplicação das viagens e ciência Dn 12:4; disparidade e tensão sócio-econômica Tg 5:1-6; degradação moral Lc 17:26;  2Tm 3:1-7; apostasia religiosa 2Pd 2:1; 3:3-4; 2Tm 3:7; 4:4; demonismo Mt 24:24; 1Tm 4:1. [Résteas de] os sinais de: cataclismas e tribulações Mt 24:3-8; Dn 12:4; confederação de dez dedos-nações revivendo o império romano Dn 7:19-24; russos e árabes juntando-se contra Israel Ez 28:1-6; enorme exército oriental, contra Israel Ap 16:12.

g.  Análise probabilística: [11] A probabilidade composta de apenas (!) as profecias do 1o. advento terem se cumprido por acaso é muitíssimo menor que 1/10300, comparável a um macaco, brincando, por acaso(!) acertar na 1a. tentativa o número telefônico do presidente de cada país no mundo!!!

1.1.7. Declarações da própria Bíblia: A Bíblia é absolutamente genuína e confiável em tudo que podemos checar com fatos (ver seções 1.2 [genuinidade] e 1.3 [confiabilidade da Bíblia])! Portanto, como é natural até nas relações diplomáticas e comerciais, somos justificados em aceitar o que ela diz de si mesma, declarando-se no V.T. (mais de 3800 vezes: Ex 14:1; Is 43:1; Ez 1:3) e no N.T. (1Co 14:37; Gl 1:11-12; Hb 2:1-4; 2Pd 3:2; 1Jo 5:10; Ap 22:18-19) como a corporificação da revelação de Deus. 2Tm 3:16-17; 2Pd 1:20-21.

1.2. A BÍBLIA É GENUÍNA (Autêntica)

(cada livro foi escrito pela pessoa e na época que lhe são tradicionalmente atribuídos, não foi falsificado, não é espúrio, forjado, corrompido)

1.2.1. O Pentateuco foi escrito por Moisés (século XV AC.):

Possibilidade: já na época de Hammurabi se escrevia; Moisés pode ter recebido todo Gn por revelação direta de Deus; ou ter compilado os tabletes escritos diretamente por Deus (a partir de 1:1), e aqueles, divinamente inspirados, escritos por Adão  (a partir de 2:4), Noé (de 5:1); Sem (10:1); Abraão (11:10); Isaque (25:12); Jacó (37:2); e José (50:6).

Prova: No Pentateuco: Ex 17:14 + 24:4; 34:27-28. No V.T.: Js 8:31; 23:6; 1Rs 2:3; 2Rs 14:6; Ne 131; Dn 9:11; ... Por Cristo: Mt 8:4; Lc 16:29; 24:27; Jo 5:45-47. No N.T.: At 15:21; 1Co 9:9; Hb 9:19. Autor, obviamente, foi testemunha ocular do êxodo. Costumes e palavras são do Egito 2000 AC.

1.2.2. Os ProfetaS (Nebhiim = “Isaías” = Is, Lm, Ez, Dn;      Js, Jz, 1 e 2Sm, 1 e 2Rs;       Os - Ml ): Ver bom livro, fundamentalista, de “Introdução à Bíblia”. Note que Jz foi escrito por Samuel (Jz 19:1; 21:25; 1:21; 2Sm 5:6-8); 1Sm 25 até 2Sm 24 por Natan + Gad (1Cr 29:29); 1 e 2Rs por cronistas inspirados, com escritos depois selecionados por Jeremias, inspirado.

1.2.3. Os Escritos (Ketubim = Hagiographa = “Salmos”:  Sl, Pv, Ec, Ct, Jó,      Rt, 1 e 2Cr, Ed, Ne, Et,       Jr ): Ver bom livro, fundamentalista, de “Introdução à Bíblia” [12]. Note que Rt foi escrito pelo autor de Jz (por Samuel); Et por Mordecai (ou, ao menos Et 10, por judeu seu contemporâneo com acesso às crônicas dos reis da Média e da Pérsia); 1 e 2Cr por cronistas inspirados, com escritos depois selecionados por Jeremias, inspirado.

1.2.4. O Novo Testamento: Ver bom livro, fundamentalista, de “Introdução à Bíblia”. Note que Mt foi escrito por Mateus em Grego. Alguns, inconformados com a ênfase na divindade de Cristo, afirmam que João é espúrio e escrito após 200 D.C, mas não têm sequer uma prova, só maus desejos: Papiro 52, datado de 120, com trechos de João 18, esmigalha seus desejos. Hb foi escrito em 63, anonimamente [por Paulo, cremos]. 1Pd pode ter recebido o auxílio gramatical de Silvanus; pequenas diferenças no estilo de Pedro são esperáveis pelos tempos (ou mesmo “amanuenses-dialogadores”) diferentes.

1.3. A BÍBLIA É CONFIÁVEL,  VERÍDICA

[Um livro é confiável se relata veridicamente tudo aquilo de que trata].

1.3.1. O V.T. é confiável:

a)  Os fatos da História, da Arqueologia, da Geografia e Topografia, sempre concordam assombrosamente com a Bíblia! Todas as teorias desdenhadoras da Bíblia têm sido destruídas pelos fatos, e.g.: os tabletes de Ebla confirmaram a existência de Sodoma e Gomorra, etc.; Arqueólogos modernos taparam as bocas dos que zombavam da realidade de Dario!; Etc.

b)  Cristo onisciente reconheceu integralmente a inspiração do V.T.: Mt 5:17-18; Lc 24:27,44-45; Jo 10:35b. E.g.: Mt 8:17 + Lc 4:17-18; Mt 12:39-40; 19:4-5; Mc 12:26; 13:19; Lc 6:3-4; 17:26-27; Jo 6:31-32; 8:44.[13]

1.3.2. O N.T. é confiável: Seus escritores eram competentes, qualificados (humana e divinamente falando). [14] Eram honestos (mesmo até o ponto de darem suas vidas!). Seus escritos harmonizam-se perfeitamente uns com os outros, [15] e sempre concordam com os fatos da História e da experiência.

1.4. A BÍBLIA É CANÔNICA

Um livro é canônico quando, desde o seu 1o. dia, foi aceito pelo povo de Deus como divinamente inspirado, como realmente o é (Ver “Inspiração”, na seção 1.5). Cânon significava originalmente “vara de medir, depois “norma ou regra” (Gl 6:16), e hoje significa “catálogo de uma revelação completa e divina”. Um livro é dito “apócrifo” quando não é canônico. A “canonização” de um livro não significa que homens lhe concederam autoridade e inspiração divina, mas sim que homens formalmente oficializaram o que sempre foi reconhecido [em outras bases, suficientes].

1.4.1. O V.T. é canônico, porque sempre foi reconhecido como inspirado por Deus: [16]

•   A Lei: sempre foi reconhecida como canônica: Dt 17:18-20; 31:10-13,24-26; Js 1:8; 1Rs 11:38; 2Rs 22:8; 23:1-2; Ne 1:7-9; Ed 3:2.

•   Profetas: sempre foram reconhecidos como canônicos: 2Rs 17:13; // Dn 9:2 // Mt 22:29; 23:35; Lc 24:44; Jo 5:39; 10:35 // 2Tm 3:16; 2Pd 1:20-21.

1.4.2. O N.T. é canônico, uma vez que todos os seus livros, e somente eles, foram desde o início universalmente reconhecidos como inspirados, porque:

a) foram escritos pelos apóstolos (ou suas segundas pessoas) Cl 1:1-2.

b) foram universal e espontaneamente aceitos 1Ts 2:13.

c) foram aceitos pelos “pais da igreja” (filhos ou netos espirituais dos apóstolos, por quem foram ensinados, diretamente; e.g.: Policarpo, filho na fé de João).

d) têm conteúdo evidentemente inspirado, edificante, espiritual, harmônico com toda a Bíblia.

[17]

1.4.3. Os livros apócrifos (dos católicos romanistas) NÃO são canônicos

a. Jamais foram incluídos no cânon pelas autoridades reconhecidas. [18]

b. Jamais foram aceitos pelos judeus.

c. Só em 1560, no Concílio de Trento, a Igreja Romana os declarou canônicos, mas só em reação à Reforma.

d. Jamais foram citados por Cristo ou por nenhum outro escritor da Bíblia.

e. Nenhum livro apócrifo alega ser inspirado (na realidade, alguns deles clamam não ser inspirados! Macabeus 15:38.

f. Alguns apócrifos têm incontornáveis erros históricos e geográficos.

g. Alguns apócrifos ensinam doutrinas falsas e que contradizem a Bíblia como um todo (e.g.: Macabeus 12:43-46 ensina que podemos e devemos orar pelos mortos, a Bíblia como um todo ensina que não adianta).

1.5. A BÍBLIA É INSPIRADA

1.5.1. Significado da Inspiração: O Espírito de Deus de tal modo guiou e superintendeu os escritores da Bíblia, mesmo fazendo uso das suas características pessoais, que os seus originais (e os Textos Masorético e Recebido, miraculosamente preservados por Deus sem nenhuma falha, e traduzidos fielmente na Almeida Original e na Trinitariana) são a única e completa, plena, verbal, infalível e inerrável, autoritativa corporificação de tudo o que Deus quis comunicar ao homem. Assim, cada palavra da Bíblia é literalmente de Deus, é a única base para doutrina. [19]

1.5.2 Termos relacionados com a inspiração:

a. A Revelação de Deus: “Revelação é aquele ato de Deus pelo qual Ele mesmo se descerra e comunica verdade à mente, manifestando às Suas criaturas aquilo que não poderia ser conhecido de nenhum outro modo”. A revelação de Deus divide-se em geral e especial:

•   Revelação geral de Deus: É endereçada e acessível a toda criatura inteligente, e tem por objetivo persuadir a alma a buscar o verdadeiro Deus. Ela ocorre:

•   Na Natureza: Jó 12:7-9; Sl 8:1,3; 19:1-3; Is 40:12-14; At 14:15-17; Rm 1:19-21. Sua finalidade é incitar o homem a buscar o Deus verdadeiro, para receber mais luz. Deixa o homem inescusável, mas é insuficiente para salvação.

•   Na História de nações tais como o Egito, Assíria, etc., e, muitíssimo mais, na espantosa história da “pulguinha” Israel. Sl 75:6-8; Pv 14:34; At 17:2-4; Rm 13:1. Embora Deus possa usar uma nação mais ímpia para castigar uma menos ímpia, ao final Ele terá castigado mais a mais ímpia Hc 1:1-2:20.

•   Na ConsciênciaRm 2:14-16.

•   Revelação especial de Deus: abrange os atos de Deus pelos quais Ele se fez conhecer e à Sua verdade, em ocasiões especiais e a pessoas específicas, mas quase sempre para o benefício de todos. É necessária porque o homem não respondeu à revelação geral. Rm 1:20-23,25; 1Co 1:21; 2:8. Ela ocorre:

•   Em Cristo, a suprema revelação de Deus (Cl 1:15; 2:9; Hb 1:3), necessária porque o homem não respondeu às outras Hb 1:1-3. Cristo é a melhor prova da: existência, natureza, e vontade de Deus!

•   Nas Experiências Pessoais de Certos Homens, como Enoque Gn 5:24; ...;Ananias At 9:10.

- Em Milagres: eventos fora do usual e natural, realizando uma obra útil, revelando a presença e poder de Deus, visando trazer homens a Cristo (Jo 20:30-31). Ex 4:2-5 (Deus transformou vara em cobra) contraste 7:1-2 (imitação, desmascarada). [20]

•   Em Profecias-predição de eventos, só possível pela comunicação direta da parte de Deus Is 44:28-45:1 (Ciro). Se alguém quiser contestar a existência de profecias, mostre-lhe as profecias  cumpridas em Cristo (Sl 22:14-18; Is 53:4-6 ), mostre-lhe que se ele crer no Profetizado Emanuel, aceitará todas as profecias da Bíblia.

•   Em profecias-enunciação de verdades “assopradas” pelo Espírito Santo” 2Tm 3:16; 2Pd 1:20-21.

•   Nas Escrituras, que reúnem toda a revelação que Deus quis que ficasse inerrantemente corporificada, sendo a base para todas as disciplinas da Teologia.

•   Métodos de revelação:

Por anjos Gn 18 (3 anjos, Abraão, Sodoma). Com voz alta Gn 3:9-19 (punindo a queda). Com voz suave 1Rs 19:11,12 (a Elias); Sl 32:8. Pela natureza Sl 19:1-3. Por um jumento Nu 22:28 (Balaão). Por sonhos Gn 28:12 (escada de Jacó). Em visões Gn 46:2; At 10:3-6 (Pedro e Cornélio). Livro de Ap. Cristofanias Ex 3:2 (o anjo na sarça).

b. A Iluminação: é aquele método usado pelo Espírito Santo para derramar luz divina sobre todo o homem que o busque, ao ser este homem exposto à Palavra de Deus.

•   A iluminação se faz necessária por causa das cegueiras: natural 1Co 2:14; induzida pelo Diabo 2Co 4:3-4; induzida pela carne 1Co 3:1; Hb 5:12-14; 2Pd 1:19.

•   Só com a iluminação é que pecadores são salvos (Sl 119:30; 146:8) e crentes são fortalecidos (Sl 119:105; 1Co 2:10; 2Co 4:6).

•   Antes de iluminar, o Espírito Santo procura por sinceridade do homem (Dt 4:29; He 11:6) e diligente estudo do crente (At 17:11; 2Tm 2:15; 1Pd 2:2).

•   O Espírito Santo sempre tem que usar um crente (que O tem) para iluminar o descrente (que não O tem) At 8:31.

c. Comparação Revelação-Inspiração-Iluminação:

revelação:   comunicação da verdade

inspiração:  registro     “    “

iluminação:  entendimento “    “

                                      ---inspiração--->

Deus ---revelação---> Homem                          Bíblia

                                      <---iluminação---

analogia: Prêmio Nobel da Física : a) revela-me seu conhecimento; b) encarrega-me de registrá-lo e divulgá-lo nas minhas palavras, mas guia-me e protege-me de erros; c) pessoalmente intercede para que os leitores entendam  e recebam o que escrevi.

1.5.3. Teorias anti-bíblicas sobre a inspiração:

a) Teoria mecanista, ou do ditado = “Deus usou homens como meros amanuenses”. Esta teoria ignora diferenças de estilo entre os escritores; ignora que Deus não usou robôs inanimados nem psicografistas talvez até inconscientes do que escreviam, mas usou, sim,  homens com personalidades distintas; e ignora que a Bíblia é ambos 100% divina e 100% humana, respeitando a personalidade e estilo de cada escritor! 2Pd 1:21. Deus usou as personalidades e modos de expressão peculiares a cada escritor: “somente” os protegeu do menor erro, desvio, omissão, e excesso. Inspiração é basicamente essa proteção.

b) Teoria da inspiração natural = “a inspiração da Bíblia é só momentos de superioridade do homem natural, como Beethoven na “Sinfonia Inacabada” [21]2Pd 1:20-21.

c) Teoria da inspiração parcial, dinâmica = “A Bíblia só é inspirada no espiritual & essencial, não na História, Ciência, etc. e no que achamos ‘secundário’.” 2Tm 3:16; Jo 3:12. O que é essencial? aquilo que você gosta??!!! Isto é puro subjetivismo louco! Como crer o maior (o espiritual, invisível, eterno)  de quem não creio o menor (material, tangível, efêmero)?

d) Teoria da inspiração só do pensamento principal, não das palavras em si. Sl 138:2; Mt 5:18; 1Co 2:13; 2Tm 3:16.

e) Teoria do “encontro místico = “aqueles que tiveram ‘encontros’ (experiências emocionais) com Deus escreveram a verdade sem a Sua proteção, muito misturada com mitos e imaginações. Hoje, a Bíblia não é, mas contém a palavra de Deus, que eu descubro quando, num ‘encontro’ (» nirvana), percebo o que Deus tem por baixo dos mitos bíblicos. Só então, ela se torna a Sua Palavra, para mim.” Isto é puro subjetivismo louco, levando às mais disparatadas conclusões! 2Tm 3:16.

1.5.4. Provas da inspiração plenária, verbal, infalível:

A Bíblia é inspirada (“assoprada para dentro do homem”) por Deus: Rever a seção 1.1 (“A Bíblia é a corporificação da revelação de Deus”).

Esta inspiração é:

a) Por Deus (!): At 1:16; 2Tm 3:16-17; Hb 10:15-17; 2Pd 1:20-21.

b) Verbal (= palavra por palavra, e não apenas os pensamentos principais): Sl 138:2; Mt 4:4-5; 5:17-18; 22:32; 1Co 2:13; Gl 3:16.

c) Plenária (= toda ela, de capa a capa, sobre todo e qualquer assunto): 2Tm 3:16-17.

d) Infalível e inerrável (= não contém nenhum erro, é incapaz de errar e de falhar): Mt 5:18; Jo 10:35b.

A natureza da inspiração plenária, verbal e infalível da Bíblia, é assegurada por:

a) O caráter de Deus (ver disciplina “Teologia - A Doutrina de Deus”). Iria o Deus perfeito, eterno e imutável, consentir que as Suas revelações fossem expressas imperfeita e falivelmente pelos Seus profetas? Isto é inimaginável.

b) O caráter e declarações da Bíblia:

• Rever 1.1.4 (O caráter transcedente da Bíblia). A Bíblia tem unidade, conteúdo e padrão moral, incomparavelmente superiores a todos os outros livros.

• Rever 1.1.7 (Declarações da Bíblia sobre si mesma). A Bíblia é absolutamente confiável em tudo o que pode ser checado, então devemos aceitar o que diz de si mesma:

• A Bíblia clama ser a plenária, verbal e infalível Palavra de Deus:

. Explicitamente em Sl 138:2; 2Tm 3:16; 2Pe 1:20-21.

. Mais de 3800 vezes em frases diretas como “Assim diz o Senhor” no V.T.: Ex 14:1; Is 43:1; Ez 1:3.

. No reconhecimento de um escritor-livro por outro: 2Rs 17:13; Sl 19:7; 33:4; 119:89; Is 8:20; Gl 3:10; 1Pd 1:23 // At 1:16; 28:25; 1Pd 1:10-11 // Pedro reconheceu a inspiração dos escritos de Paulo 2Pd 3:15-16 // Pedro e Paulo reconhecem a inspiração de todo o restante das Escrituras. 2Tm 3:16; 2Pd 1:20.

. Cristo ensinou que a Bíblia é infalivelmente inspirada (Jo 10:35b; Mt 4:4; 5:17-18; 22:32) e também eterna e perfeitamente preservada por Deus (Mt 4:4; 5:18;  24:35 [= Lc 21:33]; Lc 16:17)

1.5.5. Objeções à inspiração plenária e verbal:

a) “Reconhecimento de não inspiração”: Basta um bom exame do contexto (ou um perfeito entendimento dos idiomas e dos manuscritos pelos quais Deus preservou infalivelmente Sua Palavra: Texto Masorético e Texto Recebido). Exemplo: Em 1 Co 7:12,25 Paulo, que estava só repetindo Mt 5:31-32; 19:3-9 (divórcio), agora introduz um mandamento igualmente inspirado (Comp. 1Co 7:40).

b) “Citações expressando erros”: São só citações (fieis!) de errados e/ou mentirosos homens (Sl 10:4) ou do Diabo (Gn 2:4-5).

c) “Erros histórico-científicos”: Basta lembrarmos que:

• Cientistas ainda usam “ao erguer do sol” (referencial mais cômodo), etc.; Ademais, a Bíblia é 100% exata, mas não é formal, matemática.

• A Bíblia só relata fragmentos da verdade Jo 20:30-31.

• Relatos distintos podem se complementar contradizer!) ou podem enfatizar diferentes aspectos dos eventos ou doutrinas.

• A Bíblia foi por Deus infalivelmente inspirada e preservada (através do Texto Masorético e do Texto Recebido), palavra por palavra, til por til, mas os tradutores mais fieis e tremendamente cuidadosos podem aqui e acolá ter sido algo menos que perfeitos...

• A verdadeira ciência se limita a fatos da observação ou experimentação (a Teoria da Evolução, das Camadas Geológicas, da Astrofísica, etc., não o fazem, resultam de meras suposições loucas!).

d) “Aparentes contradições”: Sempre têm explicações, se prestarmos muita atenção. Exemplos:

· Nu 25:9 vs. 1Co 10:8 (diferentes números de mortos pela praga): Nu não se limitou a 1 só dia!

· Lc 6:17 vs. Mt 5:1 (o sermão foi no monte ou em lugar plano?): 2 sermões, sendo 1 para os discípulos, outro para o povo. Ou 1 sermão, em lugar plano no meio do monte.

· Mt 20:29 vs. Mc 10:46 + Lc 18:35 (1 ou 2 cegos? Na entrada ou saída de Jericó?): 2 cegos na entrada, 1 na saída. Ou 2 cegos entre Jericó Velha e Jericó Nova, sendo que Mc e Lc mencionam somente o mais notável.

· Mt 8:5-13 vs. Lc 7:1-10: Centurião de Cafarnaum com servo moribundo: Ouviu falar de Jesus -> enviou anciãos judeus para chamá-Lo -> enviou amigos -> foi ele mesmo -> creu -> voltou -> constatou milagre.

e) “Erros em profecias”: Esses aparentes ‘erros’ são más interpretações das profecias, ou profecias ainda a serem cumpridas (Dn 2,7,9,11,12; Zc 12-14; Ap).

f) “Impossibilidade científica de milagres”: Rever 1.5.2.a.divisão2 (A revelação especial de Deus). Quando a existência do Deus todo-poderoso é aceita, então não há problema em se aceitar a Sua intervenção sobrenatural (e coerente consigo mesmo): se, quando, como, e onde Ele o deseje.

g) “Erros na citação e interpretação de si própria”: O autor (o Espírito Santo) de toda a Bíblia tem todo o direito de re-expressar-Se e re-explicar-Se conforme Seu desejo soberano.

h) “Imoralidade”: É registrada; honestamente(!); mas nunca é sancionada (aparentes sanções à imoralidade são sanções só a uma virtude acompanhante). Exemplos: i) Divórcio (Dt 24:1 vs. Mt 5:31-32 + 19:7-9), etc., foram tolerados/disciplinados como um bem relativo, nunca recomendados como um bem absoluto. ii) A matança dos cananeus (Dt 7:1-2; 20:16-18), os Salmos imprecatórios (35, 69, 109, 137), etc., mostram um Deus soberano, santo, e justo, que pode usar homens para executar Seus desígnios.

1.6. A BÍBLIA É PRESERVADA, ATRAVÉS DO “TEXTO RECEBIDO” (da “Almeida Corrigida e Revisada, Fiel ao Texto Original”, Trinitariana)

Deus não só inspirou, mas também preservou Sua Palavra incessante-inerrável-infalível-verbalmente, da forma mais perfeita e absoluta:

Salmos 12:6-7-- As palavras do SENHOR são palavras PURAS, [como] prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes. (7) Tu os GUARDARÁS, SENHOR, desta geração os livrarás [PRESERVARÁS] PARA SEMPRE..

(Também pode [e deve!] ser traduzido “Tu as GUARDARÁS, ... as PRESERVARÁS ...”, referindo-se às palavras de Deus!)

Salmos 19:7-- A lei do SENHOR é PERFEITA, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é FIEL, e dá sabedoria aos símplices. (8) Os preceitos do Senhor são RETOS e alegram o coração; o mandamento do Senhor é PURO e ilumina os olhos.

Salmos 119:89-- [lamed:] PARA SEMPRE, ó SENHOR, a tua palavra PERMANECE [está estabelecida] no céu.

Salmos 138:2-- ... engrandeceste a tua PALAVRA acima de todo o teu nome (! Que inspiração verbal, i.é, palavra por palavra!).

Isaías 40:8-- Seca-se a erva e cai a flor, porém a PALAVRA de nosso Deus subsiste ETERNAMENTE.

Mateus 4:4-- ... Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de TODA a PALAVRA que sai da boca de Deus.

Mateus 5:18-- ... até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem tudo seja cumprido.

Mateus 24:35-- O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras NÃO HÃO PASSAR.

Lucas 16:17-- E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.

Deus preservou Sua palavra de modo tão maravilhoso, somente através dos Textos Masoréticos (V.T.) e do Texto Recebido (N.T.):

V.T.: Cuidados extremos [22] dos copistas garantiram que mesmo hoje apenas 1 de cada 1580 letras do V.T. tenha variante, mesmo que esta variante seja totalmente improvável! E nenhum desses casos tem o menor dos menores efeitos em nenhuma doutrina!

N.T.: Há cerca de 6000 manuscritos em Grego. Compare:

Texto Recebido” (Impresso por Erasmus, Stephen, Beza, Elzevir, etc., a partir de 1516)

Textos Críticos” (Impressos por Westcott & Hoart, etc., a partir de 1881)

São cerca de 95% dos manuscritos em Grego

São cerca de 5% dos manuscritos em Grego

São absolutamente consistentes entre si

São absolutamente inconsistentes entre si (e, até, cada um consigo próprio)

Vieram de igrejas firmes

Vieram de igrejas introdutoras de heresias (Alexandria)

Únicos textos adotados pelas igrejas fieis e instruídas, sempre, antes e após a Reforma.

Só recentemente descobertos / adotados pelos liberais e modernistas, que os chamam “mais antigos e melhores textos”.

Das cerca de 140.000 palavras do N.T. em Grego, os T.C. omitem/alteram/adicionam cerca de 10000. Dos 200 casos que examinei, os T.C. sempre (!) diminuem a inspiração das Escrituras, a divindade de Cristo, Seu sangue, Seu nascimento virginal, a natureza vicária da Sua morte, a Trindade, outras doutrinas cardinais. Agora, responda: Em que Textos está evidenciado o sutil e destruidor dedo do Diabo? Ef 6:12.

Por tudo isto, e:

- por ser impensável que Deus tenha falhado seu juramento de incessante-inerrável-verbalmente preservar Sua Palavra;

- por ser impensável que ela não reinou, reine e reinará em uso pelas igrejas fieis através dos séculos e até a eternidade;

- por ser impensável que Deus deixou uma versão “imperfeita” reinar entre os fieis, para só neste século (só em 1958 na língua Portuguesa!, com a “Atualizada”) restaurar uma versão “melhor, mas ainda não absolutamente induvidável em cada letra, afinal ninguém realmente muito erudito e inteligente pode ter certeza absoluta de cada palavra de um livro passado por mãos humanas...”

temos que concluir que o único e verdadeiro N.T., plena-verbal-infalivelmente inspirado e preservado por Deus, é o do Texto Recebido.

Assim, o crente que quiser ser ao máximo fiel à Palavra de Deus não tem senão 2 versões em Português a escolher:

-“Almeida Revista e Corrigida”, mais antiga e tradicional; e

-“Almeida Corrigida e Revisada, Fiel ao Texto Original” (“Trinitariana”), que é ainda melhor que a anterior.

Ambas estas versões são as traduzidas fielmente somente do Texto Recebido.

Todas as outras versões “protestantes” mesmo tidas como  “conservadoras” (Contemporânea, Atualizada, “de acordo com os melhores textos”, NVI, etc.) são baseadas nos Textos Críticos e devem ser rejeitadas pelo crente que quiser ser ao máximo fiel a Deus.

Compreender o que realmente são, e chamar ou usar como se fossem Bíblias, as “Bíblias” Católicas, ou ecumênicas, ou as terríveis paráfrases e outras distorções tais como “A Bíblia Viva”, “A Bíblia na Linguagem de Hoje”, etc., é blasfêmia e ofensa aberta contra Deus!

Leia:
- “Só o Texto Recebido (das Almeidas C.R. e R.C.) é a Pura Bíblia”,
- “196 Gravíssimas, Inaceitáveis Omissões e Outros Erros da “Atualizada”, e
- “O Credo do Culto Alexandrino”.
que são resumos e traduções feitas por H.M.S., para a Igreja Batista Fundamentalista de Campina Grande.

Leia também:
A autoridade do Texto Sagrado [57 Kb, rtf] - Wilbur Pickering
A canonicidade do Novo Testamento [47 Kb, rtf] - Wilbur Pickering



[1] Nós, cristãos, agrupamos os 39 livros do V.T. em: 5 da Lei (Gn, Ex, Lv, Nu, Dt), formando o Pentateuco; 12 históricos (Js, Jz, Rt, 1 e 2Sm, 1 e 2Rs, 1 e 2Cr, Ed, Ne, Et); 5 poéticos (Jó, Sl, Pv, Ec, Ct); 5 profetas maiores (Is, Jr, Lm, Ez, Dn); e 12 profetas menores (Os, Jl, Am, Ob, Jn, Mq, Na, Hc, Sf, Ag, Zc, Ml). Os judeus dividem o V.T. em: 1) Torah (A Lei);  2) Nebhiim (Os Profetas: começavam por Is; incluíam os profetas maiores, os menores, e os primeiros-profetas: Js, Jz, Sm e Rs; excluíam Jr); e 3) Ketubim (Gr. Hagiographa, Os Escritos: começavam por Sl e os demais livros poéticos; incluíam Jr e os demais livros). Os Profetas e os Escritos também eram conhecidos pelos nomes dos seus 1os. livros, “Isaías”, e “Salmos”, respectivamente.

Os 27 livros do N.T. são: 4 Evangelhos (Mt, Mc, Lc, Jo); 1 histórico (At); 21 epístolas; e 1 profético (Ap). As 21 epístolas são 9 a assembléias locais (Rm, 1 e 2Co, Gl, Ef, Fp, Cl, 1 e 2Ts), 6 pastorais (1 e 2Tm, Tt, Fm, 2 e 3Jo), e 6 universais (Hb, Tg, 1 e 2Pd, 1Jo, Jd).

[2] Por exemplo: No tempo de Esdras, parecia que todas as Bíblias tinham sido destruídas, mas logo se acharam 2 cópias, preservadas por Deus, e logo haviam incontáveis Bíblias! Diocleciano (303 D.C.) ordenou que cada Bíblia e cristão fossem aniquilados, e tão certo ficou de seu sucesso que cunhou moeda comemorativa (!); mas, quando Constantino pediu, trouxeram 50 cópias completas da Bíblia, dentro de 24 horas! Na casa do ateu Voltaire, que apregoava: “Deus morreu”, hoje funciona grande impressora de Bíblias! Etc.

[3] “Os malhos se amassam-despedaçam, mas a bigorna permanece”

[4] Embora escrita por uns 40 homens, de umas 19 ocupações e backgrounds diferentes, em 11 países, durante pelo menos 1500 anos, em uns 10 gêneros literários, escritores não conhecendo muitos ou todos os outros, a Bíblia é clara e espantosamente um livro! Que contraste com os “outros livros sagrados”, que essencialmente são coleções de material heterogêneo, sem começo meio ou fim, inúmeras vezes discordantes!

[5] O 1o e o último livro da Bíblia se encaixam de modo assombroso:

Gn 1:1 céu e terra, temporários

Ap 21:1 novo céu e nova terra, eternos

1:27-28 primeiro Adão (com esposa, no jardim do Éden), reina sobre a  terra

21:9 último Adão (com a noiva, na cidade de Deus), reina sobre universo

1:10 mares

21:1 “e o mar não mais existe”

1:5,16 sol e lua, dia e noite

21:23 nenhum sol, lua, nem noite; o Cordeiro é o eterno sol, luz, dia!

3:22 a árvore da vida é negada aos caídos

22:2 folhas da árvore da vida darão saúde e cura às nações

3:17 “maldita é a terra”

22:3 não existirá mais maldição

3:1 aparece Satanás, para atormentar o homem, temporariamente

20:10 desaparece Satanás, para ser atormentado ele mesmo, para sempre.

7:12 a antiga terra foi punida pelo dilúvio

21:1  (+2Pd 3:6-12) a  nova terra será purificada pelo fogo

2:10 lar à beira de rio

22:1 lar eterno à beira de rio

23:2 Abraão chora por esposa, morta

21:4 Deus enxugará todas lágrimas da noiva (cada salvo, eternamente vivo)

Cap. 19 Deus retira cidade terrestre, Sodoma, do solo

21:1 Deus traz cidade celestial, a Nova Jerusalém, dos céus

50:1-3 Gn termina com um crente, morto, jazendo no Egito, num caixão

21:4 Ap termina com todos crentes, vivos, de pé na eternidade, reinando para sempre.

[6] No final do século XIX alguns pseudo-cientistas ridicularizam a Bíblia, afirmando que continha “centenas de disparates históricos”. Mas, com o extraordinário avanço da Arquelogia, os zombadores têm sido sufocados por cada pá dos escavadores. Tem sido comprovado, por exemplo: A universalidade da crença num dilúvio universal (Épico de Gilgamesh; nativos da Nova Guiné, etc.); A existência e súbita destruição (2000 AC.) das populosas Sodoma e Gomorra (sob o Mar Morto?); Os tijolos sem palha e a morte dos primogênitos, no Egito; Os muros de Jericó caídos para fora (!); Um arrependimento para monoteísmo em Nínive; A existência de Dario; A seqüência dos reis das nações citadas; Etc.

[7] O objetivo de Deus na Bíblia não foi o de nos dar um livro texto científico perfeito e completo, abrangendo Física, Astronomia, Biologia, etc. Mas sempre que o Criador fala da Sua criação, o faz de modo infalível e perfeito. Alguns exemplos:

Texto na Bíblia

Fato científico implicado pela Bíblia

Ciência do homem:

Is 40:22

A Terra é esférica

540 AC.: um grego conjeturou; foi rejeitado.

15?? Magalhães demonstrou.

Jó 26:7

A Terra paira no espaço

1687 Newton explicou como a gravidade do sol era equilibrada pela força centrífuga da rotação da terra.

Gn 15:15 (Jr 33:22; He 11:12)

As estrelas são incontáveis

150 D.C. Ptolomeu errou: “há exatamente 1056 estrelas”. Outros erraram, mas cada vez chegam mais perto de reconhecer o que Deus disse.

2Sm 22:16; Jn 2:6

Há montanhas e canyons no leito do mar

1880 Oceanografia surgiu, chumbadas descobriram.

Gn 7:11; 8:2; Pv 8:28

Há fontes d’água no leito do mar

1948 Batiscafos descobriram

Sl 8:8

Há correntes, caminhos no mar

186? Matthew Fontaine Maury, ministro da Marinha americana, movido pela Bíblia, descobre correntes, premiando quem achasse garrafas semeadas por navios.

Jó 26:8; 36:27-28; 37:16; 38:25-27; Sl 135:7; Ec 1:6-7

A água segue “ciclo hidrológico” (mar → nuvem →  chuva → rio → mar)

17?? Cientistas entenderam

Gn 1:21; 6:19

Vida só vem de vida. E da mesma espécie

1862 Pasteur mostrou que moscas não se “geravam espontaneamente”: vida só vem de vida.

1865 Mendel provou: vida só vem da mesma espécie.

Lv 17:11

A vida da carne está em (¹ é) o sangue

18?? Abandonou-se o conceito de que “sangue excessivo  é a raiz de todas as doenças”, que matou milhões de pessoas (e.g.: George Washington), com sangrias!...

Gn 2:1-3; Sl 33:6-9; 102:25; He 4:3,10

“No universo, nada se cria, nada se perde. Tudo apenas se transforma”

177? Lavoisier formula a 1ª  lei da termodinâmica, uma das 2 leis mais universais da ciência

Sl 102:26; Rm 8:18-23; He 1:10-12

“Em tudo há aumento da entropia, da degradação, do caos, da morte do universo”

18?? É formulada a 2ª  lei da termodinâmica, uma das 2 leis mais universais da ciência

Is 65:17; 66:22; 2Pd 3:13; Ap 21:1-5

A 2ª lei da termodinâmica, a tendência à degradação, não existirá na nova criação, que, assim, será perfeita, eterna, eternamente perfeita

Só assim o universo permanecerá eternamente

Lv 13, 14

Há contágios. A prevenção é total quarentena (doenças passageiras) & isolamento (doenças como a lepra)

- No tempo de Moisés, o Papiro Ebers (“o máximo da ciência”) receitava: sangue de lagarto, dente de porco, carne e banha podres, cera de ouvido de porco, excrementos humanos, etc.

- Só houve vitória contra a lepra, etc., obedecendo-se à Bíblia.

Dt 23:12-13

Isolar e dar rapidíssimo sumiço aos excrementos

até 1790: todos excrementos eram lançados e permaneciam nas ruas, mesmo nas capitais e cortes!

Lv 7:22-27

Evitar certas carnes e misturas

1960: descoberto que causam colesterol, etc.

Lv 15:7, etc.

Purificação (meticulosa!) pela água

até 1900: até cirurgiões eram sujos, não praticavam/ensinavam higiene, 17% das grávidas que entravam no melhor hospital do mundo (em Viena) morriam de infeção! Ainda hoje, purificação salva mais que todos os remédios juntos.

Gn 17:12

Circuncisão ao 8º dia

1946: descobriu-se que circuncisão controla câncer cervical. Depois, que, até o 5º dia de vida, a criança não produz vitamina K, e a circuncisão traria perigosa hemorragia. Do 7º dia em diante a produção de vitamina K normaliza-se. No 8º dia, o nível de protombina alcança o máximo de toda a vida. O dia ideal

Contraste com os disparates da falsa ciência:

a. A Biblioteca do Louvre tem 7 km de livros científicos obsoletos!  99.99...% de todos os livros científicos com mais de 50 anos estão estufados de erros hoje unanimemente reconhecidos.

b. Em 1861, a Academia Francesa de Ciência listou 51 “fatos científicos indiscutíveis que fazem a Bíblia inaceitável.”. Hoje, esses 51 “fatos” é que são ridicularizados pela própria ciência!

[8] Contraste com os inúmeros disparates científicos presentes em todos os outros livros ditos sagrados:

a. O livro dos Vedas ensina: a Lua está 50000 léguas mais alta que o Sol, e brilha por sua própria luz; ... ; a Terra é chata, triangular, e composta de 7 camadas: a 1a. de mel, a 2a. de açúcar, a 3a. de manteiga, a 4a. de vinho, etc., tudo sobre as cabeças de incontáveis elefantes os quais, ao tropeçarem, provocam terremotos.

b) Livro dos Egípcios: um gigantesco ovo foi chocado, mas tendo asas, fugiu, e depois dividiu-se, redividiu-se, etc., formando o universo. O sol é um mero reflexo da luz da terra. Os homens surgiram de vermezinhos brancos que pululam no lodo deixado pela inundação do Nilo.

[9] Exemplos: Tiro destruída Ez 26:4-5,14, mas Egito só humilhada, rebaixada Ez 29:15; Tão minuciosas são as correspondências de Dn 11 (534 AC.) com a História, que anti-supernaturalistas, sem prova nenhuma, o picham como mera História, escrita após 168 AC.!!!...

[10] Israel teve profetizada sua dispersão Lv 26:33; Dt 28:15,64-65 (ou 15-68); Jr 15:4; 16:13; 24:9; Os 3:4; 9:17. Primeiro seria dispersa só a parte de Israel 1Rs 14:15; Is 7:6-8; Os 1:6-8. Depois, Judá seria dispersa Is 39:6; Jr 25:9-12. 70 anos depois, Judá seria parcialmente restaurada Mq 1:6-9 vs. Jr 29:10-14. Até o nome de Ciro, o rei Persa que restauraria Judá, foi previsto com 120 anos de antecedência!!! Is 44:28-45:1.

[11] A probabilidade de Mq 5:2 ter acertado o local do nascimento de Cristo por acaso é de (1/12 tribos) x (1/200 cidades em Judá) = 1/2.400; tomemo-la apenas como 1/2.000. A probabilidade de Dn 9:24-26 ter acertado a data de entrada de Cristo em Jerusalém por acaso é de 1/(2.500 anos x 365 dias) = 1/900.000. A probabilidade composta desses 2 eventos é de (1/2.000) x (1/900.000) = (1/1.800.000.000).

[12] Tradição firme entre os fiéis & conservadores  judeus + crentes: (tradição indisputada quanto à genuinidade e quanto aos autores, conforme abaixo indicados; só há variação quanto alguns pouquíssimos anos na data exata de alguns dos livros):

Quanto à Lei: Gn (1491 AC.), Ex (1491), Lv (1490), Nu (1451), e Dt (1451), foram escritos por Moisés (ver acima).

Os Profetas:                        

Js

1427 AC.

Josué. Js 24:26. Eleazar ou seu filho Fineias, podem, inspirados, ter concluído 24:29-33.

Jz

1080! AC., tempo de Saul

Samuel. Jz 19:1; 21:25 // 1:21; 2Sm 5:6-8.

1Sm 1-24

1060 AC.

Samuel. 1 Cr 29:29

1Sm 25 - 2Sm fim

1018 AC.

Natan + Gad. 1Cr 29:29

1Rs 1-11

1004 (ou, menos conservador, Jeremias, 590) AC.

Cronistas inspirados. Ou, menos conservador, Jeremias ou seu contemporâneo, certamente inspirados, selecionaram e reescreveram, certamente inspirados, os escritos dos cronistas talvez inspirados e certamente precisos.

1Rs 12-fim

897 (ou, menos conservador, Jeremias, 590) AC.

Idem.

2 Rs

1004 (ou, menos conservador, Jeremias, 590) AC.

Idem.

Is

698 AC.

Isaías. 2Cr 32:32 // 2Cr 26:22 // Is 1:1 // Mt 8:17 + Is 53:4; Lc 4:17-19 + Is 61:1; Jo 12:38-41 + Is 53:1 + 6:10. Cristo atestou a genuinidade de Is.

Jr

588 AC.

Jeremias. Jr 30:2; 51:60; Baruque foi seu amanuense Jr 36 + 45:1.

Ez

574 AC.

Ezequiel. 24:2; 43:11

Hc

626 AC.

Habacuque. 2:2

Os

740 AC.

Oséias

Jl

800 AC.

Joel

Am

787 AC.

Amós

Ob

587 AC.

Obadias

Jn

862 AC.

Jonas

Mq

750 AC.

Miqueias

Na

713 AC.

Naum

Sf

630 AC.

Sofonias

Ag

520 AC.

Ageu

Zc

520 AC.

Zacarias

Ml

397 AC.

Malaquias

O Ketubim:

Sl

diversas datas, de ± 1491 a ± 480 AC.

73 Salmos por Daví (2Cr 35:4); 2 por Salomão, 12 por Asafe; 11 pelos filhos de Coré; 1 por Etan; 1 por Moisés; 50 anônimos.

Pv  1-29

1000 AC.

Salomão: Pv 1-24 ele escreveu e publicou; Pv 25 a 29 foram copiados dos seus escritos, pelos servos de Ezequias, ± 700 AC.; Pv 30 foi escrito por Agur, mas Salomão, inspirado, o selecionou como inspirado, e o publicou; Pv 31 foi escrito por “Rei Lemuel” , mas Salomão, inspirado, também o selecionou como inspirado e publicou; ou, mais provável porque não há registro deste “Rei Lemuel”, provavelmente ele é Salomão. Lemuel (=“Dedicado a Deus”) seria carinhoso “apelido” usado  só pela mãe ao lhe falar, e perdido com o tempo.

Antes da Lei. Provavelmente +- 2000 AC.!

Jó. Não se refere à Lei, nem sequer a Abraão e à aliança abraâmica, deve ser o livro mais antigo da Bíblia, pode ser mais antigo que os mais antigos hieróglifos! Algo da sabedoria do mundo pré-dilúvio pode ter sido transmitida a Jó.

Ct

1013 AC.

Salomão. Ct 1:1.

Rt

1060 AC. Contemp. de Daví. Rt 4:22

Samuel.

Lm

588 AC.

Jeremias.

Ec

975 AC.

Salomão (Ec 1:1,16; 2:4-11), não obstante alguns pequenos problemas linguísticos.

Et

509 AC.

Mordecai. Mas (ao menos cap. 10) pode ter sido escrito por judeu seu contemporâneo e com acesso às crônicas dos reis da Média e da Pérsia Et 2:23; 9:20; 10:2-4.

Dn

607 - 534 AC.

Daniel. 7:2; 8:1,15; 9:2; 10:2; 12:4; Mt 24:15.

Ed

457 AC.

Esdras. 7:28 + 7:1

Ne

434 AC.

Neemias. 1:1.

1Cr

Até 1015  (ou, menos conservador, antes de Esdras 450-425 AC.)

Cronistas (ou, menos conservador, Esdras), selecionados por Esdras. 1, 2Rs lidam com os aspectos proféticos da história, 1,2Cr com os sacerdotais.

2Cr 1-9

1004 (ou, menos conservador, antes de Esdras 450-425 AC.)

Cronistas (ou, menos conservador, Esdras), selecionados por Esdras. 1, 2Rs lidam com os aspectos proféticos da história, 1,2Cr com os sacerdotais.

2Cr 10-fim

623 AC.

 

O N.T.:

Mt

38 (ou, pouco conservador: 50)

Mateus, em Grego, na Judéia (ou, pouco conservador, fora da Judéia, após deixar a Palestina para pregar aos gregos, e após escrever este evangelho em Aramaico, em 45 D.C.)

Mc

65 ou (67 a 68), de Roma

João Marcos.

Lc

58 (ou 63), da Grécia

Lucas, o médico amado

Jo

85-90, da Ásia Menor

João 21:24. Alguns, inconformados com a ênfase na divindade de Cristo, afirmam que é espúrio e escrito após 160 ou mesmo 200 D.C. Mas não têm fatos, só maus desejos. A descoberta do Papiro 52, com fragmento do capítulo 18 e datado de somente 120 D.C., destroi a teoria.

At

64, da Grécia

Lucas.

Rm

58, de Corinto

Paulo. As pequenas mudanças de estilo nas epístolas pastorais são esperáveis!...

1Co

56, de Éfeso

Idem. Idem.

2Co

57, da Macedônia

Idem. Idem.

Gl

52, de Corinto ou Macedônia

Idem. Idem.

Ef

61, de Roma

Idem. Idem.

Fp

62, de Roma

Idem. Idem.

Cl

62, de Roma

Idem. Idem.

1Ts

52, de Corinto

Idem. Idem.

2Ts

52, de Corinto

Idem. Idem.

1Tm

64, da Macedônia

Idem. Idem.

2Tm

65, de Roma

Idem. Idem.

Tt

64, da Macedônia ou Grécia

Idem

Fl

62, de Roma

Idem. Idem.

Hb

63, de Roma.

Anônimo. Ninguém (Apolo, etc.) é mais provável que Paulo (Hb 13:23; Pd 3:15); apoio da mais antiga e respeitável tradição.

Tg

32 a 37!, de Jerusalém. (Cristo nasceu em -4 e foi crucificado em 30.)

Tiago filho de Zebedeu. É a mais antiga das epístolas! É o primeiro livro do N.T. a ser escrito (com a possível exceção de Mt).

1Pd

64, da Judéia

Pedro. Silvanus pode ter ajudado no estilo de 1Pd (ler 5:12), daí as pequenas diferenças quanto 2Pd.

2Pd

65, da Judéia

Pedro. Idem.

Jd

66, local indeterminado

Judas. Um dos pelo menos 7 filhos de Maria, irmão de Jesus.

1Jo

69, da Judéia

João. Pequenas diferenças de estilo são esperáveis, ou semelhantes às de Pedro.

2Jo

69, de Éfeso

João. Pequenas diferenças de estilo são esperáveis, ou semelhantes às de Pedro.

3Jo

69, de Éfeso

João. Pequenas diferenças de estilo são esperáveis, ou semelhantes às de Pedro.

Ap

96, de Patmos

João. Pequenas diferenças de estilo são esperáveis, ou semelhantes às de Pedro.

[13] Em muito mais que 180 dos 1800 versos onde Cristo fala, Ele cita o V.T.!

[14] Eles (inclusive Paulo) foram testemunhas oculares de todo o ministério, morte e ressurreição de Cristo, aprendendo diretamente dEle (Lucas foi fidelíssimo registrador do que viu, e também do que os apóstolos viram e lhe ensinaram diretamente).

[15] Paulo e Tiago somente falam de pontos de vista complementares: o que Deus vê vs. o que os homens vêem; a verdadeira fé, que resulta em obras, vs. a fé falsa, que nada produz. Há progresso e diferentes ênfases na revelação dos ensinos (e.g.: do divórcio; dos cultos e adoração; etc.), mas nunca contradição.

[16] -Objeção : As 3 divisões do V.T. (Lei, Profetas, Ketubim) implicam 3 “campanhas humanas concedendo autoridade”. Refutação: Não há sequer uma prova disto! As divisões são pelas naturezas dos assuntos/escritores. Em Israel o divino tornava-se aceito, e não o aceito tornava-se divino! 2Rs 22:8; 23:1-2; Ne 8:1-3 não são autorgamentos, mas sim reconhecimentos da inspiração divina.

-Objeção: Ec e Ct ainda eram duvidados por alguns até depois do Concílio de Jamnia (90 D.C.), portanto o cânon do V.T. ainda estava em aberto até cerca de 200 D.C.. Réplica: Exigindo unanimidade absoluta, o que você quer é nunca ter um cânon autoritativo e final! Os eruditos judeus sempre mantiveram que, já em 458 AC., Esdras “juntou-ordenou e publicou” o V.T. na sua forma final, como o conhecemos. Josephus (80 D.C.) corrobora isto e usa cânon e divisões Masoréticas.

- Objeção: os apócrifos figuram na Septuaginta. Réplica: Mas nunca no cânon judaico!

[17] -Em 200 D.C. só um pequeno punhado de cristãos [pelo menos na aparência] ainda tinha algumas pequenas dúvidas sobre os livros: Hb (“quem escreveu”), 2 e 3Jo (“não seriam só cartas para uso pessoal dos endereçados?”), 2Pd (“será um pseudo-epígrafo [autor usando nome de outrem, respeitado]?”), Tg (“será que contradiz Paulo?”), Jd (“será que quis implicar que o livro de Enoque era inspirado mas foi perdido?”) ou Ap (“será mesmo João que o escreveu? os símbolos não são misteriosos demais?”). Em 397 o N.T., tal qual o temos hoje, foi oficialmente reconhecido no Concílio de Cártago, para o Ocidente. Em 500 o foi no Oriente.

[18] As maiores e mais reconhecidas nunca reconheceram os apócrifos: Esdras (o profeta, que “juntou-ordenou e publicou” o V.T. na sua forma final e como o conhecemos); os fariseus; Josephus (o historiador judeu, provavelmente o maior historiador de todos os tempos); os pais da igreja primitiva; etc.

[19] Note:

- Inspiração é um mistério.

- Inspiração é essencialmente proteção contra erros, como se Deus dissesse “As verdades que Eu quero transmitir, você as escreverá com as suas palavras, mas Eu vou guiá-lo para você não deixar de escrever toda e só a verdade que Eu quero que seja escrita, e não errar nem sequer uma letrinha ou o menor sinal de acentuação.”

- Plenária significa palavra por palavra, e não apenas os pensamentos principais.

- Verbal significa palavra por palavra, e não apenas os pensamentos principais.

- Toda a Bíblia é igualmente inspirada, mas não igualmente importante (Jo 3:16 vs. Jz 3:16).

- Cada palavra é inspirada, mas só é autoritativa: a) no seu contexto; b) quando é de Deus [diretamente ou pelos Seus profetas] e não o registro (inspirado, infalível!) das mentiras do Diabo, demônios, ou homens.

- Inspiração não exclui o uso de fontes extra-Bíblicas: At 17:28; Tt 1:12; Jd 14-15.

- Inspiração não exige mesmos detalhes no relato de um mesmo evento: Mt 27:37 + Mc 15:26 + Lc 23:38 + Jo 19:19.

- A inspiração está terminada: Ap 22:18-19. E só abrangeu a Bíblia.

[20] Milagres podem ser:

a) de intensificação (eg: dilúvio) ou “tempo exato” (terremoto na crucificação) de fenômenos naturais (eg: praga de saraiva e fogo); e

b) de alteração das leis naturais (eg: multiplicação dos pães).

Se alguém quiser contestar a existência de milagres, lembre-lhe que a pergunta certa é “as testemunhas são absolutamente confiáveis?” e não “o evento é naturalmente possível?”. Demonstre a historicidade da ressurreição de Cristo, mostre que se ele crer na ressurreição e no Ressurreto Homem-Deus, aceitará todos os milagres da Bíblia. Fale de respostas às orações.

[21] Assim, cometem o erro: “o Salmo 23 não é mais inspirado que o grande hino ‘Rude Cruz’; o Sermão do Monte não é mais inspirado que ‘Pecadores nas Mãos de um Deus Irado’, de Jonathan Edwards; a História do Filho Pródigo não é mais inspirada que ‘O Peregrino’, de John Bunyan, etc.”

[22] - Nenhuma letra, sequer, podia ser escrita de memória: o escriba tinha que ter uma cópia autêntica sob seus olhos, e tinha que ler super-cuidadosamente e pronunciar bem alto cada palavra, tanto antes como depois de copiá-la!;

- Cada jovem escriba era advertido pelo escriba ancião: “Acautela-te de como fazes teu trabalho, porque este é o trabalho do céu, não aconteça que tu omitas ou insiras uma letra e assim te tornes o destruidor do mundo!” (mundo = humanidade).

- Cada palavra e cada letra era contada, e se UMA letra tivesse sido omitida ou inserida, ou se UMA letra tocasse um outra letra, a página era imediatamente (!) destruída (!) ; três erros numa página condenavam todo o manuscrito!

 

(retorne à PÁGINA ÍNDICE de SolaScripturaTT / Bibliologia-InspiracApologetCriacionis)