CIENTISTAS CONFIRMAM A BÍBLIA – MAS NÃO A ACEITAM






Três recentes relatórios científicos oferecem evidência de que o relato de Gênesis, ou "a origem", é verdadeiro, mas a maioria dos cientistas nega-se a aceitá-la.

O primeiro apareceu em 4 de dezembro de 1995, edição do U.S. News & World Report, em um artigo intitulado “The Genetic Eve Gets a Genetic Adam” (Uma Eva Genética Tem um Adão Genético).

“Há oito anos pesquisadores ‘encontraram’ a mãe de todos os humanos, a famosa Eva. Ao examinarem as células de diversos grupos étnicos, eles remontaram a árvore genealógica dos seres humanos modernos a 200 mil anos a UMA ÚNICA MULHER – embora seja teoria. Agora, Eva tem um Adão. Em dois relatórios da Nature na semana passada, pesquisadores sugerem que quase todos os homens modernos – 99,9%, diz um cientista – estão intimamente ligados geneticamente e compartilham genes com UM ÚNICO ANCESTRAL MACHO: o cognominado “Adão de cromossomo Y”.

“Cada estudo data Adão de modo diferente. Um deles diz que ele apareceu há aproximadamente 188 mil anos. O outro estima que ele viveu até 49 mil anos atrás. Mas ambos opõem-se à idéia de que os humanos modernos surgiram em lugares distintos ao longo dos continentes. ‘Estamos descobrindo que os humanos têm raízes genéticas muito superficiais, que remontam de forma muito recente a um ÚNICO ANCESTRAL’, diz Michael Hammer da Universidade do Arizona, autor de um dos estudos. ‘ISSO INDICA QUE HOUVE UMA ORIGEM EM UM LOCAL ESPECÍFICO NO GLOBO E QUE, ENTÃO, ELA SE ESTENDEU A PARTIR DAÍ’” (U. S. News & World Report, 04 de dezembro de 1995).


A mesma história foi publicada na capa da revista December Time, intitulada “Evolution’s Big Bang” (A Explosão Cósmica da Evolução). A capa anunciava: “Novas descobertas mostram que a vida, como a conhecemos, começou em um incrível desvario biológico que mudou o planeta quase que da noite para o dia”. Isso me parece uma criação de seis dias!

“Em uma explosão de criatividade como nada jamais visto antes ou desde então, a natureza parece ter traçado a planta de quase todo o reino animal. Essa explosão de diversidade biológica é descrita pelos cientistas como a Explosão Cósmica da biologia. Desde 1987, descobertas de importantes berços fósseis na Groenlândia, na China, na Sibéria e agora na Namíbia revelaram que O PERÍODO DA INOVAÇÃO BIOLÓGICA OCORREU QUASE QUE NO MESMO INSTANTE DO PERÍODO GEOLÓGICO POR TODO O MUNDO” (J. Madeleine Nash, “When Life Exploded” [Quando a Vida Explodiu], Time, 4 de dezembro de 1995).


Quando toda a mitologia evolutiva é tirada desses relatos, como, por exemplo, métodos de datação que declaram que os sedimentos rochosos têm centenas de milhões de anos, o que resta é que os cientistas nunca constataram nenhum fato que refute o relato bíblico sobre uma criação literal que durou seis dias.

Eles declaram saber quantos anos têm certas camadas rochosas, mas não sabem. Estão apenas fazendo suposições. Isso é evidente pelo fato de que suas suposições diferem indomitamente de um cientista para outro e de um ano para o ano seguinte. Admite-se esta idéia no artigo do U.S. New & World Report.
Amigos, há uma grande diferença entre 188 mil anos e 49 mil anos! E ambos os números são meras suposições. A idade do homem poderia facilmente ser de seis mil anos, como indica a Bíblia. Nenhum FATO científico conhecido contesta isso. Há uma grande diferença entre uma teoria e um fato. Os métodos de datação usados nesses estudos presumem certas coisas que não podem ser provadas. Admitem, por exemplo, que não houve criação!



Em seu artigo de 1871, “A Caution Against Anti-Christian Science” (Uma Advertência Contra a Ciência Anticristã), o pregador presbiteriano Robert Lewis Dabney descreveu o dilema dos métodos de datação modernos:

“As supostas conclusões, que parecem contrárias às Escrituras segundo a compreensão de cristãos comuns, são partes de uma inconstante, por causa de um sistema incompleto. E eu me arrisco a afirmar, sem outra faculdade ou algo adquirido à parte da luz do senso comum, que falta a essas conclusões aquela demonstração perfeita e exclusiva que seria necessária para derrocar a Bíblia de seu trono de autoridade. Um escrutínio fiel detectaria diversos abismos enormes entre fatos e inferências; diversos lugares onde a proposição, que, quando apresentada primeiro, pode ser chamada não mais do que uma “possibilidade”, passa, mais tarde, tacitamente a ser uma “condição necessária”...

“Você acredita que as provas deles são desse caráter que, em um tribunal, resistiria ao teste do parecer contrário na lei em toda a conexão, e permaneceria tão conclusivo, acima de todas as dúvidas, no sentido de justificar um júri honesto ao levar a vida de uma criatura? Os próprios inventores, sem dúvida, renunciariam, pasmados, à tamanha responsabilidade!”

“A suposta antigüidade de todas as rochas chamadas sedimentares é uma parte essencial da discussão por meio da qual os geólogos se esforçam para provar a antigüidade desses fósseis. Entretanto, se há possibilidade de muitas dessas rochas terem sido criadas, então a data pré-adâmica dos fósseis também cai por terra. Além disso, quando estamos diante de um infinito Criador, devemos honestamente limitar-nos a admitir que, entre os objetos incluídos em Seus vastos conselhos, poderia haver considerações, não sabemos quais, que o instiguem a criar organismos, em número, e sob condições, muito diferentes daqueles que agora consideramos naturais.”


Desde a época de Darbey, a “ciência moderna” já mudou de opinião inúmeras vezes. As datas estimadas do extrato geológico e da aparência da vida vegetal e animal mudaram repetidas vezes e de modo drástico.

O artigo da Time propõe algumas questões importantes que nenhum cientista evolucionário é capaz de responder:

“O que poderia ter impulsionado tal avanço radical?”
“De onde veio este extraordinário bestiário, e por que ele apareceu tão rápido?”
“Por que esta explosão evolutiva, tão impressionante em termos de velocidade e extensão, jamais foi igualada?”


A simples resposta é que o Deus Todo-Poderoso da Bíblia criou o mundo para Seus propósitos e glória. Pode zombar se quiser. Grandes multidões de homens de toda a esfera da sociedade aceitam isso sem hesitação, incluindo inúmeros homens com diplomas científicos. A evolução é um conto de fadas, tão pouco científico quanto o mito hindu.

O relato bíblico sobre a criação está de acordo com todo fato científico conhecido e observável. A Bíblia diz que um Deus eterno, totalmente sábio e Todo-Poderoso fez surgir vida inteligente do nada. A criação testifica isso. O homem nunca observou vida inteligente surgindo de uma matéria ininteligente. Se a Bíblia não for verdadeira, e se Deus não criou o mundo como diz a Bíblia, o homem jamais saberá como isso aconteceu, pois o processo nunca se repetiu. Cientistas admitem que os processos evolutivos não agem hoje. A razão é que eles nunca agiram.

A Bíblia diz que Deus criou o homem à parte dos animais; o homem foi feito à imagem de Deus com uma consciência e habilidade para comunicar-se com Deus; os animais constituem um tipo bem distinto de criaturas, feitos para as necessidades e deleite do homem (Gn 1–2). Isto é visível; o homem não é como o reino animal. Ele é um tipo de criatura totalmente diferente. A Bíblia diz que todo ser vivente na criação foi criado para reproduzir a sua espécie, e somente a sua espécie (Gn 1.12,21,24,25). É isso que exatamente vemos. Ninguém nunca observou uma cenoura produzir algo que não fosse uma cenoura, ou uma ave gerar algo que não fosse uma ave.

A Bíblia diz que os céus declaram a glória de Deus e o firmamento proclama a obra das Suas mãos (Sl 19.1). É isso que exatamente vemos. A incrível complexidade e intricada inter-relação da criação apontam conclusivamente para um Criador Todo-Poderoso e totalmente sábio.

Louve ao Senhor pela fé de crer na Bíblia e rejeitar a “assim falsamente chamada ciência”.



O terceiro relato que mencionamos no começo deste artigo é do campo da ciência lingüística. Apareceu em The Story of English (A História da Língua Inglesa), de Robert McCrum e Robert MacNeil. Considere:

“Há dois séculos um juiz inglês na Índia observou que várias palavras em sânscrito eram muito parecidas com algumas palavras em grego e latim. Por exemplo, o termo sânscrito para ‘Pai’, pitar, era muito parecido com o termo ‘pater’ em latim. UM ESTUDO SISTEMÁTICO REVELOU QUE MUITAS LÍNGUAS MODERNAS DESCENDERAM DE UMA MESMA LÍNGUA-MÃE, e que desapareceram porque nada foi escrito. Identificando termos similares, lingüistas sugeriram o que chamamos de uma língua-mãe indo-européia, falada até 3.500 a 2.000 a.C.” (Robert MacNeil, sinopse de The Story of English).



Novamente, uma vez que retiramos as suposições da ciência lingüística, temos uma descrição perfeita do relato de Gênesis sobre como as línguas multiplicaram-se e espalharam-se na terra. No início havia uma língua comum (Gn 11.1). Por causa da rebelião do homem em Babel, Deus multiplicou as línguas para dividir os homens e confundi-los em seus maus intentos (Gn 11.2-9). A partir de Babel, os homens espalharam-se para diversos lugares e estabeleceram nações distintas com base em uma língua comum. Tudo o que a ciência lingüística sabe com certeza está de acordo com o relato bíblico.

Não faz muitos anos cientistas diziam que “as raízes das diferentes famílias de línguas indicam distintas fontes para as primeiras tribos de homens”. Agora admitem que isto está errado.

Podemos ver que, desde o começo, a Bíblia estava certa. A escolha é clara. Podemos edificar a nossa vida sobre a rocha sólida da verdade bíblica ou edificá-la sobre a areia movediça da assim chamada ciência.



Autor: Pr. David Cloud
Jan/1996, atualizado 21/Abr/2004

Tradutora: Valéria Lamim Fernandes, jun/2004
Enviado por Francisco (Terra)



SolaScriptura-TT recomenda o site do Pr. David Cloud como um dos melhores e mais completos entre os mais bíblicos da internet: http://www.wayoflife.org, donde este artigo foi copiado e traduzido.



Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-InspiracApologetCriacionis/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )