Não à Septuaginta LXX versões modernas da Bíblia Orígenes Hexapla Vaticanus Sinaiticus Westcott Hort Texto Crítico alexandrino Alexandria, sim ao Texto Massorético Textus Receptus



Mitos Sobre a Septuaguinta e Traduções Modernas
por Dr. Larry Spargimino
Traduzido para o português por W. Janzen

BÍBLIA, VERSÕES E MANUSCRITOS




Não tudo o que as pessoas acreditam sobre as novas traduções, e a denominada erudição usou em suas produções, passa o teste de escrutínio. De fato, não tudo que as pessoas acreditam sobre erudição Bíblica moderna passa o teste de escrutínio. Por favor não pense que eu sou contra a erudição, porque eu não sou. Mas quando os estudiosos falam sobre coisas que não existem como se elas existissem, eu tenho que registrar um protesto.

Achando o que não Existe
Durante os últimos 100 anos os estudiosos europeus reivindicaram que Mateus, Marcos, Lucas, e João realmente não contaram a verdade sobre Jesus de Nazaré. Supostamente escritores dos Evangelhos fabricaram “histórias de milagres" e "mitos" que fizeram o real Jesus parecer como o eterno Filho de Deus. A verdade sobre Jesus foi perdida? Bem, realmente não. Segundo os estudiosos, a verdade sobre Jesus poderia ser achada em um documento que eles chamaram de "Q". “Q" é a primeira letra no alemão de Quelle, que quer dizer "fonte". Supostamente, “Q" é o documento mais antigo e mais fidedigno que dá a verdade sobre Jesus. Porém, ninguém jamais viu "Q"! só existe nas imaginações vívidas de peritos que não gostam do Jesus dos Evangelhos.
Ao redor da mesma época em que os estudiosos do Novo Testamento falavam sobre "Q”, os estudiosos do Velho Testamento falavam sobre JEDP. Estes são os nomes de quatro documentos antigos nos quais o Velho Testamento é supostamente baseado. Os editores antigos levaram pedaço por pedaço de informação destes quatro documentos e de alguma maneira colaram tudo junto para conseguir o nosso presente Velho Testamento. Acreditar em JEDP significa, entre outras coisas, que Moisés não era o autor humano do Pentateuco, e se isso é verdade, Jesus Cristo ensinou erro. Isto também significa que as escrituras de Velho Testamento não são mais fidedignas que lendas populares. Mas, como era o caso com "Q", ninguém também viu alguma vez estes quatro alegados documentos. Eu sei por que. Eles não existem.
Então nós devemos mencionar os alegados 18 anos que Jesus estudou debaixo dos gurus no Oriente. Os evangelhos dizem nada sobre aquele período de tempo entre o décimo segundo ano de vida de nosso Senhor e quando Ele começou o seu ministério terrestre aos 30 anos de idade. Os “New Agers” adoram construir o caso deles sobre a suposta estada de 18 anos do nosso Senhor na Índia. O Jesus real, eles dizem, acreditara como um guru e cantara para as suas devoções matutinas um ummm profundo "..., ummmm..". qual é a prova para estas reivindicações surpreendentes? Durante os recentes anos de 1800 um homem conhecido pelo nome de Nicholas Notovitch, enquanto viajava pelo Tibet, foi informado pelo lamas do Tibete que havia um documento de registro da visita de Jesus no Oriente, e que este documento teria sido achado em um monastério do Himalaia. Porém, como é verdade com "Q" e JEDP, nenhum tal documento jamais foi achado! Se a Bíblia estivesse baseado em nenhuma evidência melhor do que isto, ela teria sido esmagada há muitos anos atrás - e por justa causa.

Mas o que então da Septuaguinta?
Muitas reivindicações foram feitas para a Septuaguinta. O prefácio da Bíblia NIV, primeira data 1978 e revisada em 1983, afirma:
Os tradutores. . . consultaram as versões mais antigas e importantes - a Septuaguinta; Aquila, Symmachus e Theodotion. ... Leituras destas versões foram ocasionalmente seguidas onde o Texto Masorético parecia duvidoso e onde princípios de crítica textual apontaram para tal... estas testemunhas textuais pareciam prover a leitura correta.

Outros alegam que a Septuaguinta nos "dá vislumbres da vida de comunidades judaicas no Egito nos séculos imediatamente pré-cristãos, e no pensamento dos primeiros cristãos, para quem esta era a primeira Bíblia.
Embora houvesse um pouco de relutância por parte dos tradutores de Bíblia pôr muita ênfase na Septuaguinta, isto está mudando depressa. "Considerando que quase todos reconhecem a corrupção generalizada da LXX e assim normalmente favoressem o hebraico, a maioria acredita agora que eles podem  escolher a dedo entre os dois para estabelecer o “texto correto”.2 Mas há a possibilidade de a Septuaguinta ser aproximadamente tão real quanto “Q"? Pode a existência da Septuaguinta ser uma fabricação usada contra a Palavra de Deus e ser outro exemplo da agressão satânica de longa data contra as Escrituras? Este é um assunto importante que merece estudo. Em um documento lido em uma reunião da prestigiosa Deacan Society de Burgon, 10-11 de julho de 1996, Dr. Kirk D. DiVietro focaliza afiadamente o assunto:

Você pode perguntar, "Por que, afinal, você está trilhando por esta estrada? O que ela significa para mim?” Ela significa muito para você. A própria autoridade de sua Bíblia está em jogo. A Septuaguinta não é uma tradução literal. Utiliza freqüentemente a teoria de "equivalência dinâmica" de tradução. Às vezes passa malabarismos fantásticos, não-literais, inexatos do hebraico. Se nós aceitamos a alegação de que a LXX foi aceita por Jesus e os escritores das Sagradas Escrituras como a Palavra autorizada de Deus, então nós temos que dissolver esta sociedade, e nos unir ao clube de semana da Bíblia moderna. . . Se Jesus e os escritores de Escritura aceitaram esta como Escritura autorizada então a inspiração plena, verbal da Escritura é irrelevante. Se Jesus e os escritores de Escritura aceitassem esta como Escritura autorizada então a doutrina de preservação é um vexame.3

O que é a Septuaguinta ou LXX?
Enns afirma que a “Septuaguinta é uma tradução grega do Velho Testamento hebraico. . . .Ela foi traduzida peça por peça em Alexandria, Egito, entre o anos de 250 e 150 AC. . . . Escritores do Novo Testamento citaram às vezes da Septuaguinta”. 4
Mas que prova temos de tal tradução grega antiga do Velho Testamento que estava disponível a Jesus e aos apóstolos? Não muita, como a seguinte citação indica:

“A tradução foi realizada indubitavelmente durante o 3º e 2º séculos A.C., e é pretendido ter sido acabada já no tempo de Ptolemy II Philadelphus, de acordo com a denominada Carta de Aristeas para Philocrates (c. 130 - 100 A.C.). De acordo com a Carta de Aristeas, o bibliotecário da Alexandria persuadiu Ptolemy II Philadelphus para traduzir a Torá para o grego para uso pelos judeus da Alexandria. A carta menciona que foram selecionados seis tradutores de cada uma das 12 tribos e que eles completaram a tradução em apenas 72 dias. Enquanto os detalhes desta história são indubitavelmente fictícios, o núcleo de fato contido nisto parece ser que o Pentateuco foi traduzido para o grego em algum dia durante a primeira metade do 3º século A.C. Durante os próximos dois séculos o remanescente do VT foi traduzido, como também algum livro apócrifo e não-canônico.”5

Isto é uma admissão espantosa. A única prova de origem da Septuaguinta na era pré-Cristã é a Carta de Aristeas que, de acordo com a citação acima, dá detalhes que são “incontestavelmente fictícios"! Isto é duro de tragar. Nos seminário nós ouvimos muitos pronunciamentos autorizados relativos à grande antigüidade da Septuaguinta. Nossos professores, e os livros de ensino que eles nos fizeram ler, não poderiam estar errados. Seguramente, nós raciocinamos, deve haver alguma evidência definitiva de manuscritos. Bem, há alguma evidência de manuscritos, mas esta não apóia as origens pre-cristãs da Septuaguinta.
Unger escreve: "Os mais velhos e mais importantes manuscritos da Septuaguinta são os seguintes: (a) Códice Vaticanus (b) Códice Alexandrinus. . . (c) Códice Sinaiticus. ".6 Duas coisas golpearão o leitor perspicaz imediatamente. Estes são manuscritos que não são mais antigos do que o quarto século D.C. Além disso, eles são os manuscritos corruptos nos quais o Texto notório de Westcott-Hort é baseado. Se estes são "os mais velhos e mais importante dos manuscritos" da Septuaguinta, nós temos que concluir que os mesmos não são muito velhos e eles não são muito bons. Como professor de seminário, eu tenho ensinado a “linha tradicional" sobre a Septuaguinta. Eu já não farei mais assim.
A afirmação de que o Vaticanus e o Sinaiticus são "os mais velhos e, portanto, os manuscritos mais confiáveis" da Septuaguinta não deve ser ignorado. Jones traz o quadro em aguçado enfoque ao escrever:
Constantemente nos é falado que Vaticanus... e Sinaiticus são os mais velhos manuscritos gregos existentes, conseqüentemente os mais fidedignos e os melhores; que eles são de fato a Bíblia. Ainda o Texto Grego Novo  que substituiu o Textus Receptus representa nas mentes da vasta maioria dos estudiosos o empreendimento privado de apenas dois homens, dois muito religiosos embora homens não convertidos, Westcott e Hort. Estes homens fundaram a “Bíblia” deles baseada quase que exclusivamente na quinta coluna do Velho Testamento de Origen e no Novo Testamento editado pelo mesmo. As leituras do Novo Testamento deles é derivado quase que  exclusivamente sobre apenas cinco manuscritos, principalmente sobre apenas um só - Vaticanus B. Além disso, deve ser visto que o testemunho destes dois manuscritos corrompidos é (sic) quase que o único responsável para todos os erros introduzidos nas Sagradas Escrituras em ambos os testamentos isto através dos críticos modernos!7

Moorman dá dois exemplos de escritores que discutem sobre que não há nenhuma era pre-cristã da Septuaguinta. Uma pessoa era Paul Kahle. Ele desenvolveu a teoria que a LXX teve sua origem nas muitas traduções orais gregas do Velho Testamento que posteriormente foi escrito para uso nos cultos depois da leitura do original hebraico. Peter Ruckman manteve uma posição semelhante. Enquanto Kahle chama a "Carta de Aristeas" de propaganda, Ruckman taxa ela de uma "mera fabricação" e lembra que ninguém produziu uma cópia grega da Septuaguinta que data de antes D.C. 300. Em vez de Jesus e os apóstolos citarem da Septuaguinta, a Septuaguinta cita deles.8

A Reivindicação Que Jesus Usou a Septuaguinta
D. A. Waite desafia a contenção que Jesus citou da Septuaguinta. Em Mateus 5:18 Jesus falou sobre a Lei e disse: "Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido." Nosso Senhor falou do "i" e do "til", as menores partes das letras hebraicas. Quão pequeno? Bem, o "i" se refere à letra hebraica “yodh” que é do tamanho de uma apóstrofe. Esta é um terço da altura das outras letras hebraicas. O "til" se refere aos chifres, ou extensões minúsculas, de algumas letras hebraicas, como o “daleth”, algo parecido com o golpe vertical do lábio em nosso “m” ou  “n". Isto excluiria uma Bíblia grega. Além disso, o Novo Testamento se refere a uma divisão tripartite do Velho Testamento - lei, profetas e salmos (Lucas 24:27, 44). Os manuscritos do Velho Testamento grego são, porém, entremeados com escritos apócrifos, nunca reconhecidas como "escritura". pelos rabinos, ou por Cristo ou pelos apóstolos.
Waite também nos refere para Mateus 23:35 como sendo apropriada à esta discussão: “para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até o sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que mataste entre o santuário e o altar".
Ele escreve:

Por esta referência, o Senhor pretendeu responsabilizar os Escribas e os Fariseus por todo o sangue de pessoas inocentes derramado do VT inteiro. Abel se acha em Gênese, mas Zacarias se acha em II Crônicas 24:20-22. Se você olha sua Bíblia hebraica, você achará II. Crônicas no último livro (i.é, o último livro na terceira seção, os escritos). Se, por outro lado, você olha em sua edição da Septuaguinta, tal como publicada pela Sociedade Bíblica Americana, 1949, Terceira Edição, editada por Alfred Rahlfs, você vê que ela termina com Daniel seguida por "Bel e o Dragão"!! Isto é prova clara que Nosso Salvador usava o Velho testamento hebraico e não o grego.9

Esta é uma observação significante. A frase, "Abel até Zacarias," é apenas outro modo de declarar, " do início ao fim ". Jesus não disse, "de Abel até Bel e o Dragão".

A Hexapla de Origen
Origen compilou a Hexapla, uma edição das escrituras do Velho Testamento com texto hebraico, transliteração para o grego, e as traduções gregas disponíveis, tudo em seis colunas paralelas. A terceira coluna é a versão grega de Aquila seguida pela revisão de Symmachus. A quinta coluna é a revisão pessoal de Origen da LXX, seguida por uma revisão por Theodotion. Origen estava evidentemente preocupado que, até mesmo nos dias dele, havia já várias versões do Velho Testamento grego. Origen foi creditado por produzir "a primeira realmente excelente tentativa de crítica textual."10 Ruckman combate a idéia de que a “quinta coluna" de Origen é a Septuaguinta de erudição moderna.
Aquila, Symmachus, e Theodotion não eram seus melhores tipos de tradutores de Bíblia. Aquila (D.C. 80-l35) converteu ao Judaísmo, depois para Cristianismo, e então de volta para o Judaísmo. Enquanto um "Cristão," ele foi excomungado da comunidade por insistentemente se recusar a deixar da astrologia, magia, e necromância. Ele afirmou que Jesus era o "filho bastardo de Maria e um soldado romano loiro de descendência germânica". Igualmente Symmachus e Theodotion tiveram um pouco de visões menos-que-ortodoxas e, junto com Aquila, mexeram com profecia messiânica. Eles substituíram parthenos (“virgem") por neanis (“mulher jovem”)  e buscaram distorcer as Escrituras de forma que isto seria mais compatível com a visão Ebionita deles. 12
Então, é óbvio que o Velho Testamento grego teve uma história longa e variada. Este processo de se mexer e revisar continuou, porque nós achamos que após o quarto século houve vários recensos adicionais, i.é., revisões críticas do texto.
Nix escreve:
“No início daquele século (o quarto D.C.) Eusebius e Pamphilius cada um publicou a sua própria edição da quinta coluna da Hexapla de Origen. ... O bispo egípcio Heschius (d. 311) tentou o seu recenso próprio da LXX, mas este só sobreviveu em citações feitas por escritores egípcios como Cyril de Alexandria (d.444). Luciano de Samosata e Antioch (d. 311) fizeram outro recenso da LXX que foi preservada em porções citadas nos trabalhos de João Crisóstomo (d. 407) e Theodoret (d. 457).13

Isto é um pedaço espantoso de informação. Mostra que até que Jerome começasse o trabalho com a Vulgata já haviam várias edições de versões do Velho Testamento grego em circulação cada uma das quais era uma "melhoria crítica" da precedente. O grande número de mudanças e variantes na tradução grega do Velho Testamento torna duro de se acreditar que esta tradução é a preservada Palavra de Deus. Realmente, a pessoa é compelida a concordar com Jones quando ele escreve: Tentar reconstruir o Texto hebraico (como muitos ligados às versões modernas estão tentando fazer) de versões tão soltas, deficientes, e de tradução inaceitável seria análogo à tentativa de reconstruir o texto grego do Novo Testamento a partir da Biblia Viva."14

Alexandria - A Cidade de Textos e Pessoas Corruptas
Nós não deveríamos esquecer o fato que, como mostrado nas citações acima que dão uma definição da Septuaguinta, que elas tem suas raízes na antiga cidade egípcia de Alexandria. Origen (ca. 185-254) era um dos professores daquela cidade e, até mesmo segundo as palavras ardentes de um admirador, era obviamente um tipo estranho de companheiro:
"Na sua fusão de pensamento grego com exposição bíblica, Origen era o maior teólogo da Igreja grega primordial. A famosa escola catequética da Alexandria alcançou seu zênite debaixo da tutela dele. Filho de um mártir, ele tomou literalmente Mateus 19:12 e se castrou para instruir, sem medo de escândalo, as estudantes femininas dele.”15
A cidade antiga de Alexandria, localizada no Delta do Nilo, teve uma reputação pelos seus hereges. Philip Schaff, famoso historiador da igreja e presidente do comitê da American Standard Version (1901) reconheceu que a Alexandria era a fonte de "uma teologia" peculiar baseada nos escritos de Clemente e Origen que desenvolveram "uma forma Cristã regenerada da filosofia religiosa judaica Alexandrina de Philo"16. A tradição corrupta dos manuscritos, encarnado nos códices Vaticanus e Sinaiticus, as principais fontes para o notório texto de Westcott e Hort, são textos de Alexandria. Embora alguns indivíduos orientados eclecticamente poderiam discordar, professores de Alexandria, como Origen, Clemente, e Philo, foram alguns dos mais árduos corruptores do Cristianismo bíblico. Eles não acharam nada de errado com espiritualizar as Escrituras para fazer a mensagem da Bíblia mais saborosa para os cultos Alexandrinos. Como Grady afirma:
“Ao igualar espiritualidade com intelectualismo religioso, a faculdade Bíblica típica venerará uma multidão de hereges egípcios de Clemente até Origen."17

"A Septuaguinta" como uma Tradução
Como uma tradução, a Septuaguinta é pobre. Freqüentemente se afasta do hebraico e torce doutrinas importantes. Isaías 9:6 da JFA lê: " Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz. ". A divindade desta Criança Maravilhosa é claramente evidente, mas é completamente obliterada na Septuaguinta: " Porque uma criança nos nasceu, e um filho é dado a nós, cujo governo está nos seus ombros: e o nome dele é chamado o Mensageiro de grande deliberação; porque eu trarei paz aos príncipes, e saúde para ele". Um texto tal como encontrado em Bíblias produzidas pelas seitas.
Até mesmo estudiosos que não quereriam ser classificados como Fundamentalistas têm reservas sérias contra a Septuaguinta. Blaiklock afirma que a Septuaguinta mostra precisão incorreta e fidelidade questionável ao original hebraico. Como um todo, ele acredita que a retribuição do Pentateuco é uma "tradução razoável", mas II.Reis evidência “considerável evidência de erudição hebraica inadequada”. Como uma tradução, a LXX "é arruinada por interpolação piedosa e paráfrases que refletem pressa, ignorância, ou descuido, e às vezes todos os três."18
Mas o Novo Testamento não cita da LXX? Uma citação no NT de uma passagem do VT que não é automaticamente uma citação literal do Texto Masorético não implica necessariamente que o escritor de Novo Testamento estava usando uma versão diferente do Texto Masorético. Em Ef.4:8, por exemplo, o apóstolo Paulo cita Salmo 68:18 (67:18 na LXX), mas a citação não concorda nem com o Texto Masorético nem com a LXX.
 

Quando citações no NT variam do Texto Masorético hebraico do VT não implica necessariamente o uso da LXX. Os escritores do NT, escrevendo debaixo da inspiração do Espírito Santo, sentiram-se livre para levar a passagem de VT a dar um significado mais completo a eles revelado pelo Espírito Santo.

Conclusões Sobre a Septuaguinta
DiVietro examinou os três livros do Novo Testamento nos quais os estudiosos liberais reivindicam mais freqüentemente que há citações da Septuaguinta -  João, Atos, e Hebreus - e achou nenhuma prova que a Septuaguinta foi citada. Foram examinadas mais de noventa passagens que os editores do Novo Testamento Grego da Sociedade Bíblica Unida, 3ª Edição, tinham marcado como citações do Velho Testamento e foram descobertos fatos que contradizem as conclusões dos estudiosos textuais favoráveis à Septuaguinta. Até mesmo pequenas citações, de uma única frase, na qual o Textus Receptus e a Septuaguinta às vezes concordam, "este acordo nunca está em variação com o sentido hebraico da frase."19 Isto, certamente, não deveria surpreender porque não existe nenhuma evidência clara ou que até mesmo apenas sugerisse que a Septuaguinta tivesse uma origem pre-cristã.
DiVietro afirma:
Seria errado pressumir que Jesus usou a Septuaguinta. Qualquer liberdade que Ele praticou com o texto das Escrituras hebraicas, Ele ofez como seu autor, não como seu crítico. Estaria, também, errado pressumir que os escritores do Novo Testamento usaram a Septuaguinta como o Velho Testamento autorizado deles. Suas formas características de tradução fornecem nenhuma defesa da prática moderna de tradução de paráfrase e ou equivalência dinâmica. As leituras aberrantes da LXX não deveriam ser elevadas sobre as leituras do Texto Masorético.20

Conclusões Sobre a Bíblia King James
Ignorância nunca é uma condição feliz, mas se nós aprendemos de nossos enganos, como eu aprendi de minhas noções errôneas relativas à LXX, nós estamos fazendo progresso na direção certa. Me pasmo quando vejo quantos escritores Cristãos bons e bons professores assumem automaticamente coisas sobre os textos bíblicos defendidos pelos estudiosos. Por exemplo, Dr. Charles Ryrie que fez uma tremenda contribuição para a nossa compreensão das Escrituras, não obstante aceitou o texto de Westcott-Hort (WHT). A Bíblia Estudo de Ryrie tem uma nota em Marcos 16:9-20 que declara: "Estes versículos não constam de dois dos mss mais fidedignos do NT....". Como Vaticanus e Sinaiticus podem ser "fidedignos" quando eles discordam mais de 3.000 vezes entre si?
Traduções modernas baseadas no texto corrupto de Wescott e Hort tem nota de rodapé em João7:53-8:11, que conta da mulher pega em adultério, e declara que "estes versículos não constam nos melhores e mais antigos manuscritos”  ou que "eles podem ser autênticos, mas não eram originalmente parte do Evangelho" de João. Mas o que eles não contam a você é que alguns dos pais de igreja, isto é Agostinho e Ambrosio, reconhecem que a passagem em questão é autêntica, mas foi omitida deliberadamente por alguns escribas por temerem que a passagem possa promover imoralidade!21 Este pedaço de informação muda dramaticamente o quadro. É tempo de os cristãos perceberem que nem tudo o que eles leram em comentários e ou dicionários bíblicos é necessariamente verdadeiro.
 
 

End Notes
1. Ira Maurice Price, The Ancestry of Our English Bible, 3rd revised edition by William Irwin and Allen Wikgren (New York: Harper and Brothers, 1956), p. 71.
2. Floyd Jones, The Septuagint (Collingswood, NJ: The Bible for Today, 1995), p. 25.
3. Kirk DiVielro, Did Jesus and the Aposiles Quote from thd Septuagint (DO()? (Collingswood, NJ: The Bible for Today
1996), p. 7.
4. Paul Enns, The Moody Handbook of Theology (Chicago: Mood
Bible Institute, 1989), pp. 173-174.
5. Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, and John Rhea. editors. Wycliff Bible Encyclopedia, vol. 2 (Chicago: Moody Press, 1975), "Ver-
sions, Ancient And Medieval," by William E. Nix.
6. Merrill F. Unger, Unger's Bible Dictionary (Chicago: Moody Press
1957),p.1149f.
7. Jones, p. 50.
8. Jack Moorman, Forever Settled: A Survey of the Documents and
History of the Bible (Collingswood, NJ: The Dean Burgon Society Press, 1999), pp. 17-18.
9. Ibid., pp. 22-23.
10. Nix.
11. Peter 5. Ruckman, The Christian's Handbook of Manuscript Evidence (Palatka, FL: Pensacola Bible Press, 1970), p. 60.
12. Jones, pp. 15-16.
13. Nix
14. Jones, p. 14.
15. Walter A. ElweIl, ed. Evangelical Dictionary of Theology (Gran Rapids: Baker Book House, 1984). "Origen," by C. C. Kroeger.
16. William P. Grady, Final Authority: The Chnstian's Guide to th King James Bible (Knoxville: Grady Publications, 1993), p. 82.
17. Ibid.,p.73.
18. Merrill C. Tenney, ed. The Zondervan Pictorial Encyclopedia of The Bible, vol. 5 (Grand Rapids: Zondervan, 1975). "Septuagint, by E.M. Blaiklock.
19. DiVietro, p. 51.
20. Ibid., p. 53.
21. Dean Burgon, The Causes of Corruption in the Traditional Text
vol. II (Collingswood, NJ: Dean Burgon Society Press, 1998),
PP 251-252, 259.


(Copiado de http://apologetic.waetech.com.br/Septuaginta.htm)



(retorne à página index de http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-Preservacao)