As Primeiras Traduções da Bíblia Sustentam o TR.




1 - PESHITTA (em Siríaco), cerca ano 150

- As primeiras versões em Siríaco são muito importantes pois: (a) A maioria dos autógrafos, isto é os manuscritos originais escritos pelas próprias mãos de Mateus, Marcos, etc. até João (o Apocalipse), estava na Ásia Menor e na Síria. (b) Por isso, os mais antigos manuscritos-cópia gregos encontrados na Síria podem ter sido copiados diretamente dos originais! e/ou devem ter sido conferidos cotejando-os com eles! (c) E os mais antigos manuscritos-cópia das traduções para o Siríaco podem ter sido traduzidos diretamente dos originais em grego (os autógrafos)! e/ou devem ter sido conferidos cotejando-os com eles!
- Peshitta significa "simples" (pois, estando na língua do povo, era mais fácil de ser entendida do que os manuscritos gregos).
- A Peshitta data de cerca do ano 150.
- Originalmente, continha apenas os 66 livros que comporiam a Bíblia da Reforma.
- Corrupção do texto só começou a partir de cerca da metade do século 2**, quando Orígenes transferiu-se de Alexandria para Cesaréia.
- A partir daí e especialmente durante o tempo de Eusébio e Panfílio (260-340), a Peshitta foi se desintegrando e decaiu para as más condições e os tipos hoje conhecidos como Filoxeniano (485 - 519), Harcleano (616) e Siríaco de Jerusalém (um lecionário dos Evangelhos, de data desconhecida).
- A Peshitta tem cerca de 350 manuscritos sobreviventes, sendo os mais velhos de 4**.
- A análise deles mostra que a Peshitta (na sua forma original e intocada) sustenta maravilhosamente o TR.



2 - ANTIGA LATINA (em Latim) - cerca ano 157

- As principais traduções antigas da Bíblia para o Latim são: (a) A Antiga Latina (que era chamada de Vulgata [significando a língua vulgar, usual, do povo], antes de Jerônimo e do Romanismo roubarem este nome); (b) a Ítala; e (c) a Vulgata de Jerônimo. Esta última é bem posterior e tem muita da má influência de Alexandria (embora ainda esteja mais perto do TR do que do TC, do Vaticanus e do Sinaiticus!).
- Não é muito claro se a Antiga Latina e a Ítala realmente nasceram distintas ou se são variações da mesma tradução original.
- Também não é totalmente claro se a Antiga Latina (e, também, a Ítala) é uma só versão ou se é um número de versões.
- Nem se o texto da Antiga Latina do Norte da África foi independente daquele da Europa.

- Antiga Latina: alguns historiadores e outras fontes põem sua tradução em cerca do ano 157. Tertuliano testifica de muitas cópias de uma  tradução COMPLETA da Bíblia para o Latim, circulando por todo o Norte da África, no ano 190.
- Tradutor desconhecido, empreendimento não organizado, local indeterminado (mais provavelmente o Norte da África).
- É muito, muito literalista.
- Resultou de um esforço ESPONTÂNEO de tradução, por crente(s) individual ou por alguma(s) assembleia local - independente - autônoma - soberana, ao invés de ser uma imposição OFICIAL de uma mega organização centralizada, como o seriam a Vulgata de Jerônimo e todas as Bíblias Alexandrinas.

(Nenhum fruto prestou quando veio da árvore de "um grande esforço das maiores organizações religiosas, unidas com o cândido objetivo de revisar a Bíblia da Reforma", pois este "revisar" incluiu revisar o texto em que ela se baseou! Começando por Col 1:14, 1Tim 3:16 e 1Jo 5:7-8, faça as seguintes comparações:
. Em grego, contraste os NT coligidos por Erasmus (3a edição em diante) contra os da United Bible Society
. Em inglês, contraste a Bíblia de Tyndale 1525 [a KJV1611 é o "polimento final" dela] contra a English Revised Version 1881, encomendada pela Southern Convocation of the Church of England (a primeira revisão das Bíblias da Reforma!);
. Em alemão, contraste a Bíblia de Lutero 1522 contra a Hoffnung fur Alle, da International Bible Society;
. Em espanhol, contraste a Bíblia de Cassiodoro de Reyna 1569 contra a Nueva Versión Internacional, da Sociedade Bíblica Internacional;
. Em italiano, contraste a Bíblia de Diodati 1607 contra Il NT in Lingua Moderna, da International Bible Society;
. Em francês, contraste a Bíblia de Lefevre y Olivetan 1534 contra a Bible de Semeur, da International Bible Society;
. Em português, contraste a Bíblia de João F. de Almeida [a ACF é ela na gramática de hoje] contra ... vocês sabem!). 

- Atenção:
   a) As primeiras cópias da Antiga Latina (e todas as cópias usadas pelos Valdenses do indomável vale de Vaudois, ao Norte da Itália, aos pés dos Alpes, desde os anos 157, passando pelo reavivamento de 1170 até a destruição pouco antes da Reforma) NÃO tinham os Apócrifa e eram 100% baseadas em manuscritos gregos dos anos 1** (que não sobreviveram mas que, inegavelmente, à luz da tradução para o Latim, têm que ter sido basicamente iguais ao texto dos manuscritos Bizantinos que nos chegaram às mãos).
   b) Mas algumas cópias posteriores da Antiga Latina tiveram acrescentados os Apócrifa e tiveram algumas adulterações, tudo introduzido por admiradores dos hereges Orígenes e Agostinho. Cuidado!
- Apesar dos esforços Romanistas de liquidar a Antiga Latina e de impor a Vulgata de Jerônimo, a primeira estava constantemente reaparecendo e sendo trazida de volta à Europa. Além dos Valdenses, também os Albingenses recusaram totalmente a Bíblia de Jerônimo, aferraram-se à Antiga Latina, foram independentes de Roma, e, por tudo isto, foram considerados hereges, foram caluniados, perseguidos, e exterminados.
- A Antiga Latina tem cerca de 35 manuscritos-cópia sobreviventes, sendo os mais velhos de 3** e os mais novos de 12**. - A análise deles mostra que a Antiga Latina (na forma original e intocada) sustentou maravilhosamente o TR.



3. DIATESSERON, antes ano 160

- É uma harmonização tentando colocar em uma ordem cronológica os versos dos 4 evangelhos. Foi escrito por Taciano da Assíria antes do ano 160. Teodoreto (390 - 458) encontrou e destruiu mais de 200 cópias do Diatesseron que estavam circulando na Ásia Menor. O trabalho não sobreviveu em sua forma original, mas sim em comentários tais como o de Efraim. A análise dos comentários, traduções, etc. sobreviventes mostra que o Diatesseron (na sua forma original e intocada) sustenta maravilhosamente o TR. Por exemplo, Luc 2:33 e Joã 9:35 exaltam a divindade e o nascimento virginal de Cristo, contra o TC.



4. VERSÃO GÓTICA, cerca ano 250

- Já estava em uso em 330 (20 anos antes do Vaticanus e Sinaiticus saírem da forja!). A tradução foi feita por Ulfilas, provavelmente cerca do ano 250.
- É extremamente literalista, a ponto de usar a ordem das palavras em grego, mesmo contra o idioma Gótico.
- A análise dos cerca de 6 manuscritos sobreviventes (copiados entre 4** e 5**) mostra que a Versão Gótica (na sua forma original e intocada) sustenta o TR.
- Por exemplo, Mat 6:13 termina com "porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém."


5 - Bibliografia:

Ver a bibliografia consultada e citada no artigo "Manuscript Evidence Supporting the King James Bible", de Ben R. Webb, em http://www.geocities.com/Athens/Cyprus/3717/KJV.html 




[Por que os "altos escalões" dos seminários, da AIBREB - Associação das Igrejas Batistas Regulares do Brasil, e associações estaduais (APIBRE, AIBRECE, etc.) das Igrejas Batistas Regulares, ao invés de estudarem + agradecerem + aprofundarem + divulgarem alertas como este, os temem tanto e tentam a todo custo proibir que se os façam ante todos os membros de suas igrejas batistas regulares?!?! Hélio, 2011]





 Hélio de Menezes Silva, 2001.




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).

(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-Traducoes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )