CARO DOUTOR [pseudo] FUNDAMENTALISTA:

Onde está minha Bíblia?



[original: DEAR DOCTOR JOHN: Where is my Bible?]

(Esta é uma tradução somente das cartas originadas por Herb Evans num debate- por- correio contra John R. Rice. Quem estiver interessado em todo o debate, vá em http://www.sharperiron.org/showthread.php?t=2605&page=19&pp=7)





PREFÁCIO

Este folheto é uma reprodução de uma disputa por cartas entre John R. Rice [um dos mais famosos pastores Batista Fundamentalistas, Doutor em Teologia, evangelista, conferencista, escritor] e um leigo cristão [Herb Evans] por causa de um Artigo de 15 de dezembro de 1972, no [jornal batista fundamentalista] Sword of the Lord [Espada do Senhor]. Esta reedição [e sua tradução para o português] é feita com a convicção de que os crentes na Bíblia (verdadeiramente nascidos de novo, conduzidos pelo Espírito Santo) têm a habilidade de julgar corretamente, quando as questões [das versões] bíblicas são [honestamente] trazidas diante deles.

Somente a correspondência original foi reproduzida e sem comentários tendenciosos [em português, colocaremos somente as cartas de Herb Evans para Dr. Rice].

Vocês, caros leitores, são os juízes. A intenção do folheto é expor as traduções NASV [New American Standard Version], ASV [American Standard Version] e RV (uma rosa [e apelido] para qualquer outro nome) [particularmente tendo os nomes Revised Version], mostrando que são traduções corrompidas. O objetivo deste folheto também é de apresentar os fortes argumentos provando que a AV [Authorized Version], também conhecida como King James Bible [a Bíblia do Rei Tiago] é a Palavra infalível de Deus [palavra por palavra, letra por letra].

Deve-se notar que, à data da impressão [deste folheto], minhas últimas carta e telegrama ao Dr. Rice não foram respondidas.

Eu estendo meus mais profundos apreços e agradecimentos aos homens abaixo:

1. David Otis Fuller, Wealthy St. em Eastern S.E., Grand Rapids, Michigan, Autor de Which Bible? ["Qual Bíblia?"] e de NASV and KJ Compared ["NASV e K.J. Comparadas"];

2. E.L. Bynum, 1911 34th St., Lubbock, Texas 79411 Autor do tratado Why We Reject This Version ["Por Que Rejeitamos Esta Versão”];

3. Dr. Peter Ruckman, P.O. Box 6036, Pensacola, Florida 32503, Autor de Manuscrita Evidence ["Evidência dos Manuscritos"] e NASV, the Devil’s Masterpiece ["NASV, a Obra-Prima do Diabo"];

4. J.J. Ray, P.O. Box 77, Junction City, Oregon 97448,Autor de God Wrote Just One Bible ["Deus Escreveu Somente Uma Bíblia"] e o tratado Eye Openers ["Os Abridores de Olhos"];

5. Dr. Edward Hills, Autor de The King James Bible Defended ["A King James Defendida"] e Believing Bible Studies [“Estudos Bíblicos que [Realmente] Crêem [na Bíblia]”];

6. Tratado da Sociedade Bíblica Trinitariana The Divine Original ["O Original Divino"].



Herbert F. Evans,
157 Patties Place Portersville, PA 16051 (endereço mais recente – 15.08.2003)






Caro Dr. Rice,

Li sua carta/artigo, “Por Que Separar O Povo De Deus Dos Manuscritos Gregos?, na revista Sword [Espada] de 15 de dezembro de 1972. Li os livros que você mencionou de Peter Ruckman. Você enfatizou o que ele tinha a dizer sobre o grego, que eu ainda veria refutado ou desafiado pelos estudiosos ou pela fidelidade bíblica, mas e o que ele diz (e demonstra) sobre o inglês claro da ASV,
 - É o fato que falta o versículo de Atos 8:37 – SEM IMPORTÂNCIA?
“E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.” (At 8:37 ACF)
- É o fato que José é apresentado como o pai de Jesus, em Lucas 2:33. INCIDENTAL?
[As Bíblias puras, do TR, dizem: “E José, e sua mãe, se maravilharam das coisas que dele se diziam.” (Lc 2:33 ACF) , as mais impuras dizem: “E o pai, e sua mãe, se maravilharam das coisas que dele se diziam.”]
- É o fato que o sangue é omitido em Col 1:14, é isto causa de GRANDE RESPEITO?
[As Bíblias puras, do TR, dizem: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados;” (Cl 1:14 ACF) , as mais impuras dizem: “Em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados;”]

Por que as questões e desafios reais sobre o assunto [das versões da Bíblia] nunca são [biblicamente] encaradas [e examinadas e resolvidas], tais como as outras doutrinas e assuntos que gerem controvérsia? Por que tanta evasiva? Por que o apelo a se parar de dividir o povo de Deus concernente à NASV, quando todos nós não hesitamos em dividi-lo concernente à RSV? Não seria o ocultamento deliberado dessas questões um movimento para proteger aqueles em altas posições na hierarquia, e para manter os cristãos longe de dúvidas a respeito das [versões das] Bíblias? Acho que o silêncio e os argumentos fracos daqueles em posição de influência farão dano muito maior aos cristãos fracos que poderiam saber que têm uma Bíblia inspirada e PRESERVADA. Escrevi-lhe antes e você disse que PERDEU minha carta. Você também disse estar muito ocupado, o que acredito, mas você teve tempo de responder a modernistas e apóstatas e penso de mim como um irmão de sangue que merece a mesma consideração. Aprecio a revista Sword [Espada] e espero poder continuar a confiar em sua postura fundamentalista e conservadora.

Agradeço-lhe em Cristo
Herbert F. Evans






13/2/73

Caro Dr. Rice:

Grato por sua carta de 2 de fevereiro de 1973. Tenho lido “A Espada” por mais de dez anos e recentemente comprei 2 pacotes de seus folhetos para nossa igreja aqui. Por favor entenda que eu não tenho qualquer machado pessoal para afiar consigo. Porém, devo questionar seu artigo e carta de 2 de fevereiro de 1973. Para começar, cito algumas fortes palavras de Spurgeon. Desta forma, corto de você a possibilidade de dizer que eu estou distorcendo ou caluniando bons homens, nem colocando-me acima deles.

“O método aprovado do presente carnaval de descrença não é rejeitar a Bíblia INTEIRA mas, mas, ao contrário, LEVANTAR DÚVIDAS de PARTES dela e questionar sobre sua inspiração uniforme como um todo. CHS.

“Se o Livro não for infalível, onde encontraremos infalibilidade? Desistimos do Papa porque ele disse freqüentes e terríveis disparates, mas não colocaremos no lugar dele uma horda de papazinhas frescos do colégio. Esses corretores das Escrituras são infalíveis? É certo que nossas Bíblias não estejam corretas, mas os críticos o estarão? Agora, fazendeiro Smith, quando você tiver lido sua Bíblia e usufruído de suas preciosas promessas amanhã de manhã, desça pela rua e pergunte aos estudiosos da paróquia se esta parte das Escrituras pertence à parte inspirada da Palavra ou se é de autoridade dúbia... Gradualmente seremos tão empurrados para a dúvida e nos criticarão tanto, que [pensaremos que] só alguns dos mais profundos [eruditos] saberão o que é Bíblia e o que não é, e esses DITARÃO [seus entendimentos] ao resto de nós.

“Não tenho mais fé misericórdia deles do que em sua precisão…e estamos completamente certos de que nossa antiga versão inglesa das Escrituras é suficiente para clarificar os homens sobre todos os propósitos da vida, salvação e bondade. Não desprezamos o aprendizado, mas nunca diremos da cultura ou da crítica: “Sejam esses seus deuses, Oh Israel. ‘” CHS.



Essas palavras de Spurgeon são meus sentimentos de modo geral. Para ser mais específico, dividi sua carta em cinco categorias de argumento para melhor responder-lhe:


1. Seu apelo à erudição de alguns homens de Deus
2. Seu argumento sobre haver erros na Bíblia King James
3. Seu argumento quanto à minha questão não ser doutrina Bíblica
4. Seu apelo para desprezarmos todos os argumentos de Ruckman por causa de sua personalidade e sua vida pessoal
5. Seu apelo para seguirmos falsos mestres.



1. Argumento “ERUDITOS”
É erudito dizer, como você diz: “Muitos pensam que Atos 8:37 foi um POLIMENTO adicionado por algum copista? A verdade é que eu também penso assim.” - Eu nunca considerei como erudito acreditar no que as pessoas PENSAM. Estou interessado no que as pessoas SABEM.

É erudito dizer como você faz: ”… PARECE ensinar um plano diferente de salvação?” Isto soa como uma contradição do seu Artigo de 15 de dezembro de 1972, onde você diz que “os códices fazem MUITO POUCA DIFERENÇA nas traduções e NENHUMA DIFERENÇA na doutrina ensinada nas Escrituras.” Se ela não ensina um plano diferente de salvação, por que você diria: “...no entanto, NÃO ME IMPORTO pelo fato disto estar na King James ...”

Espero que mereça sua atenção que Atos 8:37 está na Bíblia de Tyndale, na Grande Bíblia, na Bíblia de Genebra, na Bíblia dos Bispos e também na Bíblia não-Episcopal de Martinho Lutero.

É erudito dizer que “os tradutores episcopalianos ‘traduziram mal’ Apocalipse 22:14,
“Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.” (Ap 22:14 ACF)
quando o texto que usaram diz: “poiountes tas entoias autou?" A Bíblia de Tyndale, a Grande Bíblia, a Bíblia de Genebra, a Bíblia dos Bispos, a Bíblia de Rheims e a Bíblia Não-Episcopal de Martinho Lutero concordam com a interpretação da King James. Você está se colocando acima de todos esses estudiosos?

É erudito quando, “Os estudiosos SIMPLESMENTE DECIDIRAM já que muitos manuscritos não tinham aquele termo, que ele foi inserido por um copista?” Devo concordar que foi uma SIMPLES decisão, mas uma decisão erudita? Não! E quanto aos estudiosos antes de 1881 que deixaram o sangue em Colossenses 1:14? Os estudiosos começaram em 1881?

E quanto aos estudiosos que discordam dos seus estudiosos? Agora questionamos sobre quais estudiosos são melhores ou os mais espirituais, ou quem tem mais do seu lado? Os Tessalonicenses eram nobres porque buscavam as Escrituras, não porque buscavam o consenso dos estudiosos.


2. Argumento “ERROS NA BÍBLIA KING JAMES.”
Já escrevi cobrindo [e demolindo] a suposta má tradução de Ap 22:14 e [defendendo] como ela é encontrada nas antigas Bíblias inglesas e na Bíblia de Martinho Lutero. Eu duvido que Martinho Lutero fosse um episcopaliano e duvido que ele “não tenha entendido completamente a doutrina da graça.” Algumas pessoas podem ter uma idéia errada sobre 1 Jo. 2:3, 4; 3:24, Ap. 12:17 e 14:12 que tem linguagem semelhante, mas remover Escrituras difíceis não é a resposta. Além disso tudo você diz que os códices “fazem pouca diferença nas traduções e nenhuma diferença nas doutrinas ensinadas nas Escrituras”, que contradiz sua afirmação: “Uma tradução errada da Versão King James em Ap 22:14 tornaria a salvação por obras e está obviamente errada.“ A salvação por obras não faz diferença na doutrina ou faz pouca diferença na doutrina? Muito do que você diz em referência a Lucas 2 e 4:22 é verdade, mas você bem sabe que há uma grande diferença entre Maria falar num estado de espírito prático como você ilustrou, as pessoas falando conforme seu conhecimento limitado e a NARRATIVA sendo mudada de “José” para “pai”, quando isso tem suporte textual e se manteve então por 300 anos. Não há uma boa razão para fazê-lo.

Seu melhor ponto, eu diria, seria em Atos 12:4 onde “depois da Easter” [da KJV] é melhor traduzido “depois da Páscoa”. A Páscoa judaica está no Texto Recebido. No entanto, você não está conseguindo reforçar seu ponto aqui, já que ambas as palavras [Easter e Passover, em Inglês] são usadas como referência cronológica ao mesmo período. [Easter, aqui,] não tem nenhuma idéia implícita de coelhos e ovos. Se o melhor que você pode fazer é [,somente, criticar] “Easter”, eu permaneço não convencido da sua posição. *

* Nota: No início desse dia, eu não sabia que quase todas as Bíblias inglesas precedendo a King James Bible usaram “Easter” extensivamente, até mesmo para “a Easter Judaica” e o “o cordeiro da Easter”.


3. Argumento “ESTA QUESTÃO NÃO É UMA DOUTRINA DA BÍBLIA.”
- “Você fez DEMASIADA QUESTÃO sobre uma doutrina NÃO ENSINADA na Bíblia.”
- “...Os homens de Deus...ESTÃO TENTANDO ACHAR as exatas palavras do texto original.”
- “Intensivos esforços PARA ENCONTRAR o TEXTO VERDADEIRO foram empreendidos por uma multidão de bons homens.”
- “...A TRADUÇÃO NÃO É INSPIRADA. É somente a PRÓPRIA Bíblia que é inspirada.”

Se entendi suas citações corretamente, você está sugerindo o seguinte:

1. Ainda não temos o verdadeiro texto.
2. Ainda não temos uma Bíblia inspirada, tangível.
3. Tudo o que temos é uma tradução não inspirada e um texto inexato e nem tanto verdadeiro.

“16 TODA a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; 17 Para que o homem de Deus seja perfeito, e PERFEITAMENTE INSTRUÍDO para TODA a boa obra.” (2Tm 3:16-17 ACF)


A palavra TODA, aqui, significaria mesmo julgar a boa obra de tradução? Mas, conforme suas palavras, uma tradução não pode ser inspirada. Uma tradução, portanto, NÃO É [totalmente] PROVEITOSA para a doutrina nem a correção, a menos que antes você aprenda grego. Porém, se tivermos o trabalho de aprender grego, ainda não teremos o TEXTO VERDADEIRO, ou as PALAVRAS EXATAS, e ainda teremos problemas, pois só A “ESCRITURA INSPIRADA” É [totalmente] PROVEITOSA.


4. Argumento DESPREZE TODOS ARGUMENTOS DE RUCKMAN POR CAUSA DE SUA PERSONALIDADE E VIDA PESSOAL.
Você apela para a vida pessoal e a personalidade de Peter Ruckman para desacreditá-lo e jogar fora [todo] seu ensinamento [Embora o folheto de Rice sobre o “Divórcio” exonere Dr. Ruckman]. Não tenho meios de saber a verdade ou a falsidade das circunstâncias de suas acusações. [Mais tarde descobri o que sua mulher fez com ele, que se constituiu como [legítimo] fundamento [para divórcio]]. Porém, se o que você diz é verdadeiro, o modo como o disse, se poderíamos jogar fora o ensino dele sobre a ASV ser uma perversão, então também deveríamos nós jogar fora todo o seu ensino sobre a salvação pela fé em Jesus Cristo? Ou deveríamos somente dispensar aquilo sobre o que você discorda dele???? Não seria a verdade verdade, não importa quem a ensine? Em seu artigo e carta de 2 de fevereiro de 1973, li suas críticas a respeito de CALÚNIAS, falta de amor fraterno e falta de atitudes corretas, de um lado, e então eu li, por outro lado, sobre LOUCOS fundamentalistas e ataques [CALÚNIAS] sobre a vida pessoal de Ruckman e não pude deixar de sentir um padrão duplo em algum lugar.


5. Argumento de que SEGUIMOS FALSOS MESTRES
Conforme sua sugestão de que eu esteja seguindo Peter Ruckman, você deveria ser mais cuidadoso, pois as convicções que expressei são minhas, antes de ler os livros de Ruckman. Se você se lembra, enviei-lhe correspondência que reflete minhas visões datadas de abril de 1968 sobre a questão de Dewey Beegle. Os livros que li de Peter Ruckman são Manuscript Evidence (“A Evidência dos Manuscritos”) e The Devil’s Masterpiece, the NASV [“NASV, a Obra Prima do Diabo”] publicados em 1970 e 1972 [respectivamente].

Você nem definiu especificamente [qual é] o falso ensinamento de Ruckman, nem os refutou a partir da Palavra de Deus, que é a única autoridade que podemos usar para corrigir a falsa doutrina de alguém (2 Tim. 3:16,17). Agora lhe nomearei dois falsos mestres.Vou definir seus falsos ensinamentos e os refutarei.

1º Falso Mestre: Dr. Hort


1º Falso Ensinamento Deles: “Fui persuadido por muitos anos de que a adoração a Maria e a adoração a Jesus têm muito em comum em suas causas e seus resultados.”

1ª Refutação Mt. 5:10 e 1Tm. 2:5
[NOTA DA TRADUTORA: Deve ter havido um erro de digitação, Mt 5:10 não tem a ver com Mariolatria; por isso, apresento outra passagem:    “27 ¶ E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. 28 Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam.” (Lc 11:27-28 ACF) ]
“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” (1Tm 2:5 ACF)

2º Falso Mestre: Dr. Westcott


2º Falso Ensinamento Deles: "Ninguém agora, eu suponho, admite para os três primeiros capítulos de Gênesis, por exemplo, uma interpretação de história literal. Eu nunca poderia entender como alguém que os leia com olhos abertos possa pensar que eles constituam uma história literal.”

2ª Refutação: Mat 19:4
“Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez,” (Mt 19:4 ACF)


Westcott e Hort desenvolveram o Texto Grego que foi a base para a versão Revisada (RV), a antecessora da ASV, que é essencialmente a mesma versão. Talvez você ache esses dois estudiosos “espirituais” (Senhor, me perdoe!) e seus falsos ensinamentos, merecedores de sua atenção.

Bem, irmão Rice, nós certamente discordamos e isto é certamente infeliz. Espero que você agora não considere meus pontos de vista como arbitrários. Possivelmente você consideraria um debate com Peter Ruckman sobre essa questão tão controversa???? (Nós pagaríamos todas as suas despesas, irmão Rice.)

Em Jesus Cristo,
 Herbert F.Evans.






27 de fevereiro de 1973

Caro Dr. Rice:

Grato por sua carta de 15 de fevereiro de 1973. Lamento por você achar adequado desacreditar minha honestidade e me interpretar mal refazendo meus comentários. Lamento por você ter evitado a maior parte da minha carta falando sobre errôneas acusações de 2 de fevereiro de 1973 (carta e artigo). Você me acusou de seguir Peter Ruckman. Você acusou Peter Ruckman de ser um falso mestre, mas você não definiu qual é o falso ensinamento dele nem o refutou com as Escrituras, como se deveria fazer. Você acusou os tradutores da King James falsamente de terem traduzido mal Ap 22:14. Você acusou a Bíblia King James de ensinar um plano da salvação diferente, contradizendo sua própria afirmação de que [o conjunto de todos] os códices “fazem muito pouca diferença nas traduções e nenhuma diferença no ensino da doutrina nas Escrituras,” “Será que as várias traduções diferem materialmente sobre alguma doutrina...? No plano da salvação...? Não! Elas não diferem!” p.335 do seu livro Our God Breathed Book the Bíblia [“Nosso Livro Assoprado Por Deus, A Bíblia”]. Você não responde à sua contradição nem à minha defesa de suas acusações contra mim e outros. Sua última carta de 15 de fevereiro usa como recurso a distorção [de minhas palavras] e acusações de que eu sou desonesto, ao invés de você enfrentar as questões.
Apesar disso, responderei às suas acusações:

Sua Acusação Número 1:
". . .é bom citar Spurgeon, mas você deveria ser honesto quanto a isso... Ninguém tem o direito de fazer Spurgeon significar o que ele nunca disse… Spurgeon estava falando sobre a própria Bíblia, não sobre alguma tradução específica sobre ela... E contra quem Spurgeon estava falando? Ele diz claramente “os críticos.”

Se você reler minha carta, você verá que os únicos comentários que junto aos de Spurgeon são como segue:

“Para começar, cito algumas fortes palavras de Spurgeon. Desta forma, corto de você a possibilidade de dizer que eu estou distorcendo ou caluniando bons homens, nem colocando-me acima deles. ... Essas palavras de Spurgeon são meus sentimentos de modo geral.”

Essas palavras revelam meu motivo de expressar meus sentimentos gerais e evitar dar ocasião [deles serem distorcidos]. Eu poderia parar por aqui, já que sua acusação não tem nenhuma prova, nenhuma substância, mas você levantou alguns pontos interessantes. Você me lembrou que Spurgeon estava falando a críticos. Muito bem, vamos um passo além e descobrir que tipo de críticos. Também, vamos descobrir a que tipo de Bíblia ele estava se referindo.

1. São críticos os que, "levantam dúvidas sobre partes da Bíblia"
2. São críticos os que, "levantam questões sobre a uniforme inspiração da Bíblia como um todo”
3. São críticos os que, "são Corretores das Escrituras"
4. São críticos os que, "duvidam se esta parte das Escrituras pertencem à Palavra Inspirada"
5. São críticos os que, "julgam se [ou não] as Escrituras sejam de dúbia autoridade"
6. São críticos os que, "ditariam ao resto de nós" o que a Bíblia é e o que não é . . .

Agora, quanto à sua outra afirmação: "Spurgeon estava falando da própria Bíblia (?) não de alguma tradução específica...”: Se o entendi corretamente, como li sua opinião, você quis se referir aos Autógrafos Originais que tomaram a forma de uma Bíblia mística, eu menciono suas afirmações. Ibid., p. 354, p. 356

“. . .quando falamos de inspiração, falamos dos Autógrafos Originais, os Manuscritos Originais. Não temos nenhum dos Manuscritos Originais…portanto, as várias traduções contém, juntas, a eterna, imutável Palavra de Deus.” 

Apresento-lhe a Bíblia da qual Spurgeon falava:

1. Poderia ser lida pelo fazendeiro Smith—“Agora, fazendeiro Smith quando você tiver lido sua Bíblia . . . ”

2. Tinha partes que poderiam ser questionadas como partes “Inspiradas da Palavra”. 
[Não tinha partes que podiam ser questionadas, e Spurgeon a considerava plena e verbal e inerrável e infalivelmente inspirada por Deus, a pura e perfeita Palavra de Deus]

3. A Bíblia foi corrigida em algum lugar. "Esses corretores das Escrituras . . .”
[Não tinha parte nenhuma que precisasse nem pudesse ser corrigida, e Spurgeon critica “Esses corretores das Escrituras”]

4. Não foi chamada “Bíblia Original” nem “Autógrafos Originais”, nem “Bíblia Mística”.

5. O adjetivo usado na citação foi “a ANTIGA Bíblia INGLESA.” 

Dificilmente penso que o fazendeiro Smith estivesse lendo os Autógrafos Originais ou sua Bíblia Mística. Dificilmente eu pensaria que os Autógrafos estivessem sendo questionados como parte da Palavra Inspirada Original nem a Bíblia Mística. Dificilmente eu pensaria que eles estariam corrigindo os Autógrafos ou uma Bíblia Mística. Eu apresento o fato que foi você quem deu um significado diferente a Spurgeon, e não eu.

Novamente, essas palavras de Spurgeon são meus sentimentos contra qualquer tipo de crítico que se ajustem às qualificações acima, sejam críticos textuais, críticos superiores ou críticos comuns de meio-fio

Além disso, cito W.A.Criswell do seu livro. Se ele realmente quis dizer o que disse, de todo coração eu concordo com ele:

". . .com completa e perfeita certeza, posso pegar minha Bíblia e saber que li a revelada Palavra de Deus. O Deus que a inspirou [a Bíblia que ele usou??? Isto eventualmente assustará o bom doutor [Rice] – veja a última página – o telegrama final] também tomou o fiel cuidado de preservá-la através do fogo e sangue dos séculos.” Ibid., p. 366

Sua Acusação Número 2: “Você [Herb Evans] desdenha a erudição...”
"Se você não tem fé na erudição cristã honesta então não as mencione ou não se refira a ela.”

Você [propositadamente] torce as minhas palavras, como se eu desdenhasse toda a erudição – toda a erudição cristã. Porém, não estou contra toda a erudição. Eu defendo a erudição cristã honesta que não conflite com a Palavra de Deus. Sou, porém, contra a conjectura e contra a opinião mascarada de erudição. Eu desdenho a tendenciosidade doutrinal e descrente, passada como erudição, e sou contra a erudição que, ditatorialmente, quer me forçar coisas sem dar uma boa razão. Você diz em seu livro:

“Descrer em Cristo e na Bíblia desqualifica alguém a traduzir as Escrituras." Ibid., p. 378,

O que ocorre com Dr. Westcott, que escreveu:

Ninguém agora, suponho, que defenda os três primeiros capítulos de Gênesis como história literal – eu nunca poderia compreender como alguém, lendo-os com olhos abertos, poderia pensar que são [verdadeira e literal história].”

Você parece pensar que eu me desqualifico por citar eruditos porque não me uno a todos os seus. Não vejo nem seu raciocínio nem seu fracasso em afirmar a citação acima de Westcott, assim como de Hort ou para desafiá-las, independente se eu fiz ou não minha própria pesquisa.  

Sua Acusação Número 3: “Você [Herb Evans] não encara honestamente a defesa que faz… a doutrina feita pelo homem que a tradução seja inspirada e perfeita.”

Gostaria que você fosse mais específico quando me acusa de desonestidade. Minha posição é esta. A tradução em que Deus colocou Seu selo de aprovação é inspirada ao ponto em que as coisas se equivalham umas às outras são iguais em relação à mesma coisa. Deus inspirou os Autógrafos Originais de uma vez por todas. Ele então preservou o Texto através de uma multidão de cópias. Ele também preservou e garantiu sua fiel reprodução em outras línguas. Isto de forma alguma implica que os copistas ou tradutores tenham sido inspirados. Isto de forma alguma implica em que não tenha havido maus copistas nem traduções ruins. Isto implica em precisão na medida em que agora temos uma Bíblia infalível em nossa linguagem. Por infalível quero me referir: “1) livre de erro; 2) absolutamente confiável. Certo não pode haver erros” (Dicionário). Isto não implica que não haja palavras nem frases arcaicas, nem implica que não haja interpretações que não possam ser melhoradas ao modo como falamos hoje. Porém, declaro que as pessoas gregas e hebraicas modernas teriam problemas semelhantes, se tivessem os Autógrafos Originais. Seu teste para inspiração teria “reprovado” os Autógrafos Originais! Seu teste de inspiração teria permitido aos gregos não mais de uma Bíblia inspirada que aos ingleses.

Na página 356 e p. 360 do seu livro, você diz:

“Das Escrituras do Antigo Testamento que Jesus leu e amou e citou, Ele só tinha cópias. As Escrituras dos escritos de Moisés perto de mil e quinhentos anos antes…” Ibid., p. 356

“…O Senhor aqui garante mesmo a precisão verbal das traduções e cópias não de uma cópia específica ou de específica tradução, mas da Palavra inspirada EM TODAS ELAS JUNTAS. .” Ibid., p. 360

“...Portanto, as várias traduções CONTÉM JUNTAS a eterna e imutável Palavra de Deus." Ibid., p. 376

Você me acusa de doutrina feita por homens por causa da minha posição quanto à Inspiração e Preservação e, em paralelo com isto, você lança este estranho conceito de uma Bíblia Mística [que está presente no conjunto] de todas as traduções. O que é pior, você declara em seu livro que Jesus enfrentou a mesma situação e você supôs que então houvesse diferentes traduções. Você encontra esta doutrina ensinada nas Escrituras?
Você não tem um padrão para mim e outro para você? Por que não é uma doutrina feita por homens fazer o que você faz? Como segue:

”…nem uma única afirmação ou fato, nem um único comando ou exortação foram esquecidas em nossas traduçõeS.” [???]Ibid., p. 355

Por que, de repente, é uma doutrina feita por homens quando retiro o “S” de “traduçõeS” de sua citação???????


Sua Acusação Número 4: “Por que você é contra os manuscritos bizantinos( que[vocês]  professam pensar serem verdadeiros e confiáveis, entendo,) em Atos 8:37, que eles omitem?
 Quando eu professei isto? Onde em minha correspondência eu mesmo mencionei manuscritos bizantinos? Edward Hill, em seu livro The King James Version Defended (“A Versão King James Defendida”) declara Atos 8:37 Não Bizantino. No entanto, ele está incluído no Textus Receptus [e isto é tudo que importa]. Mesmo o texto liberal de Westcott e Hort o tem. Dr. Hills indica (p. 124, p. l25) que Irineu (ano 180), Cipriano (255), Paciano (370), Ambrosiano (380), Agostinho (400), E2 (século VII), Bíblia Siríaca Harcleana, 20 minúsculas, a Antiga Latina e Vulgata, todas o têm.


Sua Acusação Número 5:
“Já que não declarei que quem quer que copie um manuscrito ou todo aquele que pregar por algum manuscrito ou que traduzi-lo seria portanto infalivelmente inspirado, então não tenho que defender os manuscritos nem a suposta infalibilidade da Versão King James. É seu dilema, não o meu... ‘Por que não encará-lo honestamente [onde eu ouvi isso antes?]... A Bíblia não ensina que todos que citam a Bíblia a citam corretamente; todos que a copiam o fazem corretamente; todos que pregam as Escrituras o fazem corretamente; todos que traduzem a Bíblia a traduzirão corretamente? Não há tal doutrina na Bíblia sobre qualquer dessas coisas. Por que não gastar seu tempo em coisas que a Bíblia realmente ensina?”

Por que você me interpreta tão mal [distorce minhas palavras]? Quando foi que eu declarei que “qualquer um” que citou, pregou, copiou ou traduziu a Bíblia foi inspirado? O fato de eu condenar certas traduções e tradutores torna clara minha posição. Toda a questão desta correspondência foi sobre a ASV corrupta (a questão de onde partimos). Ainda melhor, quando foi que declarei que alguns dos copistas, tradutores, citadores ou pregadores foram inspirados????? As Escrituras não ensinam que os tradutores foram inspirados. Eles ensinam, no entanto, que as Escrituras foram preservadas. Você levanta polêmica com o que eu não disse, mas evita o que eu disse a respeito de Sl 12:6,7 e Is 59:21. Seu dilema é que você não tem uma Bíblia tangível e infalível. Não a tem em grego nem  em inglês [nem em nenhum idioma, nenhum livro real e palpável].
“6 As palavras do SENHOR são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes. 7 Tu as guardarás, SENHOR; desta geração as livrarás para sempre.” (Sl 12:6-7 KJV)
 “Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles, diz o SENHOR: o meu espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se desviarão da tua boca nem da boca da tua descendência, nem da boca da descendência da tua descendência, diz o SENHOR, desde agora e para todo o sempre.” (Is 59:21 ACF)



Resumo:
Você diz em sua carta: “Um debate com Dr. Ruckman? Não, as Escrituras dizem: “Não sejas companheiro do homem briguento nem andes com o colérico,” (Pv 22:24 ACF)
Eu não o convidei a fazer amizade com Dr. Ruckman. Convidei-o a um debate com custos pagos. Paulo não teve que fazer amigos para debater no templo. Acho que Pr 22:24 foi um pouco mal usado aqui.
Você escolheu mal interpretar-me [propositadamente distorcer minhas palavras], desacreditar minha honestidade, deixou de responder à minha defesa de suas acusações, e se afastou da questão real da ASV como uma versão corrupta. Se você estivesse certo sobre sua Bíblia Mística, você ainda teria que enfrentar a questão da corrupção da ASV versus a ausência de corrupção da KJV. O teste ocorrerá se você puder, com suas propagandas de páginas inteiras, conseguir que o povo de Deus, os crentes na Bíblia, aceitem a ASV. Digo que não o conseguirá. Deus tem Seu selo de aprovação na KJV.

Seu em Cristo Jesus, Herbert F. Evans






2 de abril de 1973

Caro Dr. Rice:

Grato por sua carta de 21 de março de 1973. Concordo com você que respostas extensas sobre este ponto não seriam úteis. Você, evidentemente encontrou, porém, alguma utilidade, ao duplicar sua primeira resposta de nossa correspondência na revista the Sword of the Lord [a Espada do Senhor]. Claro que seus leitores não tiveram a oportunidade de ler o resto da correspondência. Isto parece ser um procedimento padrão da “Espada” e, claro, é sua prerrogativa como editor. Porém, em benefício da justiça e objetividade, daqui para frente requisito sua permissão para duplicar toda a correspondência. [ Até 15 de março de 2003, não recebemos a permissão, mas então Dr. Rice [também] não procurou a nossa permissão].

Não! Você está certo: eu não lhe escrevi como um discípulo procurando informação. Eu pensei estar claro desde o início da correspondência que eu estava levantando a questão. Você parece pensar ser uma coisa humilhante ser ensinado ou corrigido por mim. Não posso dizer que o culpo quando pesquiso e compare minhas habilidades e realizações em comparação com as suas. Deixe-nos ser claro, no entanto: eu não abusei [não o injuriei] nem o caluniei (nem o chamei-o de fundamentalista louco ou radical). Apenas lhe informei do seu erro, tal como irmãos são instruídos a fazê-lo. Como posso ver, minha responsabilidade por você está agora cumprida.

Mais dois pontos em relação a você:

Ponto 1. Você diz:
“Você não tem razão para supor que Deus tem certos métodos para lidar com a Bíblia na ‘América’ e não se importa com o resto dela…é...inevitável: Em‘cada’ nação deve haver uma Bíblia infalível, sem qualquer erro de tradução, milagrosamente garantida, ou sua defesa da [perfeição somente na] ‘King James Version’ não tem nenhuma evidência, de modo nenhum.”

Seguindo sua linha de raciocínio e as regras da lógica que você fez, eu digo:

“Você não tem razão para supor que Deus tem certos métodos para lidar com a Bíblia no idioma ‘original grego’ e não se importa com o resto do mundo… é... inevitável: Em‘outras’ nações deve haver uma Bíblia infalível, sem qualquer erro de tradução, milagrosamente garantida, ou sua defesa da [perfeição somente nos] ‘Autógrafos Gregos Originais’ não tem nenhuma evidência, de modo nenhum.”


Ponto 2.
Sou grato que você ainda considere a KJV a “melhor” e mais útil. Então por que se incomodar com [defender e propagar] algo inferior? Por que não usar e recomendar só o melhor? Por que admirar e recomendar uma versão inferior e errônea que atribui a profecia de Marcos 1:2 a Isaías, quando tudo indica que foi Malaquias quem a disse? (Ml 3:1)
“Como está escrito noS profetaS: Eis que eu envio o meu anjo ante a tua face, o qual preparará o teu caminho diante de ti.” (Mc 1:2 ACF)
 “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Ml 3:1 ACF)

[As versões mais impuras dizem: “Como está escrito em Isaías: Eis que eu envio o meu anjo ante a tua face, o qual preparará o teu caminho diante de ti.” (Mc 1:2) ]
A “melhor” versão cita “os profetas”.

Agradeço-lhe por sua resposta e seu tempo.

Herbert F. Evans.






O GOLPE DE MISERICÓRDIA

THE SWORD – 6ª feira, 13 de abril de 1973, página 5

“Agora, o Senhor preparou coisas para nós, esta maravilhosa verdade. Você não vê que terá que responder a Deus a respeito da Bíblia? Eu tenho um milagre em minhas mãos neste Livro. Não me refiro ao papel. Não me refiro à capa de couro. Tenho nas minhas mãos uma mensagem de Deus, a infalível, eterna Palavra de Deus. E dez mil anos desde agora, ela ainda será a Palavra de Deus. Ela permanecerá para sempre. Ela foi escrita no Céu. Cada palavra dela nos manuscritos originais foi soprada por Deus. Quão tolo eu seria de ignorá-lo! Quão perverso se não lê-la!”


Western Union

CÓPIA DE CONFIRMAÇÃO DA MENSAGEM

Herbert F Evans, PC Box 442, Herkimer, NY 13350
3158665292 TDMT Herkimer NY 36 04-12 0557P EST

PMS Doutor John R Rice—Murfreesboro Tn 37130

Adendo à minha carta de 2 de abril: Eu li o Artigo da Espada de 13 de abril página 5.
A que versão você se refere em sua afirmação: “Eu tenho em minhas mãos uma Mensagem de Deus, a infalível, eterna Palavra de Deus?” --
Herbert F Evans






Um líder cristão comenta sobre o debate:
“Deus o entregou em suas mãos... você deveria considerar fazer um folheto das cartas. Eu aprecio sua forma gentil e cavalheiresca de lidar com essas questões.” E.L.Byum
Christian Leader Comments on the Debate

“É sempre uma grande benção ouvir o mesmo ponto de vista por um ângulo frio, calculado, legal e objetivo.” – Dr. Peter S. Ruckman

“ Certamente é um modo soberbo o que você usou para lidar com toda essa situação. Não vejo como Dr. Rice tem alguma perna para se sustentar… Nunca soube quão rápido você pode amarrar as pessoas em nós quando se trata da inerrante infalibilidade da Palavra de Deus.” – David Otis Fuller

”Você fez muito bem… de trazer esses assuntos à atenção daqueles que devem se interessas.” –Gordon Mellish, Secretário da Sociedade Bíblica

“Deus o abençoe por desnudar a posição do Dr. John R.Rice a respeito da Santa Palavra de Deus.” J.J.Ray






Herb Evans

Traduzido por Jeanne Rangel, Abr.2007.


[Por que os "altos escalões" dos seminários, da AIBREB - Associação das Igrejas Batistas Regulares do Brasil, e associações estaduais (APIBRE, AIBRECE, etc.) das Igrejas Batistas Regulares, ao invés de estudarem + agradecerem + aprofundarem + divulgarem alertas como este, os temem tanto e tentam a todo custo proibir que se os façam ante todos os membros de suas igrejas batistas regulares?!?! Hélio, 2011]




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)



(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-Traducoes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )