Mateus 6:13 E não nos induzas à tentação ...







1. O Problema: nos empurra Deus para cairmos em tentação, pecarmos??!!...

Tanto a ACF (Almeida Corrigida Fiel) quanto a ARC (Almeida Revista e Corrigida), edição 1948  (NOTA 1) trazem:

Mat 6:13 E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém. (Mt 6:13).

Muitos têm ficado perplexos ao lerem, nesta oração, o pedido "e não nos induzas à tentação". Afinal, "induzir" pode significar, entre outras coisas: causar, inspirar, incutir, arrastar, instigar, incitar, sugerir, persuadir, fazer cair, fazer incorrer (cheque, por exemplo, o "Novo Dicionário da Língua Portuguesa", de Aurélio, 1975). "Tentação" pode significar , entre outras coisas: perdição, diabo, disposição de ânimo para a prática de coisas ... censuráveis. Portanto, o pedido pode parecer, a alguns, implicar que Deus pode nos  instigar à disposição de ânimo para pecar, Deus pode nos fazer cair em tentação, Deus pode fazer um crente incorrer em pecado!

Ora, evidentemente isto contraria toda a Bíblia, toda a natureza de Deus revelada na Bíblia. Mais especificamente: o Espírito Santo conduziu Cristo para ser provado no deserto, Deus conduziu Abraão para ser provado no Monte Moriá, Deus nos conduz para sermos provados "Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência." (Tg1:2-3), mas Deus nunca nos tentou (no sentido de incitou) a pecarmos "Ninguém, sendo tentado, diga: 'De Deus sou tentado;' porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta." (Tg 1:13). Neste sentido, a Bíblia é clara e se explica a si mesma. DEFINITIVAMENTE:

DEUS A NINGUÉM TENTA (no sentido de incitar a pecar, de forçar a fazer o mal)!

 

Como, com toda a sinceridade, poderemos solucionar este problema de aparente conflito entre Mat 6:13 e o restante da Bíblia? A tradução da ACF e da ARC 1948 estão erradas, aqui? As da Atualizada, NVI e BLH estão corretas?

2. Solução Inaceitável: Interpretação humana ao invés de tradução.

Que temos nas bíblias baseadas no mau TC e que, ademais, usam o mau princípio de tradução por Equivalência Dinâmica (NOTA 2)?

Almeida Revista e Atualizada, NVI, Bíblia na Linguagem de Hoje: "e não nos deixe cair em tentação ..."

Ora, isto parece razoabilíssimo, bonitinho, parece solucionar brilhantemente o problema, todos aplaudem, mas será que em alguma parte da Bíblia vemos alguém no Espírito, antes da provação chegar, orar não para não ser submetido à provação, mas sim somente orar para que, vindo a provação no futuro, possa suportá-la bem, sem cair? Não, nunca vimos isto. Ao contrário,

- Vemos Salomão orando "8 ... não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume; 9 Para que, porventura, estando farto não te negue, e venha a dizer: Quem é o SENHOR? ou que, empobrecendo, não venha a furtar, e tome o nome de Deus em vão." (Provérbios 30:8-9, nunca enfatizado pelos neo-pentecostais da Teologia da Prosperidade ...),  não vemos Salomão orando " ... não ouso pedir que não me dês nem pobreza nem riqueza, somente rogo-te que, se eu vier a passar pela provação de enriquecer, então eu não te negue e ... . E, se eu passar pela provação de empobrecer, então eu não venha a furtar e ... ".
- Vemos o próprio Cristo, antes da provação de levar nossos pecados sobre Si na cruz do Calvário, orar "E disse: Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; afasta de mim este cálice; não seja, porém, o que eu quero, mas o que tu queres." (Marcos 14:36, este final também nunca é enfatizado pelos neo-pentecostais da Teologia da Prosperidade). Cristo, mesmo sempre tendo sido perfeitamente submisso à vontade do Pai, não orou somente "Não ouso te pedir que  este cálice não venha, apenas me dá o suportá-lo".

Ademais, mesmo que houvesse na Bíblia 1000 pessoas somente orando para não sucumbir ao pecado durante as provações mas sem pedir que elas não venham, ocorre que o que as palavras gregas (cada uma destas palavras infalivelmente inspiradas por Deus) dizem, em Mat 6:13, NÃO é o que a Atualizada + NVI + BLH dizem! Cristo NÃO ensinou que devemos orar significando apenas "não nos deixe cair, não nos deixe pecar quando as tentações vierem." Por mais difícil que nos seja entender, o que Cristo disse e ensinou, aqui, foi pedirmos para não sermos levados à tentação, o que é diferente!

ARA, NVI e BLH  são completamente inaceitáveis como tradução. Queremos ler, memorizar e obedecer exatamente as palavras, palavras ditas, palavras infalivelmente escolhidas e ditas por Deus, não as meras interpretações imaginadas por um homem, por mais plausíveis e bonitinhas que pareçam.

Mas, afinal, como podemos resolver o problema?

3. Solução pela Própria Bíblia

A cada dia, convenço-me mais que a melhor interpretação da Bíblia é dada somente por ela mesma, a Bíblia, somente por ela. Que, ao invés de lermos dezenas de comentários e dos mais profundos livros dos mais respeitados teólogos de todos os séculos; ao invés de sofregamente procurarmos e ouvirmos e aceitarmos as soluções dos mais respeitados eruditos intelectualóides da moda ou "pais" do passado (Sola Scriptura!); ao invés de consultarmos exaustivamente dezenas dos melhores dicionários e léxicos das línguas originais; ao invés de ficarmos inchando nosso ego "brincando de grego" (isto é, tomando os diferentes significados de uma palavra nos dicionários e léxicos, e, por mero desejo de atrairmos atenção e glória, ficarmos atribuindo um significado diferente da tradução da Bíblia num verso aqui e outro significado diferente da tradução da Bíblia em outro verso acolá, deslumbrando os tolos, confundindo e enfraquecendo a fé simples e pura de tantos); ao invés de tudo isto, o melhor e mais seguro é simplesmente usarmos uma concordância para localizarmos e lermos e meditarmos sobre todos os versos encontrados pela concordância. Desta simples mas cuidadosíssima comparação, juntamente com a observação do contexto imediato e com o ensino de toda a Bíblia, surgirá naturalmente a melhor interpretação a ser dada às palavras em foco. (NOTA 3)

3.1. "Induzas"

traduz a palavra grega 1533 "eisenegkhv" (e está na forma eisenegkhv - tempo Aoristo, voz Ativa, modo Subjuntivo, 2a. pessoa Singular).
Os dicionários, léxicos, e gramáticas, dão a eisenegkhv o significado de "puntilearmente (considerando a ação como um todo), em um tempo que não especificamos: não nos carregue para dentro de (literal ou figurativamente); não nos traga para dentro de; não nos leve para dentro de".
Mas não confiemos muito nestas fontes nem em nossa capacidade de escolhermos uma melhor tradução que a abençoada Bíblia da Reforma. Ao invés disto, analisemos todos os versos que têm a mesma palavra grega, ou uma derivada desta palavra:

- ... fazer entrar ... levar, ... (Lucas 5:18-19)
- E perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a qualquer que nos deve, e não nos conduzas em tentação, mas livra-nos do mal. (Lucas 11:4)
- ... trazes a ... (Atos 17:20)
- ... trouxemos ... (1 Timóteo 6:7)
- ... trazido ... (Hebreus 13:11)

Os versos e considerações bem mais acima

(particularmente que o Espírito Santo conduziu Cristo para ser provado no deserto, Deus conduziu Abraão para ser provado no Monte Moriá, Deus nos conduz para sermos provados "Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência." (Tg1:2-3), mas Deus nunca nos tentou (no sentido de incitou) a pecarmos "Ninguém, sendo tentado, diga: 'De Deus sou tentado;' porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta." (Tg 1:13).),

juntamente com os versos logo acima (particularmente com a passagem paralela Lucas 11:4) nos mostram simples e irresistivelmente que "induzas", em Mt 6:13, tem o sentido não de "obrigar, incitar a fazer", mas sim de "conduzir", "levar" (ao local de sermos provados).

3.2. "Tentação"

traduz a palavra grega 3986 peirasmov (e está na forma peirasmon - Substantivo, no Acusativo, Singular, Masculino).
Os dicionários e léxicos lhe dão o significado de "pôr à prova (através de experimentar a solicitação/ disciplina/ provocação do bem, ou do enfrentar a experiência da solicitação/ disciplina/ provocação do mal); por implicação: adversidade; tentação; experimentação; provação."
Mas, novamente, não confiemos muito nestas fontes nem em nossa capacidade de escolhermos uma melhor tradução que a abençoada Bíblia da Reforma. Analisemos todos os versos que têm a mesma palavra grega, ou uma derivada dela:

- Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. (Mateus 4:1)
- 1 ¶ E Jesus, cheio do Espírito Santo, ... foi levado pelo Espírito ao deserto; 2 E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e ... (Lucas 4:1-2; verso 13 também)
- E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações. (Lucas 22:28)
- Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. (Hebreus 4:15)

Deus Espírito Santo não levou Jesus para ser tentado pelo Diabo no sentido de que o Espírito Santo deseja ou faria  com que Jesus pecasse, ou empurrou para que Jesus pecasse. Mas, sim, teve o sentido de provar ao Diabo e ao mundo que Jesus jamais pecaria (o Diabo não é onisciente e não sabia disto). Portanto, "tentação" permitida ou originada por Deus tem sempre um bom propósito, tem sempre o sentido de exercitar-nos por submeter-nos a provas para o nosso bem e para a Sua glória.

- Mateus 6:13; 26:41; Marcos 14:38; Lucas 8:13; 22:40; Atos 20:19; 1 Coríntios 10:13; Gálatas 4:14; 1 Timóteo 6:9; Hebreus 3:8; 1Pedro 4:12; Apocalipse 3:10: nada a comentar;
- Lucas 11:4 é paralelo a Mat 6:13;
- Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; (Tiago 1:2)

Tg 1:2. Ora, devemos regozijar em Cristo quando caímos em tentação no sentido de cairmos em pecado? Pereça tal pensamento! Há dois tipos de tentações: (a) Uma tentação provindo do Diabo ou da nossa carne ou do mundo, sempre tendo um mau propósito, sempre tendo o sentido de nos degradar e fazer afundar no pecado, sempre sendo para o nosso mal, nunca visando a glória de Deus. (b) Outra tentação provindo ou sendo permitida por Deus, sempre tendo um bom propósito, sempre tendo o sentido de exercitar-nos por submeter-nos a provas para o nosso bem e para a Sua glória. Continuemos:

- Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, .... (Tiago 1:12)
- Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, (1 Pedro 1:6)
- Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e ... (2 Pedro 2:9)

 

4. Conclusão

A chave para a solução do problema não está propriamente na palavra "induzas", mas sim em compreendermos a palavra "tentação" ...

A tradução "e não nos deixe cair em tentação ..." (da Atualizada, NVI, BLH) é totalmente inaceitável, pois estas não foram as palavras do autor, são meras interpretação do tradutor, e queremos, temos que separar o que são as puras palavras ditas por Deus e o que é interpretação e aplicação por um homem, o pregador. Ao tradutor, e só a ele, o trabalho de traduzir. Ao pregador, e só a ele, o trabalho de apresentar e interpretar-explicar fielmente. O tradutor seja fiel ao traduzir cada palavra, o pregador em explicá-la.

A tradução "E não nos induzas à tentação ... " (da ACF e da ARC) é plenamente aceitável, como tradução fiel, ficando a cargo do pregador explicar "induzas" e, principalmente, "tentação", à luz da concordância e passagens paralelas. 

Mas talvez seja melhor

a) prioritariamente, mudarmos "tentação" para uma melhor tradução de "3986 peirasmon" neste contexto: "provação". (Ao pregador fica o encargo de explicar que provação, aqui, é o sermos provados por situações com o bom propósito de nos exercitar, de nos fortalecer, e de glorificar a Deus).
b) secundariamente, mudarmos "induzas" para uma melhor tradução de "1533 eisenegkhv " neste contexto: "conduzas". Isto casa bem com o fato de que o Espírito Santo conduziu Cristo para ser provado no deserto, Deus conduziu Abraão para ser provado no Monte Moriá, Deus nos conduz para sermos provados "Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência." (Tg1:2-3), mas Deus nunca nos incitou a pecarmos "Ninguém, sendo tentado, diga: 'De Deus sou tentado;' porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta." (Tg 1:13)

Assim, talvez seria melhor se a Almeida Corrigida Fiel e a Almeida Revista e Corrigida viessem a adotar a tradução "e não nos conduzas à provação, ...".




NOTA 1: As 2 únicas Bíblias que deveríamos adotar, em português, são a ACF e a ARC - 1948, pois:

a) são 100% baseadas no Textus Receptus, em grego, o qual embasou todas as Bíblias universalmente adotadas pelos crentes de todas as nações línguas e igrejas, desde a Reforma até que bem recentemente se introduziram bíblias baseadas no Texto Crítico;
b) são as únicas que podem legitimamente usar o nome de Almeida (herdeira das edições 1681 e 1753); outras bíblias usando o nome Almeida o fazem fraudulentamente, pois se baseiam num texto grego com milhares de diferenças daquele traduzido por Almeida e por todos os Reformadores; e
c) traduzem pelo princípio da Equivalência Formal, o mais literal e fielmente possível, palavra por palavra, a cada palavra do texto grego, dentro do seu contexto.

(Notemos: a ARC atual já tem certa contaminação pelo Texto Crítico ...).



NOTA 2: Na tradução por Equivalência Dinâmica o tradutor põe o que ele, ele  imagina (ou quer impor) que foi o pensamento do autor, sem que o tradutor se submeta totalmente às palavras que o autor escolheu. Notemos que, aqui, o TC e suas Bíblias desprezam a gravíssima advertência de Apocalipse 22:18-19, e omitem "porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém. Terrível! Mas o TC é igual ao TR, na primeira metade do verso, que estamos analisando.



NOTA 3:  Muitas vezes esta interpretação (provinda do exame cuidadoso de toda a Bíblia e somente ela) corrigirá o nosso léxico ou comentador preferido; pouquíssimas vezes melhorará (levemente) a Bíblia mais tradicional dos crentes da nossa língua, a Bíblia que foi poderosamente usada e abençoada por Deus desde o tempo em que a Reforma começou a alcançar sua nação de mesma língua; nenhuma vez corrigirá grave erro de tradução na Bíblia da Reforma, pois tais não existem.



Hélio de Menezes Silva, Jul 2001


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).

(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-Traducoes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )