Como Disciplinar Meu Filho - limites e regras baseadas na Palavra de Deus


Valdenira Nunes de Menezes Silva





"Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele." (Provérbios 22:6)


Todos estes limites e normas de disciplina podem ser colocados em papéis e assinados pelos filhos.

O Dr. Shellenberger nos mostra que há 3 partes neste processo:
1. Estabelecer limites bem definidos por escrito num contrato.
2. Supervisionar a vivência destes limites regularmente.
3. Lidar consistentemente com a resistência, usando a perda de privilégios.

1. Estabelecer limites bem definidos por escrito num contrato

Você poderá colocar em um papel todas as normas e limites que você como mãe (pai) achar necessário para a educação de seus filhos. Depois, procure explicar a eles item por item, para finalmente fazer com que eles assinem, cientes de suas responsabilidades, primeiramente diante de Deus e, depois, de vocês.

2. Supervisionar a vivência destes limites regularmente

É de nossa responsabilidade como mães, verificar se realmente todos os itens estabelecidos estão sendo cumpridos.
Mãe, não eduque o seu filho relaxadamente mas ame-o a tal ponto que todo o esforço que você colocar para cumprir todas a normas e limites colocados num contrato, é pouco. O adulto, que seu filho irá se transformar, está em suas mãos. Procure ter tempo para o filho que Deus colocou diante de você para que você o transforme através de suas orações e ações, em um homem temente a Deus que não só ama ao Senhor mas também ama os pais que Ele lhe deu.

3. Lidar consistentemente com a resistência, usando a perda de privilégio

Antes de falarmos que tipos de perdas de privilégios cada filho terá se quebrar o contrato assinado por eles, vejamos o que chamaremos de

Planilha número 1

Limites familiares

1. Aprender a Obedecer aos Pais
 
Responder imediatamente "Sim, papai/mamãe!" e fazer na hora o que foi pedido.
  . Não reclamar: "Não quero fazer isso!" "Tenho mesmo de fazer isto?" "Será que outro não pode fazer?" "Não é justo!"
  . Não aborrecer: "Por favor, por favor, será que não podemos fazer isto?" "Não posso mesmo ir, mamãe? Não posso
    mesmo?"

2. Aprender a Guardar as Coisas de Usar
  . Brinquedos no armário ou na garagem.
  . Roupas usadas no cesto de roupa ou penduradas no guarda-roupa.
  . Toalhas no toalheiro.
  . Ter um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar.

3. Aprender a Fazer as Obrigações
  . Arrumar o quarto antes de ir para a escola.
  . Por pratos e talheres usados na pia após as refeições.
  . Depois das aulas: lição de casa e estudo de piano antes de brincar tirar o lixo da casa nos dias do lixeiro passar; dar comida
    aos gatos; levar o jornal à mamãe.
  . Tarefas especiais quando mamãe ou papai precisarem de ajuda.

4. Aprender Boas Maneiras
 
. Refeições: tomar lugar à mesa, cruzar as mãos no colo e não falar antes de dar graças. Mastigar a comida com a boca
    fechada. Dizer: "Por favor, passe-me..."
  . Quando outros estiverem falando, esperar uma pausa na conversação e dizer: "Com licença, papai, posso...?"
  . Quando discordamos de alguém, não digo, e sim, procuro aprender, perguntando: "Como foi que você disse?" ou "Eu
    sempre pensei que...."

5. Aprender a Cuidar da Criação Divina: Pessoas e Coisas
   Pessoas (a si mesmas):
 
. Pela manhã: banho, se necessário; escovar os dentes; arrumar a bolsa para a escola; ouvir música ou história.

  Pessoas (os outros):
 
. Fazer perguntas - não discutir
  . Brincar com modos - não brigar
  . Orar pelos "inimigos" - não agredir
  . Ser educado e atento - não vingar (amor e gentileza são dons de Deus; Ele muda o nosso coração).

  Coisas:
 
. Conservar a casa e a mobília: não pular ou jogar nas cadeiras, camas, etc.; não jogue bola dentro de casa e não jogá-la
    contra as paredes; não subir em árvores pequenas.

Vejamos, agora, algumas perdas e privilégios que podemos aplicar como disciplina em nossos filhos: sem brinquedos, sem TV, sem cinema, sem lanchar fora, sem namoro, sem telefonar, sem sair, sem computador, etc. ...

Não Espere, Verifique

Procure sempre estar verificando se seus filhos estão cumprindo o contrato que eles prometeram cumprir.
Há um provérbio de Henry Brandt que diz: "As pessoas fazem o que você fiscaliza, não o que você espera."
Você vai perceber que depois de alguns anos, eles seguindo estas normas e limites, vão fazer tudo automaticamente.
 Mães, não deixem de orar por esta vitória!

Vejamos, agora, a sexta e última norma:

6- O desenvolvimento do caráter
Ensine o seu filho Gálatas 5:22-23), decore juntamente com ele, e ore, ore e ore.
"Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei." (Gálatas 5:22-23)

Procure mostrar a ele a maturidade que ele poderá ter se tiver todas estas características. Ensinando isto, você estará tornando o seu filho (a) uma pessoa cujo caráter agrada a Deus e aos homens.

Mateus 5:3-10 (as bem-aventuranças) nos diz o seguinte: 3 "Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; 4 Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; 5 Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; 7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; 8 Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; 9 Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; 10 Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus."

Filipenses 2:5-8 nos apresenta Cristo que é um exemplo em nossas vidas: "5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, 6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, 7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; 8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz."

Se o caráter de seu filho for entregue nas mãos de Deus, certamente ele irá resistir à pressão do grupo que o quer levar a caminhos errados.

"A qualidade íntima de caráter que achamos importante é o que a Bíblia chama de 'pureza de coração'" Para que seu filho tenha esta "pureza de coração" em sua vida, é necessário que ele tenha um relacionamento diário com o Senhor (isto, nós como mães que sempre quisemos o bem de nosso filho, já fazíamos com ele desde criancinha).

Agora, falemos de nossos filhos adolescentes e de sexo. Eles têm que aprender de nós, mães crentes, o que a Bíblia diz sobre o sexo pré-nupcial.
Sou eu, como mãe, que tenho que orientá-los a evitar, por exemplo, carícias íntimas que podem chegar até a relação sexual antes do casamento. E isto é pecado aos olhos de Deus. Como mãe, devo mostrar-lhes as conseqüências negativas da prática sexual antes do casamento:

"* Ela acentua imediatamente nossos desejos de prazer maior e mais freqüente.

 * Ela excita nossa natureza egocêntrica. Como dizem as Escrituras, ela nos dá coração endurecido, insensível. Tornamo-nos menos sensíveis às necessidades dos outros ao nosso redor, por passarmos mais tempo procurando meios de ter nossa necessidade sensual atendida. Tendemos a observar a vida como um meio de estimular nossos próprios sentidos, em vez de amar aos que estão ao nosso redor.

* A imoralidade também debilita nossa fé em Deus, porque quanto mais violamos os limites de Deus, mais precisaremos racionalizar que 'Deus não existe' ou que suas regras não são válidas. Isto pode levar ao questionamento do próprio criador de tais limites. Assim observei que os que praticam um estilo imoral de vida têm mais e maiores dúvidas sobre a existência de Deus.

* A 'liberdade sexual' e a promiscuidade podem na realidade levar a uma escravidão - escravidão aos nossos sentidos físicos e à impotência. Uma certa companhia de cigarros tem uma frase-chave que diz: 'Fume este cigarro. Ele satisfaz.' É uma astuta torcida da palavra satisfazer. Alguém já viu um fumante que fumasse um só cigarro e ficasse satisfeito? Ele precisa de outro, e mais outro. O mesmo pode dar-se com a imoralidade sexual."

Alertemos nossos filhos adolescentes! Incutamos em nossas crianças a Palavra de Deus, o temor ao Senhor, para que quando crescerem façam exatamente o que a Bíblia sempre as ensinou durante anos e anos (isto por causa da sua fidelidade como mãe). Só cabe a nós mães, lermos a Palavra de Deus, diariamente, com eles, decorarmos versículos e cantarmos corinhos que louvem, realmente, ao Senhor.
Mães, não esperem que o professor da Escola Dominical seja o responsável de falar a seu filho sobre sexo!
Já fui professora dos jovens na Escola Dominical e duas jovens (que nunca foram orientadas pelos pais) ficaram grávidas quando eu havia acabado de dar uma série de estudos sobre este assunto tão importante.
Trabalhemos incansavelmente, visando o futuro espiritual e material de nossos filhos!

Critérios Para Bater

"O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga" (Provérbios 13 :24).

"A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe" (Provérbios 29:15).

Se amamos o Senhor e se amamos o nosso filho, então, temos que obedecer à Sua Palavra.
Usarmos a vara é, muitas vezes, uma necessidade benéfica para o nosso filho que resiste, age com rebeldia e, até mesmo, nos desafia.

Mãe, veja o que diz o Dr. Armand Nicoli: "O principal problema com a disciplina física é que elas podem ser um desabafo para as frustrações, culpas ou raiva dos pais."

Até os 10 ou 12 anos a disciplina física é eficaz mas com crianças mais velhas é mais eficaz a perda de privilégios.
Para facilitar a nossa decisão de se devemos ou não usar a vara em nossos filhos, vejamos dez fatores a considerar:

1- Antes de bater no seu filho, avise-o. Para bater nele temos que ter motivos óbvios, como por exemplo: rebelião contra normas já existentes, agressão física a outros; desobediência a uma ordem dada.

2- Deixe claro qual é a responsabilidade da criança, por sua desobediência. Ela tem que saber que ela é responsável pelo seu erro. Precisamos ter sabedoria para não deixar a criança botar culpa no outro. Ela tem que admitir o seu erro.

3- Evite constrangimento e interferência externa. Procure disciplinar o seu filho em particular, nunca em público. Se você o corrige em público, você vai desmoralizá-lo. Por favor, não diga: "Ele bem que merece passar esta vergonha!" Cuidado para não fechar o espírito do seu filho!

4- Comunique seu lamento maternal quanto ao erro feito. Converse com ela e procure tanto se acalmar como acalmar a criança, a fim de obter dela, um arrependimento real.

5- Associe amor à disciplina física. Mostre que você vai discipliná-lo porque o ama. Ele pode até questioná-la mas mostre-lhe que isto é verdade.

6- Use um objeto neutro para disciplinar fisicamente. Nunca use a mão, pois é com ela que acariciamos e abraçamos nossos filhos. "A correção persistente pode quebrar a teimosia."

7- Discipline ou bata até que a vontade seja quebrada. Nunca castigue seus filhos com ira ou raiva. Procure antes se acalmar para poder conversar e aplicar a correção equilibradamente, pois se você estiver irado pode até fechar o espírito da criança e não a sua vontade.

8- Conforte a criança após bater. Mesmo que ela não aceite o seu abraço, espere pacientemente mas procure abraçá-lo, pois esta sua atitude vai provar que você o ama.

9- Discutam qualquer reparação que seja necessária. Se, por exemplo, a criança bateu em uma outra criança, faça-a ir até a outra pedir-lhe perdão. Ela tem que aprender a reparar o seu erro.

10- Avalie sua correção e a reação de seu filho a ela. Se você foi injusta na sua correção - bateu nele sem ele ser o culpado; procurou corrigi-lo com muita raiva ou na frente de outras pessoas, humilhando-o; foi excessiva no castigo... - então, peça desculpa a ele e procure seguir os passo para a abertura do seu espírito.

Mãe, "severidade é importante, mas eu diria que, na educação de crianças, a ênfase deve ser de 45% de severidade com os limites e 55% de relação amorosa.
Junto com o amor incondicional e o apoio aos filhos, pais bem-sucedidos devem equilibrar este amor com a fixação de regras limites claramente definidos."
--------------------------------------------------------------------------------------------------
(Estudo baseado no livro de Gary Smalley "A Chave Para o Coração do Seu Filho") Lição 4 -
continuação.
 

Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org/ )


Retorne a solascriptuta-tt.org/DoCoracaoDeValdenira/