BRINCANDO DE CASINHA DE BONECAS COM A IGREJA DE DEUS

Uma advertência solene aos santos da igreja do Senhor.    




Muitos pensam que Deus criou a igreja e deixou que a ordem e decência da igreja fossem definidas por qualquer um, em qualquer época e ao sabor das circunstâncias e inclinações culturais. Esse engano, às vezes consciente e às vezes inconsciente, é fruto de descaso com a Palavra de Deus, o verdadeiro manual da igreja, a autoridade final. Muitos tratam a igreja, de modo semelhante a duas meninas brincando de casinha de bonecas. Elas fazem o que querem com as funções e papeis dos membros daquela casinha. Mesmo ambas sendo meninas, ambas concordam que uma delas vai ser o pai e a outra vai ser a mãe. Na brincadeira movida a fantasia elas fazem o que querem. Quando uma se cansa de ser o pai, diz para a outra, agora é sua vez de ser o pai. Depois, como se cansaram de brincar de casinha de bonecas, decidem que a casinha não é mais casinha, mas um armazém, um shopping center, um hospital ou outra coisa qualquer.

Seguindo no mesmo clima de fantasia e irresponsabilidade acima, alguns líderes de igreja, vão tratando a igreja sem nenhum temor a Deus, como se a igreja fosse a casinha de bonecas que falamos acima. Sua maior arrogância e terrível pretensão é tratar a igreja como se fosse propriedade deles, e que com ela pudessem fazer o que quisessem. Esses maus líderes, verdadeiras maldições para suas igrejas, criando confusão e sucessivas divisões na igreja local, não somente mudam os papeis da liderança da igreja, mas, também, mudam os próprios papeis e funções da igreja do Senhor, que eles pensam que é deles, e pensam que essa brincadeira de mau gosto, soberba insana e fantasia demoníaca vai lhes sair barato.



Algumas verdades bíblicas esquecidas por esses líderes-lobos que tentam transformar a igreja do Senhor em casinha de bonecas:

1.     Que a igreja não é deles, mas é propriedade exclusiva de Deus. O Novo Testamento se refere sempre a igreja como “igreja de Deus”  (II Co 1:1; Gl 1:13; I Tm 3:5)

2.     Que a igreja já tem uma ordem e decências estabelecidas pela Bíblia. Que o Novo Testamento foi escrito para que os líderes fiéis soubessem como proceder na igreja do Deus vivo. “Para que, se eu tardar, fiques ciente de como se deve proceder na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade”.  (I Tm 3:15).

3.    
Que Deus não terá por inocente os servos maus e negligentes que transformam a sua igreja num covil de malfeitores e politiqueiros carnais. (Mt 12-13; 24:48-51; 25:26, 30).

4.    
Que os maus líderes que dividem e dilaceram a igreja do Senhor por motivos pessoais e carnais, não escaparão do juízo divino que os destruirá, bem como a seus comparsas e cúmplices. “Vós, porém, amados, lembrai-vos das palavras anteriormente proferidas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo, os quais vos diziam: No último tempo, haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias paixões. São estes os que promovem divisões, sensuais, que não têm o Espírito”. (Judas 17-19)

5.    
Que a politicagem carnal e mundana é apropriada ao mundo e nunca jamais à igreja do Senhor, e os que dela participam estão entre os carnais inveterados nas obras da carne que não terão parte no Reino dos Céus. (Gl 5:19-21)

6.    
Que aqueles que destruírem o santuário de Deus, Deus os destruirá. (I Co 3:17)



I – DE QUEM É A IGREJA LOCAL?

- COM CERTEZA ELA NÃO É DE HOMEM OU ENTIDADE ALGUMA.

1)     A IGREJA NÃO É DO PASTOR – Ao Pastor de uma igreja foi confiada grande autoridade unida a grande responsabilidade. Como o bispo da igreja ele é individualmente a maior autoridade da igreja, o supervisor, administrador, gerente de toda a igreja, porém, pesa sobre ele a gravíssima responsabilidade de prestar contas diretamente a Deus pelo rebanho do Senhor, a ele confiado. Por isso, o pastor bíblico deve pastorear a igreja como a “igreja de Deus” e não como a sua” igreja, como se tivesse o direito de fazer com ela o que melhor lhe parecesse.

     Pastorear a igreja como igreja de Deus é pastorear não para agradar a si mesmo, parentes ou a qualquer membro da igreja, mas, pastoreá-la para agradar tão somente a Deus. Um pastor que pastoreia uma igreja para agradar a homem não é servo de Cristo, portanto, também não é um pastor de Deus. Um pastor que não é um pastor de Deus, realmente chamado por Deus, para viver e agradar a Deus, de fato, é uma maldição para qualquer igreja. [Atos 20:28 – “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue”].

2)     A IGREJA NÃO É DE UMA LOCALIDADE ou CULTURA – Embora, a igreja local esteja em determinado local ou cultura, a igreja não pertence àquele local ou cultura como se suas normas tivessem de se adequar ou se submeter às leis e regras daquele local ou cultura.
- Por exemplo. Alguém diz, nossa igreja já está neste local há muitos anos e sempre fez deste “Jeito”. O que vai interessar no final das contas, não é o tempo e as pessoas que apóiam aquele “jeito” peculiar da igreja ser. O que realmente vai importar no final de tudo, é o que realmente é à vontade de Deus, conforme revelada em Sua Palavra a Bíblia Sagrada.
     [1 Coríntios 1:2 - “à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”]:

3)     A IGREJA NÃO É DOS CRENTES –  A igreja de Coríntios tinha os crentes mais “carnais” destruidores da igreja de Deus que se tem registro. O espírito destruidor dos coríntios estava exatamente no fato de tratarem a igreja como se fosse deles. Por isso, Paulo começa aquela carta, baseando toda sua doutrina e instrução para igreja, no fato de que a igreja é de Deus, e não dos crentes, e que o Senhor é a autoridade máxima da igreja, ou seja, Cristo e não os crentes.

     Embora as igrejas batistas tenham como distintivo o governo congregacional-democrático, ou seja, as decisões da igreja devem ser feitas pela maioria dos votos dos crentes reunidos em assembleia, isto não lhes dar direito a decidirem qualquer coisa que viole a Palavra de Deus. De fato, numa igreja verdadeiramente bíblica, o governo é teocrático-bíblico, ou seja, Deus é que governa através da obediência incondicional da igreja à sua Palavra.

    - O que chamamos de governo congregacional-democrático da igreja, de fato, em muitas igrejas, não é um governo nem congregacional e muito menos democrático, mas sim, autocrático, onde o povo ou um grupo usurpa o governo de Deus, enganando-se pensando que a maioria pode decidir o que é certo e o que é errado. Numa igreja que realmente é bíblica e está sob o senhorio de Cristo, só há lugar para o governo bíblico, ou seja, toda questão só pode ser decidida pela Bíblia e nunca por uma maioria controladora. Vence quem provar biblicidade.

    - Porém, embora as igrejas Batistas digam que sua única regra de fé é a Bíblia, e seus crentes digam que concordam com isso, de fato estão mentindo. Sua única regra de fé e prática são os caprichos de crentes carnais e nominais que tratam a igreja como se fosse sua casinha de bonecas, fazem e desfazem, mudam o que querem, destroem, tornam-se a maldição e tropeço da igreja de Deus.

    - Esses “crentes perversos e pervertidos” se tornam famosos por terem se tornado “os donos da igreja”, de modo, que ninguém faz nada sem o seu consentimento e cumplicidade. São conhecidos também como “peritos em botar pastor para fora da igreja”, porque, ou o pastor faz o que eles querem, ou então o pastor pode arrumar as malas, ou seja, em vez de pastorear a igreja, o pastor deve se deixar intimidar e se deixar pastorear por este grupo de “filhos de belial”, do contrário, os tais “crentes malditos” tornarão a sua vida na igreja um inferno, chegando ao ponto, em que, ou ele sai, ou fazem uma política infernal para pô-lo para fora em uma assembleia de escarnecedores e zombadores das coisas sagradas. 



II - O QUE ACONTECE QUANDO PASTOR E LÍDERES TENTAM SER DONOS DA IGREJA DE DEUS.

A igreja se torna amaldiçoada por um império de carnalidade, perversidade e joio, onde os pastores e líderes de belial levam a igreja a ser progressivamente destruída.

à  Há igrejas, cheias de crentes e líderes malditos pela carnalidade, perversidade e falta de conversão, verdadeiros filhos do inferno, que, pelo fato de não temerem a Deus e nem se submeterem à Sua Palavra, já começam amaldiçoando a igreja, quando essa quer convidar um pastor. Esses filhos de belial não querem um pastor de Deus, um homem santo, nem um profeta do Senhor.

à  Eles querem um pastor “frouxo”, “mundano”, “carnal” e não convertido como eles, por isso, todos os pastores sérios e tementes a Deus são riscados da possibilidade de integrarem a lista de possíveis candidatos àquela igreja. Finalmente, conseguem um pastor conforme o perfil que desejavam. Convidam o homem, porém, quando aqueles líderes, que são a maldição de suas igrejas, começam a se relacionar como o “novo” pastor, percebem que se enganaram, ou seja, que não será tão fácil dobrar aquele pastor carnal, pois uma das características da carnalidade é a obstinação e dureza de coração. Logo, não demora muito tempo, começa uma terrível batalha entre o pastor de Belial e os líderes filhos de Belial. Dependendo do caso, o pastor de belial bota os líderes de belial para fora, ou o inverso, os filhos de belial botam o pastor de belial para fora. Porém, a desgraça toda fica sempre para a igreja, que tem sobre si a maldição de ir de divisão em divisão, de pastor em pastor, até a sua destruição final.

à  Um exemplo deste tipo de crentes é visto na igreja de Corinto. Por isso Paulo os adverte solenemente a não se tornarem tropeço ou queda para a igreja de Deus e ainda mostra que a atitude daqueles crentes-tropeço para igreja era de fato de desprezo pela verdadeira igreja de Deus, ou seja, esses infelizes que fazem divisões carnais na igreja, de fato não amam a igreja, mas apenas a sua vaidade e soberba pessoal. Porém, o dia chegará em que a maldição em que eles transformaram a vida da igreja cairá por cima deles, e terão o fim de todos os divisores carnais do povo de Deus. 



à Exemplo de pessoas que participaram ou foram cúmplices de divisões carnais do povo de Deus:

(1)  A começar de LÚCIFER que dividiu os anjos de Deus, e é o inspirador de todas as divisões carnais e pai de todos os divisores carnais, condenado para sempre à escuridão e ao abismo de tormento eterno. Esse é o fim dos divisores carnais. (Is 12:14-15)

(2)  Passando por CORÉ, DATÃ E ABIRÃO que foram tragados vivos no abismo, eles e suas famílias que foram cúmplices do partidarismo e politicagem para derrubar Moisés, pois, não perceberam que desprezar alguém enviado por Deus é desprezar o próprio Deus (Nm 16:12-33).

(3) Finalmente, todos os CRENTES NOMINAIS, verdadeiros filhos de belial que dividem igrejas, expulsam pastores e amaldiçoam suas igrejas, segundo a sentença de Cristo, suas casas ficarão desertas, e eles próprios no tempo certo serão tragados pelo abismo.

1 Coríntios 10:32  Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus.


à  Descrição de líderes divisores carnais do povo de Deus

 (1)       Moisés chamou Core, Datã e Abirão, de homens perversos, por tentarem dividir o povo de Deus através de rebelião carnal contra ele, que era o legítimo pastor constituído por Deus (Nm 16:26).

(2)      
São chamados na Bíblia de  filhos de Belial ou do Diabo, como os filhos de Eli, que eram líderes que não se importavam com o Senhor e com a santidade da Sua casa, mas zelavam apenas pelos seus interesses carnais. Todos os filhos de belial serão lançados fora da casa do Senhor e terão a mesma sorte dos espinhos, que é serem queimados. (I Sm 2:12; II Sm 23:3-6)

(3)      
Não amam a igreja, pelo contrário, a menosprezam, e mentem quando dizem que fazem política e divisões porque a amam.  “... menosprezais a igreja de Deus e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto, certamente, não vos louvo” I Co 11:22.

(4)      
São crentes Nominais (apenas de nome). Dividem a igreja através do partidarismo e politicagem, motivados por soberba e a vã glória de defenderem o seu prestígio e interesses carnais. Sem se aperceberem que os que fazem e praticam tais coisas não terão parte no Reino de Deus, ou seja, os tais, mostram que não são convertidos, mas pertencem à classe do joio, a ser queimado eternamente no inferno. “Ora, as obras da carne são conhecidas e são... inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas... e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam”. (Gl 5:19-21).

(5)       Em sua carnalidade desobedecem ao mandamento do Senhor de tudo fazer por humildade, sem politicagem e vanglória que trazem maldição e morte para igreja, mas, pela renúncia do eu e pela humildade, fazer da igreja local um lugar de bênção e vida. “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo” (Fp 2:3).

à O próprio Paulo norteava seu ministério pela humildade, embora, se quisesse poderia se gloriar na carne, mas preferia se gloriar nas suas fraquezas e depender do Senhor e não de politicagem carnal. Ao invés de se achar o maior de todos, se declarava o menor de todos.  “Porque eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a igreja de Deus”. (I Co 15:9.  Se tenho de gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza”. “De tal coisa me gloriarei; não, porém, de mim mesmo, salvo nas minhas fraquezas... Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte”.(2 Co 11:30; 12:5,10 )

(6)       Gabam-se de suas conquistas arrogantes e carnais, mas sua ruína se aproxima. “Antes da ruína, gaba-se o coração do homem, e diante da honra vai a humildade” (Pv 18:12).


(7)   Judas descreve e qualifica estes crentes nominais que destroem suas igrejas através de sucessivas divisões de um modo inconfundível:

- “Dissimuladores” (hipócritas, fingidos), “homens ímpios” (não temem a Deus), “transformam em libertinagem a graça de Deus” (resistem aos princípios de santidade, embora digam com a boca, que crêem no Senhor Jesus Cristo, de fato, a sua vida nega o Senhorio e a Soberania de Cristo. (Jd 5)
- “Sonhadores alucinados (vivem de fantasia e ilusões carnais), não só contaminam a carne, como também rejeitam governo e difamam autoridades superiores” (por isso, não são pastoreáveis, pois, se consideram pastores de si mesmos). (Jd 9)

- Não são ensináveis, em sua soberba acham que já sabem tudo. “
Estes, porém, quanto a tudo o que não entendem, difamam; e, quanto a tudo o que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas coisas se corrompem”. (Jd 10)

- Judas alerta para o ai de maldição sobre eles e os compara a Caim, que foi amaldiçoado por Deus e a Coré, que foi tragado vivo pelo abismo. (Jd 11)
- Judas diz que eles são insolentes em suas palavras (não respeitam ninguém), pois os chama de ímpios pecadores. (Jd 15)

- Murmuradores, descontentes, andando segundo as suas paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias; aduladores dos outros, por motivos interesseiros. (Jd 16).

- Escarnecedores do tempo do fim, homens cuja especialidade está em promover divisões sensuais ou carnais. Os escarnecedores são palha. Serão expulsos da congregação dos justos. (Jd 17-19; Sl 1:1-6)



III – BRINCANDO DE BONECAS COM AS IGREJAS BATISTAS REGULARES.

Pelo que vimos acima, não vale a pena brincar de casinha de bonecas com as igrejas do Senhor. A igreja é coisa séria. Não é casa de bonecas, mas a casa do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade. A pérola de grande preço. A menina dos seus olhos. Deus não terá por inocente ou ignorante aquele que tratar levianamente a preciosíssima noiva de Cristo. Porém, parece que alguns líderes de igrejas Batistas Regulares não temem as maldições que pesam sobre os pervertedores e divisores carnais de igrejas.

Através do Brasil temos ouvido de líderes de igrejas que conduzem suas igrejas de divisão em divisão, de pastor em pastor. Vão brincando de chamar pastores, só para em seguida tornar a vida deles um inferno, de modo, que sem alternativa, se vêem obrigados a sair.

Esses líderes de belial não são apenas diáconos, mas há também pastores de belial que vão transformando o ministério da igreja de Cristo em uma brincadeira de casinha de bonecas. Vão mudando os papeis de pastor, diácono, de crente e até da igreja. 



Antes de finalizar eu quero fazer um apelo aos autênticos líderes cristãos da igreja do Senhor. Aqueles que, embora pudessem se gloriar na carne, gloriam-se apenas nas suas fraquezas e no Senhor. Embora tenham muitos anos de experiência na obra do Senhor, alguns tenham curso superior e importantes profissões na vida secular, outros sejam ricos de recursos materiais, mesmo assim, não se aproveitam de suas condições materiais e seculares para brincar com a igreja do Senhor. Que como fiéis servos do Senhor, que continuem a cultivar a humildade e o temor do Senhor, que são distintivos dos verdadeiros crentes e servos do Senhor.  

A igreja do Senhor Jesus Cristo não deve tolerar nem pastores de belial, nem diáconos de belial, nem qualquer crente de belial.

Vamos respeitar as coisas de Deus. Vamos ter mais temor a Deus
. Pois, se estamos brincando com as coisas de Deus, com certeza Deus não brincará conosco, quando descer em juízo e maldição sobre os filhos de belial que empestam as igrejas do Senhor neste tempo do fim.

Vamos buscar viver em santidade e humildade. Somente os humildes verão o Reino de Deus e somente os santos verão a Deus. As batalhas carnais não compensam. Batalhemos somente pela fé.  (Mt 5:3; Hb 12:14).



  
Pr. José Laérton.
IBR Emanuel, Fortaleza




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SeparacaoEclesiastFundament/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )