Eu Não Sou Seu Pastor!
(Uma Exortação Para Meus Leitores Agirem Sabiamente Nas Igrejas)


[Achem a melhor igreja de doutrina batista que seja realmente fundamentalista, num raio de 40km, e tenham máxima participação e comunhão dentro dela, sempre agindo sabiamente.
Este artigo poderá ser de grande ajuda edificando alguns crentes que lêem justas defesas apologéticas, depois vêem os erros de suas igrejas e lutam contra eles, mas o fazem carnalmente, causam problemas maiores que os necessários, ao final afastam-se amargurados, nunca mais procuram uma boa igreja, acham defeitos em todas elas, cada vez mais isolam-se e frustram-se, defendem a verdade, mas de uma forma carnal. Hélio.]







 

O que se segue são algumas verdades que considero muito importantes e que eu gostaria que todos os meus leitores gravassem em suas mentes. Por favor, considere o fato de que eu não sou seu pastor. Espero ser um auxiliador em Cristo, mas não sou seu pastor. E quero lhe dar uma exortação sobre como agir sabiamente nas igrejas.

A vasta maioria de vocês sabe e vive essas coisas, mas às vezes ouço coisas de pastores e outros que me fazem perceber que alguns dos meus leitores podem precisar desta exortação. Ao mesmo tempo, não tenho nenhum caso específico em mente, assim não há necessidade de me escrever ou tentar explicar-me sobre você mesmo. Melhor, deixe-nos ser doadores da palavra e não apenas ouvintes.



NÃO APOIO AQUELES QUE HOJE SE SEPARAM DE TODAS AS IGREJAS

Deixe-me tornar isto bem claro: não apoio aqueles
 que se separam hoje de todas as igrejas. Enquanto creio que o povo de Deus deve discernir e ter cuidado e não ver o erro superficialmente, ao mesmo tempo, devemos ser pacientes e fiéis à instituição ordenada por Deus, a igreja e à autoridade pastoral ordenada por Deus e acredito que deveríamos lutar o mais que possível pela unidade e não pela desunião entre os verdadeiros crentes. Ambas as coisas são enfatizadas nas Escrituras, embora isto não seja simplesmente uma questão de obedecer a ambos em qualquer tempo e lugar.

Se você pensa estar justificado para se separar hoje de todas as igrejas por causa dos escritos de David Cloud, você está errado. Eu não prego isto e não me agrada quando as pessoas o fazem.
Há centenas de igrejas que eu apoio.

Em alguns casos pode não haver uma igreja enfática, espiritualmente saudável, crente na Bíblia, dentro de uma distância razoável e não espero que o povo de Deus frequente uma igreja que mine sua fé ou impeça suas vidas espirituais ou as de seus filhos.

Mas, minha recomendação nesses casos sempre tem sido encontrar um modo de poder iniciar uma boa igreja no local específico ou se mudar para um lugar onde haja alguma. Tem sido dito que “onde há uma vontade, há um modo” e isto é normalmente verdade. Paulo disse: “ Tudo posso Naquele que me fortalece” (Fl 4:13). Quando Deus nos diz para fazermos algo, Ele providencia o modo e a igreja é o programa de Deus para esta época. Isto está mencionado mais de 100 vezes nas Escrituras. A maior parte do Novo Testamente é escrito às igrejas. Somos comandados a não deixar de nos reunir (Hb 10:25) e obedecer àqueles que nos regem (Hb 13:17). Essas Escrituras garantem que estaremos numa igreja. Os primeiros crentes continuaram inabaláveis na doutrina, companheirismo, como oradores e partilhando o pão na igreja (At 2:42). Paulo encomendou Febe à igreja em Roma e lhes lembrou que ela era uma serva da igreja em Cencréia (Rm 16.1). Este é o exemplo colocado diante de nós nas Escrituras.

Fui salvo há 35 anos e sempre encontrei um modo de ser fiel à igreja enfática do Novo Testamento. Tem havido tempos em que tive que freqüentar uma igreja que não me agradava muito, mas à luz da ênfase da Bíblia sobre a igreja, não vou negligenciar o programa de Deus e exorto todos os meus leitores a seguir este exemplo!

Gente, as ovelhas precisam de aprisco e de pastores e é isto que Deus providenciou na igreja.



SEJA SÁBIO E CUIDADOSO E PACIENTE AO LIDAR COM PROBLEMAS E ERROS NAS IGREJAS.

Me incomoda quando ouço que leitores dos materiais do Modo de Vida estejam causando problemas SEM SABEDORIA para boas igrejas crentes na Bíblia e o estejam fazendo em meu nome!

Por favor observem que EU NÃO DISSE que me incomoda de ouvir que os leitores dos materiais do Modo de Vida estejam causando problemas nas igrejas.
Alguns problemas são divinos. Há igrejas que precisam urgentemente que alguns membros subam ao altar e procurem trazer uma mudanças divina. DE MODO ALGUM QUERO DESENCORAJAR OS CORAÇÕES DO POVO DE DEUS QUE ESTEJAM TENTANDO SE MANTER COMPROMISSADOS COM A VERDADE E A CORREÇÃO DESTA GERAÇÃO MÁ, MAS HÁ UM MODO CERTO E UM ERRADO DE FAZER AS COISAS

Um homem me escreveu dizendo: “Seu remédio é forte e necessário.
Só precisa
ser administrado cuidadosamente”. Eu concordo com ele 100%.

Esse homem me contou sobre pessoas que ele conheceu que tentaram mudar o programa de ganhar almas em algumas igrejas para enfatizar sobre o arrependimento e tirar as igrejas daquilo que chamo de “oração rápida” (rápida para levar as pessoas a fazer a oração do pecador mesmo quando há uma convicção ou arrependimento óbvios, rápida para declarar as pessoas salvas, mesmo quando não há evidência então, rápida para anunciar estatísticas de “salvação”, mesmo quando um grande percentual delas são falsas). Este homem afirmou que essas pessoas acabaram causando problemas para as igrejas não cumprindo nada de bom. Já que eu não era familiar àquela situação, não sei se ele estava dando um quadro exato, mas lhe perguntei o que exatamente estava errado naqueles casos específicos, a seu ver. Ele respondeu como segue:

“Eles não estavam trabalhando de cima para baixo e estavam sendo muito fortes/dogmáticos.
Eu estou certo. Você está errado. Pode-se estar certo e não ser certo sobre o assunto, produzindo efeito nulo sobre a mudanças desejada. Este fala para aquele e causa uma divisão, antes do assunto chegar ao pastor. Agora ele tem um problema complexo, com uma divisão na igreja. Precisamos trabalhar do topo ao chão, com humildade e graça, sabendo que leva tempo para mudar o curso de um navio. Junto com o remédio forte precisamos também ensinar tato para ministrá-lo para que ele produza o melhor benefício e o menor dano. Esperamos não olhar para trás e dizer: “A operação foi um sucesso; cortamos todo o câncer. Que pena, o paciente morreu”! Nosso trabalho bíblico ao ponto formatou muitas das coisas que faço e acredito. É lucrativo e necessário. Nós só precisamos delas na dosagem certa para ser mais eficaz.

Concordo com esses pensamentos e escrevi sobre este tipo de coisas muitas vezes. Os artigos “Chaves para Membrania Frutífera nas Igrejas” e “A Autoridade do Pastor e a Responsabilidade do Membro da Igreja” lida com esse assunto, por exemplo. Escrevi muito sobre a importância da igreja e como conduzir-se como membro.

Uma sugestão que eu daria é esta: é importante que não apenas critiquemos o que ocorre na igreja, mas que tenhamos um plano positivo para algo melhor. Considere, novamente, a questão de ganhar almas. Acredito que um exemplo do modo correto de tentar produzir este tipo de mudança na igreja está contido no seguinte e-mail:

“Agora mesmo, minha esposa e eu estamos numa igreja onde vimos um pastor desenvolver seu pensamento sobre este importante assunto. Um bom amigo e eu freqüentamos regularmente as quintas-feiras à noite., e só através de conversação gentil e fazendo perguntas inocentes, tem havido aqui uma reversão total na metodologia de ganhar almas.

“Ao invés de meramente convidar pessoas perdidas a ‘adorar’ conosco, nossa a nossa noite de quinta-feira focalize o evangelho no ganho de almas. Tem sido uma alegria única ver todos virem para a vida à porta! Agora procuramos apresentar o evangelho em cada porta, e cobrir o solo com pecado, julgamento e arrependimento. Em lugar de portas batendo, descobrimos que uma explicação misericordiosa sobre o pecado em termos concretos faz o julgamento parecer razoável, abrindo a porta para o Evangelho. Seguido de arrependimento e fé se perceber bíblico e poderoso. O número de “oradores” é menor, mas todos podemos ver que estamos alcançando um sentido mais profundo de clareza com cada contato.

“Não ficamos mais presunçosos, porque não temos aonde ir, quando alguém diz: “Oh, eu pedi a Jesus em meu coração quando era pequenino”.
Muitos o fizeram, mas nunca se arrependeram. Com essa pessoa, é muito importante um entendimento da soterologia bíblica – o que não é suficiente para orar pelo orador. Elas podem inclusive ser perdidas e achamos normalmente fácil revelar isso com mais algumas perguntas. Por nossos números não científicos, pode ser que 60% das pessoas assumiram algum compromisso com Jesus, mas 90% desses não têm evidência convincente de que o Autor da fé esteja terminando algo nelas. O pregador da oração fácil verificam essas ausências de sua lista e implicitamente endossam as falsas conversões!

“Grato por dar andamento a essas idéias verdadeiramente bíblicas na nossa cultura batista fundamental. Estamos quase superando as pessoas que dizem “Bem, pelo menos eles estarão no céu, se não produzirem algum fruto’. Basta disto!”

A isso digo amém! Neste caso, o problema foi abordado de maneira sábia e o fruto foi bom.

Não há uma lista de sugestões simples tipo 1-2-3que eu possa dar que resolvesse o problema de como corrigir erros nas igrejas. Nunca é fácil e é amplamente uma questão de maturidade spiritual e prestar atenção e aplicar a sabedoria divina sob o guia do Espírito Santo.

Paulo disse às igrejas em Roma: “E eu mesmo estou persuadido sobre vocês, meus irmãos, que vós estais cheios de bondade, cheios de todo o conhecimento, capazes também de admoestar uns aos outros” (Rm 15:14)

Assim, ser capaz de admoestar outros de modo frutífero requer que estejamos cheios de bondade e cheios de conhecimento. Isto se refere à maturidade spiritual e um fundamento sólido do conhecimento bíblico. Se eu tentar “fortalecer  uma igreja” sem essas duas coisas, não apenas falharei, como causarei mais dano que bem.

Novos cristãos, em particular, devem ter muito cuidado sobre tentar exortar outros, especialmente seus líderes espirituais. Novos cristãos são muitas vezes muito zelosos; não quero lhes diminuir este zelo, mas zelo deve ser temperado com sabedoria divina e novos crentes simplesmente não têm muito disto. Eles são chamados de bebês em Cristo na Palavra de Deus e são exortados a beberem leite e crescerem para a maturidade (1 Pd 2:2). É nisto que um bebê em Cristo deve focalizar sua atenção, ao invés de tentar fortalecer outras pessoas!

Uma vez eu quase dividi uma igreja e essa é uma das coisas de que mais me arrependo na minha vida cristã. Foi há muito tempo e eu era jovem no Senhor. Era zeloso, como sempre fui, pela Graça de Deus, mas me faltava experiência e maturidade. Veio à minha mente que meu pastor não era qualificado, porque não estudara o suficiente, ao meu modo de pensar e seu ministério de pregação não era forte e sólido o bastante, ao meu modo de pensar. Eu o estava medindo por mim mesmo, tanto quanto pela Palavra de Deus. Meu forte julgamento é estudo e prova profética, então por que todo pastor deveria ser como eu!A igreja não era muito antiga e o caro pastor era um amigo pessoal que fez muito por mim, mas, sem sabedoria falei sobre o assunto a alguns membros chaves da igreja. Falei com ele também, mas eu estava completamento errado em tentar jogar as pessoas contra ele. Ele ficou profundamente ofendido com minha ação, claro, e embora eu estivesse arrependido e percebesse que estava errado, o dano estava feito. Nossa amizade se arruinou (ele não era muito perdoador!) e mudei minha membrania para outra igreja. O problema era que eu era muito jovem e imaturo e sem experiência no Senhor de ter tentado produzir mudança àquela situação específica. É verdade que o pastor não era um grande estudioso, mas tinha outras qualificações importantes que eu estava vendo superficialmente.

Novamente, quero enfatizar que não estou tentando desencorajar o povo de Deus que esteja tentando se mover contra o erro de maneira divina. Sei de muita gente que tentou fazer isto da maneira certa e foram erroneamente classificados de criadores de problemas e tratados com grande falta de respeito pelos pastores e igrejas em questão. Nunca é um assunto fácil desafiar os líderes da igreja e é um fato triste que os líderes que escolheram o caminho do erro raramente voltem atrás.

Há hoje um grande problema entre os batistas fundamentalistas e as igrejas bíblicas fundamentalistas, no aspecto de que muitos que eram enfáticos estão migrando para o Novo Evangelicalismo e as filosofias de crescimento das igrejas contemporâneas. Eles estão produzindo bíblias modernas e música moderna e padrões modernos de vestuário. Eles estão permitindo que as mulheres liderem de maneiras proibidas pela Bíblia. Eles estão criando ministérios jovens mundanos que incentivam e entretêm a carne, ao invés de desafiar o povo jovem à verdadeira disciplina bíblica. Quando o povo de Deus se levanta contra essas coisas, muitas vezes são depreciados e descartados.

Então, por favor, não entenda mal o que estou tentando dizer neste artigo. NÃO QUERO desencorajar ou impedir o povo de Deus de tomar a defesa sábia e dentro das Escrituras pela verdade, neste dia perverso.
Estou tentando urgenciar a sabedoria.



É ESCRITURAL E CORRETO QUESTIONAR UM PASTOR SOBRE QUESTÕES NA IGREJA, MAS HÁ UM MODO CORRETO DE FAZÊ-LO.

Se o pastor não der ouvidos e não quiser ser desafiado sobre as coisas e se ele requer “lealdade inquestionável”, eu sugeriria fortemente que você deixe a igreja. Esse homem é um Diotrefes e ficar nessa igreja vai estropiar sua vida spiritual e torná-lo algo como um membro de culto (No site Modo de Vida, leia os artigos “Lealdade Inquestionável à Liderança Pastoral, a Marca de um Culto” e “Outra Advertência sobre a Lealdade Inquestionável”.)                                            

Se, por outro lado, você tem um pastor piedoso, humilde, qualificado pelos padrões de Deus e aberto a desafios do seu povo, seja paciente com ele. Você deve sempre se lembrar de que você não é o pastor. Ele, não você, tem que suportar a carga do ministério e posso garantir-lhe que talvez não haja um trabalho mais difícil no mundo do que liderar uma igreja e lidar com GENTE! Ele, não você, tem o chamado de Deus para tomar as decisões mais importantes
 sobre o ministério da igreja.

Eu o advirto para sempre dar aos pastores o benefício da dúvida. Nem todas as questões que surgem na igreja são preto no branco como podemos pensar. Deus dá sabedoria aos pastores. Eles sabem e entendem o quadro geral de modo diferente do seu. Ao mesmo tempo, pastores são somente pecadores salvos (espero) pela Graça. Eles estão aprendendo e crescendo como o resto do povo de Deus. Deus nos permite cometermos erros para nos ensinar lições; não daríamos nós a mesma liberdade aos pastores enquanto sábios? Não me refiro aqui a ao erro bíblico claro e heresia ou o tipo de pecado que requeira disciplina da igreja. Falo sobre coisas como permitir música que você pense estar no limite e talvez ser muito paciente com novos convertidos sobre limpar suas vidas e não lidar com questões que penso que ele deveria e trazer pregadores de que não gosto e ter ou não ter um ministério jovem e designar trabalhos a pessoas que não penso que deveriam receber este trabalho e não ter o programa de ganhar almas exatamente como penso que devesse ser e fazer coisas no Natal que eu desejaria que a igreja não fizesse e não fazer o que eu acho que deveria ser feito e não enfatizar o bastante sobre a Bíblia King James e talvez dando um valor “melhor ou diferente” para ela, etc.

Uma qualificação para o pastor é que ele não seja auto-direcionado (Tito 1:7). Isto significa que ele deve reger sua igreja pela vontade de Deus e não por sua própria vontade, pela Palavra de Deus e não pelo seu próprio pensamento. O homem dirigido por sua própria vontade quer dirigir outras pessoas e controla-las. É uma questão de atitude de coração. É uma questão de orgulho e falta de compaixão e paciência divina.

Ao mesmo tempo, os membros da igreja também não devem ser regidos pela vontade própria. Se Deus não me tivesse chamado para ser pastor, eu não tentaria dirigir a igreja! Não estou dizendo que o membro da igreja não deva ter completa liberdade de expressar sua opinião sobre as coisas. Não estou dizendo que a igreja não seja um corpo e que cada membro não deva ser tratado com consideração piedosa. Estou simplesmente dizendo que o membro da igreja precisa refletir sobre si mesmo e garantir que não esteja tentando ser alguma coisa na igreja que Deus não o tenha chamado a ser.

“Pois eu digo, pela Graça que me foi dada, a cada homem que está entre vós, não pensar de si mesmo ser maior do que deva pensar, mas a pensar sobriamente, conforme Deus concedeu a cada homem a medida da fé” (Rm 12:3).

As mulheres devem ser duplamente cuidadosas sobre este assunto, porque a Palavra de Deus as proíbe de ensinar ou usurpar a autoridade dos homens (I Tm 2:12). As mulheres devem ser mais espirituais que os homens e devem conhecer mais, mas Deus não lhes deu a liberdade de ensinar aos homens. Então ela deve ser paciente e submissa e ser uma grande guerreira na oração para comover o coração de Deus para intervir ATRAVÉS DOS HOMENS quando há erros e problemas.

Isto não significa que uma mulher não possa ir a seu pastor e outros líderes da igreja se tiver perguntas e questões, mas simplesmente não é permitido por Deus tornar-se sua professora. Ela pode recomendar materiais para que os homens possam aprender com outros homens, se eles quiserem examinar a questão, mas ela não pode se tornar sua professora.

Eu percebo que este é um assunto muito delicado e muitas mulheres escreveram para exortar e ensinar e me contestar, mas elas estão fora dos limites, independente de quanto acham que sabem e quão corretas e próximas de Deus acham que estão.

O que estou tentando dizer aqui e o que estou tentando exortar meus leitores a fazer é serem muito sábios e piedosos e pacientes ao lidar com líderes de igrejas.

“Pois toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás a teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos. Digo porém: andai  no Espírito e jamais satisfareis a concupiscência da carne.
(Gl 5:14-16).

Deus deu aos autoridade aos pastores
(Hb. 13:7, 17). Alguns deles abusaram de sua autoridade, mas a autoridade pastoral é ordenada por Deus, ninguém mais. Nem todos na igreja têm a mesma autoridade. Isto não significa que desprezamos coisas que acreditamos serem erradas. Pastores não são papas e não têm autoridade ilimitada. Sua autoridade é limitada pela Bíblia e as igrejas não devem seguir os pastores no erro. Mas, como membro da igreja, devo sempre lembrar que o pastor tem a autoridade que eu não tenho e que ele, não eu, responderá a Deus pelas decisões pastorais.



HÁ UM TEMPO PARA DEIXAR A IGREJA QUANDO ELA ESTÁ TRANSIGINDO A CAMINHO DE UM ERRO SÉRIO, MAS HÁ TAMBÉM UM MODO CERTO DE DEIXÁ-LA.

Há um tempo certo para deixar uma igreja, se ela não estiver seguindo a Palavra de Deus, mas um modo correto de deixá-la e muitas vezes as pessoas deixam as igrejas por razões carnais e de maneira carnal.

Se alguém deixa a igreja por razões bíblicas e espirituais, o fruto será caracterizado pela descrição em Tiago 3:17-18: pura, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericordiosa e de bons frutos, imparcial, sem fingimento. Alguém que viva deste modo alará a verdade em amor. Ele deixa a igreja porque está convencido que é da vontade de Deus, mas ele o faz de modo pacífico e piedoso. Ele é respeitoso com seus líderes mesmo que não concorde com eles e não abriga nenhuma vontade maldosa para com eles.

Mas se alguém deixa a igreja por razões carnais, o fruto será caracterizado
 pela descrição em Tiago 3:14-16: inveja amargurada e sentimento faccioso, confusão e outras obras malignas.
Isto não é de Deus! Muitas vezes observei isto. As pessoas se ressentem de alguma coisa e deixam a igreja, mas não o fazem de maneira piedosa. Causam toda sorte de problemas e tentam ferir a igreja, antes e depois de saírem. Muitas vezes nem falam sobre a questão com os líderes, de modo misericordioso e aberto. Eles não sabem suplicar”. Todo o amor que uma vez tiveram pela igreja e seus líderes desaparece. Eles agem ilusoriamente. Eles agem por trás, pelas costas do pastor e desprezam sua posição.

Eu percebo que cristãos comprometidos podem ser viciosos e podem falar mentiras sobre homens e mulheres que tentam corrigir erros. Eles disseram mentiras sobre mim incontáveis vezes, mas devemos ser cautelosos para não darmos ocasião para a carne e lutar contra o erro de modo não espiritual e não sábio.

Se você tiver que deixar a igreja, faça-o de modo piedoso e deixe um bom testemunho”tanto quanto houver em você”.

E se você sentir que tem que deixar a igreja e congregar em outra, se junte a outra melhor. Não faz sentido quando as pessoas afirmam estar deixando a igreja por causa de erro, mas então se juntam a outra pior!



NÃO PENSE QUE A IGREJA SEJA COMO LITERATURA DE AUTO-AJUDA.

Uma parte do meu ministério, a parte de advertência, tem necessidades desequilibradas. Esta é a natureza do Serviço de Informação Batista Fundamentalista e da revista Oh To]imóteo. Não tenho a intenção de tentar ser completamente “equilibrado” com essa parte do ministério. Essas são vozes de advertência e exortação. São cheias de ministros “positivos e encorajadores”. Essa parte da equação é muito bem cuidada hoje. Mas há pouco disso por causa de advertência séria e clara.

Como digo no rodapé de cada artigo do Serviço de Informação Batista Fundamentalista: “Nosso objetivo nesse aspecto particular de nosso ministério não é devocional, mas o de prover informação para dar assistência a pregadores para a proteção de suas igrejas nessa época de apostasia.”

A revista Oh Timóteo, que começamos a publicar há 26 anos, tem o mesmo objetivo. O título da revista, tirado de I Timóteo 6:20 , descreve a amplitude da revista, que está chamando os homens nesses últimos dias para manter a fé uma vez conceida aos santos e evitar o erro que está em cada mão. “E tu, oh Timóteo, guarda o que te foi confiado, evitando os falatórios inúteis e profanos e as contradições do saber, como falsamente lhe chamam,” A advertência de Paulo para Timóteoera para que ele guardasse os antigos caminhos e evitasse o erro. Esta é nossa advertência, através da revista Oh Timóteo. O objetivo é proteger as igrejas da apostasia do fim dos tempos através da pregação doutrinária e cuidadosamente pesquisada e relatórios bem documentados.

Portanto, o Serviço de Informação Batista Fundamentalista e a revista Oh Timóteo são dinamizadas para PREGADORES e para ADVERTÊNCIA. Não são publicações para a família cristã. Não são devocionais. Não são materiais de interesse geral. São primariamente gerados para prover informação que os pregadores podem usar para proiteger suas igrejas numa época de profunda apostasia e sutil transigência.

O nome da Literatura Modo de Vida veio da minha leitura bíblica há 32 anos, quando lia a palavra em Provérbios 6:23: “Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida”. Eu pensei que isto é do que mais precisamos hoje; precisamos de mais repreensões de instrução e, glória a Deus, tais repreensões são o Modo de Vida. Se feita de maneira piedosa, a repreensão não é destrutiva mas é edificante e doadora de vida. Advertir as pessoas do perigo é ajuda-las se sua vontade as receber.

Assim, parte do meu ministério é bastante “negativa” e focaliza em apontar erros, exortando à separação e coisas assim.

Ao mesmo tempo, eu não gostaria de estar numa igreja que focalizasse apenas essas coisas. E não gostaria de ver ninguém tentar fazer do Serviço de Informação Batista Fundamentalista: a sua “igreja”. Por favor, entenda, eu não sou seu pastor!

Uma igreja deve definitivamente pregar contra o erro claramente e advertir sobre coisas e a maioria das igrejas de hoje falham em fazer o que poderiam nessas áreas. Estou convencido que cada igreja deveria tornar as literaturas como a revista Oh Timóteo e os livros de Modo de Vida disponíveis para seu povo para que sejam adequadamente formados e protegidos. Mas, lidar com essas coisas não é certamente tudo que as igrejas devam fazer, nem a maior parte do que a igreja deve estar fazendo. A separação eclesiástica é uma necessidade, mas a separação dentro e em si mesma não é nada. A separação é meramente a parede de proteção que colocamos em volta da obra do Senhor, mas tendo separado, devemos nos ocupar com a própria obra, descrita particularmente em Mt 28:18-20, Mc16:15, Lc 24:46-48, At 1:8, mas também em todo o resto do Novo Testamento!

Quando eu prego nas igrejas que iniciei no Sul da ÁSsia, não pregoi com muita frequência sobre o tipo de coisas que aparecem no Serviço de Informação Batista Fundamentalista:. Só raramente prego sobre coisas do tipo de “problemas”, tais como o movimento carismático ou a música cristã contemporâneo ou o movimento ecumênico do Catolicismo Romano ou a igreja emergente ou o misticismo contemplativo ou o movimento da Nova Era, embora misture às vezes breves advertências sobre algumas dessas coisas nas mensagens por modo de aplicação.

A grande maioria da m,inha pregação semana a semana em nossas igrejas envolve a exegese dos livros da Bíblia. Estou terminando uma série de 30 mensagens sobre o livro de Efésios, por exemplo. E as mensagens dos tópicos são sobre coisas como oração, amor a Cristo, comunhão com Cristo, santidade, separação do mundo, evangelismo, plantação de igrejas, fidelidade ao Senhor e enfática doutrina bíblica.

Mesmo em meu ministério escrito, não focalizo exclusivamente em advertir. A Enciclopédia Modo de Vida da Bíblia e Cristianismo e Coisas Difíceis de Serem Entendidas e a Série de Estudos Bíblicos Avançados de Modo de Vida, por exemplo, levam mais tempo para serem produzidos do que provavelmente todas as outras coisas que escrevi combinadas e elas são ferramentas para o estudo bíblico e a vida cristã geral. Assim, mesmo meu ministério escrito é, sem dúvida, estritamente um ministério de advertência.

A Série 20 Estudos Bíblicos Avançados lida com coisas como “Como Estudar a Bíblia”, “A Profecia Bíblica”, a “Doutrina Bíblica”, “A História da Igreja” e a “História e Geografia da Bíblia”. Esses cursos têm sido escritos nos últimos cinco anos e somam em torno de 5.300 páginas.


Deveria ser óbvio que, como pregador, um grande percentual do meu tempo seja empregado em outras coisas além de export e advertir sobre o erro.

Você vê o que estou dizendo? Cada igreja deveria advertir claramente sobre o erro, mas uma igreja não é meramente uma estação de advertência. Por favor, não avalie sua igreja pelo Serviço de Informação Batista Fundamentalista ou a revista Oh Timóteo no sentido de pensar que seu pastor deveria ser como o Irmão Cloud. Nesse aspecto particular do meu ministério, eu não sou um pastor, ao invés, estou exercendo, acredito, um ministério tipo “profético” (não me referindo a profecia como uma antecipação, claro, mas como um dizer avante).

Meu objetivo e desejo é ser ajuda e benção aos pastores para prover-lhes informação bem pesquisada para dar assistência a seus ministérios, sabendo, ao mesmo tempo que há muito mais para seus ministérios do que advertir sobre o erro.



POR ÚLTIMO, não quero que meus leitores pensem que sou alguma coisa.

Não desejo criar seguidores que qualquer tipo. Espero que não haja Cloudintes! Não me considero melhor que ninguém. De fato, confio que algumas pessoas que advirto sejam melhores cristãos que sou em algumas áreas de suas vidas e seus ministérios.
Sou um grande fracasso de muitas formas. Não possuo a perfeição cristã de qualquer tipo, exceto em termos de posição em Cristo. Sou apenas um homem que foi salvo por Deus, não merecedor da Graça e chamado a pregar Sua Palavra.

Quando algumas pessoas da África me escreveram há alguns anose me disseram que iam começar uma igreja David Cloud, não fiquei impressionado, para dizer o mínimo!

Estou convencido de que Deus me chamou para esse difícil ministério e pretendo cumpri-lo por Sua Graça e penso ter exercido algum zelo por ele e estou biblicamente qualificado para ele, mas eu não era nada quando Deus me chamou e não sou nada hoje fora de Sua Graça.

Não prego sobre mim mesmo e não tenho intenção de fazê-lo. Prego sobre a Palavra de Deus. Não avalio as coisas por meu padrão insignificante, mas pela Palavra de Deus. Enfim, é meu desejo e intenção. Quero medir a mim mesmo pelo mesmo padrão e convido meus leitores a me avaliar e a outros homens pela mesma regra. “Julgai todas as coisas, retende o que é bom” (I Ts 5:21). João Batista foi sábio e piedoso quando disse: “Eu devo diminuir”. É o que cada pregador precisa dizer e defender do fundo de seu coração.

O apóstolo Paulo disse: “Siga-me como eu sigo a Cristo” e podemos e devemos dizer isso, mas devemos saber também que hoje não somos apóstolos.
A única autoridade infalível são as Escrituras. Não há um pregador infalível.





Autor: David Cloud.

Tradutora: Jeanne Rangel, Junho.2009.



 


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org/ )


Retorne a solascriptuta-tt.org/EclesiologiaEBatistas/
Retorne a solascriptuta-tt.org/