Reforma Herdou do Romanismo: Matar Batistas e Outros Discordantes, Até Mesmo Outros Protestantes

(A Inquisição Protestante)


Primeiramente, gostaria que alguém traduzisse, à mão, o artigo extremamente confiável de David Cloud. A tradução ao lado é horrível, feita por software, precisa ser corrigida à mão:

 

THE PROTESTANT PERSECUTIONS 

July 11, 2005 (David Cloud, Fundamental Baptist Information Service, P.O. Box 610368, Port Huron, MI 48061, 866-295-4143, fbns@wayoflife.org) -

The following is from A History of the Churches from a Baptist Perspective, which is one of the 13 titles in the Advanced Bible Studies Series published by Way of Life Literature:

Though the Protestant Reformers of the 16th to the 18th centuries demanded religious liberty from the Roman Catholic Church, in many cases they did not give liberty to others. A fact rarely told in church histories and therefore little known is that the Protestants of the Reformation era persecuted Baptists and others who differed from them. 

ZWINGLI IN ZURICH, SWITZERLAND, WAS A PERSECUTOR

1. Before adopting Baptist principles, Anabaptist leaders Conrad Grebel (1498-1526), Felix Manz, and George Cajacob were associated with Zwingli in the beginning of his work in Zurich. Unlike Zwingli, they moved beyond Protestantism and state churchism to a true New Testament faith and practice. 

2. By the end of 1524, Grebel and Manz had taken a position against infant baptism and wanted to establish a true church composed only of regenerate baptized members with a simple Lord’s Supper as a memorial meal.

3. On January 17, 1525, a disputation between Zwingli and those opposed to infant baptism was conducted in Zurich before the city council. The decision was not long in coming. The next day, January 18, the council decreed that all infants must be baptized within eight days of birth, and those who did not baptize their infants would be banished from the city. Another decree on Jan. 21 forbade all opponents of infant baptism to meet together or to speak in public. 

4. The day of the first city council proclamation, Grebel, Manz, Cajacob, and others of like mind met together in defiance of the decree but in obedience to the Word of God and determined to form a church based upon biblical principles as they saw them at that point. Cajacob was first baptized by Grebel upon confession of his faith in Christ; Cajacob, in turn, baptized the others. The baptism was by pouring, but they later adopted immersion. Within a week, 35 more were baptized. 

5. In March of that year, the Zwingli-influenced city council issued a strong edict against the Anabaptists, which was ratified in November:

“You know without doubt, and have heard from many that for a long time, some peculiar men, who imagine that they are learned, have come forward astonishingly, and without any evidence of the Holy Scriptures, given as a pretext by simple and pious men, have preached, and without the permission and consent of the church, have proclaimed that infant baptism did not proceed from God, but from the devil, and, therefore, ought not to be practiced. . . . We, therefore, ordain and require that hereafter all men, women, boys and girls forsake rebaptism, and shall not make use of it hereafter, and shall let infants be baptized; whoever shall act contrary to this public edict shall be fined for every offense, one mark; and IF ANY BE DISOBEDIENT AND STUBBORN THEY SHALL BE TREATED WITH SEVERITY; for, the obedient we will protect; the disobedient we will punish according to his deserts, without fail; by this all are to conduct themselves. All this we confirm by this public document, stamped with the seal of our city, and given on St. Andrew’s Day, A. D., 1525.”

6. The Anabaptists and their leaders, including Grebel and Manz, were thrown into prison. 

7. In December 1527, Felix Manz, Jacob Falk, and Henry Reiman were put to death by drowning. The council had decreed, Qui mersus fuerit mergatur, or “He who immerses shall be immersed.” The Protestant leader Gastins wrote, “They like immersion, so let us immerse them” (De Anabaptiami, 8. Basite, 1544, cited by Christian). The Baptists were delivered to the executioner, who bound their hands, placed them in a boat and threw them into the water. Some Protestants mockingly called this the “third baptism.”

The Baptist martyr Felix Manz (or Mans, Mentz) (1498-1527) was a very learned man, skilled in Latin, Greek, and Hebrew. As he was led through Zurich to the boat, he praised God that he was going to die for the truth of the Word of God. His old mother and faithful brother exhorted him to be steadfast unto death. After declaring, “In thy hands, Lord, I commend my spirit,” he was cruelly drowned. Protestant leader Henry Bullinger in Geneva wrote an account of Manz’s execution and supported it (Reformations Geschichte, II. 382, cited by Christian).

8. Another Baptist that was tormented by those influenced in Zwingli’s Zurich was BALTHASAR HUBMAIER. 

He was a very learned man and had been a close friend with Zwingli in earlier days, and they had fought together against Roman Catholicism. But Hubmaier desired to follow the Bible in all matters and he rejected infant baptism and became a Baptist. 

He wrote powerful books in defense of his faith and one was in defense of believer’s baptism. He said, “The command is to baptize those who believe. To baptize those who do not believe, therefore, is forbidden.” He was right. 

He also wrote one against persecution, titled “Concerning Heretics and Those That Burn Them.” He taught that it is not the will of Jesus Christ to put men to death for their beliefs, that the churches are in the business of saving men, not burning them. 

He was thrown into prison by the Zurich Protestants in January 1526 and kept there for four months. His appeal to his old friend Zwingli was ignored. His wife also was in prison and his health was broken. He had just gotten over a sickness that was almost unto death. 

In this sad and discouraged condition, he was tortured on the rack by the Protestant authorities; and on April 6, 1526, the broken man agreed to recant his beliefs. 

The people of Zurich were summoned to the cathedral to hear the recantation of this well-known Baptist preacher. Zwingli first preached a sermon against the heretics. Then every eye turned to Hubmaier, who went forward to read the recantation. As he began to do so in a trembling voice, he broke down weeping. As he swayed to and fro in agony, he was suddenly strengthened by the Lord. He shouted, “INFANT BAPTISM IS NOT OF GOD, AND MEN MUST BE BAPTIZED BY FAITH IN CHRIST!” Pandemonium broke out! Some screamed against him while others shouted applause. The Zurich authorities quickly took him back to the dungeon. 

There he wrote these blessed words of prayer to God: “O, immortal God, this is my faith. I confess it with heart and mouth, and have testified it publicly before the Church in baptism. I faithfully pray thee graciously keep me in it until my end, and should I be forced from it out of mortal fear and timidity, by tyranny, torture, sword, fire or water, I now appeal to thee. O, my compassionate Father, raise me up again by the grace of thy Holy Spirit, and suffer me not to depart without this faith. This, I pray thee from the bottom of my heart, through Jesus Christ, thy most beloved Son, our Lord and Saviour. Father, in thee do I put my Trust, let me never be ashamed.”

That prayer was answered, because Hubmaier went on for the Lord and was faithful unto death. After he was allowed to leave Zurich, he moved to Moravia, where he had a very fruitful ministry and a harvest of souls were brought to the Lord. 

On March 10, 1528, in Vienna, he was burned to death at the stake, and he died in the faith that he preached. His faithful Christian wife was drowned eight days later.

9. About that time, Zwingli wrote a vicious book against the Anabaptists called Elenchus contria Catbaptistas, or A Refutation of the Tricks of the Catabaptists or Drowners. He called Anabaptists “wild asses” and other insulting terms and said their immersions were from Hell and that the Anabaptists themselves would go to Hell. 

10. About that time, persecution was instigated against Baptists in St. Gall, Switzerland.

Baptist preachers such as Konrad Grebel and Eberle Polt were preaching with great success at St. Gall and thousands from throughout that part of the country were confessing Christ and taking believer’s baptism. 

At the instigation of Zwingli. the St. Gall city council determined to persecute them by drowning if they refused to leave the territory. On September 9, 1527, they issued the following decree:

“In order that the dangerous, wicked, turbulent and seditious sect of the Baptists may be eradicated, we have thus decreed: If any one is suspected of rebaptism, he is to be warned by the magistracy to leave the territory under penalty of the designated punishment [to be drowned]. Every person is obliged to report those favorable to rebaptism. Whoever shall not comply with this ordinance is liable to punishment according to the sentence of the magistracy. Teachers of rebaptism, baptizing preachers, and leaders of hedge meetings ARE TO BE DROWNED. Those previously released from prison who have sworn to desist from such things, shall incur the same penalty. Foreign Baptists are to be driven out; if they return THEY SHALL BE DROWNED. No one is allowed to secede from the [Zwinglian] church and to absent himself from the Holy Supper. Whoever flees from one jurisdiction to another shall be banished or extradited upon demand” 

The decree on March 26, 1530, was even more severe: “All who adhere to or favor the false sect of the Baptists, and who attend hedge-meetings, shall suffer the most severe punishments. BAPTIST LEADERS, THEIR FOLLOWERS, AND PROTECTORS SHALL BE DROWNED WITHOUT MERCY. Those, however, who assist them, or fail to report or to arrest them shall be punished otherwise on body and goods as injurious and faithless subjects.”

11. This Protestant inquisition was very similar to the Roman Catholic one. The Protestants required that every citizen submit to their doctrine and practice upon pain of death. They required that every citizen become a spy to report on the presence of dissidents. Not only were the dissidents persecuted, so were those who helped them in any way, including those who even failed to report them. 

12. Zwingli was a hypocrite in the matter of persecution. He spoke against the Catholics when they persecuted Protestants, but he supported the persecution of Baptists. In his sixty-seven theses against Rome, Zwingli had said: “No compulsion should be employed in the case of such as do not acknowledge their error, unless by their seditious conduct they disturb the peace of others.” Yet, he ignored his own rule and compelled others to believe as he did. The Baptists were not seditionists. They were not trying to overthrow the government. They merely desired to practice their own faith in peace.

13. Protestant persecutions in Switzerland continued in the 17th century. “At the council of Geneva, 1632, Nicholas Anthoine was condemned to be first hanged and then burned for opposing the doctrine of the Trinity; and at Basil and Zurich, since the Reformation, heresy was a crime punishable with death, as the fate of David George and Felix abundantly prove” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, p. xxviii). 

14. As late as 1671, seven hundred persons, homeless and destitute, were driven out of Berne. Great was the suffering of old and young (Richard Cook, The Story of the Baptists, 1888, p. 65).

LUTHERANS IN GERMANY WERE PERSECUTORS

1. A look at Martin Luther’s position on persecution

It is important to understand that Luther changed his position in many important ways. In the early days of his reformation, for example, Luther taught that the proper mode of baptism is immersion. 

He changed in regard to baptism. In his German New Testament, he translated baptize as “dip,” which is a good translation in that the term means to put into the water and take out of the water. The term “immersion,” on the other hand, does not have the connotation of taking out of the water. 

In 1518, he taught not only that the word “baptize” means to immerse but that the significance of the ordinance points to immersion. “That also the signification of baptism demands, for it signifies that the old man and sinful birth from the flesh and blood shall be completely drowned through the grace of God. Therefore, a man should sufficiently perform the signification and a right perfect sign. The sign rests, in this, that a man plunge a person in water in the name of the Father, etc., but does not leave him therein but lifts him out again; therefore it is called being lifted out of the font or depths. And so must all of both of these things be the sign; the dipping and the lifting out. Thirdly, the signification is a saving death of the sins and of the resurrection of the grace of God. The baptism is a bath of the new birth. Also a drowning of the sins in the baptism” (Luther, Opera Lutheri, I. 319. Folio edition).

Luther sounds like a Baptist here, but at the same time, he defended the unscriptural practice of baptizing infants; and he soon gave up the debate on baptism and became an enemy of the Anabaptists. 

Luther also changed in regard to persecution and bloodshed. Early on in his reformation career, Luther did not support the death sentence against false teachers, though he supported their persecution short of death and their banishment. “Though naturally of a very warm and violent temper, he was averse to punishing heretics with death. He says in his writings, I am very averse to the shedding of blood, even in case of such as deserve it; I dread it the more, because, as the Papists and Jews, under this pretence, have destroyed holy prophets and innocent men, so I am afriad the same would happen amongst ourselves, if, in one single instance, it should be allowed to be lawful to put seducers to death. I can, therefore, by no means consent that false teachers should be destroyed. But as to all other punishments, he seems to think they may, lawfully, be employed: for after the above passage, he adds, it is sufficient that they be banished. Agreeably to these principles, he persuaded the electors of Saxony not to tolerate, in their dominions, the followers of Zuinglius, in their opinion of the sacrament; nor to enter into any terms of union with them, for their common defence against the attempts of the catholics to destroy them. ... He also wrote to Albert, Duke of Prussia, to persuade him to banish them from his territories” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, pp. xxvii, xxviii). 

Luther changed dramatically later on. He supported the utter destruction of the revolting peasants. “But when the peasants of Germany tried to apply this ‘liberty’ to themselves by overthrowing the tyrannical lords and gaining their independence, Luther raged against them: ‘The peasants would not listen; they would not let anyone tell them anything; their ears must be unbuttoned with bullets, till their heads jump off their shoulders. ... On the obstinate, hardened, blinded peasants, let no one have mercy, but let everyone, as he is able, hew, stab, slay, lay about him as though among mad dogs, . . . . so that peace and safety may be maintained... etc.’ [Martin Luther, Werke, Erlangen edition, vol. 24, p. 294; vol.15, p. 276; passim.] Luther’s writing on the peasant wars are full of such expressions as the above. When he was in later years reproached for such violent language, and for inciting territorial lords to merciless slaughter (they killed over 100,000 peasants), he answered defiantly: ‘It was I, Martin Luther, who slew all the peasants in the insurrection, for I commanded them to be slaughtered. All their blood is upon my shoulders. But I cast it on our Lord God who commanded me to speak in this way.’[Martin Luther, Werke, Erlangen edition, vol. 59, p. 284] (William McGrath, Anabaptists: Neither Catholic nor Protestant, http://www.pbministries.org/History/William%20R.%20McGrath/the_anabaptists_part1.htm). 

Luther also turned against the anabaptists he had once sympathized with. “Sadder yet, Luther reacted with equal violence to the Anabaptists who tried to apply the principle of ‘liberty’ to themselves. Though he knew there were both nonresistant, harmless Anabaptists as well as a radical fringe of social revolutionaries, he condemned all together--favoring a policy of extermination” (William McGrath, Anabaptists: Neither Catholic nor Protestant, http://www.pbministries.org/History/William%20R.%20McGrath/the_anabaptists_part1.htm). 

2. In 1529, the imposing 
DIET OF SPEIRS (Speyer) pronounced the death sentence upon all Anabaptists. This council was composed of both Roman Catholic and Protestant princes and heads of state. They hated each other and did not get along even in this Diet, but they hated the Anabaptists even more!

3. The proclamation of the Diet greatly accelerated the program of extermination already in progress. 

“Four hundred special police were hired to hunt down Anabaptists and execute them on the spot. The group proved too small and was increased to one thousand. ... thousands of Anabaptists fell victim to one of the most widely spread persecutions in Christian history. … Burning faggots and smoldering stakes marked their trek across Europe” (Halley).

4. In 1538, the Lutheran Elector of Hesse in Germany wrote to King Henry VIII of England and urged him to persecute the Anabaptists. He testified: “There are no rulers in Germany, whether they be Papists or professor of the doctrines of the Gospel [Protestants], that do suffer these men if they do come into their hands. All men punish them quickly. We use a just moderation, which God requireth of all good rulers. If any do stubbornly defend the ungodly and wicked errors of that sect, yielding nothing to such as can and do teach them truly, these are kept a good space in prison, and sometimes sore punished there; yet in such sort are they handled, that death is long deferred, for hope of amendment; and as long as any hope is, favour is showed to life. If there be no hope left, then the obstinate are put to death” (Evans, The Early English Baptists, chapter 2). That was Protestant “moderation”!

5. “Seckendorf also tells us, that the Lutheran lawyers of Wittenburg, condemned to death one Pestelius, for being a Zuinglian, though this was disapproved by the elector of Saxony. Several of the Anabaptists were also put to death, by the Lutherans, for their obstinacy in propagating their errors” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, p. xxviii). 

6. 
URBANUS RHEGIUS was a Lutheran leader in Augsburg who persecuted Baptists. 

He published a book against the Baptists in 1528. The illustration on the title page demonstrated the hatred of the Lutherans against this sect. It shows a river running into a large ocean-like expanse of water. The Baptists are depicted tumbling into the water and then being carried out to sea into a flaming fire. Thus, the waters of believer’s baptism are described as the pathway to Hell. This was a standard Protestant position in that day.

Rhegius was the chief instigator of persecutions in the Protestant city of Augsburg. Historian Philip Schaff, who was a Lutheran himself and certainly was not prejudiced against Protestants, said, “Rhegius stirred up the magistrates against them” (Schaff, History of the Christian Church, VI. 578). 

Hans Koch and Leonard Meyster were put to death in 1524. 

Rhegius caused Baptist Pastor Hans Denk to be driven out of the city in 1527. 

He caused Pastor Langenmantel to be arrested and banished in October of that year. 
Leonard Snyder was put to death in 1527. 

Many died in prison, including Hans Hut, whose dead body was burned in the public square in Augsburg. 

Baptist pastor Seebold was put to death in April 1528, and 12 more were killed later that year. 

Many were tortured and branded. One had his tongue cut out for speaking against infant baptism. 

7. The Lutheran reformer 
OSIANDER in Nuremberg, Germany, persecuted and threatened death to Anabaptists in his area. 

Hans Denk, who later pastored the large Baptist church in Strasburg, was appointed principal of the Lutheran St. Sebald’s school in Nuremberg. At that time, Denk was just beginning to come to the formation of his Anabaptist views and he soon came into conflict with the Protestants. 

In January 1525, Denk was banished from the city by Osiander and was warned that if he ever again came with 10 miles of it, he would be put to death. 

Denk moved to Augsburg, was baptized by the Anabaptist preacher Hubmaier, and became the pastor of a strong Baptist church in that city numbering 1,100. 

Eventually, the aforementioned Lutheran leader Urbanus Rhegius persecuted Denk out of Augsburg. 

8. Another well-known Lutheran leader was 
MARTIN BUCER (1491-1551). He was influential in Augsburg, Germany, and sought to have the city council persecute the Anabaptists. 

Bucer was constantly frustrated with the city Council because they hesitated to persecute the Anabaptists as fiercely as he desired, calling this “the sin of the Senate.” 

In the case of Pilgram Marbeck and others, he was successful. 

Marbeck was a noted civil engineer who had been forced to flee Catholic-controlled Tyrol because of persecution. 

He arrived in Augsburg in 1530 and preached boldly not only against Rome’s errors but also against those of the Protestant Reformers. 

When he published two books defending his views in 1531, the city council forbade their distribution and summoned him to give account. 

Bucer was there and opposed him, and on December 18, the council banished the Anabaptist preacher in the midst of winter, Bucer supporting the cruel decree. 

In 1529, the Protestant-influenced council in Augsburg imprisoned Anabaptist preachers Jacob Kantz and Reublin in dank cells in the tower. 

Kantz had called the Reformers “unskilled carpenters, who tear down much, but are unable to put anything together.” It was a true sentiment from a Baptist point of view, but the Protestants didn’t care much for it. 

While in prison, the Baptists wrote in defense of believer’s baptism as a symbolic expression of internal faith in Christ. They said that “faith confessed is wine, and baptism is the sign hung out to show that wine is within.” 

In 1534, the city Council drove all of the Baptists from the city with only eight days warning. 

The next year, the Protestant city council proclaimed that all infants must be baptized or the parents would be punished, and no one was to give any shelter or assistance to Anabaptists. 

In 1538, not having gotten rid of all of the hated Anabaptists, the council of Protestant Augsburg proclaimed that those who returned to the city the first time would lose a finger, be branded in the cheek, or put in the neck-iron. If they returned again, they would be drowned. With a straight face, the proclamation added, “We do this, not to make men believe as we do. It is not a matter of faith, but to prevent division in the Church.” Well, the division had to do strictly with matters of faith! 

JOHN CALVIN IN GENEVA WAS A PERSECUTOR

1. Calvin enforced Christian doctrine and principles at the point of the sword. In October 1563, the Geneva government burned to death Michael Servetus for heresy. Servetus held unitarian views and was definitely a false teacher, but the New Testament nowhere instructs the churches to kill false teachers. Servetus’ death sentence was supported not only by Calvin, but also by Melanchthon in Germany and Bullinger in Geneva and by other Protestant leaders who were consulted about the case.

2. Other men were also put to death under Calvin’s tenure. “So entirely was he in favour of persecuting measures, that he wrote a treatise in defence of them, maintaining the lawfulness of putting heretics to death; and he reduced these rigid theories to practice, in his conduct towards Castellio, Jerom Bolsee, and Servetus, whose fates are too generally known to require being here repeated. At the council of Geneva, 1632, Nicholas Anthoine was condemned to be first hanged and then burned for opposing the doctrine of the Trinity...” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, p. xxviii).

3. In the days of King Edward VI of England, Calvin wrote a letter to Lord Protector Somerset and urged him to put Anabaptists to death: “These altogether deserve to be well punished by the sword, seeing that they do conspire against God, who had set him in his royal seat” (John Christian, A History of the Baptists, Vol. 1, chap. 15).

4. Historian John Christian observes that Calvin “was responsible in a large measure for the demon of hate and fierce hostility which the Baptists of England had to encounter.”

PERSECUTION OF THE CALVINISTS IN HOLLAND AGAINST THE ARMINIANS

“If we pass over into Holland, we shall also find that the reformers there, were, most of them, in the principles and measures of persecution. ... the most outrageous quarrel of all was that between the Calvinists and Arminians. ... The moment the two parties had thus got a dogma to dispute upon, the controversy became irreconcilable, and was conducted with the most outrageous violence. The ministers of the predestinarian party would enter into no treaty; the remonstrants [non-Calvinists] were the objects of their furious zeal, whom they denominated, mamalukes, devils and plagues; animating the magistrates to destroy them; and when the time of the new elections drew near, they prayed to God for such men as would be zealous, even to blood, though it were to cost the whole trade of their cities. At length, a synod being assembled, acted in the usual manner; they laid down the principles of faith with confidence, condemned the doctrine of the remonstrants; deprived their antagonists of all their offices; and concluded by humbly beseeching God and their high mightinesses, to put their decrees into execution, and to ratify the doctrine they had expressed. The states obliged them in this christian and charitable request, for as soon as the synod was concluded, Barnwelt, a friend of the remonstrants and their opinions, was beheaded, and Grotius condemned to perpetual imprisonment; and because the dissenting ministers would not promise wholly, and always to abstain from the exercise of their religious functions, the states passed a resolution for banishing them, on pain, if they did not submit to it, of being treated as disturbers of the public peace” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, pp. xxviii, xxix).

THE CHURCH OF ENGLAND WAS A PERSECUTOR

The Anglican Church was formed in 1534 by King Henry VIII, and from then until almost the end of the 17th century Baptists and others who refused to submit to the national church were persecuted. 

PERSECUTION OF BAPTISTS IN THE DAYS OF KING HENRY VIII AFTER HIS SPLIT WITH ROME

1. Henry came to the throne in 1509 and three times during his reign he denounced Anabaptists through official proclamations. This is conclusive proof, by the way, that there were Baptists in England at this early time. 

2. In 1534 Henry broke with Rome and formed the Church of England. 

3. In 1535, twenty-eight Hollanders were arrested and fourteen were burned to death, at least one of them a woman. The historian Stowe says they denied that Christ was both God and man, but it is not possible at this time to know exactly what they believed with certainty beyond what their enemy charged upon them. Latimer, who was chaplain under Henry and who later was burned himself by Queen Mary, described their death and said they went to the stake “without any fear in the world, cheerfully.” 

4. According to Foxe, quoting the registers of London, nineteen other Anabaptists were put to death in various parts of the realm in 1535.

5. In October 1538, the king appointed Thomas Cranmer, the new Archbishop of Canterbury (following the death of Warham), to head a commission to prosecute Baptists wherever they were found. He commanded that the books of the Baptists were to be confiscated and burned. “Even our reformers who had seen the flames which the catholics had kindled against their brethren, yet lighted fires themselves to consume those who differed with them. Cranmer’s hands were stained with the blood of several. John Lambert and Ann Askew will ever bear witness to his destroying zeal” (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, p. xxix). 

6. In 1539, two more Anabaptists were burned.

7. Anne Askew was imprisoned, tortured, and finally burned to death in July 1546. She was put to death at the hands of the Church of England after it had separated from Rome. 

After the 24-year-old woman was condemned to die and was imprisoned in the London Tower to await execution, her persecutors attempted to get her to inform on other believers. They also hoped to gain information against Queen Catherine herself, the wife of Henry VIII. When Anne refused to give them any information, they put the frail woman upon the rack and commanded Sir Anthony Knyvet, Lieutenant of the Tower, to instruct his jailer to torture her. He did so, but not very strenuously, being mindful of her feminine nature. Not being satisfied with the racking given to her by the Lieutenant, Thomas Wriothesley, chancellor of England, and Master Rich, the Solicitor-General, angrily took control of the rack with their own hands and treated the godly woman with an inhuman viciousness. So intent were they on gaining the names of any high-placed ladies who believed in the grace of Jesus Christ, they cruelly tortured her, pulling her bones and joints out of place, so much so that she was unable to walk after that and had to be carried to her execution in a chair. All the while, she did not cry out and bore their wicked torments with the patient grace given to her of the Lord, refusing to turn any of her friends over to the tormenters. She finally swooned from the pain, and Sir Knyvet took her up in his arms and laid her on the floor. When she awoke and while she was still lying on the hard stone floor, Wriothesley remained by her for two hours longer attempting to talk her into recanting her religious views. 

In her written testimony, the brave Christian woman gave a glorious witness to her faith in Jesus Christ and in His blood and grace alone for salvation, and she stated that her sole authority was the Bible. Though her father, husband, and son had abandoned her because of her faith, and though she was hated by the rulers of her own country, we can be sure that this humble Christian lady was not abandoned by her Heavenly Father. “When my father and my mother forsake me, then the LORD will take me up” (Psalm 27:10). 

Anne and three other dissenters against the Church of England were brought to the place of execution on July 16, 1546. When they were chained to a stake, they were offered a pardon if they would sign a recantation. They refused even to look at the paper containing the pardon and stated that they had not come to that place to deny their Lord. At that, the fire was lit and Anne and her friends in Christ were burned to death by the ecclesiastical authorities.

14. Other Baptists suffered during the reign of Henry VIII, the father of the Church of England.

BAPTISTS PERSECUTED IN THE DAYS OF KING EDWARD VI

Upon the death of Henry in 1547, his young son Edward VI reigned for six years. 

1. Edward stopped the persecution against Protestants and even granted pardon to criminals; but the persecution of Baptists continued. At least two Baptists were burned at the stake during Edward’s reign. 

2. Even so, the number of Baptists rapidly increased. Bishop John Hooper wrote in 1549 to complain about the “Anabaptist flock” in London that “give me much trouble.” It is obvious by other statements of the church authorities that at that time there was an organized Baptist church that kept the ordinances. We have already seen Baptists in London during the reign of Henry. There were also Baptist churches in the district of Kent in the first half of the 1500s. In June of 1550 Bishop Hooper wrote, “That district is troubled with the frenzy of the Anabaptists more than any other part of the kingdom” (Ellis, Original Letters, I. 87). 

3. Humphrey Middleton was one of the Baptists that were kept imprisoned for years during Edward’s reign. This brutal tactic was supported by the Protestant reformer Thomas Cranmer. “When Cranmer pronounced his harsh sentence [against Middleton], the intrepid Baptist replied, “Reverend sir, pass what sentence you think fit upon us. But that you may not say that you were not forewarned, I testify that your turn may be next.” It was only a few years later that the Protestant Cranmer, who had supported the imprisonment and burning of the Baptists, was himself burned by the Catholic Mary (Evans, Early English Baptists, volume 1; Foxe, Martyrs). 

4. In May 1549, Joan Boucher was arrested. She was an Anabaptist from Kent, probably a member of a small congregation in the town of Eythorne. She was a lady of wealth and had frequented the royal court during the days of Henry VIII and Edward. She was also an intimate friend of the godly Anne Askew who was burned during the reign of Henry VIII, and, like Anne, loved the Tyndale New Testament and distributed copies of it to others at great danger to herself. She carried copies of this prohibited book under her clothing on her visits to the court and elsewhere. She also visited prisoners and used her wealth to relieve those who were suffering for their faith. 

Upon her arrest, Joan was charged with “holding that Christ was not incarnate of the Virgin Mary,” but the charge was not true. She held an eccentric and erroneous belief that Mary had two seeds, one natural and one spiritual, and that Christ was the spiritual seed. In reading the accounts of the trial, it is difficult to know exactly what she meant, but this much is clear: she plainly testified that Mary was a virgin when Jesus was born and that she accepted Christ as both man and God and as the virgin-born Son of God. Thus, if she believed some strange thing about Mary’s seed, it was certainly not a greater heresy than infant baptism and baptismal regeneration and the sinlessness of Mary, all of which were held by those who condemned Joan. 

The Church of England had Joan of Kent burned to death on May 2, 1550. 

5. The other Baptist who suffered martyrdom under Edward VI was George van Pare (or Parris), a surgeon from Germany. It is a sad blot upon an otherwise good name that the Bible translator Miles Coverdale sat as a judge at Pare’s trial. Pare was burned alive in April 1551. “He suffered with great constancy of mind, and kissed the stake and faggots that were to burn him” (Burnet, History of the Reformation, II). 

6. Another example of Protestant persecutors in England is John Hooper. He was a leader in the Church of England during the reign of Edward, and in 1549, he wrote to Protestant leader Henry Bullinger in Geneva to complain about the “Anabaptist flock” in London that “give me much trouble” (Ellis, Original Letters Relative to the English Reformation, I. 65). The Protestant Hooper, who persecuted Baptists, was later burned by the Catholic Queen Mary.

7. Another example is Nicholas Ridley, who was burned by Mary on October 17, 1555 (at the same time as Latimer). Like Thomas Cranmer, Ridley was involved in the death sentence of Joan Boucher (Joan of Kent) during the reign of Edward VI. After Joan was arrested in 1548, Ridley attempted to get her to renounce her doctrine. She was an Anabaptist from Kent, probably a member of a small congregation in the town of Eythorne. She was an intimate friend of the godly Anne Askew who was burned during the reign of Henry VIII. Joan was charged with “holding that Christ was not incarnate of the Virgin Mary,” but the charge was not true. The Church of England had Joan of Kent burned to death on April 30, 1549. Ridley was also involved with the burning of George Van Pare in 1551. This Anabaptist’s death sentence was signed by Ridley, Cranmer, and Coverdale.

8. Protestant John Philpot, who was burned by Mary on December 18, 1555, was also in favor of Joan of Kent’s burning. Philpot testified, “As for Joan of Kent, she was a vain woman (I knew her well), and a heretic indeed, well worthy to be burnt…” (Philpot’s Work’s, Parker Society, p. 55). So also said the Catholic Queen Mary about the Protestant Philpot.

9. Another example of this sad business is John Rogers. He, too, supported the burning of Anabaptist Joan Boucher. The historian John Foxe, who, to his credit, was opposed to the burning and who tried to save the woman from this trial, begged his friend Rogers to help him. Rogers refused, saying that she ought to be burned and spoke of death by burning as a light thing. Foxe seized the hand of Rogers and replied, “Well, it may so happen that you yourself will have your hands full of this mild burning” (Thomas Armitage, A History of the Baptists, 1890). We wonder if Rogers thought about that statement, when a few years later he was led out to a pile of faggots and burned before his wife and 11 children under the Catholic Queen Mary.

10. Hugh Latimer was another of the famous Protestant reformers who supported the persecution and burning of Baptists during the reign of Edward. Latimer was burned by the Roman Catholic Queen Mary on October 17, 1555, but prior to this he dipped his own hands in the blood of the saints. He was bishop of London under Edward VI, and though he was reputed to be a kind man, that kindness didn’t extend to the Anabaptists. In one of his sermons preached before King Edward, Latimer called the Anabaptists “poisoned heretics” and referred to their burnings, callously remarking, “Well, let them go” (Cranmer’s Sermons, Parker Society, vol. v). 

Concerning their own martyrs, the Protestants certainly have not evidenced the attitude of Cranmer, “Well, let them go” — in other words, good riddance. By no means have they had this attitude. The Protestant historians, such as Foxe and Wylie and a thousand others, have raised great memorials to the memory of their own martyrs, but these same historians have generally raised nothing but reproach upon the memory of the Baptists. 

BAPTISTS PERSECUTED IN THE DAYS OF QUEEN ELIZABETH I

Queen Elizabeth I followed the Roman Catholic Queen Mary and established the Church of England on a more Protestant footing. 

1. Though Elizabeth gave freedom to Protestants and treated the Catholics leniently (even though they continually plotted against her throne and even her life), she treated the Baptists severely. 

2. Baptists had increased in England and were scattered in many parts of the country. Langley, in his English Baptists before 1602, mentions churches in nine counties that trace their origin to the days between 1576 and 1600. These had grown up from the native preaching that had been going on for a long time. They also began to emigrate from Holland, from France, and other places hoping that a Protestant Queen in England would grant them more liberty than existed in their home countries. 

3. Encouraged by the bishops of the Church of England, within months of coming to the throne, Elizabeth issued a proclamation that Anabaptists should be located and transported out of England, and if they did not leave, they would be punished. She said the Anabaptists were “infected with dangerous opinions.” 

On February 4, 1559, the High Commission Court was established by Parliament. The Queen issued an injunction against the preaching of any doctrine contrary to the Church of England. 

She forbade the printing of any “heretical” book. She also set up “royal visitations” whereby representatives of the Crown were to go throughout the country in circuit with the power to search out all heretics. 

By the end of 1559, the Act for the Uniformity of Religion was put into effect. It made the doctrine and practice of the Church of England the law of the land. 

4. In June 1575, two Dutch Anabaptists were burned to death at Smithfield. Eleven had originally been condemned to burn after a trial in the consistory of St. Paul’s Cathedral, but nine were banished instead.

One of those who were burned was HENDRICK TERWOOKT. He was a young man, about 25, who had been married only a few weeks. He had fled to England to escape persecution in Fleming, thinking the Protestant Queen Elizabeth would be merciful. 

The other man, JAN PIETERS, was an older man with a wife and nine children dependent on his labors. His first wife had been martyred in Flanders, and his current wife was the widow of a martyr. Now she was made a widow of a martyr the second time. 

The death warrants for these two men by the Protestant Queen were almost exactly the same as those issued by the Catholic Queen Mary. 

“The queen would not relent. On the 15th of July she signed the warrant for the execution of two of them, commanding the sheriffs of London to burn them alive in Smithfield. A copy of the warrant is now before me. There is also before me a copy of the warrant for the burning of Archbishop Cranmer in Queen Mary’s days. These warrants are substantially alike. In fact, they are almost couched in the same language, word for word. Mary, the Papist, dooming to death the Protestant, and Elizabeth, the Protestant, ordering the execution of the Baptist, advance the same pretensions and adopt the same forms of speech. Both of these call their victims ‘heretics.’ Both assume to be ‘zealous for justice.’ Both are ‘defenders of the Catholic faith.’ Both declare their determination to ‘maintain and defend the holy church, her rights and liberties.’ Both avow their resolve to ‘root out and extirpate heresies and errors.’ Both assert that the heretics named in the warrants had been convicted and condemned ‘according to the laws and customs of the realm.’ Both charge the sheriffs to take their prisoners to a ‘public and open place,’ and there to ‘commit them to the fire,’ in the presence of the people, and to cause them to be ‘really consumed’ in the said fire. Both warn the sheriffs that they fail therein at their peril” (John Cramp, Baptist History, 1852).

The queen had no excuse for claiming that these men were dangerous to her throne. They had submitted to her the following statement of faith: 

“We believe and confess that magistrates are set and ordained of God, to punish the evil and protect the good; which magistracy we desire from our hearts to obey, as it is written in 1 Peter 2:13, ‘Submit yourselves to every ordinance of man for the Lord’s sake.’ ‘For he beareth not the sword in vain’ (Romans 13:4). And Paul teaches us that we should offer up for all ‘prayers, and intercessions, and giving of thanks; that we may lead a quiet and peaceable life in all godliness and honesty. For this is good and acceptable in the sight of God our Saviour, who desires that all men should be saved’ (1 Tim. 2:1-4). He further teaches us ‘to be subject to principalities and powers, to obey magistrates, and to be ready to every good work’ (Titus 3:1). Therefore we pray your majesty kindly to understand aright our meaning; which is, that we do not despise the eminent, noble, and gracious queen, and her wise councils, but esteem them as worthy of all honor, to whom we desire to be obedient in all things that we may. For we confess with Paul, as above, that she is God’s servant, and that if we resist this power, we resist the ordinance of God; for ‘rulers are not a terror to good works, but to the evil.’ Therefore we confess to be due unto her, and are ready to give, tribute, custom, honor, and fear, as Christ himself has taught us, saying, ‘Render unto Caesar the things that are Caesar’s, and unto God the things that are God’s’ (Matt. 22:21). Since, therefore, she is a servant of God, we will kindly pray her majesty that it would please her to show pity to us poor prisoners, even as our Father in heaven is pitiful (Luke 6:36). We likewise do not approve of those who resist the magistrates; but confess and declare with our whole heart that we must be obedient and subject unto them, as we have here set down” (Von Braght, Martyr’s Mirror, p. 929).

5. In 1593 two puritan ministers, Copping and Thacker, were hanged for nonconformity (J.J. Stockdale, The History of the Inquisitions, 1810, p. xxx).

6. About the time of the defeat of the Spanish Armada in 1588, Elizabeth appointed John Whitgift as Archbishop of Canterbury. In his zeal to bring all men into conformity with the Church of England, he filled the prisons with Baptists. “...eventually, some fifty-two were held for long periods in the ‘most noisome and vile dungeons’, without ‘beds, or so much as straw to lie upon.” In his sermons, Whitgift called Anabaptists “wayward and conceited persons.” Some fled the country, but many remained and were persecuted. 

7. The persecution largely drove the Baptists out of sight during Elizabeth’s reign, but we know they continued to exist. The historian Strype describes a church in London in 1588 with “anabaptistical” views. He says they met together regularly on Sunday, preached the Word of God, took up offerings, sent assistance to their persecuted brethren in prison, did not regard the Church of England as a true church, rejected infant baptism, and held that the government should not meddle in religious beliefs. 

BAPTISTS PERSECUTED DURING THE DAYS OF KING JAMES I

When Elizabeth died, James I (1603-25) ascended the throne of England. He was the king who authorized the translation of that masterpiece of English Scripture, the King James Bible, which appeared in 1611. 

1. He also persecuted Baptists with a passion. They were imprisoned, their goods confiscated, and one was burned. 

2. The last man burned alive in England for his religion was EDWARD WIGHTMAN, a Baptist, in Smithfield on April 11, 1612, under James I. (A month earlier, Bartholomew Legate had also been burned. It is said that he was an Arian, meaning that he denied the deity of Christ.) A wide variety of “heresies” were charged against Wightman but as Thomas Crosby, author of The History of the English Baptists (1738) observes: “Many of the heresies they charge upon him are so foolish and inconsistent, that it very much discredits what they say. If he really held such opinions, he must either be an idiot or a madman, and ought rather to have had their prayers and assistance, than be put to such a cruel death” (Crosby, I, p. 108). Three of the articles upon which Wightman was burned are these: ‘That the baptizing of infants is an abominable custom: That the Lord’s-Supper and Baptism are not to be celebrated as they are now practised in the church of England: That Christianity is not wholly professed and preached in the church of England, but only in part.” On these three articles I take my stand with the old Baptist martyr! It is an interesting fact that both the first and the last martyr burned in England for religion were Baptists. “The first who was put to this cruel death in England was William Sawtre, supposed upon very probable grounds to have denied infant-baptism; and this man, the last who was honoured with this kind of martyrdom, was expressly condemned for that opinion: so that this sect had the honour both of leading the way, and bringing up the rear of all the martyrs who were burnt alive in England” (Crosby, I, p. 109).

3. Others died during the reign of James I, but not by burning. They died in prison. This was not because of the kindness of the king, but because of the outcry of the people against burnings. Historian Thomas Fuller notes, “King James politicly preferred that heretics hereafter, though condemned, should silently and privately waste themselves away in the prison, rather than to grace them, and amuse others, with the solemnity of a public execution, which in popular judgment usurped the honor of a persecution” (Fuller, The Church History of Britain). Thomas Crosby agrees: “King James chose therefore for the future only to seize their estates, and waste away their lives privately in nasty prisons, rather than honour them with such a publick martyrdom, which would unavoidably go under the name of persecution” (The History of the English Baptists, I, p. 110).

4. In 1610, the Baptists petitioned the House of Lords for release from prison where they were lying for conscience sake. 

Approaching the assembly in a kindly and humble manner, the Baptist petition contains these touching words: “A most humble supplication of divers poor prisoners, and many others the King’s native loyal subjects ready to testify it by the oath of allegiance in all sincerity, whose grievances are lamentable, only for cause of conscience.” 
The petition is preserved in the Library of the House of Lords and is marked “read and rejected.” 

5. At least six of the men involved in the translation of the King James Bible participated in persecution against Baptists and other separatists in the 1590s.

Richard Bancroft, who drew up the instructions for the translation, had worked closely with Archbishop of Canterbury Whitgift “rooting out the Separatist congregations in London” (Adam Nicholson, God’s Secretaries, p. 86). Bancroft was aggressive in this activity, sending spies to search out the separatists. When Bancroft took over as Archbishop of Canterbury in Whitgift’s place, he continued the work of persecution against all “nonconformists.”

Lancelot Andrewes, sad to say, was involved in this sorry business. He was in charge of the interrogation of the separatists under Bancroft, and went down into the “noisome cells” himself in an attempt to find some heresy against the victims of the Anglican inquisition. He interrogated Henry Barrow, a leading separatist, in March 1590 in Fleet Prison. Barlow began by emphasizing that his sole standard was the Bible, that “the Book of God should peaceably decide all our controversy.” He testified, “I willingly submit my whole faith to be tried and judged by the word of God.” Andrewes responded that Christians should allow “the church” to interpret the Scripture and that they should not demand the right of private interpretation, should not, as he put it, have a “private spirit.” Barrow complained about being imprisoned for three years and that “the loneliness of it, the sheer sensory deprivation, the nastiness of the conditions, had sunk him deep into depression” (Nicholson, p. 91). Andrewes’ response to this pitiful plea is to his disgrace: “For close imprisonment, you are most happy. The solitary and contemplative life I hold the most blessed life. It is the life I would choose.” Barrow understood how foolish this statement was and replied: “You speak philosophically, but not Christianly. So sweet is the harmony of God’s grace unto me in the congregation, and the conversation of the saints at all times, as I think myself as a sparrow on the house top when I am exiled thereby. But could you be content also, Mr. Andrewes, to be kept from exercise and air so long together? These are also necessary to a natural body.” Andrewes had indeed answered philosophically and not Christianly. It is not Christianly to persecute those who believe differently, to toss them into prison cells and to burn them. Barrows was put to death on April 6, 1593, after six years of imprisonment, and Andrewes talked to him again on the eve of his death. Barrows was put to death “for denying the authority of bishops, for denying the holiness of the English Church and its liturgy and denying the authority over it of the queen.”

Henry Saville was involved in these interrogations. He questioned Daniel Studley in Fleet Prison.

Thomas Sparkes interrogated the 18-year-old Roger Waters, who was kept in prison for a year “in chains in the worst of the stinking pits of Newgate gaol, known as the Limbo” (Nicholson, God’s Secretaries, p. 88). 

Thomas Ravis took Bancroft’s place as bishop of London and continued in his persecuting footsteps. “No sooner had he taken his seat in London, than he stretched forth his hand to vex the non-conforming Puritans. Among others he cited before him that holy and blessed man, Richard Rogers, for nearly fifty years the faithful minister of Weathersfield, than whom, it is said, ‘the Lord honored none more in the conversion of souls.’ In the presence of this venerable man, who, for his close walking with God, was styled the Enoch of his day, Bishop Ravis protested, ‘By the help of Jesus, I will not leave one preacher in diocese, who doth not subscribe and conform.’ The poor prelate was doomed to be disappointed; as he died, before his task was well begun, on the 14th of December, 1609” (Alexander McClure, The Translators Revived, 1855). 

George Abbot, who became Archbishop of Canterbury, was a persecutor. “He would not hesitate, later in his career, to use torture against miscreants, nor to execute Separatists” (Nicholson, p. 157).

6. In 1615, the Baptists petitioned King James for freedom of religion. They stated their doctrine plainly and proved from Scripture that it is not the will of Christ that Christians persecute those who have different beliefs. This, too, was rejected.

7. Joseph Ivimey observes that the Baptists “suffered severely from 1590 to 1630.” Following is a description written by a Baptist prisoner:

“Our miseries are long and lingering imprisonments for many years in divers counties of England, in which many have died and left behind them widows and many small children; taking away our goods, and others the like, of which we can make good probation; not for any disloyalty to your majesty, nor hurt to any mortal man, our adversaries themselves being judges; but only because we dare not assent unto, and practice in the worship of God, such things as we have not faith in, because it is sin against the Most High” (from a tract “A Most Humble Supplication of many of the king’s majesty’s loyal subjects, ready to testify all civil obedience, by the oath of allegiance or otherwise, and that of conscience; who are persecuted (only for differing in religion), contrary to divine and human testimonies,” cited by John Cramp, Baptist History).

8. The cruel attitude of many Anglican ministers toward Baptists was exemplified in 1644, with the publication of “THE DIPPERS DIPT; or, the Anabaptists Duckt and Plunged over Head and Ears at a Disputation at Southwark.” Influential Anglican author Daniel Featley described the Anabaptists in Vienna being tied together in chains and drowned in the river. He then observes callously, “Here you see the hand of God in punishing these sectaries some way answerable to their sin….” Following is another specimen of this publication:

“Of all heretics and schismatics, the Anabaptists ought to be most carefully looked unto and severely punished, if not utterly exterminated and banished out of the church and kingdom. ... They preach, and print, and practice their heretical impieties openly; they hold their conventicles weekly in our chief cities and suburbs thereof, and there prophesy by turns. ... They flock in great multitudes to their Jordans, and both sexes enter into the river, and are dipt after their manner with a kind of spell, containing the heads of their erroneous tenets. ... And as they defile our rivers with their impure washings, and our pulpits with their false prophecies and fanatical enthusiasms, so the presses sweat and groan under the load of their blasphemies” (Featley, The Dippers Dipt).

BAPTISTS PERSECUTED IN ENGLAND 1626-1689 

The Anglican Church continued to persecute those who tried to worship independently until almost the end of the 17th century. 

1. Many Baptist preachers had long prison terms in 17th-century England. 

Francis Bampfield died in prison after spending the last nine years of his life in bonds. 

John Miller was confined ten years.

Henry Forty spent twelve years in prison. 

John Bunyan wrote his famous Pilgrim’s Progress while languishing in prison for 12 long years, unable to care for his wife and beloved blind daughter.

Joseph Wright lay in Maidstone jail for twenty years. 

George Fownes died in Gloucester jail. 

Samuel Howe died in prison in 1640 and was buried beside a roadway because the Church of England refused to allow him to be buried in a cemetery.

Thomas Delaune and his family died in the wretched Newgate Prison. 

Delaune grew up in a Roman Catholic family in Ireland, had a good education, and was led to Christ by a Baptist preacher. He moved to London and became a schoolmaster and was a member of a Baptist church. 

Benjamin Calamy, a chaplain to the king, published a sermon challenging nonconformists to write out their doctrine and disagreement with the Church of England. Delaune answered the challenge and wrote his “Plea for the Nonconformists.” When the book was being printed, it was seized by a king’s messenger and Delaune was imprisoned. 

From prison he wrote to Calamy and asked him to intervene in his behalf, but he refused to help or even to answer Delaune’s letter. 

In January 1684, Delaune was fined 100 marks, to be imprisoned until the fine was paid, to find security for one year afterwards, and his book to be burned. Because he now had no job, he could not pay his fine and he and his family were reduced to poverty. His wife and two small children had to live with him in the prison for lack of a livelihood, and the unhealthy conditions there took their lives one after the other. 

2. Bible believers were viciously persecuted during the reigns of 
KING CHARLES II (1660-1685) and KING JAMES II (1685-1688). 

3. The “Act of Uniformity” in 1662 subjected many to beatings and imprisonment. 

The first Conventicle Act in 1664 forbade all religious assemblies that did not conform to the Church of England. Penalties were severe fines and imprisonment and for a third offence, banishment to the American colonies for seven years. 

The Five-Mile Act in 1665 forbade non-conformist preachers to go within five miles of any city or town that had a Church of England congregation. It also forbade them to teach in any public or private school. The penalty for each offense was a severe fine that was beyond the means of most to pay.

The second Conventicle Act in 1670 was worse yet. 

In addition to imprisonment and other torments, it called for harsh fines not only on all non-conformist worshippers and preachers, but upon the owners of any buildings used for non-conformist meetings. 

The fines were paid by the sale of the believers’ possessions, which were often sold for a pittance of their real value. Since a third of the price of the fine went to the informer, many were motivated to report on the separatists. 

Many were impoverished. Fathers languishing in prison could do nothing to assist their destitute families. 

Between 1660 and 1689, some 70,000 men and women suffered under religious persecution in England; 8,000 perished; and tens of millions of dollars were paid in fines. 

4. The long arm of the Anglican Church also brought persecution to Bible believers in America before her independence. The Virginia colony was Anglican, and in 1643, the governor unleashed persecution against dissenters. Many were whipped, branded, incarcerated, fined, and driven out of the colony. 

5. Finally, in 1689 the Toleration Act was passed in England, which greatly reduced the pressure on all dissenters, giving them liberty of conscience and making it an offence to disturb anyone else’s worship. Thus it was not until 155 years after its establishment that the Church of England stopped persecuting. 

PERSECUTION BY PROTESTANTS IN AMERICA

The Protestants who settled in America, though fleeing religious persecution, themselves persecuted Baptists and Quakers and others who differed from them until the time of the American independence and the formation of the United States Constitution. We will give two examples of this.

MASSACHUSETTS

1. Massachusetts was founded by the colony of Pilgrims in Plymouth in 1620 and by the Puritans of the Massachusetts Bay Colony in 1630. 

The Pilgrims were separatists who had been forced to flee the persecution of the Church of England. They had spent a brief time in the Netherlands, then traveled by ship to America. While in the Netherlands, they enjoyed some measure of religious liberty, but they did not grant the same to others. They practiced infant baptism and denounced Anabaptists.

The Puritans were Anglicans who desired some reformation of the Church of England but who did not separate from it. They brought from England the false concept of a state church and a persecuting spirit.

2. Following are some examples of the Protestant persecutions in the early history of Massachusetts before the formation of the American union:

ROGER WILLIAMS was banished from Massachusetts in 1635. 

A learned and zealous man who could read the Bible in Greek and Hebrew, Williams had arrived in America from England with his new wife in February 1631. 

He was an ordained Anglican minister, and at the time he came to America, he still held to infant baptism. 

While living in Plymouth, Williams preached to the native Indians. He learned their language and made many friends among them, including two of their chiefs. 

In August 1634, he was appointed the pastor of the Anglican congregation in Salem. 

But on October 9, 1635, he was banished from the colony for preaching “new and dangerous opinions.” He was given six weeks to leave, and in January, he was forced into the wilderness in the midst of a brutal New England winter. 

The Indians helped him, and in June, he traveled by canoe up a river to Rhode Island and established the settlement of Providence. 

Others joined him from Massachusetts and this place became a bastion of religious liberty. Their stated purpose was “to hold forth a lively experiment, that a most flourishing civil state may stand and best be maintained with full liberty in religious concernments.” 

In March 1639, Roger Williams was publicly immersed in baptism, and the first Baptist church of Rhode Island was formed. This is commonly considered the oldest Baptist church in America. 

In March 1644, Williams obtained a charter from the king of England to establish Rhode Island. 

Williams wrote “The Bloody Tenet of Persecution for Cause of Conscience,” in which he boldly defended liberty of conscience. 

Though slanders have been heaped upon Roger Williams by various historians, many learned Baptist writers (as well as others) have set the record straight. See the histories of Thomas Armitage and David Benedict, for example. These are in the Fundamental Baptist CD-ROM Library, available from Way of Life Literature.

In 1643, Lady Deborah Moody, who owned a 400-acre farm in the town of Swampscott, was forced to move to Long Island, New York, to live among the Dutch in order to escape persecution in Massachusetts. Her “crime” was that she denied infant baptism. 

The first law against the Baptists in America was made in Massachusetts in November 1644. The law threatened severe punishments against Anabaptists. That year, Thomas Painter was whipped for denying infant baptism. 

In February 1646, William Witter and John Wood of Lynn were publicly rebuked and fined for denying infant baptism. John Spur was fined in July 1651 for the same “crime.”

In 1651, some Baptists were arrested and one was brutally whipped in Massachusetts. 
The names of those arrested were John Clark, Obadiah Holmes, and John Crandal. 

They were from a Baptist church in Newport, Rhode Island, and were visiting in the home of the aforementioned William Witter, an elderly Christian brother in Lynn, Massachusetts. At the time, there were no Baptist churches in Massachusetts. 

On Sunday, they conducted a religious service in Witter’s home; and while Mr. Clark was preaching on the text of Revelation 3:10, two constables burst into the house, arrested them, and took them to the prison in Boston. 

Holmes was beaten with 30 strokes of a three-corded whip. In a letter to a Baptist church in England, Holmes recounted the Lord’s mercy in strengthening him during this trial: 

“…for in truth, as the strokes fell upon me, I had such a spiritual manifestation of God’s presence, as the like thereof I never had nor felt, nor can with fleshly tongue express, and the outward pain was so removed from me, that indeed I am not able to declare it to you, it was so easy to me, that I could well bear it, yea, and in a manner, felt it not, although it was grievous, as the spectators said, the man striking with all his strength (yea, spitting in his hands three times, as many affirmed) with a three corded whip, giving me therewith thirty strokes. When he had loosed me from the post, having joyfulness in my heart and cheerfulness in my countenance, as the spectators observed, I told the magistrates, you have struck me as with roses…”

Though he testified that he did not suffer from the actual beating, he did suffer much from its effects. The beating was so vicious on his back, sides, and stomach that Holmes could not lie down for many days afterwards. 

About this time, two other Baptists, John Hazel and John Spur, were imprisoned because they encouraged and comforted Holmes after he was whipped. 

After the first Baptist church was finally formed in Massachusetts in about 1656, the members “spent most of their time in courts and prisons; they were often fined, and some of them were banished.” The pastor of this church, Thomas Gould, was imprisoned for his faith. When this church later built a meetinghouse, the civil authorities, in 1680, nailed the doors shut and ordered them not to meet. 

A second Baptist church was not formed in Massachusetts until 1749. This was in the town of Sturbridge and many of the members were imprisoned, fined, and had their property confiscated. 

Another Baptist church formed in 1761 in the town of Ashfield was treated in the same manner. Many of the church members had all of their land and orchards confiscated. 

3. This persecution continued against many other Baptist churches that were established in those days and did not end until Massachusetts became a colony of the United States and formed their state constitution in 1780. Through the efforts of the Baptists and other lovers of religious liberty, this contained a Bill of Rights guaranteeing freedom of faith. 

VIRGINIA

1. The first settlers to Virginia were mostly from England, and they established Anglican churches. 

2. By the acts of 1623, 1643, and 1661, all citizens were required to follow that religion and doctrine. 

3. Acts of the Virginia assembly of 1659, 1662, and 1663, required that all children be baptized and prohibited the assembling of Quakers and other dissidents. 

4. The Anglican ministers were supported by the taxes of the citizens. 

5. Following are some examples of the Protestant persecutions in Virginia:

On June 4, 1768, several Baptists were arrested in Spottsylvania and imprisoned. Among these were John Waller, Lewis Craig, and James Childs. They spent almost six weeks in prison. 

In December 1770, William Webber and Joseph Anthony were arrested and cast into prison for preaching in Chesterfield, Virginia. They remained in prison until March 1771.

Webber was again arrested in August while he was preaching in Middlesex. Also arrested then were John Waller, James Greenwood, Robert Ware, and Thomas Waford. Waller, Greenwood, Ware, and Webber were kept in prison for a month.

Thomas Waford was severely beaten with a whip and carried scars to his grave. 

In August 1772, James Greenwood and William Loveall were arrested and imprisoned in the county of King and Queen for 16 days. 

On March 13, 1774, all of the Baptist preachers in Piscataway were arrested and sent to prison. These were John Waller, John Shackleford, and Robert Ware. 

Altogether some 30 Baptist preachers spent time in prison in Virginia, some as many as four different times. 

6. These persecutions continued until Virginia was brought into the new union of the United States. 

7. In spite of this, the Baptist churches grew rapidly in Virginia during those days. The first was formed in 1767 and the second in 1769. Within four years, there were about 50 churches. 

CONCLUSION

All of this reminds me of the Lord’s parable about the man who was forgiven of a debt. He owed his master 10,000 talents of silver, which is a huge amount of money, but when he could not pay and begged his master to have mercy on him, the master freely forgave him the entire debt. That same man turned around, though, and persecuted another man who owed him a very, very small debt (Matt. 18:23-35).

Likewise, the Protestants earnestly sought religious liberty from the Roman Catholics. When they obtained it, they refused to grant the same to the Baptists, though the latter pleaded with them humbly and quoted the Scriptures in a most sensible and godly fashion. 

For example, when Hans Muller was brought before the Protestant city council at Zurich for his denial of infant baptism, he pleaded after this fashion: “Do not lay a burden on my conscience, for faith is a gift freely from God, and is not a common property. The mystery of God lies hidden, like the treasure in the field, which no one can find, but he to whom the Spirit shows it. So I beg you, ye servants of God, let my faith stand free” (John Christian, A History of the Baptists). Muller’s plea was ignored, as were those of tens of thousands of other Baptists of that day.

Upon the authority of the Lord’s parable and the tenor of the entire New Testament Scriptures, we can be sure that the Lord did not look lightly upon this great sin and that He does not excuse it as many Protestant historians have done. Many plead “the ignorance of the times,” but the persecuting Protestants of those times had the Bible and professed it as their sole authority for faith and practice. They therefore had no excuse for not knowing the will of the Lord. The times were very dark, but the Baptists, with the same Bible in hand, saw a greater light, and that light was the New Testament faith unvarnished by human tradition, and that faith gives no authority to persecute those who do not believe as we do. We can preach against error. We can discipline church members who sin. We can reject heretics. But we cannot lay hands on them and force them to believe as we do. That is the characteristic of a wolf, not a sheep.
As perseguições PROTESTANTE 

11 de julho de 2005 (David Cloud, Fundamental Baptist Information Service, PO Box 610368, Port Huron, MI 48061, 866-295-4143, fbns@wayoflife.org) -- 

O seguinte é de A História da Igreja a partir de uma perspectiva Batista, que é um dos 13 títulos na Bíblia de Estudos Avançados da série publicado pela Way of Life Literature: 

Embora os reformadores protestantes do 16 ao século 18 exigiu a liberdade religiosa da Igreja Católica Romana, em muitos casos, eles não dão liberdade para os outros. Um fato raramente contada em histórias da igreja e, portanto, pouco conhecido é que os protestantes da época da Reforma perseguida batistas e outros que diferiam deles. 

Zwingli em Zurique, Suíça, era um perseguidor 

1. Antes da adopção de princípios Batista, líderes anabatistas Grebel Conrad (1498-1526), Felix Manz, George e cajacob foram associados com Zwingli no início de seu trabalho, em Zurique. Ao contrário de Zwingli, eles foram além do protestantismo e churchism estado para uma verdadeira fé do Novo Testamento e na prática. 

2. Até o final de 1524, Grebel Manz e tinha tomado uma posição contra o batismo infantil e queria estabelecer uma verdadeira igreja composta apenas de regenerar membros batizados com uma Ceia do Senhor simples como uma refeição memorial. 

3. Em 17 de janeiro de 1525, uma disputa entre Zwingli e os que se opõem ao batismo infantil foi realizado em Zurique, antes de o conselho da cidade. A decisão não demorou muito a chegar. No dia seguinte, 18 de janeiro, o Conselho decretou que todos os bebés devem ser batizado no prazo de oito dias após o nascimento, e aqueles que não batizam seus filhos seriam banidos da cidade. Um outro decreto em 21 de janeiro proibiu todos os adversários do batismo infantil a reunir-se ou falar em público. 

4. O dia da proclamação do primeiro Conselho Municipal, Grebel, Manz, cajacob, e outros de mente como se reuniram em desafio ao decreto, mas em obediência à Palavra de Deus e decidido a formar uma igreja baseada em princípios bíblicos que se viu na esse ponto. Cajacob foi batizado por Grebel a confissão de sua fé em Cristo; cajacob, por sua vez, batizado outros. O batismo foi deitando, mas mais tarde adoptou imersão. Dentro de uma semana, mais 35 foram batizados. 

5. Em março daquele ano, o Zwingli influenciado conselho da cidade emitiu um édito forte contra os anabatistas, que foi ratificado em novembro: 

"Você sabe que, sem dúvida, e ouvi de muitos que por muito tempo, alguns homens peculiar, que imaginam que elas são aprendidas, se tenham manifestado, surpreendentemente, e sem qualquer evidência das Escrituras Sagradas, tendo como pretexto por simples e piedoso homens, temos pregado, e sem a autorização eo consentimento da Igreja, têm proclamado que o batismo infantil não procede de Deus, mas do diabo, e, portanto, não deve ser praticado. . . . Nós, portanto, ordenar e exigir que a seguir todos os homens, mulheres, meninos e meninas rebaptism abandonar, e não devem fazer uso dele a seguir, e deve deixar crianças serão batizadas, quem deve agir de forma contrária a este edital público será multada por cada ofensa , uma marca, e se alguém é desobediente e teimosos, que devem ser tratados com severidade, para, a obediente vamos proteger, os desobedientes vamos punir de acordo com seus desertos, sem falha, por isso todos estão de se comportarem. Tudo isso confirmamos pela presente documento público, carimbados com o selo da nossa cidade, e dada no dia do St. Andrew's, AD, 1525. " 

6. Os anabatistas e seus líderes, incluindo Grebel e Manz, foram jogados na prisão. 

7. Em dezembro de 1527, Felix Manz, Falk Jacob, Reiman e Henry foram condenados à morte por afogamento. O município havia decretado, Qui mersus fuerit mergatur, ou "aquele que imerge deve ser imersa". Gastins O líder protestante escreveu: "Eles gostam de imersão, então vamos mergulhar neles" (De Anabaptiami, 8. Basite, 1544, citado por Christian ). Os batistas foram entregues ao carrasco, que consolidaram suas mãos, colocou-os em um barco e jogou-os dentro da água. Alguns protestantes ironicamente chamado esse batismo do "terceiro". 

O mártir Batista Felix Manz (ou Mans, Mentz) (1498-1527) era um homem muito culto, hábil em latim, grego e hebraico. Como ele foi conduzido através de Zurique para o barco, ele louvou a Deus que ele ia morrer pela verdade da Palavra de Deus. Sua mãe velha e fiel irmão exortou a ser firmes até a morte. Depois de declarar: "Em tuas mãos, Senhor, entrego o meu espírito", ele foi cruelmente afogados. Líder protestante Henry Bullinger, em Genebra, escreveu um relato da execução Manz e apoiaram (Reformas Geschichte, II. 382, citado por Christian). 

8. Outra Batista, que era atormentado por aqueles influenciados em Zurique, Zwinglio foi Balthasar Hubmaier. 

Ele era um homem muito culto e tinha sido um amigo íntimo com Zwingli em dias anteriores, e eles lutaram juntos contra o catolicismo romano. Mas Hubmaier desejado seguir a Bíblia em todos os assuntos e ele rejeitou o batismo infantil e tornou-se Batista. 

Ele escreveu livros poderosos em defesa de sua fé e um foi em defesa do batismo do crente. Ele disse: "O comando é para batizar os fiéis. Para batizar aqueles que não acreditam, portanto, é proibido. "Ele estava certo. 

Ele também escreveu um contra a perseguição, intitulado "No que diz respeito hereges e aqueles que Them Burn." Ele ensinou que não é a vontade de Jesus Cristo, para colocar os homens à morte por suas crenças, que as igrejas estão no negócio de salvar os homens, não queimá-los. 

Ele foi jogado na prisão pelos protestantes Zurique, em janeiro de 1526 e mantidos lá por quatro meses. Seu apelo a seu velho amigo Zwingli foi ignorada. Sua esposa também estava na prisão e sua saúde estava quebrado. Ele tinha acabado de mais de uma doença que foi quase até a morte. 

Nesta condição triste e desanimado, ele foi torturado na cremalheira pelas autoridades protestantes, e em 6 de abril de 1526, o homem quebrado concordou em abjurar suas crenças. 

O povo de Zurique, foram convocados para a catedral para ouvir a retratação deste bem conhecido pastor batista. Zwingli primeiro pregou um sermão contra os hereges.Então cada olho voltado para Hubmaier, que iam à frente para ler a retratação. Quando ele começou a fazê-lo com a voz trêmula, ele rompeu a chorar. Como ele balançava para lá e para cá em agonia, ele foi subitamente fortalecida pelo Senhor. Ele gritou, "batismo infantil não é de Deus, e os homens devem ser batizado por fé em Cristo!" Pandemonium estourou! Alguns gritaram contra ele, enquanto outros gritavam aplausos. As autoridades de Zurique rapidamente o levou de volta para o calabouço. 

Lá ele escreveu estas palavras abençoados de oração a Deus: "Ó, Deus imortal, esta é a minha fé. Confesso que com o coração ea boca, e testemunharam publicamente diante da Igreja no batismo. Eu peço-te fielmente gentilmente me manter nele, até meu fim, e que eu deveria ser forçado a partir dele, por medo mortal e timidez, pela tirania, a tortura, a espada, fogo ou água, Eu agora apelo a ti. Ó, meu Pai misericordioso, levanta-me de novo pela graça do teu Espírito Santo, e sofrem para não me afastar sem essa fé. Isso, eu te peço do fundo do meu coração, por meio de Jesus Cristo, teu Filho amado, nosso Senhor e Salvador. Pai, em ti eu ponho a minha confiança, me deixe nunca se envergonhar ". 

Essa oração foi respondida, porque Hubmaier passou para o Senhor e foi fiel até a morte. Depois que ele foi autorizado a deixar de Zurique, mudou-se para Moravia, onde teve um ministério muito frutífero e uma colheita de almas foram trazidas para o Senhor. 

Em 10 de março de 1528, em Viena, ele foi queimado até à morte na fogueira, e ele morreu na fé que ele pregava. Sua esposa fiel cristão morreu afogado oito dias depois. 

9. Sobre o tempo que, Zwingli escreveu um livro cruel contra os anabatistas chamados Elenchus contria Catbaptistas, ou uma refutação da truques do Catabaptists ou Drowners. Ele chamou os anabatistas "asnos selvagens" e outros termos insultuosos e disse que as imersões foram do inferno e que os anabatistas se iria para o inferno. 

10. Sobre o tempo que, a perseguição foi instigada contra os batistas em St. Gall, na Suíça. 

Pregadores batistas como Konrad Grebel e Polt Eberle estavam pregando com grande sucesso no St. Gall e milhares de pessoas de toda parte do país foram confessando Cristo, e tendo batismo do crente. 

Por iniciativa do Zwingli. o conselho da cidade de St. Gall determinado a persegui-los por afogamento, se eles se recusaram a abandonar o território. Em 9 de setembro de 1527, que emitiu o seguinte decreto: 

"Para que a seita perigosa e má, turbulento e sedicioso dos batistas podem ser erradicadas, temos assim decretou: Se qualquer um é suspeito de rebatismo, ele deve ser advertido pela magistratura de abandonar o território, sob pena de o designado pena [a ser afogado]. Cada pessoa é obrigada a apresentar os favoráveis à rebaptism. Quem não deve cumprir essa portaria é passível de punição de acordo com a sentença da magistratura. Professores de rebatismo, batizando-os pregadores e líderes das reuniões de hedge estão a afundar-se. Aqueles que anteriormente libertado da prisão que juraram a desistir de tais coisas, incorrerá na mesma pena. Estrangeiros batistas devem ser expulsos, se eles voltam porque serão afogados. Ninguém está autorizado a separar-se da [Zwinglian] Igreja e para ausentar-se da Santa Ceia. Quem foge de uma jurisdição a outra deve ser banido ou extraditado a pedido " 

O decreto em 26 de março de 1530, foi ainda mais grave: "Todos os que aderem a favor ou seita falsa dos batistas, e que freqüentam as reuniões de hedge, deve sofrer as punições mais severas. Líderes batistas, seus seguidores, e protetores serão afogados sem piedade. Aqueles, porém, que os assistem, ou não se apresentarem ou prendê-los devem ser punidas de outra forma no corpo e bens, como sujeitos de prejuízo e sem fé. " 

11. Esta inquisição protestante foi muito parecido com o católico romano. Os protestantes exigiam que cada cidadão apresentar a sua doutrina e prática, sob pena de morte.Eles exigiam que cada cidadão se tornar um espião para informar sobre a presença de dissidentes. Não foram só os dissidentes perseguidos, por isso foram aqueles que ajudaram de alguma forma, inclusive aqueles que ainda não relatá-los. 

12. Zwingli era um hipócrita na questão da perseguição. Ele falou contra os católicos, quando os protestantes perseguidos, mas ele apoiou a perseguição aos batistas. Em seus sessenta e sete teses contra a Roma, Zwinglio tinha dito: "Não há compulsão deve ser empregado no caso de como não reconhecer seu erro, a não ser pela sua sedicioso conduta que possa perturbar a paz dos outros." No entanto, ele ignorou o seu próprio Estado e outros obrigado a acreditar como ele fez. Os batistas não eram seditionists. Eles não estavam tentando derrubar o governo. Limitam-se a desejada para a prática de sua fé em paz. 

13. Perseguições protestantes na Suíça continuou no século 17. "No Conselho de Genebra de 1632, Nicholas Anthoine foi condenado a ser o primeiro enforcado e queimado, em seguida, para se opor à doutrina da Trindade e no Basil e Zurique, desde a Reforma, a heresia era um crime punível com a morte, como o destino de David George e Felix abundantemente provar "(JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, p. xxviii). 

14. Ainda em 1671, setecentas pessoas, desabrigados e miseráveis, foram expulsos de Berna. Grande foi o sofrimento dos idosos e jovens (Richard Cook, a história dos batistas, 1888, p. 65). 

Luteranos, em perseguidores foram a Alemanha 

1. Um olhar sobre a posição de Lutero sobre a perseguição 

É importante compreender que Lutero mudou a sua posição em muitos aspectos importantes. Nos primeiros dias de sua reforma, por exemplo, Lutero ensinou que a forma correta de batismo é imersão. 

Ele mudou em relação ao batismo. Em seu alemão do Novo Testamento, ele traduziu batizar como "mergulhar", que é uma boa tradução em que o termo significa colocar na água e levar para fora da água. O termo "imersão", por outro lado, não tem a conotação de levar para fora da água. 

Em 1518, ele ensinou não apenas que a palavra "batizar" significa imergir, mas que a importância dos pontos de decreto-lei para imersão. "Isso também a significação das demandas batismo, pois significa que o velho homem eo nascimento pecaminosa da carne e de sangue deve ser completamente afogado pela graça de Deus. Portanto, um homem deve desempenhar suficientemente a significação e um sinal de pleno direito. O sinal cabe, no presente, que um homem uma pessoa mergulhar em água em nome do Pai, etc, mas não deixá-lo ali, mas levanta-lo novamente, por isso ele é chamado a ser retirado da fonte ou profundidades. E assim, todos devem dessas duas coisas ser o sinal, o mergulho eo levantamento fora. Em terceiro lugar, a significação é uma morte redentora dos pecados e da ressurreição da graça de Deus. O batismo é um banho do novo nascimento. Também um afogamento dos pecados no batismo "(Lutero, Opera Lutheri, I. 319. Folio edição). 

Lutero soa como um batista aqui, mas ao mesmo tempo, ele defendeu a prática não bíblica de batizar crianças, e ele logo se deu o debate sobre o batismo e se tornou um inimigo dos anabatistas. 

Lutero também mudou em relação à perseguição e derramamento de sangue. No início de sua carreira Reforma, Lutero não apoiou a sentença de morte contra os falsos mestres, apesar de ter apoiado a sua curta perseguição da morte e seu banimento. "Embora, naturalmente, de um temperamento muito quente e violento, ele era avesso a punir com a morte de hereges. Ele diz em seus escritos, sou muito avesso ao derramamento de sangue, mesmo em caso de como o merecem, temo-lo mais, porque, como os papistas e judeus, sob este pretexto, ter destruído santos profetas e homens inocentes , por isso estou afriad o mesmo poderia acontecer entre nós, se, em uma única instância, deve ser permitido ser lícito colocar sedutores à morte. Eu posso, portanto, pela não aprovação significa que falsos professores devem ser destruídos. Mas como a todas as outras punições, ele parece pensar que eles podem, legalmente, ser empregado: para depois da passagem acima, acrescenta ele, é suficiente que eles sejam banidos.Agradavelmente a esses princípios, ele convenceu os eleitores da Saxónia a não tolerar, em seus domínios, os seguidores de Zuinglius, na sua opinião do sacramento, nem a entrar em qualquer dos termos de união com eles, para sua defesa comum contra as tentativas de os católicos para destruí-los. ... Ele também escreveu para Alberto, duque da Prússia, para persuadi-lo a bani-los de seus territórios "(JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, pp. XXVII, XXVIII). 

Lutero mudou drasticamente depois. Ele apoiou a destruição dos camponeses revoltante. "Mas quando os camponeses da Alemanha tentaram aplicar esta" liberdade "para si, derrubando os chefes tirânicos e ganhar sua independência, Lutero assola contra eles:« Os camponeses não ouvir, não deixava ninguém lhes dizer nada, seus ouvidos devem ser desabotoado com balas, até que suas cabeças saltar fora de seus ombros. ... No obstinado, endurecido, camponeses cego, que ninguém tem piedade, mas vamos todos, como ele é capaz, cortar, esfaquear, matar, coloque sobre ele como se entre os cães raivosos,. . . . para que a paz ea segurança pode ser mantida ... etc ' [Martinho Lutero,Werke, edição de Erlangen, vol. 24, p. 294, v. 15, p. 276; passim.] Escrito de Lutero sobre as guerras camponesas estão cheios de expressões como o acima. Quando estava nos últimos anos acusada de linguagem violenta tal, e por incitar senhores territoriais para o abate cruel (que matou mais de 100.000 camponeses), ele respondeu desafiadoramente: "Fui eu, Martinho Lutero, que matou todos os camponeses na insurreição, para ordenei que eles sejam abatidos. Todo o seu sangue é sobre meus ombros.Mas eu lançá-lo em nosso Senhor Deus que me mandou falar desta maneira. "[Martinho Lutero, Werke, edição de Erlangen, vol. 59, p. 284] (William McGrath, anabatistas: Nem católico nem protestante, 20R% http://www.pbministries.org/History/William. 20McGrath/the_anabaptists_part1.htm%). 

Lutero também se voltaram contra os anabatistas ele havia simpatizado com. "Mais triste ainda, Lutero reagiu com violência igual à anabatistas que tentou aplicar o princípio da" liberdade "para si. Embora ele sabia que havia tanto nonresistant, inofensivo anabatistas, bem como uma franja radical dos revolucionários sociais, ele condenou todos juntos - favorecendo uma política de extermínio "(William McGrath, anabatistas: Nem católico nem protestante, http://www.pbministries .org / História / William% 20R. 20McGrath/the_anabaptists_part1.htm%). 

2. 
Em 1529, o imponente DIETA DE SPEIRS (Speyer) pronunciou a sentença de morte a todos os anabatistas. Esse conselho foi composto por dois príncipes católicos e protestantes e chefes de estado. Eles odiavam e não se dão sequer nesta dieta, mas odiava os anabatistas até mais! 

3. A proclamação da Dieta acelerou o programa de extermínio já em andamento. 

"Quatrocentos especiais da polícia foram contratados para caçar anabatistas e executá-los no local. O grupo revelou-se demasiado pequeno e foi aumentada para mil. ...milhares de anabatistas foi vítima de uma das perseguições mais difundida na história cristã. ... Viados Burning e estacas smoldering marcaram sua caminhada em toda a Europa "(Halley). 

4. Em 1538, o eleitor Luterana de Hesse, na Alemanha escreveu ao Rei Henry VIII de Inglaterra e pediu-lhe para perseguir os anabatistas. Ele testemunhou: "Não há governantes na Alemanha, sejam eles papistas ou professor das doutrinas do Evangelho [protestantes], que sofrem esses homens se eles não entrarem em suas mãos. Todos os homens puni-los rapidamente. Nós usamos um pouco de moderação, que Deus requer de todos os bons governantes. Se algum se teimosamente defender os erros ímpios e perversos dessa seita, rendendo nada, como podem fazer e ensinar-lhes, na verdade, estes são mantidos um bom espaço na prisão, e às vezes doloridos punido lá, ainda em classificar como eles são tratados, que a morte é muito tempo adiada, a esperança de alteração, e, enquanto toda a esperança é, se mostrou favorável à vida. Se não há esperança, então os obstinados são condenados à morte "(Evans, The Early Inglês Batistas, capítulo 2). Essa foi a moderação "protestantes"! 

5. "Seckendorf também nos diz, que os advogados Luterana do Wittenburg, condenou à morte um Pestelius, por ser um Zuinglian, embora este foi reprovado pelo eleitor da Saxónia. Vários dos anabatistas também foram condenados à morte, pelos luteranos, por sua obstinação em propagar os seus erros "(JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, p. xxviii). 

6. URBANUS RHEGIUS era um líder luterano em Augsburg que perseguiram os batistas. 

Ele publicou um livro contra os batistas, em 1528. A ilustração na página do título demonstrou o ódio dos luteranos contra esta seita. Ela mostra um rio correndo em um grande oceano, como extensão de água. Os batistas são retratados caindo na água e, em seguida, transportados para o mar em um fogo flamejante. Assim, as águas do batismo do crente são descritos como o caminho para o inferno. Esta foi uma posição padrão protestante naquele dia. 

Rhegius foi o principal instigador das perseguições na cidade protestante de Augsburg. O historiador Philip Schaff, que era luterano si mesmo e certamente não foi preconceito contra os protestantes, disse: "Rhegius despertou os magistrados contra eles" (Schaff, História da Igreja Cristã, VI. 578). 

Hans Koch e Leonard Meyster foram condenados à morte em 1524. 

Rhegius causados Batista Pastor Hans Denk para ser conduzido para fora da cidade em 1527. 

Ele causou Pastor Langenmantel a ser preso e banido em outubro do mesmo ano. 
Leonard Snyder foi condenado à morte em 1527. 

Muitos morreram na prisão, incluindo Hans Hut, cujo cadáver foi queimado em praça pública em Augsburg. 

Pastor batista Seebold foi condenado à morte em abril de 1528, e mais 12 foram mortos no final daquele ano. 

Muitos foram torturados e de marca. Um teve a língua cortada por se manifestarem contra o batismo infantil. 

7. 
O Osiander reformador luterano em Nuremberga, Alemanha, perseguido e ameaçado de morte a anabatistas em sua área. 

Hans Denk, que mais tarde pastoreou a grande igreja batista em Estrasburgo, foi nomeada diretora da Escola Luterana de St. Sebald em Nuremberga. Naquela época, Denk estava apenas começando a vir para a formação de suas opiniões anabatistas e ele logo entrou em conflito com os protestantes. 

Em janeiro de 1525, Denk foi banido da cidade por Osiander e foi avisado que, se ele nunca mais veio com 10 milhas dele, ele seria condenado à morte. 

Denk mudou-se para Augsburg, foi batizado pelo pregador anabatista Hubmaier, e se tornou o pastor de uma igreja batista forte na cidade de numeração 1100. 

Eventualmente, o referido líder luterano Urbanus Rhegius perseguidos Denk de Augsburg. 

8. 
Outro bem conhecido líder luterano foi Martin Bucer (1491-1551). Ele foi influente em Augsburg, na Alemanha, e pediu para que o conselho da cidade perseguir os anabatistas. 

Bucer era constantemente frustrados com a Câmara Municipal porque hesitou em perseguir os anabatistas tão ferozmente como ele desejava, chamar esse "pecado" do Senado. " 

No caso de Pilgram Marbeck e outros, ele foi bem sucedido. 

Marbeck foi um notável engenheiro civil que tinha sido forçado a fugir Católica controlada Tirol por causa da perseguição. 

Ele chegou em Augsburg em 1530 e pregou corajosamente não só contra os erros de Roma, mas também contra as dos reformadores protestantes. 

Quando ele publicou dois livros de defender seus pontos de vista em 1531, o conselho municipal proibiu a sua distribuição e chamou-o para dar conta. 

Bucer estava lá e se opuseram a ele, e em 18 de dezembro, o Conselho banido o pregador anabatista no meio do inverno, Bucer apoio ao decreto cruel. 

Em 1529, o Conselho protestantes influenciados em Augsburg preso pregadores anabatista Jacob Kantz e Reublin em células úmido na torre. 

Kantz tinha chamado os reformadores "carpinteiros qualificados, que demolir muita coisa, mas não são capazes de colocar qualquer coisa juntos." Era um verdadeiro sentimento de um ponto de vista Batista, mas os protestantes não ligava muito para isso. 

Enquanto estava na prisão, os batistas escreveu em defesa do batismo do crente como uma expressão simbólica interna da fé em Cristo. Eles disseram que "a fé confessado, é o vinho, eo batismo é o sinal pendurado para fora para mostrar que o vinho está dentro." 

Em 1534, o Conselho Municipal de carro todos os batistas da cidade, com apenas oito dias de aviso. 

No ano seguinte, o conselho da cidade protestante proclamou que todas as crianças devem ser batizadas ou os pais seriam punidos, e não havia ninguém para dar qualquer abrigo ou assistência aos anabatistas. 

Em 1538, não ter se livrado de todos os anabatistas odiado, o Conselho de Augsburgo protestante proclamou que aqueles que retornaram para a cidade pela primeira vez, iria perder um dedo, a marca na bochecha, ou colocar no pescoço de ferro. Se eles voltaram, eles seriam afogados. Com uma cara séria, a proclamação acrescentou: "Nós fazemos isso, não para fazer os homens acreditam como nós. Não é uma questão de fé, mas para evitar divisão na Igreja. "Bem, a divisão tinha a ver estritamente com questões de fé! 

João Calvino em Genebra era um perseguidor 

1. Calvin doutrina cristã e os princípios aplicados na ponta da espada. Em outubro de 1563, o governo Genebra queimados até a morte Michael Servetus por heresia. Servet pontos de vista unitário e foi definitivamente um falso mestre, mas o Novo Testamento não instrui as igrejas para matar os falsos mestres. Servet frase "a morte foi apoiado não só por Calvino, mas também por Melanchthon na Alemanha e Bullinger em Genebra, e por outros líderes protestantes que foram consultados sobre o caso. 

2. Outros homens também foram condenados à morte sob a posse de Calvino. "Então ele foi totalmente a favor de medidas de perseguição, que ele escreveu um tratado em defesa deles, mantendo a legalidade de colocar os hereges à morte, e ele reduziu essas teorias rígidas para a prática, em sua conduta para Castellio, Bolsee Jerom, e Servet , cujos destinos são também geralmente conhecido por exigir estar aqui repetidas. No Conselho de Genebra de 1632, Nicholas Anthoine foi condenado a ser o primeiro enforcado e queimado, em seguida, para se opor à doutrina da Trindade ... "(JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, p. xxviii). 

3. Nos dias do rei Edward VI de Inglaterra, Calvino escreveu uma carta ao Lorde Protetor Somerset e pediu-lhe para colocar anabatistas à morte: "Estes completamente merecem ser bem punido pela espada, vendo que eles conspiram contra Deus, que havia estabelecido ele em seu lugar real "(John Christian, A History of the Baptists, vol. 1, cap. 15). 

4. O historiador John Christian Calvino observa que "foi responsável em grande medida para o demônio do ódio e hostilidade feroz que os batistas da Inglaterra teve de encontrar." 

Perseguição dos calvinistas na Holanda contra os arminianos 

"Se passar na Holanda, também veremos que os reformadores não foram, a maioria deles, nos princípios e medidas de perseguição. ... a mais escandalosa de todas briga foi que, entre os calvinistas e arminianos. ... No momento em que as duas partes tinham, portanto, tem um dogma para a disputa, a controvérsia tornou-se irreconciliável, e foi realizado com a violência mais ultrajante. Os ministros do partido predestinarian entraria em nenhum tratado, o Remonstrants [não-calvinistas] foram os objetos de seu zelo furioso, a quem expresso, mamelucos, demônios e pragas; animando os magistrados para destruí-los, e quando o tempo do novas eleições se aproximava, eles oraram a Deus para os homens como seria zeloso, até ao sangue, se fosse ao custo de todo o comércio de suas cidades. Finalmente, um sínodo sendo montada, agiu da maneira usual, que estabeleceu os princípios da fé, com confiança, condenou a doutrina dos protestantes; privou seus antagonistas de todos os seus escritórios, e celebrado pela humildemente suplicando a Deus e os seus nobres altezas, para colocar em seus decretos de execução, bem como a ratificar a doutrina se manifestou. Os estados obrigou-os a este pedido e de caridade cristã, para assim que o sínodo foi concluído, Barnwelt, um amigo dos protestantes e suas opiniões, foi decapitado, e Grotius condenado à prisão perpétua, e porque os ministros dissidentes não seria totalmente promessa , e sempre se abster do exercício de suas funções religiosas, dos estados aprovaram uma resolução para expulsá-los, sob pena, se não se submeter a ela, de ser tratada como perturbadores da paz pública "(JJ Stockdale, The History of as inquisições, 1810, pp. xxviii, xxix). 

A Igreja da Inglaterra era um perseguidor 

A Igreja Anglicana foi formada em 1534 pelo Rei Henry VIII, ea partir de então, até quase o final dos batistas do século 17 e outros que se recusaram a submeter-se a igreja nacional foram perseguidos. 

A perseguição aos Batistas Nos dias do rei Henrique VIII após seu rompimento com Roma 

1. Henry chegou ao trono em 1509 e três vezes durante seu reinado, ele denunciou anabatistas por proclamações oficiais. Esta prova é conclusiva, a propósito, que havia batistas na Inglaterra, neste momento inicial. 

2. Em 1534, Henrique rompeu com Roma e formou a Igreja da Inglaterra. 

3. Em 1535, vinte e oito holandeses foram presos e quatorze foram queimados até a morte, pelo menos, um deles uma mulher. O historiador Stowe diz que eles negaram que Cristo era Deus e homem, mas não é possível neste momento saber exatamente o que eles acreditavam com certeza, além do que seu inimigo cobrado em cima deles.Latimer, que era capelão em Henry e que mais tarde foi queimado pelo próprio Queen Mary, descreveu a morte e disse que eles foram para o jogo "sem nenhum medo do mundo, alegremente." 

4. Segundo Foxe, citando os registros de Londres, dezenove anabatistas outros foram condenados à morte em várias partes do reino em 1535. 

5. Em outubro de 1538, o rei nomeou Thomas Cranmer, o novo Arcebispo da Cantuária (após a morte de Warham), para chefiar uma comissão para julgar os batistas onde eles foram encontrados. Ele ordenou que os livros dos batistas deveriam ser confiscados e queimados. "Mesmo os nossos reformadores que tinha visto as chamas que os católicos tinham acendeu contra os seus irmãos, ainda acesas fogueiras se consumir aqueles que discordavam com eles. Cranmer mãos estavam manchadas com o sangue de vários. John e Ann Lambert Askew nunca vai dar testemunho do seu zelo destruir "(JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, p. xxix). 

6. Em 1539, mais dois Anabatistas foram queimados. 

7. Anne Askew foi preso, torturado e, finalmente, queimados até a morte em julho de 1546. Ela foi submetida a morte às mãos da Igreja da Inglaterra, após ter separado de Roma. 

Após a 24-year-old mulher foi condenada a morrer e foi preso na Torre de Londres à espera de execução, seus perseguidores tentaram levá-la para informar sobre outros crentes. Eles também esperavam ganho de informação contra a própria rainha Catarina, mulher de Henry VIII. Quando Ana se recusou a dar-lhes todas as informações, eles colocaram a mulher frágil em cima do rack e ordenou Sir Anthony Knyvet, Tenente da Torre, para instruir seu carcereiro para torturá-la. Ele fez isso, mas não muito árdua, estando consciente de sua natureza feminina. Não estando satisfeito com a trasfega dado a ela pelo tenente, Thomas Wriothesley,
chanceler da Inglaterra, e Mestre Rich, o Advogado-Geral, com raiva 
assumiu o controle do rack com suas próprias mãos e trataram a mulher de Deus 
com uma crueldade desumana. Assim, a intenção era que em ganhar os nomes dos 
qualquer senhoras em posição elevada, que acreditavam na graça de Jesus Cristo, eles 
cruelmente torturados ela, puxando-lhe os ossos e articulações fora do lugar, tanto 
de modo que ela era incapaz de andar e que depois teve de ser levado ao seu 
execução em uma cadeira. Todo o tempo, ela não gritou e teve a sua 
Wicked tormentos com a graça paciente dado a ela do Senhor, recusando-se 
para transformar qualquer um de seus amigos para os torturadores. Ela finalmente desmaiou 
da dor, e Sir Knyvet levou-a nos braços e colocou-a na 
piso. Quando ela acordou, e enquanto ela ainda estava deitada na pedra dura 
andar, Wriothesley permaneceu por ela por mais duas horas tentando 
falar com ela em renegar seus pontos de vista religioso. 

Em seu depoimento por escrito, a corajosa mulher cristã deu uma gloriosa 
testemunhar a sua fé em Jesus Cristo e no Seu sangue e de graça só para 
salvação, e afirmou que ela era a única autoridade da Bíblia. Embora 
seu pai, marido e filho tinham abandonado por causa de sua fé, e 
embora ela fosse odiado pelos dirigentes de seu próprio país, podemos ter a certeza 
que esta senhora humilde cristão não foi abandonado pelo seu Pai Celestial. 
"Quando meu pai e minha mãe me abandonarem, então o Senhor me acolherá" 
(Salmo 27:10). 

Anne e três outros dissidentes contra a Igreja da Inglaterra foram 
trouxe para o local de execução em 16 de julho de 1546. Quando foram 
acorrentado a um poste, que eram oferecidos um perdão se eles iriam assinar um 
retratação. Eles se recusaram até mesmo a olhar para o papel contendo o perdão 
e declararam que não havia chegado a esse lugar para negar o seu Senhor. Em 
que, o fogo foi aceso e Anne e seus amigos em Cristo, foram queimados 
morte pelas autoridades eclesiásticas. 

14. Outros batistas sofreram durante o reinado de Henry VIII, o pai de 
a Igreja da Inglaterra. 

BATISTAS perseguidos em dias do rei Edward VI 

Com a morte de Henrique em 1547, seu jovem filho Edward VI reinou por seis 
anos. 

1. Edward parou a perseguição contra os protestantes e até mesmo concedido 
perdão para os criminosos, mas a perseguição aos batistas continuaram. Pelo menos 
dois batistas foram queimados na fogueira durante o reinado de Edward. 

2. Mesmo assim, o número de batistas aumentado rapidamente. Bispo John Hooper 
escreveu em 1549 a queixar-se do rebanho "anabatistas", em Londres, que 
"Dá-me muita dificuldade." É óbvio pelas declarações de outros membros da igreja 
autoridades que, naquela época não havia uma igreja organizada Batista que 
mantidos os decretos. Já vimos batistas em Londres durante o 
reinado de Henrique. Havia também as igrejas Batista, no distrito de Kent 
no primeiro semestre de 1500. Em junho de 1550 o bispo Hooper escreveu, 
"Esse bairro está preocupado com o frenesi dos anabatistas mais 
qualquer outra parte do reino "(Ellis, cartas originais, I. 87). 

3. Humphrey Middleton foi um dos batistas que foram mantidos presos 
por ano durante o reinado de Edward. Essa tática brutal foi apoiada pelo 
Reformador protestante Thomas Cranmer. "Quando Cranmer pronunciou seu severo 
frase [contra Middleton], o intrépido Batista respondeu: "Reverendo 
Excelentíssimo Senhor, passe o que você acha sentença caber em cima de nós. Mas isso você não pode dizer 
que não foi avisado, eu declaro que a sua vez pode ser o próximo. "É 
Foi apenas alguns anos mais tarde que o Cranmer protestantes, que haviam apoiado 
a prisão e queima dos batistas, foi queimada pelo próprio 
Católica Maria (Evans, Early Inglês batistas, volume 1; Foxe, Mártires). 

4. Em maio de 1549, Joan Boucher foi preso. Ela era um anabatista de 
Kent, provavelmente um membro de uma pequena congregação na cidade de Eythorne. 
Ela era uma senhora de riqueza e tinha frequentado a corte real durante o 
dia de Henry VIII e Edward. Ela também foi um amigo íntimo do 
piedoso Anne Askew, que foi queimado durante o reinado de Henry VIII, e, como 
Anne, amei o Tyndale New Testament e distribuiu cópias do mesmo às 
outros em grande perigo para ela mesma. Ela carregava cópias desta proibido 
livro sob suas roupas em suas visitas ao tribunal e em outros lugares. Ela 
também visitou prisioneiros e usou sua riqueza para aliviar aqueles que foram 
sofrendo por sua fé. 

Após sua prisão, Joan foi acusado de "holding que Cristo não foi 
encarnado da Virgem Maria ", mas a acusação não era verdadeira. Ela segurava uma 
excêntrico e crença errônea de que Maria teve duas sementes, uma natural e 
uma espiritual, e que Cristo foi a semente espiritual. Na leitura do 
contas do julgamento, é difícil saber exatamente o que ela queria dizer, 
mas uma coisa é clara: ela demonstrou claramente que Maria era virgem quando 
Jesus nasceu e que ela aceitou a Cristo como o homem e Deus e como 
a virgem-nascido filho de Deus. Assim, se acreditava que alguma coisa estranha 
sobre sementes de Maria, não era certamente uma heresia maior do que infantil 
batismo e regeneração batismal e da impecabilidade de Maria, todos 
que foram realizadas por aqueles que condenou Joan. 

A Igreja da Inglaterra Joana de Kent tinha queimado até a morte em 2 de maio de 1550. 

5. Batista, outros que sofreram o martírio sob Edward VI foi George 
Pare van (ou Parris), um cirurgião da Alemanha. É uma mancha triste sobre um 
outro bom nome que o tradutor da Bíblia Miles Coverdale sentou-se como uma 
juiz no julgamento de Pare. Pare foi queimado vivo em abril de 1551. "Ele sofreu 
com grande constância da mente, e beijou o jogo e bichas que foram 
queimá-lo "(Burnet, História da Reforma, II). 

6. Outro exemplo de perseguidores protestantes na Inglaterra é John Hooper. 
Ele era um líder da Igreja da Inglaterra durante o reinado de Edward, e 
em 1549, ele escreveu para o líder protestante Henry Bullinger em Genebra, para 
queixar-se do rebanho "anabatistas", em Londres, que "dá-me muito 
problemas "Letters (Ellis, original referente à Reforma Inglês, I. 
65). O Hooper protestante, que perseguiu os batistas, depois foi queimado por 
Católica Rainha Maria. 

7. Outro exemplo é Nicholas Ridley, que foi queimado por Maria em outubro 
17, 1555 (ao mesmo tempo como Latimer). Tal como Thomas Cranmer, Ridley foi 
envolvidos na condenação à morte de Joan Boucher (Joan of Kent), durante o 
reinado de Edward VI. Depois de Joan foi preso em 1548, Ridley tentou 
levá-la a renunciar à sua doutrina. Ela era um anabatista de Kent, 
provavelmente um membro de uma pequena congregação na cidade de Eythorne. Ela 
foi um amigo íntimo do piedoso Anne Askew, que foi queimado durante a 
reinado de Henry VIII. Joan foi acusado de "holding que Cristo não foi 
encarnado da Virgem Maria ", mas a acusação não era verdadeira. A Igreja de 
Inglaterra Joana de Kent tinha queimado até a morte em 30 de abril de 1549. Ridley foi 
também envolvido com a queima de George Van Pare em 1551. Este 
Anabatista sentença de morte foi assinado por Ridley, Cranmer, e Coverdale. 

8. Protestante John Philpot, que foi queimado por Mary em 18 de dezembro de 1555, 
Foi também em favor de Joana queima de Kent. Philpot testemunhou: "Quanto a 
Joana de Kent, ela era uma mulher vaidosa (eu a conhecia bem), e um herege 
de fato, bem digno de ser queimada ... "(Philpot de Trabalho, Parker Society, p. 
55). Assim, também disse que a Igreja Católica sobre o Queen Mary Philpot protestante. 

9. Outro exemplo desse negócio triste é John Rogers. Ele, também, 
apoiou a queima de anabatista Joan Boucher. O historiador John 
Foxe, que, a seu crédito, se opôs à queima e que tentou 
salvar a mulher a partir deste julgamento, pediu ao amigo Rogers para ajudá-lo. 
Rogers recusou, dizendo que ela deveria ser queimada, e falou de morte por 
queimando como uma coisa leve. Foxe aproveitou a mão de Rogers, e respondeu: 
"Bem, pode acontecer que o senhor vai ter suas mãos cheias de 
esta queimadura leve "(Thomas Armitage, História dos batistas, 1890). Nós 
Rogers pergunto se pensou que a declaração, quando alguns anos mais tarde ele 
foi levado a um monte de bichas e queimado antes de sua esposa e 11 
crianças sob a rainha católica Mary. 

10. Hugh Latimer foi outro dos famosos reformadores protestantes que 
apoiou a perseguição e queima de batistas durante o reinado de 
Edward. Latimer foi queimado pela Igreja Católica Romana Queen Mary em outubro 
17 de 1555, mas antes disso, ele mergulhou suas mãos no sangue dos 
santos. Ele foi bispo de Londres, sob Edward VI, e ele foi embora 
fama de ser um homem bom, que a bondade não se estendeu para os anabatistas. 
Em um de seus sermões pregados antes King Edward, Latimer chamado 
Anabatistas "envenenado hereges" e refere as suas queimadas, insensivelmente 
comentando: "Bem, deixe-os ir" (Cranmer Sermões, Parker Society, vol. 
v). 

Sobre os seus próprios mártires, os protestantes certamente não 
evidenciada a atitude de Cranmer, "Bem, deixe-os ir" - em outras palavras, 
Riddance bom. Por não significa que eles têm tido esta atitude. O protestante 
historiadores, como Foxe e Wylie e milhares de outros, têm levantado 
memoriais grande para a memória de seus próprios mártires, mas esses mesmos 
historiadores têm geralmente levantadas nada, mas opróbrio sobre a memória de 
os batistas. 

BATISTAS PERSEGUIDA Nos dias da rainha Elizabeth I 

Rainha Elizabeth I seguiu à Igreja Católica e estabeleceu Queen Mary 
a Igreja da Inglaterra em uma posição mais protestante. 

1. Embora Elizabeth deu liberdade para os protestantes e os católicos tratados 
indulgência (mesmo que continuamente conspiraram contra seu trono e 
até mesmo sua vida), ela tratou os batistas severamente. 

2. Batistas tinham aumentado na Inglaterra e se espalharam em várias partes 
do país. Langley, na sua batistas Inglês antes de 1602, menciona 
igrejas em nove municípios que têm sua origem até os dias entre 
1576 e 1600. Estes tinham crescido acima da pregação nativos que tinham sido 
acontecendo há muito tempo. Eles também começaram a emigrar da Holanda, a partir de 
França e em outros lugares esperando que uma rainha protestante na Inglaterra seria 
conceder-lhes mais liberdade do que existia em seus países de origem. 

3. Incentivado pelos bispos da Igreja da Inglaterra, no mês de 
subir ao trono, Elizabeth fez uma proclamação que anabatistas 
deve ser localizado e transportados para fora da Inglaterra, e se não 
deixar, eles seriam punidos. Ela disse que os anabatistas foram "infectados 
com opiniões perigosas ". 

Em 4 de fevereiro de 1559, o Alto Comissariado da Justiça foi criado pela 
Parlamento. A Rainha emitiu uma injunção contra a pregação de qualquer 
contrária à doutrina da Igreja da Inglaterra. 

Ela proibiu a impressão de qualquer livro "heréticas". Ela também criou "Royal 
visitações ", pelo qual os representantes da Coroa estavam a ir por todo 
o país no circuito com o poder de procurar todos os hereges. 

Até o final de 1559, a Lei para a uniformidade da Religião foi posta em 
efeito. Ele fez a doutrina ea prática da Igreja da Inglaterra, o 
lei da terra. 

4. Em junho de 1575, dois Anabatistas holandeses foram queimados até a morte em 
Smithfield. Onze tinha sido inicialmente condenado a queimar depois de um julgamento em 
consistório da Catedral de St. Paul's, mas nove foram banidos vez. 

Um dos que foram queimados foi HENDRICK TERWOOKT. Ele era um homem jovem, 
cerca de 25 anos, que havia se casado apenas algumas semanas. Ele havia fugido para a Inglaterra 
para escapar à perseguição de Fleming, o pensamento protestante da rainha Elizabeth 
seria misericordioso. 

O outro homem, JAN PIETERS, era um homem mais velho com uma mulher e nove 
crianças dependentes de seus trabalhos. Sua primeira esposa tinha sido martirizado em 
Flandres, e sua atual esposa era viúva de um mártir. Agora ela estava 
fez uma viúva de um mártir do segundo tempo. 

Os mandados de morte para esses dois homens pela rainha protestante eram quase 
exactamente o mesmo que aqueles emitidos pela rainha católica Mary. 

"A rainha não se arrependerá. No dia 15 de julho, ela assinou o mandado de 
para a execução de dois deles, comandando o xerife de Londres para 
queimá-los vivos em Smithfield. Uma cópia do mandado de agora está diante de mim. 
Há também diante de mim uma cópia do mandado para a queima de 
Arcebispo Cranmer no dia Queen Mary's. Estes warrants são substancialmente 
parecidos. Na verdade, eles são quase redigida na mesma língua, palavra por 
palavra. Maria, a papista, condenando à morte os protestantes, e Elizabeth, 
protestante, ordenando a execução do Batista, o avanço da mesma 
pretensões e adotar as mesmas formas de expressão. Ambas estas chamam a sua 
hereges vítimas '. Ambos assumem a ser "zeloso da justiça." Ambos são 
"defensores da fé católica." Ambos declaram sua determinação de 
«manter e defender a Santa Igreja, seus direitos e liberdades." Tanto 
confessar a sua determinação em "erradicar e extirpar as heresias e erros." Tanto 
afirmar que os hereges nomeados os mandados tinham sido condenados e 
condenou "de acordo com as leis e costumes do reino." Tanto a cobrar 
os magistrados para tomar os seus prisioneiros a um "local público e aberto", e 
lá para 'cometê-los ao fogo ", na presença do povo, e para 
fazer com que sejam "realmente consumida" no mesmo fogo. Tanto a alertar o 
xerifes que eles não conseguem aí na sua conta e risco "(João Cãibra, Batista 
História, 1852). 

A rainha não tinha nenhuma desculpa para afirmar que estes homens eram perigosos para a sua 
trono. Eles apresentaram-lhe a seguinte declaração de fé: 

"Nós acreditamos e confessamos que os magistrados sejam estabelecidos e ordenados por Deus, para 
punir os maus e proteger o bem; magistratura que desejamos do nosso 
corações a obedecer, como está escrito em 1 Pedro 2:13, "Sujeitai-vos a 
toda autoridade humana por amor do Senhor. "Por que ele não dá a 
espada em vão "(Romanos 13:4). E Paulo nos ensina que devemos oferecer 
para todos ", orações, intercessões, e ações de graças, para que possamos 
levar uma vida tranqüila e mansa, com toda piedade e honestidade. Para isso é 
bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os 
homens sejam salvos "(1 Tm. 2:1-4). Ele ainda nos ensina "a ser assunto 
para os principados e potestades, a obedecer os magistrados, e estar pronto para 
toda boa obra "(Tito 3:1). Portanto pedimos gentilmente para sua majestade 
sentido de entender corretamente a nossa, o que é, que não despreza o 
Queen eminente, nobre e gracioso, e seus conselhos sábios, mas estima 
-los como dignos de toda honra, a quem desejamos ser obediente em todos os 
coisas que nós podemos. Para nós confessamos com Paulo, como acima, de que ela é de Deus 
servo, e que, se resistir a esse poder, que resistem à ordenação de 
Deus, pois "os magistrados não são terror para as boas obras, mas para o mal. 
Por isso, confesso que se deve ter com ela, e está pronto para dar, tributo, 
personalizado, honra e medo, como o próprio Cristo nos ensinou, dizendo: "Render 
a César o que é de César, ea Deus o que 
é de Deus "(Mt 22:21). Desde que, portanto, ela é um servo de Deus, nós 
gentilmente irá rezar Sua Majestade que iria agradá-la para mostrar piedade de nós 
presos pobres, assim como nosso Pai do céu é lamentável (Lucas 6:36). Nós 
Da mesma forma não aprovam aqueles que resistem aos magistrados, mas confesso 
e declarar com todo o coração que devemos ser obedientes e sujeitos 
-lhes, como nós temos aqui estabelecidos "(Von Braght, Espelho dos Mártires, p. 
929). 

5. Em 1593 dois ministros puritanos, Copping e Thacker, foram enforcados por 
inconformismo (JJ Stockdale, A História das inquisições, 1810, p. 
xxx). 

6. Sobre o tempo da derrota da Armada Espanhola em 1588, Elizabeth 
John Whitgift nomeado como Arcebispo de Cantuária. Em seu zelo para levar 
todos os homens em conformidade com a Igreja da Inglaterra, ele encheu as prisões 
com batistas. "... Finalmente, cerca de cinquenta e dois foram detidos por períodos prolongados 
nas masmorras do "mais repugnante e vil", sem "camas, ou tanto quanto 
palha para me deitar. "Em seus sermões, Whitgift chamados anabatistas" desobediente 
e pessoas vaidoso. "Alguns fugiram do país, mas muitos permaneceram e foram 
perseguidos. 

7. A perseguição levou grande parte dos batistas fora da vista durante 
Reinado de Isabel, mas sabemos que eles continuaram a existir. O historiador 
Strype descreve uma igreja em Londres em 1588 com "anabaptistical" pontos de vista. 
Ele diz que eles reuniram-se regularmente no domingo, pregou a Palavra de Deus, 
pegou ofertas, enviou ajuda aos seus irmãos perseguidos em 
prisão, não consideram a Igreja da Inglaterra como uma verdadeira igreja, rejeitou 
batismo infantil, e declarou que o governo não deve interferir no 
crenças religiosas.



BATISTAS perseguidos na Inglaterra 1626-1689 

A Igreja Anglicana continuou a perseguir aqueles que tentaram culto, independentemente, até quase o final do século 17. 

1. Muitos pregadores Batista tinha longas penas de prisão na Inglaterra do século 17. 

Francis Bampfield morreu na prisão depois de passar os últimos nove anos de sua vida na prisão. 

John Miller limitou-se dez anos. 

Henry Quarenta passou doze anos de prisão. 

John Bunyan escreveu seu famoso Pilgrim's, enquanto definha na prisão durante 12 longos anos, incapaz de cuidar de sua esposa e filha cega amado. 

Joseph Wright estava na prisão Maidstone por vinte anos. 

George Fownes morreu na prisão Gloucester. 

Samuel Howe morreu na prisão em 1640 e foi enterrado ao lado de uma estrada, porque a Igreja da Inglaterra se recusou a permitir que ele fosse enterrado em um cemitério. 

Thomas Delaune e sua família morreram na miséria Newgate Prison. 

Delaune cresceu em uma família católica na Irlanda, teve uma boa educação, e foi levado a Cristo por um pastor batista. Ele se mudou para Londres e se tornou um mestre-escola e era um membro de uma igreja batista. 

Benjamin Calamy, um capelão do rei, publicou um sermão desafiando inconformistas a escrever a sua doutrina e desacordo com a Igreja da Inglaterra. Delaune responderam ao desafio e escreveu o seu "Fundamento para a não-conformistas." Quando o livro estava sendo impresso, ele foi capturado por um mensageiro do Rei e Delaune foi preso. 

Da prisão, ele escreveu a Calamy e pediu-lhe para intervir em seu nome, mas ele se recusou a ajudar ou mesmo para responder a carta Delaune's. 

Em janeiro de 1684, Delaune foi multado em 100 marcas, para ser preso até que a multa foi paga, para encontrar segurança para um ano depois, e seu livro para ser queimado. Porque ele já não tinha emprego, ele não poderia pagar a multa, ele e sua família foram reduzidas à pobreza. Sua esposa e dois filhos pequenos tiveram de viver com ele na prisão por falta de meios de subsistência, e as condições insalubres que teve sua vida um após o outro. 

2. Crentes na Bíblia foram cruelmente perseguido durante o reinado do Rei Charles II (1660-1685) e Rei James II (1685-1688). 

3. O "Ato de Uniformidade" em 1662 muitos sujeitos a espancamentos e detenções. 

O primeiro Conventicle lei em 1664 proibiu todas as assembleias religiosas que não se conformam com a Igreja da Inglaterra. Penalidades eram severas multas e prisão e de um terceiro delito, degredo para as colónias americanas por sete anos. 

The Five-Mile Act, em 1665, proibiu não-conformista pregadores para ir dentro de cinco milhas de qualquer cidade ou vila que tinha uma congregação da Igreja da Inglaterra. Ele também os proibiu de ensinar em qualquer escola pública ou privada. A pena para cada delito foi uma multa grave, que foi além dos meios de pagar mais. 

O segundo Conventicle lei em 1670 foi pior ainda. 

Além de prisão e outros tormentos, que chamou de multas severas, não só a todos os fiéis não-conformista e pregadores, mas sobre os proprietários de quaisquer edifícios utilizados para reuniões não conformista. 

As multas foram pagas pela venda de bens dos crentes, que eram muitas vezes vendidos por uma ninharia de seu valor real. Desde que um terço do preço da multa foi o delator, muitos foram motivadas a apresentar relatórios sobre os separatistas. 

Muitos eram pobres. Padres definhar na prisão, não podia fazer nada para ajudar suas famílias carentes. 

Entre 1660 e 1689, cerca de 70.000 homens e mulheres sofreram com a perseguição religiosa na Inglaterra, 8.000 morreram, e dezenas de milhões de dólares foram pagos em multas. 

4. O longo braço da Igreja Anglicana também trouxe a perseguição aos crentes da Bíblia na América antes de sua independência. A colônia de Virgínia era anglicano, e em 1643, o governador desencadeou a perseguição contra os dissidentes. Muitos foram chicoteada, marcada, presos, multados e conduzidos para fora da colônia. 

5. Finalmente, em 1689 a Lei de Tolerância foi aprovada na Inglaterra, que reduziu a pressão sobre todos os dissidentes, dando-lhes liberdade de consciência e tornando-se um delito de perturbar ninguém é culto. Assim, não foi até 155 anos depois da sua criação que a Igreja da Inglaterra deixou de perseguir. 

PROTESTANTES perseguição por IN AMERICA 

Os protestantes que se estabeleceram na América, embora fugindo da perseguição religiosa, se perseguida batistas e quakers e outros que diferiam-los até a data da independência americana ea formação de Constituição dos Estados Unidos. Vamos dar dois exemplos. 

MASSACHUSETTS 

1. Massachusetts foi fundada pela colônia de Peregrinos em Plymouth em 1620 e pelos puritanos de Massachusetts Bay Colony em 1630. 

Os peregrinos foram separatistas que haviam sido obrigados a fugir da perseguição da Igreja da Inglaterra. Eles passaram um breve tempo na Holanda, em seguida, viajou de navio para a América. Enquanto na Holanda, que gozavam alguma medida de liberdade religiosa, mas eles não conceder o mesmo para os outros. Eles praticavam o batismo infantil e denunciou anabatistas. 

Os puritanos eram anglicanos que desejava alguma reforma da Igreja da Inglaterra, mas que não se separar dele. Eles trouxeram de Inglaterra, o falso conceito de uma igreja estatal e um espírito de perseguição. 

2. A seguir estão alguns exemplos das perseguições protestantes no início da história de Massachusetts, antes da formação da União Americana: 

Roger Williams foi banido de Massachusetts em 1635. 

Um homem zeloso e aprendeu que podia ler a Bíblia em grego e hebraico, Williams havia chegado na América, da Inglaterra com sua nova esposa, em fevereiro de 1631. 

Ele foi ordenado um ministro anglicano, e no momento que ele veio para a América, ele ainda realizou o batismo infantil. 

Enquanto vivia em Plymouth, Williams pregou para os índios nativos. Ele aprendeu a sua língua e fez muitos amigos entre eles, incluindo dois de seus chefes. 

Em agosto de 1634, foi nomeado o pastor da congregação anglicana em Salem. 

Mas, em 9 de outubro de 1635, ele foi banido da colónia para a pregação "novas opiniões e perigoso." Ele foi dado de seis semanas para sair, e em janeiro, ele foi forçado para o deserto em meio a um brutal inverno da Nova Inglaterra. 

Os índios ajudaram, e em junho, ele viajou de canoa até um rio para Rhode Island e estabeleceu a liquidação da Providência. 

Outros se juntaram a ele de Massachusetts e este lugar se tornou um bastião da liberdade religiosa. O seu objectivo declarado era "para expor uma experiência viva, que um estado mais próspero civil pode estar melhor e se manter com plena liberdade de concernments religiosa". 

Em março de 1639, Roger Williams foi publicamente imerso no batismo, ea primeira Igreja Batista de Rhode Island foi formado. Esta é geralmente considerada como a mais antiga igreja batista na América. 

Em março de 1644, Williams obteve uma carta do rei da Inglaterra, para estabelecer Rhode Island. 

Williams escreveu "The Bloody Tenet de perseguição por causa da Consciência", na qual ele corajosamente defendeu a liberdade de consciência. 

Apesar de calúnias foram empilhados em cima Roger Williams por vários historiadores, muitos escritores cultos Batista (assim como outros) têm o registro correto. Veja a história de Thomas Armitage e David Bento, por exemplo. Estes são na Igreja Batista Fundamental CD-ROM Biblioteca, disponível a partir Way of Life Literature. 

Em 1643, Lady Deborah Moody, que possuía uma fazenda de 400 hectares na cidade de Swampscott, foi forçada a se mudar para Long Island, Nova York, para viver entre os holandeses, a fim de escapar da perseguição, em Massachusetts. Seu "crime" foi a de que ela negou o batismo infantil. 

A primeira lei contra os batistas na América foi feito em Massachusetts, em Novembro de 1644. A lei ameaça punições severas contra os anabatistas. Naquele ano, Thomas Painter foi açoitado por negar o batismo infantil. 

Em fevereiro de 1646, Witter William e João da Madeira Lynn foram publicamente repreendido e multado por negar o batismo infantil. John Spur foi multada em julho 1651 para o mesmo "crime". 

Em 1651, alguns batistas foram presos e um foi brutalmente chicoteado em Massachusetts. 
Os nomes dos presos foram John Clark, Obadias Holmes, e John Crandal. 

Eles estavam em uma igreja batista em Newport, Rhode Island, e estava visitando a casa do referido William Witter, um irmão idoso cristão em Lynn, Massachusetts. Na época, não existiam igrejas batistas, em Massachusetts. 

No domingo, eles realizaram um serviço religioso em casa Witter's, e enquanto o Sr. Clark estava pregando sobre o texto de Apocalipse 3:10, estourou dois policiais na casa, prendeu-os, e os levou para a prisão, em Boston. 

Holmes foi castigado com 30 golpes de um chicote de três cordas. Em uma carta a uma igreja batista na Inglaterra, contou Holmes misericórdia do Senhor em que o fortalecia durante este julgamento: 

"... Na verdade, como os acidentes vasculares cerebrais caiu em cima de mim, eu tinha uma manifestação espiritual da presença de Deus, como o seu como eu nunca tive, nem sentido, nem com a língua pode expressar carnal, ea dor era tão distante para fora de mim, que na verdade eu não estou apto a declarar a você, era tão fácil para mim, que eu poderia suportar, sim, e de uma forma, não senti-lo, embora tenha sido doloroso, como os espectadores, disse, o homem notável com toda a sua força (sim cuspir, em suas mãos três vezes, como muitos afirmaram), com um chicote de três fio, dando-me com ela trinta cursos. Quando ele soltou-me do post, depois de ter alegria no meu coração e alegria no meu rosto, como os espectadores observaram, eu disse aos magistrados, você me pareceu com rosas ... " 

Embora ele testemunhou que ele não sofre de bater o real, ele o fez sofrer muito de seus efeitos. A batida foi tão cruel em suas costas, os lados, e de estômago que Holmes não podia deitar-se durante muitos dias depois. 

Sobre este tempo, dois outros batistas, John Hazel e John Spur, foram presos porque encorajados e confortados Holmes depois que ele foi chicoteado. 

Após a primeira igreja batista foi finalmente criada em Massachusetts em cerca de 1656, os membros "passou a maior parte de seu tempo nos tribunais e prisões, muitas vezes eram multados, e alguns deles foram banidos." O pastor dessa igreja, Thomas Gould, foi preso por sua fé. Quando esta igreja mais tarde construiu uma capela, as autoridades civis, em 1680, pregou a portas fechadas e ordenou-lhes que não se encontram. 

Uma igreja batista segunda não foi formado, em Massachusetts, até 1749. Isso foi na cidade de Sturbridge e muitos dos membros foram presos, multados e tiveram seus bens confiscados. 

Outra igreja batista formada em 1761 na cidade de Ashfield foi tratado da mesma maneira.Muitos dos membros da igreja tinham todas as suas terras confiscadas e pomares. 

3. Esta perseguição contra muitas outras igrejas batistas que foram estabelecidos nesses dias e não termina antes de Massachusetts tornou-se uma colônia dos Estados Unidos e formaram sua constituição estadual em 1780. Através dos esforços dos batistas e outros amantes da liberdade religiosa, esta continha uma Declaração de Direitos garantindo a liberdade de fé. 

VIRGÍNIA 

1. Os primeiros colonos eram na maior parte para Virginia da Inglaterra, e eles estabeleceram igrejas anglicanas. 

2. Pelos atos de 1623, 1643 e 1661, todos os cidadãos eram obrigados a seguir a religião e doutrina. 

3. Atos da assembleia de Virgínia de 1659, 1662 e 1663, exige que todas as crianças sejam batizadas e proibida a montagem de quakers e outros dissidentes. 

4. Os ministros anglicanos foram suportados pelos impostos dos cidadãos. 

5. A seguir estão alguns exemplos das perseguições protestantes na Virgínia: 

Em 4 de junho de 1768, os batistas foram detidos em várias Spottsylvania e presos. Entre estes estavam John Waller, Craig Lewis e James Childs. Eles passaram quase seis semanas na prisão. 

Em dezembro de 1770, Webber, William e Anthony Joseph foram presos e lançados na prisão por pregar em Chesterfield, Virginia. Eles permaneceram na prisão até março de 1771. 

Webber foi novamente preso em agosto, enquanto ele estava pregando em Middlesex. Também foram presos em seguida, John Waller, James Greenwood, Robert Ware, e Thomas Waford.Waller, Greenwood, Ware, e Webber foram mantidos na prisão por um mês. 

Thomas Waford foi severamente espancado com um chicote e realizado cicatrizes para o seu túmulo. 

Em agosto de 1772, e William James Greenwood Loveall foram detidos e presos no município de Rei e Rainha por 16 dias. 

Em 13 de março de 1774, todos os pastores batistas em Piscataway foram presos e enviados para a prisão. Estes foram John Waller, John Shackleford, e Robert Ware. 

No total, cerca de 30 pastores batistas passou um tempo na prisão, na Virgínia, alguns até quatro horários diferentes. 

6. Estas perseguições continuaram até Virgínia foi trazido para a nova união dos Estados Unidos. 

7. Apesar disto, as igrejas batistas cresceram rapidamente em Virgínia durante aqueles dias. A primeira foi formada em 1767 ea segunda em 1769. Dentro de quatro anos, havia cerca de 50 igrejas. 

CONCLUSÃO 

Tudo isso me faz lembrar da parábola do Senhor sobre o homem que foi perdoado de uma dívida. Ele devia seu mestre 10.000 talentos de prata, que é uma quantidade enorme de dinheiro, mas quando ele não podia pagar e implorou a seu mestre tenha misericórdia dele, o mestre livremente perdoou-lhe a totalidade da dívida. Esse mesmo homem virou-se, porém, perseguidos e um outro homem que lhe devia muito, muito pequena da dívida (Mt 18:23-35). 

Da mesma forma, os protestantes sinceramente buscava a liberdade religiosa dos católicos romanos. Quando eles alcançaram, eles se recusaram a conceder o mesmo para os batistas, embora este último pediu humildemente com eles e citou as Escrituras de uma forma mais sensata e piedosa. 

Por exemplo, quando Hans Muller foi levado perante o conselho da cidade protestante em Zurique para a sua negação do batismo infantil, ele confessou depois desta maneira: "Não coloque um peso em minha consciência, pois a fé é um dom gratuito de Deus, e não é uma propriedade comum. O mistério de Deus está escondido, como o tesouro no campo, que ninguém pode encontrar, mas aquele a quem o Espírito mostra isso. Então, eu imploro, servos de Deus, vamos ficar sem minha fé "(John Christian, A História dos batistas). Quanto ao Muller foi ignorado, como foram os de dezenas de milhares de outros batistas do mesmo dia. 

Em cima da autoridade do Senhor da parábola eo teor de todo o Novo Testamento, podemos ter a certeza que o Senhor não olhou levemente sobre este grande pecado e que Ele não desculpa-lo como muitos historiadores protestantes têm feito. Muitos invocam "a ignorância dos tempos", mas os protestantes perseguição daqueles tempos tinham a Bíblia e professou como sua única autoridade de fé e prática. Tinham, portanto, nenhuma desculpa para não saber a vontade do Senhor. Os tempos eram muito escuro, mas os batistas, com a mesma Bíblia na mão, viu uma grande luz, e que a luz era a fé do Novo Testamento unvarnished pela tradição humana, e que a fé não dá autoridade para perseguir aqueles que não acreditam como nósfazer. Podemos pregar contra o erro. Nós, membros da igreja que a disciplina pode pecar.Podemos rejeitar hereges. Mas não podemos impor as mãos sobre eles e forçá-los a pensar como nós. Essa é a característica de um lobo, não uma ovelha.






Em segundo lugar, gostaria que os irmãos analisassem as partes que extraí do texto, enviado por Fábio Oliveira de Campos ao grupo Listeo, em 7.12.2009. Pelas minhas leituras de alguns livros sobre o assunto (mas dei todos os livros de História Eclesiástica), sei que, basicamente, os fatos são verídicos. Mas apreciaria muito se alguém com mais tempo e paciência que eu, e com bons livros em inglês, acrescentasse notas dizendo onde cada fato deste está documentado. Talvez acrescentasse outra atrocidade terrível e que não foi mencionada. Hélio.

As informações sobre esse artigo procedem ou não?

A Inquisição Protestante

Muito se fala da Inquisição Católica, mas pouco se sabe sobre a Inquisição Protestante.

Esse post é um resumo de diversos textos retirados da internet. As fontes citadas nos sites pesquisados estão relacionadas no final.

ALEMANHA

Bandos protestantes esfolaram os monges católicos da abadia de São Bernardo, em Bremen, passaram sal em suas carnes vivas e os penduraram no campanário.

Em Augsburgo, em 1528, cerca de 170 anabatistas foram aprisionados por ordem do Poder Público. Muitos foram queimados vivos; outros foram marcados com ferro em brasa nas bochechas ou tiveram a língua cortada.


Em 1537, o Conselho Municipal publicou um decreto que proibia o culto católico e estabelecia o prazo de oito dias para que os católicos abandonassem a cidade.

Ao término desse prazo, soldados passaram a perseguir os que não aceitaram a nova fé. Igrejas e mosteiros foram profanados, imagens foram derrubadas, altares e o patrimônio artístico e cultural foram saqueados, queimados e destruídos.

Também em Frankfurt, a lei determinou a total suspensão do culto católico e a estendeu a todos os estados alemães.

O teólogo protestante Meyfart descreveu uma tortura que ele mesmo presenciou:

‘Um espanhol e um italiano foram os que sofreram esta bestialidade e brutalidade. Nos países católicos não se condena um assassino, um incestuoso ou um adúltero a mais de uma hora de tortura (sic). Porém, na Alemanha a tortura é mantida por um dia e uma noite inteira; às vezes, até por dois dias; outras vezes, até por quatro dias e, após isto, é novamente iniciada. Esta é uma história exata e horrível, que não pude presenciar sem também me estremecer. “

INGLATERRA

Seis monges Cartuxos e o bispo de Rochester foram sumariamente enforcados.

Na época da imperadora Isabel, cerca de 800 católicos eram assassinados por ano e Jesuítas também foram assassinados ou torturados.

Um ato do Parlamento inglês, em 1562, decretou que “cada sacerdote romano deve ser pendurado, decapitado e esquartejado; a seguir, deve ser queimado e sua cabeça exposta em um poste em local público”.

O fundador do anglicanismo foi o Rei da Inglaterra Henry VIII.


Tal figura mandou criar a tal Igreja Anglicana, tanto por querer se livrar de uma católica, para se casar com outra mulher, como para confiscar os ricos bens da Igreja Católica na Inglaterra. Henrique VIII adorava sexo, caçadas e boa-vida.


Suas aventuras sexuais o levaram a passar suas últimas décadas de vida adoentado pelas doenças venéreas que tinha. Tais doenças eram intratáveis no século em que ele viveu. Henry VIII também adorava mandar exterminar padres, freiras, irlandeses, etc. Atualmente, a chefia digamos honorária da Igreja Anglicana está na mão do Príncipe Charles, que tem as mesma paixões de Henrique VIII por casos extra-conjugais e caçadas.


Ainda assim, a tal Igreja Anglicana diz condenar o adultério e demais pecados de seu fundador, Henrique VIII, que deve estar no inferno.

IRLANDA

Quando Henrique VIII (ilustração) iniciou a perseguição protestante contra os católicos, existiam mais de mil monges dominicanos no país, dos quais apenas dois sobreviveram.

SUIÇA

William Harvey - O descobridor da circulação do sangue - foi queimado em Genebra, por ordem de Calvino.

No distrito de Thorgau, um missionário zwingliano liderou um bando protestante que saqueou, massacrou e destruiu o mosteiro local, inclusive a biblioteca e o acervo artístico e cultural.

Em Zurique, foi ordenada a retirada de todas as imagens religiosas, relíquias e enfeites das igrejas; até mesmo os órgãos foram proibidos.A catedral (foto atual) ficou vazia, como continua até hoje.


Os católicos foram proibidos de ocupar cargos públicos; o comparecimento aos sermões católicos implicava em penas e castigos físicos e, sob a ordem de “severas penas”, era proibido ao povo possuir imagens e ou mesmo quadros religiosos em suas casas.

Ainda em Zurique, a Missa foi prescrita em 1525.


A isto, seguiu-se a queima dos mosteiros e a destruição em massa de templos.


Os bispos de Constança, Basiléia, Lausana e Genebra foram obrigados a abandonar suas cidades e o território.

Um observador contemporâneo, Willian Farel, escreveu: “Ao sermão de João Calvino na antiga igreja de São Pedro seguiu-se desordens em que se destruíram imagens, quadros e tesouros antigos das igrejas”.

ESCÓCIA

John Knox, pai do presbiteranismo, mandou queimar na fogueira cerca de 1.000 mulheres, acusadas de bruxaria.



Hoje, o presbiterianismo se divide entre milhares de seitas. Quase todas estas milhares de seitas agora certamente não aceitariam que a alma de John Knox estivesse em outro lugar, que não o inferno.

Tal figura, o John Knox, exigiu e conseguiu que ir à missa fosse crime punido com a morte.

Tal pena também era aplicada a possuidores de coisas como imagens de santos, crucifixos e demais objetos tipicamente católicos.

Com base em ordens bíblicas, John Knox fez uma total caça às bruxas.

Caso famoso, então, foi de uma mãe e sua filha terem tirado os sapatos, e coincidentemente logo depois iniciou-se um temporal. As duas foram enforcadas por bruxaria. Tudo com o total apoio de John Knox. Com tantas matanças, este tal John Knox deve estar no inferno junto com as bruxas que ele mandou matar.



A inquisição suspendeu sistematicamente o Catolicismo nas áreas protestantes.



O SAQUE DE ROMA

O Saque de Roma foi um dos episódios mais sangrentos da Reforma Protestante.


No dia 6 de maio de 1527, legiões luteranas do exército imperial de Carlos V invadiram a cidade.

Um texto veneziano, daquela época, afirma que: “o inferno não é nada quando comparado com a visão da Roma atual”.

Os soldados luteranos nomearam Lutero “papa de Roma”.



Todos os doentes do Hospital do Espírito Santo foram massacrados em seus leitos. Os palácios foram destruídos por tiros de canhões, com os seus habitantes dentro.


Os crânios dos Apóstolos São João e Santo André serviram para os jogos esportivos das tropas.


Centenas de cadáveres de religiosas, leigas e crianças violentadas – muitas com lanças incrustadas em seus genitais – foram atirados no rio Tibre.


As igrejas, inclusive a Basílica de São Pedro, foram convertidas em estábulos e foram celebradas missas “profanas”.

Gregório afirma a respeito: “Alguns soldados embriagados colocaram ornamentos sacerdotais em um asno e obrigaram um sacerdote a conferir-lhe a comunhão. O sacerdote engoliu a forma e seus algozes o mataram mediante terríveis tormentos”.

Conta o Padre. Mexia: “Depois disso, sem diferenciar o sagrado e o profano, toda a cidade foi roubada e saqueada, inexistindo qualquer casa ou templo que não foi roubado ou algum homem que não foi preso e solto apenas após o resgate”.

O butim foi de 10 milhões de ducados, uma soma astronômica para a época.


Dos 55.000 habitantes de Roma, apenas 19.000 sobreviveram .



OS “GRANDES REFORMADORES” PROTESTANTES ” E O USO DA VIOLÊNCIA

LUTERO

Em 1520, escreveu em seu “Epítome”:

“(…) francamente declaro que o verdadeiro anticristo encontra-se entronizado no templo de Deus e governa em Roma (a empurpurada Babilônia), sendo a Cúria a sinagoga de Satanás (…) Se a fúria dos romanistas não cessar, não restará outro remédio senão os imperadores, reis e príncipes reunidos com forças e armas atacarem a essa praga mundial, resolvendo o assunto não mais com palavras, mas com a espada (…) Se castigamos os ladrões com a forca, os assaltantes com a espada, os hereges com a fogueira, por que não atacamos com armas, com maior razão, a esses mestres da perdição, a esses cardeais, a esses papas, a todo esse ápice da Sodoma romana, que tem perpetuamente corrompido a Igreja de Deus, lavando assim as nossas mãos em seu sangue?”

Em um folheto contra o catolicismo, intitulado “Contra a Falsamente Chamada Ordem Espiritual do Papa e dos Bispos”, de julho de 1522, ele declarou:

“Seria melhor que se assassinassem todos os bispos e se arrasassem todas as fundações e claustros para que não se destruísse uma só alma, para não falar já de todas as almas perdidas para salvar os seus indignos fraudadores e idólatras. Que utilidade tem os que assim vivem na luxúria, alimentando- se com o suor e o sangue dos demais?”

Em outro folheto, contra os anabatistas, intitualdo “Contra a Horda dos Camponeses que Roubam e Assassinam”, ele dizia aos príncipes:

“Empunhai rapidamente a espada, pois um príncipe ou senhor deve lembrar neste caso que é ministro de Deus e servidor da Sua ira (Romanos 13) e que recebeu a espada para empregá-la contra tais homens (…) Se pode castigar e não o faz – mesmo que o castigo consista em tirar a vida e derramar sangue – é culpável de todos os assassinatos e todo o mal que esses homens cometerem”.

Em julho de 1525, Lutero escrevia em sua contra os anabatistas "rebeldes" que não aceitavam o luteranismo, a intitulada “Carta Aberta sobre o Livro contra os Camponeses”:,


“Se acreditam que esta resposta é demasiadamente dura e que seu único fim e fazer-vos calar pela violência, respondo que isto é verdade. Um rebelde não merece ser contestado pela razão porque não a aceita. Aquele que não quer escutar a Palavra de Deus, que lhe fala com bondade, deve ouvir o algoz quando este chega com o seu machado (…) Não quero ouvir nem saber nada sobre misericórdia”.

Sobre os judeus, assim dizia em suas famosas “Cartas sobre a Mesa”:

“Quem puder que atire-lhes enxofre e alcatrão; se alguém puder lançá-los no fogo do inferno, tanto que melhor (…) E isto deve ser feito em honra de Nosso Senhor e do Cristianismo. Sejam suas casas despedaçadas e destruídas (…) Sejam-lhes confiscados seus livros de orações e talmudes, bem como toda a sua Bíblia. Proíba-se seus rabinos de ensinar, sob pena de morte, de agora em diante. E se tudo isso for pouco, que sejam expulsos do país como cães raivosos”.

Em seus “Comentários ao Salmo 80″, Lutero aconselhava aos governantes que aplicassem a pena de morte a todos os hereges (não-luteranos) .

Lutero tinha uma série de idéias, digamos, "estranhas" sobre a raça alemã, que seria destinada a ser uma raça de senhores. Sobre os judeus, Lutero, tal e qual Hitler alguns séculos depois, aceitou de bom grado gordas fortunas para suas pregações.


No entanto, tal e qual Hitler alguns séculos depois, Lutero não teve dúvida alguma em perseguir os judeus e os exterminar. Lutero era um anti-semita notório e assumido. Nem preciso também lembrar que Lutero, tal e qual Hitler séculos depois, também odiava negros, índios e tudo o mais que não pertencesse à sua raça suprema. Vale lembrar que Lutero ordenava o extermínio de quem fosse católico ou que fosse a uma missa. Com tantos pecados, com tantas matanças, Lutero deve de estar no inferno. Por sinal, os luteranos de hoje rejeitam os escritos anti-semitas de seu fundador.

Melanchton, o teólogo luterano da Reforma, aceitou ser o presidente da inquisição protestante, com sede na Saxônia.


Ele apresentou um documento, em 1530, no qual defendia o direito de repressão à espada contra os anabatistas. Lutero acrescentou de próprio punho uma nota em que dizia: “Isto é de meu agrado”.


Convencido de que os anabatistas arderiam no fogo do Melanchton os perseguia com a justificativa de que “por que precisamos ter mais piedade com essas pessoas do que Deus?”

CALVINO



Em suas “Institutas”, declarou: “Pessoas que persistem nas superstições do anticristo romano devem ser reprimidas pela espada”.

Em 1547, o humanista James Gruet, que publicou uma nota criticando Calvino e foi preso, torturado no potro duas vezes por dia durante um mês e, finalmente, sentenciado à morte por blasfêmia. Seus pés foram pregados a uma estaca e sua cabeça foi cortada.

Em 1555, os irmãos Comparet foram acusados de libertinagem, executados e esquartejados. Seus restos mortais foram exibidos em diferentes partes de Genebra.



ZWÍNGLIO

Em 1525, começou a perseguir os anabatistas de Zurique.


As penas iam desde o afogamento no lago, nos rios, até a fogueira.



PROTESTANTES VERSUS PROTESTANTES

A violência não foi exercida apenas contra os católicos. Os reformadores foram violentos entre si.

Lutero disse: “Ecolampaio, Calvino e outros hereges semelhantes possuem demônios sobre demônios, têm corações corrompidos e bocas mentirosas”.


Por ocasião da morte de Zwínglio afirmou: “Que bom que Zwínglio morreu em campo de batalha! A que classe de triunfo e a que bem Deus conduziu os seus negócios!”, e também: “Zwínglio está morto e condenado por ser ladrão, rebelde e levar outros a seguir os seus erros”.

Zwínglio também atacava Lutero: “O demônio apoderou-se de Lutero de tal modo que até nos faz crer que o possui por completo. Quando é visto entre os seus seguidores, parece realmente que uma legião o possui”.



Dar o desconto do fato de que são católicos, podem estar distorcendo os fatos, exagerando-os, inventando-os, escondendo outros fatos, mas, por favor, alguém cheque a documentação, as provas, as bibliografias citadas em
http://ainquisicaoprotestante.blogspot.com/
http://www.veritatis.com.br/article/4690





 


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org/ )


Retorne a solascriptuta-tt.org/EclesiologiaEBatistas/
Retorne a solascriptuta-tt.org/