Seqüência dos eventos da noite da última ceia do Senhor Jesus Cristo. Judas, pão, cálice, vinho, videira, uva, ordenança, igreja. Ceia memorial advertida,aberta, achegada, restrita, fechada.



        A ORDEM DOS EVENTOS NA ÚLTIMA CEIA DO SENHOR

H.M.S.             abril/98

Tenho visto muitos estudos sobre o assunto, mas todos eles me parecem obedecer mais a “pontos de partida lógicos” do que a simples e somente a seqüência que emerge mais naturalmente da Bíblia. (Estes pontos de partida, a meu ver desnecessários, são que: (1) o lava-pés deve ter ocorrido antes de tudo; (2) o pão e o cálice só foram repartidos após o definitivo encerramento e retirada de tudo da refeição pascal; e (3) não é admissível que Judas tenha participado do pão e do cálice).

Baseamo-nos na seqüência de Lucas porque, dos escritores dos 4 evangelhos, é ele quem se prende rigorosamente à seqüência, à cronologia dos fatos Lc 1:1-3.

A ordem dos acontecimentos da última ceia do Senhor com seus apóstolos e que me parece emergir do relato bíblico, simplesmente tomado, é a seguinte:

1.       Cristo pôs-se à mesa, com os 12 apóstolos

Mt 26:20

Mc 14:17

Lc 22:14

 

2.       Cristo: “Desejei muito ... não a comerei mais até que...”

   

Lc 22:15-16

 

3.       Tomam a ceia pascal. Conforme Ex 12: cordeiro sem mácula, separado por 4 dias, sacrificado ao anoitecer, assado na brasa, servido com pães asmos e ervas amargosas, nada ficando para o amanhecer; todos com lombos cingidos, sapatos nos pés, cajado nas mãos, apressadamente, memorialmente, por estatuto perpétuo. Parece que Cristo comeu apressadamente e terminou a ceia antes dos apóstolos. Houve um cálice Lc 22:17-18 (e, talvez, pão) nesta ceia pascal, antes da Ceia do Senhor, que teve lugar logo a seguir.

4.       Tomam a Ceia do Senhor: Em 1o. lugar, Cristo abençoa o pão, explica-o, reparte-o.

Mt 26:26

Mc 14:22

Lc 22:19

1Co 11:23-24,26

5.       Em 2o. lugar, Cristo abençoa o cálice, explica-o, reparte-o, “não mais beberei dele até que...”

Mt 26:27-29

Mc 14:23-25

Lc 22:20

1Co 11:25-26

6.       Cristo, turbado em espírito: “Um de vós me há de trair.”

Mt 26:21

Mc 14:18

 

João 13:21

7.       Apóstolos: “Sou eu, Senhor?”

Mt 26:22

Mc 14:19

 

João 13:22

8.       Cristo: “O que põe comigo a mão no prato ... ai daquele ...”

Mt 26:23-24

Mc 14:20-21

Lc 22:21-23

João 13:18-20

9.       João: “Quem é?”

     

João 13:23-25

10.   Cristo, só a João: “É aquele ... bocado molhado” (comiam os restos das duas ceias)

     

João 13:26

11.   Satanás se apossa de Judas.

     

João 13:27a

12.   Judas Iscariotes: “Sou eu, Rabí?”

Mt 26:25a

     

13.   Cristo: “Tu o disseste.”

Mt 26:25b

     

14.   Cristo: “... faze-o depressa.”

     

João 13:27b-29

15.   Judas sai.

     

João 13:30

16.   Apóstolos: “Quem de nós será o maior?”

   

Lc 22:24

 

17.   Cristo repreende os apóstolos.

   

Lc 22:25-27

 

18.   Cristo revela aos apóstolos que eles reinarão.

   

Lc 22:28-30

 

19.   Cristo lava os pés dos apóstolos.

     

João 13:2-17

20.   Hino.

Mt 26:30a

Mc 14:26a

   

21.   Saída para o Monte das Oliveiras.

Mt 26:30b

Mc 14:26b

   

22.   (no caminho) Cristo anuncia Sua glorificação, ausência, e novo mandamento.

     

João 13:31-35

23.   Cristo adverte a Pedro.

Mt 26:31-35

Mc 14:27-31

Lc 22:31-34

João 13:36-38

24.   As duas espadas.

   

Lc 22:35-38

 

1.       Cristo pôs-se à mesa, com os 12 apóstolos Mt 26:20; Mc 14:17; Lc 22:14.

(Mat 26:20) E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze.

(Mc 14:17) E, chegada a tarde, foi com os doze.

(Lc22:14)E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos.

2.       Cristo: “Desejei muito ... não a comerei mais até que...” Lc 22:15-16.

(Lc 22:15-16) E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça;    (16) Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus.

3.       Tomam a ceia pascal. Conforme Ex 12: cordeiro sem mácula, separado por 4 dias, sacrificado ao anoitecer, assado na brasa, servido com pães asmos e ervas amargosas, nada ficando para o amanhecer; todos com lombos cingidos, sapatos nos pés, cajado nas mãos, apressadamente, memorialmente, por estatuto perpétuo. Parece que Cristo comeu apressadamente e terminou a ceia antes dos apóstolos. Houve um cálice Lc 22:17-18 (e, talvez, pão) nesta ceia pascal, antes da Ceia do Senhor, que teve lugar logo a seguir.

(Lc 22:17) E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós;    (18) Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.          Este 1o. cálice, em Lc, fez parte da Ceia Pascal  (profetizando a morte do Messias, para os judeus), não da Ceia do Senhor (memorial da morte do Cristo, para a Igreja), que teve lugar logo a seguir.

4.       (Começam a tomar a Ceia do Senhor:) O pão: Cristo o abençoa, explica simbolismo memorial, reparte. Mt 26:26; Mc 14:22; Lc 22:19; 1Co 11:23-24,26.

(Mat 26:26) E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

(Mc14:22) E, comendo eles, tomou Jesus pão e, abençoando-o, o partiu e deu-lho, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

(Lc 22:19) E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.

(1Co 11:23) Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o päo;    (24) E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.    (26) Porque todas as vezes que comerdes este päo e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.

5.       O cálice: Cristo o abençoa, explica simbolismo memorial, reparte, “não mais dele beberei até que...”. Mt 26:27-29; Mc 14:23-25; Lc 22:17-18,20; 1Co 11:25-26.

(Mat 26:27) E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos;    (28) Porque isto é o meu sangue; o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados.    (29) E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai.

(Mc 14:23) E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho; e todos beberam dele.    (24) E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que por muitos é derramado.    (25) Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de Deus.

 (20) Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.

(1Co 11:25) Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.    (26) Porque todas as vezes que comerdes este päo e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.

6.       Cristo, turbado em espírito: “Um de vós me há de trair.” Mt 26:21; Mc 14:18; João 13:21.

(Mat 26:21) E, comendo eles, disse: Em verdade vos digo que um de vós me há de trair.

 (Mc 14:18) E, quando estavam assentados a comer, disse Jesus: Em verdade vos digo que um de vós, que comigo come, há de trair-me.

(João 13:21) Tendo Jesus dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há de trair

7.       Apóstolos: “Sou eu, Senhor?” Mt 26:22; Mc 14:19; João 13:22.

(Mat 26:22) E eles, entristecendo-se muito, começaram cada um a dizer-lhe: Porventura sou eu, Senhor?

(Mc 14:19) E eles começaram a entristecer-se e a dizer-lhe um após outro: Sou eu? E outro disse: Sou eu?

(João 13:22) Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele falava.

8.       Cristo: “O que põe comigo a mão no prato ... ai daquele ...” Mt 26:23-24; Mc 14:20-21; Lc 22:21-23.

(Mat 26:23) E ele, respondendo, disse: O que põe comigo a mão no prato, esse me há de trair.    (24) Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido.

(Mc 14:20) Mas ele, respondendo, disse-lhes: É um dos doze, que põe comigo a mão no prato.    (21) Na verdade o Filho do homem vai, como dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para o tal homem não haver nascido.

(Lc 22:21) Mas eis que a mão do que me trai está comigo à mesa.    (22) E, na verdade, o Filho do homem vai segundo o que está determinado; mas ai daquele homem por quem é traído!    (23) E começaram a perguntar entre si qual deles seria o que havia de fazer isto.

9.       João: “Quem é?” João 13:23-25.

(João 13:23) Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus.    (24) Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse quem era aquele de quem ele falava.    (25) E, inclinando-se ele sobre o peito de Jesus, disse-lhe: Senhor, quem é?

10.   Cristo, só a João: “É aquele ... bocado molhado” João 13:26. (estavam comendo os restos das duas ceias)

(João 13: 26) Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão

11.   Satanás se apossa de Judas. João 13:27a

(João 13:27a) E, após o bocado, entrou nele Satanás. ...

12.   Judas Iscariotes: “Sou eu, Rabí?” Mt 26:25a.

(Mat 26:25a) E, respondendo Judas, o que o traía, disse: Porventura sou eu, Rabi?.

13.   Cristo: “Tu o disseste.” Mt 26:25b.

(Mat 26:25b) Ele disse: Tu o disseste.

14.   Cristo: “... faze-o depressa.” João 13:27b-29.

(João 13:27b-30) ... Disse, pois, Jesus: O que fazes, faze-o depressa. (28) E nenhum dos que estavam assentados à mesa compreendeu a que propósito lhe dissera isto.    (29) Porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa; ou que desse alguma coisa aos pobres.

15.   Judas sai. João 13:30.

 (João 13:30) E, tendo Judas tomado o bocado, saiu logo. E era já noite.

16.   Apóstolos: “Quem de nós será o maior?” Lc 22:24.

(Lc 22:24) E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior

17.   Cristo repreende os apóstolos. Lc 22:25-27.

(Lc 22:25) E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores.    (26) Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve.    (27) Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve

18.   Cristo revela aos apóstolos que eles reinarão. Lc 22:28-30.

(Lc 22:28) E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações.    (29) E eu vos destino o reino, como meu Pai mo destinou,    (30) Para que comais e bebais à minha mesa no meu reino, e vos assenteis sobre tronos, julgando as doze tribos de Israel.

19.   Cristo lava os pés dos apóstolos. João 13:2-17.

(João 13:2) E, acabada a ceia, tendo o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse,    Jesus,     (3) sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus,    (4) Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se.    (5) Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.    (6) Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim?    (7) Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois.    (8) Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo.    (9) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça.   (10)  Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos.    (11) Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos.    (12)Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito?    (13) Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.    (14) Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.    (15) Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.    (16)Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.    (17) Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.

20.   Hino. Mt 26:30a; Mc 14:26a.

(Mat 26:30a) E, tendo cantado o hino, ...

(Mc 14:26a) E, tendo cantado o hino, ...

21.   Saída para o Monte das Oliveiras. Mt 26:30b; Mc 14:26b; Lc 22:39.

(Mat 26:30b) ... saíram para o Monte das Oliveiras.

(Mc 14:26b) ... saíram para o Monte das Oliveiras.

22.   (no caminho) Cristo anuncia Sua glorificação, ausência, e novo mandamento. João 13:31-35.

(João 13:31-35) Tendo ele, pois, saído, disse Jesus: Agora é glorificado o Filho do homem, e Deus é glorificado nele.    (32) Se Deus é glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e logo o há de glorificar.    (33) Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco. Vós me buscareis, mas, como tenho dito aos judeus: Para onde eu vou não podeis vós ir; eu vo-lo digo também agora.    (34) Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.   (35)  Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.

23.   Cristo adverte a Pedro. Mc 14:27-31; Lc 22:31-34; João 13:36-38.

(Mc 14:27) E disse-lhes Jesus: Todos vós esta noite vos escandalizareis em mim; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas se dispersarão.    (28) Mas, depois que eu houver ressuscitado, irei adiante de vós para a Galiléia.    (29) E disse-lhe Pedro: Ainda que todos se escandalizem, nunca, porém, eu.    (30) E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás.    (31) Mas ele disse com mais veemência: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo nenhum te negarei. E da mesma maneira diziam todos também.

(Lc 22:31) Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo;    (32) Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos.    (33) E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte.    (34) Mas ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces

(João 13:36-38) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? Jesus lhe respondeu: Para onde eu vou não podes agora seguir-me, mas depois me seguirás.    (37) Disse-lhe Pedro: Por que não posso seguir-te agora? Por ti darei a minha vida.    (38) Respondeu-lhe Jesus: Tu darás a tua vida por mim? Na verdade, na verdade te digo que não cantará o galo enquanto não me tiveres negado três vezes.

24.   As duas espadas. Lc 22:35-38.

(Lc 22:35) E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada.    (36) Disse-lhes pois: Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda a sua capa e compre-a;    (37) Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento.    (38) E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta.

APÊNDICE:

No ano 32 segundo nosso calendário, Cristo foi traspassado e verteu todo Seu sangue ao anoitecer de uma quarta-feira (nossa). Para os judeus, esta ocasião foi o fim do dia 14 de Nissan, portanto foi a hora da imolação do cordeiro da Páscoa e o início do quinto dia da semana. Este quinto dia da semana foi também considerado um sábado (que significa dia de cessação dos trabalhos), pois, sendo o primeiro dia da festa dos pães asmos, era dia religioso a ser guardado em descanso. Cristo ressuscitou durante a noite do sábado para o domingo. Portanto, como tinha profetizado, Cristo ficou exatamente 3 dias completos e 3 noites completas no seio da terra, com a porta do túmulo fechada, até que ressuscitou e dele saiu.

Por tudo isso, a última ceia do Senhor com seus apóstolos ocorreu numa noite da terça para a quarta-feira, noite que chamaríamos 13 de abril mas que, para Cristo, já era 14 de Nissan e, para outros judeus, era 13 de Nissan.

Notemos que, devido a diferenças na determinação da hora exata da uma lua cheia, em certos anos haviam alguns judeus que começavam a contar o 1o. dia do ano antes dos demais. Isto ocorreu naquele ano. Para Cristo e seus discípulos, aquela terça-feira era 14 de Nissan, enquanto para os demais era somente 13 de Nissan. Porisso, Cristo guardou a Páscoa 1 dia antes dos demais.



(retorne à PÁGINA ÍNDICE de SolaScripturaTT / EclesiologiaEBatistas)