Quando Foi o Arrebatamento Pré-Tribulação Ensinado pela Primeira Vez?


(When Was the Pre-Tribulation Rapture First Taught?)

David Cloud

6.11.2014

(v. quer corrigir a tradução de Google, e me enviar?)


 

When Was the Pre-Tribulation Rapture First Taught?

David Cloud
November 6, 2014













It has long been claimed by amillennialists, preterists, and others who interpret prophecy allegorically that the doctrine of the pre-tribulation Rapture is a new doctrine, and since it is allegedly a new doctrine it cannot be a true one.

Gary DeMar, President American Vision, says: "A majority of prophecy writers and speakers teach that the church will be raptured before a future tribulational period. But did you know that prior to about 1830 no such doctrine existed. No one in all of church history ever taught pretribulational rapture" (cited from "Why Christians Will Suffer Great Tribulation," Ourdailybreadbyjoeortiz). 

When Demar says the pre-tribulation Rapture did not exist prior to 1830, he is referring to the The Morning Watch prophecy journal and the writings of John Darby which popularized dispensational theology in the 1800s. 

Though this claim continues to be made, it is patently false. 

MORGAN EDWARDS (1722-1795)

The pre-tribulation Rapture was taught by prominent Baptist leader Morgan Edwards. His Two Academical Exercises on the Subjects Bearing the Following Titles; Millennium and Last-Novelties was published in 1744 in Philadelphia. 

Morgan Edwards was one of the most prominent Baptist leaders of his day. He was the pastor of the Baptist church in Philadelphia and the founder of Brown University, the first Baptist college in America. A summary of life was featured in the Baptist Encyclopedia. He was one of the first Baptist historians of repute, his Materials Toward A History of the Baptists (1770) providing a foundation for all subsequent works.  

Following is what Edwards believed about Bible prophecy:

"The distance between the first and second resurrection will be somewhat more than a thousand years. I say, somewhat more; because the dead saints will be raised, and the living changed at Christ's 'appearing in the air' (I Thes. iv. 17); and this will be about three years and a half before the millennium, as we shall see hereafter: but will he and they abide in the air all that time? No: they will ascend to paradise, or to some one of those many 'mansions in the father's house' (John xiv. 2), and disappear during the foresaid period of time. The design of this retreat and disappearing will be to judge the risen and changed saints; for 'now the time is come that judgment must begin,' and that will be 'at the house of God' (I Pet. iv. 17)" (Edwards, Two Academical Exercises on the Subjects Bearing the Following Titles; Millennium and Last-Novelties, 1744). 

Edwards first wrote the previous statement in an senior essay while at Bristol Baptist College in Bristol, England, before coming to America. At the beginning of the essay, in a comment addressed to his teacher, Edwards said, 

"And is it come to my lot to treat of the Millennium, or Christ thousand years reign on earth? Thousand pities, sir, that you had not allotted the task to one of these older and abler students! But since it is your pleasure, I will do my possible: and IN THE ATTEMPT WILL WORK BY A RULE YOU HAVE OFTEN RECOMMENDED, VIZ. 'TO TAKE THE SCRIPTURES IN A LITERAL SENSE, EXCEPT WHEN THAT LEADS TO CONTRADICTION OR ABSURDITY.'"

This rule of literal interpretation of prophecy is exactly the rule from which pre-Tribulationists work today. It is the rule that I teach in my courses on Bible interpretation.

Edwards bluntly rejected the allegorical approach. Of the millennial kingdom prophecies, he said, "Miserable work do the Antimillenarians make of these texts."

Edwards was writing 175 years before the destruction of the Ottoman Empire's hold on the land of Israel (1917) and 200 years before the establishment of the modern state of Israel (1948), yet he knew that these things would happen. Consider the following fascinating prediction that he made based on a literal interpretation of Bible prophecy:

"The Turkish or Ottoman Empire will be demolished; for otherwise the right owners cannot posses their inheritance ... The twelve tribes (as observed before) will return to their ancient inheritance, else how can the twelve apostles be their judges? ... In this united capacity they will rebuild Jerusalem in its place, and the temple in its place on mount Zion; for in this temple will antichrist sit as god, and be the abomination mentioned by Daniel, and referred to by Christ" (Edwards, Two Academical Exercises on the Subjects Bearing the Following Titles; Millennium and Last-Novelties, 1744).

From the case of Morgan Edwards, it is obvious that there were Baptists in the 18th century in England and America who held the literal principle of interpretation of Bible prophecy as opposed to the allegorical. 

We must remember that most preachers do not leave a permanent record of their teaching. From Paul's day to ours, the vast majority of sound preachers have been common men as opposed to scholars. 

Typically, they are not writers and do not publish books. In the record church history, we only have a tiny glimpse into what was happening, and that glimpse is based on the pittance that has survived of the little that was ever recorded.

"For ye see your calling, brethren, how that not many wise men after the flesh, not many mighty, not many noble, are called: But God hath chosen the foolish things of the world to confound the wise; and God hath chosen the weak things of the world to confound the things which are mighty" (1 Cor. 1:26-27).

EPHRAEM THE SYRIAN (AD c. 303-373)

We now go back to two centuries after the apostles. Ephraem is venerated as a "saint" by the Catholic and Orthodox churches, but they would not allow him to teach his doctrine of prophecy today.

Ephraem is called "the Syrian" because he lived in that region. 

He was a voluminous writer. Many of his sermons and psalms are included in the 16-volume Post-Nicene Library. (The Council of Nicea was held in AD 325, and historians divide the "fathers" into Ante-Nicene, before 325, and Post-Nicene, after 325). 

Some of Ephraem's sermons and hymns are used in the liturgy of Orthodox churches. 

In the 1990s some of Ephraem's writings were translated into English for the first time, one of these being  On the Last Times, the Antichrist, and the End of the World, A.D. 373. 

The translation was done by Professor Cameron Rhoades of Tyndale Theological Seminary at the bequest of Grant R. Jeffrey. It was subsequently published in Jeffrey's 1995 book Final Warning. 

It is obvious that Ephraem believed in a literal fulfillment of prophecy, including a Rapture of New Testament saints prior to the Tribulation.

"For all the saints and Elect of God are gathered, prior to the tribulation that is to come, and are taken to the Lord lest they see the confusion that is to overwhelm the world because of our sins" (Ephraem the Syrian, On the Last Times).

Observe that Ephraem taught that the saints will be taken to the Lord so they will not see the confusion that is to overwhelm the world, which is exactly what 1 Thessalonians 5:3-9 says. 

Ephraem taught a literal antichrist who will sit in a literal rebuilt temple in Jerusalem, a literal 3.5 year Tribulation, a literal Two Witnesses or prophets who will preach in Jerusalem, a literal battle of Gog and Magog. 

"And when the three and a half years have been completed, the time of the Antichrist, through which he will have seduced the world, after the resurrection of the two prophets, in the hour which the world does not know, and on the day which the enemy or son of perdition does not know, will come the sign of the Son of Man, and coming forward the Lord shall appear with great power and much majesty, with the sign of the word of salvation going before him, and also even with all the powers of the heavens with the whole chorus of the saints. ... Then Christ shall come and the enemy shall be thrown into confusion, and the Lord shall destroy him by the Spirit of his mouth. And he shall be bound and shall be plunged into the abyss of everlasting fire alive with his father Satan; and all people, who do his wishes, shall perish with him forever; but the righteous ones shall inherit everlasting life with the Lord for ever and ever" (Ephraem the Syrian, On the Last Times, the Antichrist, and the End of the World, A.D. 373).

Ephraem believed in the imminency of the return of Christ and urged his fellow Christians to live godly lives in expectation of His return.

EARLY CHRISTIANS TO AUGUSTINE

Actually, Ephraem the Syrian was not alone in interpreting Bible prophecy literally in his day. 

He was living one generation from the era of Augustine (354-430), whenever there was a dramatic change. When Ephraem died in 373, Augustine was 19 years old. 

It was in the era of Augustine that allegoricalism widely replaced the previous method of interpretation. Prior to this, it was common among Bible believers to interpret prophecy literally. They believed that Christ would return literally (and imminently), bind Satan, and establish a literal millennial kingdom on earth. 

This is admitted by church historians. 

William Newell says: "The early Church for 300 years looked for the imminent return of our Lord to reign, and they were right" (Newell, Revelation). 

Phillip Schaaf said, "... the most striking point in the eschatology of the ante-Nicene age [prior to AD 325] is the prominent chiliasm, or millennarianism, that is the belief of a visible reign of Christ in glory on earth with the risen saints for a thousand years, before the general resurrection and judgment" (History of the Christian Church, 8 vols, Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1960, 2:614). 

Henry Thiessen says, "It is clear ... that the Fathers held not only the pre-millennial view of Christ's coming, but also regarded that coming as imminent. The Lord had taught them to expect His return at any moment, and so they looked for Him to come in their day. Not only so, but they also taught His personal return as being immediately, with the exception of the Alexandrian Fathers, who also rejected other fundamental doctrines" (Thiessen, Introductory Lectures in Systematic Theology, p. 477).

In fact, Augustine, "the father of amillennialism," once believed in a literal millennium himself. He said, "I myself, too, once held this opinion. ... They who do believe them are called by the spiritual, Chiliasts, which we may literally reproduce by the name Millenarians" (Augustine, City of God, book 20, chapter 7). 

The following statement by Irenaeus is an example of what was commonly believed among the early "church fathers," as they looked forward to Christ's return and the establishment of His kingdom:

"The predicted blessing, therefore, belongs unquestionably to the times of the kingdom, when the righteous shall bear rule upon their rising from the dead; when also the creation, having been renovated and set free, shall fructify with an abundance of all kinds of food, from the dew of heaven, and from the fertility of the earth. ... In like manner [the Lord declared] that ... all animals feeding [only] on the productions of the earth, should [in those days] become peaceful and harmonious among each other, and be in perfect subjection to man" (Irenaeus,Against Heresies, The Ante-Nicene Fathers).

The church at Antioch long interpreted Bible prophecy literally. Antioch was an important church founded by Barnabas and Paul, and it is from this church that the first foreign missionaries were ordained and sent out (Acts 11:19-26; 13:1-4). It was at Antioch that the believers were first called Christians. 

Some of the preachers associated with Antioch were Lucian (died 312), Theodore (AD 350-428), Chrysostom (AD 354-407), Theodoret (AD 386-458), and Diodorus of Tarsus. These men interpreted Bible prophecy literally and believed in a literal millennium. 

In his History of Interpretation, F.W. Farrar observed, "Diodorus of Tarsus' books were devoted to an exposition of Scripture in its literal sense, and he wrote a treatise, now unhappily lost, 'on the difference between allegory and spiritual insight'" (Farrar, pp. 213-15). 

"The Antioch's school's two greatest exegetes, Theodore of Mopsuestia (AD 350-428) and John Chrysostom (AD 354-407), were 'anti-allegorical'" (Matthew Allen, "Theology Adrift: The Early Church Fathers and Their Views of Eschatology," bible.org).

Some of the early Christians after the apostles even taught a form of dispensationalism. Examples can be found in the extant writings of Justin Martyr, Irenaeus, Tertullian, and Methodius. Justin Martyr (100-165) believed in four phases of history in God's plan: From Adam to Abraham, from Abraham to Moses, from Moses to Christ, and from Christ to the eternal state. Irenaeus (120-202) taught something similar, dividing the dispensations into the creation to the flood, the flood to the law, the law to the gospel, the gospel to the eternal state. 

Larry Crutchfield observed that some of the early church leaders "came very close to making nearly the same divisions modern dispensationalists do" ("Rudiments of Dispensationalism in the Ante-Nicene Period," Bibliotheca Sacra, Oct. 1987). Crutchfield is Professor of Christian History and Culture, Columbia Evangelical Seminary. 

Crutchfield concludes, "We do not say that the early fathers were pretribulationists in the modern sense, only that the seeds were indeed there but were crushed under the allegorist's foot before they could sprout and bear early fruit.  ... Many biblical principles and concepts held by the millenarian fathers were in an embryonic state. And while elements of their teachings lack the sophistication and systematic presentation the modern scholar might like, it should be remembered that these 'doctors' of the primitive church lived on the frontier of Christian theological formulation."

The allegorical interpretation was invented by false teachers after the apostolic era as the apostasy was growing and spreading toward the formation of the Roman Catholic Church.

A school was established at Alexandria, Egypt, which became the headquarters for the allegorical method of interpretation. Egypt was a place where false teaching proliferated in the first centuries after Christ.Clement, who headed the school from AD 190 to 202, corrupted the Christian faith by mixing it with the worldly philosophy and allegoricalism of Philo. He taught many false doctrines, including purgatory, and believed that most men would eventually be saved even though Jesus said only a few would be (Mat. 7:14). "Clement saw the literal meaning of Scripture as being a 'starting point' for interpretation. Although it was 'suitable for the mass of Christians,' God revealed himself to the spiritually advanced through the 'deeper meaning' of Scripture. In every passage, a deeper or additional meaning existed beyond the primary or immediate sense" (Matthew Allen, "Theology Adrift: The Early Church Fathers and Their Views of Eschatology," bible.org).

Origen (AD 185-254) was one of the chief fathers of allegoricalism. He led the school at Alexandria from AD 202 to 232. Though he endured persecution and torture for the cause of Christ under the Emperor Decius in 250, Origen was laden down with heresies. Like Clement, he mixed the truth of the Bible with pagan philosophy. He taught that celibacy was a holy state above marriage, contrary to the teaching of the apostles. He taught baptismal regeneration, purgatory, and the pre-existence of the human soul. He taught that all men, even Satan and demons, would eventually be saved. He taught that the Holy Spirit was the first creature made by God, and denied the full Godhead of Jesus. He did not believe that the Scriptures are wholly inspired by God. 

Origen claimed that "the Scriptures have little use to those who understand them literally." He described the literal meaning of Scripture as "bread" and encouraged the student to go beyond this to the "wine" of allegoricalism, whereby one can become intoxicated and transported to heavenly realms. Origen's commentaries contained a wealth of fanciful interpretations, abounding in "heretical revisals of Scripture" (Frederick Nolan, Inquiry into the Integrity of the Greek Vulgate, p. 367).

Another father of allegoricalism was Augustine (AD 354-430), one of the fathers of the Roman Catholic Church. He was exalted as one of the "doctors" of Rome. Augustine invented the terrible and unbiblical doctrine of the inquisition that was used by the Catholic Church against Bible believers for more than 1,000 years. The German historian Neander observed that Augustine's teaching "contains the germ of the whole system of spiritual despotism, intolerance, and persecution, even to the court of the Inquisition." Augustine instigated fierce persecutions against the peace-loving, Bible-believing Donatists who were striving to maintain pure biblical churches. He taught that "the sacraments," such as baptism, were the means of salvation. He taught that Mary did not commit sin. He taught the heresy of purgatory. He was one of the fathers of infant baptism, claiming that unbaptized infants are lost and calling all who rejected infant baptism "infidels" and "cursed." He exalted the authority of "the church" over that of Scripture.

"Through Augustine, Origen's allegorical hermeneutic became the backbone of medieval interpretation of the Bible" (Matthew Allen, "Theology Adrift: The Early Church Fathers and Their Views of Eschatology," bible.org).

These heresies grew and became a fundamental part of the Roman Catholic and Orthodox Churches. 

When the Protestant denominations (e.g., Anglican, Presbyterian, Lutheran, Methodist) broke away from Rome, one of the errors they brought with them was the allegorical interpretation of prophecy. 

THE APOSTLES

When it comes to sound doctrine, the bottom line is not what anyone has or has not taught in church history. It is "what saith the Lord?" Period. The Bible is the sole authority for faith and practice. It is not one authority among many, and it is not the authority only as confirmed by "church fathers" and "theologians."

The bottom line is that the apostles and early Christians interpreted prophecy literally.

They believed in an imminent return of Christ.

"For they themselves shew of us what manner of entering in we had unto you, and how ye turned to God from idols to serve the living and true God; And to wait for his Son from heaven, whom he raised from the dead, even Jesus, which delivered us from the wrath to come" (1 Th. 1:9-10).

They believed in a Rapture of New Testament saints.

"But I would not have you to be ignorant, brethren, concerning them which are asleep, that ye sorrow not, even as others which have no hope. For if we believe that Jesus died and rose again, even so them also which sleep in Jesus will God bring with him. For this we say unto you by the word of the Lord, that we which are alive and remain unto the coming of the Lord shall not prevent them which are asleep. For the Lord himself shall descend from heaven with a shout, with the voice of the archangel, and with the trump of God: and the dead in Christ shall rise first: Then we which are alive and remain shall be caught up together with them in the clouds, to meet the Lord in the air: and so shall we ever be with the Lord. Wherefore comfort one another with these words" (1 Th. 4:13-18).

They believed that the New Testament saints would be saved from the Tribulation to come.

"For God hath not appointed us to wrath, but to obtain salvation by our Lord Jesus Christ" (1 Th. 5:9)

They believed in a literal Antichrist.

"Let no man deceive you by any means: for that day shall not come, except there come a falling away first, and that man of sin be revealed, the son of perdition; Who opposeth and exalteth himself above all that is called God, or that is worshipped; so that he as God sitteth in the temple of God, shewing himself that he is God" (2 Th. 2:3-4).

They believed in a literal return of Christ and a literal fulfillment of Old Testament prophecy.

"Repent ye therefore, and be converted, that your sins may be blotted out, when the times of refreshing shall come from the presence of the Lord; And he shall send Jesus Christ, which before was preached unto you: Whom the heaven must receive until the times of restitution of all things, which God hath spoken by the mouth of all his holy prophets since the world began" (Acts 3:19-21).

They believed in a literal fulfillment of Israel's covenants following the church age.

"For I would not, brethren, that ye should be ignorant of this mystery, lest ye should be wise in your own conceits; that blindness in part is happened to Israel, until the fulness of the Gentiles be come in. And so all Israel shall be saved: as it is written, There shall come out of Sion the Deliverer, and shall turn away ungodliness from Jacob: For this is my covenant unto them, when I shall take away their sins" (Romans 11:25-27).

CONCLUSION

Brethren, do not let anyone rob you of a literal interpretation of prophecy.

A large portion of the Bible consists of prophecy, and much of it has not yet been fulfilled. The portion that has been fulfilled has been fulfilled literally. We think of the great Messianic prophecies of Christ's first coming in Psalm 22 and Isaiah 53. The prophecies are breathtaking in detail, and every detail was fulfilled "literally."

Further, if we do not interpret prophecy according to the "normal literal" method, there is no way to determine for sure what it means.

A literal interpretation of prophecy results in the doctrine that the church is not Israel, and that Israel's covenants will yet be fulfilled after the church age. 

"For I would not, brethren, that ye should be ignorant of this mystery, lest ye should be wise in your own conceits; that blindness in part is happened to Israel, until the fulness of the Gentiles be come in. And so all Israel shall be saved: as it is written, There shall come out of Sion the Deliverer, and shall turn away ungodliness from Jacob: For this is my covenant unto them, when I shall take away their sins" (Romans 11:25-27).

The 70th Week of Daniel 9:24-27 pertains to Israel, not to the church. Every event of the 70 Weeks pertains to "thy [Daniel's] people, and the holy city" (verse 24). Before God turns His attention, so to speak, to fulfilling Israel's ancient covenants, including the Davidic covenant of 2 Samuel 7, the Church will be Raptured and will not see the coming of the antichrist and the other signs that immediately precede the glorious return of Christ. 

The doctrine of the Pre-tribulation Rapture is not a minor one. Jesus, Paul, James, and Peter taught that the return of Christ is imminent and is to be expected at any time (Mat. 24:44; Phil. 4:5; Jam. 5:8-9; 1 Pet. 4:7). The early Christians lived in this expectation (1 Th. 1:9-10). 

The doctrine of a pre-tribulational Rapture is a great motivator for purifying the Christian life. 

1. It encourages the believer in trials and persecutions. "Then we which are alive and remain shall be caught up together with them in the clouds, to meet the Lord in the air: and so shall we ever be with the Lord. Wherefore comfort one another with these words" (1 Thessalonians 4:17-18).

2. It keeps the church's focus on the Great Commission (Mat. 28:18-20; Mk 16:15; Lk. 24:44-48; Acts 1:8). D.L. Moody had it right when he said: "I look upon this world as a wrecked vessel. God has given me a lifeboat and said to me, 'Moody, save all you can.'" 

3. It motivates believers to be busy in the Lord's work (1 Cor. 15:58).

4. It motivates believers to live obedient lives (1 Jn. 3:1-3; 1 Th. 5:4-7). 

5. It motivates believers to separate from evil (Tit. 2:13-14). 

6. It keeps believers on the outlook for heresy and apostasy (2 Timothy 4:3-4; 1 John 2:24-28).

Quando Foi o Arrebatamento Pré-Tribulação Ensinado pela Primeira Vez?


(When Was the Pre-Tribulation Rapture First Taught?)

David Cloud

6.11.2014




Tem sido muito reivindicada pelos amilenistas, preteristas, e outros que interpretam profecia alegoricamente que a doutrina do arrebatamento pré-tribulação é uma nova doutrina, e uma vez que é supostamente uma nova doutrina não pode ser verdadeira.

Gary DeMar, o presidente americano Vision, diz: "A maioria dos escritores proféticos e palestrantes ensinam que a Igreja será arrebatada antes de um futuro período tribulacional Mas você sabia que antes de 1830 não existia tal doutrina Ninguém em toda a igreja.. história já ensinou arrebatamento pré-tribulacional "(citado em" Por que os cristãos vão sofrer grande tribulação ", Ourdailybreadbyjoeortiz).

Quando Demar diz que o arrebatamento pré-tribulação não existia antes de 1830, ele está se referindo à revista profecia A Vigília da Manhã e os escritos de John Darby, que popularizaram a teologia dispensacionalista em 1800.

Embora esta afirmação continua a ser feita, é patentemente falsa.

MORGAN EDWARDS (1722-1795)

O arrebatamento pré-tribulação foi ensinado pelo líder batista proeminente Morgan Edwards. Seus Dois Universitário Exercícios sobre os assuntos portando os seguintes títulos; Millennium e última novidades, foi publicado em 1744 na Filadélfia.

Morgan Edwards foi um dos mais proeminentes líderes batistas do seu dia. Ele era o pastor da igreja Batista, na Filadélfia e fundador da Universidade de Brown, o primeiro colégio batista na América. Um resumo da vida foi destaque no Baptist Encyclopedia. Ele foi um dos primeiros historiadores batistas de renome, seus materiais em direção a uma História dos batistas (1770) fornecendo uma base para todos os trabalhos posteriores.

Segue-se o que Edwards acreditava sobre a profecia bíblica:

. "A distância entre a primeira ea segunda ressurreição será um pouco mais do que mil anos eu digo, um pouco mais, porque os santos mortos serão ressuscitados e os vivos mudado de Cristo 'aparecendo no ar" (I Ts iv.. 17); e este será cerca de três anos e meio antes do milênio, como veremos a seguir: mas será que ele e eles não ficarem no ar todo esse tempo não: eles vão subir ao paraíso, ou para alguns um desses? muitos moradas na casa do pai "(. John xiv 2), e desaparecer durante o período foresaid de tempo o projeto deste retiro e desaparecimento será para julgar os santos ressuscitados e alterados;. para 'agora já é tempo que o julgamento deve começar ", e que será" a casa de Deus "(I Pet 17 iv.)." (Edwards, dois exercícios Universitários sobre os assuntos portando os seguintes títulos; Millennium e última das novidades, 1744).

Edwards escreveu pela primeira vez a declaração anterior em um ensaio sênior, enquanto em Bristol Baptist College, em Bristol, na Inglaterra, antes de vir para a América. No início do ensaio, em um comentário dirigido ao seu professor, Edwards disse:

"E se ele veio para a minha sorte para tratar do Milênio, ou Cristo mil anos reinado na terra? Mil compadece, senhor, que você não tinha atribuído a tarefa para um desses estudantes mais velhos e mais capazes! Mas uma vez que é o seu prazer, eu farei o meu possível, e na tentativa vAI TRABALHAR POR UMA REGRA DE TER MUITAS VEZES RECOMENDADO, VIZ 'TOMAR AS ESCRITURAS em um sentido literal, exceto quando que leva à contradição ou do absurdo. ".

Esta regra de interpretação literal da profecia é exatamente a regra de que os pré-Tribulationists trabalhar hoje. É a regra que eu ensino em meus cursos sobre interpretação da Bíblia.

Edwards sem rodeios rejeitou a abordagem alegórica. Das profecias do reino milenar, disse ele, "trabalho miserável que os Antimillenarians fazer desses textos."

Edwards estava escrevendo 175 anos antes da destruição do porão do Império Otomano na terra de Israel (1917) e 200 anos antes da criação do moderno Estado de Israel (1948), mas ele sabia que essas coisas iriam acontecer. Considere a seguinte previsão fascinante que ele fez com base em uma interpretação literal da profecia bíblica:

"O império turco otomano ou serão demolidos;? Pois de outro modo os titulares de direitos não pode possui sua herança ... As doze tribos (como observado antes) retornará à sua antiga herança, então como pode os doze apóstolos ser seus juízes ... nesta capacidade unidos eles vão reconstruir Jerusalém em seu lugar, eo templo em seu lugar no monte Sião, porque neste templo será o anticristo se sente como um deus, e ser a abominação mencionado por Daniel, e referiu-se por Cristo "(Edwards, Two Exercícios acadêmicos sobre os temas portando os seguintes títulos; Milênio e última novidades, 1744).

A partir do caso de Morgan Edwards, é óbvio que havia batistas no século 18, na Inglaterra e na América, que detinha o princípio da interpretação literal da profecia bíblica em oposição ao alegórico.

Devemos lembrar que a maioria dos pregadores não deixar um registro permanente de seu ensino. A partir do dia de Paulo ao nosso, a grande maioria dos pregadores de som foram homens comuns ao invés de estudiosos.

Normalmente, eles não são escritores e não publicam livros. Na história da igreja registro, só temos uma pequena vislumbre do que estava acontecendo, e que vislumbre é baseado no ninharia que sobreviveu do pouco que já foi gravado.

"Para vede, irmãos, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados: Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu o coisas fracas do mundo para confundir as coisas que são poderosos "(1 Cor. 1: 26-27).

Efrém o Sírio (AD c. 303-373)

Vamos agora voltar para dois séculos depois dos apóstolos. Efrém é venerado como um "santo" pelas igrejas católicas e ortodoxas, mas que não iria permitir que ele para ensinar a sua doutrina da profecia hoje.

Efrém é chamado de "o sírio" porque viveu naquela região.

Ele era um escritor prolífico. Muitos de seus sermões e salmos estão incluídos nos 16 volumes de Pós-Nicéia Biblioteca. (O Concílio de Nicéia foi realizada em 325 dC, e os historiadores dividem os "pais" em Ante-Nicéia, antes de 325, e pós-Nicéia, depois de 325).

Alguns dos sermões e hinos de Efrém são usados na liturgia das igrejas ortodoxas.

Na década de 1990 alguns dos escritos de Efrém foram traduzidos para o Inglês pela primeira vez, um deles sendo no último Times, o Anticristo eo Fim do Mundo, AD 373.

A tradução foi feita pelo professor Cameron Rhoades do Seminário Teológico Tyndale no legado de Grant R. Jeffrey. Posteriormente, foi publicado em 1995 o livro de Jeffrey aviso final.

É óbvio que Efrém acreditava em um cumprimento literal da profecia, incluindo um arrebatamento dos santos do Novo Testamento antes da tribulação.

"Por todos os santos e eleitos de Deus estão reunidos, antes da tribulação que há de vir, e são levados ao Senhor para que não se veja a confusão que é a oprimir o mundo por causa de nossos pecados" (Efrém o Sírio, o Última Times).

Observe que Efrém ensinou que os santos serão levados para o Senhor que eles não vão ver a confusão que é a oprimir o mundo, o que é exatamente o que 1 Tessalonicenses 5: 3-9 diz.

Efrém ensinou um anticristo literal que vai sentar-se em um templo literal reconstruído em Jerusalém, a 3,5 anos Tribulação literal, literais duas testemunhas ou profetas que pregam em Jerusalém, uma batalha literal de Gog e Magog.

"E quando os três anos e meio foram concluídas, o tempo do Anticristo, através do qual ele terá seduzido o mundo, depois da ressurreição de dois profetas, na hora que o mundo não conhece, e no dia que o inimigo ou o filho da perdição não sabe, virá o sinal do filho do Homem, e vindo para a frente o Senhor aparecer com grande poder e majestade muito, com o sinal da palavra de salvação vai diante dele, e também até mesmo com todos os poderes dos céus com todo o coro dos santos. ... Então Cristo virá eo inimigo será lançado em confusão, e que o Senhor destruirá pelo Espírito de sua boca. e ele será ligado e deve ser mergulhado no abismo da eterna fogo vivo com o pai Satanás; e todas as pessoas, que fazem a sua vontade, perecerão com ele para sempre, mas os justos herdarão a vida eterna com o Senhor para todo o sempre "(Efrém o Sírio , no último Times, o Anticristo eo Fim do Mundo, AD 373).

Efrém acreditava na iminência do retorno de Cristo e pediu aos seus companheiros cristãos para viver uma vida religiosa na expectativa de seu retorno.

Cristãos adiantados para Agostinho

Na verdade, Efrém, o Sírio não estava sozinho na interpretação da profecia bíblica, literalmente, no seu dia.

Ele estava vivendo uma geração da época de Agostinho (354-430), quando houve uma mudança dramática. Quando Efrém morreu em 373, Agostinho tinha 19 anos.

Foi na época de Agostinho que allegoricalism amplamente substituiu o anterior método de interpretação. Antes disso, era comum entre os crentes da Bíblia para interpretar a profecia literalmente. Eles acreditavam que Cristo voltaria literalmente (e em breve), amarrar Satanás, e estabelecer um reino milenar literal na terra.

Isto é admitido pelos historiadores da igreja.

William Newell diz: "A Igreja primitiva por 300 anos olhou para o iminente retorno de nosso Senhor a reinar, e eles estavam certos" (Newell, Apocalipse).

Phillip Schaaf disse: "... o ponto mais marcante na escatologia da era pré-Nicéia [antes de 325 dC] é o chiliasm proeminente, ou milenarismo, que é a crença de um reino visível de Cristo em glória na terra com os santos ressuscitados por mil anos, antes da ressurreição geral e do juízo "(História da Igreja Cristã, 8 vols, Wm B. Eerdmans Publishing Co., 1960, 2:. 614).

Henry Thiessen diz: "É claro ... que os Padres realizada não só a visão pré-milenar da vinda de Cristo, mas também considerado que a vinda como iminente. O Senhor tinha-lhes ensinado a esperar Seu retorno a qualquer momento, e por isso eles olhou para Ele vir em seu dia. não só isso, mas eles também ensinou Seu retorno pessoal como sendo de imediato, com a exceção dos Padres Alexandrino, que também rejeitou outras doutrinas fundamentais "(Thiessen, Conferências Introdutórias em Teologia Sistemática, p. 477).

De fato, Agostinho, "o pai do amilenismo," uma vez que acreditava em si mesmo um milênio literal. Ele disse: "Eu mesmo, também, uma vez realizada esta opinião. ... Eles que acreditam eles são chamados pelos espirituais, Chiliasts, que podemos literalmente reproduzem pelo nome milenaristas" (Agostinho, Cidade de Deus, livro 20, capítulo 7).

A seguinte declaração de Irineu é um exemplo do que comumente se acreditava entre os primeiros "pais da Igreja", como eles olharam para a frente para o retorno de Cristo eo estabelecimento de Seu reino:

"A bênção previsto, portanto, pertence sem dúvida aos tempos do reino, quando o justo terá domínio sobre a sua ressurreição dos mortos, quando também a criação, tendo sido renovado e posto em liberdade, deve frutificar com abundância de todos os tipos de alimentos, a partir do orvalho do céu, e da fertilidade da terra. ... da mesma maneira [o Senhor declarou] que ... todos os animais que alimentam [somente] nas produções da terra, deve [naqueles dias] tornar-se pacífica e harmoniosa entre si, e estar em perfeita submissão ao homem "(Irineu, Contra as Heresias, Os Padres Ante-Nicéia).

A igreja de Antioquia longo interpretada literalmente a profecia bíblica. Antioquia era uma igreja importante fundada por Barnabé e Paulo, e é a partir dessa igreja que os primeiros missionários estrangeiros foram ordenados e enviados (Atos 11: 19-26; 13: 1-4). Foi em Antioquia que os crentes foram chamados cristãos pela primeira vez.

Alguns dos pregadores associados Antioquia foram Lucian (morto em 312), Theodore (AD 350-428), Crisóstomo (354-407 AD), Teodoreto (AD 386-458), e Diodoro de Tarso. Estes homens interpretado literalmente a profecia bíblica e acredita em um milênio literal.



Em sua História da Interpretação, FW Farrar observou: "Diodoro de Tarso 'livros foram dedicados a uma exposição das Escrituras em seu sentido literal, e ele escreveu um tratado, agora infelizmente perdeu", sobre a diferença entre alegoria e discernimento espiritual "(Farrar, pp. 213-15).

"Dois maiores exegetas da escola da Antioquia, Teodoro de Mopsuéstia (AD 350-428) e João Crisóstomo (354-407 dC), eram" anti-alegórico "(Mateus Allen," Teologia Adrift: Os Padres da Igreja e seus pontos de vista escatologia ", bible.org).

Alguns dos primeiros cristãos depois dos apóstolos até ensinou uma forma de dispensacionalismo. Exemplos podem ser encontrados nos escritos existentes de Justino Mártir, Irineu, Tertuliano, e Metódio. Justino Mártir (100-165) acreditava em quatro fases da história no plano de Deus: De Adão a Abraão, de Abraão a Moisés, de Moisés a Cristo, e de Cristo para o estado eterno. Irineu (120-202) ensinou algo semelhante, dividindo as dispensas para a criação até o dilúvio, o dilúvio com a lei, a lei do evangelho, o evangelho ao estado eterno.

Larry Crutchfield observou que alguns dos primeiros líderes da igreja "chegou muito perto de fazer quase as mesmas divisões dispensacionalistas modernos fazer" ("Elementos de Dispensationalism no Período Ante-Niceno," Bibliotheca Sacra, outubro de 1987). Crutchfield é professor de História e Cultura Cristã, Seminário Evangélico Columbia.

Crutchfield conclui: "Nós não dizemos que os primeiros pais foram pretribulationists no sentido moderno, só que as sementes eram de fato lá, mas foram esmagadas sob os pés do alegorista antes que pudessem germinar e dar frutos mais cedo. ... Muitos princípios e conceitos bíblicos realizada pelos pais milenares estavam em estado embrionário. e enquanto elementos de seus ensinamentos não têm a sofisticação e apresentação sistemática do estudioso moderno pode gostar, deve-se lembrar que esses "doutores" da igreja primitiva viveu na fronteira da formulação teológica cristã . "

A interpretação alegórica foi inventada por falsos mestres após a era apostólica como a apostasia foi crescendo e se espalhando em direção à formação da Igreja Católica Romana.

A escola foi fundada em Alexandria, Egito, que se tornou a sede para o método alegórico de interpretação. O Egito era um lugar onde o falso ensino proliferaram nos primeiros séculos depois de Cristo. Clemente, que dirigiu a escola de AD 190-202, corrompeu a fé cristã, misturando-o com a filosofia mundana e allegoricalism de Philo. Ele ensinou muitas doutrinas falsas, incluindo o purgatório, e acredita que a maioria dos homens acabariam por ser salvos mesmo que Jesus disse apenas alguns seria (Mat. 7:14). "Clemente viu o significado literal das Escrituras como sendo um" ponto de partida "para a interpretação. Apesar de ter sido" adequado para a massa dos cristãos, "Deus revelou-se ao avançado espiritualmente através do" significado profundo "das Escrituras. Em cada passagem, um significado mais profundo ou adicional existiu para além do sentido primário ou imediato "(Mateus Allen," Teologia Adrift: os Padres da Igreja e suas visões de escatologia ", bible.org).

Orígenes (185-254 dC) foi um dos chefes dos pais de allegoricalism. Ele liderou a escola em Alexandria a partir de AD 202 a 232. Embora ele sofreu perseguição e tortura pela causa de Cristo sob o imperador Décio em 250, Orígenes foi carregado para baixo com as heresias. Como Clement, ele misturou a verdade da Bíblia com a filosofia pagã. Ele ensinou que o celibato era um santo estado acima do casamento, ao contrário do ensinamento dos apóstolos. Ele ensinou a regeneração batismal, purgatório e da pré-existência da alma humana. Ele ensinou que todos os homens, até mesmo Satanás e seus demônios, acabaria por ser salvo. Ele ensinou que o Espírito Santo foi a primeira criatura feita por Deus, e negou a plena divindade de Jesus. Ele não acreditava que as Escrituras são totalmente inspirados por Deus.

Orígenes afirmou que "as Escrituras têm pouca utilidade para aqueles que os entendem literalmente." Ele descreveu o significado literal das Escrituras como "pão" e incentivou o aluno a ir além disso para o "vinho" de allegoricalism, em que um pode tornar-se embriagado e transportados para lugares celestiais. Comentários de Orígenes continha uma riqueza de interpretações fantasiosas, cheio de "revisals heréticas da Escritura" (Frederick Nolan, inquérito sobre a Integridade da Vulgata grega, p. 367).

Outro pai de allegoricalism foi Agostinho (354-430 dC), um dos pais da Igreja Católica Romana. Ele foi exaltado como um dos "doutores" de Roma. Agostinho inventou o terrível e anti-bíblica doutrina da inquisição que foi usado pela Igreja Católica contra crentes na Bíblia há mais de 1.000 anos. O historiador alemão Neander observou que os ensinamentos de Agostinho "contém o germe de todo o sistema de despotismo espiritual, intolerância e perseguição, até mesmo para o tribunal da Inquisição." Agostinho instigou ferozes perseguições contra os fiéis à Bíblia, donatistas amantes da paz que estavam se esforçando para manter as igrejas bíblicas puros. Ele ensinou que "os sacramentos", como o batismo, foram os meios de salvação. Ele ensinou que Maria não cometeu pecado. Ele ensinou a heresia do purgatório. Ele foi um dos pais do batismo infantil, alegando que as crianças não batizadas estão perdidas e chamando todos os que rejeitaram o batismo infantil "infiéis" e "malditos". Ele exaltou a autoridade de "a igreja" sobre o da Escritura.

"Através de Agostinho, hermenêutica alegórica de Orígenes se tornou a espinha dorsal da interpretação medieval da Bíblia" (Mateus Allen, "Teologia Adrift: Os Padres da Igreja e as suas opiniões de Escatologia", bible.org).

Essas heresias cresceu e se tornou uma parte fundamental da Igreja Católica Romana e Ortodoxa.

Quando as denominações protestantes (por exemplo, Anglicana, Presbiteriana, Luterana, Metodista) rompeu com Roma, um dos erros que eles trouxeram com eles foi a interpretação alegórica da profecia.

APÓSTOLOS

Quando se trata de sã doutrina, a linha de fundo não é o que alguém tem ou não tem ensinado na história da igreja. "É o que diz o Senhor?" Período. A Bíblia é a única autoridade de fé e prática. Não é uma autoridade entre muitos, e não é a autoridade única como foi confirmado por "pais da Igreja" e "teólogos".

A linha inferior é que os apóstolos e os primeiros cristãos interpretado profecia literalmente.

Eles acreditavam em um retorno iminente de Cristo.

"Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como vos convertestes dos ídolos para Deus para servir ao Deus vivo e verdadeiro, e esperar por seu Filho do céu, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, mesmo Jesus, que nos livra da ira vindoura "(1 Ts 1: 9-10.).

Eles acreditavam em um arrebatamento dos santos do Novo Testamento.

"Mas eu não teria que sejais ignorantes, irmãos, acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que dormem, Jesus, Deus os tornará a trazer com ele. por isso, digo a vocês, pela palavra do Senhor, que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com um grito, com a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor no ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor Portanto consolai-vos uns aos outros com estas palavras "(1 Ts. 4: 13-18)..

Eles acreditavam que os santos do Novo Testamento seriam salvos da Tribulação por vir.

"Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançarmos a salvação por nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Ts 5: 9).

Eles acreditavam em um Anticristo literal.

"Que ninguém vos engane, por qualquer meio: para esse dia não virá, sem que antes venha a apostasia, e que o homem do pecado será revelado, o filho da perdição; Quem se opõe e se exalta acima de tudo que se chama Deus, ou é objeto de adoração, de modo que ele, como Deus se assenta no santuário de Deus, ostentando-se que ele é Deus "(2 Ts 2: 3-4.).

Eles acreditavam em um retorno literal de Cristo e um cumprimento literal da profecia do Antigo Testamento.

"Arrependei-vos, pois, e convertei-que seus pecados sejam apagados, quando os tempos do refrigério deve vir da presença do Senhor, E envie ele a Jesus Cristo, que antes vos foi pregado: A quem o céu deve receber até os tempos da restauração de todas as coisas, das quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio do mundo "(Atos 3: 19-21).

Eles acreditavam em um cumprimento literal de alianças de Israel após a era da igreja.

"Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério, para que não vos deve ser sábio em seus próprios olhos; que a cegueira em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado e assim todo o Israel. será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades: Porque esta é a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados "(Romanos 11: 25-27) .

CONCLUSÃO

Irmãos, não deixe ninguém roubá-lo de uma interpretação literal da profecia.

Uma grande parte da Bíblia consiste de profecia, e muito do que ainda não foi cumprida. A parte que foi cumprida foi cumprida literalmente. Pensamos das grandes profecias messiânicas de primeira vinda de Cristo no Salmo 22 e Isaías 53. As profecias são de tirar o fôlego em detalhe, e cada detalhe foi cumprido ", literalmente."

Além disso, se não interpretar a profecia de acordo com o método "normal literal", não há nenhuma maneira de determinar ao certo o que isso significa.

Uma interpretação literal da profecia resulta na doutrina que a igreja não é Israel, e que alianças de Israel ainda será cumprida após a era da igreja.

"Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério, para que não vos deve ser sábio em seus próprios olhos; que a cegueira em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado e assim todo o Israel. será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades: Porque esta é a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados "(Romanos 11: 25-27) .

A 70ª Semana de Daniel 9: 24-27 diz respeito a Israel, não para a igreja. Cada evento das 70 semanas pertence a "tua pessoas [de Daniel], e da cidade santa" (versículo 24). Diante de Deus vira a sua atenção, por assim dizer, para cumprir convênios antigos de Israel, incluindo a aliança davídica de 2 Samuel 7, a Igreja será arrebatada e não vai ver a vinda do anticristo e os outros sinais que precedem imediatamente o retorno glorioso de Cristo.

A doutrina do arrebatamento pré-tribulação não é um menor. Jesus, Paulo, Tiago e Pedro ensinou que a volta de Cristo é iminente e é de se esperar em qualquer momento (Mat 24:44; Fp 4:... 5; Jam. 5: 8-9; 1 Pedro 4: 7). Os primeiros cristãos viviam nessa expectativa (1 Ts 1: 9-10.).

A doutrina de um Arrebatamento pré-tribulacional é um grande motivador para a purificação da vida cristã.

1. Incentiva o crente em provas e perseguições. "Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor Portanto consolai-vos uns aos outros com estas palavras." (1 Tessalonicenses 4: 17-18).

2. Ele mantém o foco da igreja na Grande Comissão (Mat. 28: 18-20; Mc 16,15; Lc. 24: 44-48; Atos 1: 8). D.L. Moody tinha razão quando disse: ". Eu olho para este mundo como um navio naufragado que Deus me deu um bote salva-vidas e disse-me: 'Moody, salve tudo o que puder."

3. Ela motiva os crentes a ser ocupado na obra do Senhor (1 Cor. 15:58).

4. Ela motiva os crentes a viver uma vida obediente (1 Jo 3: 1-3; 1 Ts. 5: 4-7.).

5. Ela motiva os crentes a separam do mal (Tit. 2: 13-14).

6. Mantém crentes sobre as perspectivas para a heresia e apostasia (2 Timóteo 4: 3-4; 1 João 2: 24-28).

 






Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ EscatologiaEDispensacoes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )