MCC (Música Cristã Contemporânea) 03:

MCC: Uma Jóia de Ouro em Focinho de Porco Torna um Porco Bonito?

 

Pastor Joey Faust

 

Provérbio 11:22 Como uma jóia de ouro em focinho de porco, assim é a mulher formosa que não tem discrição.

Deuteronômio 7:25 As imagens de escultura de seus deuses queimarás; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que te não enlaces neles; pois são abominação ao Senhor teu Deus.
26 Não meterás, pois, cousa abominável em tua casa, para que não sejas amaldiçoado, semelhante a ela; de todo, a detestarás e, de todo, a abominarás, pois é amaldiçoada.


A batida encontrada em muitas músicas da MCC (seja música de rock, country, swing ou soul) é a batida popular do rock (quando o tambor do baixo é batido primeiro na bateria e então a haste é batida, criando-se um som suave-PESADO, suave-PESADO):

“A grande mudança rítmica que ocorreu na música foi a eliminação da estrutura rítmica de OOOM - pah - OOOM - pah (1-2-3-4). OOOM - pah tem uma forte acentuação no ‘OOOM’... Os músicos do ragtime usavam o que é chamado de ritmos reaggae”. (“A origem da Música de Big-Band e do Jazz” – Bob Thomas, 1994). (http://www.redhotjazz.com/bigband.html)

Essa batida nasceu (nos tempos modernos no Ocidente) nos PROSTÍBULOS do século 19. Os músicos que criaram essa batida (pianistas, no térreo dos bordéis) nos dizem que eles primeiro começaram a usá-lo com o propósito de ter os homens prontos para as prostitutas. A música (a batida) se disseminou com o propósito de fornicação. Não foi criada para adoração. Nem mesmo foi criada para entretenimento. Foi criada para negócio. Torpe negócio!

Logo depois, a MÚSICA DE BORDEL estava pronta a traçar seu caminho na corrente da vida americana. Não trouxe nada além de rebelião e destruição (como provado no século 20). No início dos anos 20, pregadores fundamentalistas (como I.N.Haldeman) e mulheres conservadoras, estavam espalhando um alerta de que  uma revolução sexual (levando a abominações inimagináveis) estava em pauta, devida em parte à música de jazz. Por exemplo: Anne Shaw Faulkner (Presidente Nacional de Música, da Federação Geral dos Clubes Femininos), em 1021, alertou quanto à nova música de jazz. Se seu alerta teve algum mérito naqueles dias, quanto mais se aplica hoje, quando a música esticou os limites [morais] de várias gerações? O tempo não santifica uma raiz sem santidade. No entanto, freqüentemente EXPÕE A CORRUPÇÃO ESCONDIDA. O tempo provou que muitas das observações de Faulkner estavam mais corretas que muitos historiadores evitariam admitir:


“...nas pesquisas feitas por muitas organizações a respeito dessas condições[imorais], a culpa recai sobre a música de jazz e sua má influência sobre o público jovem de hoje. Nunca antes danças tão ultrajantes foram permitidas em salões de baile privados ou públicos e nunca foi usado como acompanhamento musical da dança uma combinação de tom e ritmo como os produzidos pelas orquestras de dança de hoje. Certamente, se essa música é responsável pela condição e pelos atos imorais que podem ser rastreados para a influência dessas danças, então é tempo de se levantar a questão: ‘A música pode ser de influência para o mal?’...Hoje, no entanto, a primeira grande rebelião contra a música de jazz e tais danças como o cambaleio e o tremor, vem dos próprios mestres da dança. Percebendo a má influência desse tipo de música e de dança, a Associação Nacional dos Mestres de Dança, em sua última reunião, adotou esta regra: Não permitir que se toque música de jazz vulgar e barata. Tais músicas quase forçam os dançarinos a usar meios passos sacudidos e convida a variações imorais...! ... O jazz originalmente foi o acompanhamento do dançarino de vudu, estimulando o bárbaro meio louco a ações vis. O canto estranho, acompanhado por ritmo sincopado dos chamadores de vudu também foi empregado por outro povo bárbaro para estimular a brutalidade e a sensualidade. Já foi demonstrado por muitos cientistas que isso tem um efeito desmoralizante sobre o cérebro humano. Há sempre um período revolucionário de quebra de velhas convenções e costumes que se segue a uma grande guerra; e essa rebelião contra condições existentes deve ser observada em toda a vida de hoje. De qualquer forma, o desejo de quebrar os pilares de velhas idéias e formas está ampliado. Assim não é de se imaginar que os jovens se tornaram tão imbuídos COM ESSE ESPÍRITO que o expressariam em cada fase de suas vidas diárias. A questão é se essa tendência seria demonstrada no jazz – essa expressão de protesto contra a lei e a ordem, esse elemento bolchevista de licenciosidade buscando expressão na música. O organismo humano responde às vibrações musicais. Este fato é universalmente reconhecido. Que instintos então são provocados pelo jazz? Certamente não são ações valorosas ou coragem marcial, pois todas as marchas e hinos patrióticos têm ritmos regulares e harmonias simples. Decididamente não são contentamento ou serenidade, pois as canções domésticas e sobre o amor ao local de nascimento têm melodias simples e harmonia com ritmo notadamente regular. O jazz desorganiza toda a lei e ordem. Estimula ações extremas, a uma quebra de todas as regras e convenções. É danoso e perigoso e sua influência é totalmente ruim. Vários homens de ciência que têm trabalhado em experimentos de musicoterapia com insanos declaram que enquanto os ritmos regulares e tons simples produzem um efeito calmante no cérebro de um paciente violento, o efeito do jazz no cérebro normal produz uma condição atrofiante das células cerebrais de raciocínio e até mesmo os muito freqüentemente submetidos à influência desmoralizante do uso persistente da síncope, combinada com tons parciais desarmônicos são realmente incapazes de distinguir entre bem e mal, certo e errado.” (Anne Shaw Faulkner: O Jazz põe o Pecado na Síncope”- Senhoras – Jornal do Lar – agosto de 1921).

 


Por que a nova música de jazz foi associada com tanto pecado? Porque começa no pecado! O JAZZ (e sua filha, o rock) É O ESPÍRITO DO PECADO PINTADO NA MÚSICA. Você pode colocar uma jóia no focinho do porco, mas não pode fazer com que o enlameado suíno pareça mais bonito (Provérbios 11:22) Você pode construir um caro salão de dança ou danceteria numa cidade suja. Mas isso não esconderá o pecado que está corrompendo a cidade. Da mesma forma, você pode usar a música de fundo que foi criada para a fornicação e prostíbulos e colocar letras de louvor e adoração no meio da música de fundo, que a melodia não ficará mais limpa que um feio, fedorento e sujo porco com uma jóia no focinho!

Os músicos de raggae e de jazz começaram nos prostíbulos e clubes do “bairro da luz vermelha”. Essa música (ou sua batida) evoluiu para o rock’n roll em suas várias formas. Por exemplo, Leadbelly (1888-1949) desenvolveu o mesmo estilo rítmico de guitarra usado pelos pianistas de bordel no desleixo de Shreveport, bairro de luz-vermelha, onde trabalhava quando jovem.

O ragtime (batida de rag ou de rock) se tornou uma nova música para uma nova era. Foi considerado como boa música que perdeu a sobriedade e reverência da música “aceitável” daquele tempo:

“Por que você gosta de ragtime? A coisa mais importante que eu acho sobre o ragtime.... é que...não era o tipo de música aceitável... que alguém normalmente gostaria de ouvir, mas música de ‘bom tempo” que você ouviria nos bares e prostíbulos e danceterias dos bairros de luz vermelha ao ouvir alguém como, por exemplo Jelly Roll Morton....” (http://www.ragtimes.org/~ragtimers/faq/whyrag.html)

Jelly Roll Morton (1890-1941) foi um dos primeiros compositores e pianistas de jazz. Quando adolescente trabalhou nos prostíbulos de Storyville. Trabalhou como moleque de recado, jogador e pianista! A batida do seu prostíbulo é a mesma batida que muitas das modernas músicas cristãs (ou qualquer estilo) agora usa como melodia para letras cristãs.

Do mesmo modo, Scott Joplin (1868-1917) é conhecido por trazer o ragtime para fora das origens dos bairros de luz vermelha para a corrente geral.

Thomas A Dorsey é considerado o pai da música gospel negra. Em “O Surgimento dos Blues Gospel”, o autor Michael W.Harris cita Dorsey e outros, confessando abertamente reunir cantoras de blues cantando em bares sábado à noite e produzindo sons sedutores (para letras sensuais) e então simplesmente acrescentando a palavra “Jesus” a esses mesmos sons nos domingos pela manhã! Dorsey foi muito criticado pelos cristãos negros em seus dias por trazer a velha música dos prostíbulos e bares para dentro das igrejas e impedir a maturidade espiritual e renovação dos cristãos negros. A questão da batida e balanço da música foi freqüentemente obscurecida num debate entre os modos sulistas e nortistas. Hoje, muitos tentam mudar a questão num debate entre a música negra e branca, ao invés de sons de prostíbulos e de adoração santa. Houve centenas de “negro spirituals” que nada tinham a ver com o ragtime e sons de jazz de bordéis e bares.

O fato da batida do rock ter começado como música para promover fornicação é de conhecimento comum. A batida era feita devagar ou rápida, mas produzia o mesmo efeito pecaminoso. A batida lenta, sensual, sincopada do blues começou (segundo os próprios velhos musicistas), não por causa da escravidão, mas porque precisavam de música para estimulação sexual que não fosse tão ALTA e reveladora, que pudesse atrair a LEI para os bordéis.

É absurdo negar que essa batida sincopada tenha tido seu nascimento nos bordéis. Observe a confissão de um escritor no Chicago Tribune:

 

“Alguns acadêmicos musicais astutos ainda desprezam ragtime como música de bordel. FOI, mas não é desprezível”. (Chicago Tribune, 06 de Julho de 1975, revisado por John Brooks).

 



A rebelde resposta seguinte é típica dos que procuram justificar seus sons de bar:


 

“Bill Gothard, um popular professor fundamentalista, realmente pregou que a batida sincopada 4/4 de rock ‘n roll colidia com o ritmo natural do coração humano e portanto deixaria doentes seus ouvintes... (Ele ensina que) o ritmo deve ser em tempo de 4/4, com a primeira e terceira batidas levemente enfatizadas. Já que sua prescrição raramente existiu mesmo entre música contemporânea adulta, ele teve o prazer de oferecer à venda suas próprias gravações.” (John J.Thompsom, a História do Rock ‘n Roll Cristão”).

 


Observe a justificativa implícita de motivos (i.e Gothard apenas está tentando fazer dinheiro) e a recusa de lidar com a questão principal. A questão não é se a batida torna ou não as pessoas doentes (embora as pessoas sejam certamente rítmicas, na batida do coração, respiração, marcha e fala). A questão é se uma certa batida TENTA ou não as pessoas a se moverem de maneira sensual. É pedra de tropeço para cristãos jovens (ou velhos)? Nesses dias de vestuário imodesto (para se ajustar ao espírito selvagem, sem lei da música) será sábio tocar sons que tentem cristãos a moverem a pélvis como Elvis?

Fechando, a questão real não é tempo, volume, harmonia ou instrumentação, tanto quanto a batida e o sentimento da música. Certamente,é triste ver que com sons e letras excitantes, os produtores estão levando os homens e mulheres cristãos à imitação (e o vestuário e visual imodesto sempre se ajustam ao som vocal excitante). As letras de conteúdo banal de muitas canções de hoje (onde o ouvinte não sabe se a canção é sobre Jesus Cristo ou um ursinho) também é alarmante. Porém, não podemos perder de vista as principais questões sobre a música. De onde ela veio? Qual tem sido seu fruto? Ela tenta o corpo a se mover de maneira sensual ou de maneira santa e reverente? Independentemente das letras, que atitude ou espírito está caracterizado pela música?




Traduzido por Jeanne Rangel, 2005




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ LiturgiaMusicaLouvorCulto/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )