Em Defesa de Erasmo






Introdução

        Uma das, criticas mais ruidosas e insistentes à Versão Autorizada de 1611 (VA) popularmente conhecia como Bíblia King James, é que o seu Texto Grego, conhecido como Texto Recebido (TR) é inferior aos “modernos” textos gregos. O ataque ao TR está centralizado sobre um erudito da Reforma holandesa responsável pela sua publicação - Desidério Erasmo. Erasmo publicou o primeiro Texto Grego do Novo Testamento em 1516 (primeira edição, seguida de outras quatro), a qual se tornou o fundamento do nosso moderno TR, que se encontra no Novo Testamento da VA. [N.T.: Este texto grego, usado na VA 1611 mas não impresso, foi publicado por Scrivener em 1884.]

        A pretensão dos inimigos da Palavra de Deus é que se alguém, de algum modo conseguir desacreditar Erasmo em seu Texto Grego, então poderá desacreditar a VA. Então, esses homens direcionaram suas armas de fogo contra Erasmo, atacando-o pessoalmente e atacando o seu Texto Grego. Em seguida, eles se acomodaram em complacente satisfação, imaginando ter conseguido atingir o seu objetivo.

        Mas, será que o conseguiram? De modo nenhum! Suas críticas foram cuidadosamente examinadas e achadas em falta. Cada um dos seus ataques contra Erasmo pode ser facilmente contestado. Temos abaixo um ensaio que eu escrevi, a fim de responder a essas críticas que me foram enviadas por um oponente da VA, chamado Rick Norris. Ele me escreveu indagando como eu podia apoiar Erasmo e o seu Texto Grego, tendo em vista que ele era um humanista, um católico romano e que o seu texto foi preparado apressadamente e está repleto de erros? Respondi-lhe com os fatos de que Erasmo não era um “bom católico”, mas um reformador de coração, que um humanista da Reforma em nada era parecido com um humanista moderno e que o seu Texto Grego foi o produto de uma cuidadosa erudição, tendo sido editado durante um período superior a 20 anos.

        Fiquei cansado da contínua fluência de propaganda feita por esses homens contra Erasmo e o seu Texto Grego, de modo que decidi fazer minha própria pesquisa, a fim de responder minhas indagações sobre este assunto.

        Para ajudá-lo a contestar esses homens, cuja “elevada vocação” é tentar desacreditar a Bíblia inglesa, oferecemos as respostas abaixo aos ataques mais comuns dirigidos contra Erasmo. Esses ataques são:

      1. - Erasmo era um católico romano.
      2. - O Texto Grego de Erasmo foi “preparado apressadamente” e está repleto de erros.
      3. - Erasmo não teve acesso às leituras dos manuscritos modernos.
      4. - Erasmo era um humanista. (1)

São estas as acusações padrão, cuja refutação vem abaixo. Se alguém tiver alguém informação adicional ou descobrir algum erro, por favor, me avise.

Meu endereço é:

Dr. John Cereghin
C/o Maryland Baptist Bible College
P.O. Box 66, Elkton, MD 21922.



Nota de Rodapé



Este material que estou apresentando não é, de modo algum, novo. Ele está fácil e rapidamente disponível. Contudo, os críticos do TR/VA preferem ignorá-lo e ficam papagueando antigos e reciclados argumentos, que vão conseguindo uns dos outros, em vez de confiar em novas pesquisas. Os exemplos são abundantes, desde os escritos de John R. Rice até o livrinho de  Robert Sumner - Bible Translations - e outros. Um exemplo muito recente é citado por David Cloud, no O Timothy, volume 12, edição 6, pp. 19-20. Cloud revê o artigo publicado pela Bob Jones University (BJU) em seu Biblical View Point (Nov. 1994), por S. E. Schnaiter, no qual ele simplesmente repete argumentos conseguidos de alguém mais. Schnaiter  afirma que o Deão Burgon não foi muito erudito em sua defesa da VA, que as diferenças entre a maioria dos textos são mínimas, sem importância alguma, e que Erasmo editou o seu Texto Grego com “muita pressa”, a partir dos manuscritos que ele “porventura teve em mão”. Ora, estou admitindo que Schnaiter não é um tolo, e que ele poderia ter consultado os mesmo livros da vasta biblioteca da BJU que eu consultei. Mas, em vez disso, este material é descartado e suprimido pelos inimigos da VA. Posso até ir ao ponto de falar em “conspiração” e “escamoteação”. Por que tais homens ignoram e se recusam a mostrar este material? Se eu posso encontrá-lo, por que eles também não podem?

Questão 1 - Por que usar o TR, quando ele foi traduzido por um católico romano, Erasmo?
Erasmo não foi um católico romano?
Isto não significa que o TR e sua resultante, a VA, são traduções católicas romanas?


       
A inferência é que o TR e, portanto, suas subsequentes traduções são católicas romanas. Contudo, a verdade é que Erasmo pode ter sido um católico professo, mas não um católico praticante. Erasmo era católico? Sim, mas todo mundo era católico, naquele tempo, exceto os batistas valdenses (Ver a questão 16). Erasmo era, sem dúvida alguma, um reformador de coração. Erasmo criticava constantemente os erros doutrinários e as práticas de Roma, e a Bíblia por ela usada, a Vulgata Latina, a qual ele rejeitou. Será que Lutero teria usado um texto católico romano para traduzir a Bíblia protestante? Erasmo faleceu entre amigos protestantes, fora da Igreja de Roma. (1)

       
Se Erasmo fosse tão “católico”, então, quem seriam os inimigos da ICAR? E porque os manuscritos de Erasmo nunca foram adotados por Roma? Por que Lutero iria referir-se à segunda edição de Erasmo como “minha esposa”, se Erasmo fosse tão católico? (2) O Novo Testamento Grego de Erasmo foi colocado por Roma no Índice dos Livros Proibidos, decretado no Concílio de Trento, o que significa que a sua leitura era proibida aos católicos, sob pena de pecado mortal. (3)

        Um escritor católico, Hugh Pope, com “Imprimatur” católico romano, e um “Nihil Obstat”, afirma que Erasmo foi um herege, conforme Roma. Erasmo zombava das imagens, das peregrinações e das observâncias da Sexta-Feira Santa. O papa sugeriu que Erasmo tinha sérias dúvidas sobre cada artigo da fé católica: missa, confissão, primado apostólico da Sé, celibato clerical, jejum, transubstanciação e abstinência (4). Ele também ridicularizava a invocação aos santos, a reverência às relíquias e as orações feitas a Maria. Dificilmente havia qualquer superstição ou abuso da ICAR que Erasmo não tivesse denunciado (5). Certamente, é óbvio que Roma não queria nenhuma identificação com Erasmo, o qual era também um oponente verbal da teologia eclesiástica romana e da ignorância dos frades (6). Desse modo, o crítico da VA, Doug Kutilek, está errado, quando afirma que “Erasmo não desaprovava a doutrina católica romana” (7). Portanto, falar do “católico romano Erasmo”, e tentar pintá-lo como um romanista leal, é falar contra os fatos e difamar o nome de Erasmo.

        Hugh Pope prossegue, falando sobre Erasmo e Roma: “Ele parecia sentir prazer em sugerir dúvidas sobre quase cada artigo do ensino católico. Portanto, ele pode ser considerado como o homem que pavimentou o caminho da Reforma”. (8)

        O papa se ofereceu para tornar Erasmo um Cardeal, porém ele recusou (do mesmo modo como o fez o mártir Savanarola), afirmando que não queria comprometer a sua consciência (9). Erasmo comprometeu-se a colocar a Bíblia nas mãos do homem comum e com a tradução da Bíblia para o mundo inteiro, uma coisa que papa algum jamais tolerou (10). David Cloud sustenta: “É um fato histórico que Erasmo foi áspero e público em sua condenação às heresias católicas ... Roma o rotulou como um “ímpio herege” e o papa proibiu os católicos de lerem suas obras”. (11). Os “católicos fanáticos”, conforme Philip Schaff, “criticavam-no abertamente [apelidando-o, pejorativamente,] como “Errasmus”, porque ele arrasou com as verdades e tradições antigas; “Erasinus”, porque ele fez de si mesmo um “asno”, com os seus escritos. Até o chamavam de “Behemote” e ”Anticristo”. A Sorbone condenou três artigos retirados dos seus escritos, em 1527. Seus livros foram queimados na Espanha, muito depois de sua morte. (12)

       
O católico romano Diego Lopes Zuniga escreveu um ensaio de 54 pp. contra Erasmo, intitulado: “Erasmi Roterodami Blasphemiae et Impietatis”  (As Blasfêmias e Impiedades de Erasmo de Roterdã), em 1522. Como, então, é possível afirmar que Erasmo era um católico romano? Ninguém em Roma o considerava de modo tão elevado!

        Esta citação da obra “The Life and Letters of Erasmus”  (A Vida e as Cartas de Erasmo) editada por J. A. Froude, também mostra a animosidade entre Erasmo e Roma:

        “Erasmo havia decidido entregar o livro para que o mundo inteiro o lesse sozinho -- O original grego das Epístolas e dos Evangelhos, com uma nova tradução latina -- para despertar a inteligência, para mostrar que as palavras tinham um sentido real... Foi concluído, finalmente, o texto e a tradução impressos; e os fatos vivos do Cristianismo, as pessoas de Cristo e dos apóstolos, sua história, suas vidas e seus ensinos foram revelados a um mundo espantado. Pela primeira vez, o laicato pôde ver, claramente, o Cristianismo que converteu o mundo e [compará-lo com] o Cristianismo da ICAR, com o Papa Bórgia, os cardeais e os príncipes, cortes eclesiásticas e a grande mitologia da mentira. O fato iria ser um terremoto espiritual. Erasmo abre com uma queixa contra a negligência à Escritura (em seu prefácio e notas de cada evangelho), contra um sacerdócio que pensava mais nos pratos do ofertório do que nos pergaminhos, e mais no ouro do que nos livros; e contra a degradação da vida espiritual e das vãs observâncias e práticas escandalosas das ordens especialmente as chamadas religiosas... Seus comentários de Mateus 23:27 (sobre os sepulcros caiados): ‘
O que diria Jerônimo, se pudesse ver o leite da Virgem sendo exibido por dinheiro... O óleo milagroso, as porções da cruz, coletadas numa quantidade maior do que dariam para encher um navio cargueiro? Temos aqui o capuz de São Francisco, ali o chalé de Nossa Senhora, ou o pente de Santa Ana, ou os sapatos de S.Tomás de Canterbury... Tudo isso para satisfazer a ganância dos sacerdotes e a hipocrisia dos monges, aproveitando-se da credulidade do povo. Até mesmo os bispos tomavam parte nesses shows fantásticos, aproveitando-se para deitar sobre eles em suas respostas escritas a indagações formais.’ (13)

       
“Seus comentários sobre Mateus 24:23 (sobre o falso Cristo): “Vi com meus próprios olhos o papa Júlio II em Bolonha e depois em Roma, marchando à frente de uma procissão triunfal, como se fosse Pompeu ou César. S. Pedro subjugou o mundo apenas com a fé, não com exércitos de soldados ou máquinas militares...’

“Seus comentários sobre a 1 Coríntios 14:19 (a respeito das línguas estranhas): ‘
Eles cantam, hoje em dia, em nossas igrejas, naquelas chamadas línguas estranhas e nada mais; enquanto isso, já não se escuta um sermão sequer em seis meses, dizendo às pessoas que elas precisam emendar suas vidas...

“Seus comentários de 1 Timóteo 3:2 (sobre marido e esposa): ‘
Outras qualificações mostradas por Paulo, são deixadas à parte para o ofício de bispo, uma longa lista das mesmas. Mas, nenhuma delas, atualmente, é considerada essencial, exceto a da abstinência do casamento. O homicídio, o parricídio, o incesto, a pirataria, a sodomia e o sacrilégio, tudo isto pode ser esquecido, mas o casamento é fatal! Existe agora um grande número de sacerdotes, enormes hordas destes, seculares e regulares, e é notório que pouquíssimos deles são castos. A grande proporção vive na luxúria e no incesto, e em aberta dissolução.’

        “Tais são os extratos das reflexões sobre a doutrina e disciplina da ICAR, os quais foram atirados sobre o mundo, nas notas do Novo Testamento de Erasmo, alguns na primeira publicação e outros acrescentadas, em uma após a outra, das edições seguintes.  Eram deliberadas acusações anexadas ao texto sagrado, onde a religião ensinada por Cristo e os apóstolos, foram substituídas pela superstição degenerada da ICAR, o que podia ser constatado, lado a lado. Nada foi poupado: ritual e cerimônia, teologia dogmática... bispos, seculares e frades foram expostos a julgamento, pendurados como em forcas públicas, à luz das páginas do Livro mais sagrado do mundo, e publicadas com o consentimento e aprovação do próprio papa... Assim os couros dos sacerdotes foram privados de sua longa impunidade. Enquanto, isso, eles esbravejavam dos púlpitos e plataformas...” (14)

A.T. Robertson chama isso de notas anti-romanas no texto “cáustico” de Erasmo, as quais atraíram a ira dos padres.” (15). Os padres viram o perigo e, em vez de atacar o Novo Testamento Grego e suas traduções, eles atacaram Erasmo. Visto como não podiam contestar, teológica e criticamente, os seus textos, eles apelaram ao recurso extremo do ataque pessoal e do insulto a Erasmo!

Edward Lee, um ferrenho papista, mais tarde Arcebispo de York, organizou uma liga de ingleses para se opor a Erasmo (16). Erasmo recebeu, literalmente, as marcas do fogo do inferno e de Roma, que foram atiradas  contra ele. Esses homens o odiavam totalmente, porque ele havia ousado interferir na Vulgata.

Erasmo era relativamente ortodoxo em sua doutrina, inclusive na soteriologia. Ele escreveu em seu “Treatise on Preparation for Death”  (Tratado sobre a Preparação para a Morte):

        Temos certeza da vitória sobre a morte, vitória sobre a carne, vitória sobre o mundo e sobre Satanás. Cristo nos promete a remissão dos pecados, frutos nesta vida, às centenas, e portanto, vida eterna.  E por qual razão? Por causa dos nossos méritos? Claro que não, mas pela graça da fé que está em Jesus Cristo.  Cristo é nossa justificação... Creio que existem muitos dos não absolvidos pelo sacerdote, que não receberam a Eucaristia, que não foram ungidos, que não receberam sepultamento cristão, os quais descansam em paz, enquanto muitos que receberam todos os ritos da Igreja e foram sepultados perto do altar, foram para o inferno. Corram para as Suas feridas e sejam salvos”. (17). Que tipo de católico é este? Um bom católico iria lhes dizer que corressem para Maria, a missa e os sacramentos, na hora da morte.

Philip Schaffer, um católico assumido, chama Erasmo de “Precursor da Reforma”. Ele disse que os protestantes tinham com Erasmo um débito de gratidão, por ter ele possibilitado Lutero e Tyndale a fazerem suas traduções. (18)

Frank Logsdon, o qual renunciou à obra organizacional na New American Standard Version, disse: “Como se pode falar contra um homem, afirmando que ele é um católico romano, quando ele recusou a oferta do chapéu cardinalício, fez campanha contra o monasticismo, contra a liturgia da ICAR e era detestado pelo povo católico? Vocês conhecem uma das razões por que os jesuítas surgiram, sob Inácio de Loyola? Seu projeto maior era neutralizar o texto de Erasmo... O objetivo total... destruir o texto de Erasmo; e a VA, claro, a qual veio a partir do texto de Erasmo”. (19)

Como a maioria dos reformadores, Erasmo queria reformar a Igreja, a partir de dentro. Ele não queria deixá-la. Neste ponto, o seu desejo era o mesmo de Lutero.  Erasmo jamais abandonou, oficialmente, a Igreja, desejando reformá-la a partir do seu interior; contudo, é impossível negar que ele não era um romanista de coração.

Alguns católicos assumidos se referiram a Erasmo como um luterano de coração. Eles o consideravam e consideravam sua obra subversiva. Conquanto Erasmo não fosse um luterano, não seria honesto levantar dúvidas sobre a sua simpatia pelos pontos principais da crítica luterana contra a Igreja. Melâncton, o braço direito de Lutero, foi citado, certa vez, como tendo dito: “Erasmus nobiscum est” (Erasmo está conosco) (20)

Michael Maynard, em sua obra “A History of the Debate Over I John 5:7-8”, vê uma possível motivação para a expansão da mentira e da calúnia de que Erasmo era um “bom católico”.

“O motivo por trás desta...  visão de Erasmo ser um ‘bom católico’ parece uma tentativa de retaliação (pelos editores da United Bible Society, inclusive do jesuíta Carlo Martini, [parte] do seu comitê editorial). Visto como nem os advogados do texto da UBS podem justificar a recente (1968) inclusão de Martini no comitê editorial das suas traduções, nem a sua confiança nas instituições ecumênicas, nem o envolvimento católico nas suas traduções, eles tentam criar a impressão de uma origem católica do TR. Entrementes, os defensores do TR continuam esperando que os [pseudo-] fundamentalistas advogados do texto minoritário expliquem porque confiam nos quatro liberais e em um jesuíta, o qual está em vias de se tornar o próximo papa, na identificação do Novo Testamento. (21)

A hipocrisia dos defensores da UBS (inimigos do TR e da VA), então, torna-se clara. Numa tentativa de justificar sua confiança na obra do jesuíta Martini, eles tentam criar um Erasmo romanista. Seu pensamento é: “Se alguém pode confiar na obra do católico Erasmo, então temos permissão de apoiar a obra do jesuíta Martini”. Mas, tendo em vista que Erasmo foi, na melhor das hipóteses,  um “mau católico”, seu álibi cai por terra.

Apesar de tudo que dissemos, reconhecemos que Erasmo jamais abandonou a Igreja. Ele foi um puritano dentro de Roma, em vez de um peregrino que saiu dela. Erasmo foi um enigma. Ninguém pode colocá-lo num nicho. David Cloud foi muito exato, quando a ele se referiu como “Mr. Facing-Both-Ways” (O Senhor de Duas Caras). (22) Não desejamos transformá-lo numa espécie de “santo”, que ele não deve ter sido. Nosso desejo é, simplesmente, apresentar um retrato mais balanceado de sua obra. Não procuramos justificar a notória neutralidade, em sua pessoa. Estamos mais interessados em justificar o seu Texto Grego do Novo Testamento.


Ver as Notas de Rodapé



Questão 2 - Erasmo não dedicou seu texto grego ao papa?


Erasmo dedicou a primeira edição do seu Novo Testamento Grego ao Papa Leão X, nisto reconhecendo Leo como um patrono do aprendizado e não por nenhuma identificação teológica [com ele ou com Roma]. (1)

Leo também tinha dispensado numerosos favores a Erasmo, tais como libertá-lo dos seus votos monásticos e remover suas desqualificações legais por ser filho bastardo. Erasmo nunca esqueceu disto. (2)

Naqueles dias, não havia praticamente nenhuma esperança de se pensar que uma Bíblia ou um texto grego poderia ser aceito sem a aprovação do papa. Outra razão pela qual Erasmo dedicou seu texto ao papa foi para que tal texto pudesse ser aceito. (3)



Questão 3 - Erasmo era qualificado para editar um texto grego? Ele não estava abaixo do nível de erudição grega?


Existem também ataques sobre a erudição e preparação de Erasmo. Sem dúvida, Erasmo estava entre os homens mais eruditos e mais brilhantes da era da Reforma. Todo rei o desejava em sua corte, pelo prestígio intelectual, que ele iria trazer. Mesmo assim, são abundantes as acusações de que Erasmo não era proficiente na língua grega. Isto não é verdade. Erasmo conseguiu a melhor erudição grega que alguém poderia ter recebido na Europa do século 16. Ele passou a maior parte de 1506 melhorando o seu estudo do Grego, em Bolonha, Roma, Florença e Pádua, com os melhores mestres em Grego do seu tempo. (1) Em 1505, ele editou sua obra -  “Valla’s Annotations on The New Testament”. Um pouco do seu aprendizado grego pode ter sido individual, porém não todo.  É difícil imaginar um homem com os talentos e a erudição de Erasmo, o qual se dedicou o tempo inteiro ao estudo dos clássicos gregos, como sendo deficiente no conhecimento do Grego.

Outra mentira contra Erasmo é que ele não era proficiente no Hebraico. Mas este é um ponto sem importância. Por que ele precisaria deste, quando estava interessado nos textos gregos e latinos e nos manuscritos do Novo Testamento? Erasmo nunca tentou traduzir o Velho Testamento; então, por que precisaria ele do Hebraico?


Ver as Notas de Rodapé

Questão 4 - O Texto Grego de Erasmo não foi preparado “apressadamente” e está repleto de erros?


       
A maior reclamação contra o Texto Grego de Erasmo é que ele foi preparado “apressadamente” e que ele dispunha apenas de alguns manuscritos antigos com os quais trabalhar. Ora, estas declarações precisam ser esclarecidas. Sua primeira edição foi feita às pressas, não porque Erasmo fosse relapso, mas porque ele precisava cumprir o prazo estipulado pelo editor (1). Ele concluiu esta obra mais ou menos em um ano, o que é um atestado da sua vasta erudição, por ter conseguido completar esse projeto em tão pouco tempo.

        Se a primeira edição grega de Erasmo foi feita às pressas, as quatro seguintes não foram. Erasmo gastou o resto de sua vida (20 anos) editando, revisando e corrigindo aquela primeira edição “feita às pressas”. Além disso, a maior parte das primeiras edições [ainda mais naqueles tempos de tipos móveis trabalhosamente montados pelo tipógrafo] contêm erros tipográficos, os quais foram corrigidos nas impressões seguintes. Os erros de Erasmo, de algum modo, eram de natureza mínima. (2)

        Mesmo assim, Erasmo escreveu sobre os seus erros: “Fiz o melhor que pude com o Novo Testamento, mas ele provocou intermináveis disputas. Edward Lee, (Arcebispo de York) pretendeu ter encontrado 300 erros. Eles [líderes católicos] nomearam uma comissão, a qual informou ter encontrado baldes de erros Em cada mesa de refeição soavam acusações contra Erasmo. Pedi que apontassem com detalhes erros específicos, mas nunca pude obter [nenhuma resposta deles].” (3).

        O caso é que a primeira edição pode ter sido um tanto negligenciada, mas, e daí? Ninguém usou aquela primeira edição para propósitos de tradução; nada foi traduzido da mesma. Lutero usou a segunda edição corrigida e melhorada, a fim de traduzir o Novo Testamento para o Alemão. Ele não usou a primeira. Que os inimigos da VA chamem de sem importância essa primeira edição de Erasmo...

        O texto de Stephanus, traduzido por Robert Etienne (Stephanus), 3ª Edição, a qual faz parte do rio do TR/VA, foi traduzido da 4ª e 5ª edições de Erasmo, não da primeira.

        Theodore Beza produziu nove edições do Novo Testamento Grego, entre 1565 e 1604. As mais  importantes foram as de 1565, 1588 e 1598. Em 1624, os irmãos Elzevir publicaram um texto embasado na edição de 1565 de Beza. (4)

        Neste assunto, concordamos com o Deão Burgon, o qual diz: “Descrever a pressa com que Erasmo produziu a primeira edição do Novo Testamento, para fazer [más] conjecturas sobre as cópias que ele empregou, é o tipo de coisa que procede de alguém que tenta desviar os seus leitores, jogando poeira em seus olhos, tentando desviar-lhes a atenção dos problemas que, realmente estão diante deles”. (5) A VA não é afetada de modo algum pela primeira edição. Ruminar sobre esta primeira edição é tentar, de algum modo, ligar a VA à mesma, sendo uma espécie de erudição desonesta e nebulosa, uma tentativa de obscurecer os fatos.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 5 - Erasmo teve acesso aos manuscritos modernos, como os tradutores modernos? Se ele tivesse tido, teria feito uso deles?


        Erasmo teve acesso à mesma coleção de manuscritos modernos que os tradutores modernos tiveram, com a óbvia exceção do Código Sinaítico, o qual ainda não sido resgatado da lata de lixo, no Mosteiro de Santa Catarina (até meados do Século 19).

        Robert Sumner, um oponente da VA, está apenas parcialmente correto, quando declara: “O próprio Erasmo não tinha conhecimento dos manuscritos alexandrinos. O Sinaiticus não foi descoberto no Monte Sinai, antes do Século 19 (isto é verdade, embora Erasmo certamente tenha tido acesso às leituras do Sinaiticus) e o Código Vaticanus, embora na Biblioteca do Vaticano em Roma, desde aproximadamente o Século 15, não estava disponível para uso dos de fora, até meados de século 20. (1) Isto é falso.

A verdade é que Erasmo teve acesso às leituras do Código B [isto é, do Vaticanus] (2) e o rejeitou porque sabia que estas eram corrompidas. Além do mais, o Código B é o manuscrito do papa e, visto como Erasmo era anticatólico, ele o rejeitou. Paulus Bombasius descobriu o negligenciado Código B na Biblioteca do Vaticano, em 1521, e em junho do mesmo ano ele o enviou a Erasmo, com as leituras da 1 João 4:1-3 e 1 João 5:7. (3)

As leituras do Sinaiticus e do Vaticanus já ali estavam, muito antes dos eruditos da VA 1611, conforme representados na Vulgata Latina. Erasmo era amigo pessoal do papa Leão X (desde os primeiros tempos), e tinha acesso a qualquer biblioteca na Europa (por causa de sua reputação de erudito), inclusive do Vaticano, sempre que ele quisesse. Ele não precisava do manuscrito [B, Vaticanus] propriamente dito, porque Paulus Bombasius, que estava em Roma, estava lhe enviando as leituras do Código B. (4) Estas leituras já eram, portanto, conhecidas lá pelo Século 17. Sumner está completamente errado quando diz que ninguém teve acesso ao Código B, antes do Século 20.

A Erasmo foram fornecidas 365 leituras do Código B, por Sepúlveda, que estava de posse das mesmas, lá pelo ano de 1521. (5)  Frederick Kenyon afirma que o prefácio e dedicatória do texto de Ximenes foram derivados dos manuscritos emprestado por Leão X, da Biblioteca do Vaticano. (6) Se Ximenes teve acesso a esses manuscritos, certamente Erasmo também teve (especialmente sendo “um bom católico”, conforme seus inimigos afirmam).

Mais uma vez, a controvérsia sobre a 1 João 5:7 forçou um apelo ao Código B, em 1522. [N.T.: Quando os Westcott-Hort-Only tentam desacreditar a passagem, dizem que Erasmo a copiou de alguma cópia do Vaticanus. Mas, quando tentam desacreditar as fontes usadas por Erasmo, dizem que ele nunca teve chance de saber de nenhuma leitura daquele manuscrito!] (7) Então o que Sumner tem em mente, quando afirma que ninguém teve acesso ao B, nesse tempo? Como poderia ele aparecer numa controvérsia, em 1522, sobre a 1 João 5:7, a não ser que as pessoas conhecessem suas leituras? Quando Ximenes estava preparando o seu Novo Testamento Grego, em meados de 1510, ele teve acesso ao Código B. E se ele teve acesso, certamente Erasmo também teve. (8)

Os tradutores da VA 1611 tinham as leituras do Código B diante deles, porém as rejeitaram, do mesmo modo como Erasmo as rejeitou. Ninguém as desconhecia. Erasmo também teve acesso ao Código D, Código Beza, mas também o rejeitou. Os tradutores a VA também tinham essas leituras variantes e as rejeitaram.

Em 1675, John Fell mostrou um texto grego embasado no texto Elzevir de 1633, com variantes do Código B (9). Se “ninguém tinha acesos ao Código B, até o Século 20”, conforme Sumner erroneamente insiste, como Fell conseguiu suas leituras B?


Ver as Notas de Rodapé

Questão 6 - Erasmo estava familiarizado com os problemas críticos e as leituras variantes dos manuscritos?

1. – O fecho da Oração do Senhor (Mateus 6:13)
2. - A entrevista do jovem rico com Jesus (Mateus 19:17-22).
3. - O final de Marcos - Marcos 16:9-20. Ele defendeu o final tradicional. (1)
4. - O cântico dos anjos (Lucas 2:14).
5. - A omissão do anjo, agonia e suor de sangue (Lucas 22:43-44).
6. - A mulher apanhada em adultério (João 7:53-8:11). Ele defendeu sua inclusão (2).
7. - O mistério da piedade (1 Timóteo 3:16) (3)


Através dos estudos de Jerônimo e de outros Pais, Erasmo tornou-se bem versado nas leituras variantes  (4). Ele editou e publicou obras de Jerônimo, Cipriano, Pseudo-Ambrósio,  Hilário, Irineu, Ambrósio, Agostinho, Crisóstomo, Basil e Orígenes. (5), mostrando estar familiarizado com as suas citações bíblicas. Em 1505, ele editou sua “Valla’s Annotations On The New Testament”, a qual foi uma obra pioneira na crítica bíblica.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 7 - Como era o estado espiritual de Erasmo? Erasmo era um homem espiritual?


       
Erasmo jamais registrou [em papel] qualquer profunda convicção ou experiência religiosa em sua própria vida.  (1) Lutero via fraqueza e pobreza espiritual em Erasmo, mas esta observação deve ter sido influenciada pela oposição de Lutero à posição de Erasmo sobre o livre arbítrio do homem, a respeito da qual Lutero atacou amargamente Erasmo (2). Mas alguns dos escritos de Erasmo são altamente espirituais. Tyndale pensava alto do seu Enchiridon (Manual de um Soldado Cristão) e o traduziu para o Inglês. Enchiridon era um breve e fácil de manusear [livrinho] embasado na Escritura, convocando à moralidade cristã, um jeito moderado de crítica às práticas da Igreja. Tyndale também achou bom o seu “Treatise on Preparation for Death”  (Tratado Sobre a Preparação Para a Morte) (3)

        Erasmo escreveu uma passagem interessante no prefácio do seu Novo Testamento Grego, na qual ele mostra uma reverência de amor pela Escritura, a qual suplanta a média da crítica textual:

        “As páginas sagradas resumem a vívida imagem de mente dEle [do Senhor]. Elas lhe darão o próprio Cristo falando, curando, morrendo, ressuscitando, o Cristo total, numa palavra; elas Lho darão, numa intimidade tão perfeita que Ele seria menos visível a você, se estivesse diante dos seus olhos”. (4)

       
Esta passagem revela novamente o Erasmo anti-romanista. Nenhum romanista procura Cristo nas Escrituras. Eles O buscam nos sacramentos ou nos ritos da Igreja. Nenhum romanista dedica um elevado amor à Escritura, conforme Erasmo dedicava.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 8 - Erasmo era um Humanista?


       
Temos aqui o maior ataque, aliás muito enganoso. Ele era um humanista? Não pelos moldes atuais, mas na significação renascentista, humanista era simplesmente um homem que estudava os clássicos, a cultura e a erudição clássicas. Andrew Brown, da Trinitarian Bible Society, entrega a definição apropriada de um humanista neste contexto:

        “Erasmo foi um completo ‘humanista cristão’, desde a sua juventude até a morte. O uso da palavra ‘humanista’ no período da Renascença e da Reforma de modo algum tinha a mesma conotação ateísta que tem agora, no uso popular. Um ‘humanista’, naquele tempo, era apenas alguém que estava interessado na literatura, erudição e cultura clássicas, visando alcançar um meio mais elevado de vida civilizada. Stephanus, Calvino e Beza foram humanistas neste sentido e foram esses ideais humanistas que influenciaram amplamente a cultura ocidental, nos séculos seguintes, anexados ao Evangelho Cristão”. (1)

        Nada existe de errado com este tipo de humanismo. Edward Hills também define o humanismo da Renascença:

        “A visão humanista foi bem representada pelos escritos de Laurentius Valla (1405-1457), famoso erudito da Renascença italiana. Valla enfatizava a importância da linguagem. Segundo ele, o declínio da civilização na Era das Trevas foi devido à queda das línguas grega e latina. A partir daí, somente através do estudo da literatura clássica foi que as glórias da Grécia e da Roma antigas puderam ser resgatadas. Valla também escreveu um tratado sobre a Vulgata Latina, comparando-a com certos manuscritos do Texto Grego do Novo Testamento, que ele possuía. Erasmo, que desde a infância havia sido um admirador de Valla, encontrou um manuscrito do tratado de 1504 de Valla e o imprimiu, no ano seguinte. Nessa obra, Valla favorecia o Novo Testamento Grego sobre a Vulgata. O texto latino também diferia do grego, ele registrou. Também, havia omissões e adições na tradução latina e a redação grega geralmente era melhor do que a do Latim.” (2).

        DeLamar Jensen, em sua Reformation Europe, define o humanismo cristão como “enfatizando o estudo histórico e ‘um retorno às fontes’, isto é, à Bíblia. Eles dedicaram mais devoção à Escritura do que o fizeram os italianos humanistas(3).

       
O humanismo da Renascença era, decididamente, anti-romanista. A Europa ainda estava emergindo do milênio satânico (500-1500), durante o qual Roma governou a Europa com mãos de ferro. A cultura e a educação haviam sofrido sob o controle de Roma e os humanistas se dedicaram a fazê-los reviver.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 9 - Quais as traduções que usaram os textos de Erasmo?


Traduções [do TR] de Erasmo:

01. - John Tyndale (1).
02. - Martinho Lutero usou a segunda edição de Erasmo (2).
03. - Todas as Bíblias inglesas dos séculos 16 e 17 foram embasadas no texto de Erasmo (3)
04. - As versões francesas Lefevre e Oliveton de 1534-1535.
05. - A versão holandesa Biestkens, em 1558.
06. - A Bíblia sueca Upsala de Laurentius, em 1541.
07. - A Bíblia espanhola de Cassiodoro de Reyna, em 1569.
08. - A Bíblia dinamarquesa de Christian III, em 1550.
09. - A versão tcheca de 1602.
10. - A versão italiana de Deodati, de 1607. (4)
11. - O Novo Testamento gaulês de 1563 (5).
[N.T.: Note que, aqui, só estamos contando as traduções do TR de Erasmo. Durante alguns séculos depois do advento da imprensa e da Reforma, todas as traduções “protestantes” para muitas outras dezenas de línguas principais e para centenas de línguas secundárias (de tribos das Américas, África e Oceania, e de dialetos de pequenos grupos éticos em todo mundo) foram feitos de outros TRs tais como os de Beza, Stephanus, etc., basicamente iguais ao de Erasmo]



Ver as Notas de Rodapé

Questão 10 - Por que Erasmo rejeitou a Vulgata?


       
Que Erasmo rejeitou a Vulgata é um fato histórico. Existem várias razões pelas quais ele a rejeitou. Ele detectou a corrupção feita nos manuscritos alexandrinos do 4º século, nos quais a Vulgata foi embasada, inclusive [a corrupção] do Vaticanus. Ele também se opôs às óbvias parcialidades romanas na tradução de várias passagens. (1) [N.T. A especialidade de Roma sempre foi adulterar tudo que lhe caísse nas mãos]

       
Opor-se à Vulgata, naquele tempo, era ser anti-romanista; “questionar a fidelidade da Vulgata era um crime da maior magnitude aos olhos da ICAR(2) Um bom católico da era da Reforma jamais ousaria questionar ou se colocar contra a Vulgata, mas Erasmo, o “mau católico”, fez isso e, portanto, foi condenado.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 11 - Quantas edições saíram do Texto Grego de Erasmo?


Cinco edições;

I Primeira edição – 1516

A - Feita apressadamente.
B - Erasmo não ficou satisfeito com ela. (1)
C - Não foi usada por tradutor algum, não tendo havido qualquer tradução nela embasada.
D - Esta edição foi vendida em três anos. (2)

II Segunda edição – 1519

A - Uma revisão da primeira edição, tanto no Grego como no Hebraico.
B - Cerca de 400 mudanças da primeira edição, mas ainda com muitos errinhos tipográficos.
Considerando o estado da tecnologia de impressão na época, errinhos tipográficos eram esperados em qualquer publicação.
C - Também usou:

1.- O Código Áureus emprestado pelo Rei da Hungria.
2.- Dois manuscritos de Austin Priori de Corsidonk
2.- Um manuscrito grego tomado emprestado do Mosteiro de Sta. Agnes. (3)

D - Lutero usou esta segunda edição para o seu Novo Testamento, embora não exclusivamente.

III - Terceira Edição – 1522

A – Incluída a 1 João 5:7, devido ao P61 [Papiro 61].
B - Usada por Tyndale.
C - A base para a primeira edição de Stephanus de 1546.

IV - Quarta Edição – 1527

A - Três colunas - Grego, Vulgata Latina e a tradução do próprio Erasmo para o Latim
B - Usou sete manuscritos, inclusive as leituras da Complutension Polyglot. (4)

V - Quinta Edição – 1535.

A Omitiu [tudo proveniente de] a Vulgata.
B – Quase idêntica às 3ª e 4ª edições de Stephanus, diferindo pouco da 4ª Edição dele mesmo [de Erasmo]. (5)
C - A VA pode ser traçada a partir desta edição, através de Stephanus, e não da 1ª Edição, feita apressadamente.
D - As novas edições impressas e revisadas chegaram a 69, antes de Erasmo falecer. (6)



Ver as Notas de Rodapé

Questão 12 - Erasmo só tinha uns poucos manuscritos mais recentes com que trabalhar?


       
A reclamação comum, expressada por Doug Kutilek, um oponente da VA, é algo assim: “Erasmo tinha os mais fraquinhos dos manuscritos. Ele usou principalmente um manuscrito do Século 12 para os [quatro] Evangelhos ... e um manuscrito também do Século 12 para os livros de Atos e para as Epístolas... O TR foi produzido às pressas... Não existe razão alguma para se acreditar no TR como o padrão final [absolutamente perfeito, ou mesmo preferível] e que ele represente precisamente o texto original do Novo Testamento. Ele era de fato o mais rudimentar e rústico e, na melhor das hipóteses, apenas um texto provisório... Os textos gregos de Griesbach, Tregelles, Tischendorff, Alford e de Westcott e Hort foram... um grande melhoramento sobre o texto de Erasmo, porque apresentaram mais exatamente o texto do Novo Testamento, da forma como ele saiu das penas dos apóstolos” . (1) Isto é inexato e tendencioso.

        Quais os manuscritos que ele usou? Erasmo estava sempre agindo, sempre coletando, comparando, publicando. Ele classificou os manuscritos gregos e leu os Pais. Através de suas viagens, ele entrou em contato com todos os intelectuais do seu tempo. (2) Ele procurava manuscritos em toda parte, durante as suas viagens, e os tomava emprestados de quem ele podia tomar. Seu texto foi principalmente embasado nos manuscritos de Basil, mas incluía as leituras de outros, aos quais ele teve acesso. Ele havia coletado muitos manuscritos do Novo Testamento e vivia rodeado de todos os comentários e traduções, pelos escritos de Orígenes, Cipriano, Ambrósio, Basil, Crisóstomo, Cirilo, Jerônimo e Agostinho. (3)

        Ele teve acesso ao Código Vaticanus, tendo rejeitado suas leituras que estavam em discordância com as do texto bizantino. Ele também teve acesso ao Código D de Beza, porém o rejeitou. (4). Os tradutores da VA também tinham estas leituras variantes e as rejeitaram (5). As leituras destes manuscritos, recentemente tão elogiados e tornados disponíveis, são amplamente usadas na Vulgata. (6) Os reformadores tinham conhecimento dessas leituras e as rejeitaram. O pedigree [a honrada linha de ancestrais] dos “manuscritos minúsculos recentes”, de Erasmo, data, portanto, da antiguidade. (7)

 

        O texto que Erasmo escolheu tem (nas igrejas gregas, siríacas e valdenses) uma história que se destaca como superior [a tudo o mais]. (8)

 

        Os textos usados por Erasmo na sua primeira edição:


1. [Manuscrito minúsculo-cursivo número] 1 - Século 11, continha os Evangelhos, Atos e as Epístolas. Erasmo não confiava muito no 1, porque ele tinha muita semelhança com o Código Vaticanus (9).

2. [Manuscrito minúsculo-cursivo número] 2. - Século 15, continha os Evangelhos.

3 [Manuscrito minúsculo-cursivo número] 2ap - Séculos 12-14, continha Atos e as Epístolas. Erasmo depositou sua confiança no 2 e no 2ap, porque eram os textos melhores e mais exatos. (10)

4. [Manuscrito minúsculo-cursivo número] 4ap - Século 15, continha o Apocalipse.


        Erasmo usou principalmente o 2 e o 2ap, e ocasionalmente usou o 1 e 4ap (11). Erasmo pode ter tido 10 manuscritos à disposição: 4 da Inglaterra, 5 de Basil e um a ele emprestado por John Reuchlin (12).

        Thomas Strouse menciona que o mais antigo dos manuscritos de Erasmo datava do Século 5, “provavelmente”. (13). O Bispo Charles John Ellicot, Presidente do Comitê de Revisão, assim falou sobre o texto revisado:

       “Os manuscritos que Erasmo usou diferem, na maior parte, apenas em pequenos e insignificantes detalhes da enorme massa dos escritos cursivos. O caráter geral do texto deles é o mesmo. Mas esta observação do pedigree do TR estende-se além dos manuscritos individuais usados por Erasmo.... Esse pedigree retrocede à antiguidade remota. O primeiro ancestral do TR foi, pelos menos, contemporâneo dos mais antigos dos manuscritos [hoje] existentes, senão mais antigo do que qualquer um deles”  (14)

       Então, a questão [importante] não é ‘Qual a idade dos manuscritos que Erasmo usou?’ mas, ao contrário, se esses manuscritos ‘recentes’ preservavam os originais. Declaramos que os manuscritos de Erasmo foram parte daquela corrente tradicional de manuscritos, a qual sempre foi aceita pelo povo de Deus. A idade dos manuscritos individuais não é importante, mas sim, a exatidão na preservação dos manuscritos mais antigos, os quais continham a Palavra de Deus.


Ver as Notas de Rodapé


Questão 13 - Erasmo fez algum outro trabalho de tradução?


        Sim. Em 1505 ele fez sua própria tradução do Novo Testamento para o Latim, enquanto estava em Oxford (1). Em 1524 ele publicou paráfrases e comentários dos Evangelhos, e eles foram amplamente recebidos. (2) [ele também escreveu muitos outros livros, muitos deles com ampla aceitação.

Questão 14 - Porque Erasmo inseriu a 1 João 5:7-8 em seu texto? Existe suficiente evidência para apoiá-la?


       
Sim, existe extraordinária evidência desta. Podemos realmente afirmar que, se alguém duvida que a 1 João 5:7-8 pertence à Escritura, ele é totalmente ignorante do apoio textual em favor desta passagem. A 1 João 5:7-8 é parte integral da Escritura.

        As referências mais antigas à mesma datam de Tertuliano (160-230), Cipriano (200-258), Prisciliano (385), Cassiodoro (480-570), Agostinho (Século 5), Atanásio (Século 4) e Jerônimo (Século 4) (1). Ela aparece na Vulgata (2). Também aparece no Manuscrito 61 e no Código Ravianus. Stephanus a encontrou em 9 dos seus 16 manuscritos (3).

        O ataque contra esta passagem e a sua retirada de alguns manuscritos são o fruto das heresias na igreja primitiva, especialmente dos arianos [N.T.: O arianismo teve maior influência em Alexandria e Egito em geral, na Síria, na região greco-macedônica e Ásia Menor em geral, do que na Itália e área melhor dominada pelo Império Romano]. Os que se opunham à inclusão da 1 João 5:7-8 estão dando apoio aos unitarianos e às TJs, mesmo ignorando a extraordinária massa de evidência manuscrita.

        O papel de Erasmo no debate sobre estes versos tem sido distorcido pelos inimigos da VA. A posição padronizada que os liberais assumem é a que segue, entregue pelo crítico da VA, James White:

        “Quando a primeira edição da obra de Erasmo saiu, em 1516... a (1 João 5:7-8) não constava no texto, por uma razão muito simples: Não foi encontrado em nenhum texto grego o manuscrito da 1 João que Erasmo examinou. Em vez disso, ela foi encontrada na Vulgata Latina. Erasmo certamente não a incluiu na primeira e segunda edições. A observação nas Annotations dizia simplesmente: ‘No código grego, eu encontro apenas isto, sobre o triplo testemunho: porque há três testemunhos: espírito, água e sangue’. Sua confiança nos manuscritos gregos causou muita agitação... Visto como Erasmo havia prometido, em sua resposta a Edward Lee, incluir a passagem, se fosse encontrado um manuscrito grego citando-a, e ele foi constrangido a inserir a frase na terceira edição, quando lhe foi apresentado um manuscrito irlandês, o qual continha a frase em disputa’” (4)

        Isto é reforçado por Steward Custer, da Bob Jones University:

        “Ora, Erasmo fez uma apressada- e- impensada promessa. Ele disse: ‘Se você puder me mostrar um manuscrito grego que contenha o texto, vou imprimi-lo ali...’ Eles voltaram e apanharam os seus escribas e conseguiram que eles traduzissem a Vulgata Latina para o Grego e ali o colocassem. (Ele [o manuscrito]) veio direto de volta para ele. A tinta nem havia secado no manuscrito... Aqueles dois manuscritos são o 61... A data é do Século 16, o tempo de Erasmo. O outro é o 629... Esses são os dois único manuscritos, além dos 5.000, que contêm os verso 7 nele.. Foi-lhe dito, sem meias-palavras, que se ele não colocasse o verso nele, seria excomungado. E como ele era um bom católico romano, ele o colocou ali” (5)

Tanto White como Custer estão enganados. Vamos aos fatos:

1. - O fato de que Erasmo fez uma apressada- e- impensada promessa, foi provado que isto é falso. Trata-se de uma das lendas acarinhadas sobre a história da erudição do Novo Testamento. Porém, não passa de uma lenda. Erasmo não colocou aqueles versos na sua terceira edição na base de qualquer suposta promessa feita a Edward Lee. (6). Até mesmo Bruce Metzger, admitiu que [esta conversa sobre] a “promessa” de Erasmo precisa ser revisada à luz da pesquisa da H. J. Jorge, um especialista em estudos erasmianos, o qual não encontra qualquer explícita evidência, que possa apoiar esta assertiva feita frequentemente.  (7).

2. - A tinta mal havia secado sobre o Código 61, conforme Custer afirmou? Erasmo não o viu, até um ano depois do manuscrito ter sido produzido. Custer simplesmente exagerou. (8)

3. – O que dizer da afirmação de Custer de que havia apenas dois manuscritos que continham o verso? R. E. Brown havia dito, um ano antes de Custer, que havia oito manuscritos. E não eram “5.000” [que continham 1 João mas não o verso 5:7], como Custer afirmou, ali por 1982, apenas 498 manuscritos gregos haviam sido examinados e em oito deles os versos foram encontrados (9) Como Custer pode admitir que os outros 4.500 manuscritos não continham os versos?

4. - Erasmo foi ameaçado de excomunhão? Não existe evidência alguma disto. (10), porque no tempo da terceira edição, ele já havia conseguido suficiente evidência para incluí-los. Erasmo defendeu a sua omissão dos versos, lá por 1524. Sua visão foi mudada entre 1522-1527.  (11)



Ver as Notas de Rodapé

Questão 15 - Por que Erasmo inseriu algumas leituras da Vulgata em seu texto?


        Elas foram incluídas simplesmente porque eram leituras corretas. Por mais corrompida que seja a Vulgata, ela não é inteiramente incorreta [em todos seus versos]. Às vezes ela é correta. [N.T.: Embora com alguma má influência do Vaticanus e da Septuaginta (a fraude inventada por Orígenes), mais vezes a Vulgata se alinha com o Texto Bizantino contra o Texto Alexandrino, do que o contrário!...]. Edward Hills lista as principais leituras da Vulgata no texto de Erasmo, como:


1. - Mateus 10:8.
2. - Mateus 27:35.
3. - João 3:25.
4. - Atos 8:37.,
5. - Atos 9:5-6.
6. - Atos 20:28.
7. - Romanos 16:25-27.
8. - 1 João 5:7. (1)


        O fato não é tão danoso como parece. Estas leituras da Vulgata não transformam o TR num texto católico. Além do mais, as modernas traduções católicas (tais como a Bíblia de Jerusalém e a New American Bible) concordam muitas vezes com a VA. Isto transforma as versões católicas em protestantes? Isso transforma a VA numa Bíblia católica? Claro que não! Geralmente falando, as diversas traduções concordam entre elas mais geralmente do que não. O problema está nos lugares em que elas discordam da VA.


Ver as Notas de Rodapé

Questão 16 - Qual foi a atitude de Erasmo em relação aos anabatistas, aos Irmãos Boêmios e a outros grupos batistas da época da Reforma?


       
Erasmo foi um apoiador dos anabatistas, os precursores dos modernos batistas, os quais foram severamente perseguidos, tanto pelos católicos como pelos protestantes. (1).

        Erasmo foi também um apoiador das doutrinas e práticas dos Irmãos Boêmios [N.T.: Depois, a Boêmia tornou-se parte da Tchecoslováquia]. Eles deram a Erasmo uma cópia de sua Apologia em defesa dos seus artigos de fé, em 1507, e pediram que ele a lesse e desse os seus comentários. Erasmo disse que não havia visto erro algum em suas doutrinas. Ele [somente] não apareceu publicamente com o seu apoio aos Irmãos, porque ele temeu as consequências disso. (2)

Nota do Editor: A resposta de Robert Sargent a esta pergunta entra em choque com um bom número de cartas de Erasmo, referentes aos anabatistas, publicadas na obra de J.A. Froude “Vida e Cartas de Erasmo” (1984). A Notas de Rodapé número 1 declara: 1.- “Gipp, p. 152 e Maynard, p.86, onde ele cita uma carta de Erasmo, na qual ele professa ter “o maior respeito” pelos anabatistas. Contudo, o volume de Michael Maynard -  “A History of the Debate Over 1 John 5:7-8” - parece traduzir erroneamente a carta de Erasmo, datada de 01-04-1529, que declara:

”A seita (diz ele) é particularmente decepcionante, visto ensinar a comunidade de bens e [nem sempre] obedecerão aos magistrados. Eles [os seus membros] não têm [prédios de] igrejas, não almejam o poder e não resistem à prisão. Diz-se que eles demonstram [boa e exemplar] moral em sua conduta, se é que existe alguma coisa moral com uma fé tão corrompida”  (Freude, p. 366).

        Em alguma parte do volume de J. A. Freude, que vem de data anterior à da “Erasmus of Christendom” [Erasmo da Cristandade], de Roland Baiton, conforme citado por Gipp, são encontradas referências aos anabatistas nas cartas de Erasmo:

        “Os anabatistas não devem ser tolerados. Os apóstolos comandavam o seu povo a obedecer aos magistrados, mesmo que estes fossem pagãos. Os anabatistas não querem obedecer nem mesmo aos príncipes cristãos! Comunidade de bens é uma quimera. A caridade é um dever, mas a propriedade deve ser respeitada” (Freude, pp. 344-345).

 “A Alemanha mais Baixa foi tomada pelos com anabatistas alemães; Munster, como se sabe, foi ocupada [reconquistada pelos Luteranos], mas houve uma rebelião perigosa em Amsterdã... Munster foi ocupada e os insurgentes [os anabatistas] foram punidos [assassinados]. Os anabatistas estão marchando em multidão, [em fuga] rumo à Holanda. Fico feliz em que o Imperador esteja agindo corretamente, onde quer que possa estar, mas gostaria que ele ficasse na Alemanha e nos salvasse dessas criaturas. Estes anabatistas [que escaparam de Munster] não estão de brincadeira. Eles vão trabalhar com a espada na mão, ocupam cidades, empurram o seu credo pelas goelas das pessoas, entronizam novos reis e rainha e fazem suas próprias leis. No inverno passado, houve perturbações em Paris. Notas foram postadas ameaçando o rei porque ele persegue, segundo eles, a Palavra de Deus. Vinte e quatro dos autores desses escritos foram executados. Muitos entre os nobres fugiram. O Rei os chamou novamente e lhes prometeu liberdade de consciência, caso eles abandonassem a política. Alguns dizem que ele foi aconselhado, pelo Rei da Inglaterra e pelo papa, a se tornar moderado” (Freude, pp. 428-430).

          Por favor, vejam o registro ”Watch Unto Prayer” [Vigiai em Oração] sobre the Semitic New Testament: Part II: [a Peshitta], que trata das deturpações que os eruditos [pseudo-] fundamentalistas fazem contra grupos [consideram] gnósticos, tais como os valdenses, os anabatistas, os Cátaros, os Albigenses e os Bogomilos.

Ver as Notas de Rodapé



Em Resumo:


1. - Erasmo não foi um católico romano praticante, e tinha um coração de Reformador. Reconhecemos que Ele nunca se “juntou”, formalmente, à Reforma, porém simpatizava com a mesma.
2. - Erasmo não foi um humanista na moderna acepção do termo.
3. - A primeira edição do texto grego de Erasmo preparado às pressas, não merece ser discutida, visto como não serviu de base a qualquer outro texto grego exceto à sua própria segunda edição, e ela não foi usada para tradução alguma.
4. - Erasmo teve pleno, abundante e amplo acesso às leituras [copiadas] dos manuscritos alexandrinos, e ao Código B.
5. - Através do estudo dos escritos patrísticos, Erasmo era bem versado nas leituras variantes, as quais pouco mudaram através dos séculos.
 


        Nossa fé na superioridade do TR e da VA permanece intacta e inabalável. Continuamos confiantes em que a nossa posição diante desses manuscritos tradicionais está correta, sendo esta a verdadeira posição da história. Os inimigos da VA foram incapazes de validar suas acusações e reclamações contra a VA e o TR.

        Deve ficar bem claro que estamos totalmente cônscios dos problemas de Erasmo. Ela não era perfeito. Se ele fosse vivo, hoje, provavelmente não seria classificado como um “crente bíblico fundamentalista”! Contudo, estamos mais interessados em sua obra, em seus textos e em sua contribuição à preservação bíblica, através do seu Texto Grego do Novo Testamento.



Dr. John Cereghin - “In Defense of Erasmus”.

Traduzido por Mary Schultze, em 06-04-2011.





**********************************************



Another Bible, Another Gospel

Tables of Comparison of Selected Scriptures

The Semitic New Testament



BIBLIOGRAPHY

Kurt and Barbara Aland, The Text of the New Testament, Grand Rapids: Eerdman's, 1987, translated by Erroll Rhodes.

Ronald Bainton, Erasmus of Christendom, New York: Charles Scribner's Sons.

David Beale, A Pictorial History of our English Bible, Greenville: Bob Jones University Press, 1982.

Donald Brake, The Preservation of the Scriptures.

John William Burgon, The Revision Revised, Dean Burgon Society, Box 354, Collingswood, New Jersey 08108.

David Cloud, For Love of the Bible: The Battle for the King James Version and the Received Text From 1800 to Present, Oak Harbor WA: Way of Life Publications, 1995.

David Cloud, Myths About the King James Bible: Erasmus Was a Humanist, Oak Harbor WA: Way of Life Literature, 1986, 1993.

David Cloud, Myths About the King James Bible: Reformation Editors Lacked Sufficient Manuscript Evidence, Way of Life Literature: Oak Harbor WA, 1992

David Cloud, O Timothy, various issues.

David Cloud, Way of Life Encyclopedia of the Bible and Christianity, Oak Harbor WA: Way of Life Literature, 1993.

David Daniell, William Tyndale: A Biography, New Haven: Yale Press, 1994.

John Davies, A History of Wales, London: Penguin Press, 1990.

Will Durant, The Story of Civilization: Part VI - The Reformation, New York: Simon and Schuster, 1957.

Charles John Ellicott, The Revisers and the Greek Text of the New Testament, by Two Members of the New Testament Company, 1882.

J.A. Froude, Life and Letters of Erasmus, New York: Charles Scribner's Sons, 1894.

David Otis Fuller, ed. Counterfeit or Genuine? Grand Rapids: Grand Rapids International Publications, 1975, 1978.

David Otis Fuller, ed. Which Bible? Grand Rapids: Grand Rapids International Publications, 1970, 1975.

Samuel Gipp, The Answer Book, Shelbyville, TN: Bible and Literature Missionary Foundation, 1989.

William Grady, Final Authority, Schereville, IN: Grady Publications, 1993.

David Harrowar, A Defence of the Trinitarian System, Utica: William Williams, 1822.

Edward Hills, Believing Bible Study, Des Moines: The Christian Research Press, 1967.

Edward Hills, The King James Version Defended, Des Moines: The Christian Research Press, 1956, 1988.

John Hurst, History of the Christian Church, Vol. 2, New York: Eaton and Mains, 1900.

Samuel Macauley Jackson, ed. The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge, New York: Funk and Wagnalls, 1909.

DeLamar Jensen, Reformation Europe, Lexington, MA: D.C. Heath, 1981, 1992.

Frederick Kenyon, Our Bible.

Doug Kutilek, "Erasmus and His Greek New Testament," Biblical Evangelist, October 1, 1985.

Frank Logsdon, "From the NASV to the KJV," The Baptist Challenge, March, 1992.

John McClintock and James Strong, Cyclopedia of Biblical, Theological and Ecclesiastical Literature, New York: Harper and Brothers, 1891.

Michael Maynard, A History of the Debate Over I John 5:7,8. Tempe AZ: Comma Publications, 1995.

Bruce Metzger, The Text of the New Testament, New York: Oxford University Press, 1968.

Andrew Miller, Miller's Church History, Bible Truth Publishers, 1980.

Edward Miller, A Guide to the Textual Criticism of the New Testament, Collingswood, NJ: Dean Burgon Society, 1886, 1979.

Hugh Pope, English Versions of the Bible, St Louis: B. Herder Book Co., 1952.

A.T. Robertson, An Introduction to the Textual Criticism of the New Testament, Nashville: Broadman Press, 1925.

Robert Sargent, Landmarks of English Bible: Manuscript Evidence, Oak Harbor WA: Bible Baptist Church Publications, n.d.

Philip Schaff, History of the Christian Church: Volume VII - The German Reformation, Grand Rapids: Eerdmans, 1910, 1970.

Frederick Scrivener, A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament for the Use of the Biblical Student, ed. Edward Miller, 2 volumes, London: George Bell and Sons, 1894.

Thomas Strouse, "The 19th Century Baptists, Bible Translations and Bible Societies," Tabernacle Baptist Theological Journal, Summer, 1994, Vol. 1, No. 2.

Robert Sumner, "Dear Abner!" Biblical Evangelist, Nov. 1, 1992.

Benjamin Wilkinson, Our Authorized Version Vindicated.

Encyclopedia Britannica, 1949.

 

FOOTNOTES

Question #1

1.   David Cloud, Myths About the King James Bible: Erasmus was a Humanist. Oak Harbor WA: Way of Life Literature, 1986, 1993, p. 32.

2.   Michael Maynard, A History of the Debate Over I John 5:7,8. Tempe AZ: Comma Publications, 1995, p. 327. Despite Luther's support for the Erasmus text, Luther was no personal friend of Erasmus, mainly because of their differing views on free will.

3.   Samuel Gipp, The Answer Book. Shelbyville TN: Bible and Literature Missionary Foundation, 1989, p. 153 and Will Durant, The Story of Civilization: Part VI - The Reformation. New York: Simon and Schuster, 1957, p. 285 and Philip Schaff, History of the Christian Church: Volume VII - The German Reformation. Grand Rapids: Eerdmans, 1910, 1970, p. 415.

4.   Hugh Pope, English Versions of the Bible. St. Louis: B. Herder Book Co., 1952, p. 105 and Schaff, p. 413.

5.   John Hurst, History of the Christian Church, Vol. 2. New York: Eaton and Mains, 1900, p. 107.

6.   John McClintock and James Strong, Cyclopedia of Biblical, Theological and Ecclesiastical Literature, Vol. 3. New York: Harper and Brothers. 1891, p. 278.

7.   Doug Kutilek, "Erasmus and His Greek New Testament." Biblical Evangelist, October 1, 1985.

8.   Pope, p. 105.

9.   Cloud, p. 16 and Benjamin Wilkinson, "Our Authorized Version Vindicated," cited by David Otis Fuller, ed. Which Bible? Grand Rapids International Publications, 1970, 1975, p. 225.

10. Gipp, p. 151.

11. Cloud, pp. 16, 21.

12. Schaff, pp. 414-15.

13. Durant, p. 284.

14. J. A. Froude, Life and Letters of Erasmus. New York: Charles Scribner's Sons, 1894, pp. 119-27.

15. A. T. Robertson, An Introduction to the Textual Criticism of the New Testament. Nashville: Broadman Press, 1925, p. 18.

16. Cloud, p. 22.

17. Roland Bainton, Erasmus of Christendom, New York: Charles Scribner's Sons, 1969, pp. 68-70, 269-70.

18. Schaff, pp. 402-3.

19. Frank Logsdon, "From the NASV to the KJV," The Baptist Challenge, March 1992, p. 11.

20. Maynard, p. 327.

21. Ibid., p. 329.

22. David Cloud, For Love of the Bible: The Battle for the King James Version and the Received Text From 1800 to Present. Oak Harbor, WA: Way of Life Publications, 1995, p. 33.

Question #2

1.   Samuel Macauley Jackson, ed. The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge, Vol. 4. New York: Funk and Wagnalls, 1909, p. 165.

2.   Durant, p. 286.

3.   Robert Sargent, Landmarks of English Bible: Manuscript Evidence. Oak Harbor WA: Bible Baptist Church Publications, n.d., p. 154. 

Question #3

1. McClintock and Strong, Vol. 3, p. 277. 

Question #4

1.   Edward Hills, The King James Version Defended. Des Moines: The Christian Research Press, 1956, 1988, p. 106.

2.   Ibid. Kurt Aland (p. 4) adds that the errors in the first edition were due to typesetting errors, not to errors in the text.

3.   Benjamin Wilkinson, "Our Authorized Version Vindicated" in True or False?, David Otis Fuller, Grand Rapids International Publications, p. 227.

4.   Bruce Metzger, The Text of the New Testament. New York: Oxford University Press, 1968, pp. 105-6.

5.   John William Burgon, "The Revision Revised" in True or False?, p. 132.

Question #5

1.   Robert Sumner, "Dear Abner!" Biblical Evangelist, November 1, 1992. During all the years of his editorship, Sumner never came out with a strong public stand for the AV and the TR and against the other Greek manuscripts and English translations. Instead, Sumner continually ridiculed the scholars who held to the historic position of defending the AV and hired out men like Doug Kutilek to openly attack the AV and TR. Sumner's profession that he is "for" the AV rings hollow when one reads his writings. And one must wonder why Sumner appeals to men like Dwight Moody, R.A.Torrey or John R. Rice to support his denial of the superiority of the AV when none of these men were textual scholars. Had Sumner never read Scrivener, Hills, Hodges, Burgon, Fuller, Miller or Waite?

2.   Thomas Strouse, "The 19th Century Baptists, Bible Translations and Bible Societies." Tabernacle Baptist Theological Journal, Summer, 1994, Vol., I, No. 2, p. 7.

3.   Michael Maynard, A History of the Debate Over I John 5:7,8. Tempe AZ: Comma Publications, 1995, p. 75.

4.   David Cloud, Myths About the King James Bible: Reformation Editors Lacked Sufficient Manuscript Evidence. Way of Life Literature: Oak Harbor WA, 1993, p. 10.

5.   Frederick Scrivener, A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament for the Use of the Biblical Student, ed. Edward Miller, 2 volumes. London: George Bell and Sons, 1894, 2:226, cited by William Grady, Final Authority, Schereville, IN: Grady Publications, 2993, page 113 and David Cloud, Myths About the King James Bible, op. cit., p. 9. Also Frederick Kenyon, Our Bible, page 133, cited in Benjamin Wilkinson, "Our Authorized Version Vindicated," cited by David Otis Fuller, ed. Which Bible? page 225. Maynard says, "A good Catholic would honor the 365 Vaticanus readings collected by J.G. Sepulveda, which agreed with the Vulgate. But Erasmus rejected these (p. 319). How could Erasmus reject Vaticanus readings unless he had them to reject? Maynard says on page 88 that Sepulveda supplied Erasmus with these readings because he was opposed to the manuscripts Erasmus was using to translate and edit his Greek text and was trying to influence Erasmus away from those manuscripts. Erasmus had these B readings to use for his 5th edition but rejected every single reading.

6.   Donald Brake, "The Preservation of the Scriptures," cited in David Otis Fuller, ed. Counterfeit or Genuine? Grand Rapids International Pub., 1975, 1978, p. 203.

7.   Edward Miller, A Guide to the Textual Criticism of the New Testament, Collingswood, NJ: Dean John Burgon Society, 1886, 1979, p. 9.

8.   Kurt and Barbara Aland, The Text of the New Testament, p. 4.

9.   Metzger, The Text of the New Testament, p. 107.

Question #6

1.   Gipp, The Answer Book, p. 151.

2.   Ibid.

3.   Cloud, Myths About the King James Bible: Reformation Editors Lacked Sufficient Manuscript Evidence, p. 12 and Strouse, Tabernacle Baptist Theological Journal, Summer, 1994, Vol. 1, No. 2, p. 7.

4.   Hills, The King James Version Defended, pp. 198-99.

5.   Hills, p. 196 and Encyclopedia Britannica, 1949, "Erasmus, Desiderius" in Vol. 8, p. 678.

Question #7

1.   McClintock and Strong, Cyclopedia of Biblical, Theological and Ecclesiastical Literature, Vol. 3, p. 278.

2.   Ibid. Erasmus was not in the Calvinist branch of the Reformation, but held to the free will of man, over which Luther violently assailed him.

3.   David Cloud, Way of Life Encyclopedia of the Bible and Christianity, Oak Harbor, WA: Way of Life Literature, 1993, p. 137.

4.   T. Robertson, An Introduction to the Textual Criticism of the New Testament, Nashville: Broadman Press, 1925, p. 54.

Question #8

1.   David Cloud, Myths About the King James Bible: Erasmus Was a Humanist, Way of Life Literature, Oak Harbor, WA, 1986, 1993, p. 24.

2.   Hills, The King James Version Defended, p. 196.

3.   DeLamar Jensen, Reformation Europe, Lexington MA: D.C. Heath, 1981.

Question #9

1.   David Beale, A Pictorial History of Our English Bible, Greenville: Bob Jones University Press, 1982, p. 17.

2.   Ibid., p. 65.

3.   Ibid., p. 67

4.   Grady, Final Authority: A Christian's Guide to the King James Bible, p. 131.

5.   John Davies, A History of Wales. London: Penguin Press, 1990, p. 243. The Welsh are believed to be among the earliest national groups to embrace Christianity and may rightly be considered to be Baptistic. As early as 40 or 50 AD, Baptistic Christianity may have been established in Wales. The Welsh have a long and glorious spiritual history. As a result, they would have a good understanding about manuscripts and doctrine. The Welsh Church has accepted the traditional Greek text as the true New Testament text. Davies, echoing the belief of the translators of the value of the Erasmus text, says it was "based upon the most correct texts of the Greek Testament as they were established by the tradition of biblical scholarship initiated by Erasmus in 1516." 

Question #10

1.   Gipp, The Answer Book, p. 151.

2.   Andrew Miller, Miller's Church History, Bible Truth Publishers, 1980, p. 696. 

Question #11

1.   Bainton, Erasmus of Christendom, p. 133.

2.   Durant, The Story of Civilization: Part VI -- The Reformation, p. 285.

3.   Donald Brake, "The Preservation of the Scriptures," cited in David Otis Fuller, ed. Counterfeit or Genuine?, p. 204.

4.   Bainton, p. 133.

5.   Brake, p. 203.

6.   Durant, p. 285.

Question #12

1.   Cloud, Myths About the King James Bible: Reformation Editors Lacked Sufficient Manuscripts Evidence, pp. 4, 5. For Kutilek to say that the work of Westcott and Hort is an improvement over the work of Erasmus, and all those who preceded him in the remnant line of Christianity back to apostolic days, exposes Kutilek for the liberal that he is.

2.   Ibid., pp. 6, 7.

3.   Ibid., p. 8.

4.   Ibid., p. 9.

5.   Ibid., p. 10.

6.   Ibid., p. 11.

7.   Ibid., p. 13.

8.   Ibid.

9.   Sargent, Landmarks of English Bible: Manuscript Evidence, p. 155.

10. Ibid., pp. 155-56.

11. Cloud, Way of Life Encyclopedia of the Bible and Christianity, p. 137.

12. Brake, "The Preservation of the Scriptures," cited in cDavid Otis Fuller, ed. Counterfeit or Genuine? p. 204.

13. Strouse, "The 19th Century Baptists, Bible Translations and Bible Societies." Tabernacle Baptists Theological Journal, Summer, 1994, Vol. 1., No. 2, p. 7.

14. Charles John Ellicott, The Revisers and the Greek Text of the New Testament of the New Testament, by Two Members of the New Testament Company, 1882, pp. 11, 12, cited by Cloud in For Love of the Bible, p. 52. 

Question #13

1.   Edward Hills, Believing Bible Study. Des Moines: Christian Research Press, 1967, pp. 191-93.

2.   Hurst, p. 108.

Question #14

1.   David Harrowar, A Defense of the Trinitarian System. Utica: William Williams, 1922, p. 44.

2.   Ibid., p. 48.

3.   Ibid., p. 36.

4.   James White, The King James Only Controversy, Minneapolis: Bethany House, 1995, pp. 60-61.

5.   Stewart Custer, debate on Westcott-Hort Text vs. Textus Receptus, October 11, 1983 at Marquette Manor Baptist Church, Schaumberg IL, cited by Maynard, p. 325.

6.   Maynard, pp. 302, 325.

7.   Ibid., p. 282, cites Bruce Metzger's book The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption and Restoration.'

8.   Ibid., p. 325.

9.   Ibid., pp. 325-26. The 8 manuscripts are 61, 629, 918, 2318, 88vl, 221vl, 429vl, 636vl. That list came from Metzger (ibid., p. 268)

10. Ibid., p. 326

11. Ibid., p. 89.

Question #15

1. Cited by Sargent, Landmarks of English Bible: Manuscript Evidence, p. 156

Question #16 [See Editor's Note to Question #16]

1.   Gipp, p. 152 and Maynard, p. 86, where he quotes a letter from Erasmus where he professed to have the "highest respect" for the Anabaptists.

2.         Maynard, p. 328.

 







Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ PessoasNosSeculos/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )