Elementos da Natureza (elfos, duendes, sacis, fadas, fantasmas, goblins, etc.)




Habitantes do mundo invisível aos olhos humanos que vivem num mundo e universo próprios, com suas leis, filosofia, objetivos, modo de vida totalmente particular. São como espíritos que possuem ligação direta com os elementos da natureza. Essas criaturas são por isso chamadas de espíritos da natureza uma vez que é nela que vivem estando em contato permanente com a fauna e flora, as quais têm a missão de defender.

Paracelso, alquimista e filósofo suíço foi o primeiro a realizar uma descrição mais apurada desses espíritos. Dizia que eram seres de carne e osso, mas o chamava também de “composta”, afirmando que eles seriam uma espécie de misto entre espírito e matéria. Sua definição de seres elementais, se deriva do princípio de que os quatro elementos da natureza descritos na antiguidade, Terra, Água, Ar e Fogo, possuíam, em verdade, duas naturezas, a física, ou seja a natureza passível de avaliação pelos sentidos, e outra, a espiritual, relativa à essência dos elementos. Assim, por exemplo, afirmar que a salamandra se constitui como sendo o espírito do fogo, significa dizer também que ela é necessária e essencial para sua existência, pois o fogo do mundo físico é estimulado pela existência espiritual do fogo. Se Paracelso acreditava que os elementais movimentavam-se apenas dentro do elemento ao qual pertenciam, privando-se do contato com os habitantes dos demais elementos, tal posição não era aceita por alguns dos estudiosos da época, bem como de épocas seguintes. Para estes, os elementais são seres que, independentemente dos elementos aos quais estão ligados, vivem em total interação uns com os outros não significando contudo, que coexistam pacificamente em perfeita harmonia: entre eles pode ocorrer brigas e desavenças chegando até mesmo ao ponto de se desencadearem guerras.

Além dos gnomos , fadas e fantasmas , que serão tratados separadamente, há muitos outros tipos de seres elementais: goblins, trolls, espíritos das águas, ninfas da floresta ninfas da montanha uldras elfos, duendes, dragões, salamandras, silfos, ninfas, etecétera.

Os elfos são divindades aéreas da mitologia escandinava, outras criaturas do crepúsculo e da noite. Embora sejam seres capazes de voar, são seres originários da terra e das águas. São entidades maléficas, pequenos demônios que provocam pavores da morte, pois atraem os humanos a participarem de suas danças noturnas para, em seguida levá-los ao óbito.

Os goblins são às vezes confundidos com os gnomos e muitas vezes, em inglês a palavra é traduzida como goblin, que designa também “duende” ou “diabrete”. Provavelmente, goblin ou gobelin deriva do vocábulo gob, nome que indica o nome próprio do rei dos gnomos. Os trolls são também denominados ogros. Vivem na Noruega, Suécia, Finlândia, Rússia e Sibéria. Seres primitivos e rudes, associadas ao mal e a atividades pérfidas: são os mais grosseiros do mundo invisível. São incrivelmente feios, absurdamente fortes, seu nariz é muito grande, cheiram mal e além disso ainda têm cauda. Dedicam horas em seu passatempo favorito que é o de ficar remexendo jóias e moedas roubadas, as quais costumam guardar dentro de uma caixa velha e suja. Os dragões são seres gigantescos, que têm forma semelhante a uma serpente, chegando a atingir o tamanho de uma baleia. Possui enormes patas dotadas de garras envenenadas, têm asas, um rabo em forma de arma, e são capazes de exalar fumaça e fogo pela boca e ventas.

São considerados seres malvados e simbolicamente depositários do conhecimento do universo. A salamandra, associada com o fogo é descrita como um lagarto, embora Paracelso as descrevesse como bolas ou línguas de fogo. Os espíritos das águas podem ser as ondinas, que residem em cursos de água como cataratas, lagos e pântanos e as sereias, as nereidas ou oceânidas, que vivem no mar. Os silfos são seres que assumem a aparência humana e vivem no alto das montanhas. Associados ao elemento ar, relacionam-se com a inspiração dos poetas, artistas e todos que lidam com as criações de forma geral. Há ainda os uldras, criaturas subterrâneas que são encontradas apenas na Lapônia. Se assemelham aos gnomos, embora sejam um pouco maiores e um pouco pálidos. Vivem em grandes grupos familiares ou em tribos e exercem enorme autoridade sobre os animais de grande porte, tais como o urso, o lobo, o alce e a rena que os obedecem cegamente. São bastante cordiais e absolutamente cegos quando expostos à luz. Se maltratados pelos humanos, vingam-se provocando desordens e desastres.

Simbolicamente representam o ser invisível dotados da capacidade de tornar visível os objetos invisíveis por intermédio da inspiração intuição, imaginação e sonho. Os Elementais são como a alma oculta das coisas, sejam elas orgânicas ou não, de forma que quando eles se retiram as mesmas coisas morrem ou ficam inertes.


Copiado de http://www.gomorra.hpg.ig.com.br/



(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Seitas/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )