Qual o tipo de línguas em 1Cor 14?

Idiomas humanos, aprendidos e falados por exibicionistas carnais, tentando emular o que era exclusivo dos 83 discípulos, e se encerraria com a Diáspora, em 70 DC.




1) Mesmo que houvesse em 1Cor (escrita por Paulo, em algum ponto entre os anos 52 e 56 DC) a indisputável prova de que todos (ou alguns de) os crentes em Corinto tinham o dom de miraculosa e perfeitamente falarem em idiomas humanos que jamais haviam estudado, isto não implicaria que alguém, hoje, pudesse ter tal dom:

O dom de falar idiomas humanos não aprendidos tinha o propósito expresso de servir de testemunho aos JUDEUS, judeus DESCRENTES,  durante os ÚLTIMOS DIAS, últimos dias não da Igreja mas sim DE ISRAEL (1Cor 14:21-22), e estes dias foram interrompidos no ano 70 DC, quando o General Tito destruiu Jerusalém e todos os judeus fugiram para todos os países do mundo.

 21 ¶ Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a ESTE POVO; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor. 22 De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os INFIÉIS; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis. (1 Coríntios 14:21-22; Conf. Is 28:11)





2) Mas há nada que indique que os crentes de Corinto tinham o dom de falar idiomas humanos que nunca tinham aprendido!




- "Você pode provar isto, Hélio"?
Sim: se os crentes estivessem sendo dominados e controlados pelo Espírito Santo de Deus, como é que precisaram receber tão pesada repreensão e instrução (1Cor 14) para não continuarem fazendo bagunça e confusão???? Em que ponto da Bíblia uma pessoa crente CONTROLADA pelo Espírito Santo de Deus tem que ser vigiada, repreendida, policiada, obrigada a não fazer nada indigno (ou menos que perfeito) enquanto está sob o controle total do Perfeito??? Que louco absurdo isto seria!



- "Hélio, o que eram, então, as 'línguas' que os coríntios falavam?"
Ora, em nenhum local da Bíblia é dito que eram línguas ESTRANHAS isto é, nunca aprendidas (se alguém achar onde é dito, favor me informar. Mas, mesmo assim, prevalece (1) para hoje).

Também nunca é dito que as línguas eram MIRACULOSAS, que eram DONS, que eram dons do ESPÍRITO SANTO (se alguém achar onde é dito, favor me informar. Mas, mesmo assim, prevalece (1) para hoje).


- "Mas que eram, mesmo, estas 'línguas' que os coríntios falavam, Hélio?"

Simplesmente, eram idiomas humanos que haviam sido aprendidos. Elaborando:

a) Alguns crentes nativos de Corinto legitimamente usavam idiomas humanos (que já haviam aprendido) para pregar a um estrangeiro visitando a cidade e que estivesse presenciando o culto da igreja (como se eu, que sei algum inglês, pregasse em inglês a um americano que não soubesse português e estivesse em visita ao Brasil e fosse a um culto da minha igreja). Isto não devia nem deve ser proibido.

b) Alguns crentes visitantes, que não falavam o idioma comum de Corinto, também podiam legitimamente pregar nos seus próprios idiomas e serem traduzidos para o idioma de Corinto (como se um pastor americano, sem saber português, em visita ao Brasil, pregasse em inglês e eu traduzisse para português, para todos entenderem). Isto não devia nem deve ser proibido.

c) Muitos crentes nativos de Corinto, carnais, ameninados, exibicionistas, cobiçosos de IMITAREM os apóstolos, estavam pregando em idiomas estrangeiros, mas o faziam sem nenhuma necessidade (deviam pregar no idioma comum, que todos conheciam), e/ou o faziam sem nenhuma utilidade (não havia quem entendesse, ou não havia quem traduzisse). Às vezes, falavam 2, 3 ou mais desses crentes acriançados, ao mesmo tempo, pura bagunça. (Como se, numa igreja brasileira de 100 pessoas, 98 pessoas só soubessem português, houvesse 1 pessoa que soubesse japonês e 1 pessoa que soubesse chinês, e ambas, por puro exibicionismo carnal, levantassem começassem a pregar bem alto, ao mesmo tempo... Que bagunça ... Que exibicionismo carnal ...)




Post Scriptum:
 

O Teste- Prova- Desafio dos 20 Intérpretes


Há muitos anos solicito uma prova bem simples de todos os pentecostais que querem brigar comigo: "Amigo, certamente você não se recusará fazer um teste extremamente simples, que poderá convencer a mim e a todo o mundo: Basta você fazer a gravação de uma falação de línguas, sua ou de quem você quiser, bastam 15 a 30 minutos de falação, depois me enviar 20 cópias da gravação, que eu, acompanhado de mais de 3 ou 5 testemunhas imparciais, tais como juízes e pastores bem conhecidos e respeitados por mim, visitarei de surpresa 20 "intérpretes de línguas, pentecostais" que não sabem da experiência, e eu gravarei as 20 traduções que eles farão independentemente uns dos outros, que devem ser absolutamente idênticas, e absolutamente de acordo com a Bíblia, pregando contra os demônios, exaltando a divindade e senhorio de Cristo, exortando à salvação do inferno, etc. Depois, você me enviará provas incontestáveis de que não conhecia aquele idioma e que o falou imediata e perfeitamente quando estava visitando uma nação e falando a pessoas que somente conheciam aquele idioma.... Que tal?" Ninguém nunca aceitou este pedido... Nem precisou eu complementar a prova "Ah, quase esqueço, ao final de tudo você me enviará provas incontestáveis de que nasceu como um varão judeu, depois foi salvo e passou a ser um cristão, depois foi chamado por Cristo presente fisicamente, chamado para ser um apóstolo ou discípulo. Deixe-me ver se acerto seu nome: é João que continua vivo até hoje??? Mas quem são os outros milhões de pentecostais?!?!?!...Todos são farsas, só você é João, o apóstolo?  Mas você não me parece ter 2000 anos de idade, ter sido judeu, ter sido João... E agora?"





Hélio de M. Silva, junho 2001.