Trata da Bíblia e o fundamentalismo, aguerrida denúncia combate e separação eclesiástica, de igrejas, erro, apostasia, heresias, últimos dias, neo-evangelicalismo, ecumenismo, interdenominacionalismo.


CRISTIANISMO FUNDAMENTALISTA

 

A BATALHA PELA FÉ

UMA VEZ POR TODAS

ENTREGUE AOS SANTOS

(Jd.3)

UM DISCERNIMENTO ESPIRITUAL CRÍTICO

 

PARA:

q DISTINGUIR ENTRE VERDADE E ERRO

q DISTINGUIR OS INIMIGOS DA CRUZ

q CONHECER AS ARMAS DO INIMIGO

q CONHECER AS ARMAS DA VITÓRIA

q O AMADURECIMENTO ESPIRITUAL

q UM SERVIÇO CRISTÃO FRUTÍFERO

q UM VIVER CRISTÃO ABENÇOADO

 

CRISTIANISMO FUNDAMENTALISTA

PROPÓSITO DESTE ESTUDO:

  • 1. Criar um discernimento espiritual crítico capaz de destinguir entre Verdade e Falsidade, entre Cristianismo Autêntico, Teocêntrico, Vivo e Redentor, e Cristianismo Adulterado, Contextualizado antropocentricamente [tendo o homem e a cultura como o centro e ponto de partida], Mistificado, Ecumenizado e Sincretizado, portanto, falso. E para que, alcançando maturidade na vida, no serviço cristãos, como também, unidade na fé genuína, não se deixem levar por todo o vento de doutrina, pelo contrário, a identifiquem e denunciem. (I Jo.2:21; 4:1-6; Mt. 7:15,21-23; Ef. 4:13-15; 5:11).

    2. Exortar cada crente fiel a Cristo e à Bíblia a"...batalhardes pela fé diligentemente pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos" (Jud.3). A vida cristão não é uma praia de lazer e relaxamento, mas, sim, um campo de batalha em constante tensão com os poderes das trevas, liderado pelo pai da mentira;

    3. Mostrar que a FÉ a ser defendida é todo o conjunto de DOUTRINAS e ENSINOS BÍBLICOS, que é algo COMPLETO E UMA VEZ POR TODAS REVELADO para orientar a caminhada da igreja nesta dispensação antes do arrebatamento. De modo que, não é preciso buscarmos novas doutrinas e revelações via experiências místicas-carismáticas, e nem nos apegarmos a apenas uma parte desta fé. (Gl.1:9,9; Ap.22:18-20)

    4. Mostrar que os perigos contra o verdadeiro evangelho e a igreja produto dele, é o ataque tanto de fora [o perigo externo: o mundo descrente], quanto de dentro [o perigo interno: os falsos mentres e falsos profetas que si dizem "crentes"]. Fica claro pelo estudo da história da igreja, que os mais destrutivos inimigos da fé cristã verdadeira, foram pessoas que surgiram dentro própria das igrejas cristãs (At. 20:28-30; II Tm. 2:15-19)

    5. Mostrar que os VERDADEIROS CRENTES, não são aqueles que em nome da união e comunhão cristã sacrificam doutrinas bíblicas [fazendo separação arbitrária entre o que é relevante e o que não é importante na sã doutrina bíblica]. Os CRENTES VERDADEIROS são semelhantes aos antigos ANABATISTAS, que o historiador eclesiástico EARLE E. CAIRNS diz que eles por causa de sua fidelidade ao que criam: "foram cruelmente vitimados, tanto pelos protestantes como pelos Católicos Romanos. Eles foram forçados a pular para a morte, de penhascos, e foram afogados, queimados e enforcados". Isto, se chama SER COERENTE COM A FÉ, e somente os crentes fiéis podem sê-lo (Hb. 11:36-40).

    6. Mostrar que nem todos que são inimigos da fé cristã fundamentalista, negam as doutrinas fundamentais, alguns chegam a té a ensiná-las, além disso, alguns deles parecem ser crentes sinceros, santos, esforçados no evangelismo, mas que não estão interessados em defender as doutrinas fundamentais da Bíblia, nem estão prontos a se separar dos que negam tais fundamentos. Estes indivíduos, talvez até sejam realmente crentes salvos [só Deus o sabe], porém eles representam, a falta de compromisso com a genuína fé cristã, o afrouxamento nas convicções cristãs, a rendição e deposição de armas diante do inimigo; um incentivo ao crescimento livre da apostasia, pois toda neutralidade no campo da luta contra as artes e artimanhas das hostes do mal, torna-se de fato uma colaboração com o mal. Estes indivíduos "neutros" e que ainda querem dialogar com o mal [os apóstatas], depois de repetidas vezes advertidos devem ser excluídos de nossa comunhão, segundo nos ordena a Bíblia. [Quanto a neutralidade veja: Tg. 5:12; Mt. 5:37; [veja a repreensão de Deus a Josafá por colaborar com o infiel rei de Israel Acabe. II Cron. 19:2]; Esdras 4:1-4 [veja a atitude que crentes fiéis tomam quanto a trabalhos conjuntos com os infiéis: Esdras 4:1-4].

    7. Mostrar que discernir entre verdade e erro, lobo e cordeiro, verdadeiro profeta e falso profeta, mestre verdadeiro, e falso mestre, ensino de Deus e ensino de demônios, não é tarefa fácil, tudo isso pode se apresentar exteriormente de modo muitíssimo semelhante, com uma sutileza satânica tão enganosa, capaz de enganar o mais experiente dos fundamentalistas, que abaixou a guarda e começou a descuidar de sua espiritualidade pessoal. É exigido um constante exercício das faculdades espirituais, em prol do próprio crescimento no conhecimento da Palavra de Deus, numa constante busca de um conhecimento real e pessoal de Deus através de todos os meios que a graça coloca a disposição do cristão, numa percepção crescente do valor supremo e preeminente de Cristo, num despojamento constante do "Eu malvado e egocentrizado", no cultivo incessante da humilde, numa constante atitude de servo, totalmente dependente da vontade de Deus, com o propósito inegociável de fazer tudo para agradar a Deus e glorificá-lo para sempre. Apresentando sempre, frutos dignos de arrependimento, e frutos evidentes de uma vida de labor no reino em prol das almas perdidas, num constante discipular das almas novas convertidas. /ainda, não gastar todo o nosso tempo na luta e descuidar de cultivar a seara do Senhor, que é a razão de estarmos lutando [proteger a semente que vai ser semeada, e ao mesmo tempo semea-la e depois colher os frutos quando surgirem. Somos igualmente responsáveis de defender a igreja e ao mesmo tempo edificá-la. Nos separarmos do mundo e ao mesmo tempo ganhá-lo para Cristo] (Mt.7:15, 21,23; 13:3-8,19-23, 24--30, 36-43; 24:24; II Cor. 11:2-4, 13-15; Apoc. 22:11-12).

  • TESE: O CRISTIANISMO E SEUS FUNDAMENTOS.

    q O Cristianismo é uma religião que se alicerça nos pressupostos da Revelação Bíblica, cujos fundamentos não são apenas coerentes com a verdade e a realidade da vida, mas são a própria verdade, desde que são a própria, autoritativa e indestrutível Palavra de Deus. O Cristianismo como um corpo de verdades fundamentais, tem resistido ao teste da COERÊNCIA COM A REALIDADE, ou seja, quando testado na vida prática se mostra coerente e funcional, e esta prova e aprovação tem sido feita através dos séculos com sucesso. Enquanto que todas os outros sistemas filosóficos e religiosos, conquanto mostrem sofisticados e fantásticos sistemas de idéias e princípios, nenhum deles resistem ao impacto com a simples realidade da vida. Não são coerentes, não funcionam, e nem podem funcionar, por que são feitos a a partir da própria elucidação humana, que não é onisciente e muito menos infalível, como o é a Bíblia Sagrada.

    q O Cristianismo Bíblico difere de tudo o mais , porque é mais que um conceito ou filosofia, de fato, como já disse Francis schaeffer, é a "relação pessoal com o Deus pessoal que existe... relação esta baseada na comunicação escrita e proposicional de Deus para os homens e no trabalho completo de Jesus Cristo na história espaço-temporal". A genuína experiência de conversão a Cristo difere de todas as outras conversões religiosas, porque é infinitamente mais que a compreensão e adoção de um sistema religioso ou ideologia filosófica, e muito mais que uma experiência mística inexplicável, ainda citando Schaeffer, é "uma experiência final, porém pode ser verbalizada e é de tal natureza que pode ser discutida racionalmente" (Francis A. Schaeffer "O Deus que Intervém" pg.27).

    q O Cristianismo como um sistema de crenças é baseado nos pressupostos do teísmo cristão, ou seja, baseado em conceitos que têm de ser admitidos antes de se começar qualquer discussão. Eis estes pressupostos, são os verdadeiros fundamentos da verdadeira religião, e que distingue o Cristianismo de tudo o mais. A metodologia do Cristianismo é presuposional. Começa com o Deus da Bíblia.

    FUNDAMENTOS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO SECULAR

    QUE CRIARAM A FILOSOFIA EXISTENCIALISTA

    QUE POR SUA VEZ RESULTOU

    EM RELATIVISMO PRAGMÁTICO

    Diz-se que a investigação para se chegar a verdade não pode partir de preconceitos ou pressupostos, ou seja, não se deve partir de nenhuma fonte de autoridade fora da experiência do próprio homem. Isto implica que se deve tentar achar Deus e chegar a verdade religiosa, sem se basear em nada a não ser nos resultados da própria investigação que fez, com os dados conseguidos e interpretados pela mente humana [teologia natural em contraste com a teologia revelacional]. Alguns filósofos, "teólogos" e cientistas tentaram em vão defender tal teoria da Verdade e do Conhecimento. Meu professor de teologia no Seminário Batista do Cariri, gostava de dizer que: "ninguém pensa num vácuo", ou seja, não se pode desenvolver uma idéia a partir do nada. Tudo que um ser inteligente pensa está baseado em algum pressuposto, alguma coisa lhe provocou e deu base para tal pensamento, mesmo que seja uma coisa fictícia. Portanto, é desonesta a firmação do pensar não pressuposicional.

    Aqueles que dizem que começam seu sistema de pensamento do nada, na realidade estão começando seu pensamento a partir de si mesmos, ou seja, a partir do homem. E o que acontece, quando uma filosofia ou teologia começa seu sistema ideológico a partir do humanismo ? O Gráfico a seguir mostrará o que aconteceu com o conceito de verdade na filosofia, teologia, artes e cultural em geral depois que o homem fracassou em tentar explicar o universo e tudo que está implicado nele, partindo do homem, e de um universo fechado, onde não há lugar para o Deus da Bíblia:

    COMEÇANDO A PARTIR DO HOMEM [HUMANISMO]

    q É importante entender como e quando isto aconteceu, pois a filosofia existencialista, ao abandonar o conceito de verdades absolutas com resultados certos de causa e efeito e adotar um conceito de verdades relativas [Relativismo Pragmático], destruiu os próprios fundamentos da verdade, inclusive os fundamentos do cristianismo, para os que adotam esta filosofia. Esta tragédia [a última grande cartada de Satanás] afetou todas as áreas do conhecimento humano, não só na filosofia, mais inclusive e principalmente a teologia, pois não tardou muito e alguns teólogos tentaram o casamento entre a teologia e a filosofia existencialista, o resultado é a teologia existencialista, não mais baseada nos fundamentos de verdades absolutas do cristianismo, mas numa contextualização filosofica-cultural-existêncial onde tudo é relativo.

    q Francis Schaeffer [um dos teólogos fundamentalistas que muito tem influenciado o movimento fundamentalista] tem alertado aos cristão para esta terrível mudança de metodologia e conceituação da verdade. Ele fala que houve um hiato entre o tempo em que até os descrentes agiam como se existissem verdades absolutas, e o tempo em que o homem perdeu totalmente essa crença, e mergulhou num desespero profundo, pois já não havia certeza de nada, apenas o que sobrou foi a sua própria existência, daí, o nome "existencialismo". A única coisa que lhe sobrou era o fato que, ele próprio, estava ali, existia, e tinha de encontrar uma maneira de autenticar aquela existência. Como não podia fazer isto racionalmente, porque abandonou o processo racional de verdades absolutas e de causa e efeito, tenta através do que Kierkegaard chamou de "um salto de fé", ou seja, experimentar através de uma experiência mística não racional algo lhe dê motivos para continuar existindo.

    Escutemos o Schaeffer tem a dizer sobre isso:

    " ...Quais eram estas pressuposições? A básica era que na realidade existem coisas tais como absolutos. Aceitavam a possibilidade de um absoluto na área do Ser (ou conhecimento) e na área da Moral. Por isso, porque aceitavam a possibilidades de absolutos, ainda que pudessem discordar no que estes fossem, poderiam contudo argumentar entre si na base clássica da antítese . Assim, se algo era verdade, o contrário era falso. Na moralidade, se algo era verdade, o contrário era errado. Este é o primeiro passo na lógica clássica: Se A é certo, então não-A é falso. Se você entende até que ponto isso não tem mais influência, você entenderá a nossa situação atual... A mudança foi tremenda. Há trinta ou mais anos atrás, você poderia dizer coisas como Isto é verdade ou Isto é certo e estaria sintonizado com todos."

    * Não que todos concordassem com o que você achava ser a verdade, mais que era possível se chegar a verdade, e o que você dizia, tinha chance de ser verdade. Porém, depois da criação da filosofia existencialista, a sociedade moderna, perdeu a esperança na existência de uma verdade que é sempre verdade em todas as circunstâncias. Se tentar dizer que você tem a verdade, ela entende que você conhece algo que funciona naquele momento para você somente, e isso autentica sua existência, mas que não serve pra todo mundo. Analisando esta situação Schaeffer diz a seguir:

    " A tragédia da nossa situação hoje é que homens e mulheres estão sendo fundamentalmente afetados por esta nova maneira de encarar a verdade e, contudo, nunca sequer analisaram o desvio ocorrido. Os jovens nos lares cristãos são educados dentro da velha estrutura da verdade e depois são submetidos à estrutura moderna. Com o tempo ficam confusos porque não conseguem compreender as alternativas que lhe estão sendo apresentadas. A confusão se transforma em perplexidade e em pouco tempo estão completamente subjugados [pelo relativismo pragmático]. Isto infelizmente é a verdade não só para os jovens, mas também para muitos pastores, educadores cristãos e mesmo missionários. Assim, esta mudança no conceito de como chegamos ao conhecimento da verdade é o problema mais crucial, conforme entendo, que o Cristianismo enfrenta atualmente". (Do livro: "O Deus que Intervém", Pg. 13,14).

    * Francis Schaeffer tem razão ao dizer que esta é a questão mais importante que o Cristianismo enfrenta atualmente, pois sem esta filosofia existencialista, os teólogos liberais modernos não teriam como implantar suas teologias liberais que destroem os fundamentos do Cristianismo sem serem imediatamente identificados como hereges. Mas como o conceito de verdade ficou relativizado, tudo depende do contexto socil-cultural-humanístico, eles podem deformar e descaracterizar o cristianismo impunemente sem serem identificados como verdadeiros destruidores da sã doutrina e do verdadeiro Cristianismo.

    q RESULTADOS DA TEOLOGIA EXISTENCIALISTA E DE SEU RELATIVISMO PRAGMÁTICO

    1. DESESPERO Quanto a Possibilidade de se Encontrar Verdades Absolutas.
    2. * O homem moderno, teve seu nascimento provocado pelo surgimento da filosofia existencialista, que lhe roubou toda a certeza em relação as verdades absolutas, tirando-lhe toda a ESPERANÇA de encontrar um sentido lógico para a sua vida.

      * Seguindo este raciocínio: Se não há VERDADES ABSOLUTAS (verdades que sempre são verdades e não mudam nunca), então, raciocinaram os teólogos existencialistas, nem as verdades da Bíblia, são absolutas, mas são relativas, logo, também não podem ser a Palavra de Deus.

    3. Resultado deste Desespero: Grande Preconceito Contra DOUTRINA.

    - Se não há verdades absolutas, e doutrina é baseada em tais verdades, então pra que se aferrar a doutrinas dogmáticas? Chegam até a chamar de "neurótico" quem ensina e defende com convicção. - Este é o raciocínio do teólogo modernista, liberal e neo-evangélico.

    * Vejamos as seguintes citações que comprovam isto:

  • H.C.THIESSEN - "Até recentemente, a Teologia era considerada como a rainha das ciências e a Teologia Sistemática como a coroa da rainha. Mas hoje em dia a maior parte dos chamados estudos teológicos nega a idéia de que ela seja uma ciência [ciência aqui é igual as verdades absolutas], e ainda mais que possa ser a rainha das ciências... ...É a duvida dos dias de hoje quanto a podermos chegar a qualquer conclusão neste campo, que possa ser considerada como certa e final. Influenciada pela filosofia corrente de pragmatismo, o teólogo moderno começa com o dictum de que em teologia, como em todos outros campos da pesquisa, a crença nunca deve ir além do mero estabelecimento de uma premissa básica; nunca deve ser enunciada como algo considerado fixo e final.". (Palestras em Teologia Sistemática, Pg. 4)

    JAMES ORR - "Todos devem estar cientes de que há nos dias de hoje um grande preconceito contra doutrina - ou, como é muitas vezes chamada - "dogma" - na religião; uma grande desconfiança a e aversão ao pensamento claro e sistemático a respeito das coisas divinas. Os homens preferem, não se pode deixar de notar, viver em uma região de nebulosidade e indefinição com relação a esses assuntos. Querem que seu pensamento seja fluido e indefinido - algo que possa ser muda com os tempos, e com as novas luzes que eles acham estarem constantemente aparecendo para iluminá-los, continuamente adquirindo novas formas e deixando o que é velho para trás". (idém, pg. 4).

  • 3. Rejeição da BÍBLIA como Inerrante, Infalível e Suficiente Palavra de Deus.

  • * Raciocínio da Teologia Existencialista: Se não há verdades absolutas, o que torna impossível a definição de doutrinas dogmáticas, logo, o conteúdo da Bíblia, não pode ser infalível nem inerrante.
  • H.C. TIESSEN - "...Tendo rejeitado a Bíblia como a infalível Palavra de Deus e tendo aceitado a idéia de que tudo está fluindo, o teólogo moderno afirma que não é seguro quaisquer idéias permanentes a respeito de Deus e da verdade teológica. Se ele fizer isto hoje, amanhã pode ser obrigado a mudar sua opinião. Por isso, escritores modernos raramente expressam qualquer certeza com respeito a qualquer idéia que não sejam das mais gerais em teologia." (idém, Pg. 5).

    4. CONTEXTUALIZAÇÃO EXISTENCIALISTA QUE ADULTERA O VERDADEIRO CONTEÚDO DA BÍBLIA E FRAGMENTA A TEOLOGIA BÍBLICA NUMA TORRE DE BABEL, ONDE CADA NOVA TEOLOGIA CONTEXTUALIZADA TEM SEUS DISCURSOS E LINGUAGEM PRÓPRIA, GERANDO GRANDE CONFUSÃO.

    * Levando o pensamento existencialista as suas conseqüências lógicas: Se não há verdades absolutas, e não é possível definir doutrina dogmática, o que implica que a Bíblia não é inerrante, ou seja, tem um conteúdo baseado em um contexto social-cultural muito antigo, atrasado tecnologicamente, com mitos, com normas e preceitos que se aplicavam bem àquelas sociedades provincianas dos tempos bíblicos, logo se queremos que a Bíblia tenha alguma valor pra modernidade e fale ao homem moderno, temos de criar uma teologia para cada cultura, para cada contexto, onde nem um ensino é absoluto, mas tudo é relativo, variando conforme o contexto socio-cultural. Isto é o que o Apocalipse chama de "MISTÉRIO: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA", Pois o sentido, teológico da palavra Babilônia é exatamente, "mistura" e "confusão" religiosa. (Apoc. 17:5). Percebemos como todas estas coisas conduzem a formação da Grande Igreja Ecumênica do Fim.

    5. A TEOLOGIA EXISTENCIALISTA, AINDA CRIOU A POSSIBILIDADE DE UM ECUMENISMO MUNDIAL SUPER ABRANGENTE E SUPER-INCLUSIVO.

    *Levando então as últimas conseqüências o pensamento existencialista nós temos o seguinte: Se não há verdades absolutas, não é possível definir uma doutrina dogmática, por sua vez a bíblia é falível, seus ensinos para ter alguma validade têm de ser contextualiazados conforme e a partir de cada cultura, logo, nenhuma igreja tem um cristianismo que possa se apegar como definitivo, ou seja, não há nada que impeça que todos se juntem e com suas teologias fragmentadas possam tentar construir uma cocha de retalhos teológica que produza um discurso que dê relevância a atividade religiosa do Cristianismo nos tempos modernos.

    6. O ÚLTIMO RESULTADO, CONSEQÜÊNCIA DO ANTERIOR É A POSSIBILIDADE ATUAL DA CRIAÇÃO DA IGREJA GLOBALIZADA DO ANTICRISTO.

    * Todas os setores da humanidade partem para um globalização cada vez mais crescente. A globalização não é apenas Politica-Ecônomica-Cultural-Filosofica, mas também Religiosa. O mundo anseia pela unificação de todos os países, economias, culturas e religiões, sob a administração de um sistema que controlem todas as coisas (Apoc. 13:7,8, 11-18).

  • FUNDAMENTALISMO

    q "Movimento surgido nos Estados Unidos durante e imediatamente após a 1ª Guerra Mundial, a fim de reafirmar o Cristianismo protestante ortodoxo e de defendê-lo contra os desafios da TEOLOGIA LIBERAL, DA ALTA-CRÍTICA ALEMÃ,, DO DARWINISMO, e de outros pensamentos considerados danosos para o Cristianismo norte-americano. A partir de então, o enfoque do movimento, o significado do termo e as fileiras dos que se dispõem a usar o termo como identificação mudaram várias vezes. O fundamentalismo, até ao tempo presente, já passou por quatro fases de expressão, embora mantenha uma continuidade essência de espírito, crença e método." [Enciclopédia histórico Teológica, Vol.II, Pg. 187, C. T. McINTIRE]. Veremos as 4 fases históricas:

    1ª Fase do Fundamentalismo. Durante a Década de 1920

    * " O termo "FUNDAMENTALISTA", talvez tenha sido usado pela primeira vez em 1920, por Curtis Lee Laws, no jornal batista Watchman-Examiner, mas parecia surgir em todos os lugares no começo da década de 1920, como identificação de alguém que acreditasse nos fundamentos da fé e os defendesse ativamente".

    * "A fase inicial envolveu a articulação daquilo que era fundamental ao cristianismo e o início de uma batalha urgente para expulsar das fileiras das igrejas os inimigos do protestantismo ortodoxo. A série de doze volumes chamada THE FUNDAMENTALS ("Os Fundamentos "- 1910-1915)forneceu uma lista ampla dos inimigos - o romanismo, o socialismo, a filosofia moderna, o ateísmo, o eddyismo, o mormonismo, o espiritismo e outros semelhantes, mas acima de tudo, a teologia liberal, que se baseava numa interpretação naturalista das doutrinas da fé, a alta crítica alemã e o darwinismo. ...Os escritores dos artigos provinham de um grupo amplo...As doutrinas que definiam e defendiam abrangiam toda a gama dos ensinos cristãos tradicionais. Apresentavam suas críticas com eqüidade, argumento cuidadosos e devido apreço por muitas coisas que seus oponentes diziam" (idém, pg. 187)

    * Várias tentativas foram feitas para determinar quais eram os FUNDAMENTOS INEGOCIÁVEIS DO CRISTIANISMO. "Quase que imediatamente, no entanto a lista de inimigos tornou-se mais estreita, e os fundamentos, menos abrangentes. Os defensores do fundamentos da fé começavam a organizar-se fora das igrejas e dentro das denominações."

  • [1] A Inerrancia das Escrituras; [2] O nascimento Virginal de Cristo; [3] Sua Expiação Vicária; [4] Sua Ressurreição Corpórea; e [5] A Historicidade dos Milagres.
  • --> Daí tiramos uma grande lição: A tolerância com os apostatas, eqüivale a dar tempo ao inimigo fermentar toda massa, tornando-a imprestável. Ainda, nos adverte, quanto a esses cursos de pós-graduação em universidades apóstatas. Poucos têm a estrutura para não se deixar contaminar pelo ambiente infectado dos modernistas. O mesmo podemos dizer destes congressos para pastores e líderes promovidos pelos liberais, igualmente estão infectados pela metodologia relativista da verdade .(Mt.16:6,12; I Cor.5:6-9; Gl.5:7-9).
  • 2ª Fase do Fundamentalismo. Fim da Década de 1920 até o início dos anos 40.

    - "Durante este período, a lição teólogica distintiva que os fundamentalistas ensinavam era que representavam o cristianismo verdadeiro, baseado numa interpretação literal da Bíblia, e que essa verdade devia ser expressa concretamente de modo organizacional, separada de qualquer associação com liberais e modernistas.

    3ª Fase do Fundamentalismo. Início da Década de 1940 até a Década de 1970.

    - "A partir do início da década de 1940, os fundamentalistas...dividiram-se , paulatinamente em dois arraiais."

    1º Grupo de Fundamentalistas: Os genuínos fundamentalistas.

    Continuavam a se chamar "fundamentalistas", equiparando-o com o verdadeiro cristianismo fiel a Bíblia. Em 1941, este grupo fundou o Conselho Americano de Igrejas Cristãs. Este Conselho de Igrejas, junto com outras igrejas fundamentalistas não incluídas em nenhum dos dois grupos foi que deram continuidade ao genuíno movimento fundamentalista. O termo "funtamentalista" era usado com orgulho por várias escolas, tais como a Universidade Bob Jones, O instituto Bíblico Moody e o Seminário Teológico de Dallas, e por centenas de evangelistas e pregadores de rádios. Além de aderir a doutrinas tradicinais da Escritura e de Cristo. Promoviam a evangelização, reavivamentos, missões e uma moralidade pessoal contra o fumo, a bebida, o teatro, o cinema e o jogo de baralho. Eram militantes contra a apostasia na igreja, contra o comunismo, contra os vícios pessoais. Tendiam a opor-se ao ecumenismo do evangelista Billy Graham, a não lerem o jornal Cristianity Today ("O Cristianismo Hoje" ). Não apoiavam a Faculdade Wheaton nem o Seminário Teológico Fuller (Que atualmente é um dos maiores promotores do Movimento de Crescimento da Igreja, baseado em sinais, milagres e prodígios carismáticos-pentecostais, movimento encabeçado pelo Dr. Donadl A. McGravran, pelo professor C. Peter Wagner e da Coreia do Sul pelo Pr. Paul-Davi Yang Cho).

    O CONSELHO INTERNACIONAL DE IGREJA CRISTÃS-CIIC (1948) procurou dar ao termo aceitação mundial, em oposição CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS -CMI [O CMI é órgão internacional promotor do ecumenismo mundial, de fato, o CMI pode ser considerado um antro de apóstatas, e se parece demais, com a grande prostituta do apocalipse, a grande igreja apostata do fim". Ap 18.

    2º Grupo de Fundamentalistas: Os aparentemente fundamentalistas.

    Deixaram o nome "fundamentalista", por achar que a palavra dava idéia de "divisor", "intolerante", "anti-intelectual", "despreocupado com os problemas sociais" e até mesmo "tolo" e passaram a ser chamados de "evangelical" ou "neo-evangelical" . Isto aconteceu por que este segundo grupo começou paulatinamente a afrouxar e finalmente a abandonar a doutrina bíblica da separação eclesiástica. Que abandonar a doutrina da separação eclesiástica tende a se tornar progressivamente ecumênico e liberal em doutrina, e foi isto que aconteceu como os "neo-evagélicos" . Em 1942, este 2º grupo funda Associação Nacional de Evangelicais. Esta divisão no fundamentalismo persiste até hoje, pois ainda há muitos que dizem estar sobre os fundamentos da fé cristã, num entanto, na pratica, a sua incoerência fica estabelecida.

    4ª Fase do Fundamentalismo. Fins da Década de 1970 até a Década de 1980.

    - Nesta fase os fundamentalista "Destacaram-se nacionalmente (Nos E.U.A), por oferecerem uma resposta àquilo que muitos consideravam uma suprema crise social, econômica, moral e religiosa nos Estados Unidos. Identificavam um novo inimigo , mais disfuso: O HUMANISMO SECULAR que...era o responsável por subverter escolas, universidades, o governo e, acima de tudo, as famílias. Lutaram contra todos os inimigos que considerassem rebentos do humanismo secular - o evolucionismo, o liberalismo político e teológico, a moralidade pessoal frouxa, a perversão sexual, o socialismo, o comunismo e qualquer diminuição da autoridade absoluta e inerrante da Bíblia. Conclamaram os norte-americanos a voltarem aos fundamentos da fé e aos valores morais fundamentais dos Estados Unidos. Na liderança desta fase, encontrava-se uma nova geração de fundamentalistas que usavam a televisão e a palavra impressa, principalmente Jerry Falwell, Tim La Haye, Hal Lindseu ... A base deles era Batista e sulina, mas alcançaram todas as denominações".

    - Em 1976 num Congresso Mundial de Fundamentalistas, o termo "fundamentalista "foi assim definido como " "alguém que adere ao seguinte:

    1. Manter um fidelidade incondicional à bíblia inerrante, infalível e verbalmente inspirada;

    2. Acreditar que o que a Bíblia diz é verdade [e verdade absoluta, que é verdade sempre, em todo lugar];

    3. Julgar todas as coisas pelo Bíblia e ser julgado unicamente pela Bíblia;

    4. Afirmar as verdades fundamentais da Fé Cristã histórica: a doutrina da trindade; a encarnação, o nascimento virginal, o sacrifício expiatório, a ressurreição física, a ascensão ao céu, e a Segunda Vinda do Senhor Jesus Cristo; o Novo nascimento mediante a regeneração do espírito Santo; a ressurreição dos santos para a vida eterna; a ressurreição dos ímpios para o juízo final e morte eterna; a comunhão dos santos, que são o corpo de Cristo.

    5. Praticar a Fidelidade à Fé e procurar anunciá-la a toda criatura;

    6. Denunciar e se separar de toda negativa eclesiástica dessa Fé, compromisso com o erro, e apostasia da Fé; e

    7. Lutar firmemente pelo Fé que foi uma vez concedida.

    Portanto, Fundamentalismo é ortodoxia militante que se enche de zelo pela conquista de almas."

    John E. Ashbrook - "Fundamentalismo é a crença militante e a proclamação das doutrinas básicas do cristianismo, que levam à separação bíblica daqueles que as rejeitam. Há três chaves para definição: [1] "CRENÇA MILITANTE - As doutrinas básicas são sustentadas com convicção de fé; [2] "PROCLAMAÇÃO Não somente crê-se nestas doutrinas, mas são ensinadas e pregadas aos perdidos; [3] "SEPARAÇÃO - Não se pode denominar alguém um fundamentalista até que este pratique a separação onde necessário" ( "Axiomas da Separação" Pg. 14).

    Um dos inimigos atuais do FUNDAMENTALISMO é o NEO-EVANGELICALISMO. Vejamos o seu conceito:

  • * Citação de John E. Ashbrook - "Axiomas da Separação" Pg.14-15

    - Dr. Harold John Ockenga [Neo-evangélico] que criou o termo NEO-EVANGELICALISMO assim o definiu: "O neo-evangelicalismo surgiu em 1948... [como] um repudio do separatismo e às convocações ao envolvimento social, pois divergia do fundamentalismo no repúdio á separação e na determinação em comprometer-se com o diálogo teológico atual".

    * 3 Pontos acima mostram a diferença entre Fundametalismo e Neo-Evangelicalismo: (Comentário de Asbrook)

    [1] Repudia o separatismo; sendo esta a sua premissa mais fundamental;

    [2] Convoca ao envolvimento social; o que nos leva de volta ao evangelho social modernista.

    [3] Expressa determinação em comprometer-se como o diálogo teológico atual .

    * Citamos a seguir, partes do estudo "Os perigos do Neo-Evangelismo do Professor J.B.William:

    " O surgimento do Comprometimento - O Neo-Evangelismo. Ironicamente, o Neo-Evangelismo começou como resultado desta perda. É um movimento para acomodar o humanismo com o liberalismo. O evangelismo das massas do Fundamentalismo perdeu a atração das massas. O Neo-Evangelismo, juntando-se em um esforço evangelístico com os liberais e os católicos, descobriu que a freqüência melhorou grandemente. Uma vez que não se enfatizava todo o conselho de Deus e considerando que o liberalismo era tolerado, resultou um grande número de "profissões de fé". Os convertidos eram encorajados a retornar às suas igrejas apóstatas ou a se juntarem a qualquer igreja de sua escolha [método usado nas campanhas de Billy Graham, Luis Palau, no Brasil vemos alguns afamados pregadores tipo Caio Fabio].. Do evangelismo inclusivo, o Neo-Evangelismo passou para os seminários, para os púlpitos, para as juntas de missões e outras organizações . ... Os perigos do Neo-Evangelismo [ou Neo-Evangelicalismo]: [1] Tornar o "amor cristão" mais importante do que a sã doutrina como base para comunhão cristã, leva ao desastre...Sem a sã doutrina não há amor cristã (I Jo 5:2,3; [2] A constante reconsideração, reinvestigação e a "mente aberta" para com os fundamentos da fé, inclusive a inerrância das escrituras, leva a deterioração da fé...; [3] Torcer as Escrituras em um esforço de acomodar as chamadas descobertas e cientificas, inclusive a evolução, é intelectualmente desonesto... [4] Pregar apenas uma assim chamada "mensagem positiva" (geralmente expressa pela declaração "Deus me chamou para ganhar almas, não para criticar os outros") é ignorar o fato de que estamos batalhando pela fé (Jd.3); [5] Preferir a comunhão com os apóstatas em lugar dos fundamentalistas confunde as linhas de batalha. Dá impressão que a apostasia deve ser aceita como bíblica... [6] Torna a igreja cada vez mais um instrumento de alterações sociais através de programas de interesse humanitário é perder completamente o conceito bíblico do homem perdido e a responsabilidade da grande comissão; [7] Considerar a oposição à apostasia uma coisa inaceitável porque é "cismática" é errar o alvo completamente e cheira a covardia; [8] Permitir a possibilidade dos dons-sinais, línguas, cura, etc. - neste período da igreja pode dar vantagem junto aos carismáticos, mas leva a um grande engano dos crentes ingênuos e incultos e canaliza os fundos para a extorsão religiosa.

    " A sobrevivência do Cristianismo histórico será por causa dos seus defensores e não dos seus defensores e não por causa dos que fazem concessões. Depois de 30 anos, o Neo-evangelismo é um fracaso; não atingiu o alvo pretendido [que era dialogar com os totalmente liberais, para trazê-los para um cristianismo mas conservador]. Não há indicação de um retorno à fé Bíblica histórica por parte dos liberais. A Neo-Ortodoxia continua usando a linguagem conservadora para com a incredulidade liberal. A criação de novas palavras para descrever a mesma incredulidade, entretanto não a torna bíblica. Dentro do grupo de Neo-Evangélicos tem aparecido um grupo radical que apoia o movimento da libertação feminina, ordenação de mulheres para o ministério cristão e advogando a aceitação de homossexuais dentro da igreja. O Neo-Evangelismo, no seu estágio de afastamento da fé histórica, vai, dentro de uma geração, diferir do liberalismo apenas no nome

    " Do lado positivo, os fundamentalistas militantes não podem ceder terreno à chamada ciência, filosofia ou intelectualismo, onde houver conflito com a Palavra de Deus. Como também os fundamentalistas não vão considerar a Bíblia numa estrutura humanística para determinar a verdade. O Fundamentalismo não usa a ciência e a arqueologia para "provar" que a Bíblia é a Palavra de Deus. Ninguém tem esta prerrogativa. A Bíblia é a Palavra de Deus apesar da "falsamente chamada ciência" (deve referir-se aqui a teoria da evolução, que é ensinada não como teoria, mais como ciência) [Este estudo saiu originalmente em Janeiro de 1991, no "FAIT FOR THE FAMILY, e em junho de 1982, no jornal o "Presbiteriano Bíblico"].

  • 1º Grupo -> OS FUNDAMENTALISTAS [Ortodoxia clara e assumida]- Que vivem, ensinam e defendem os fundamentos história cos, tendo como principal distintivo a Separação de todos os infiéis a esses fundamentos;

    2º Grupo -> O NEO-EVANGÉLICOS [apostasia incipiente e não assumida]- Que, ainda se dizem conservadores em relação aos fundamentos da fé, mais repudiando a doutrina Bíblica da Separação, promovem o ecumenismo e o comprometimento com a apostasia declarada e assumida pelos liberais. Os Neo-evangélico, fazem parte daquela turma de chamados "evangélicos" que querem contextualizar a doutrina Bíblica para que haja crescimento da igreja. Para isto, usam música e ritmos que caracterizam o mundo, até fazer shows de rock com toda a parafernália do mundo do rock, são frouxos não só na separação eclesiástica, como também na separação do mundo: De fato, sua contextualização é uma mundanização da igreja. As coisas que eram chamadas de "mundanismo" tais como, crente vestir a roupa lasciva e erotizante do mundo, crente ir a cinema, teatro, circo, ou lugar de diversão característico dos descrente, crente tomar bebida alcóolica, seja champanhe, vinho ou cerveja, divorcio facilitado... Tudo isto é natural nas igrejas que adotam o Neo-Evangelismo.

    3º Grupo -> OS LIBERAIS [apostasia plenamente desenvolvida e assumida] - O liberalismo em sua apostasia nega a validade de quase todos os fundamentos da fé, como a Inerrancia das Escrituras, A Divindade de Cristo, A necessidade da morte expiatória de Cristo, assim como negam seu nascimento virginal, e sua ressurreição, chegam até a negar que existiu realmente o Jesus narrado das Escrituras. A doutrina escatológica. São universalistas (todos mundo vai ser salvo um dia, Deus vai dar um jeito até na situação do Diabo), logo, para eles não existe inferno, o conceito de pecado não existe. O liberalismo é um sistema racionalista, que só aceita o que pode ser "provado" cientificamente pelo próprios conhecimentos falíveis, fragmentados e limitados do homem.

    Na realidade se seguirmos uma ordem cronológica, o LIBERALISMO TEOLÓGICO apareceu primeiro, como reação a ele os fieis a sã doutrina, iniciaram o movimento FUNDAMENTALISTA, depois, em reação ao FUNDAMENTALISMO, surgiu o NEO-EVANGELISMO, que enganosamente diz estar em uma posição de neutralidade entre o Fundamentalismo e o Liberalismo. Não realidade o Neo-Evangelismo ou Neo-Evangeliscalimo é um Liberalismo mais sutil e enganoso.

    A CONSTEXTUALIZAÇÃO CULTURAL DA TEOLOGIA E O FUNDAMENTALISMO

  • *DEFINIÇÃO DE NECESSÁRIA DE TERMOS:

    q CULTURA HUMANA-> "é sempre um processo dinâmico para o enredo da vida. Reúne as tradições do passado, corresponde e se acomoda à modernidade de uma sociedade tecnológica e cada vez mais urbana, e está em interação constante com os principados e potestades supraculturais. ...Cada geração aprende de novo e formula sua própria cultura. Há, portanto , um grau considerável de flexibilidade e relatividade no centro focal da cultura humana"[Bruce J. Nicholls em "Constextualização: uma Teologia do Evangelho e Cultura" Pg.42,43]

    q CULTURAL -> Relativo a Cultura humana, o algo ligado a Cultura deste lado de cá do mundo natural em contraste com o mundo sobrenatural.

    q SUPRA-CULTURAL -> Relativo a coisas, seres e fatos do mundo sobrenatural, ou seja, que influênciam a cultural, mas estão acima e além dela, e de uma percepção e explicação cultural. Por exemplo a influência dos demônios.

    q TRANS-CULTURAL-> Termo missionário relativo a comunicação entre duas culturas diferentes.

    q TEOLOGIA BÍBLICA DOGMÁTICA -> Teologia baseada nos fundamentos bíblicos, tendo-os como verdades absolutas e eternas.

    q TEOLOGIA CONTEXTUALIZADA -> No julgamento de Bruce J. Nicholls: "A teologia constextualizada de modo distinto da teologia bíblica dogmática, é sempre relativa". Bruce acrescenta um aspecto importante da contextualização. Qual deve ser o ponto de partida da contextualização ? Pparte-se o evangelho para a cultura, ou da cultura para o evangelho? Examinemos estes aspectos:

    [1º] O RELATIVISMO DA TEOLOGIA CONTEXTUALIZADA.

    A teologia constextualizada é sempre relativa , pois segundo este mesmo autor o centro focal da cultura é a flexibilidade e a relatividade . Aqui está em jogo algo mais profundo do que a cultura, mais o próprio conceito de VERDADE, e a própria natureza do EVANGELHO, se são semelhantes a cultura, algo cuja flexibilidade e relativismo mudam conforme o contexto onde está inserido, ou se a verdade e o evangelho como expressão desta verdade é algo absoluto e permanente como vemos em JUDAS capítulo três: "uma fé uma vez por todos entregue aos santos"

    [2º] O PONTO DE PARTIDA DA TEOLOGIA CONTEXTUALIZADA . PODE GERAR DUAS TRAGÉDIAS PARA O CRISTIANISMO:

    a) Transformá-lo em "RELIGIÃO NATURAL" baseada na "TEOLOGIA NATURAL";

    -Esse perigo é visto na seguinte citação: "...Com o enfraquecimento da certeza do conhecimento do conteúdo da fé cristã [isto devido as teologias liberais que põem em duvida a autoridade da Palavra de Deus], muitos teólogos e comunicadores estão fazendo, na prática, com que o contexto cultural seja o ponto de partida. Este é o caminho da "teologia natural", e leva a um beco sem saída. Mas conforme tem demonstrado a história da teologia natural desde Tomás de Aquino até ao tempo presente, não é possível fazer um salto do Deus dos filósofos para o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, que é o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo". [Bruce J. Nicholls]

    *É isto que vem sendo tentado, com fracasso absoluto, desde o tempos dos apóstolos aos teólogos e comunicadores modernistas de hoje, eles querem, comunicar o evangelho e ser igreja, partindo dos conceitos de filosofias da moda, então, tentam contextualizar, encaixar e adaptar o evangelho àquele contexto cultural-filosofico-político-religioso, produzindo um "outro evangelho", completamente distante da simplicidade do evangelho apostólico. O produto ou resultado da constextualização a partir da cultura e filosofias humanas é sempre um evangelho sofisticado, desfigurado, reduzido na sua excelência. Um "outro evangelho" que inclusive pode produzir resultados, para o crescimento do rol de membros da igreja, porém é um resultado questionável, pois engana e ludibria milhares de almas com um evangelho descentralizado de Cristo e do fundamento de sua Palavra e centralizado no homem e suas vás filosofias. Daí fazemos, a pertinente pergunta: pode semelhante evangelho salvar? Ou é um instrumento de Satanás para manter os perdidos descuidados quanto a salvação, pensando que são salvos, por fazerem parte de uma destas igreja da moda, até o dia em que abrirão os olhos no inferno ? (Mt.7:15-27). Já foi dito: "O mistério da fé começa com o conhecimento de Cristo e não com a filosofia e a tradição humana (Cl.2:1-8).

    b) SINCRETIZAR O CRISTIANISMO ÀS RELIGIÕES DAQUELA CULTURA.

    - O perigo deste sincretismo é visto na seguinte citação:

    " O Segundo aspecto quanto ao ponto de partida, se partindo da cultura adapta-se o evangelho a ela, ou partindo-se do evangelho transforma-se os pontos malignos da cultura? Outra questão deve ser também, levantada agoira: Qual o resultado destas duas metodologias diferentes ? - Ouçamos o que o próprio Bruce tem a dizer:

    "A contextualização da teologia bíblica num mundo em mudança exige uma reconsideração do processo inteiro de fazer a teologia. Mas a própria Bíblia insiste que o ponto de partida deve ser de dentro do círculo da fé e da dedicação à auto-revelação de Deus em Cristo...". Ainda dentro desta temático do ponto de partida, Bruce, traz a tona um elemento muitas vezes esquecido quando se fala na necessidade de contextualização da teologia bíblica [culturalizar a telogia bíblica], o elemento esquecido é que a cultura humana do homem como seus elementos malignos precisa ser em grande parte DESCULTURALIZADA. voltemos a citação: "...O mistério profétio do evangelho exige uma desculturalização, em toda cultura, dos acréscimos a fé verdadeira. Desde Móises até João Batista, os profetas bíblicos condenavam os elementos de cultura que eram contrários a Palavra de Deus... O evangelho renova e transforma aqueles elementos da cultura que são à revelação geral de Deus... O ponto de partida não é a cultura, mas sim, a Palavra de Deus".

    -De fato, O evangelho tem o pontencial de mudar os elementos nocivos da cultura humanística, e isto tem acontecido na história. Todavia, o esforço feito apartir da Bíblia, não foi para santificar uma cultura com pontos divergentes da Bíblica, mas o esforço era feito para se transformar o indivíduo, e ele uma vez transformado pela graça de Deus, ira ser um fator de transformação cultural. Foi o que aconteceu com a igreja primitiva: ela se preocupou não com as extruturas culturais e sociais do contexto filosófico-religioso-pagão do império Romano, mas sim com a transformação do indivíduo através da pregração teo-centrica do evangelho, com todos os seus obstáculos: que de antemão já se sabia, que seria "LOUCURA" para os GREGOS [pessoas inseridos naquele contexto cultural pagão] e "ESCÂNDALO" para os JUDEUS [pessoas inseridas contexto cultural e religioso do judaísmo farisaico]. E Paulo, aqui está trantando do problema da COMUNICAÇÃO TRANSCULTURAL, porém, não propõe uma CONTEXTUALIZAÇÃO DA PALAVRA DA CRUZ, mais diz: "CERTAMENTE A PALAVRA DA CRUZ É LOUCURA PARA OS QUE SE PERDEM... VISTO COMO, NA SABEDORIA DE DEUS, O MUNDO NÃO O CONHECEU POR SUA PRÓPRIA SABEDORIA, APROUVE A DEUS SALVAR AOS QUE CRÊEM, PELA LOUCURA DA PREGAÇÃO". Sabemos que para atingir esse indivíduo temos de falar numa linguagem que ele possa assimilar [a própria questão da linguagem é crucial na contextualização e comunicação do evangelho]. Todavia, neste ponto, é bom lembrar o que é que convencesse alguém "do pecado, da justiça e do juízo". Veja a citação abaixo:

  • "O ESPÍRITO SANTO sempre é o missionário transcultural. Vai adiante para preparar o caminho para o evangelho... Convence do pecado e do juízo, até mesmo aqueles que nunca ouviram falar do nome de Cristo.." ****Vale dizer que o Espírito Santo é uma realidade supra-cultural, que operou e tem operado em todas as culturas provocando o novo nascimento em todas a etnias, e extruturas sociais, em todas as épocas. A própria realidade da salvação é uma realidade supra-cultural, está além do que o homem pode compreender por meio culturais, por isto a salvação é uma obra de Deus e não do homem. Como nos diz João 1:12-13 "Mas a todos quantos receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus a saber os : aos que crêem no seu nome os quais não nasceram do sangue nem da vontade da carne, mas de Deus.
  • * OS PROBLEMAS DA COMUNICAÇÃO TRANS-CULTURAL - Como comunicar o evangelho em uma cultura totalmente diferente da cultura do missionário ou pregador? Como ensinar coisas que estão na Bíblia, mas não tem algo equivalente na cultura do ouvinte do evangelho ? Que ponto de partida usar para comunicação do evangelho?

    * AS POSSÍVEIS SOLUÇÕES PARA A COMUNICAÇÃO TRANS-CULTURAL

    1. NUNCA ABRIR MÃO DOS PRESSUPOSTOS CRISTÃO-BÍBLICOS EM FAVOR DE ELE. . . MENTOS CULTURAIS.

    a) Quanto a DEUS

    Deve ser mostrado o Deus da Bíblia sem retorques ou maquiagens, na esperança de que o Espírito Santo convencerá a o ouvinte da diferença entre o seu Deus e o Deus da Bíblia.

    b) Quanto a VERDADE:

    Deve-se ajudar a pessoa a ver a questão do conceito de verdade e levá-la a perceber que Toda Verdade é a Verdade de Deus, Pois o próprio Deus é a Verdade e somente Ele poderia comunicá-la ao homem com perfeita fidedignidade, e Ele o fez nas páginas da Bíblia. Esta verdade se expressa em conceitos ABSOLUTOS, numa linha de pensamento horizontal de CAUSA e EFEITO, cujos resultados são garantidos pelo próprio Deus da Verdade. Por exemplo: roubar é sempre um erro, ser honesto é sempre certo, independente se uma cultura acha certo ou errado roubar. Deus garantir que o ladrão sempre se dará mal, embora pareça que não. Se o ouvinte não concordar sobre o conceito de verdades, será difícil evangelizá-lo.

    c) Quanto a BÍBLIA:

    É necessário ajudar o ouvinte a entender a AUTORIDADE ABSOLUTA da BÍBLIA. Dá evidências que mostrem que ela é a perfeita expressão da VERDADE de Deus na terra, e que por ser A PALAVRA DE DEUS é INERRANTE E INFALÍVEL, ÚNICO TRIBUNAL que define finalmente toda questão sobre fé e prática. Se o ouvinte não aceita a Bíblia como AUTORIDADE FINAL em questões religiosas, será difícil evangelizá-lo.

    d) Quanto ao HOMEM:

    É preciso fazê-lo entender a QUEDA e suas conseqüências. Que o homem foi criado inocente e livre, mas mediante UMA QUEDA REAL, em que ficou com uma natureza pecaminosa tão corrupta e corruptora, que corrompe todas as coisas, até as suas melhores obras, estão maculadas pelo mal, dai serem "trapos da imundícia".

    Como a CULTURA HUMANA é criada pelo homem caído e escravizado ao demônio, toda cultura humana, em todo lugar e em todo tempo é corrompida pelo mal e pelos poderes supra-culturais satânicos. De modo que quem trabalha com a cultura humana, trabalha com um esquema secular corrupto e maligno. Paulo nos adverte para "Não nos conformamos [assumir a forma ou o esquema] deste século [ou cultura] (RM.12:2). Ainda, Paulo, nos chama a atenção, que o "homem natural", [não nascido de novo pela operação do Espírito Santo], para quem devemos pregar o evangelho, "...Não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente" (I Cor. 2:14). Por este texto, percebemos que por mais que contextualizemos o evangelho, se o fizermos de um modo espiritual ["coisas do Espírito"], mesmo assim, o "homem natural" não conseguirá aceitá-lo e nem mesmo entendê-lo. Se fizermos uma contextualização não espiritual do evangelho, o Espírito Santo, não tomará parte nisso, e sem o Espírito Santo não há verdadeira conversão.

    Talvez, seja por isso, que estas igrejas que pregam um "evangelho contextualizado e secularizado", através de música mundana [samba, rock, e outros bichos], danças, roupas, e jeito do mundo fazer as coisas, logo crescem o seu rol de membros, porém, são elas mesmas, que enchem o mundo e o Brasil de crentes "professos" [que já fizeram uma decisão pública, mas nunca passaram pela obra regeneradora do Espírito Santo, daí a razão de tantos escânda-los e afrouxamento espiritual nas igrejas (crentes e até pastores roubando, enganando, fornicando antes de casar, traindo e adulterando depois de casados, se divorciando levianamente, praticando aborto secretamente, homossexualismo, bebendo álcool, e tantas coisas indizíveis que até o Diabo se surpreende, numa prova de que o número de joio está aumentando e talvez já tenha passado do número de trigo. Tem sido sempre assim na história eclesiástica, quando a igreja afrouxa seus padrões doutrinários e troca o evangelho genuíno, por outro sincretizado e contextualizado pelas filosofias mundanas e costumes seculares da época, o resultado é sempre desastroso para a igreja, sobra somente um pequeno remanescente fiel, que teima em não arredar dos velhos fundamentos da fé, ou, o velho, mais todo eficiente evangelho eterno de Cristo.

    e) Quanto ao MUNDO:

    Do grego "Cosmos" [sistema organizado, em que os homens devolvem métodos e esquemas para obter sucesso nas várias áreas da vida: trabalho, lazer, moradia, educação, saúde, finanças, religião, política etc... - A expressão "mundo", pode ser traduzida como "o jeito do homem caído fazer as coisas debaixo do senhorio do maligno". Por isto, a Bíblia adverte: "Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele... Sabemos que somos de Deus, e que o mundo inteiro jaz no maligno" (I Jo.2:15; 5:19).

    O mundo e sua cultura (orientada pelo maligno) tem seu foco central na flexibilidade e na relatividade, como afirmou Bruce j. Nicholls, quando definia a palavra "cultura". João fala desta relatividade e efemeridade das coisas do mundo ao dizer "Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente" (I Jo.2:17). Eis, então, impossibilidade de contextualizar um "evangelho eterno" cujo corpo de verdades foi dado "uma vez por todas", cuja, modificação e adulteração é chamada de "anátema", sem tornar este evangelho em algo, efêmero, relativo e mutante como o é por definição a cultura humana.

    A conseqüência terrível disto tudo, é que, assim como a cultura que pelo seu caráter flexível, relativista e mutante, é algo descartável, assim também o evangelho associado e baseado nela também se torna descartável e irrelevante. A ironia disto, tudo é que os teólogos liberais usam a cultura com suas filosofias e costumes para comunicar o evangelho ao homem moderno de modo relevante, porém, ao adulterarem o evangelho, sincretizando com as vãs filosofias mundanas, só conseguem tornar o evangelho algo ridículo, sofisticado, relativo e descartável, portanto, irrelevante. Fazemos bem em seguir Colossenses 2:6-8 "Ora, como recebeste a Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele, nele radicados e edificados, e confirmados na fé, tal como fostes instruídos, crescendo em ações de graças. CUIDADO que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.

    2. O LUGAR DA EQUIVALÊNCIA DINÂMICA:

    - A Equivalência dinâmica, em sua função de procurar na cultura do evangelizado algo equivalente ao objeto, ou assunto, do texto bíblico, nunca deve amputar nada do texto bíblico para se fazer entender pelo nativo da cultura a ser evangelizada. A equivalência dinâmica não traduções modernas da bíblia é algo perigoso, pois acaba subtraindo ou substituindo termos da bíblia, que no julgar falível dos tradutores não são relevantes. Acredito, que a equivalência dinâmica é menos perigosa quando aplicada a Hermenêutica ou interpretação do texto Bíblico, ou seja, pela exegese do texto descobrir o que ele significava para seus leitores originais dos tempos bíblicos, e pela Hermenêutica encontrar situações e questões do homem atual, que em principio são equivalentes ao contexto daquela época.

    - Caio Fabio dá um exemplo do que o Neo-Evangelicalismo faz com a equivalência dinâmica que é de fato uma contextualização que fere, mutila e adultera termos e palavras bíblicas. Por exemplo. No seu livro "Novos Ministros p/uma Nova Realidade" ele diz: " sabem o que é circuncisão? ... sabem o que é aio? Sabem, porventura o que significa graça?... Estou pensando até em escrever uma carta aos Romanos (logicamente não inspirada). Uma carta contemporânea, onde a circuncisão seja substituída por uma outra questão equivalente a ela hoje. Quem sabe se a nossa circuncisão é o batismo?".

  • CONCEITOS SOBRE DEUS: O DEUS DA BÍBLIA - VISÃO GLOBAL DO CRISTIANISMO FUNDAMENTALISTA CONTRASTADA COM A VISÃO NÃO FUNDAMENTALISTA: UM EXEMPLO DO CONFRONTO ENTRE ORTODOXIA E APOSTASIA

    Colin Chapman - [Livro: "O Cristianismo no Banco do Réus"] "A indagação sobre Deus envolve duas partes: [1] Quem é Deus? (questão de definição]; [2] Será que Deus existe de fato, se O concebemos como um Deus Pessoal? (questão da sua existência). Na prática, porém, não podemos discutir sobre a existência de Deus sem discutir o que entendemos pela palavra Deus."

    Colin Chapman - [Livro: "O Cristianismo no Banco do Réus"] Fala das 5 respostas possíveis a questão: QUEM OU O QUE É DEUS? DEUS EXISTE? "[1] Deus realmente existe; Ele é como a Bíblia O descreve; (Resposta Cristã); . Podemos sumariar a compreensão bíblica de Deus nas proposições abaixo. Elas não exau. . . . rem o sentido de Deus para o cristão, mas postulam certas diretrizes fundamentais. . . . 1ª) Deus é pessoal e Deus é infinito; . . 2ª) Deus é o Criador do universo e Deus é o Sustentador do Universo; . . 3ª) Deus é amor e Deus é santo; 4ª) Deus é um e Deus é três "pessoas" . . . . *As Correspondentes proposições de cada par dever ser consideradas juntamente, para que . se equilibrem entre si

    [2] Deus existe mais Ele é bastante diferente do que a Bíblia O descreve; . Resposta segundo: A RELIGIÃO PRIMEVA, O JUDAISMO, O ISLÃ E O DEÍSMO . . . . O conceito de Deus, nestas religiões, difere do conceito cristão em três aspectos importan. . . tes: . 1º) Alguns não têm conhecimento de certos aspectos da compreensão cristã de Deus; . 2º) Alguns ignoram alguns destes aspectos . 3º) Alguns negam alguns destes aspectos (que Deus é infinito...ou que há três pessoas. . as . em um só Deus, ou que Ele pode ser conhecido de maneira pessoal).

    [3] Nunca poderemos saber se Deus existe ou não; . . . Reposta segundo: O AGNOSTICISMO E O MISTICISMO. Alguns dos maiores pensadores europeus unem-se ao HINDUÍSMO e ao BUDISMO ao darem a resposta "não sabemos" à inquirição sobre a existência de Deus.

    [4] Deus não existe; (Resposta do ATEÍSMO) . Ao passo que o agnóstico diz: "Deus talvez, exista, mas nunca poderemos sabê-lo, o ateu afirma categoricamente: "Deus não existe. não há nenhum Deus aqui." Jean-Paul Sartre disse: "Quando falamos em ‘abandono’ - um vocábulo favorito de Heidegger - queremos dizer tão somente que Deus não existe, e que é necessário levar até ao próprio fim as conseqüências da sua ausência" Michael Harrington fala das conseqüências da ausência de Deus no pensamento e vida do homem do século XX. Mostra que uma passagem do JÚBILO para o PROFUNDO PESSIMISMO: " Depois da morte de Deus, o Homem, que suspostamente deveria substituílo, enfastiou-se de si mesmo. Isso resultou em uma crise de crença e de descrença, que esvaziou espiritualmente ao século XX">

    * Pergunta que mostrar a incoerência do ateísmos: "Como você sabe com certeza que Deus não existe? Há alguma base razoável para o seu ateísmo? Sobre que bases você alicerça a sua crença? Como você sabe que o seu ateísmo diz a verdade?

    [5] Deus não existe; mas o vocábulo é útil se redefinirmos o seu significado. . . . Resposta segundo: O PANTEÍSMO, COMUNISMO, EXISTENCIALISMO, HUMANIS. . . MO E ALGUNS TEÓLOGOS MODERNOS. Certas Conclusões parecem seguir-se do ateísmo ou do agnosticismo radicais: . 1ª) O que temos no universo é tudo quanto existe; nada existe além daquilo que podemos ver . . ou tocar - nenhum mundo sobrenatural invisível. . 2ª) A morte é o fim do indivíduo; não há vida no além-túmulo. Mas para aceitar essas conclusões como inevitáveis, a viver com a idéia que nada existe além das aparências, nada senão o presente. * Robert Brow cita quatro variações de panteísmo que subjaz esta quinta resposta: 1. "Tudo quanto existe é Deus." (Panteísmo absoluto.) 2. "Deus é a realidade do princípio por trás da natureza." (Panteísmo modificado) 3. " Deus está para a natureza assim como a alma está para o corpo" (Monismo modificado) 4. " Só Deus é realidade. Tudo o mais é imaginação." (Monismo absoluto).

    5. CONCEITO DE DEUS PARA OS TEÓLOGOS LIBERAIS.

    *** Aqueles que enveredam por esse caminho [da 5ª resposta - Deus não existe; mas o vocábulo é útil se redefinirmos o seu significado] tendem por reter a palavra Deus, bem como termo divindade e transcendência, apesar de lhes darem novas significações. essa posição contém muitas formas diversas de expressão, mas todas essas formas encerram certas características em comum: 1. "Deus" não significa um Ser Pessoal distinto do universo, que já estivesse ali "antes" do universo ser criado. 2. "Deus" é identificado de alguma maneira com o universo como um todo, ou com uma parte ou aspecto do mesmo (i.e, o espírito ou consciência do homem, o aspecto "pessoal" do universo).

    *** Defesa dos Teólogos Liberais [Não fundamentalistas]: "Alguns desses escritores afiançariam que não estão se estão desviando da compreensão cristã histórica de Deus, mas que estão meramente reinterpretando as idéias tradicionais em uma forma que é mais inteligível e aceitável na atualidade". * É a velha conversa de CONTEXTUALIZAÇÃO CULTURAL que vemos hoje: " temos de adaptar o evangelho as filosofias e culturas atuais para que o homem moderno possa aceitá-lo".Todavia, o evangelho produzido por esta adaptação, quase sempre é "outro" evangelho.

    *** OS GRANDES TEÓLOGOS LIBERAIS e/ou NEO-ORTODOXOS, historicamente, com sua CONTEXTUALIZAÇÃO FILOSÓFICA-CULTURAL exerceram e exercem grande força destrutiva contra a sã doutrina ou fundamentalismo histórico cristão. BATIST MONDIM [Teólogo e escritor apologético católico Romano], cita alguns destes grandes teólogos liberais da ala protestante, começando por Barth, mas por julgar que todos beberam da fonte existencialista e liberal de Kierkegaard, eu começo a lista com Kierkegaard. Mondim, antes de citá-los faz uma breve análise sobre sua hermineutica e teologia. diz MONDIN:

    " ...a teologia protestante, que também ousou valer-se dos instrumentos hermeneuticos que lhe eram oferecidos pelo pensamento filosófico moderno , fazendo isto teve de empobrecer e falsificar gravemente a Palavra de Deus, e os seus resultados foram julgados não menos desastrosos do que os da teologia católica." - Para Mondin, e ele esta certo nisto, a teologia liberal protestante é tão destrutiva a Palavra de Deus, quanto a teologia liberal católica.

    HEGEL (1770-1831 - Filósofo alemão que segundo Francis Schaeffer abriu a porta para o desespero, no sentido filosófico e mudou o mundo [filosofia, artes, música, Cultura Geral e teologia]. Schaefer imagina a situação em que HEGEL abandonou as verdades absolutas em favor de uma sintese relativista: " Tenho uma nova idéia. De agoira em diante pensemos da seguinte maneira: em vez de causa e efeito, pensemos numa tese e em oposição a ela, uma Antítese. E a resposta quanto à relação entre as duas não está num movimento horizontal de causa e efeito, porém é sempre uma sintese." ... Ele pensava ser práticavel chegar à síntese pela razão. Isto ficou provado ser impossível e, assim o próximo homem [Kierlegaard, seguindo HEGEL]... colocou-se abaixo da linha do desespero.

    KIERKEGAARD (1813-1855 - Teólogo Dinamarquês )- [Ele foi o pai do EXISTENCIALISMO SECULAR e RELIGIOSO, que abandonou verdades objetivas e absolutas por uma sintese não racional alcançada por um salto de fé. Segundo Schaeffer: "... ele separou de maneira absoluta o racional e lógico da fé. O racional e a fé não têm nenhuma relação entre si.] "Para KierKegaard, as verdades proposicionais não são suficientes; não basta concordar com uma série de formulações religiosas. Kierkegaard cria que as asseverações teológicas da fé eram paradoxais. Assim, o crente deve manter "verdades" opostas em tensão. Sua harmonização ocorre por um ato existencialista gerado após ansiedade, tensão e crise, em que a mente dá um salto de Fé". (F. SCHAEFFER, "O Deus que intervém" Pg. 25) e ( R.V. SCHNUCKER - Enc.Hist.-Teo da Ig.Cr. -Pg.13). * Da fonte apóstata de Kiekgaard beberam os teólogos liberais, neo-ortodoxos.

    BARTH (1886-1968 -Suiça) - Ele foi o pai da NEO-ORTODOXIA [ou Teologia Dialética, ou ainda, Teologia de Crise], movimento reacionário ao movimento liberal histórico do Séc. XIX [que só cria no que fosse racionalmente explicável], e que acabou se tornando uma forma diferente de liberalismo, pois desviava-se dos fundamentos cristãos históricos, através de sua hermineutica baseada na filosofia dialética de HEGEL e Kierkgaard numa tentativa de harmonizar os paradoxos cristãos através de uma crise existencialista. De fato, "Bath rejeitava a fé cristã como uma série de verdades proposicionais... seu método teológico dialético propões a verdade como uma serie de paradoxos. Isto produziu conceitos tais como: "o Deus soberano transcendente absoluto, em contraste com a humanidade dominada pelo pecado"; " A Bíblia é a Palavra de Deus na medida em que Deus permite que ela seja a sua Palavra", ou que "A Bíblia contém a Palavra de Deus, mas não é a Palavra de Deus", isto implica que a Bíblia não é necessariamente a Palavra de Deus, pode vir a tornar-se, isto é um tipo de rejeição da "sola scriptura".. Os neo-ortodoxos tentaram ser o meio termo, nem queriam ser o que se chamava na época de liberal, nem queriam ser convervadores, todavia não conseguiram a neutralidade, pois um erro puxa outro, tentando contextualizar a fé bíblica com a filosofia dialética existencialista afastaram-se dos fundamentos da fé bíblica.

    Francis Schaeffer declara: "Karl Barth foi a porta de entrada da teologia na linha do desespero. ...Mas assim como Kieregaard abriu com o seu salto a porta para o existencialismo em geral, assim Karl Barth abriu a porta para o salto existencial na teologia. Como nas outras disciplinas, o problema básico é a mudança na epistemologia [método de se chegar a verdade]. ... O fato unificador da nova teologia é a sua metodologia errada. O seu conceito de verdade está errado e por causo disso aquilo que parece correto, na verdade, seguidamente significa algo inteiramente diferente daquilo que o cristianismo histórico quer dizer com a mesma frase. É ingênuo discutir questões teológicas como questões teológicas antes de considerarmos o que a verdade significa para a pessoa que está fazendo as afirmações teológicas". Os teólogos neo-ortodoxos e neo-liberais que vieram após Barth "... Eles podem não concordar nos detalhes, mas a sua luta é a mesma: a luta do homem moderno que desistiu de encontrar um campo unificado de conhecimento. No que se refere aos teólogos, eles separaram a verdade religiosa do contato com a ciência por um lado e a história por outro. Seu novo sistema não se encontra aberto a verificação. Deve somente ser crido. ("O Deus que intervém" Pg. 68,71,72)

    *** A QUESTÃO DA AUTORIDADE BÍBLICA COMO FUNDAMENTO INARREDÁVEL.

    - Quando tratamos sobre autoridade, podemos dividi-la como Inerente (autoridade em si mesma) e atribuída (dependente de fatores externo).

    - No Conceito Liberal e Bartiano das Escrituras a autoridade da Bíblia como Palavra de Deus não é inerente a ela mesma, depende de fatores externos, como a atitude do seu leitor, ou seja, não tem autoridade do Palavra de Deus, mas pode vir a ter. Devido a esse ponto de vista Barth e seus seguidores ensinavam "que a Bíblia tinha uma autoridade atribuída por Deus mas, ao mesmo tempo, insistiam em dizer que a própria Bíblia é essencialmente uma produção humuna". Rudolfph Bultimann e Paul Tillich, levaram o pensamento de Bath as últimas conseqüências, ou seja, consideram a Bíblia como "uma coletânea falível de escritos religiosos sobre a qual a igreja primitiva arbitrariamente impôs uma autoridade que a piedade evangélica continuou a sustentar".

    - H. D. MCDONALD [Enc. Hist-Teol. da Ig. Crist. Pg. 173], expõe a incoerência dos conceitos liberal e bartiano das Escrituras:

    " ...ao negar à Bíblia como uma autoridade ontológica [em si mesma, ou inerente], a teologia liberal desmascara sua própria inconsistência fundamental, pronunciando, assim, a sua própria condenação. Porque, enquanto ela deseja a aceitação das suas próprias especulações não-bíblicas, tem que desfazer da autoridade da Bíblia. Mas quando ela se preocupa em manter para o rótulo de "cristã", apela à Bíblia como uma fonte autorizada".

    Isto, faz-me lembrar a anedota em que Adão após devolver e ir buscar Eva das mãos de Deus devido a problemas conjugais, Deus acabou por lhe dizer: "já que você não pode viver com ela e nem sem ela, não a recebo mais de volta. O mesmo acontece como os teólogos liberais, neo-ortodoxos e outros modernistas de platão, que devido a sua teologia e prática, se chocam com a Bíblia [que lhes é um tropeço e não um fundamento], porém, para manterem a fachada de "cristãos" tem de acabar apelando para ela como "uma" fonte de autoridade.

    - Fazemos a seguir um resumo e enxertos ao tópico "AUTORIDADE BÍBLICA por H.D. MCDONALD:

    1. A "autoridade Bíblica deve começar com o próprio Deus, porque nele se localiza toda a au . toridade em última analise. (Hb. 6:13)

    2. A Revelação ou auto-revelação de Deus é a chave da autoridade de Deus. Na revelação Deus declara sua autoridade. Os profetas do AT acharam sua certeza na revelação de Deus, ou sua vontade autorizada, em contraste com os falsos profetas que falavam o que lhes vinha ao coração. (Dt. 10:5; Ne. 1:7-9; Isa 1:10; 2 Re. 17:13 com Ez.13:2-17; Jr.14:14; 23:16,26)

    3. Para a fé cristã, Cristo é conhecido como a revelação final de Deus. ... Cristo é a suma de tudo quanto édivinamente autorizado para a vida do homem. (Jo.1:14; Rm 9:5; 1 Tm 3:16; Hb.1:1,2)

    4. Esse desvendar progressivo de Deus [revelação] que culminou em Cristo, recebeu uma forma perpétua nos escritos bíblicos ( Dt. 29:29; II Tm. 3:16-17; I Jo.5:9-13; Jd. 3)

    5. As Escrituras, consequentemente, participam da autoridade de Deus, de modo que o relacionamento de Cristo com elas é decisivo para autenticar a autoridade delas.

    6. Mediante sua atitude para com o AT e o uso que fez dele, Cristo realmente validou a divindade das Escrituras (Mt. 4; Jo. 5:39; Lc 24:25-27)..

    7. Os apóstolos no NT reivindicavam uma autoridade divina para seus escritos (2 Co 12:19; 10:11; 1 Ts 2:13; 5:27; 2 Ts 2:15; 3:14; 1 Ped 3:15--16).

    8. Quanto a Veracidade e fidedignidade da Bíblia, podemos afirmar que as Escrituras (no AT e NT) são a VERDADE DE DEUS para a humanidade. O atributo de Deus como verdade, é o mesmo aplicado a Sua Palavra. No AT, o termo hebraico ‘emet, traduzido por "verdade" (Nm. 23:19; Sl 31:5; 119:160); No NT, o termo grego "aletheia ", traduzido por "verdade" (relativo a Deus:I Jo 5:20; Jo 3:33; 7:28; 8:26; 17:3; 1 Ts.1:9; relativo a Sua Palavra (Jo. 17:17; 2 Co. 6:7; Gl. 2:5; Rm 3:7).

    ** Conclusão FUNDAMENTALISTA SOBRE A BÍBLIA: "A Bíblia é, portanto, o Livro da verdade de Deus; e esta verdade, conforme diz o Catecismo de Westminster, é "verdade infalível", o próprio Cristo disse: "... a Escritura não pode falhar." (Jo.10:35). Da mesma forma que é totalmente fidedigna no que diz respeito à verdade, assim também deve ser totalmente confiável no que concerne aos fatos. Sendo as duas coisas, ela é a nossa [única] autoridade em todas as coisas pertencentes [à fé], à vida e à piedade"

    HEIDEGGER, Martin (1889-1976 -Filósofo Alemão) - [Um figura central no pensamento EXISTENCIALISTA CONTEMPORANEO]. Também influenciado pela filosofia dialética de HEGEL, e consequentemente pelo Existencialismo de Kierkegaard. "Acreditava que o cristianismo não redimia, mas, sim, que destruia a cultura genuína. Juntamente com outros movimentos, o cristianismo fez da verdade uma questão de proposições mais do que de existência." Heidegger tentou encontrar algo que autenticasse sua existência, desse validade a mesma, e propôs que o sentimento de "medo" é que pode autenticar a existência do homem moderno. "A influência de Heidegger na filosofia e teologia contemporâneas é fenomenal. Influenciou profundamente linhas de pensamento neo-ortodoxo, especialmente na obra de Bultmann e Tillich... Sob a influência de Heidegger, alguns têm abandonado a hermenêutica gramático-histórica e favorecido uma revelação mais poética e aberta da existência.’ (P.H.DEVRIES Enc.Hist-Teol. da Ig.Crist. Pg. 244-245)

    Gosto de arquivar recortes de jornal e revistas me interessam e tenho comigo uma página da revista veja de 21 de outubro de 1987, com um artigo intitulado: "Heidegger, Filósofo alemão foi nazista convicto", onde Victor Farias, um ex-aluno de Heidderger desmacara as mentiras e vida falsa de Heidegger. Assim começa o artigo: "Um dos maiores filósofos deste século, oráculo do pensamento existencialista no qual se formariam, entre outros, os franceses Jean-Paul-Sartre... ...deixou uma dúvida sua trajetória na vida real. ...SÓ MENTIRAS -... [conta episódios em que ficaram provadas as mentiras de Heidegger] e conclue: "... O mestre mentia. ... Não há dúvidas de que, depois do livro de Victor Farias, não é possível mais pensar em Heidegger como antes... No mínimo, porém, para os que acreditam ser possível filosofar de um jeito e viver de outro, escrever de uma maneira sublime e, ao mesmo tempo, comportar-se na vida real como um delator e um mentiroso, é preciso pensar em Heidegger como se pensa no médico doutor Jekil e o monstro mister Hyde. À luz do dia ele era um, na sombra do noite outro". ( VEJA 21/10/87,Pg. 91.)

    * Na realidade as filosofias do mundo são assim, são bonita nos ouvidos quando faladas, e ou no papel, quando escritas, porém não resistem ao choque da realidade. Embora Heidegger com seu pensamento existencialista, tentasse dar autenticidade a sua existência, fracassou, assim como os muitos teólogos modernos que alicerçaram sua teologia sobre Heidegger.

  • UMA ANÁLISE DO DIÁLOGO TEOLÓGICO ATUAL ENTRE OS NEO-EVANGÉLICOS E OS APÓSTATAS

  • CAIO FÁBIO DE ARAUJO FILHO [Ministro Presbiteriano desde 1978, pensador, escritor, metido a teólogo, que tem usado largamente das teologias liberais, neo-ortodoxas e neo-evangélicas, cuja verborragia elegante com falso ar de modernidade, já produziu mais de 55 títulos publicados. Presidente da VINDE - Visão Nacional de Evangelização (órgão de caracter ecumênico e ecumenizante, que iria levá-lo a realizar seu grande sonho, uma super entidade ecumênica a nível nacional, através de congressos ecumênicos para pastores e líderes, e pelo curso VINDE-SAT por satélite, onde fez a cabeça de um grande número de pastores e líderes descomprometidos com o fundamentalismo, e que esperavam apenas o surgimento de um líder carismáticos que os guiasse. Caio Fábio era esse homem). Presidente da AEvB - Associação Evangélica Brasileira (a super-organização nacional sonhada por Caio Fabio e outros pastores neo-liberais e neo-evangélicos). Ainda é membro da Fraternidade Teológica Latino-Americana, 1º Vice-Presidente da Missão Portas Abertas, membro dão CONSEA - Conferência Nacional de Segurança Alimentar da Presidência da República e membro do Comitê de Lausane. Com exceção do CONSEA, todos os outros órgãos são ecumênicos e ecumenizantes. Em um panfleto que divulga um de seus livros , seu ministério é chamado de "holístico" (do grego "holos", que significa inteiro ou unificado. Termo muito usado pelo Movimento Nova Era, embora não estamos querendo dizer que ele tenha algo com este movimento, mas que ao aplicar a seu ministério este termo, percebe-se a presunção ecumênica dele e de seus seguidores.)

    Caio Fabio tem sido não só o líder do movimento ecumênico no Brasil, mas também, tem sido um dos maiores promotores do carismátismo-pentescostal entre os evangélicos. Pois, a experiência pentecostal carismática é maio força ecumenizante que existe. Um exemplo disso ocorreu no Congresso para líderes de todo Norte e Nordeste do Brasil presidido por Caio Fábio em setembro de 1994 em Fortaleza que reuniu 1.400 participantes com líderes das mais diversas denominações evangélicas. Numa entrevista ao jornal "O POVO" de 30/09/94, um dos participantes do congresso disse ao jornal: "Entre as questões debatidas no encontro estão a missão global e o aprofundamento teológico dentro de um maior desenvolvimento carismático. Segundo ele, os participantes chegaram a traçar rumos de ação para os próximos anos em relação ao trabalho evangelizador... além de uma maior aceitação dos dons espirituais". *Caio Fabio no 16º desafio aos "Novos Ministros para uma Nova Realidade" em livro seu com este título desafia cada ministro a: "16. Desenvolver um carismatismo ministerial... uma visão carismática... [e acrescenta] ...Então, não tem esse negócio de língua acabou ontem, e que agoira não se fala mais. ...É preciso desenvolver todo esse lado dos carismas, da graça, dos dons; estarmos abertos a isto, praticarmos isso."(Pg. 65).

    * O diálogo teológico atual envolve inclusive católicos romanos e teólogos declaradamente apostatatas. Um exemplo disse é o Pr. Caio Fábio em seu livro "Novos Ministros para uma Nova Realidade", onde ele se enche de admiração por Dietrich Bohoeffer [1906-1945 - O teólogo alemão do "Cristianismo sem Religião" ou da interpretação não religiosa do Cristianismo, que serviu de base, para os téologos que criaram a "Teologia da Morte de Deus", propondo a completa retirada do nome e da pessoa de Deus e da religião. Caio Fabio usa um homem deste como modelo para os novos ministros brasileiros. Ouçamos o que ele diz:

    "...tenho uma profunda admiração por Dietrich Bonhoeffer... Ele vê tudo ao longe, percebe que a maneira mais própria de comunicar Cristo nos seus dias era a forma irreligiosa; era transformar a linguagem religiosa em códigos de assimilação seculares, para o homem do seu tempo o percebesse. Mas ele faz isso tudo sem perder o vínculo profundo com a comunidade" (Pg. 38).

    - Absorvendo esta cosmovisão secularizante de Bonhoeffer, Caio Fabio propõe um rebaixamento da Teologia claramente e exclusivamente fundamentadas nas Escrituras Sagradas por uma cosmovisão, ou maneira de ver a vida fundamentadas nas ciências seculares. Vejamos o 17º desafio que ele lança "Aos Novos Ministros Para uma Nova Realidade": "Discernir que, num tempo como este nosso, o que menos interessa á Teologia é ela mesma. ... É importante olhar a vida em perspectivas antropológicas, sociológicas, psicológicas; é importante olhar a vida em óticas políticas; é fundamental ver a vida por óticas distintas. E a Teologia serve apenas para amarrar as pontas" (Pg.68).

    *Na citação acima ocorre uma destrutiva contextualização do evangelho, pois Caio Fabio propõe olhar a vida, partindo não da teologia bíblica, mas do contexto cultural. Há uma terrível inversão metodológica, em vez de transformar a cultura humana partindo da teologia Bíblica, faz exatamente o contrário, quer transformar a teologia bíblica partindo do contexto cultural-filosofico-cientifico e religioso do momento. Vemos aqui uma mal disfarçada rejeição a Verdade claramente derivada da Bíblia, a sã doutrina ou Palavra de Deus. É o cumprimento de 2 Tm. 4:1-2. Propõe trocar a ótica TEOLÓGICA pela ANTROPOLÓGICA (A partir do homem e ciências que centralizam o homem: SOCIOLOGIA, PSICOLOGIA, POLÍTICA, etc..). Para os ouvintes atentos, dá para perceber que os sermões de Caio Fabio, embora aparentemente se baseiem num texto bíblico, estão recheados de filosofias e ciências humanistas. Ele, ainda tem a ousadia de propor, o uso da Teologia, apenas para amarrar as pontas do "saco de gatos" humanístico proposto por ele.

    Sua sanha demolidora chega ao ponto de propor no final do 17º desafio o seguinte: " ...um dos desafios ao ministério é "desministeriar" o ministério convencional.". Além de gostar de criar termos estapafúrdios e sem muito sentido como "desministeriar", que não dá para saber exatamente o que é, mesmo depois de sua explicação, sobra apenas, o desafio de secularizar o ministério (como?), fugir da linguagem teológica tradicional (como fazer isto, sem adulterá-la?). E neste ponto podemos perguntar, o que sobra de todo este linguajar pomposo e confuso? Apenas a descaracterização do cristianismo autêntico, por outro secularizado por um lado e mistificado pelo outro, dando largos passos em direção a uma "teologia natural", que nada mais é que uma anti-teologia, semelhante aquela dos teólogos que declararam a morte de Deus, levando aos resultados lógicos a propostas de Dietrich Bonhoeffer [o teólogo tão admirado e seguido por Caio Fabio].

    Outra possibilidade, aparentemente contrária a anterior, que seria o resultado ou somatória do misticismo carismático-pentecostal , do ecumenismo e da contextualização cultural de Caio Fabio, seria o siscretismo religioso das varias vertentes místicas brasileiras, criando um tipo de evangélico, que já podemos ver hoje, pouco interessado nas verdades objetivas e doutrinárias do evangelho, porém insanamente buscando poderes e experiências místicas.

    * Quanto ao diálogo com os católicos romanos em seu ecumenismo indisfarçável ele diz: " Nós precisamos recuperar a idéia do ecumenismo. Ecumenismo é quase sempre associado a prostituição doutrinária... Nós somos filhos da reforma, herdamos aquela obcecação pela idéia da verdade: a igreja Católica era mentira e nós recuperamos a verdade. Então nós somos verdadeiros! Somos seres da verdade! E isso em si só implica numa mentira, pois ninguém é dono da verdade. ... a nossa obcecação pela verdade é uma coisa tão neurótica que sempre que achamos que alguém quebrou um desses nossos sistemas de verdade, nós quebramos com a pessoa!..." - O interessante é que Caio Fabio, como veremos mais tarde, também quebra com quem discorda dele. O tratamente que ele dá aos fundamentalista é desrespeitoso e ultrajante [Chama-os, embora sutilmente use o pronome "nós", como vimos acima de "obcecados", "neuróticos", fariseus", etc... ].

    *O CONCEITO RELATIVISTA DE VERDADE E O CREDO SUPER-INCLUSIVO DE CAIO FABIO:

    Antes de prosseguir é bom analisar o que Caio Fabio intende por VERDADE. Ele diz: "EXISTE UMA HIERARQUIA DE VERDADES. Toda verdade é verdade, mas nem por toda verdade vale a pena romper outras verdades superiores" * Devemos perguntar agoira qual a hierarquia de verdade de Caio Fabio [que é o modelo dos pastores neo-evangélicos, liberais e ecumenistas atuais]? Ele mesmo responde, restringindo o Cristianismo a quatro fundamentos ou verdades declarados de modo tão geral, e ainda, deixa de especificar várias coisas para que o alcance ecumênico de suas pretensões seja o mais abrangente possível:

    [1] "A primeira verdade essencial, fundamental, é que há um Deus infinito, pessoal, que subsiste em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. E não podemos barganhar nem negociar sobre isto.

    *Deixa fora e não especifica atributos de Deus que o faz distinguir-se de todas concepções de Deus criadas pelas religiões. Por exemplo. Seus atributos de onipotência, Onipresença, Onisciência, Eternidade, Vida, Transcendência e Imanência, Criação, Sustentação e Governo do universo, Soberania absoluta na criação e redenção, Predestinação e Presciência, Liberdade Absoluta, Tudo depende dEle, Ele não depende de nada e de ninguém para existir. Suas perfeições morais: Verdade, Justiça, Retidão. Sua perfeições pessoais: Comunicador perfeito que se têm ao revelado em Amor, Ira, Bondade, Severidade. Seu propósito eterno para o homem: Agradá-Lo e glorificáLo para sempre.

    [2] "A segunda verdade fundamental é que somente Jesus Cristo, Deus manifesta salvação aos seres humanos, e que isso acontece pela graça de Deus, mediante a fé;

    * Aqui vemos uma cristologia muito deficiente, não menciona os aspectos básicos da Encarnação [nascimento virginal], Vida sem pecado, Morte, Sepultamento, Ressurreição e Ascensão ao céu.

    * Não menciona nada sobre a segundo vinda de Cristo, alias, a escatologia está totalmente ausente de deste credo minimizado.

    * Deixa fora e não especifica que , além de ser credo minimizado, é reticente quanto às sua afirmações, por exemplo: diz que a salvação acontece pela graça, mas não diz que é pela graça "SOMENTE", deixa um buraco aberto, para denominações que crêem na salvação pela graça, mas não pela graça somente possam se infiltrar em seu movimento(até a igreja católica crer na salvação pela graça, só exclui o "somente").

    * Não fala nada do ministério do Espírito Santo na Conversão e Santificação do Crente.

    [3] "A terceira verdade fundamental consiste em que a Escritura é quem revela, é quem apresenta trilhas, é quem dá todas as indicações a respeito do caminho e dos compromissos de uma relação com Deus. Aceitar portanto, a Bíblia como Palavra de Deus é outra realidade fundamental.

    * Deixa fora e não especifica que por ser Palavra de Deus é verbal e plenáriamente inspirada por Ele, por isso é inerrante, infalível, suficiente, única regra de fé e prática. [Muitas religiões e teólogos liberais dizem que a Bíblia é a Palavra de Deus, mas dão outros significado ao termo.

    * O Professor Marcos Willson do Seminário Batista do Cariri, num estudo sobre "A INERRÂNCIA DAS ESCRITURAS", salientou a importância da afirmação desta doutrina quando alguém quer se identificar como "Evangélico". Ele pergunta: "E necessário que alguém afirme a doutrina de inerrância para manter está designação ? ... Assim que alguém admite erro na Bíblia, ele está abrindo a porta para uma confusão de opiniões quanto ao discernimento dos erros e verdade, está minando a autoridade absoluta dela. "

    [4] " A quarta verdade fundamental nessa hierarquia é crer na Igreja como corpo de Cristo. Quando a gente diz: eu creio na Igreja, está afirmando que crê na comunhão dos santos."

    *Deixa fora e não especifica o que é ser igreja e corpo de Cristo. Isto é tão geral e inespecífico, que será difícil encontrar uma igreja entre a centenas, talvez milhares que se dizem "cristãs", que não se julgue ser ou fazer parte do corpo de Cristo ou da comunhão dos santos. Mas uma vez, nada é falado sobre o destino escatológico da igreja, deixando tudo restringido a "comunhão dos santos" aqui na terra. A doutrina escatológica é literalmente deixada de fora ou evitada pelo liberais, talvez seja porque haja alguns pontos de divergências entre as igrejas, daí os liberais e ecumênicos, simplesmente, chamam estes pontos de "periféricos "[será que com periféricos querem dizer "irrelevantes" ao credo cristão?] - A Bíblia diz: "o testemunho de Jesus é o espírito da profecia"; Paulo diz: "Não desprezeis profecias" -> Porque os liberais, fogem tanto da escatologia e se prendem tanto a esse mundo? -Talvés se aplique a eles o que é dito em Filepenses 3:18-21] Ver também I Ts. 5:20; Apoc. 19:10.

    *Dentro desse credo ecumênico super-geral quanto a doutrina [pois deixa muitas doutrinas importantes fora] e super-abragente quanto o inclusivismo eclesiástico, podem se encaixar todo tipo de igreja chamada "evangélica", todo tipo de pentecostal, inclusive: Valnisse Milhomes, Bispo Macedo, igreja católica carismática, e daí vai.

    Outra, brecha deixada aberta para inclusão de uma monte de denominações que crêem que a Bíblia é que revela e que a Palavra de Deus, mas que não é a única regra de fé e prática. Tudo é dito de modo muito geral e pouco especifico, para que O ECUMENISMO INCLUSIVISTA SEJA ABRAGENTE E PROGRESSIVO.

    * VOLTANDO AO DIÁLOGO TEOLÓGICO DE CAIO FABIO COM OS CATÓLICOS ROMANOS, e SUA PROPOSTA DE UMA ESFORÇO ECUMÊNICO COMUM DE TODOS OS EVANGÉLICOS, SEM LEVAR EM CONTA DISTINÇÕES DOUTRINÁRIAS ELE DIZ:

    "...Eu acho que a gente tem de aprender com a Igreja Católica. (Já tenho falado algumas vezes acerca disso, porque freqüentemente nos reunimos somente para falar mal da igreja católica. Seria bom que fôssemos um pouco mais honestos e nos reuníssemos para aprender algumas das estratégias usadas por ela, e que acabam sendo extremamente mais eficientes do que as nossas. ... Eu estou me referindo a esse tipo de coisa: a Igreja Batista vai fazer uma cruzada em Brasília. Mas os presbiterianos não podem ficar para trás e organizam uma; os da Assembleia outra, os Metodistas outra. Todo mundo fazendo cruzadas a um tempo só, em linhas cruzadas, e ninguém é capaz de fortalecer a iniciativo do outro" (Pg. 47,48)

    * Podemos perceber que Caio Fabio, quer beber de todas as fontes, e diálogar teologicamente com todo mundo e propor um união ecumênica cuja tendência é fundir todas as denominações num super organização ecumênica, como ele mesmo propões como uma única Editora, tipo Edições Caulinas, com um único projeto missionário-evangelístico, por isto o seu credo é tão pequeno e vago. Todavia, muitos pastores e igrejas estão seguindo Caio Fabio, como a igreja católica segue o Papa. * Em Conclusão: diálogo teológico com os apóstatas, acaba em apostasia.

    * O livro de Caio Fabio, "Novos ministros para uma nova realidade" em que ele propõe um mega organização ecumênica para o Brasil, foi escrito em 1987, quando tudo isto ainda era um sonho. Todavia, hoje, ele é o Presidente da AEVB [Associação dos Evangélicos do Brasil], que é uma grande organização pró ecumenismo que tem a presunção de dizer que já representa 50% do povo evangélico do Brasil. A AEVB se encaixa bem no conceito do NEO-EVANGELICALISMO, senão vejamos: [1] Repudia o separatismo, proposto pela bíblia;

    [2] Convoca ao envolvimento social-político; o que nos leva de volta ao evangeljho social modernista, que tantos danos fez a igreja e ao evangelho de Cristo no passado;

    [3] Expressa determinação em comprometer-se com o diálogo teológico atual, sem importar, se o modelo é dado por um teólogo apostata ou não.

    [4] Contextualização que fere, mutila e adultera termos e palavras bíblicas. Por exemplo. Neste mesmo livro Caio Fabio diz: " sabem o que é circuncisão? ... sabem o que é aio? Sabem, porventura o que significa graça?... Estou pensando até em escrever uma carta aos Romanos (logicamente não inspirada). Uma carta contemporânea, onde a circuncisão seja substituída por uma outra questão equivalente a ela hoje. Quem sabe se a nossa circuncisão é o batismo?" (Pg. 59)

    [5) Caio Fabio trata desrespeitosamente de "fariseus", as igrejas e líderes fundamentalistas, que não concordam com o seu neo-evangelicalismo e ecumenismo anti-biblicos, e diz: "..o correspondente ao judaísmo esclerosado dos dias de Jesus é a Igreja Cristã instituicionalizada, pedrada, endurecida, enrijecida entre nós" (Pg.59).

    * É essa igreja bem fundamentada na fé, que não arreda dos fundamentos dos apóstolos, que Caio Fabio chama de "judaísmo esclerosado". Ele não percebe que foram os fariseus que construíram o judaísmo acrescentando e modificando a Palavra de Deus, como ele e seus comparsas fazem, mutilando e mudando na BÍBLIA o que eles não acham relevantes para o tempo deles [veja citação acima]. De modo que a palavra fariseu e judaísmo se encaixa melhor nele e ao seu sistema liberal.

    [7] DR. JONAS ELIAS DE OLIVEIRA [Fundamentalista militante e articulista do jornal: "O Presbiteriano Bíblico" ]. Faz uma analise do livro "Síndrome de Lúcifer" do Pr. Caio Fábio, e nos mostra algumas das fontes liberais e apostatas que servem de inspiração para o Pr. Caio Fábio. Vejamos sua análise: *[as explicações e enxertos entre colchetes são enxertos e esclarecimento do autor desta apostila]:

    "...o autor [Caio Fábio] foi buscar conceito de falso profeta em Karl Bart [criador da apostata teologia Neo-ortodoxa, estudada nesta apostila]. A definição de "herege" foi bebericada na fonte de *Rubens Alves ! E aconclusão do capítulo foi magistral: "Para um herege novo, melhor que um tribunal eclesiástico ou uma reunião de exame da fé é um cafezinho numa roda de amigos...". Neste ponto o Dr; Jonas, com razão satiriza a atitude ingênua ou maquiavélica de Caio Fábio: "Um cafezinho, um pirulito, para o herege novo. Leitinho para ele, ele é apenas uma iniciante na caminhada herética! Minha velha Bíblia tem outra resposta: "Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, rejeita-o" (Tito 3:10); Falando da tese de Caio Fábio na Síndorme de Lúcifer diz: " ..o inusitado da tese do autor é que ele diz que, o apego demasiado a ortodoxia [ou os fundamentos da sã doutrina] leva sempre a desvios comportamentais. Tadinho do moço [Caio Fábio]. O apego a ortodoxia não leva ninguém a desvios morais. Mas a frouxidão doutrinária sempre leva a frouxidão moral."

    * Rubens Alves [Teólogo liberal brasileiro, que baseou sua teologia secular apostata em Kierkegaard, Karl Marx e Emil Brunner. A teologia de Rubens Alves, chamada de teologia da Esperança, tinha por base "estar aberto a correções e reformulações de todos os tipos". Propõe que o homem age dentro da história, sendo dono de seu próprio destino... Afirma que, o homem pode realizar a história sem esperar por Deus. Numa reação ao fundamentalismo bíblico, fala de um messianismo humanista...pressupõe o homem como auto-criador numa sociedade onde os valores são relativizados e o mundo torna-se totalmente secular. Em sua obra, as Escrituras são pouco citadas, não há referência a obra de Cristo como redentora e parece que não há distinção entre o cristão e o não cristão." É de uma fonte apóstata como esta e outras como Bonhoeffer, kierkegaard, Barth, que o Sr. Caio Fábio mata sua sede de modernidade e liberalismo, e assim com seu palavreado enganoso desencaminha a igreja evangélica do Brasil.

    [6] Concluimos que a AEVB e Cia. [Com seu conselho constituído de 70 líderes de várias demoninações "evangélicas" e seu presidente], embora alguns se achem, não são, de fato, fundamentalistas , portanto, não bíblicos e servem de modelo a não serem seguidos por aqueles que querem ser fiéis a sã doutrina. Eles representam o afrouxamento doutrinário, o comprometimento com a apostasia e a descaracterização dos evangélicos como guardiães da sã doutrina bíblica.

    * OUTRO EXEMPLO DO TIPO DE TEOLOGIA LIBERAL QUE QUEREM IMPLANTAR NO BRASIL VEM DE UM PROFESSOR DO SEMINÁRIO BATISTA DA CONVENÇÃO DE FORTALEZA. - Cito a seguir trechos do discurso de formatura com que este professor {paraninfo da turma], desafiou a primeira turma de formando daquela instituição, "futuros pastores", que se seguirem os conselhos do "mestre" [falso], farão grande destruição nas igrejas cristãs. Vamos ao discurso:

    MARCUS DE AQUINO RESENDE [Fortaleza-Ceará - 03/FEV/1995]

    "..Permitam-me ainda dizer que este discurso dirige-se... àqueles que não se perderam em suas convicções e paradigma [doutrina sistematizada] e, agoira, neste exato momento, não se encontram cegos pela nuvem de pseudo-intelectualismo e surdos pelo tampão do fundamentalismo de suas convicções."

    - Aqui para ele os fundamentalista estão surdos em suas convicções doutrinárias e taxou de pseudo-intelectuais e de estarem surdos aos apêlos que vêm do mundo secular, a quem ele apela constantemente de modo que num discursos de formatura de pastores ele não citou a Bíblia nenhuma vez sequer, porém analisemos os teólogos e pessoas que ele citou em lugar da Bíblia para embasar seu discurso:

    Citou HANS KUNG [Teólogo católico contemporâneo tão liberal que foi deposto de seu direito de ensinar pelo Vaticano. Nega infalibilidade das Escrituras, e a considera muitas de suas histórias como incertas, contraditória e lendárias. Aprenda Cristo como um exemplo a ser seguido e não como um salvador divino em que se pode confiar];

    Citou KARL MARX, apoiando a afirmação antropocêntrica de Marx [Marx, foi o pai do Comunismo ateísta]; Eis a citação de Karl Marx: "o homem não é um ser abstrato, agachado fora do mundo. O homem é / sua essência / o mundo do homem, o estado, a sociedade.

    Citou apaixonadamente Martin LUTHER KING [Pastor Batista ecumênico e neo-liberal que se afastou do fundamentalsimo bíblico, e que se baseava na teologia existencialista de PAUL TILICK, que com sua teologia da cultura, embora dissesse que a existência e realidade do homem se baseia em Cristo, afirma que a estrutura e o significado desta realidade podiam ser compreendidos somente por meio de mitos e símbolos, que ele diz claramente se encontrarem na mensagem bíblica. Conforme Vernon C. Grounds, Paul Tillick colocava em dúvida a própria historicidade de Jesus Cristo e acrescenta: "Não hesita, na realidade, em impugnar a veracidade de quase a totalidade do registro nos Evangelhos" ].

    Citou Friedrich NIETZSHE (1844-1900 - Filósofo da Europa continental que se opnha amargamente à religião, que segundo Colin Brown "No presente momento está sendo festejado como o membro fundador da escola da Morte de Deus na teologia". Marcus Resende cita um dos personagens de um dos livros de Nietzche, vejamos: "Deveríamos ouvir o profeta Zaratustra, gritando em praça pública: - Deus morreu, Deus morreu!

    * É para este falsos mestres da filosofia e da teologia liberal-modernista [que de moderna só tem o palavreado sofisticado, porém tudo não passa da ressurreição de velhas heresias apostatas do passado] que Resende diz que nós fundamentalistas estamos surdos para elas. E por isso eu posso dar graças a Deus, por esta santa surdez. Porque a surdez dele é para com a santa doutrina e se aplica a ele o que Paulo disse em 2 Tm. 4:3,4 "Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, como que sentido coceira nos ouvidos e se recusarão a dar ouvidos a verdade, entregando-se às fábulas".

    * Continuando no Dicurso de Marcus Resende, que em amarga rejeição a teologia fundamenalista, como um corpo de verdade teológicas já definidas e aceitas, citando e endossando um de seus companheiros de liberalismo ele diz: " O medo da teologia pode ser entendido como: medo de pensar como teólogo - medo de si mesmo; medo de falar como teólogo... A nossa prática teológica não do "teologuês papagaial"" - Ou seja, para Resende repetir o ensino doutrinário já definidos há muito tempo atrás, é agir como papagaio, que só repete o que ouve. O curioso é que todo o seu discurso de 11 páginas, não tem nada de original, tudo é repetição ou nos termos dele, ’papagaição’ dos filósofos e teólogos liberais. Ele desafia os futuros pastores em lugar de ensinar a velha teologia, eles mesmo devem "FAZER TEOLOGIA". O interessante é que Resende diz o que para ele e outros pastores liberais o que é a tarefa de ‘fazer teologia". Ouçamos o "mestre": "...Fazer teologia para nós é estar ao vento falando frases feitas num picadeiro de circo." - Ele ainda tem a audácia de dizer que a evangelização que criou a igreja evangélica brasileira foi, em suas palavras: "um processo colonizador, escravizador e alinienador. Há mais de cem anos que fomos induzidos a não pensar como brasileiros, a cantar hinos que não têm nada com a nossa cultura como se fossem a única inspiração de Deus". - *Esta contextulaização cultural reclamada por Resende [que é papagaição de teólogos liberais como Paul Tillick], é nada mais do que a tentativa de acomodar o Cristianismo a uma cultura especifica que os liberais nunca conseguiram fazer sem descaracterizar o próprio Cristianismo. Os missionários pregaram o evangelho como eles sabiam, e, é uma desonestidade [pra não dizer mentira], falar que o missionários vieram com a espressa missão de implantar a cultura norte-americana no Brasil.

    * Quanto ao fato de Resende dizer que: "A mais de cem anos fomos induzidos a não pensar como brasileiros, a cantar hinos que não têm nada a haver com a nossa cultura ", é um grave erro de lógica, pois, para ele e para os liberais, o que seria a música que tem a ver com a nossa cultura é o SAMBA, que veio da Afríca com os escravos {usada originalmente para invocar espíritos da religiões africanas], portanto não de origem brasileira, mas que com o passar do tempo e o uso se incorporou a cultura brasileira; O ROCK [e os RÍTMOS DA MÚSICA POP DERIVADOS DELE]; foi originado nos anos 50, veio dos Estudos Unidos da América, portanto não fazia parte da cultura brasileira, mas novamente com o passar do tempo e o uso se incorporou a cultura brasileira. Se usamos essa lógica para aceita as músicas estrangeiras, por que usar de outra medida com as música tradicional evangélica que tem mais de 100 anos em solo brasileira, e que também, com o passar do tempo e o uso, ficou incorporada a cultura brasileira, de modo, que é mais violação cultura enfiar as músicas com Ritmos de ROCk, SAMBA, e outras, do que as músicas tradicionamente evangélicas.

    * A CONCLUSÃO DO DISCURSO DE MARCOS RESENDE É DEMOLIDORA E DE UMA INSANIDADE ALARMANTE, SENÃO VEJAMOS: [ele é da Convenção Batista, e aqui ataca os fundamentalitas de sua denominação e o próprio cristianismo histórico]

    " A nossa religião não é melhor do que as outras e a nossa religiosidade deixa a desejar quando confrontada com outras realidades. O nosso discurso não é verdadeiro nem é a única verdade do mundo, nem seremos nós que salvaremos o mundo. Como responder a esse momento de globalização, quando a terra torna-se uma única casa, quando a comunicação é mais rápida que o pombo correio? Será que continuaremos isolados pensado que salvaremos o mundo, preservando nossas frágeis verdades, tão frageis que não suportam deparar-se com as verdades do outro?

    Deveriamos ouvir o profeta Zaratustra, gritando em praça pública: - Deus morreu, Deus morreu! - Quem matou Deus? E ouvi-lo atentamente responder: - Vocês, religiosos!

    Só assim seríamos capazes de vislumbrar a ressurreição de Jesus Cristo. O mundo só verá a ressurreição de Deus quando a igreja morrer, libertar-se desse cristianismo institucional, capaz de produzir as maiores guerras e carnificinas que a humanidade já presenciou. Quando a igreja morrer, então gritará: - Deus, eis-nos aqui. Apresenta-te porque nunca te conhecimentos, nunca vimos teu rosto, só ouvimos falar de ti e repetiamos o que não conheciamos. Então os ossos serão juntados e receberão músculos e carne como companheiros. Deus então, pela primeira vez, será visto pelos homens". Isto aqui é um exemplo do que estes pastores metidos a modernos chamam de "fazer teologia", cujo o nome não é honesto, devia ser "destruir teologia", a coisa trágica é que é a Teologia Bíblica.

    SECTARISMO x COMUNHÃO x SEPARAÇÃO x INTERDENOMINACIONALISMO x ECUMENISMO -> Vejamos os graus de interrelacionamento entre igrejas numa escala até chegar ao Ecumenismo:

    1. SECTARISMO PRESUNÇOSO -> Cooperação e comunhão tanto no nível fraternal e eclesiástico somente com os da mesma igreja ou denominação. Esta posição é perigosa, torna os partidários deste ponto de vista, semelhantes a uma seita. Como se em toda a face da terra somente eles tivessem a verdade. Mesmo que mantenham os fundamentos da fé, pecam por presunção.

    2. COMUNHÃO COM OS FIÉIS -> Cooperação e comunhão em primeiro lugar com os da mesma fé e ordem, ou seja, os membros da própria denominação que são fiéis [fundamentalistas], e em segundo lugar a nível fraternal e no nível eclesiástico com aquelas denominações genuinamente cristãs e com os princípios fundamentais de fé e prática semelhantes, neste segundo caso, opera a lei da possibilidade e da conveniência. Os níveis de Comunhão possíveis para um fundamentalista:

    [1º nível] Comunhão Fraternal (Companheirismo com os fiéis - Sl. 119:63; Pv. 2:20; 13:20; II Jo 4-6);

  • Comunhão Eclesiástica ( Cooperação em trabalhos conjutos com os fiéis da mesma denominação - O apóstolo Paulo gostava de trabalhar em equipe, de onde vemos o valor dos crentes fiéis trabalharem conjutamente. Veja agoira o grande numero de cooperadores no ministério de Paulo que o fizeram mexer com todos o mundo conhecido da época: Col. 1:1; T.1:4; Fil.1:1; At. 15:25-27; 16:25; Fp. 2:25; 4:18; II Tm. 4:9-22; At. 19:10,26
  • [2º nível] Comunhão Fraternal (sem restrições). , com os membros fiéis de denominações realmente . fundamentalistas;

  • Comunhão Eclesiástica (na medida do possível e da conveniêcia)com os membros fiéis de denominações realmente fundamentalistas;
  • [3º nível] Comunhão fraternal (somente e com restrições) com aqueles que mantém os pontos básicos do fundamentalismo, mas têm pontos doutrinários questionáveis e método de trabalho muito divergente. Fica descartada a Comunhão Eclesiástica (esforço cooperativo em trabalho conjunto, por exemplo cultos, congressos, etc...) por ser inviável e contraproducente. É Neste ponto que entra o INTER- DENOMINACIONALISMO (que junta em congressos: carismáticos-pentecostais, denominações que ainda se dizem fundamentalista, mas que mantém um diálogo teológico e até cooperativo como os liberais). A tendência histórica do INTER-DENOMINACIONALISMO é ir se tornando cada vez abragente, de modo que se torna um modo sutil de ECUMENISMO DISFARÇADO. É aqui neste nível que deve começar a SEPARAÇÃO ECLESIÁSTICA, como dizem alguns fundamentalistas: "Separando-se dos irmãos que se dizem fundamentalistas mas não se separam dos apóstatas."

    [4º] Separação no nível fraternal [não que vá se tornar inimigo ou intrigado do não fundametalista, mas no sentido bíblico que é impossível andarem dois juntos se não estiverem de acordo (Amós 3:3), somos exortados a nos desviar-nos não apenas do ensino, mais da própria pessoa, pois, sua conversação é perigosa, é como o diálogo de Eva com a serpente (Rm.16:17,18; I Co. 15:33; II Ts. 3:14);

    Separação no nível Eclesiástico, ou seja, não é possível trabalho conjunto, nem o chamado "Diálogo Téologico" com os apóstatas, visando em seus congressos ou os nossos aprender algo deles ou ensinar-lhes algo. O labor teólogo com os apóstatas, é um "jugo desigual", é uma parceria com as trevas que de maneira nenhuma tem apoio bíblico (II Cor.6:14-18; 17:1; II Jo.10,11; Ef.5:11).

    , ou seja, não é INVIÁVEL, O CHAMADO ‘DIÁLOGO TEOLÓGICO" COM OS APÓSTATAS]

    *** A base teológica da UNIÃO CRISTÃ entre crentes fieis está no NT:

    . [1] Comunhão com os que não são do mundo e são santificados na verdade da Palavra de Deus, portanto isto exclue apóstatas e descrentes (Jo 17:16-21);

    . [2] É ordenado que sejam "um"(Jo.17:21), que se esforcem "por preservar a unidade no vinculo da paz " (Ef.4:3-5), porém, dentro do contexto de "uma só fé". A divergência doutrinária nunca deve ser descartada em favor de uma união espúria. Isto faz impossível a união com descrentes e apostatas no Corpo de Cristo a sua Santa Igreja.

    *** A base teológica da SEPARAÇÃO BÍBLICA DOS INFIÉIS está, também, no NT:

    * Cito resumidamente aqui os 13 AXIOMAS DA SEPARAÇÃO enumerados por Jonh E. Ashbrook:

    [1] AS ESCRITURAS PROÍBEM A COMUNHÃO COM A INCREDULIDADE (2 JO.1, 7-11);

    [2] AS ESCRITURAS ORDENAM A REPROVAÇÃO DA APOSTASIA (Ef. 5:11);

    [3] AS ESCRITURAS NOS ENSINAM A PREGAR A INCREDULIDADE, SE PUDERMOS . . (1 CO 5:1-1, 6-7)

    [4] AS ESCRITURAS ENSINAM QUE CRENTES E INCRÉDULOS NÃO PODEM COLOCAR-SE EM JUGO DESIGUAL NA DILIGÊNCIA ESPIRITUAL. ( 2 CO. 6:14-18);

    [5] AS ESCRITURAS ENSINAM-NOS A NOS SEPARARMOS DOS IRMÃOS DESOBEDIENTES. Trata daqueles que embora digam manter-se firmes nos fundamentos da fé, mantém comunhão, diálogo teológico e/ou cooperação com os apóstatas.

    [6] O TRABALHO DE DEUS FEITO Á MANEIRA DE DEUS PRODUZ APENAS BONS RESULTADOS, O TRABALHO DE DEUS FEITO À MANEIRA DO HOMEM PRODUZ BONS E MAUS RESULTADOS. - Aqui trata das duvidosas conversões das cruzadas evangelísticas ecumênicas encabeçadas por Billy Graham e outros como ele. Conversões conseguidas igualmente por meios duvidosos. Em Números 20, Moisés mesmo após ter desobedecido a Deus e ter batido na rocha, teve o bom resultado de ver a água sair da rocha, todavia isto lhe custou a proibição de entrar em Canaã. Portanto, resultados não provam que o método utilizado esteja correto.

    [7] NÃO ASSOCIE SUA IGREJA A QUALQUER IGREJA, MISSÃO, MOVIMENTO OU ESFORÇO EVANGELÍSTICO QUE NÃO CREIA INTEGRALMENTE NA PALAVRA DE DEUS. (II Cron. 19:2; Esd. 4:1-4)

    [8] NÃO ASSOCIE SUA IGREJA A QUALQUER IGREJA, MISSÃO, MOVIMENTO OU ESFORÇO EVANGELÍSTICO QUE NÃO PRATIQUE A SEPARAÇÃO BÍBLICA.

    [9] NÃO SE PODE MANTER UMA POSIÇÃO SEM PELEJAR POR ELA.

    [10] NA DÚVIDA, NÃO SE ASSOCIE.

    [11] SEPARAÇÃO NÃO É RESPONDER A TODO DESACORDO ENTRE IRMÃOS.

    [12] O ESPÍRITO DE DEUS NUNCA CONDUZIU UM CRISTÃO A ALGO CONTRÁRIO A UMA SÓ PALAVRA DA PALAVRA DE DEUS.

    [13] EM QUALQUER ÉPOCA DA HISTÓRIA DA IGREJA DEUS TEM SIDO MAIS SEVERO COM AQUELES A QUEM ESTÁ USANDO NO MOMENTO.

    CONCLUSÃO: CONCEITO BÍBLICO DE APOSTASIA

    DEFINIÇÃO: [por L.G. WHIT LOCK HR e SCOFIELD] 1. "REPÚDIO e ABANDONO DELIBERADO DA que FÉ que a pessoa professou (Hb. 3:12);

    2. "DESERÇÃO", é um ato de cristãos professos que deliberadamente rejeitam a verdade revelada, . como: [1] a Divindade de Cristo, e [2] a redenção mediante o Seu sacrifício expiador e remidor (I . Jo.4:1-3; Fp;3:18; 2 Pe 2:1).

    DIFERENÇA ENTRE APOSTASIA, ERRO E HERESIA.

    * Segundo SCOFIELD, J.D.SPICELAND e L.G. WHITLOCK JR.: [com enxertos do autor].

    1. APOSTASIA é deliberada e consciente, o ERRO quanto a VERDADE pode ser resultado de . IGNORÂNCIA (At 19:1-6), ou HERESIA (em algum ponto verdade), devido a uma armadilha de . Satanás (2 Tm 2:25-26).

    2. J.D.SPICELAND assim define HERESIA:

    "A palavra grega "hairesis" significa: "... [2] Uma opinião escolhida , sendo que a única ocorrÊncia no NT é 2 Pe 2:1, onde "opiniões destruidoras" são causadas por ensinos falsos [dai "heresias" na ARA]; [3] Uma seita ou partido (que sustenta certas opniões)... em 2 Pedro, veio a predominar no uso cristão. A heresia é uma negação deliberada da verdade revelada, juntamente com a aceitação do erro .

    3. Sendo que o ERRO QUANTO A VERDADE e a HERESIA, podem existir junto com a VERDADEIRA FÉ, e também podem conduzir a uma COMPLETA APOSTASIA.

    4. L.G. WHITLOCK JR. tenta fazer uma diferenciação: "A APOSTASIA difere da HERESIA quanto ao grau. O HEREGE nega algum aspecto da fé cristã, mas retem o nome de cristão " [porém esta diferenciação chega a se torna sem valor porque muitos apostatas, também retêm o nome de cristão].

    É interessante neste ponto citarmos o Dr. SCOFIELD: " O apóstata está perfeitamente descrito em 2 Tm 4:3-4. Os apóstatas afastam-se da fé, mas não da profissão externa do Cristianismo (2 Tm 3:5).

    [Continuam dizendo-se "cristãos" e usando palavras da Teologia Cristã, porém dão outro significado a estas palavras, de modo que, quando falam em "Deus",mas não é o Deus Bíblico, ou em Bíblia, porém não a tratam como Palavra de Deus, e assim destroem o fundamentos, e continuam dizendo que são "cristãos". Este engano é uma grande arma de Satanás para enganar os desavisados e inguênuos. O falso profeta, na qualidade de lobo que é, nunca se apresenta como tal, mas como ovelha como em Mateus 7:15-23, 2 Coríntios 11:3,4, e Apocalipse 13:11].

    5. Os Mestres apóstatas são descritos em 2 Tm. 4:3; 2 Pe.2:1-19; Jd.4,8,11-13, 16.

    [Vivemos numa época muito fácil de ser enganada por intelectualismo e erudição filosófica e teológica. Os homens que mais prejuízo têm causado à Igreja de Cristo na terra, têm sido homens brilhantes, quais Lúcifer foi, homens com os mais elevados graus acadêmicos, homens cujo conhecimento lhes encheu de vaidade e orgulho ao ponto de acharem que podem por si mesmo julgar a Deus, a Bíblia e a Sua Igreja. Estes brilhantes falsos mestres e doutores em teologia, são os mais procurados para serem os pastores das grandes igrejas, professores dos grandes seminários e líderes denominacionais e do movimento ecumênico, por que na sua sanha por auto-realização e grandeza pessoal, não se satisfazem só em serem grandes em sua denominação, querem dominar sobre toda a cristandade, e se possível sobre todo o mundo religioso]. Ressalva: não estamos dizendo que todos os mestres e doutores em Teologia sejam apóstatas, pois ainda existem alguns mestres e doutores que usam seus conhecimento debaixo do Senhorio de Cristo e para defender a sã doutrina, oremos para que o seu número aumente.

    6. A apostasia na igreja , como em Israel (Is.1:5-6; 5:5-7), é IRREMEDIÁVEL, e AGUARDA JULGAMENTO (2 Ts. 2:10-12; 2 Pe 2:17,21; Jd. 11-15; Ap:3:14-16; 13:11-15; 17:1-5, 16; 18:1-8).

    7. Sabemos que o avanço da APOSTASIA não pode ser contido por muito tempo. Cristo disse: "Quando vier o Filho do Homem, achará porventura fé na terra?" [Lc.18:8]. Citamos a seguir algumas sugestões bíblicas enumerada pelo Dr. SCOFIELD ao comentar 1 Tímóteo (base: 1:12).

    "Os recursos do cristão num dia de declínio e apostasia generalizados são: [1] a Fé (1 Tm1:5); [2] o Espírito (1 Tm 1:1-6); [3] a Palavra (1 Tm. 1:13; 3:1-17; 4:3-4); [4] a Graça de Cristo (1 Tm.2:1); [5] Separação dos vasos sem honra (1 Tm 2:4, 20-21; [6] a Recompensa certa do Senhor (1 Tm.4:7-8); [7] a Fidelidade e o Poder do Senhor (1 Tm. 2:13,19).

  • APÊNDICE

    A RELIGIÃO E O FUNDAMENTALISMO

    1. O QUE É RELIGIÃO ?

    PENSADORES

    CONCEITO

    ABRANGÊNCIA E FATOS BÍBLICOS NÃO LEVA DOS EM CONTA

    XENÓFANES [IV a.C]

    TENDÊNCIA DE CADA POVO A RETRATAR UM DEUS Á SUA PRÓPRIA IMAGEM.

    ABRANGE AS RELIGIÕES NÃO CRISTÃS

    REVELAÇÃO DIVINA

    ATOS DIVINOS NA HISTÓRIA

    CÍCERO

    ‘RELEGERE’

    "CONSIDERAR, REVER’

    DEVOTAMENTE A ADORAÇÃO AOS DEUSES"

    ENCAIXA TODO TIPO DE RELIGIÃO

    MONOTEÍSMO BÍBLICO

     

    AGOSTINHO

    ‘RELIGARE’

    "LIGAR DE NOVO"

    ABRANGENTE, MAIS, AINDA EXCLUI RELIGIÕES

    CONCEPÇÃO BÍBLICA DA NATUREZA DO PECA

    NECESSIDADE DE REDENÇÃO

    • KANT
    • MATEWS ARNOLD
    • HENRY WIEMAN
  • IGUAL A ÉTICA
  • MORALIDADE+EMOÇÃO
    • PERCEPÇÃO DE IMPOTÊNCIA e o COMPORTAMENTO RESULTANTE
  • A ÉTICA [OBRAS] É UM EFEITO E NÃO A CAUSA. A MORAL SÓ TEM SENTIDO ANTECEDIDA PELA FÉ NO CRIADOR E LEGISLADOR  

    HEGEL

    TIPO DE CONHECIMENTO

    RELIGIÕES RACIONALISTA

    AFEIÇÃO E VONTADE

    O HOMEM INTEGRAL

    KIERKEGAARD

    TIPO DE APREENÇÃO SUBJETIVA DA VERDADE ATRAVÉS

    DE UM "SALTO DE FÉ"

    ERA O ‘EXISTENCIALISMO’

    RELIGIÕES EXISTENCIALISTAS

    excluiu RELIGIÕES COM AUTORIDADE FORA

    A REVELAÇÃO OBJETIVA DA VERDADE NA REVELAÇÃO DIVINA

    A EXPERIÊNCIA EXISTENCIAL

    É SUBJETIVA

    SCHEIERMACHER

    SENTIMENTO DE DEPENDENCIA

    RELIGIÕES MÍSTICAS E MODERNISTAS

    APROPRIAÇÃO

    DE DEUS

    SERVIÇO PRESTADO A

    ELE

    FREUD

    MARX

    ILUSÃO

    FRUTO DO MÊDO

    MERAS PROJEÇÕES PSICOLÓGICAS.

    ‘O ÓPIO DO POVO’

    ENCAIXA AS FILOSOFIAS ATEÍSTAS E NATURALISTAS

    O DEUS QUE TEM INTERVIDO NA HISTÓRIA

     

    A.K.RULE

    • O RECONHECIMENTO DE UM PODER SUPERIOR, INVISÍVEL;
    • UMA ATITUDE DE REVERENTE DEPENDÊNCIA DAQUELE PODER NO MODO DE VIVER;
    • AÇÕES ESPECIAIS: RITOS, ORAÇÕES E ATOS DE MISERICÓRDIA COMO EXPRESSÃO DE CULTO RELIGIOSO.
    •  
    • ENCAIXA QUASE TODAS AS RELIGIÕES

    O DEUS VIVO DA BÍBLIA

    •  
    • A PALAVRA DO DEUS VIVO.

    TEMPLE GAIRDNER

    [Missionário no Egito]

    FRATERNIDADE INFINITA E ILIMITADA [Diz que isto foi o ensino de Cristo]

    INCLUE APENAS AS RELIGIÕES ECUMÊNICAS

    A VERDADEIRA RELIGIÃO NÃO É INCLUSIVISTA

    VERDADE E ERRO SE EXCLUEM

    STRONG

    • UMA VIDA EM DEUS
    • RECONHECE A DEUS
    • TEM COMUNHÃO C/DEUS
    • SOB O CONTROLE DO ESPIRITO DE DEUS, QUE HABITA NO CRENTE.

    [ AQUI É O DEUS DA BÍBLIA]

    SOMENTE A RELIGIÃO BASEADA NAS ESCRITURAS JUDAICO-CRISTÃS

    PODE SE ENCAIXAR AQUI

    COMO VERDADEIRA

    O CRISTIANISMO É EXCLUSIVISTA,.

    SUA PRESSUPOSIÇÃO BÁSICA É A REVELAÇÃO DO DEUS BÍBLICO

    SE RELIGIÃO É O CAMINHO PARA DEUS, CRISTO, ENTÃO , É A VERDADEIRA RELIGIÃO

    JO.14:6

    Pr. José Laerton A.Ferreira - Ig. Bat. Reg. do Ceará



    (retorne à PÁGINA ÍNDICE de SolaScripturaTT / SeparacaoEclesiastFundament)