Dando nomes aos bois

(uma proposta bíblica)




Kevin Reeves.

 

        Nos dias de hoje centenas de falsos ensinos assaltam tanto a igreja como a Escritura e, portanto, isso exige um minucioso exame de como devem ser tratados os que promovem as falsas doutrinas.

       Embora pessoa alguma, com um sincero desejo de servir a Cristo, deseje ardentemente acusar outro irmão de estar cometendo erros em seu ministério, os profetas do Velho Testamento, o próprio Senhor Jesus Cristo e os apóstolos deixaram claro que muitos viriam em o nome do Senhor, professando segui-Lo e, contudo, pelos seus ensinos fraudulentos, negando-O ou apresentando uma imagem deturpada de Deus, bem diferente daquela que nos é apresentada na Escritura Sagrada. Paulo disse“Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas” (Filipenses 3:18-19).

         Falsos mestres, falsos apóstolos, falsos profetas e falsos irmãos podem danificar e até mesmo destruir a simplicidade da fé em Cristo: “... tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos” (Judas 3). Jesus avisou que muitos seriam enganados por aqueles que afirmam falar em o nome de Deus (Mateus 24:5, 11, 24). Tendo sido um cristão que esteve à frente de falsos movimentos e que por ignorância promoveu o erro durante 12 anos, conheço de sobra o perigo que a nossa fé pode correr  com a redefinição do Cristianismo e a apresentação de um “outro Jesus”. A heresia não é um brinquedo. Ela é uma mentira propalada  com o objetivo de destruir o relacionamento entre o Salvador e o salvo, levando as confiantes ovelhas para um deserto repleto de predadores.

        Nomear pessoas especificamente envolvidas na promoção de heresias ou doutrinas não bíblicas é, e deveria ser, a última e desconfortável atitude a ser tomada, e somente depois de muitas tentativas de reconciliação. Todo mundo pode cometer erros e somente diante de uma atitude de rebeldia, de falta de arrependimento e de mentalidade elitista demonstradas pelo irmão errado no sentido de raciocinar e de aceitar a verdade, é que nos dispomos a vir a público, numa hora de absoluta necessidade. Se um ladrão, um vândalo ou coisa pior residisse próximo à sua casa, será que você não gostaria de saber o seu nome e de onde ele veio, a fim de proteger sua família do perigo? Muito mais em se tratando de assuntos espirituais - itens de significação eterna - devemos proteger nossas almas e as almas das pessoas que nos foram confiadas pelo Senhor!

        O perigo inerente de coabitar com a heresia jamais pode ser exageradamente exposto. O erro desconsiderado sempre tende a “corroer como gangrena” o Corpo de Cristo, a igreja (2 Timóteo 2:17-18). A heresia se especializa em negar a verdade e em desacreditar a exata história da antiga nação de Israel, cujas renovadas simpatias pelos falsos deuses e pelos falsos profetas levaram a nação a colher uma completa destruição de sua fé em Deus e, conseqüentemente, o julgamento do Senhor. Parece que nos esquecemos da admoestação contida em Romanos 15:4: “Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança”. 

            Embora os fracassos de Israel fossem registrados para nos servirem de admoestação, muitos cristãos acreditam estar isentos do mesmo tipo de engodo. Os falsos profetas têm sido sempre os heróis do povo, tornando tortuoso o caminho do Senhor e conduzindo as pessoas à depravação. Eles: “mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis” (Romanos 1:23).

         Conquanto a atual sofisticação entre os nossos falsos profetas e falsos mestres [evangélicos] já não possa incluir o uso de ídolos de pedra e madeira, mesmo assim eles pintam suas imagens de Deus com palavras que excitam a imaginação humana, redefinindo o objeto da adoração.  Mesmo os que inadvertidamente ensinam o contrário do Evangelho de Cristo, acreditando que os seus ensinos são a verdadeira revelação, estão conduzindo multidões por um tenebroso caminho que as afasta cada dia mais da verdade. Apesar da sua sinceridade, eles se tornaram inimigos da fé e, a não ser que cheguem a um sincero arrependimento, abandonando o erro, irão naufragar na fé, levando muitos outros com eles: “Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé”  (1 Timóteo 1:29).

         Nesta época de “tolerância”, muitos cristãos têm se inclinado a praticar o mal, minimizando o seu dano. Aspergida com um ensino bíblico misto de honestidade e bondade, a heresia logo se torna agradável ao paladar, principalmente quando alimenta a auto-imagem e o desejo de possuir poder da parte de quem a escuta. A “comichão nos ouvidos” (2 Timóteo 4:3-4) tem se tornado o passatempo religioso nacional. Muitos têm preferido escutar fantásticas fábulas  (verso 4), com uma ligeira camada de verniz cristão,  em vez de escutar a dura verdade que exige a morte do ego.

         Mesmo assim, o nosso Deus não está dormindo e o cristão sincero e humilde ainda consegue escutar a voz do seu Pastor e os de coração sensível ainda podem sentir a tristeza do Espírito Santo, quando o falso evangelho é apresentado como genuíno. Mas, infelizmente, a rota mais fácil é manter o “status quo”, mesmo diante da violência feita às Sagradas Escrituras. Os cristãos são anulados pelas constantes ameaças vindas dos púlpitos locais e nacionais, com a frase: “Não toqueis nos ungidos do Senhor!”  e o medo de apedrejar o barco pode silenciar até mesmo o mais sincero crente em Cristo. Contudo, ao mesmo tempo em que existe um caminho mais fácil para quem se torna um ditador, suplantando o conhecimento de Deus com uma falsa piedade que ameniza o pecado, por outro lado o seu pecado deve ser amenizado, quando cometido na presença de alguém. Quando se dobram os joelhos tornando-se compromissados com o erro, eles ficarão dobrados até que aconteça o verdadeiro arrependimento e se volte para a única verdade que liberta do engodo.

         O fato é que mesmo com todo o polimento da falsa teologia com eufemismos açucarados, ela não consegue esconder o seu veneno. A moda agora é dizer que um falso mestre foi  “mal interpretado”, passando-se por cima do óbvio erro doutrinário que ele cometeu. Porém é bíblico chamar de falso o que é falso, tanto o homem como o seu ensino, dando nomes aos bois. E nenhuma das nomeações colocadas sobre os ombros dos falsos mestres pode ser considerada boa. E nem poderia ser. Um homem que deliberadamente refuta os outros com a sua própria lepra consumidora deve ser confrontado com o fato de sua moléstia e de sua necessidade de quarentena, para o seu próprio bem e dos seus seguidores. O mínimo que ele deveria fazer seria evitar o contágio a quem assiste a difusão do seu erro doutrinário.

        Com fervoroso vigor apologético, a igreja primitiva fez guerra contra os que pervertiam a fé em Cristo. Qualquer um que se recusasse a agir assim, seria considerado um mercenário e culpado de grosseira covardia (João 10:12).

         Os que são fiéis ao bom Pastor jamais hesitarão em usar o seu pessoal para afugentar os lobos do rebanho que precisa de proteção.

         Na arena pessoal, é o caso de indagar: por que perturbar as crenças de um irmão que não é líder na comunidade cristã? Enquanto ele não estiver ensinando os outros, a mania teológica do “não julgue” nos leva a deixá-lo em paz. Ironicamente, a Bíblia narra esse tipo de pensamento na boca do primeiro assassino: “sou eu guardador do meu irmão?” (Gênesis 4:9). A resposta sarcástica de Caim nos diz que ele já conhecia a resposta: De fato, somos todos “guardadores do nosso irmão”. Se nós o amamos “não apenas de língua, mas por obra e em verdade” (1 João 3:18),  precisamos informá-lo sobre o seu erro. De suas crenças vai depender o caminho no qual ele vai andar, caminho que poderá conduzi-lo a um precipício e atirá-lo ao abismo da heresia. O mesmo é verdade para todos nós. Conforme a crença que guardamos no coração, por ela viveremos e isso poderá determinar o nosso destino eterno.

         Mesmo que a exposição do erro de um irmão não seja necessária, enquanto ele não se tornar um líder na congregação da igreja,  a separação bíblica continua sendo aconselhada como uma resposta aos que se autodenominam cristãos e, contudo, vivem da mesma maneira ímpia como vivem os não regenerados: “Já por carta vos tenho escrito, que não vos associeis com os que se prostituem; isto não quer dizer absolutamente com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo. Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais” (1 Coríntios 5:9-11).

 

Aos olhos de Deus



         Poderia ser útil observar pessoalmente como os falsos mestres, falsos profetas e falsos irmãos são retratados na Escritura. O Deus da Bíblia faz certas referências específicas, escritas para todas as gerações, e nenhuma dúvida há na seriedade com que Ele vê os que pervertem o Seu caráter, Seus caminhos e Sua Palavra:



Pastores brutais - Ezequiel 34:1-22.

Lobos - Mateus 7:15.

Joio -  Mateus 13:25.

Raça de víboras - Mateus 23:33.

Ladrão e salteador - João 10:1.

Mercenário - João 10:12.

Ministros de satanás 2 Coríntios 11:15.

Animais irracionais - 2 Pedro 2:12.

Ímpios - Judas 4

Ondas impetuosas do mar - (Judas 13).

Contaminadores - (Judas 8).

Manchas em festas de amor - (Judas 12).

Duas vezes mortos - (Judas 12).

 

Velho Testamento



Referências feitas aos falsos mestres, falsos profetas e falsos irmãos são por demais abundantes nas páginas do Velho Testamento. Vamos nos concentrar em apenas algumas, tentando especificar indivíduos tratados e nomeados pelo Senhor:

Números 16 - Datã, Abirão e Coré foram publicamente censurados por Moisés (verso 26) e engolidos pela terra em julgamento divino (versos 31-32).

1 Reis 22:11, 24, 25 - O falso profeta Zedequias foi censurado e julgado por Micaías.

Jeremias 29:31-32 - O falso profeta Semaías morreu, após a censura do Senhor, feita através de Jeremias.

        Grande parte do Livro de Jeremias é gasto na censura aos falsos profetas que desviaram Israel do caminho do Senhor, tendo levado o povo a adorar os ídolos - Jeremias 2:8 e 5:30-31.

Ezequiel 8:8-11 - Falsos anciãos de Israel expostos, inclusive Jahazanias.

Ezequiel 11: 1-13 - Falsos irmãos expostos e um deles, Penatias, morreu. Além destes, grande parte do tempo de Ezequiel foi gasto em profetizar contra:

Os falsos irmãos (Ez. 11:4).

Os falsos profetas (Ez. 13:16-17).

Os falsos pastores (Ez. Capítulo 34).

         Grande parte do Livro de Isaías também é devotado às censuras feitas pelo Senhor contra os falsos profetas que estavam levando Israel à apostasia contra Deus, adorando os ídolos (Isaías 9:15 e 28:7).

 

Novo Testamento



Mateus 23 - Jesus censurou publicamente os fariseus pela sua hipocrisia e adoração a Deus conforme a maneira dos homens e pela distorção das Escrituras.

Romanos 16:17 - Paulo condena os que promoviam divisões contrárias à doutrina cristã, mandando evitá-los.

1 Coríntios 4:18 - Também todo o capítulo 5 - Paulo condena os orgulhosos que eram muitos, inclusive censurando um membro da congregação que havia cometido pecado público, o qual ele manda que seja expulso da igreja e entregue a Satanás.

2 Coríntios 10:8-11; 11:1-4; 12-15 e 20-23 - Falsos apóstolos denunciados por estarem pregando “outro Jesus” na congregação.

Gálatas 1: 1-8 - Falsos irmãos trazendo a circuncisão às igrejas da Galácia.

Gálatas 2:11-13 - Mesmo não se tratando de falsos irmãos, Paulo censurou publicamente Pedro e Barnabé por causa de sua hipocrisia.

1 Timóteo 1:3-4 - Paulo ordena a Timóteo que ele detenha os que estão pregando falsas doutrinas.

1 Timóteo 1:19-20 - Himineu e Alexandre foram entregues pelo apóstolo Paulo a Satanás por causa de sua blasfêmia.

1 Timóteo 5:19-20 - Censurados publicamente os que cometiam pecados grosseiros.

2 Timóteo 4:14 - Paulo admoesta Timóteo para se acautelar contra Alexandre, o latoeiro, que muito se opunha ao Evangelho.

Tito 1:9-16 - Recomendação a Timóteo para que censure os falsos mestres, os quais deveriam ser interrompidos por estarem causando graves danos ao Corpo de Cristo.

3 João: 9-10 - Diótrefes se opondo a João e controlando os membros da igreja.

Apocalipse 2:14 - Em Pérgamo, alguns aderem aos ensinos de Balaão e outros mantêm os ensinos dos nicolaítas, os quais Jesus odeia.

Apocalipse 2:20 - Jezabel, a falsa profetisa na congregação de Tiatira,  era conhecida de todos, por ser ativa na igreja.

        Existem muitas outras Escrituras, as quais mesmo não nomeando indivíduos culpados de ensinar falsas doutrinas ou de viver em ostensivo pecado, eram bem conhecidos dentro da congregação. Nesse caso era nomeada a igreja em determinada área, e todos ficavam sabendo quem estava sendo apontado pelas cartas de Paulo.

        A igreja de hoje está quase devastada pelos que afirmam trazer novas revelações, uma “palavra nova” do Senhor, o que não pode ser respaldado nas Escrituras. Entre esses homens estão Rick Joyner, cujas visões de anjos, de demônios vomitando e de um “Jesus” contradizendo as Escrituras têm conduzido multidões pelo caminho da falsa sabedoria e autoridade; Kenneth Copeland, que nega a suficiência do sangue de Cristo e cujo “Jesus” precisou nascer de novo no inferno, após ter assumido a natureza de Satanás; Benny Hinn, cuja apresentação nos palcos leva tantas pessoas a crer que ele é um legítimo mensageiro de Deus, até mesmo quando ele, sob uma falsa unção, se enfurece e profere, publicamente, maldições contra os seus adversários, numa voz gutural e sibilante.

        Estes são apenas alguns exemplos dos ministros de elevado perfil, que estão pervertendo os registros bíblicos. Suas doutrinas e demonstrações de falsos sinais e maravilhas têm produzido um verdadeiro enxame de imitadores, desde o pastor local, imitando fielmente os seus ídolos, até as mais confusas ovelhas, que se assentam nos bancos, sendo obrigadas pela liderança da igreja a proclamar um “outro evangelho”, contrário ao que Cristo ensinou, o qual elas haviam aprendido e no qual  creram e tanto amaram [antes de descambar no erro doutrinário].

        O tempo de silenciar já passou há muito. A ameaça de Ananias e Safira já não pode mais ser usada para bestificar os verdadeiros crentes na cruz de Cristo. Mas a intimidação tão usada e abusada do “não toqueis nos meus ungidos”  tem crescido ao extremo.  Se o preço de falar a verdade for a condenação da nossa comunidade religiosa, que assim seja. A perda da influência, do status e do respeito significa uma ninharia quando comparada à glória de sofrer pelo nosso Senhor. As palavras que Cristo tem falado através das eras continuam tão fortes agora como eram, quando foram impressas pela primeira vez nas páginas da Bíblia: “Por que estais ociosos todo o dia?” (Mateus 20:6). Conhecer a verdade e não agir em favor da mesma é o mesmo que se tornar cúmplice do pecado.

         Muito mais tem sido patrocinado às assim chamadas “vozes proféticas” de hoje. Gritos de “paz, paz”, quando não há paz, ecoam nos corações vazios daqueles que anseiam pela reconfortante Palavra da Verdade, a qual não conseguem encontrar entre os vendilhões do Templo. O tilintar das moedas vai comprando o silêncio,  à custa do engodo das multidões. Os legítimos profetas de Deus censuraram a heresia, com as suas palavra cortando acarunchosa madeira da falsa doutrina. Reis, sacerdotes e falsos profetas sentiram os golpes do machado. Os “ungidos do Senhor” (os verdadeiros profetas do VT) puderam tocar os outros “ungidos do Senhor” (Reis e sacerdotes) e também tocaram aqueles [falsos profetas] que haviam conseguido o respeito dos crentes com a sua fingida lealdade ao Senhor.

        Uma plenitude de passagens, tanto do Velho como do Novo Testamento, ensina como trazer luz ao que é falso, a fim de que a falsidade seja desmantelada. Efésios 5:11 diz: “E não vos comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as”. A escolha é nossa em obedecer, mesmo sofrendo as conseqüências, pois o resultado do erro doutrinário é a destruição da vida espiritual do povo de Deus, o qual é levado à prostituição espiritual. Efésios 5:11 não é uma sugestão ou desafio, mas uma ordem.  Se obedecermos corretamente essa ordem, poderemos contar com a integridade e a coragem bíblica da próxima geração de cristãos.

 

Artigo “Naming the Names, a Biblical Approach”, de Kevin Reeves.

kreeves@aptalaska.net

Traduzido por Mary Schultze, em 16/08/2007.

http://www.cpr.org.br/Mary.htm



[Hélio não se identifica com o fato do autor continuar no erro do pentecostalismo, apenas tendo deixado o neo-pentecostalismo para se tornar pentecostal “moderado”]

 

 


 

Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SeparacaoEclesiastFundament/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )