Três Razões Pelas Quais Arminianos {*} {**} Não São Salvos

(título original: Three Reasons Why Arminians Are Not Saved)

por Christopher Adams




Uma das questões mais importantes enfrentadas por aqueles que professam crer nas doutrinas da graça (comumente chamado de "calvinismo" {**}) é como se relacionar com os cristãos professos que rejeitam as doutrinas da graça. Deverão ser abordados como irmãos em Cristo? Deveremos tomar o relato de suas “experiência de conversão” como tendo o valor que alegam ter? Para responder a estas questões, o escritor gostaria de apresentar as seguintes Três Razões Pelas Quais Os Arminianos Não São Salvos {*}.




Motivo número um: 
Os arminianos não estão salvos porque eles adoram um ídolo {*}. Por um ídolo, quero dizer "um deus que não pode salvar." Mas espere um minuto, você diz, não adoram Jesus eles? Não, por uma questão de fato, não. Eles podem dizer que adoram Jesus, mas o Jesus que eles adoram simplesmente não pode salvar. Os fariseus disseram que acreditavam em Deus e até mesmo convenceram a si mesmos de que eles acreditavam em Deus, mas sua fé estava realmente em um deus que não poderia salvá-los, a sua fé não estava no único e verdadeiro um Deus. Isto é evidente pelo fato de que, quando o verdadeiro Deus veio para viver entre eles, blasfemavam dele e O fizeram ser executado. Os fariseus fizeram um ídolo de sua idéia de Deus, portanto, eles estavam tão perdidos quanto aqueles que adoravam um ídolo esculpido chamado Moloch. Formarmos uma imagem no nosso cérebro e chamando-o de "Jesus" não é mais uma evidência da salvação do que esculpir um ídolo de madeira e chamá-lo de "Deus". De ambos os modos, o indivíduo está em idolatria grosseira. E o fim daqueles que adoram ídolos é tornar-se como seus ídolos (Salmos 115:8). Arminianos têm um deus que não é capaz de transformar a vontade do homem que agrada a ele [o deus]. Podem firmemente crer que ele é capaz de mover montanhas, causar o trovão e o relâmpago, e ordenar as estrelas em seus cursos, mas ele é impotente perante o Todo-Poderoso Livre-Arbítrio do Homem, e o sangue do seu único filho gerado é derramado por aqueles que estão no inferno, em uma expiação impotente. Este não é o Deus da Bíblia (Salmo 115:3, Provérbios 1:21). Esse "deus" não é um Deus justo, nem um Salvador (Isaías 45:21). Esse "deus" simplesmente não pode salvar (Isaías 45:20). Esse "deus" é um caniço quebrado, perfurando a mão de todo aquele que se apóia sobre ele. Esse "deus" é uma mentira do inferno e está destinado a voltar para lá. E aqueles que o seguirem até o fim estão destinados a retornar para lá juntamente com ele. 

Qual foi a queixa de Deus fez à apóstata Israel?“... pensavas que Eu era tal como tu ...” (Sl 50:21 ACF) Arminianos têm formado um deus em sua própria imagem. Eles não são mais salvos do que os judeus que fizeram exatamente a mesma coisa.




Motivo número dois: 
Os arminianos não estão salvos porque eles não acreditam na verdade{*}. Isso está relacionado ao motivo anterior, mas tem mais a ver com a evidência da salvação de uma pessoa.

Qualquer calvinista que defende a salvação de arminianos devem explicar 2 Tessalonicenses 2:12, que diz: “Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade.” (2Ts 2:12 ACF) Alguns usam a desculpa de que os arminianos acreditam nas mais importantes, nas doutrinas fundamentais da Escritura. Mas será que eles acreditam mesmo?

Cada membro da Trindade está associado com a verdade (Salmo 31:5, João 14:6,17). Aqueles que são salvos amam a verdade (Tito 1:1, João 3:21), porque foi o instrumento de seu segundo nascimento (Tiago 1:18, Efésios 1:13). Mais relevante e especificamente, eles amam a verdade, porque Deus os predestinou para amá-la (2 Tessalonicenses 2:13), portanto as ovelhas eleitas conhecem a voz de seu Pastor (João 10:14) e que, inevitavelmente, O seguem. Na verdade, aqueles que não ouvem a voz do Pastor simplesmente não são ovelhas (v. 26)! Por que Deus predestina as Suas ovelhas a amarem a Sua verdade e a seguir somente a Ele? A razão é dada em Isaías 48, versículos 9-11:

“9 ¶ Por amor do meu nome retardarei a minha ira, e por amor do meu louvor me refrearei para contigo, para que te não venha a cortar. ... 11 Por amor de mim, por amor de mim o farei, porque, como seria profanado o meu nome? E a minha glória não a darei a outrem.” (Is 48:9-11 ACF)

A glória de Deus é a única razão pela qual Ele faz todas as coisas. É a razão pela qual Jesus veio à terra (João 12:27-28), é a razão pela qual Ele salvou a Sua igreja (Efésios 1:12), e é a razão pela qual Ele irá retornar algum dia para levar a igreja para a casa dEle (2 Tessalonicenses 1:10). É a razão para a existência da criação (Romanos 9:23). Agora, se a vontade de Deus é que Ele seja glorificado por Sua igreja, que possível motivo poderia ter Ele para permitir aos homens atribuirem a fonte da sua fé às suas próprias vontades? Isso despojaria Deus de Sua glória de direito e não compartilhada, glória que Lhe cabe na salvação. Ele não deixa os Seus [redimidos] na ignorância mais do que Ele os deixa chafurdar nos seus pecados (1 João 3:9). Portanto, a glória de Deus absolutamente exige  que consideremos os arminianos perdidos.

O ensinamento de que Deus não poderia, ou não quereria, irresistivelmente conduzir Seu povo a crer e confessar o verdadeiro Evangelho é um ensino que apresenta Deus como sendo tão frágil e impotente como o deus arminiano. Na verdade, essa linha de pensamento é realmente o resultado de uma forma muito sutil de santificação baseada em obras. Ela tacitamente assume que Deus faz o trabalho inicial de mudar o coração de pedra em carne, mas depois permite aquele coração mudado a escolher seu próprio caminho. Se isso fosse verdade, significaria que "inocentes" ajudas à religião, tais como ídolos e imagens, seriam muito úteis, mesmo necessárias. Pelo contrário, Deus não permite uma pessoa regenerada desenvolver livremente sua teologia mais do que ele permite que uma pessoa regenerada livremente persista no pecado. Em vez disso, ele coloca o seu Espírito Santo dentro dessa pessoa, e o Espírito soberanamente leva a pessoa a toda a verdade (João 16:13).

Além disso, existem três verdades a que o Espírito nos leva especificamente: pecado, justiça, e juízo (João 16:8-11). Examinemos cada uma dessas verdades com mais detalhes.

Primeiro, porque Ele vai nos ensinar sobre o pecado? A resposta é dada no versículo 9: “... porque não crêem em mim;” Esta é obviamente a doutrina da depravação total. Todo pecador re-gerado tem sido ensinado por Deus-Espírito Santo que ele é um vil, miserável, desamparado pecador, totalmente vazio de justiça e absolutamente incapaz de chegar à fé salvadora por si mesmo. Todo pecador regenerado tem sido ensinada por Deus-Espírito Santo que a menos que o próprio Deus intervenha para salvá-lo, o pecador virá a ser eternamente perdidos (Salmo 130:3, João 6:45). O pecador salvo pode não usar a expressão "depravação total", mas eles sempre vai entender sua inata incapacidade de agradar a Deus e nunca acreditará que foram seus próprios esforços e decisões que foram interposto em favor dele junto a Deus. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que Deus salva um pecador com base nas ações ou decisões do pecador (João 1:12, Romanos 9:16), ou quando proclamam que Deus vai salvar com base Sua presciência do que o pecador vai fazer.

Em segundo lugar, porque Ele vai nos ensinar sobre a Justiça? A resposta é dada no versículo 10: “... porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;” (Jo 16:10 ACF) Aqui, Jesus está ensinando que o Espírito Santo ensinará a cada crente que Cristo, pela Sua morte sangrenta na cruz, produziu uma justiça que satisfaz a justa ira do Pai contra todos a quem Cristo representou. O Espírito Santo ensina a cada pecador regenerado sobre a doutrina da Expiação Limitada. O pecador salvo pode não usar as palavras "Expiação Limitada" ou "Redenção Particular", mas ele sempre vai entender que Jesus tem efetivamente estabelecido a paz entre ele e Deus, e nunca vai crer que alguém por quem Cristo morreu poderá vir a novamente ficar sob a ira de Deus. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que Jesus derramou Seu precioso sangue mesmo por aqueles que eternamente sofrem a ira do Pai no inferno (Jeremias 6:14, Gálatas 1:8-9).

Terceiro, porque Ele vai nos ensinar sobre o julgamento? A resposta é dada no versículo 11: “... porque já o príncipe deste mundo está julgado.” Aqui, Jesus está ensinando que o Espírito Santo ensinará a cada crente que Jesus desfez as obras do Diabo e com mão forte libertou os que eram cativos do Diabo (Lucas 11:21-22; 1 João 3:8, 5:19). Nenhum crente nunca poderá voltar às mentiras e laços de Satanás (João 10:5). O Espírito Santo ensina a cada pecador regenerado sobre as doutrinas da Graça Irresistível e da Perseverança dos Santos. O pecador salvo pode não usar a expressão "Graça Irresistível" ou "Perseverança dos Santos", mas ele sempre vai entender que a sua conversão e perseverança vêm do Espírito Santo, e ele nunca vai acreditar que a sua conversão e perseverança vêm da sua própria força. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que um filho de Deus pode novamente se tornar um filho do Diabo (Mateus 13:11-17).

Novamente, um pecador salvo pode não utilizar todas as mesmas palavras que eu usei aqui, mas ele nunca vai acreditar o contrário dessas doutrinas, nem jamais ele irá se opor a elas quando confrontados por elas confrontados (1 Coríntios 2:12).




Razão Número Três: 
Os arminianos não estão salvos porque eles odeiam a verdade {*} Este motivo também tem mais a ver com a evidência da salvação de uma pessoa.

Olhe novamente para 2 Tessalonicenses 2:12, especialmente a última parte do verso. “Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade.” (2Ts 2:12 ACF) Arminianos certamente têm prazer na iniqüidade. Eles acreditam que Jesus derramou o Seu sangue para resgatar milhões de pessoas a quem Deus enviará para o inferno de qualquer maneira. E os arminianos certamente ter prazer no que é falso. Arminianismo é o cumprimento da mais antiga mentira em existência: “Você vai se tornar semelhante a Deus.” Ou, o que o homem natural realmente quer ouvir: “Você vai se tornar mais poderoso do que Deus.” Quando os arminianos proclamam um Deus que é impotente diante da vontade humana, proclamam a mesma velha mentira que é tão agradável aos ouvidos não regenerados. E este é exatamente o ponto: aquele que odeia a verdade é o homem natural, não regenerado. Por natureza, os homens amam as trevas (João 3:19), por natureza, os homens odeiam a luz (João 3:20), apenas aqueles que tiveram sua natureza mudada vêm para a luz (João 3:21). Uma vez que arminianos odeiam a luz da verdade e amam as e as mentiras, somos forçados a concluir que eles são não-regenerados {*}. O homem natural (o arminiano) odeia a verdade da soberania de Deus (Salmo 15:03, Romanos 9:20).

"Mas", pode-se argumentar, "se somos salvos porque somos ortodoxos, isto não faz com que a salvação seja o resultado das obras?" Esse argumento é realmente uma sutil distorção do que foi dito aqui. Ninguém está sugerindo que nós somos salvos por causa da nossa doutrina ortodoxa.Pelo contrário, o que estamos sugerindo é que a doutrina ortodoxa é uma conseqüência inevitável de sermos salvos. Afirmar o contrário seria negar a soberania do Espírito Santo, mesmo sobre os pensamentos dos homens. A salvação não depende mais da [nossa] ortodoxia do que dependente das [nossas] boas obras, mas ambas [estas coisas] certamente virão a ser manifestadas em cada filho de Deus (Romanos 8:9).

Novamente, o escritor tem muitas vezes ouvido a afirmação de que "uma pessoa não tem que ser ortodoxa [de sã doutrina] para ser salva, porque até mesmo os demônios crêem em Deus." Mas vamos comparar Escritura com Escritura. "Ora, sem fé é impossível agradar [a ele], porque aquele que vem a Deus deve crer que ele existe e [que] ele é galardoador dos que o buscam" (Hebreus 11:6). Repare como este verso é construído: ele (quem tem fé) tem que crer - e, em seguida, há duas coisas para serem cridas. Observe também que o que se segue é um par dos fatos: a existência de Deus e sua benevolência para com os eleitos. Tiago 2:19 diz que os demônios crêem na existência de Deus, e este é um dos elementos necessários de acordo com Hebreus 11:6. Mas desde que eles não crêem que ele é um Deus misericordioso, eles tremem ao pensar em Sua ira divina que deve um dia cair sobre eles. São os demônios realmente ortodoxos? Eles acreditam em algumas coisas sobre Deus, mas não as coisas certas. Eles acreditam em algumas das verdades sobre Deus, mas não em toda a verdade. E, sem toda a verdade, eles não são realmente ortodoxos. Assim, vemos que a ortodoxia é um resultado necessário da salvação, afinal.

Novamente, é objetado que nenhum mero ser humano pode compreender plenamente a Deus, porque somos finitos e Ele é infinito (Isaías 55:9). Essa objeção é facilmente satisfeita quando lembramos que o povo de Deus são aqueles que são habitados pelo Espírito Santo. Desta forma, um ser humano finito é capaz de compreender verdadeiramente a Deus infinito, porque o infinito Espírito Santo os está ensinando.

Finalmente, é muitas vezes argumentado que os arminianos têm que ser salvos, porque eles executam tamanhas boas obras. Poucos calvinistas séria e abertamente insistiriam que somos salvos por causa de nossas obras, mas quando a salvação dos arminianos é questionada, a resposta típica é a de apontar para as suas boas obras. Eles são fervorosos na oração, jubilantes na adoração, e zelosos de boas obras. E, acima de tudo, eles são determinados ganhadores de almas, sempre falando de Deus e ocupados em fazer pessoas serem convertidas. Mas afirmar que uma pessoa é salva por causa de qualquer uma dessas ações é a negação do plano de salvação pela graça somente. A justificação é um dom, ela nunca pode ser ganha por merecimento (Romanos 4:24, Tito 3:5). Mas, pela mesma razão, estas boas obras nunca podem ser usadas como prova da nossa salvação. Os fariseus também foram fervorosos na oração (Lucas 18:11-12), jubilosos na adoração (Mateus 6:05), e zeloso de boas obras (Mateus 23:23,27,29; veja também Romanos 10:2-3). Acima de tudo, eles eram determinados ganhadores de almas, atravessando a terra e o mar para fazerem uma conversão. E, ainda assim, qual foi o resultado da atividade deles de "ganhar almas"? “... o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.” (Mt 23:15 ACF). Uma vez que os fariseus eram, obviamente, não salvo, tudo isto tem que decorrer do fato que a carne é muito boa em reproduzir [imitar] as boas obras, sem nunca ser agradável a Deus. No entanto, as obras que são feitas na carne ainda são uma abominação para Deus, não importa como elas aparecem aos homens.

O contexto de 2 Tessalonicenses 2:12 é ainda mais explícito sobre esse ponto. “10 E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. 11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;” (2Ts 2:10-11 ACF) Observe que aqueles que são salvos amam a verdade e os incrédulos não. Observe também que Deus faz com que eles acreditem que uma mentira, com a intenção de justamente enviá-los para longe de Sua presença, para sempre. Deus os odeia, como ele odiou Esaú. Ousamos nós dizer que aqueles a quem Deus odeia são salvos?

O próprio fato de que não existe qualquer debate sobre esta questão indica que a maioria das igrejas calvinistas professas não são igrejas verdadeiras em tudo. Frequentemente é ouvido o apelo para a tolerância, baseada na equivocada noção de que a doutrina é de pouca importância. Ao contrário – a pureza da doutrina do evangelho (a doutrina da salvação, ou soteriologia) é um fruto essencial da salvação. Ser capaz de definir "soteriologia" não é necessário; ser capaz de declarar os cinco pontos do Calvinismo não é necessário; mas amar a verdade e dar toda a glória ao único Deus vivo e verdadeiro é necessário. Arminianos fazem exatamente o oposto quando eles tentam reservar alguma dessa glória para si mesmos; isto não é uma "sincera, mesmo que errônea, compreensão da doutrina do evangelho", mas, sim, uma resoluta e determinada rebelião contra o único e verdadeiro Deus, e um fedor para as Suas narinas.

O fato de que os arminianos não são salvos também nos leva a algumas conclusões:

1. Não devemos ter comunhão com os arminianos. Eles são membros da igreja prostituta e, se não [nos separarmos e] sairmos do meio deles, nós compartilharemos de seus pecados (Apocalipse 18:4). Naturalmente, isto não apenas significa que algumas amizades preciosas serão perdidas, mas que [algumas] famílias serão semelhantemente divididas. Mas não é esse exatamente o efeito que o evangelho é suposto ter? “34 Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; 35 Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; 36 E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.” (Mt 10:34-36 ACF)

2. Devemos tratá-los como perdidos. Não faz nenhum bem [a ninguém] deixar um arminiano prosseguir no pensamento de que tem a verdade, quando ele não a tem. Devemos dar a eles testemunho do verdadeiro evangelho da graça. Deus é glorificado quando nós falamos a verdade em amor (Efésios 4:15), mas não quando suprimimos a verdade em prol da harmonia do grupo.

3. Devemos estar dispostos a exercer a disciplina eclesiástica sobre aqueles [dentre nós] que finalmente se revelam ser arminianos ou [firmemente] consideram que arminianos são seus irmãos em Cristo. Parte da razão pela qual a maior parte da igreja professa apostatou é que geralmente não está disposta a disciplinar os seus membros por razões doutrinárias. Naturalmente, isso exige bom senso da parte dos anciãos, mas permitir a heresia permanecer em uma igreja em prol de expandir a lista de membros é indesculpável.

Calvinistas precisam aprender que o poder de Deus não repousará sobre [nossos] relacionamentos [comunhão] com os arminianos e com ministérios arminianos. O poder de Deus está no Evangelho e somente no Evangelho. Mas o verdadeiro poder do Evangelho não se manifestará a menos que seja pregado em toda a sua plenitude, como um cheiro de vida para a vida e como um cheiro de morte para morte. O Evangelho condena os arminianos como inimigos de Deus, inimigos da cruz, e inimigos do Evangelho. Desvie-se para longe deles, para que você não compartilhe da condenação deles (2 João 11, Ap 18:4).




Traduzido por Mary Schultze, maio.2010






{* Nota de Hélio, do site solascriptura-tt: 
- Além das óbvias seitas não cristãs (pagãs, como o animismo africano) e seitas pseudo- cristãs (como o romanismo, o adventismo do sétimo dia, os mormonismo, os Testemunhas de Jeová), também são arminianas as pseudo-reformadas igreja metodista e todas as igrejas pentecostais e neo-pentecostais, bem como a maioria das igrejas do ramo chamado de “batistas do livre arbítrio”, inclusive as igrejas anabatistas remanescentes e as menonitas).
- Chamemos de “arminianos nota 10 (dez) por suas igrejas” aqueles que mais rabicamente agridem e ameaçam quem ousar defender e discordar deles em que (pelo menos nas cartas NeoTestamentárias especificamente escritas para esta dispensação das assembleias locais, desde a Epístola aos Romanos até a Epístola a Filemon) estão começando a claramente ver que é incapaz de ser perdida a salvação de todo aquele que foi salvo, isto é, estão começando a ver que a Bíblia ensina que, ao menos nesta atual dispensação, “uma vez (realmente) salvo, então sempre salvo”. 
- Chamemos de “arminianos nota 0 (zero) por suas igrejas” aqueles que dão alguma desculpa, mesmo que ela não seja bíblica, para estarem naquelas igrejas de doutrina arminiana (desculpas do tipo “continuo nesta igreja apenas até minha mãe morrer, não quero contrariá-la nestes seus últimos anos de vida, depois vou para uma igreja batista que ensine, como Paulo, que, ‘uma vez salvo, sempre salvo’ ”.); aqueles que dizem não crer nenhuma das palavras do que os seus pregadores raivosamente falam contra a incapacidade da salvação ser perdida, essas palavras entram num de seus ouvidos e saem pelo outro, eles preferem crer na Bíblia literalmente interpretada, claro que respeitando contexto e dispensação. 
- Postas as definições dessas duas expressões, então:
- Podemos dizer que acreditamos que o autor somente está dizendo que os mais de 95% dos membros das igrejas arminianas, aqueles que recebem notas 10 por suas igrejas quanto a ferrenhamente combaterem contra a imperdibilidade da salvação, os tais realmente não estão salvos, lamentavelmente ainda precisam o ser, portanto devemos ferventemente orar por eles, devemos levar-lhes o verdadeiro evangelho, e devemos orar que Deus lhes remova as escamas dos olhos e eles percebam a maravilhosa salvação onde Deus toma toda a iniciativa do começo ao fim, 100% da salvação vem de Sua graça e 0% vem de nós, inclusive na preservação da salvação.
- E podemos dizer que acreditamos que o autor, como nós, também acredita que os menos de 5% dos membros das igrejas arminianas, aqueles que recebem notas 0 por suas igrejas, os tais, APESAR do ensino de suas igrejas e não POR CAUSA Dele, podem estar eterna e seguramente salvos pela fé verdadeira e que não carece de complementação pelas obras, sendo eles nossos amados irmãos em Cristo.}

{** Nota de Hélio, do site solascriptura-tt:
- Agradeço à irmã Mary Schultze por ter atendido meu pedido e feito essa tradução e, para lhe ser fiel, enfatizo que ela não se identifica com o tom do autor, que ela julga extremista demais, em alguns aspectos.
- Só estou publicando este artigo como uma EXPOSIÇÃO DOS MORTAIS ERROS DO ARMINIANISMO, mas eu também não me identifico totalmente com o tipo de calvinismo do autor.
- Eu considero que há um “calvinismo doentio” (o hiper-calvinismo é ainda pior) que: (a) chega próximo de idolatrar (ou, pelo menos, excedentemente reverenciar o herege padre católico Agostinho e os reformadores Calvino e Lutero; (b) vive incessantemente citando confissões de fé e autores humanos, como se tivessem autoridade final, decisória, indiscutível; e (c) herdou muitos dos mais graves erros do romanismo (tais como indispensabilidade do batismo para salvação daqueles que podem batizar-se e a seus filhos; etc.) 
- E eu também considero que há um “calvinismo moderado” como o de Spurgeon e Pr. Calvin Gardner, que não chegam nem próximo das coisas que citei logo acima, que reconhecem publicamente os muitos erros doutrinários e falhas morais de Calvino, que nunca chamam catolicamente Agostinho de "o Santo Agostinho", que o consideram um herege pai do romanismo que queima no inferno; que nunca cita nenhuma confissão de fé de nenhum modo, muito menos como se tivesse autoridade nenhuma; que repudiam os graves erros herdados do catolicismo através de muitos reformadores; etc.
- Eu posso até chegar a conviver com este “calvinismo moderado”, mas discordo profundamente do autor, Christopher Adams, se ele aceita o que eu chamo de “calvinismo doentio”. Nesta hipótese, o único ponto em comum que o autor talvez tenha comigo é que defendo que "uma vez que cri, Deus (Ele e não eu) me preservará salvo eternamente, não importam minhas fraquezas e infidelidades, as quais me trarão dolorosas disciplinas, a perda da usabilidade por Deus, e a perda de comunhão, de galardões e coroas, mas nunca a perda da minha salvação que está garantida totalmente dentro das onipotentes mãos de Deus.", e enfatizarei que não me identificarei com o calvinismo- doentio do autor.}



Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)



(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SoteriologiaESantificacao/
retorne a http://solascriptura-tt.org/)