TOTAL INABILIDADE ANTES DA REGENERAÇÃO:

Versos [Mal-] Usados por Calvinistas

(no mau entendimento que lhe dão)



http://www.wayoflife.org/database/calvinisms_proof_text.html


David Cloud

traduzido por Hélio de Menezes Silva   e   Hélio Sousa Ferraz




[Chaves contrárias, já vistas: Is 1:18; Dt 30:19; Js 24:15; Rm 10:17; Tg 1:21]

7 textos distorcidos pelos calvinistas:
Ef 2:1-3; Is 64:6-7; Rm 3:10-18; 8:7-9; Gn 6:5; Jr 17:9; 1Co 2:14; 2Ts 2:13.

[https://soteriology101.wordpress.com/2016/03/16/answering-calvinistic-proof-texts/ reestuda estes textos e acrescenta Rm 8:7-9; Jr 17:9]  


Calvinistas usam a terminologia "TOTAL DEPRAVIDADE ou DEPRAVAÇÃO TOTAL dos homens", mas realmente significam "TOTAL INABILIDADE dos homens = ESCRAVIDÃO DA VONTADE = INABILIDADE para entender e crer e poder receber, antes de Deus os mudar, regenerar, salvar aos poucos homens que incondicionalmente, arbitrariamente {NOTA *} e caprichosamente {NOTA **} elegeu.

{NOTA *: "arbitrariamente" significa, nos dicionários: "de um modo que só depende da escolha ou da vontade, a qual não necessariamente segue uma lógica/ motivos/ propósitos/ critérios/ modos que realmente existam ou que tenham sido anunciados e que se possam perceber e entender. Ou é uma vontade que somente segue um motivo/ propósito primordialmente para seu próprio bem, ou prazer, ou glória."}

{NOTA **: "caprichosamente" significa, nos dicionários: "de um modo que só depende da vontade súbita, impensada e infundada, (certamente sem ter nenhuma lógica/ motivo/ propósito/ critério/ modo anunciados e que se possam perceber e entender)."}




De acordo com a doutrina calvinista da Depravação Total, o homem não é apenas injusto e morto em ofensas e pecados: ele é isso no sentido de que [o homem] não tem nem mesmo a capacidade de crer em Cristo para a salvação, [isto é, ele é injusto e morto em ofensas e pedados] no significado de que o homem não tem a capacidade de fazer qualquer escolha em relação à salvação. Desde a queda [em Adão], a vontade do homem tem estado em cativeiro, de modo que ele não pode sequer responder à oferta da graça de Deus.

Nas palavras da Confissão de Westminster, a Depravação Total é definida da seguinte maneira: "
O homem, por sua queda no estado de pecado, perdeu completamente toda a capacidade de escolha para qualquer bem espiritual que acompanhe a salvação; assim, como um homem natural sendo completamente avesso a este bem, e morto no pecado, não é capaz, por sua própria força, de se converter, ou ainda de se dispor [para isto]".

Como nós dissemos, a doutrina calvinista da Depravação Total não finda simplesmente com o homem em uma condição totalmente injusta, com uma natureza e um coração caídos e corruptos e incapaz de salvar-se a si mesmo por suas obras. Esta doutrina também envolve algo que é chamado de "escravidão da vontade" [= "universal, total, inescapável incapacidade para jamais entender o evangelho e desejar qualquer coisa de Deus e poder crer."].

O Dr. Jeffrey Khoo, um presbiteriano que dirige o Far Eastern Bible College in Singapore ("Seminário Bíblico do Extremo Oriente em Singapura") (um firme defensor da fé e um homem por quem tenho uma grande consideração, apesar de nossas diferenças), escreve: "
A liberdade de escolha do homem foi perdida desde a Queda ... A Bíblia ensina a incapacidade humana e a depravação total" (Arminianism Examined, p.4).

Quando o Dr. Khoo fala de "incapacidade humana", ele quer dizer não somente que o pecador é incapaz de se salvar por suas ações [e Cloud e Hélio concordam 100% com isso, até Arminius concorda], mas também que [todo] o pecador é [sempre, inescapavelmente] incapaz de responder com fé à oferta de salvação de Deus.

Eu tenho desafiado os Calvinistas a me darem mesmo um só texto das Escrituras que ensine isso, e eu tenho examinado livros de Calvinistas em busca de tal texto-prova, porém em vão.
{NOTA ***} Como nós veremos, os seguintes textos das Escrituras que eles apresentam como textos-prova não ensinam sua doutrina em relação à vontade do homem e à incapacidade de exercer a fé.

{NOTA ***} Hélio discorda de Cloud. Crê que TODO o homem é TOTALMENTE PECADOR e, EM SI MESMO, com suas próprias forças, é sempre e inescapavelmente incapaz de querer buscar a Deus, de entender o Evangelho e de se arrepender e crer. Mas Deus chama TODOS os homens e, nessas ocasiões, é DEUS Quem habilita e capacita todo homem a escolher entre entender e crer; ou rejeitar. Ver Clv14-Calvinismo.T.TotalInabilidadeAntesRegeneracao-Helio.

Concordamos plenamente que a Bíblia ensina que [todo] o homem é totalmente depravado no sentido de que o pecador é [totalmente] corrupto e injusto, e que não há nele nenhum bem que seja aceitável diante de Deus, e que é impossível para ele ganhar a salvação através de suas próprias obras, MAS O CALVINISMO VAI ALÉM DISSO E ADICIONA SUA PRÓPRIA TORÇÃO SEM PAR E QUE NÃO É APOIADA PELA BÍBLIA, [a saber,] QUE O PECADOR É INCAPAZ MESMO DE CRER E QUE SUA VONTADE ESTÁ DE TAL MANEIRA EM ESCRAVIDÃO AO PECADO QUE ELE NÃO CONSEGUE ACEITAR OU REJEITAR O EVANGELHO.

A seguir estão as passagens-chave que são usadas pelos calvinistas para apoiar a doutrina de DEPRAVAÇÃO TOTAL (particularmente, INABILIDADE):




1)    Ef 2:1-3 E [Ele] (Deus) a *vós* [vivificou] , estando [vós] MORTOS nas ofensas e nos pecados    2 Em que, em tempos passados, andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestadE do ar, o espírito que agora [está] efetivamente- operando nos filhos da desobediência, .    3 Entre os quais também, *nós* todos, em tempos passados mantivemos- conversação- e- maneira- de- viver  nos desejos da nossa carne, fazendo os desejos da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos d[a] ira, como também (o são) os demais [homens].

Esta passagem não diz nada quanto ao pecador não ser capaz de crer e nada quanto à condição de sua vontade em relação a poder aceitar ou rejeitar o evangelho que vier a lhe ser apresentado
{NOTA ***}. Ela diz que o pecador está morto em delitos e pecados, caminha segundo o curso deste mundo e segundo o príncipe das potestades do ar, é um filho da desobediência, e é, por natureza, filho da ira.

Mas isso não é o mesmo que a doutrina Calvinista da depravação total que vai além das palavras reais da Escritura, tais como as que encontramos nesta importante passagem, e acrescenta o negócio sobre a [escrava] vontade do pecador e ele não ser capaz de crer.



2)    Is 64:6-7 Mas todos nós [somos] como a [coisa] imunda, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia  ; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam.    7 E já ninguém [] que invoque o Teu nome, que se desperte, e segure-se sobre Ti; porque escondes de nós o Teu rosto, e nos fazes derreter, por causa das nossas iniquidades.

Novamente, embora este versículo nos ensine que o homem caído não tem justiça que seja aceitável diante de Deus e que mesmo suas supostas justiças são como trapos imundos diante de um Deus três vezes santo, o versículo não diz nada sobre a vontade do homem ou sua capacidade ou incapacidade de responder a [a oferta e o chamado de] a Graça de Deus
{NOTA ***} .

Que não há ninguém que [por suas próprias forças e iniciativa] invoque o nome do Senhor ou se desperte para se segurar a Deus não significa que o pecador é incapaz de responder a [a oferta e o chamado de] a graça de Deus, e não significa que ele [diante da oferta e do chamado da graça de Deus, e uma vez capacitado a responder sim ou não] não pode [escolher] crer no evangelho. Entregue a si mesmo, o pecador não busca a Deus nem invoca Seu nome, mas os pecadores não são abandonados a si mesmos.

·         Os pecadores recebem luz (Jo 1:9), Ele (o Palavra) era a Luz verdadeira, aquela [Luz] que ilumina a todo [o] homem [que está] vindo para dentro do mundo.

·         são persuadidos (Jo 16:8) E (o Consolador- Ajudador), (depois de) havendo Ele vindo, repreenderá o mundo concernente a[o] pecado, e concernente à justiça, e concernente a[o] julgamento.

·         e atraídos a Cristo (Jo 12:32). E Eu, depois que  Eu for levantado para- fora- da terra, a todos [os homens]  estarei atraindo até Mim mesmo."


Deus ordenou que o evangelho seja pregado a todos os pecadores e que aqueles que creem serão salvos (Mc 16: 15-16), e não há nada em Isaías 64:6-7 [acima] que diga que o pecador não pode crer [ou descrer] em resposta à obra de iluminação, convencimento e atração de Deus
[Deus chama a TODOS os homens. Sim, os chama incrementalmente (se um homem recusa um nível de chamado, talvez Deus não o chame para os seguintes níveis) Jr 31:18-20; Jo 7:17:

às vezes pela Sua bondade Rm 2:4, às vezes trazendo julgamento Is 26:9].




3)    Rm 3:10-18  10 Como tem sido escrito: "Não há um justo, nem mesmo um []. 11 Não há [ninguém] que [está] entendendo; não há [ninguém] que [está] buscando a Deus. 12 Todos se extraviaram, simultânea- juntamente se fizeram inúteis. Não há [ninguém] (que está continuamente) praticando [o] bem, não há nem um []. 13 Sepulcro tendo sido aberto [é a] garganta deles; com as suas línguas tratavam enganosamente; peçonha  de áspides [está] debaixo dos seus lábios;  14 Dos quais a boca está cheia de maldição e de amargura; 15 Ligeiros [são] os seus pés para derramar[em]- para- fora sangue. 16 Destruição e miséria [estão] nos seus caminhos; 17 E [o] caminho d[a] paz não conheceram. 18 Não há temor de Deus diante dos seus olhos".

Esta passagem é uma franca condenação do homem caído. Ele não é justo. Ele não entende nem busca a Deus. Ele saiu do caminho e tornou-se inútil. Ele não faz o bem. Sua boca está cheia de engano e maldição e amargura. Ele não tem temor a Deus.

Considere, no entanto, que esta passagem não diz nada sobre a vontade do homem ou sua capacidade ou incapacidade de receber o evangelho ou exercer a fé. Que nenhum pecador busca naturalmente a Deus não está a dizer que ele [o homem] não pode crer no evangelho quando lhe é oferecido no contexto da iluminação (Jo 1: 9), da persuasão (Jo 16: 8) e da atração (Jo 12:32) de Deus [ver versos no 4º parágrafo acima].
[Deus chama a TODOS os homens
. Paulatinamente, cada vez mais fortemente Jr 31:18-20; Jo 7:17. Através: da criação Rm 1:20, da consciência Rm 2:14,15; da Palavra Rm 10:17; dos crentes Mt 22:9s; At 8:31; Rm 10:14s; do Espírito Santo Jo 16:8; as vezes pela Sua bondade Rm 2:4, as vezes trazendo julgamento Is 26:9].



Rm 8:7-9
https://soteriology101.wordpress.com/2016/03/16/answering-calvinistic-proof-texts/
Romans 8:7-9 — “For the mind that is set on the flesh is hostile to God, for it does not submit to God’s law; indeed, it cannot. Those who are in the flesh cannot please God. You, however, are not in the flesh but in the Spirit, if in fact the Spirit of God dwells in you. Anyone who does not have the Spirit of Christ does not belong to him.”

Mankind’s inability to submit to God’s law does not prove their inability to trust in Christ who fulfilled the law for mankind.  Mankind’s inability to please God while acting in the flesh does not prove mankind’s inability to respond to the spiritual appeal of God so as to receive his spirit.

If I warn my rebellious son saying, “You cannot please me by acting selfishly,” does that suggest the child is unable to heed my warning, humble himself and repent of acting selfishly?  Of course not.  It only suggests that as long as my child continues to rebel and act according to his pride that he will not please me.  This verse says nothing of man’s inability to respond to God’s powerful truth and appeal to humble ourselves.  Each individual has the choice to remain in their flesh and pride or respond to the spirit’s call to humble themselves.  If you choose the former YOU CANNOT PLEASE GOD.

Neither side is suggesting that man can please God apart from His enabling grace.  So, the question is whether or not the grace is enabling (as John 6:65 teaches), or does this grace irresistibly cause which choice the individual will make (as Calvinism presumes)?



4)    Gn 6:5 E o SENHOR viu que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e [que] continuamente toda a imaginação dos pensamentos de seu coração [era] só má.

Novamente, não há nada neste versículo sobre a vontade do homem e se ele pode ou não acreditar em Deus e aceitar Sua oferta de graça.



5)    Jr 17:9 Enganoso [é] o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente ímpio; quem o poderá conhecer?

Este versículo trata do coração do pecador, mas não da sua vontade. Diz-nos claramente que o coração do pecador é enganoso e desesperadamente perverso, e ninguém pode entender corretamente a humanidade de hoje, a menos que compreenda e acredite neste ensinamento. Mas [este verso] não nos diz que o pecador não pode crer no evangelho. Ele não diz nada sobre a condição da vontade do pecador em relação ao exercício da fé
{NOTA ***}.



6)    1Co 2:14 [O] homem natural, porém, não aceita as coisas de o Espírito de Deus, porque loucura para ele são; e não pode chegar- ao- conhecimento- d[elas], porque espiritualmente são elas discernidas.

Este versículo ensina que o homem não salvo não recebe as coisas do Espírito de Deus e não tem habilidade natural [isto é, habilidade vinda dele mesmo, da natureza dele] para discernir coisas espirituais. No entanto, nada diz sobre a condição da vontade do homem não salvo ou se ele pode crer no evangelho ou não. Dizer que o pecador não recebe naturalmente [isto é, na habilidade vinda dele mesmo, da natureza dele] as coisas do Espírito de Deus não é dizer que ele não pode. [Sim,] se não fosse por causa da iluminação, da persuasão e da atração divina, nenhum pecador responderia ao Evangelho, mas esta iluminação, persuasão e atração são estendidas a CADA pecador (Jo 1: 9; 16: 8; 12:32).
"Ali estava a Luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo" (Jo 1: 9).

[Hélio acrescentou, de http://www.examiningcalvinism.com/files/Paul/1Cor2_14.html:
"[em 1Co 2:14,] Paulo não está falando de compreender o evangelho e aceitá-lo (uma vez que eles são criancinhas em Cristo), mas [está falando] as revelações mais profundas do Espírito que só podem ser recebidas pelos maduros (vss. 6,7; conforme 3: 2). Paulo está se dirigindo aos coríntios como cristãos imaturos que não podem receber as coisas profundas de Deus porque ainda são bebês em Cristo. Eles não estão sem o Espírito como se não tivessem o Espírito habitando neles. Pelo contrário, eles não estão se submetendo à direção do Espírito. Eles estão deixando suas paixões carnais obter o melhor deles de modo que eles não podem avançar para a maturidade espiritual. Ele está comparando a falta de entendimento do mundo com a falta de discernimento espiritual deles mesmos (vs. 14), uma vez que eles estão agindo mundanamente. Basicamente, lhes está dizendo que estão agindo como aqueles que não têm o Espírito, uma vez que recusam submeter-se ao Espírito em progredir em direção à maturidade e a um mais forte conhecimento de Deus, embora realmente tenham o Espírito, sendo infantes em Cristo. É uma "mensagem de sabedoria entre os maduros" que eles não podem receber devido à sua imaturidade espiritual. Paulo não está dizendo que aqueles [ainda] não habitados pelo Espírito não podem receber a verdade do evangelho. Se a verdade do evangelho fosse o assunto, então Paulo estaria dizendo que somente os cristãos maduros poderiam receber a verdade do evangelho (vs. 6), o que é claramente absurdo. O ciúme e as briguinhas deles provam que eles não são maduros o suficiente para receber 'a mensagem da sabedoria entre os maduros' (2:6, conforme 3:3, 4). Isso prova que eles não estão prontos para alimentos sólidos ('a mensagem de sabedoria' que Paulo quer compartilhar com eles), uma vez que eles ainda são 'mundanos'. Mas Paulo ainda reconhece que eles são bebês em Cristo, embora mundanos, o que torna a interpretação de Domingos impossível. [O que está em foco] é a diferença entre cristãos espirituais (maduros) e cristãos não-espirituais (imaturos) (2:14, 15). É a diferença entre aqueles com discernimento espiritual (maduros) e aqueles sem ele (imaturos). O homem espiritual (neste contexto) é o crente que não permite que suas paixões carnais o impeçam de amadurecer em Cristo e de adquirir sabedoria que é 'espiritualmente discernida'. O homem não-espiritual é o crente que recebeu o evangelho, mas permitiu que suas paixões carnais (por exemplo, ciúme e brigas) o impedissem de adquirir sabedoria 'espiritualmente discernida'. Enquanto ele tem o Espírito, ele não está permitindo que o Espírito controle sua mente para que ele 'possa entender as coisas que Deus nos deu gratuitamente.' Compare o que Paulo diz em 1Co 2 com Ef 1:15-17,
'15 Por isso, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus, e o vosso amor para com todos os santos, 16 Não cesso de dar graças [a Deus] por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações: 17 Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação;'
(ênfase minha). Então Paulo se dirige a crentes que podem estar sem o 'Espírito de sabedoria e revelação." Significa isto que eles não têm o Espírito habitando dentro deles? Claro que não. Paulo está falando de um nível mais profundo de sabedoria espiritual. Este nível mais profundo é o que os coríntios não poderiam alcançar devido à sua submissão às paixões mundanas (veja também Fp 1: 9-10 e Cl 1: 9). Em vez disso, tinham permitido que o favoritismo, ciúme e discussão deles os tornassem 'ineficazes' e 'improdutivos' no 'conhecimento de ... Jesus Cristo' (2Pd 1:8)."




7)    2Ts 2:13 Nós, porém, temos a dívida de expressar [toda a] gratidão a Deus sempre, concernente a vós, ó irmãos tendo sido amados pel[o] Senhor (Jesus), porque VOS ESCOLHEU DEUS, DESDE [O] PRINCÍPIO (DA CRIAÇÃO), PARA [A] SALVAÇÃO em santificação de [o] Espírito e fé d[a] verdade,

Arthur Pink usa esse versículo como prova para a doutrina Calvinista de que o novo nascimento precede a fé.

[Mas, à] luz das seguintes passagens, é óbvio que 2 Ts 2:13 não está indicando a ordem exata das coisas:


A passagem principal sobre o Novo Nascimento é João 3. Nos versículos 1-8, Jesus ensina a Nicodemos que ele deve nascer de novo ou não poderá ver o reino de Deus. No versículo 9, Nicodemos pergunta a Jesus como pode ser isto. Nos versículos 10-21, Jesus responde a esta pergunta e explica como um homem nasce de novo, e a resposta é que ele nasce de novo CRENDO (Jo 3: 14-16)! [Mas] isto é exatamente o que o Calvinista diz que o pecador não consegue fazer. Como um homem morto pode crer, ele raciocina? Bem, se nós formos pegar a analogia do "homem morto" literalmente, um homem morto também não pode pecar. Um homem morto, se tomado literalmente, não pode rejeitar o evangelho mais do que ele pode aceitar o evangelho, porém o Calvinista afirma que o pecador morto pode rejeitar o evangelho, mas ele não pode aceitá-lo?!?!...
Quando a Bíblia diz que o pecador está morto em delitos e pecados, isso [apenas] significa que ele está separado da vida espiritual de Deus por causa do pecado. Tomar esta analogia para além do ensino real da Bíblia e dar-lhe outros significados, tais como argumentar que, como o pecador está morto em delitos e pecados, ele não deve ser capaz de crer, é passar da verdade para a heresia.

Efésios 1:13 também mostra a ordem da salvação. "
Em Quem (em o Cristo), também *vós*, [crestes] (quando) havendo ouvido a palavra da verdade (o evangelho (as boas novas) da vossa salvação); em Quem também, [quando] havendo vós crido, fostes selados com o Espírito da promessa, o [Espírito] Santo,"
Primeiramente o pecador crê, depois é selado pelo Espírito Santo. [É ou não é?]

A ordem para a salvação é também deixada clara em Atos 16:30-31 no caso do carcereiro Filipense.
    "    At 16 30 E, havendo-os trazido para fora, dizia: "Ó senhores, que me é necessário fazer a fim de que eu seja salvo?"    At 16 31 E eles disseram: "Crê tu (apoiado) sobre o Senhor Jesus Cristo, e tu serás salvo. Semelhantemente, [creia] a tua família[, e será salva]"." Note que o carcereiro não nasceu de novo quando ele perguntou o que ele devia fazer para ser salvo, e Paulo respondeu que ele devia acreditar no Senhor Jesus Cristo. Obviamente, Paulo sabia que o pecador não salvo poderia precisamente fazer isso, e que por crer ele iria nascer de novo.
[Primeiramente o pecador crê, depois é salvo = nasce de novo = é regenerado, etc. É ou não é?]

A ordem para a salvação é também deixada clara em Efésios 2:8-9-- "
    Ef 2 8 (Porque por- operação- da graça (de Deus) sois [aqueles] (já) tendo sido salvos, por meio da fé). E isto não [é] proveniente- de- dentro- de vós mesmos, [é] dom de Deus,    9 Não [é] proveniente- de- dentro- das obras, a fim de que não (possa acontecer que) algum homem se vanglorie;" Aqui encontramos que a fé é o meio pelo qual somos salvos, ela é a "mão que se estende para aceitar o Dom de Deus." [esta passagem, contrastando fé contra obras, deixa bem claro que ter fé de modo nenhum é obra, tal como, num incêndio, eu estender a mão para o bombeiro, depois eu desmaiar, e ele me carregar e salvar.]

É óbvio, pelo versículos anteriores, que a fé PRECEDE e RESULTA na salvação. [É ou não é?]

Ao mesmo tempo, é importante observar que, da perspectiva de Deus, a santificação do Espírito e a fé da verdade ocorrem simultaneamente. Embora sejamos salvos por meio da fé, essa fé é exercida no contexto do Espírito de Deus iluminando e atraindo e convencendo e finalmente regenerando e santificando. Seria humanamente impossível separar a "fé da verdade" da "santificação do Espírito".






David Cloud



Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SoteriologiaESantificacao/
retorne a http://solascriptura-tt.org/)