Um Pecado Tolo: 
Por Que Orar Se Podemos Nos Preocupar?


 

A pressão e o estresse são a companhia diária na vida da maioria das pessoas. Tanto no trabalho quanto em casa enfrentamos a cobrança cada vez maior para que façamos mais em menos tempo. Mesmo quando temos a oportunidade de tirar algumas férias, freqüentemente acabamos precisando voltar para o trabalho para descansar! Parece que cada minuto livre precisa ser planejado e utilizado ao máximo, de modo que tentamos aproveitar da melhor maneira possível qualquer precioso tempo livre. Em casa, o pai e a mãe estão convencidos que se ambos não trabalharem fora, a família vai morrer de fome (e em alguns casos, provavelmente têm razão). Os filhos estão na escola e suas atividades normais extra-classe consomem o restante do cada vez menor tempo disponível. As despesas excedem as receitas da família e sempre sobra mês no fim do salário. Isso soa familiar para você? Infelizmente, é a realidade de muitas famílias hoje e freqüentemente o resultado disso é que o povo de Deus comete o erro de se preocupar com os cuidados da vida. As preocupações e as insatisfações são uma tendência natural e alguns são mais susceptíveis a elas do que outros, mas os cristãos precisam saber que isso é pecado e não é o que se espera daqueles que vivem pela fé.

Em Mateus 6, o Senhor fala sobre os perigos de permitir que Mamom (o dinheiro e as "cousas") tornem-se o mestre da vida, pois você não pode servir a Deus e a Mamom ao mesmo tempo. A partir do verso 25, ele fala sobre o perigo dos desejos e preocupações com os bens materiais:

"Por isso vos digo: Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valei vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso [ou à estatura] da sua vida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas cousas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas cousas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal."

Mas alguém pode dizer: 'É mais fácil falar do que fazer.' Bem, tudo depende se você realmente crê em Deus ou não. Em Mateus 6:8, Jesus disse aos seus discípulos:

"... porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais."

O apóstolo Paulo escreveu isto aos crentes em Filipos:

"E o meu Deus, seguindo a sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades." [Filipenses 4:19]

O que muitos cristãos negligenciam nessas palavras do Senhor em Mateus 6 é o fato que Deus provê o alimento para as aves do céu, mas não coloca a comida no bico delas. As aves precisam sair e procurar seu alimento. A lição que precisamos aprender é que Ele nos ama muito mais do que as aves - a abundamente proverá nossas necessidades. Temos o péssimo hábito de confundir nossos desejos com aquilo que realmente precisamos. Cada um de nós poderia viver com muito menos do que tem e neste país chega a ser ridículo falar em "pessoas pobres". Pelos padrões dos países do terceiro mundo, nossos "pobres" na verdade são ricos! Lembre-se que existem bilhões de pessoas em outros países que alegremente gostariam de trocar de posição com eles.

Isso não quer dizer que a vida não tenha momentos difíceis, em que certas situações aparecem e que realmente nos testam e causam dor no coração. Todos sabemos que essas coisas acontecem e são muitas vezes inevitáveis, mas como nós tratamos como cristãos é o assunto que queremos enfocar. Reagir à adversidade com a atitude de resmungar e se preocupar com as coisas não é definitivamente caminhar pela fé. Romanos 14:23b diz:

"...tudo o que não provém de fé é pecado."

Deus ama suas ovelhas como um amor infinito e prometeu prover nossas necessidades e nos proteger. Nossa resposta correta é seguir sua liderança sem questionar e confiar firmemente em sua capacidade de realizar aquilo que prometeu. Fazer o contrário disso - preocupar-se com as pequenas coisas - é duvidar e a dúvida é pecado. Alguma vez você já parou para pensar por que o Senhor nos chama de suas ovelhas? Dizem que as ovelhas são um dos animais mais tolos que existem e que são incapazes de cuidarem de si mesmas! Para sobreviver e prosperar, elas precisam de um pastor e que isso explica perfeitamente o relacionamento que precisamos ter com nosso Salvador.

Para mostrar exatamente a tolice e inutilidade das preocupações, o verso 27 do nosso texto em Mateus 6 destaca que nenhum de nós pode - preocupando-se com o assunto - aumentar sua estatura física, ou a duração de sua vida. Quando você examina atentamente a preocupação, a única conclusão lógica a que pode chegar é que é uma total perda de tempo. Se alguém em algum lugar já consegui algo positivo preocupando-se - então pode haver alguma base razoável para experimentar, mas você sabe tanto quanto eu que isso nunca aconteceu. Por que então, persistimos em algo que nem sequer nos faz sentir melhores, muito menos nos ajuda em atingir coisa alguma? [Às vezes fico imaginando se as ovelhas têm preocupações.]

Alimento, vestuário e moradia são três necessidades básicas e o Senhor prometeu supri-las em nossas vidas. Se estivermos em uma crise que ameaçe qualquer uma dessas três áreas, nossa primeira atitude deve ser falar com o Senhor sobre o problema. No entanto, muitas pessoas agem como se não quisessem incomodar o Senhor e insistem em tudo o que puderem fazer primeiro. E com muitas pessoas, isso envolve preocupação, agitação e tristeza. Logicamente, o Senhor "...conhece nossa estrutura; sabe que somos pó" [Salmos 103:14] Nada sobre nós escapa dos seus olhos e, como o Bom Pastor, está pronto e disposto a satisfazer cada uma de nossas necessidades. A Bíblia ensina que somos ovelhas do seu pasto e ovelhas são criaturas indefesas, que precisam de constante supervisão e cuidado. Com o Bom Pastor cuidando de suas ovelhas, elas não deveriam ter preocupações no mundo.

A chave para termos nossas necessidades atendidas diariamente com um mínimo de "preocupação" encontra-se em Mateus 6:33:

"Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas cousas vos serão acrescentadas."

Quando recebemos a Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador pessoal, ele então torna-se a pessoa mais importante em nossas vidas. Todos nós [cristãos] formamos juntos a "Noiva de Cristo" - a igreja - e ele tem ciúmes de nós e deseja nossa fidelidade e comunhão constantes. Nosso relacionamento com nosso cônjuge, noiva/noivo, namorada/namorado não seria abalado se ela/ele fosse negligente e agisse como se não existíssemos? Certamente seria, e nosso relacionamento com Cristo fica abalado quando o negligenciamos. Se insistirmos em andarmos longe dele, as necessidades da vida podem tornarem-se difíceis de resolver - é seu modo de chamar nossa atenção! Ele nos ama e deseja nos dar todas as coisas boas, mas precisamos primeiro fazer nossa parte e continuar assim. O que devemos fazer? Devemos ter "fome e sede de justiça" [Mateus 5:6] e fazer o melhor que pudermos para "crescer na graça e no conhecimento de Cristo" [2 Pedro 3:18]. Em outras palavras, devemos amar a Jesus Cristo e permitir que ele esteja entronizado em nossas vidas como Senhor e Mestre - procurando diariamente fazer sua vontade e viver para ele. Ele deu sua vida por nós e precisamos buscar a comunhão com ele e não trocá-lo pelos prazeres deste mundo. Quando estivermos buscando aquilo que é do seu agrado, ele nos acrescentará "estas cousas". Se não o buscamos e não procuramos colaborar para o crescimento do seu reino, por que devemos nos surpreender se nossa vida fica complicada? Algumas vezes, os pais suprimem alguma coisa boa de seus filhos como uma forma de disciplina temporária e o Senhor faz o mesmo conosco.

As "coisas" deste mundo - os bens materiais - podem facilmente tornar-se uma pedra de moinho amarrada em nossos pescoços, se assim permitirmos. Deus deseja que usemos as coisas e não que elas nos usem. Não podemos permitir que elas se tornem objetos da nossa afeição, pois quando isso acontece, cometemos o pecado da idolatria! Muitos cristãos que jamais se encurvariam diante de um ídolo são culpados diante de Deus do mesmo pecado porque permitiram que a preocupação com as "coisas" roubassem o lugar de Cristo em suas vidas. Freqüentemente, o pecado da preocupação é praticado por aqueles que estão excessivamente interessados nos bens materiais e em como vão conservar ou aumentar esses bens. Uma das primeiras lições que devemos aprender como cristãos é que somos servos de Jesus Cristo e não possuimos nada. Tudo que normalmente chamamos de nosso, na verdade pertence a Jesus Cristo e ele apenas está permitindo que usemos. Somos seus mordomos e ele nos "avalia" pela forma como administramos seu patrimônio. Nosso galardão nos céus será determinado pela forma como administramos e quando compreendermos que Cristo, e não nós, é o responsável pela provisão, isso mudará o modo como encaramos a vida. Nossa principal responsabilidade é vivermos como cristãos da melhor maneira que pudermos - com sua ajuda - e ele cuidará do restante. Preocupar-se é duvidar dele e a dúvida certamente não é fé. Na Bíblia, Deus diz que "o justo viverá pela fé" [Romanos 1:17].

Certa vez, uma mulher foi ao gabinete do pastor pedir aconselhamento. Quando eles começaram a conversar, ela falou sobre suas infelicidades e as constantes preocupações com a vida em geral. Quando ela terminou com suas lamentações, o sábio pregador lhe mostrou alguns versos das Escrituras para meditar e a fez prometer que iria para casa e prepararia duas tortas que depois levaria para duas pessoas idosas que estavam doentes e sem poder sair da cama. Após entregar as tortas, ela deveria apresentar-se como voluntária no serviço missionário da igreja em um bairro carente. Uma semana depois, ela deveria voltar para relatar seus progressos. Quando ela retornou na semana seguinte, a primeira pergunta que o pastor lhe fez foi sobre o progresso que tivera sobre as preocupações. A resposta dela foi: "Quais preocupações? Não tenho mais tempo nem de pensar, muito menos de me preocupar!"

Há um velho ditado que diz: "Mente vazia é oficina do Diabo". Envolva-se no trabalho do Senhor e nunca olhe para trás. Ocupe-se atendendo as necessidades dos outros e terá pouco tempo (ou necessidade) de se preocupar com suas próprias necessidades.






Autor deste artigo: Pr. Ron Riffe
Tradução: Jeremias R D P dos Santos
Copiado de http://www.espada.eti.br

 



Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/ ComDeus/
(retorne a http://solascriptura-tt.org/ VidaDosCrentes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )