Estudo 3 sobre Divórcio e Recasamento:

PANTANAIS INTERPRETATIVOS
NA QUESTÃO DE DIVÓRCIO/ RECASAMENTO






A questão do divórcio pode se tornar difícil de discutir, porque muitos pessoas têm opiniões fortes que soam boas, mas que contradizem a Palavra de Deus. Tais pontos de vista se tornam "pantanais," criando posições que são armadilhas e que não podem nunca ser resolvidas. Vamos nós dois, juntamente, estudar as Escrituras para ver como podemos evitar estes pantanais.





 

LIDANDO COM IDÉIAS PRECONCEBIDAS



1. "Divórcio é SEMPRE errado!" Isto é, "Deus NUNCA aprova o divórcio."



As seguintes Escrituras contradizem este ponto de vista:

1. Deus deu uma lei permitindo e regulando o procedimento apropriado para o divórcio (Deuteronômio 24:1-4).
(“1 ¶ Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela encontrar coisa indecente, far-lhe-á uma carta de repúdio, e lha dará na sua mão, e a despedirá da sua casa. 2 Se ela, pois, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem, 3 E este também a desprezar, e lhe fizer carta de repúdio, e lha der na sua mão, e a despedir da sua casa, ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, 4 Então seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a tomá-la, para que seja sua mulher, depois que foi contaminada; pois é abominação perante o SENHOR; assim não farás pecar a terra que o SENHOR teu Deus te dá por herança.” (Dt 24:1-4 ACF) )
2. Deus agradou-se de uma série de divórcios (Esdras 10:10-11).
(“10 Então se levantou Esdras, o sacerdote, e disse-lhes: Vós tendes transgredido, e casastes com mulheres estrangeiras, aumentando a culpa de Israel. 11 Agora, pois, fazei confissão ao SENHOR Deus de vossos pais, e fazei a sua vontade; e apartai-vos dos povos das terras, e das mulheres estrangeiras.” (Ed 10:10-11 ACF) )
3. Deus, Ele mesmo, divorciou-se do seu povo no Velho Testamento (Jeremias 3:8).
(“E vi que, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério a rebelde Israel, a despedi, e lhe dei a sua carta de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas se foi e também ela mesma se prostituiu.” (Jr 3:8 ACF) )
4. Cristo concedeu permissão para o divórcio, se um cônjuge fosse infiel (Mateus 19:9).
(“Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.” (Mt 19:9 BRP) )

Nós temos que harmonizar toda a Palavra de Deus. Nós podemos achar a nossa opinião melhor expressa em um ou dois versículos [e abandonarmos todos os outros versos que não são favoráveis à nossa opinião], ao contrário, para conhecermos a opinião de Deus nós temos que considerar toda a Sua Palavra. Certamente,  Deus odeia o divórcio (Malaquias 2:16). O que Ele quer dizer através disto? Porventura, está Ele, agora, dizendo que Ele odeia todos os divórcios, mesmo aqueles que O agradaram em Esdras? Porventura, Deus se contradiz a si mesmo? Não, Ele tem que ter expressado que Ele odeia a prática do divórcio sem uma base justa, como está, claramente, retratado pelo contexto. [O contexto de Malaquias 2 é quando um homem age traiçoeira ou violentamente contra a esposa de sua mocidade (vv. 15, 16). Deus está dizendo que Ele odeia o divórcio quando ele está no contexto deste tipo de impiedade.]

A crença que o "divórcio é sempre errado" conduz a um pantanal interpretativo que só pode ser resolvido através da tentativa de dar uma justificativa para isto, que é feita através do descarte de [várias] claras declarações de Deus.


 

2. “... mas ao princípio não foi assim.”
 

Deus criou o casamento com a intenção de que ele durasse para sempre ("... mas ao princípio [o divórcio] não foi assim"). Mas, a queda dentro do pecado [por Adão e Eva] mudou todas as coisas. Em um mundo amaldiçoado pelo pecado, Deus não espera que a  humanidade pecadora viva ao nível da perfeição estabelecida para seres humanos perfeitos, dentro de um mundo que era livre da presença e do poder do pecado. Na Sua misericórdia, a Palavra de Deus claramente reconhece algumas situações onde o divórcio é apropriado.

Em Mateus 19:9, as palavras de Deus “Eu vos digo, porém, ....” afastam, completamente, para bem longe, todas as considerações do Jardim do Éden e da lei, substituindo aqueles padrões com o Seu padrão para as Suas igrejas. Por que Cristo faria isto, exceto se Ele esperasse que nós pensássemos que a frase  “... mas ao princípio não foi assim.” (o v. 8) ou suas declarações a respeito da  dureza dos corações, de algum modo, fossem canceladas pelo que Ele está indo dizer no versículo 9? Tenha cuidado para não usar uma passagem de modo a cancelar outra passagem sem um claro mandato da Palavra de Deus para que você faça assim. "Eu vos digo, porém, ...." é um claro mandato que cancela tudo [sobre divórcio/ recasamento] dito e escrito antes dEle [de Cristo], deixando- nos com a Sua regra pela qual nós devemos viver.

1 Corinthians 7 ensina algumas "coisas difíceis de serem entendidas." Os versículos 10 e 11 poderiam ser lidos de modo a proibir todos os divórcios, enquanto o versículo 15 poderia ser visto como uma segunda razão aceitável para um divórcio, e os versículos 27 e 28 poderiam ser vistos como permitindo todos os recasamentos. No entanto, nós não encontramos nenhuma declaração de que 1 Corinthians 7 substitui ou cancela as definitivas declarações de Cristo nos Evangelhos. Portanto, estes versículos têm que ser entendidos como complementando e concordando com as declarações de Cristo, não sendo entendidas como negando-a ou expandindo-a.

Por favor, esteja advertido de que as  falsas seitas justificam a crença delas na regeneração batismal (Atos 2:38, Marcos 16:16), ou na missa (João 6:53), ou em outras heresias, através do uso de uns poucos versículos não muito claros, para reinterpretar as claras [explicitas, diretas, incontornáveis, indiscutíveis] declarações da Palavra de Deus. Se nós cuidadosamente examinarmos "todo o conselho de Deus," nós evitaremos este perigoso pantanal .


 

3. "Você pode até ter motivos para um divórcio, mas você nunca pode recasar."
 

Divórcio e recasamento são realmente o mesmo assunto. Deuteronômio 24:1-4, claramente, indica que um divórcio justo deixa ambas as partes livres para recasarem. Em Mateus 19:9, o nosso Salvador disse que Ele proibia todo divórcio e recasamento, exceto no caso de fornicação. Naquela frase "qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério" Ele ajunta o divorciar com o recasar através da palavra "e." Cristo se refere ao divórcio/recasamento como uma só situação, uma situação que é pecaminosa se não existir uma base justa para o divórcio.

O direito de recasar tem sempre sido incluído com permissão de divorciar. Mas, alguns dizem, "eles têm que pagar um preço por terem deixado o casamento deles falhar!" Nós temos que ter cuidado para não agirmos como vigilantes, exigindo uma penalidade para aqueles que têm pecado, através de pendurar esta ameaça sobre as suas cabeças, maltratá-los, ou olhá-los com desprezo. Cristo é ainda a cabeça de sua igreja e, na Sua pura justiça, Ele punirá o pecado. Cristo combinou as duas coisas [divórcio e recasamento]; separá-las é entrar num pantanal interpretativo.


 

4. "Os padrões do mundo têm sido abaixados porque os padrões da igreja têm sido abaixados."
 

Os homens perdidos se comportam da maneira que eles fazem porque são "filhos da desobediência." Algumas almas perdidas podem apontar o dedo acusatório para o povo de Deus em uma tentativa de desculpar-se ou de defender o próprio mau comportamento deles. No entanto, o perdido desobedecerá e se rebelará contra Deus não importa o que o povo de Deus faça. Nunca uma alma perdida, em nossa cidade de 330.000 pessoas, se dirigiu à nossa igreja para considerar a nossa posição sobre divórcio/ recasamento. A pessoa perdida preferiria muito mais não conhecer o que Deus diz, porque "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente." [1Co 2:14]

A Confissão de Westminster de 1646, Matthew Henry (1662-1714), Matthew Poole (1700's) e incontáveis outros piedosos expositores dos últimos 300 anos, todos têm entendido a frase de Cristo em Mateus 19:9 como um fundamento para um divórcio justo. Matthew Henry e Matthew Poole também criam que 1 Corinthians 7:15 concedia outra causa justa.

"Nenhum divórcio, jamais" não é a posição histórica. É impróprio alegar que a exceção dada por Cristo [em Mat 19:9 "qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação"] é "um novo ensinamento" [a acusação é que isto é recente adulteração feito pelo HOMEM à Bíblia] é responsável pela a maré de divórcios em nossos dias. Provavelmente, o surto de divórcios em nossa cultura resulta das revoluções das drogas, do sexo, e da pornografia dos anos 60 e 70.

Acautelai-vos contra o tentação de estabelecer padrões como uma reação contra o mundo. Nós temos que fundamentar a nossa posição na Palavra de Deus, não importa onde esteja a posição do mundo, para que nós não entremos em um pantanal interpretativo que consistirá em interpretarmos as Escrituras à luz do comportamento dos perdidos.


 

5. "Uma crença que divórcio é absolutamente errado forçará um casal a permanecer junto e resolver todos os problemas, mesmo infidelidade."
 

A situação oposta é, exatamente, tão provável quanto esta. Que tal a pobre mulher cujo marido é um namorador e não quer se arrepender? Porventura, Deus exige que ela continue a suportar a dor emocional da repetida infidelidade dele, que nunca se arrepende e sempre a expõe a doenças venéreas quando ela fielmente desempenha a sua parte na  relação sexual deles, aprisionada na armadilha do casamento dela por uma interpretação incorreta das Escrituras? Alguns homens ímpios podem gostar disso, mas isto cria um pantanal interpretativo que difama a Palavra e o caráter de Deus. [Hélio ainda mesmo orou pela filha de um pastor, o marido dela repetidamente a tentou matar de várias maneiras, desta última vez a espancou tanto que dilacerou seu baço e fez seu fígado também sangrar, quase que ela morreu disto, passou vários dias entre a vida e a morte, num hospital, e ele também a tentou matar afogada na banheira, e deu-lhe um tiro que passou de raspão...].


 

6. "Se infidelidade sexual é base para o divórcio, então um sem número de divórcios são aprovados por Deus."
 

Uma vez que o comportamento normal dos seres humanos que se divorciam é encontrar outra companhia, muitos divórcios podem eventualmente ser justificados pela exceção concedida por Cristo em Mateus 19:9. Deus é justiça e misericórdia em partes iguais. É inteiramente consistente com a misericórdia de Deus que Ele concederia para a alma emocionalmente despedaçada (cujo cônjuge tem sido infiel ou tem ido embora por alguma outra razão, e então se torna infiel), a oportunidade de terminar o casamento e se casar com uma outra pessoa que exercitará amor e fidelidade.

Tenha cuidado para não ter idéias preconcebidas. Assegure-se de examinar todas as suas hipóteses e pensamentos à luz das Escrituras. Descarte qualquer idéia, não importa quão fortemente você crê nela, que não se alinhe com a Palavra de Deus. O único fundamento seguro para o nosso pensar é a Palavra de Deus. Sempre que o nosso pensamento se afasta da Sua Palavra, nós abrimos nós mesmos aos ataques de Satanás naquilo que ele nos achará incapazes de permanecer em pé, aquilo em que nós temos confiado em nossa opinião falível, ao invés de na Sua Palavra infalível.




 

ADULTÉRIO PERPÉTUO [adultério continuado, adultério contínuo, adultério constante, adultério incessante, ou continuado adultério, contínuo adultério, constante adultério, incessante adultério]


O ponto de vista que um casal recasado está "vivendo em [continuado] adultério" surge de uma má interpretação, uma distorção das Escrituras. O argumento nega que o divórcio pode terminar um casamento. Usualmente, este argumento erroneamente usa Romanos 7:3 ou se apóia sobre 1 Corinthians 7:39 para argumentar que somente a morte termina um casamento. Entretanto, Deuteronômio 24, claramente, indica que o divórcio termina um casamento. Em João 4, Cristo falou à mulher do poço: "Porque tiveste cinco maridos,"  cuidadosamente usando o passado para indicar que aqueles prévios casamentos estavam terminados. Nem  sequer uma [uma só] clara declaração das Escrituras ensina [explicitamente] que o casamento é uma conexão misticamente eterna que se estende mesmo depois de um divórcio.

Tenham cuidado para não usar tipos ou ilustrações retiradas da Bíblia a respeito do casamento, para ensinarem além do que é claramente declarado nas Escrituras. Todos os tipos se despedaçam em algum nível, mesmo os tipos de Cristo no Velho Testamento. Argumentos a partir de tipos somente são verdadeiros até o ponto em que a coisa representada está claramente declarada [em outros locais da Bíblia]. Crer que "uma vez que a salvação nunca termina, casamentos também nunca terminam," é esticar o tipo além do claro ensino da Palavra. De modo oposto, crer que "uma vez que divórcio termina o casamento, um crente pode perder seu salvação" é igualmente tão falacioso. Usar tipos para argumentar além do que está claramente declarado [em outros locais da Bíblia] é um pantanal interpretativo similar a ler o reflexo de um livro em um espelho.

Leia Gálatas 5:19-21.
19 Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, 20 Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, 21 Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.

Considere agora o pantanal interpretativo criado pela posição não Escriturística de que divórcio não termina o casamento. A frase: "os que cometem tais coisas" significa "aqueles que praticam (ou continuam fazendo) estas coisas." Se nós julgamos que uma pessoa recasada está cometendo adultério todas as vezes que ela se envolve no ato matrimonial com seu novo cônjuge, então estes versículos negam-lhe salvação. Ele está indo para o inferno. Que acontece se aquela alma já foi nascida de novo? Ela perde a sua salvação? Como é que uma alma pára de cometer este adultério?

Deve ele [o homem recasado] divorciar-se da segunda esposa? Isso seria adicionar ainda outro pecado na sua conta. Ademais, nunca é certo fazer o que é errado. Deve ele [o homem recasado] parar de dormir com o novo cônjuge? Fazer isso significa que ele quebra as instruções de Deus em 1 Corinthians 7:4-5, aonde nós somos ensinados não cessarmos nossas relações maritais exceto por causa de um período de jejum e oração, nos assegurando de voltarmos a nos ajuntar novamente. Será que Deus está agora ordenando-lhe pecar?

[Em Mateus 19, no exato contexto do seu ensinamento sobre divórcio e recasamento, o Senhor Jesus Cristo declarou que Deus não força homens a serem eunucos: “Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe; e há eunucos que foram castrados pelos homens; e há eunucos que se castraram a si mesmos, por causa do reino dos céus. Quem pode receber isto, receba-o.” (Mt 19:12).]

Deve o adúltero perpétuo jamais se juntar a uma igreja do NT? A igreja é claramente ordenada a se separar daqueles que continuam a desafiar Deus (1Cor 5). Assim, este cristão, não importa como ele esteja arrependido, não pode ter comunhão com outros crentes.

Todas estas questões surgem quando a verdadeira natureza do casamento é mau entendida. "Adultério perpétuo" é um pantanal interpretativo que nós devemos evitar.



 

UMA SEGUNDA CAUSA [Justa, para o Divórcio]
 

Porventura, 1 Coríntios 7:15 dá um segundo julgamento para o divórcio que Cristo não mencionou? Eu não creio desta maneira pelas seguintes razões:

A declaração de Cristo em Mateus 19:9 parece específica e exaustiva. Enquanto as epístolas do NT rotineiramente expandem nosso entendimento de doutrina a partir da semente no ensino de Cristo, Ele, sobre este assunto de divórcio e recasamento, pareceu claro e definitivo. Eu quero evitar ser tanto mais restrito como mais abrangente do que a Palavra de Deus.

Se ser abandonado por um cônjuge descrente é base para o divórcio, nós encaramos a nada invejável responsabilidade de determinarmos se o cônjuge que foi embora é um redimido. A evidência pode ser procurada para mostrar definitivamente que um esposo tem sido infiel. Mas, que evidência mostrará definitivamente o estado de uma alma? Lembre que Ló é chamado "justo" no NT, mas se nós considerarmos apenas o seu comportamento que está registrado [no Velho Testamento], nós nunca teríamos certeza disto. [E embora Judas fosse não salvo, os discípulos nunca suspeitaram disso e não suspeitaram até mesmo quando Cristo o identificou na Última Ceia e Judas realmente se levantou para sair. Compare Mateus 26:21-25 e João 13:21-30.] As pessoas, mesmo as pessoas salvas, podem ceder à carne e se tornarem incrivelmente atravessadas a 90 graus em relação a Deus e aos seus companheiros crentes. No calor de um tal pecado, elas podem parecer completamente não salvas.

Nós corremos o risco de ter encorajado uma pessoa a pecar, se o cônjuge que se divorciou e abandonou o casamento na realidade era um crente nascido de novo. Em minha mente, a segunda causa se torna um nada invejável pantanal interpretativo.




 

O VERDADEIRO TESTE DE NOSSO CRISTIANISMO
 

Tem sido bem dito que um verdadeiro teste de nossa salvação é como nós respondemos àqueles que discordam de nós. Nesta ou em qualquer outra discordância, que  o Espírito de Deus tanto nos controle e tanto deixe transparecer o seu amor através de nós, que "nisto todos conhecerão que sois meus discípulos" Continue estudando a Sua palavra, fazendo a Sua vontade, e andando com Ele!







Por Vince Londini,
Pastor Assoc., Bethel Baptist Church, London, Ontário
vlondini@bethelbaptist.ca

Tradutora: Valdenira N. de M. Silva



Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/ VidaAmorosa/
(retorne a http://solascriptura-tt.org/ VidaDosCrentes/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )