Dean Burgon Society, declaração, artigos de fé, a Bíblia é inerrantemente inspirada por Deus e providencialmente preservada no Textus Receptus, na Almeida Corrigida Fiel, na King James ou Authorized Version


A declaração da Dean Burgon Society
sobre
a preservação providencial das Sagradas Escrituras

Aprovado pelo Comitê Executivo
da Dean Burgon Society, Incorporated
29 de julho de 1982 na Filadélfia
 

Traduzido e adaptado por ... Valdenira N. de M. Silva, ... Nov.  2000



I. Declaração da Dean Burgon Society sobre a Bíblia
[extrato dos Artigos de Fé]

A Bíblia

Cremos na inspiração divina, plena e verbal, dos sessenta e seis livros que formam os cânones do Velho e do Novo Testamentos (de Gênesis a Apocalipse) nas línguas originais, e na sua conseqüente infalibilidade e inerrância em todos os assuntos dos quais falam (2Tim 3:16-17; 2Ped 1:21; 1Tes 2:13).

16 Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; 17 Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra. (2 Timóteo 3:16-17)

Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo. (2 Petro 1:21)

Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes. (1 Tessalonicens. 2:13)


Os livros conhecido como Apócrifos, entretanto, não são a inspirada Palavra de Deus em nenhum sentido. Como a Bíblia o usa, o termo "inspiração" se refere aos escritos, não aos escritores (2Tim 3:16-17); os escritores são ditos ser "homens santos de Deus" que foram "movidos", "conduzidos" ou "transportados" pelo Espírito Santo (2Ped 1:21) de um modo tão definido que seus escritos foram supernatural, plena e verbalmente inspirados, livres de qualquer erro, infalíveis e inerrantes, como nenhum outro escrito jamais foi inspirado, nem jamais o será.

Cremos que  os Textos que estão mais perto dos autógrafos originais da Bíblia são o Texto Massorético tradicional (o Velho Testamento em hebraico), e o texto grego tradicional (Novo Testamento, como encontrado em "The greek text underlying the English Authorized Version of 1611" 1 , sendo estes textos exatamente aqueles em que se baseia a Bíblia de Almeida de 1681 e 1753 2 [Hoje, a Bíblia Almeida Corrigida Fiel, ou ACF 2, publicada pela SBTB, Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, é a única que é baseada exatamente nos mesmos textos, podendo ser vista como simples conformação da Bíblia Almeida da Reforma à moderna ortografia e moderno uso de palavras do português brasileiro].

Cremos que a Versão Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel da Bíblia em português é uma tradução [absolutamente] acurada, fiel e verdadeira desses dois textos [o Massorético e o Textus Receptus], para o português 3 ; que esses [dois] textos foram providencialmente preservados [perfeitos, por Deus]; e que, em nossos tempos, não há Bíblia igual à Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel, dentre tantas outras traduções para o português. Os tradutores fizeram um tão excelente trabalho, ao traduzirem, que podemos sem apologia erguer a Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel  bem alto [nas nossas mãos] e dizer "Esta é a PALAVRA DE DEUS!", enquanto ao mesmo tempo compreendemos que, em alguns versículos, para completa clareza, temos que voltar aos textos em que ela se baseou, nas línguas originais, e também temos que comparar Escritura com Escritura.


Cremos que todos os versículos [e palavras] da  Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel realmente constituem o Velho e Novo Testamentos, porque representam palavras que cremos que estavam nos textos originais, embora haja outras traduções, a partir das línguas originais, que também poderiam ser aceitas por nós, hoje. Para um estudo exaustivo de qualquer das palavras ou versículos na Bíblia, insistimos que o estudante retorne diretamente ao Texto Massotérico tradicional, em hebraico, e ao texto tradicional [compilado e impresso com o nome de Textus Receptus], em grego, em vez de recorrer à ajuda de qualquer outra tradução. 




II. A declaração da Dean Burgon Society sobre
a preservação providencial das Sagradas Escrituras


A. Importância de ambas, inspiração e preservação
.
A inspiração e preservação da Bíblia são [ambas] extremamente importantes. O solapamento ou destruição de qualquer uma dessas doutrinas torna a outra sem sentido. Se a Bíblia não é verbal plenária e inerrantemente inspirada, e se a sua inspiração não se estende a todos os assuntos dos quais fala, então não há a menor importância em se e como a Bíblia tem sido preservada. Por outro lado, se a Bíblia não tem sido [absolutamente] preservada, então também não há a menor importância em se e como ela foi inspirada. [Em qualquer das duas hipóteses, não teríamos hoje uma Bíblia absolutamente confiável].

B. O processo original de inspiração. Inspiração relaciona-se com Deus revelando verdade que homem algum conhecia ou poderia vir a conhecer à parte da revelação Divina. Deus usou homens, a quem Ele escolheu e preparou, para escrever palavras [insufladas pelo Espírito Santo] sobre os manuscritos originais. Como Deus não fez nenhum erro na inspiração, estes manuscritos originais foram inerrantes. As palavras, [cada e toda palavra] foram escritas exatamente como Deus pretendeu. Estes manuscritos [ou suas cópias perfeitas] foram finalmente coletados e organizados em um cânone e, depois, [suas exatas palavras] foram [perfeitamente] preservadas para o benefício das futuras gerações. Todo este processo, desde a escrita dos manuscritos originais [os autógrafos] até sua suprema preservação, não foi acidental, nem aconteceu por acaso; ao contrário, todo o processo foi supervisionado por Deus Espírito Santo.

C. Os resultados da inspiração se estendem às cópias exatas [isto é, no T.Massorético publicado por Ben Chayyim e no T.Receptus publicado por Scrivener] dos originais. Os resultados da inspiração [supra mencionada], entretanto, não podem ser limitados aos manuscritos originais, ao contrário, têm que ser estendidos de modo a incluir as cópias exatas que foram feitas dos originais. Isto é evidente porque foram as palavras que foram inspiradas e não a tinta, nem os materiais de escrita [peças de papiro ou de pergaminho], nem a escrita feita à mão, nem mesmo os escritores. Foram essas palavras que foram infalivelmente "sopradas para fora" [ inspiradas] por Deus Espírito Santo através de Seus escritores humanos. Estas Palavras foram em hebraico/aramaico no Velho Testamento, e em grego no Novo Testamento. Este processo de inspiração jamais será novamente repetido, porque o cânone foi definitivamente fechado. No entanto, o produto da inspiração (isto é, as exatas palavras que Deus Espírito Santo soprou para fora) permanece nas línguas originais, mesmo que os manuscritos originais não mais existam. Toda cópia exata das palavras dos manuscritos originais é tão fortemente a inspirada e inerrante Palavra de Deus quanto o foram os manuscritos originais.

D. Deus prometeu preservar Sua Palavra. Isto [o fato, supra referido, da inspiração estender-se às cópias exatas] não deveria ser surpresa, porque Deus prometeu preservar Sua Palavra. A Bíblia diz:

 "Acerca dos teus testemunhos soube, desde a antiguidade, que tu os fundaste para sempre." (Sal 119:152).

 Ela diz também:

 "As palavras do SENHOR são palavras PURAS, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes. 7 Tu os guardarás, SENHOR; desta geração as livrarás para sempre." (Sal 12:6-7).

 Diz também:

 "Lámed. Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu." (Sal 119:89),

 e a Palavra de Deus é descrita como aquela: 

"... viva, e que permanece para sempre." (1Ped 1:23).

 Pedro também escreveu:

 "... a palavra do Senhor permanece para sempre." (1Ped 1:25).

 Cristo também disse: 

"O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar." (Mat 24:35).

E. A Palavra de Deus é preservada em traduções acuradas dos textos das línguas originais. Deus preservou estas Escrituras não somente nas línguas originais, mas também nas traduções acuradas feitas a partir delas. Tem alguém que aprender grego e hebraico/aramaico para [somente assim] poder ler a verdade de Deus? Pretendeu Deus que todas as pessoas do mundo inteiro aprendessem grego e hebraico/aramaico antes que o evangelho pudesse ser pregado a elas? Têm pastores que ser eruditos em grego e hebraico/aramaico para [somente] assim poderem ensinar ao povo a santa Palavra de Deus? Certamente que não. No dia de Pentecoste, como registrado em Atos 2:5-11, "... em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu." (versículo 5). Quando os apóstolos falaram, esses homens "de todas as nações" ficaram todos maravilhados e perguntaram: "Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?" Este testemunho sobrenatural da igreja de Jerusalém mostrou a Palavra de Deus indo para todas as nações do mundo em suas próprias línguas individuais. A Palavra de Deus soou com a mesma autoridade em todas aquelas línguas, para todas aquelas nações, no dia de Pentecoste.

F. Deus pretendeu que Sua Palavra fosse traduzida acuradamente em todas as línguas. Sem dúvida, Deus pretendeu que Sua Palavra fosse traduzida acuradamente em todas as línguas, para cumprir a Grande Comissão de pregar o evangelho a cada e toda criatura (Mar 16:15). Isto é adicionalmente substanciado pela versão que Paulo fez da Grande Comissão, para os gentios, como é encontrada em Rom 16:25-26: "... 26 Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;" Primeiro, no versículo 25, vem a pregação do evangelho para os povos de todas as nações; depois, no versículo 26, vem a circulação das Escrituras em suas próprias línguas. Deus está ordenando que as as Escrituras têm que ser dadas a conhecer a todas as nações, com o propósito da obediência da fé, por parte de pessoas dessas nações.
 

G. Uma tradução acurada dos textos exatos da língua original pode ser chamada a "Palavra De Deus". Pode uma tradução acurada da Bíblia ser chamada a verdadeira "PALAVRA DE DEUS"? Sim, pode. A verdade de Deus de forma alguma está confinada aos textos das línguas originais (grego e hebraico/aramaico) e disponível somente àqueles que entendam estas línguas originais. Cremos que Deus deixou bem claro, em Sua Palavra, que Ele pretendeu que todas as nações do mundo ouvissem Sua verdadeira Palavra em suas próprias línguas.

H. A tradução acurada objetiva uma equivalência completa da língua original para a segunda língua. A palavra portuguesa "água" é conhecida pelo químico como H2O. No latim é "aqua". No hebraico é "mayim". No grego é "hudor". Agora, quando Jesus falou para a mulher à beira do poço, em João 4, e chamou a Si próprio de "Água" da Vida, tem esta palavra, em português, menos verdade do que "hudor" no grego original? Claro que não. Entretanto, não é toda palavra em uma língua que tem um exato ou completo equivalente em outra língua. Algumas vezes, uma única palavra em uma língua tem que ser traduzida por várias palavras em outra língua. Também, para clarificar o significado da tradução, tradutores freqüentemente têm que adicionar palavras que forçosamente estão implícitas mas não realmente presentes no texto original. A Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel colocou em itálico muitas dessas palavras adicionadas, para distinguí-las das palavras que são realmente encontradas no texto original. Ademais, a ordem das palavras em cada sentença em uma língua pode ser diferente da ordem das palavras na mesma sentença em outra língua. No entanto, na extensão em que uma tradução ofereça a real ou completa equivalência, em outra língua, das palavras contraparte do grego e hebraico/aramaico originais, é uma tradução acurada da verdadeira, inerrante, infalível Palavra de Deus e, por esta razão, é a verdadeira Palavra de Deus naquela língua.

I. O uso bíblico da palavra "inspiração". Apesar das muitas definições da palavra "inspiração" que são estranhas ou contrárias à Bíblia, ela é encontrada somente uma vez no Novo Testamento. Ganharemos muito e profundo discernimento espiritual do significado da palavra se estudarmos o contexto onde foi usada:

  "15 E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; 17 Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra." (2Tim 3:15-17).

 As Escrituras aqui faladas foram as Escrituras do Velho Testamento estudadas por Timóteo ainda criança. Estas Escrituras tinham sido copiadas muitas vezes a partir do original em hebraico. Após séculos de providencial preservação, elas foram ainda chamadas de "as Sagradas Escrituras". Elas foram  inspiradas originalmente para ter um efeito duradouro "para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça." Elas também foram originalmente inspiradas para que todo homem de Deus "seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra."

J. A preservação providencial dos textos da língua original tem sido crida através da história da Igreja. A seguinte declaração doutrinária, testificando da crença histórica de várias igrejas na preservação providencial dos textos das línguas originais do hebraico/aramaico e grego, é encontrada virtualmente palavra por palavra nas seguintes confissões históricas: (1) A Confissão Batista de Londres, de 1677 e 1689; (2) a Confissão Batista da Filadélfia, de cerca de 1743; (3) a Confissão de Westminster, de 1646; (4) e a Confissão de Savoy, de 1652. A redação da Confissão Batista de Londres, de 1689, é:

8. O Velho Testamento em hebraico (que foi a língua nativa do povo de Deus de antigamente) e o Novo Testamento em grego, (que, no tempo da sua escrita, era a língua mais geralmente conhecida por todas as nações), sendo imediatamente [isto é, diretamente] inspirados por Deus, e, pelo Seu singular cuidado e providência, conservados puros em todas as épocas, são, por esta razão, autênticos; portanto, em todas as controvérsias religiosas, a igreja tem que recorrer a eles [como a autoridade final e absoluta]. 13 Mas, uma vez que estas línguas originais não são conhecidas por todo o povo de Deus, que tem o direito e interesse nas Escrituras e são ordenados a, no temor de Deus, lê-las 16 e procurá-las, 17  elas devem ser traduzidas para a língua usual de todas as nações às quais  chegarem, 18 para que, a Palavra de Deus habitando abundantemente em todos [os homens e mulheres], eles possam adorá-Lo de uma maneira aceitável e, através da paciência e do conforto das Escrituras, possam ter esperança (Capítulo 1, "Das Sagradas Escrituras" "g," pp. 9-10 de "As Coisas Mais Seguramente Cridas Entre Nós -- A Confissão de Fé dos Batistas", Evangelical Press, Rosendale Road, London, S.E.21.)

K. A superioridade da Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel, mesmo hoje. A Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel tem sido e continua a ser a honrada por Deus, a melhor, a mais acurada tradução dos exatos textos, nas línguas originais, da inspirada inerrante, infalível e autoritativa Palavra de Deus para as nações de língua portuguesa. Spurgeon adiciona, a respeito dela: "Estamos todos completamente seguros de que nossa própria versão das Escrituras em português brasileiro 3 (significando a Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel 2 )  é suficiente para o homem comum, para todos os propósitos da vida, salvação e piedade." Embora tenham havido muitas mudanças em ortografia e pontuação na língua portuguesa desde 1611, nossas Bíblias Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel de hoje diferem em apenas muito poucas palavras daquelas de então. Estas mudanças não corrigiram falhas dos tradutores da Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel, mas são [apenas] o resultado de mudanças na ortografia e pontuação no nosso português brasileiro.

L. A continuada recomendação que a Dean Burgon Society's faz da Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel. Temos a firme expectativa de que a Almeida 1681,1753, Corrigida-Fiel também continuará a ocupar esta honrada posição [acima referida] no futuro antevisível, e aqui reafirmamos nossa [total] confiança nela e recomendamos seu continuado reinado nos púlpitos das igrejas que [realmente] crêem na Bíblia, nos estudos dos pastores, nos lares, nas classes de Escola Bíblica Dominical, e nas classes formais dos Institutos Bíblicos, das Faculdades e dos Seminários Teológicos.


THE DEAN BURGON SOCIETY, INCORPORATED
P. O. Box 354 - Collingswood, New Jersey, U.S.A.
Phone: 856-854-4452; FAX: 856-854-2464; Orders: 1-800-JOHN 10:9



1 - Tradução: "O texto grego em que se baseia a Versão Autorizada Inglesa  de 1611"; a Versão Autorizada é a mesma Bíblia do Rei Tiago, a King James Version.

2 - Nota da Tradutora: esta é uma adaptação, o original sempre traz "King James Version", de 1611, também conhecida como KJV, KJB, "Authorized Version", ou AV.

3 - Nota da Tradutora: esta é uma adaptação, o original sempre traz "língua inglesa".



(retorne à PÁGINA ÍNDICE de SolaScripturaTT / Bibliologia-PreservacaoTT)