Por Que Deus Preservou O Novo Testamento Basicamente em Grego
(Portanto, nos Países da Igreja Ortodoxa?)






PERGUNTA:
Por que Deus preservou o Novo Testamento através da Igreja Ortodoxa e não na protestante, visto que a Igreja Ortodoxa é outro grupo religioso que segue doutrinas contrárias à Palavra de Deus, tais como idolatria, tradição acima das Escrituras Santas, etc.? Por que Deus escolheu justo esta igreja para guardar, proteger e preservar o texto original?


RESPOSTA (por Hélio)



Antes de tudo, irmão, não havia igrejas (nacionais) protestantes antes de Lutero e Calvino as fundarem, no século 16. Por outro lado, como Cristo prometeu e profetizou em Mat 16:18 (...
edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela), sempre houve, há e haverá igrejas fiéis (portanto não católicas) através de todos os séculos, mesmo que muito pobres, pequeninas, terrivelmente perseguidas e assassinadas pela igreja romana (porque somente batizavam quem já tivesse crido e solicitado), às vezes quase parecendo terem sido extintas).
Assim, vou assumir que a pergunta que você quiz fazer foi simplesmente:
"Por que Deus preservou Sua Palavra (mais especificamente o Novo Testamento) através do idioma grego e através da Igreja Ortodoxa, visto que esta segue doutrinas contrárias à palavra de Deus, como idolatria, tradição acima das escrituras santas, etc.?"



Como em todas as perguntas "POR QUE Deus ...?", temos que considerar que sempre que Ele, soberanamente, não deu nas Escrituras nenhuma clara revelação de Seus motivos, não nos compete decidir e responder por Ele, nem mesmo nos compete demasiadamente inquirir e divagar e inventar sobre aquilo. No assunto particular da preservação da Bíblia, nos compete apenas crer que Deus, como prometeu (1Cr 16:15; Sl 12:6-7; 19:7-8; 33:1; 100:5; 111:7-8; 117:2; 119:89,152,160; 138:2b; Is 40:8; 59:21; Mt 4:4; 5:18; 24:35; Lc 4:4; 16:17; 21:33; Jo 10:35b; 16:12-13; 1Pd 1:23,25; Ap 22:18-19
), preservou Sua Palavra, a nível de cada letra e sinal de acentuação de cada palavra, e preservou de forma absolutamente perfeita, aqui sobre a terra, em uso (uso prático, real, físico) pelos seus fiéis, que a sempre a puderam e podem e poderão ler e segurar com as suas mãos. Portanto, como, depois da invenção da imprensa e advento de relativa liberdade religiosa e política com a Reforma, todas as igrejas batistas e reformadas, de todos os idiomas e de todas as nações, usaram somente Bíblias traduzidas a partir do Textus Receptus em grego, temos aqui a perfeita prova TEOLÓGICA de que tal TR é a perfeita Palavra de Deus em grego. Isto deve nos bastar.


1Cr 16:15 Lembrai-vos perpetuamente da sua aliança e da palavra que prescreveu para mil gerações; ACF2007

Sl 12:6-7  6 As palavras do SENHOR são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes. 7 Tu os guardarás, SENHOR; desta geração os livrarás para sempre. ACF2007

Sl 19:7-8  7 A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices. 8 Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro, e ilumina os olhos. ACF2007

Sl 33:1 REGOZIJAI-VOS no SENHOR, vós justos, pois aos retos convém o louvor. ACF2007

Sl 100:5 Porque o SENHOR é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração. ACF2007

Sl 111:7-8  7 As obras das suas mãos são verdade e juízo, seguros todos os seus mandamentos. 8 Permanecem firmes para todo o sempre; e são feitos em verdade e retidão. ACF2007

Sl 117:2 Porque a sua benignidade é grande para conosco, e a verdade do SENHOR dura para sempre. Louvai ao SENHOR. ACF2007

Sl 119:89 Lámed. Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu. ACF2007

Sl 119:152 Acerca dos teus testemunhos soube, desde a antiguidade, que tu os fundaste para sempre. ACF2007

Sl 119:160 A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre. ACF2007

Sl 138:2 Inclinar-me-ei para o teu santo templo, e louvarei o teu nome pela tua benignidade, e pela tua verdade; pois engrandeceste a tua palavra acima de todo o teu nome. ACF2007

Is 40:8 Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente. ACF2007

Is 59:21 Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles, diz o SENHOR: o meu espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se desviarão da tua boca nem da boca da tua descendência, nem da boca da descendência da tua descendência, diz o SENHOR, desde agora e para todo o sempre. ACF2007

Mt 4:4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. ACF2007

Mt 5:18 Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido. ACF2007

Mt 24:35 O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. ACF2007

Lc 4:4 E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus. ACF2007

Lc 16:17 E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei. ACF2007

Lc 21:33 Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não hão de passar. ACF2007

Jo 10:35 Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida, e a Escritura não pode ser anulada, ACF2007

Jo 16:12-13  12 Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. 13 Mas, quando vier aquele, o Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. ACF2007

1Pe 1:23 Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. ACF2007

1Pe 1:25 Mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada. ACF2007

Ap 22:18-19  18 Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; 19 E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro. ACF2007


Sim, a perfeita Palavra de Deus foi preservada em grego e foi IMPRESSA no Textus Receptus, nas suas diversas impressões no século 16.



Mas, talvez nos arriscando a ser vistos como algo insensatos, deixemos nosso pensamento trabalhar por um pouco de tempo:
Sim, a Igreja Católica Grega surgiu de um cisma, de uma divisão da Igreja Católica no século 11, que ficou divida em Romana (Ocidental) e Grega (Oriental).
Sim, a I. C. Grega tem erros desde sua origem, mas há uma diferença dela em relação à I. C. Romana: tal igreja Romana desde o início procurou MODIFICAR substancialmente o conteúdo da Bíblia, e a I. C. Grega nunca procurou modificar o Novo Testamento grego (embora tenha continuado com a inserção feita por Roma no Velho Testamento, os livros apócrifos).
A I. C. Romana modificou substancialmente o conteúdo da Bíblia (particularmente do Novo Testamento) ao traduzi-la de forma consciente e propositalmente corrompida para a Vulgata de Jerônimo (no século 5), e ao obrigar que os sacerdotes, nos poucos segundos em que a lessem em público, somente a lessem em latim, nunca em grego, para que nem eles nem nenhum leitor notassem as corrupções introduzidas em latim. Já a I. C. Grega, em suas leituras em público, sempre leu o Novo Testamento na língua grega em que ele foi escrito e todos entendiam, e nunca aceitariam grandes e profusas modificações em relação às cópias anteriores. Em outras palavras, como o NT foi originalmente escrito em grego, e como os moradores dos países da I. C. Grega falavam grego como língua materna, o que é de se esperar é que Deus basicamente tenha preservado a perfeição de sua Palavra através dos manuscritos em grego, portanto nos manuscritos na região da I. C. Grega, veja a área laranja claro no mapa abaixo:

ImperiosRomanosOcidental.e.Oriental.jpg


Se não for por intervenção de Deus, a natureza da linguagem (qualquer linguagem) nem sempre permite uma tradução perfeita, de modo que, por melhor que seja um tradutor, ao traduzir 2 páginas de linguagem 1 para linguagem 2, provavelmente, em algum local, alguma nuance original será imperfeitamente transmitida para seus leitores. Se outro tradutor traduzir da linguagem 2 para a 3, piora. Se mais outro traduzir para a 4, piora ainda mais. Portanto, é de se esperar que Deus tenha preservado, de forma perfeita, Seu VT através da língua hebraica (usando os judeus massoretas que tinham sumo respeito ao prepararem cópias da Palavra de Deus), de modo que o VT de cada Bíblia em qualquer outra linguagem deve ser traduzida diretamente a partir do hebraico e não da linguagem 2, 3, ou 4. E é de se esperar que Deus tenha preservado, de forma perfeita, Seu NT através da língua grega (usando crentes de língua grega que tinham sumo respeito ao prepararem cópias da Palavra de Deus), de modo que o NT de cada Bíblia em qualquer outra linguagem deve ser traduzida diretamente a partir do grego e não da linguagem 2, 3, ou 4.

Repetindo, é de se esperar que a revelação (que Deus fez Mateus, Marcos, etc. escreverem em grego) foi preservada basicamente em grego, de cópia a cópia de cópia, através dos séculos. Mas, para isso, só serviriam pessoas que falavam grego, e o império bizantino manteve o uso de grego (inclusive fora da Grécia) até sua queda no século 15. A vasta maioria dos quase 5900 manuscritos gregos do NT que sobreviveram e estão hoje em nossas mãos antecedem aquela queda.

Acima de tudo, a preservação do texto em grego não dependeu da completa perfeição (ou não) de cada uma das igrejas de língua grega envolvidas na transmissão do texto, mas, em última análise, decorreu da providência de Deus.

A providência de Deus (preservando em uso ininterrupto, através dos séculos, cada uma de Suas palavras) se deu:

a) usando copiadores de língua grega que, basicamente, pelo menos tinham todo respeito à cada uma das palavras de Deus em grego e se esforçavam ao máximo para não lhe mudar nem um jota nem um til;
b) usando igrejas de língua grega que basicamente notariam e rejeitariam qualquer modificação em um novo manuscrito, ao compararem com memória e com antigos manuscritos gregos;
c) usando e guiando homens de Deus que compilaram o texto grego que veio a ser chamado de Textus Receptus, basicamente o compilando a partir de dezenas dos melhores manuscritos representativos dos milhares de manuscritos gregos bizantinos.


Portanto, embora os (relativamente poucos) casos de "empate ou quase empate" entre duas leituras em grego possam ser desempatados com auxílio de outras considerações (inclusive correição da doutrina; correição de gramática; fiéis antigas traduções para outros idiomas; sermões e escritos de pastores dos primeiros séculos; sanidade doutrinária das igrejas dos manuscritos, particularmente sumo respeito no tratamento de cada letra das Escrituras; amplitude geográfica das áreas das leituras; etc.), a primeira e maior autoridade está na unanimidade (ou quase unanimidade) do texto GREGO (não no texto aramaico, não no siríaco, não no latino), o qual foi preservado no mundo de fala grega, mundo correspondente à I. C. Grega.


Hélio.



*************************************************

PERGUNTA:
Hélio, que é mesmo que você quis dizer com "empate ou quase empate entre duas leituras em grego"?

RESPOSTA (por Hélio):

O ponto de partida sempre tem que ser o conjunto de quase 5.900 manuscritos do NT escritos em grego, sendo cerca de 3.000 deles contínuos, o restante deles sendo partes de apenas algumas páginas e mesmo fragmentos de uma única página. Além disso, há 2.453 manuscritos de lecionários, em grego (são de valor menor, mas têm algum valor).

Desses quase 5.900 manuscritos do NT escritos em grego, os 13 a 15 manuscritos pergaminhos da família Alexandrina devem ser lançados fora imediatamente e com muita repulsa, pois vieram do maior e mais venenoso centro de apostasia do cristianismo, Alexandria, do Egito (profetizado na Bíblia como fonte de males), apostasia que começou ainda no século 1, enquanto os apóstolos ainda viviam, e aprofundou-se ainda mais a partir do século 2, com neoplatonismo, gnosticismo, Filo, Orígenes, Clemente, etc. Acima disso, os manuscritos alexandrinos têm muitos milhares de corrupções da Palavra de Deus, as quais têm todas evidências de terem sido conscientes e propositais (ou feitas por fantoches inconscientemente manejados, mas tem que ter havido uma mente controladora por trás de tão sistemáticas e graves corrupções Ef 6:12
12 Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.). Os dois principais e mais influentes manuscritos de Alexandria (isto é, Vaticanus e Sinaiticus) em muitas e muitas páginas estão ridiculamente rasurados e reescritos por cima, com letras de várias pessoas diferentes, e diferem um do outro manuscrito em talvez 3.500 palavras somente nos 4 evangelhos (!) e 5.000 palavras no NT (!), sem contar os diferentes livros apócrifos que cada um introduz (um dos apócrifos introduzidos por Sinaiticus é a epístola do Pastor de Hermas, e um dos apócrifos introduzidos por Vaticanus é o Livro de Judite). É por isso que até Roma se envergonhava do Vaticanus e o deixava acumular poeira numa prateleira, e Sinaiticus estava numa lixeira de um convento para ter suas páginas rasgadas e usadas para começar fogo na lareira e no fogão, nos próximos dias. Nenhum dos piores tribunais de hoje aceitaria um documento com 1/100 das rasuras de Vaticanus e Sinaiticus, e nenhum pastor batista ou reformado, com um pingo de coerência e decência, adotaria para pregar, como se fosse a Bíblia, um livro vindo de igrejas gnósticas e com livros apócrifos que até Roma rejeita! No NT, os 13 a 15 pergaminhos alexandrinos diferem entre si em cerca de 17.000 palavras diferentes (!). Isto equivale a 12% do NT (!).

Além desses 13 a 15 pergaminhos alexandrinos, há umas poucas dúzias de manuscritos também bastante ruins, alguns por total incompetência do copista (que não sabia 1 mm de grego, copiava como quem copia um desenho, e errava demais, como se eu fosse copiar idiogramas japoneses), outros por insuportável negligência do seu copista (que errava demais). São na ordem de 5% esses manuscritos que, mesmo considerados isoladamente, são de copistas tão escandalosamente incompetentes/ desleixados/ dolosos que têm que ser logo descartados da cena, antes de qualquer outra coisa.
Restam, talvez, mais de 5.600 manuscritos gregos que basicamente não mostram sinal de terem sido alvo de campanha consciente e proposital para grandemente corrompê-los de modo sistemático, nem de terem sido vítimas de enormes incompetência e descaso. Esses mais de 5.600 manuscritos são chamados de bizantinos (englobando os manuscritos dantes chamados de sírios), cobrem mais de 1200 anos, desde o século 5 (o Códice A, ou Alexandrinus) até o século 16 e mesmo o século 17, e estão espalhados por milhões de quilômetros quadrados do mundo de fala grega do domínio da Igreja Grega sobre toda a Ásia Menor, toda a Europa Oriental e todo Nordeste da África. São somente estes 5.600 manuscritos bizantinos que deviam ser considerados nas contas e análises. Mais de 99% de tais mais de 5.600 manuscritos gregos, portanto mais de 5.540 manuscritos, concordam basicamente cada um com todos os outros, só tendo entre si diferenças estatisticamente significativas (e capazes de transparecer após serem traduzidas) em menos de 1.000 palavras. (Após tradução, não há diferença entre "rio largo" e "largo rio.")
Embora possa ser dito que tais mais de 5.540 manuscritos bizantinos têm nuances que formam mais de 30 famílias, podemos dizer que são diferenças muito, muito pequenas quando comparadas com as que existem entre eles e os manuscritos alexandrinos, e entre os manuscritos alexandrinos entre si. Fazendo uma analogia ilustrativa, podemos dizer que as diferenças entre as mais de 30 famílias de manuscritos bizantinos são tão pequenas como as que há entre as diversas raças ou famílias de pombos comuns ou domésticos (Columba lívia) não propositalmente modificadas -- um grupo de 1.000 pombos dessas diversas famílias e raças não tem quase nenhuma grande diferença aparente, um leigo pode observá-los por horas e nunca dizer que são de diferentes famílias. Por outro lado, as diferenças entre os manuscritos bizantinos e alexandrinos (e entre estes) são tão grandes e aparentes quanto as que existem entre as raças de cães, já tive um meigo Poodle de 5 kg e já tive um feroz Rottweiler de 50 kg, quanto são extremamente diferentes!

Agora, deixe-me explicar esse tal de "desempatar". Das cerca de 140.000 palavras do NT grego:
- Em 139.000 palavras, praticamente todos os mais de 5.540 manuscritos bizantinos que realmente contam são muito, muito semelhantes, concordam plenamente, não há o que ninguém questionar.
- Quanto às quase 1.000 palavras restantes, há casos de palavras tais como o verbo amar, em que 2.000 manuscritos têm "ele ama" e somente 2 manuscritos têm "ele amará", portanto a primeira leitura ganhará "de lavada", não há o que se discutir.
- Mas há casos tais como 600 manuscritos serem maioria ao terem leitura 1, contra 500 manuscritos terem leitura 2. É isso que eu chamei de "empate ou quase empate." Nestes casos, temos que desempatar usando outros critérios.
Por exemplo, se leitura Maj. (de Majoritária) tem maioria de 70% dos manuscritos e leitura Min. (de Minoritária) tem minoria de 30% dos manuscritos, mas:

a) Maj. tem um grave erro de gramática, como "nois vai", e Min. não tem;
b) Maj. forma um grave erro de doutrina (como "Deus não existe") ou forma grave contradição com o restante da Bíblia (como "Jesus foi crucificado em Roma"), e Min. não forma;
c) Favorecem Min.: todos os manuscritos da Antiga Latina originada em 157 dC; todos (exceto 2) manuscritos da Peshitta siríaca originada em 150 dC; todos (exceto 3) manuscritos da Vulgata de Jerônimo originada em 405 dC;
d) Os manuscritos gregos de Maj. concentram-se em uma pequena área geográfica, mas os de Min. espalham-se por toda Europa oriental, Ásia Menor e Nordeste da África;
e) 95% dos 500 sermões e cartas escritos no séculos 2 a 5 e que sobreviveram até nós, e que citam a passagem em foco, a citam como em Min.;
f) todas as edições do Textus Receptus por Erasmus, Stephanus, Beza, Elzeviers, etc. adotam Min. e rejeitam Maj.;
g) todas as traduções da Bíblia usadas por todos os batistas e reformados, em todos os idiomas, desde 1520 até pelo menos 1881, refletem somente Min.;


então tudo isto, somado, desempata em favor da leitura Min., mesmo que não tenha maioria absoluta.




Hélio.




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-PreservacaoTT/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )