FALTA TRADUZIR à mão!!! Se alguém o fizer, mande-me cópia, por favor.
hmenezes at di.ufpb.br

HIGH POINTS OF BIBLICAL PRESERVATION

David Cloud,
 http://wayoflife.org

God did not promise to keep scribes from making any mistakes when copying the Bible or to keep heretics from attempting to tamper with it. What He promised is to keep the Bible pure forever (Psalm 12:6-7) and to preserve it in its common usage among His people (the Jews in the Old Testament, Rom. 3:1-2, and the churches in the New, Mat. 28:19-20). "But the word of the Lord endureth for ever. And this is the word which by the gospel is preached unto you" (1 Pet. 1:25). "Heaven and earth shall pass away, but my words shall not pass away" (Mat. 24:35).

Of course there were three types of scribes, faithful, careless, and heretical, and God has used faithful scribes to weed out any errors that crept into the manuscripts by way of those less faithful.

As we look at history we can see that there were high points to the process of biblical preservation. This was true both in the Old Testament era and in the New. There were times of spiritual revival in which more careful attention was given to the Scriptures and any errors that might have crept in through neglect were corrected.



HIGH POINTS OF PRESERVATION FOR THE OLD TESTAMENT

It was to the Jews that God assigned the task of preserving the Hebrew Old Testament (Rom. 3:1-2). In Romans 3 Paul describes the Old Testament as the very "oracles of God," and these oracles were committed to the Jews. Even though they did not always obey the Scriptures, they held them in reverence and believed that each jot and tittle was the inspired Word of God.

In particular, it was the Jewish priests who were responsible to care for the Scriptures (Deut. 31:24-26; 17:18).

Though there were periods of spiritual backsliding in which the Word of God was almost unknown among the Jews (2 Chron. 15:3), God preserved His Word in spite of man's failure. The Word of God was never permanently lost (2 Kings 22:8).

There were high points to the process of preservation during that era, times of spiritual revival, in which more careful attention was given to the Scriptures and any errors that might have crept in through neglect were corrected.

1. One of the high points in the transmission of the Old Testament text was the revival during the days of King Hezekiah. It was at this time, for example, that men copied out Solomon's proverbs (Prov. 25:1).

2. There were other revivals during the days of Jehoshaphat and Josiah and doubtless these were also times in which the Scriptures were given special attention and the process of canonization and preservation continued.

3. After the Babylonian captivity there was a revival within the Jewish priesthood (Ezra 7:10) and the Old Testament Scriptures continued to be preserved. "By Ezra and his successors, under the guidance of the Holy Spirit, all the Old Testament books were gathered together into one Old Testament canon, and their texts were purged of errors and preserved until the days of our Lord's earthly ministry. By that time the Old Testament text was so firmly established that even the Jews' rejection of Christ could not disturb it" (Edward Hills, The King James Bible Defended, 4th edition, p. 93).

4. A great high point in the preservation of the Old Testament was the earthly ministry of Jesus Christ. He exalted the Old Testament Hebrew text and guaranteed its preservation even to the very jots and tittles (Mat. 4:4; 5:18). The fact that Christ spoke of jots and tittles teaches us that He used and exalted the Hebrew text and not any alleged Greek translation thereof. Christ also referred to the Old Testament by its Hebrew division rather than by the Greek divison (Lk. 24:44). The Hebrew division was the Law, the Prophets, and the Psalms, whereas the Greek division was the same as it is in English, the Law, the Psalms, and the Prophets. Further, when the Lord Jesus Christ referred to the first and last prophets that were martyred in the Old Testament, He referred to them by the order of the Hebrew Text rather than by the order of the Greek Septuagint (Mat. 23:35). The Hebrew Old Testament begins with Genesis and ends with 2 Chronicles, whereas the Greek Septuagint ends with the prophet Malachi followed by the apocryphal books.

5. Beginning in the sixth century it was the Masoretes who jealously guarded the Hebrew text and passed it down from generation to generation from about 500 to 1000 A.D. The Masoretes were families of Hebrew scholars who had centers in Tiberius, Palestine, and Babylon. The traditional Hebrew Masoretic text gets its name from these scholars. The Masoretes exercised great care in transcribing the Old Testament. Following are some of their stringent rules (from Herbert Miller, General Biblical Introduction, 1937):

a. No word nor letter could be written from memory; the scribe must have an authentic copy before him, and he must read and pronounce aloud each word before writing it.

b. Strict rules were given concerning forms of the letters, spaces between letters, words, and sections, the use of the pen, the color of the parchment, etc.

c. The revision of a roll must be made within 30 days after the work was finished; otherwise it was worthless. One mistake on a sheet condemned the sheet; if three mistakes were found on any page, the entire manuscript was condemned.

d. Every word and every letter was counted, and if a letter were omitted, an extra letter inserted, or if one letter touched another, the manuscript was condemned and destroyed at once.

Thus God kept the Old Testament pure by His appointed means, the Jews and especially by the Jewish priests.




HIGH POINTS OF PRESERVATION FOR THE NEW TESTAMENT

There have also been high points during which the process of the preservation of the New Testament has been given fresh impetus.

1. The first high point in the preservation of the New Testament OCCURRED IN THE 4TH AND 5TH CENTURIES, following the heretical attacks and fierce persecutions of the post-apostolic times, WHEN THE ALEXANDRIAN TEXT WAS REJECTED WITH FINALITY IN FAVOR OF THE TRADITIONAL TEXT.

In the first two centuries following the apostles, the Scriptures suffered greatly at the hands of heretics as well as at the hands of Roman persecutors. As for the heretics, 19th century textual scholar Frederick Scrivener testified: "It is no less true to fact than paradoxical in sound, that THE WORST CORRUPTIONS TO WHICH THE NEW TESTAMENT HAS EVER BEEN SUBJECTED, ORIGINATED WITHIN A HUNDRED YEARS AFTER IT WAS COMPOSED ... the African Fathers and the whole Western, with a portion of the Syrian Church, used far inferior manuscripts to those employed by Stunica, or Erasmus, or Stephen, thirteen centuries after, when moulding the Textus Receptus" (Scrivener, A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament, II, 4th edition, 1894, pp. 264, 265).

In the period of the 4th and 5th centuries following the heretical attacks and the persecutions two important things happened in which we can see the Spirit of Christ and the spirit of antichrist working side by side. First, the Roman Catholic Church was forming. It was given a big impetus when Constantine created (for all effect) a state church in the 4th century and intervened in church affairs, exalting and enriching some "bishops" and persecuting churches that would not submit. Second, the persecutions by the Roman emperors having ceased, the churches again had liberty to preach and carry out missionary work, and they did this with great enthusiasm.

Consider this statement by Kurt and Barbara Aland: "Innumerable manuscripts were destroyed during the persecutions and had to be replaced. The result was a widespread scarcity of New Testament manuscripts which became all the more acute when the persecution ceased. For when Christianity could again engage freely in missionary activity there was a tremendous growth in both the size of the existing churches and the number of new churches. There also followed a sudden demand for large numbers of New Testament manuscripts in all provinces of the empire" (Aland, The Text of the New Testament, p. 65).

Though most of the record of this work of faith has perished, we do know that translations were made in those days by missionaries and were used widely. The Gothic version, for example, was made by Ulfilas, who even created the first Gothic alphabet for this noble project. Both the Old and New Testaments were translated into Gothic in the fourth century. Bruce Metzger says this version "must have been the vernacular Bible of a large portion of Europe" in the 4th to the 5th centuries (Metzger, The Text of the New Testament, p. 377). Sadly, only a few fragments remain of this ancient missionary Bible and even those fragments are largely palimpsests, meaning the original Gothic has been scraped off and overwritten with something else.

What we do know is that during this period of great missionary activity the Alexandrian text was rejected with great finality and buried in the sands of Egypt, so to speak, and the Traditional text was multiplied. This is a great high point in the preservation of the Scriptures. (I am not saying that the Alexandrian text was ever spread over a wide region or that it actually stood head to head with the Traditional Text across the biblical world. The Alexandrian text was always more of a local text.)

Wilbur Pickering observes: "...if, as reported, the Diocletian campaign was most fierce and effective in the Byzantine area, the numerical advantage of the 'Byzantine' text-type over the 'Western' and 'Alexandrian' would have been reduced, giving the latter a chance to forge ahead. BUT IT DID NOT HAPPEN. THE CHURCH, IN THE MAIN, REFUSED TO PROPAGATE THOSE FORMS OF THE GREEK TEXT" (The Identity of the New Testament Text, ch. 5).

Even the modern textual critics admit that the Vaticanus type text ceased to be used, attempting to account for this with their bogus recension theory. Consider the surviving uncial manuscripts. Of the roughly 260 extant uncials, most of them are from the 5th to the 9th centuries, and for the most part these "actually preserve little more than a purely or predominantly Byzantine Majority text" (Aland, The Text of the New Testament, p. 103). It is only a handful of the uncials from before this time that has an Alexandrian text.

Modern textual critics see this handful of Alexandrian uncials (together with their few counterparts in the Egyptian papyri) as the authentic apostolic text. We see them as examples of an aberrant text that thrived briefly in that hotbed of heresy, Egypt. God allowed heretics to tamper with manuscripts during the post-apostolic days but He did not allow the "text" thus created to prosper, the Spirit of God guiding His people to reject the false and keep the true.

"Thus during the 4th and 5th centuries among the Syriac-speaking Christians of the East, the Greek-speaking Christians of the Byzantine empire, and the Latin-speaking Christians of the West the same tendency was at work, namely, a God-guided trend away from the false Western and Alexandrian texts and toward the True Traditional Text" (Edward F. Hills, The King James Version Defended, 4th edition, p. 188).



2. Another high point in the preservation of the New Testament Scriptures occurred in THE 9TH AND 10TH CENTURIES, WHEN THE OLD UNCIALS WERE CONVERTED TO CURSIVE MANUSCRIPTS. The text that was converted was the Traditional text.

It is only reasonable to assume that the conversion process required a critical examination of the uncials used as exemplars for the new cursives and that only those uncials considered the most authentic would be used, perhaps not in every case but broadly speaking across the spectrum of the entire process. Surely those involved in this important process knew that the times had changed and that the uncials would no longer be used, that the conversion process would not be reversed, just as those who lived in the 15th and 16th centuries knew that the conversion from manuscript to print was permanent. Jakob van Bruggen has made the following valuable observation about this era: "In the codicology the great value of the transliteration process in the 9th century and thereafter is recognized. At that time the most important New Testament manuscripts written in majuscule script were carefully transcribed into minuscule script. ... The import of this datum has not been taken into account enough in the present New Testament textual criticism. For it implies that just as the oldest, best and most customary manuscripts come to us in the new uniform of the minuscule script, does it not?" (Jacob Van Bruggen, The Ancient Text of the New Testament, p. 26).

It is important to understand that that the manuscript record was far more ancient and extensive in that day than in our day. So much of the record that was then extant was destroyed during the tumultuous, persecution-filled millennium that has passed since that day. Jack Moorman observes: "Does it not seem likely that scribes of the Ninth Century [only a few hundred years after the apostles] would be in a better position to decide on the 'oldest and best manuscripts' than textual critics of the Twentieth? Why during this changeover did they so decisively reject the text of Vaticanus and instead make copies of that text which now underlies the A.V.?" (Moorman, A Closer Look, p. 26).

The conversion process of the 9th and 10th centuries also teaches us that ancient uncials were once extant that contained the Traditional Text. "Even though one continues to maintain that the copyists at the time of the transliteration handed down the wrong text-type to the Middle Ages, one can still never prove this codicologically with the remark that the older majuscules have a different text. This would be circular reasoning. There certainly were majuscules just as venerable and ancient as the surviving Vaticanus or Sinaiticus, which, like a section of the Alexandrinus, presented a Byzantine text. But they have been renewed into minuscule script and their majuscule appearance has vanished" (Jacob Van Bruggen, The Ancient Text of the New Testament, p. 27).

3. Another high point in the preservation of the New Testament was THE BYZANTINE EMPIRE, which kept the Greek manuscripts through the Dark Ages from the 5th to the 15th centuries.

The Greek language began to die out as a living language in areas outside of Asia Minor and Greece in the late second century. "Aland argues that before 200 the tide had begun to turn against the use of Greek in the areas that spoke Latin, Syriac or Coptic, and fifty years later the changeover to the local languages was well advanced" (Pickering, The Identity of the New Testament Text, ch. 5).

During the Dark Ages, when Greek was not a common language outside of the Byzantine part of the world and Latin dominated scholarship, the Greek manuscripts were guarded by Orthodox scholars. They were subsequently transmitted to Europe in 1453 at the fall of Constantinople, at almost exactly the same time when Gutenberg printed the first Bible with movable type. Does anyone think this was a mere coincident?

4. Another high point in the preservation of the New Testament was IN THE MULTIPLICATION OF VERSIONS BY BIBLE BELIEVING CHRISTIANS DURING THE DARK AGES.

In spite of Rome's efforts to keep the Bible out of the hands of the common people and out of the vernacular languages, separatist saints persisted even unto death. A Bible believer, who lives by God's words (Mat. 4:4; Lk. 4:4), will go to any lengths to have the Holy Scriptures in his own language.

In this light and in light of Christ's commandment and promise in Matthew 28:19-20, an important (and largely neglected) field for research into the preserved New Testament text is the ancient versions used by the churches that were obeying the Great Commission.

The surviving record of these versions during the first millennium is scant in the extreme, but it becomes clearer as we progress through the second millennium of the church age.

Consider the Romaunt or Occitan New Testaments used by the Waldenses dating back to the 12th century. This was the language of the troubadours and men of letters in the Dark Ages. It was the predecessor of French and Italian. In contrast to the massive, ornate Catholic Bibles, the Romaunt Bibles were small and plain, designed for missionary work. "This version was widely spread in the south of France, and in the cities of Lombardy. It was in common use among the Waldenses of Piedmont, and it was no small part, doubtless, of the testimony borne to truth by these mountaineers to preserve and circulate it" (J. Wylie, History of Protestantism, vol. 1, chapter 7, "The Waldenses"). I have had the rare privilege of walking in the valleys in northern Italy where the Waldenses were based and of examining the beautiful little copy of the Romaunt New Testament located at the Cambridge University Library.

There were pre-Reformation versions in old French and old German dating to the 13th century and in Spanish, Bohemian (Czech), and English dating to the 14th.

Consider the Tepl, which is an old German translation used by the Waldenses from the 14th through the 15 centuries. Comba, who wrote a history of the Waldenses, said the Tepl was a Waldensian version (Comba, Waldenses of Italy, pp. 190-192). Comba sites two authorities, Ludwig Keller and Hermann Haupt, for this information. Comba also states that the Tepl was based on old Latin manuscripts rather than the Jerome vulgate. The Tepl's size identifies it with the small Bibles carried by the Waldensian evangelists on their dangerous journeys across Europe.

The first English New Testament was completed by John Wycliffe and his co-laborers in 1380 and used extensively by the persecuted Lollards throughout the 15th century.

These ancient Bibles used by persecuted saints in the process of fulfilling the Great Commission were the predecessors of the Reformation Bibles that went to the ends of the earth from the 16th to the 19th centuries and textually they were very similar, with only minor differences. They did not represent the Alexandrian text preferred by modern textual critics (which explains why they have been largely ignored by textual scholars in the last 150 years).

5. The final highlight in the preservation of the New Testament was THE 16TH CENTURY REFORMATION DURING WHICH THE GREEK NEW TESTAMENT WAS CONVERTED FROM MANUSCRIPT TO PRINT.

Prior to this, the New Testament had been handed down from generation to generation by the laborious and difficult process of hand writing. The printing locked the text into a standardized form and left less room for the introduction of mistakes. We believe it was the final process in preservation.

We agree with Edward F. Hills when he said: "A further step in the providential preservation of the New Testament was the printing of it in 1516 and the dissemination of it through the whole of Western Europe during the Protestant Reformation. ... In all essentials the New Testament text first printed by Erasmus and later by Stephanus (1550) and Elzevir (1633) is in full agreement with the Traditional Text providentially preserved in the vast majority of the Greek New Testament manuscripts. ... In it the few errors of any consequence occurring in the Traditional Greek Text were corrected by the providence of God operating through the usage of the Latin-speaking Church of Western Europe" (Hills, The King James Version Defended, pp. 106, 107).





David Cloud

 

OS PONTOS MAIS IMPORTANTES DA PRESERVAÇÃO BÍBLICA


David Cloud,
http://wayoflife.org


Deus não prometeu manter os escribas de cometer erros ao copiar a Bíblia ou para manter os hereges de tentar mexer com ele. O que Ele prometeu se manter a Bíblia pura para sempre (Salmo 12:6-7) e preservá-lo em seu uso comum entre o seu povo (os judeus no Antigo Testamento, Rom. 3:1-2, e as igrejas no 
Novo Mat. 28,19-20). "Mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que o evangelho é pregado a vós" (1 Pd. 1:25). "O céu ea terra passarão, mas as minhas palavras não passarão" (Mat. 24:35).

Claro que existem três tipos de escribas, fiel, descuidado, e herética, e Deus tem usado escribas fiéis para eliminar quaisquer erros que penetrou os manuscritos por meio dos menos fiéis.

Quando olhamos para a história, podemos ver que houve pontos altos para o processo de preservação bíblica. Isto era verdade tanto na época do Antigo Testamento e no Novo. Houve momentos de reavivamento espiritual na qual mais atenção foi dada às Escrituras e quaisquer erros que possam ter havido negligência no meio foram corrigidos.



 

Pontos altos da preservação para o Antigo Testamento


Era para os judeus que Deus atribuiu a tarefa de preservar o Antigo Testamento hebraico (Rm 3:1-2). Em Romanos 3, Paulo descreve o Antigo Testamento como o próprio "oráculos de Deus", e estes oráculos estavam comprometidos com os judeus. Mesmo que nem sempre obedecer as Escrituras, que os mantinha em reverência e acreditavam que cada jota e til era a Palavra inspirada de Deus.

Em particular, eram os sacerdotes judeus que foram responsáveis para cuidar das Escrituras (Dt 31:24-26; 17:18).

Embora houvesse períodos de apostasia espiritual no qual a Palavra de Deus era praticamente desconhecida entre os judeus (2 Cr. 15:3), Deus preservou a Sua Palavra, apesar do fracasso do homem. A Palavra de Deus nunca foi permanentemente perdida (2 Reis 22:8).

Houve pontos altos para o processo de preservação durante aquela época, os tempos de reavivamento espiritual, em que mais atenção foi dada às Escrituras e quaisquer erros que possam ter havido negligência no meio foram corrigidos.

1. Um dos pontos altos da transmissão do texto do Antigo Testamento foi o reavivamento durante os dias do rei Ezequias. Foi neste momento, por exemplo, que os homens copiado provérbios de Salomão (Provérbios 25:1).

2. Houve outros reavivamentos durante os dias de Josafá e Josias e, sem dúvida, estes também foram tempos em que as Escrituras receberam especial atenção eo processo de canonização e preservação continuada.

3. Após o cativeiro babilônico houve um reavivamento dentro do sacerdócio judeu (Esdras 7:10) e as Escrituras do Antigo Testamento, continuou a ser preservada. "Por Esdras e seus sucessores, sob a orientação do Espírito Santo, todos os livros do Antigo Testamento foram reunidos em um cânon do Antigo Testamento, e seus textos foram purgados de erros e preservado até os dias do ministério terreno do nosso Senhor. Por que o tempo o texto do Antigo Testamento era tão firmemente estabelecido que mesmo a rejeição dos judeus de Cristo não poderia perturbá-lo "(Edward Hills, A Bíblia King James Defendida, 4 ª edição, p. 93).

4. Um grande ponto alto na preservação do Antigo Testamento foi o ministério terreno de Jesus Cristo. Ele exaltou o texto hebraico do Antigo Testamento, e garantiu sua preservação até os jotas muito e títulos (Mat. 04:04; 5:18). O fato de que Cristo falou de jotas e tis nos ensina que Ele usou e exaltou o texto hebraico e não qualquer alegada tradução grega do mesmo. Cristo também se referiu ao Antigo Testamento, por sua divisão hebraica e não pela divisão grega (Lc 24:44). A divisão hebraica era a Lei, os Profetas e nos Salmos, enquanto a divisão grega foi a mesma que está em Inglês, a Lei, os Salmos e os Profetas. Além disso, quando o Senhor Jesus Cristo se refere ao primeiro e últimos profetas que foram martirizados no Velho Testamento, Ele se referiu a eles pela ordem do texto hebraico e não por ordem da Septuaginta grega (Mt 23:35). O hebraico do Antigo Testamento começa com Gênesis e termina com 2 Crônicas, enquanto a Septuaginta grega termina com o profeta Malaquias seguido pelos livros apócrifos.

5. A partir do século sexto foi o Massoretas que zelosamente guardado o texto hebraico e passou de geração a geração de cerca de 500 a 1000 dC Os massoretas eram famílias de estudiosos hebreus que tinham centros de Tibério, Palestina e Babilônia. O tradicional texto hebraico Massorético recebe o seu nome a partir desses estudiosos. Os massoretas exercido um grande cuidado na transcrição do Velho Testamento. A seguir estão algumas de suas regras severas (de Herbert Miller, bíblica Introdução Geral, 1937):

a. Nenhuma palavra ou letra podem ser escritas da memória: o escriba deve ter uma cópia autêntica diante dele, e ele deve ler e pronunciar em voz alta cada palavra antes de escrevê-lo.

b. regras estritas foram dadas sobre as formas das letras, espaços entre as letras, palavras e seções, o uso da caneta, a cor do pergaminho, etc

c. A revisão de um rolo deve ser feita no prazo de 30 dias após o trabalho foi concluído, caso contrário ele não valia nada. Um erro em uma folha condenado a folha, se três erros foram encontrados em qualquer página, todo o manuscrito era condenado.

d. Cada palavra e cada letra era contada, e se uma letra fosse omitida, uma letra extra inserida, ou se uma carta tocada por outro, o manuscrito foi condenado e destruído de uma vez.

Assim, Deus manteve a Old Testament puro por Seus meios designados, os judeus e especialmente pelos sacerdotes judeus.


 

Pontos altos da preservação para o Novo Testamento


Há também foram pontos altos durante o qual o processo de preservação do Novo Testamento, foi dado um novo impulso.

1. O primeiro ponto alto na preservação do Novo Testamento ocorreu no 4 º e 5 SÉCULOS, na sequência dos ataques heréticos e perseguições ferozes dos tempos pós-apostólicos, quando o texto Alexandrino foi rejeitada com finalidade em favor do texto tradicional.

Nos primeiros dois séculos após os apóstolos, as Escrituras sofreu muito nas mãos do hereges, bem como nas mãos dos perseguidores romanos. Quanto aos hereges, estudioso textual do século 19 Frederick Scrivener testificou: "Não é menos verdade que a realidade paradoxal no som, que piores corrupções TO que o Novo Testamento já foi submetido, originado dentro APÓS A Cem Anos foi composta. .. os Padres e Africano Ocidental inteira, com uma parte da Igreja Síria, usaram manuscritos muito inferiores às utilizadas por Stunica ou Erasmo, ou Stephen, treze séculos depois, quando moldar o Textus Receptus "(Scrivener, Uma Introdução Plain à crítica do Novo Testamento, II, 4 ª edição, 1894, pp. 264, 265).

No período dos séculos 4 e 5 na sequência dos ataques heréticos e as perseguições duas coisas importantes aconteceram no qual podemos ver o Espírito de Cristo eo espírito do anticristo trabalhando lado a lado. Em primeiro lugar, a Igreja Católica estava se formando. Foi dado um grande impulso quando Constantino criou (para todos os efeitos) uma igreja estatal, no século 4 e interveio nos assuntos da igreja, exaltando e enriquecendo alguns bispos "e perseguindo igrejas que não iria apresentar. Por outro lado, as perseguições pelos imperadores romanos tendo cessado, as igrejas novamente tiveram liberdade para pregar e realizar a obra missionária, e eles fizeram isso com grande entusiasmo.

Considere esta declaração, Kurt e Barbara Aland: "Inúmeros manuscritos foram destruídos durante as perseguições e teve de ser substituído. O resultado foi uma ampla escassez de manuscritos do Novo Testamento que se tornou ainda mais aguda quando cessou a perseguição. Para quando poderá voltar a exercer o cristianismo livremente na atividade missionária, houve um enorme crescimento no tamanho das igrejas existentes eo número de novas igrejas. Há também seguiu uma demanda repentina para um grande número de manuscritos do Novo Testamento em todas as províncias do Império "(Aland, O Texto o Novo Testamento, p. 65).

Embora a maioria dos registros desse trabalho de fé tenha perecido, sabemos que as traduções foram feitas nesses dias pelos missionários e foram amplamente utilizados. A versão gótica, por exemplo, foi feita por Ulfilas, que até criou o primeiro alfabeto gótico para este nobre projeto. Tanto o Antigo eo Novo Testamentos foram traduzidos para o gótico no século IV.Bruce Metzger diz esta versão "deve ter sido a Bíblia vernacular de grande parte da Europa" no quarto dos séculos 5 (Metzger, O Texto do Novo Testamento, p. 377). Infelizmente, apenas alguns fragmentos permanecem desta Bíblia antiga missionário e mesmo esses fragmentos são amplamente palimpsestos, significando que o gótico original foi raspado e sobrescrito com algo mais.

O que sabemos é que durante este período de grande atividade missionária o texto Alexandrino foi rejeitado com grande carácter e enterrado nas areias do Egito, por assim dizer, eo texto tradicional foi multiplicado. Este é um grande ponto alto na preservação das Escrituras. (Não estou dizendo que o texto Alexandrino foi sempre espalhados por uma vasta região, ou que ele realmente estava cabeça a cabeça com o Texto Tradicional em todo o mundo bíblico. O texto Alexandrino foi sempre mais de um texto local).

Wilbur Pickering, observa: "... se, conforme relatado, a campanha de Diocleciano foi a mais feroz e eficaz no domínio bizantino, a vantagem numérica do 'tipo de texto bizantino-ocidentais sobre o" e "Alexandrina" teria sido reduzido , dando a chance de um último andar para a frente. mas aconteceu NÃO. A igreja, em geral, recusou-se a propagar essas formas do texto grego "(A Identidade do Texto do Novo Testamento, cap. 5).

Mesmo os críticos textuais modernos admitem que o tipo de texto Vaticano deixou de ser usado, na tentativa de conta para isso com sua teoria recensão falso. Considere os manuscritos unciais sobreviventes. Dos cerca de 260 unciais existentes, a maioria deles são de 5 a 9 séculos, e para a maior parte destes "realmente preservam pouco mais do que um texto puramente ou predominantemente Maioria Bizantina" (Aland, O Texto do Novo Testamento, p . 103). É apenas um punhado de unciais anteriores a esse momento que tem um texto alexandrino.

Os críticos modernos textual ver este punhado de unciais alexandrinos (junto com os seus homólogos poucos nos papiros egípcios) que o texto faz fé apostólica. Vemo-los como exemplos de um texto aberrante que floresceu brevemente naquele antro de heresia, Egito.Deus permitiu que os hereges mexer com os manuscritos durante os dias pós-apostólicos, mas Ele não permitiu que o texto "assim criada a prosperar, o Espírito de Deus guiando o Seu povo a rejeitar a falsa e manter a verdade.

"Assim, durante os séculos 4 e 5 entre os cristãos de língua siríaca do Oriente, os cristãos de língua grega do Império Bizantino, e os cristãos de língua latina do Ocidente a mesma tendência foi no trabalho, ou seja, um Deus-guiado tendência de distância a partir dos textos falsos ocidentais e alexandrinos e para o verdadeiro texto Tradicional "(Edward F. Hills, A Versão King James Defendida, 4 ª edição, p. 188).



2. Outro ponto alto na preservação das Escrituras do Novo Testamento ocorreu no dia 9 e 10 séculos, quando os unciais antigos foram convertidos para MANUSCRITOS cursiva. O texto que foi convertido foi o texto tradicional.

É razoável supor que o processo de conversão necessária uma análise crítica dos unciais usados como exemplares para o cursives novo e que apenas aqueles unciais considerados os mais autênticos seriam usados, talvez não em todos os casos, mas de um modo geral em todo o espectro da todo o processo. Certamente os envolvidos neste importante processo sabiam que os tempos tinham mudado e que os unciais não seriam mais utilizados, que o processo de conversão não seria revertido, assim como aqueles que viveram nos séculos 15 e 16 sabiam que a conversão do manuscrito para impressão era permanente. Jakob van Bruggen fez a seguinte observação valiosa sobre esta época: "No codicologia o grande valor do processo de transliteração no século nono e, posteriormente, é reconhecido. Naquela época os manuscritos mais importantes do Novo Testamento escrito no script maiúsculas foram cuidadosamente transcritos em script minúsculo. ... A importação desse dado não foi tido em conta bastante na crítica textual do Novo Testamento presentes. Para isso implica que, assim como o mais velho, melhor e manuscritos mais habitual nos vem o novo uniforme do minúsculo script, não é mesmo? " (Van Bruggen Jacob, o antigo texto do Novo Testamento, p. 26).

É importante compreender que o que o registro manuscrito era muito mais antiga e extensa, em que dia do que em nossos dias. Tanto do registro que foi então existente foi destruído durante o milênio, tumultuada perseguição cheia que se passou desde aquele dia. Jack Moorman observa: "Não parece provável que os escribas do século IX [apenas algumas centenas de anos após os apóstolos] estariam em melhor posição de decidir sobre a" antiga e melhores manuscritos "do que a crítica textual do XX? Por durante esta transição eles tão decisivamente rejeitar o texto do Vaticanus e ao invés disso fazer cópias do texto, que agora está subjacente a AV? (Moorman, Um olhar mais atento, p. 26).

O processo de conversão dos séculos 9 e 10 também nos ensina que antigos unciais foram, uma vez existentes que continha o Texto Tradicional. "Mesmo que um continua a defender que os copistas no momento da transliteração proferido o errado tipo de texto para a Idade Média, nunca se pode ainda provar isso codicologically com a observação de que o majuscules mais velhos têm um texto diferente. Isto seria raciocínio circular. Certamente havia majuscules tão venerável e antigo como o sobrevivente Vaticanus e Sinaiticus, que, como uma seção do Alexandrino, apresentavam um texto Bizantino. Mas eles foram renovados em escrita minúscula e sua aparência maiúscula desapareceu "(Jacob Van Bruggen, o antigo texto do Novo Testamento, p. 27).

3. Outro ponto alto na preservação do Novo Testamento foi O Império Bizantino, que manteve os manuscritos gregos até a Idade das Trevas a partir do quinto para o século 15.

A língua grega começou a morrer como uma língua viva em áreas fora da Ásia Menor e na Grécia no final do século segundo. "Aland argumenta que, antes de 200 a maré começou a virar-se contra o uso de grego nas áreas que falavam latim, siríaco e copta, e cinqüenta anos depois, a passagem para as línguas locais estava bem avançada" (Pickering, The Identity of the New Texto Testamento, cap. 5).

Durante a Idade das Trevas, quando o grego não era uma língua comum fora da parte bizantina do mundo e bolsa dominavam o latim, os manuscritos gregos eram guardados pelos estudiosos ortodoxos. Eles foram posteriormente transmitidos à Europa em 1453 com a queda de Constantinopla, em quase exatamente o mesmo tempo quando Gutenberg imprimiu a primeira Bíblia com tipos móveis. Alguém acredita que esta foi uma mera coincidência?

4. Outro ponto alto na preservação do Novo Testamento foi na multiplicação de versões por BÍBLIA fiéis cristãos AGES durante a escuridão.

Apesar dos esforços de Roma para manter a Bíblia das mãos das pessoas comuns e fora das línguas vernáculas, santos separatistas persistiram até a morte. Um crente na Bíblia, que vive pelas palavras de Deus (Mat. 04:04; Lc. 4:4), vai a todos os comprimentos de ter as Sagradas Escrituras em sua própria língua.

A esta luz e à luz do mandamento de Cristo ea promessa em Mateus 28:19-20, um importante (e muito negligenciado) campo de pesquisa no texto do Novo Testamento é preservado as versões antigas usadas pelas igrejas que obedeciam à Grande Comissão.

O recorde de sobrevivência dessas versões durante o primeiro milênio é escassa no extremo, mas torna-se mais clara à medida que progredimos através do segundo milênio da era da igreja.

Considere o Romaunt ou occitano Novo Testamento usado pelos valdenses que remonta ao século 12. Esta era a língua dos trovadores e homens de letras na Idade das Trevas. Foi o antecessor do francês e italiano. Em contraste com a massa, ornate Bíblias católicas, as Bíblias Romaunt eram pequenos e simples, concebidos para o trabalho missionário. "Esta versão foi amplamente difundida no sul da França, e nas cidades da Lombardia. Ele estava em uso comum entre os valdenses do Piemonte, e não foi pequena parte, sem dúvida, do testemunho dado a verdade por esses alpinistas para preservar e difundi-las "(J. Wylie, História do Protestantismo, vol. 1, capítulo 7," Os valdenses "). Eu tive o raro privilégio de andar nos vales do norte da Itália onde os valdenses foram baseados e de examinar a cópia pequena bonita do Novo Testamento Romaunt localizado na Cambridge University Library.

Havia versões pré-Reforma em namoro antigo alemão, francês e antigo para o século 13 e em espanhol, boêmio (tcheco), Inglês e namoro a 14.

Considere o Tepl, que é uma antiga tradução alemã utilizada pelo Waldenses dos 14 através de 15 séculos. Comba, que escreveu a história dos valdenses, disse o Tepl era uma versão Waldensian (Comba, valdenses da Itália, pp. 190-192). sites Comba duas autoridades, Ludwig Keller e Hermann Haupt, por esta informação. Comba também afirma que a Tepl foi baseado em antigos manuscritos do latim em vez da Vulgata de Jerônimo. O tamanho da Tepl identifica-lo com as Bíblias pequenas realizados pelos evangelistas Waldensian em suas viagens perigosas em toda a Europa.

O primeiro Inglês do Novo Testamento foi completado por John Wycliffe e seus co-trabalhadores em 1380 e amplamente utilizado pelos Lollards perseguidos ao longo do século 15.

Essas Bíblias antigas usadas pelos santos perseguidos no processo de cumprimento da Grande Comissão foram os antecessores das Bíblias da Reforma, que foi para os confins da Terra a partir do dia 16 ao século 19 e textualmente que foram muito semelhantes, apenas com pequenas diferenças. Eles não representam o texto Alexandrino preferido pelos críticos textuais modernos (o que explica que tenham sido ignorados pelos estudiosos textuais nos últimos 150 anos).

5. O destaque final para a preservação do Novo Testamento foi A REFORMA EM QUE século 16 o Novo Testamento grego foi convertido do MANUSCRITO PARA IMPRESSÃO.

Antes disso, o Novo Testamento foi transmitida de geração em geração pelo processo trabalhoso e difícil de escrever a mão. A impressão bloqueado o texto em um formulário padronizado e deixou menos espaço para a introdução de erros. Acreditamos que foi o processo final de preservação.

Concordamos com Edward F. Hills quando diz: "Um passo na preservação providencial do Novo Testamento foi a impressão de que em 1516 ea divulgação do mesmo através de toda a Europa ocidental durante a Reforma Protestante. ... Em todos os elementos essenciais do texto do Novo Testamento impresso pela primeira vez por Erasmus e mais tarde por Stephanus (1550) e Elzevir (1633) está em pleno acordo com o Texto Tradicional providencialmente preservado na vasta maioria dos manuscritos gregos do Novo Testamento. ... Em que os poucos erros de qualquer conseqüência que ocorrem no Texto Tradicional Grego foram corrigidos pela providência de Deus operando através do uso da Igreja de língua latina da Europa Ocidental "(Hills, A Versão King James Defendida, pp. 106, 107).




David Cloud


 




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-PreservacaoTT/