Sempre Houve Fieis Em Todos Os Séculos? Não Te Submetes À História E Ciência? Errou Erasmo Em Ceder A Pressões E Incluir O Parêntese Joanino, 1Jo 5:7?





PERGUNTA:
Não foi um erro Erasmo ter cedido a pressões e, a contragosto, ter incluído no TR o que não tem maioria em grego, 1Jo 5:7?
Ass. Evangélico Moderno.


RESPOSTA DE HÉLIO:
Antes de tudo, até mesmo os mais eruditos e honestos inimigos do Parêntese e de Erasmo admitem que tudo isto é um M-I-T-O, uma M-E-N-T-I-R-A tão divulgada que ninguém sabe que começou como uma mentira, é nada mais que uma completa mentira. Leia um resumo disso em http://www.studytoanswer.net/bibleversions/1john5n7.html#erasmus. Se tiver tempo, leia todas as referências. Segue-se uma má tradução de Google, de uns poucos parágrafos:

E sobre Promessa de Erasmus '?

Não é incomum encontrar adversários do parêntese joanino que o faça de forma acrítica bandy sobre a alegação de que Erasmus, a 16 estudioso textual do século cujo Novo Testamento grego edições foram incluídas entre as fontes do Texto Recebido e, portanto, o Rei James, acrescentou o Vírgula para sua terceira edição de 1522 com base na crítica de certos colegas. Diz-se que ele foi criticado por omitir a vírgula de suas duas primeiras edições, e respondeu a acusações de heresia, afirmando que ele iria incluir a vírgula se mesmo um manuscrito grego poderia ser encontrado que continha o verso. Então, de acordo com a lenda, os poderes que despachou uma cópia do Novo Testamento grego, completo com vírgula, e trouxe-a Erasmo com a tinta ainda molhada e pingando. Assim, ele incluiu a vírgula nesta "evidência".

No entanto populares esta história para dormir pode estar com os opositores do Texto Recebido, tem pouco apoio no fato. A história tem sido firmemente indeferido por dois dos principais estudiosos Erastian do mundo. Dr. HJ de Jong, decano de Teologia na Universidade de Leiden, tem a dizer,

    "Ele não tem fundamento na obra de Erasmo. Por isso, é altamente improvável que ele incluiu a passagem difícil porque ele se considerava obrigado por tal promessa." 19

Dr. Roland Bainton, da Universidade de Yale, também demonstrou que Erasmus não incluiu a vírgula, porque de tal promessa, mas ao invés disso ele concluiu que "... o verso estava na Vulgata e deve, portanto, ter sido no texto grego usado por Jerome. "20 Como se vê, Erasmo foi quase certamente correta nessa crença, como será mostrado abaixo. Além disso, esta história é ainda admitida como apócrifo pelo porta-estandarte da crítica textual contemporânea, Bruce Metzger.21

Uma peça de desinformação que tem servido para reforçar a crença de que Erasmus contou com pouco ou nenhum apoio manuscrito grego é a contínua má representação da testemunha grega que o próprio Erasmo disse que ele usou. Os estudiosos modernos afirmam que Erasmo incluiu a vírgula na base do Codex Montfortianus, disse ser o códice grego preparado às pressas que foi produzido para dar-lhe o pretexto para incluindo o verso. Erasmus afirma que ele incluiu a vírgula em sua terceira edição com base no testemunho do Codex Britannicus, um códice grego separado. Estudiosos tentará igualar Britannicus com Montfortianus, mas isso não é legítimo, como a prestação de I João 5: 7-8 na edição de Erasmo é diferente do que a encontrada em Montfortianus.22 Além disso, a própria Montfortanius não é susceptível de ser o suposto campainha que o mito Promise Erasmus »sugere, como é datado pelos estudiosos como Adam Clarke para o meio da 13ª century.23

Desiderius Erasmus (1466-1536), um homem sobre quem Texters críticos adoram contar histórias fabulosas.

Em última análise, o próprio Erasmus tinha acesso a pelo menos cinco manuscritos gregos sobre a qual ele baseou suas edições posteriores do Novo Testamento grego, um deles remonta ao dia 11 century.24 Seu sucessor neste trabalho, Robert Estienne (aka Stephanus), em última análise teve acesso a 19 manuscritos gregos com que editar seus volumes, ea edição de 1550 tornou-se a principal fonte de tradução King James Novo Testamento. Theodore Beza adicionado ainda mais manuscritos antigos aos utilizados por Stephens, e preparou cinco edições com base nestes agrupamentos adicionados. Finalmente, o Elzevir em 1624 produziu um códice grego que eles chamaram o Textus Receptus e que, apesar de sua mais extensa edição e uso de mais manuscritos antigos do que Stephens teve acesso, foi quase completamente o mesmo que o texto de Stephens, diferindo apenas na algumas grafias, ordem das palavras, acentos, e outras pequenas alterações.



Agora, começo minha resposta propriamente dita.

Sempre houve crentes fiéis a Cristo e Sua Palavra, através de todos os séculos, ininterruptamente. A única prova que eu preciso disso (e que lhe devia satisfazer de vez, também) é Mateus 16:18:
Mt 16:18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;

Você me pede provas, irrefutáveis provas, provas históricas (a. de que sempre houve crentes fiéis fora dos catolicismos, e de que b. Erasmo não incluiu o Parêntese a contragosto), provas encontradas em mosteiros e museus e livros de muitos séculos atrás, provas que sejam aceitáveis por você?

- Minha primeira resposta é que dou valor 0 (zero, nihil, nada, nadinha) a tudo, tudo que vem de condenados ao inferno, como os da grande prostituta, e da pseudociência atéia, etc, e que se choquem de frente contra algum claro verso da Bíblia. Ainda que fosse descoberta pelos Críticos Textuais uma enorme biblioteca enterrada, ou uma enorme caverna, com 66 manuscritos que a pseudociência "provasse" que eram os escritos originais desde Gênesis (escrito pela mão de Moisés) até Apocalipse (escrito pela mão de João), eu não teria o menor interesse em gastar mesmo alguns minutos os examinando: se concordassem letra a letra com meu T.Massorético e meu T.Receptus fielmente traduzidos para Inglês e Português, eu estaria perdendo tempo, não precisaria da descoberta; se discordassem em alguma letra do meu T.Massorético e meu T.Receptus fielmente traduzidos para Inglês e Português (se, por exemplo, "revelassem" que há outros caminhos para Deus, que a salvação não é apenas pela graça através da fé, que Cristo não é o Deus eterno e não voltará corporalmente para reinar, etc.), então a "descoberta" seria falsa e eu estaria perdendo preciosos minutos se a lesse. Se me dessem os manuscritos, eu bocejaria de tédio e os venderia para serem triturados e reciclados como papel de embrulho.Qualquer variante que não foi usada nas Bíblia impressas e usadas pelos batistas e reformados dos séculos 16, 17, 18, 19, não pode ser a palavra que Deus prometeu preservar de forma perfeita (portanto, em uso contínuo aqui na terra, nas mãos físicas dos fiéis), e não me despertam absolutamente nenhum interesse nem aceitação.
Gl 1:8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que [] vos tenho anunciado, seja anátema..

- Minha segunda resposta é que os crentes fiéis dos séculos IV a XVI foram ferozmente caçados, perseguidos e mortos pelos seus cruéis e poderosos inimigos, os católicos (romanos e ortodoxos, isto é, do ocidente e do oriente), portanto é impossível não se discernir que não tinham muito dinheiro nem liberdade nem possibilidade de escrever MUITOS livros e deixar MUITAS outras marcas na História OFICIAL, pois quase sempre os católicos os exterminavam até ao último, queimavam todos seus rastros, proibiam que se falasse ou escrevesse que eles jamais existiram. Ou, se isso não mais fosse possível, só permitiam se escrever distorções e mentiras sobre eles. Portanto, fico com Mt 16:18 e creio que sempre houve crentes fiéis, fora do catolicismo. Mt 16:18 me basta, sem provas históricas.
Hb 11:1 ORA, a fé é o firme fundamento das [coisas] que se esperam, [e a] prova das coisas que se não vêem.

- Minha terceira resposta é que não adiantaria eu me esforçar para lhe dar 10 provas ou evidências históricas, pois, uma vez que você rejeita ou acha insuficiente Mt 16:18, facilmente encontrará 100 estórias contrárias, da carochinha (os exterminadores católicos), e preferirá acreditar neles que neste verso, preferirá as 100 mentiras da grande prostituta do Apocalipse, às 10 verdades dos fiéis que por ela foram martirizados.
2Ts 2:11 E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;

Isto posto, voltemos à questão do Parêntese Joanino:
a) Quanto a manuscritos da Bíblia em Grego, escritos antes de Erasmo, o Parêntese Joanino tem o testemunho de 19 deles, você pode confirmar isto em fontes tais como as citadas em http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-PreservacaoTT/1Jo5.7RespostaResumoAPergunta-Helio.htm .
b) Quanto a manuscritos da Bíblia em Latim, escritos antes de Erasmo, o Parêntese Joanino tem o testemunho de praticamente todos os manuscritos da Velha Latina (escrita pela primeira vez no ano 157 dC, e copiada e usada pelos fiéis e confiáveis Valdenses e outros crentes fiéis que nunca se curvaram ao catolicismo) e o testemunho de praticamente todos os milhares de manuscritos da latina posterior (a Vulgata de Jerônimo), mesmo que fossem dos não confiáveis nossos inimigos, os romanistas.
c) Quanto aos chamados "Pais da Igreja [Católica]", dos séculos II a VII, o Parêntese Joanino tem o testemunho de pelo menos 17 deles, mesmo que sejam dos não confiáveis nossos inimigos.

Cheguemo-nos, agora, aos dias de Erasmo: todos os fiéis (perseguidos e escondidos) aceitavam o Parêntese Joanino, e todos os nossos inimigos romanistas também o aceitavam, portanto todos os europeus o aceitavam. Somente a maioria dos heréticos católicos orientais (gregos ortodoxos) tinham dúvidas sobre ele.

Erasmo sempre aceitou o Parêntese Joanino. Mas Erasmo estava compilando o Novo Testamento em GREGO (NT que depois seria chamado de Textus Receptus e seria a única base de todas as traduções de Bíblias de todos os batistas e reformados, em todas as línguas de todas as nações, sem sequer um rival durante quase 4 séculos). E Erasmo não tinha em sua casa todos os quase 6000 manuscritos do Novo Testamento grego, só tinha acesso a algumas dezenas deles, e, neles, não havia a Cláusula Joanina. Portanto, Erasmo, por mais que ele cresse que as palavras existiram no original assoprado por Deus o Espírito Santo para dentro da mente de João, que teve suas mãos divinamente guiadas para escreverem as palavras sem erro de nenhum risco; por mais que Erasmo ardentemente desejasse incluir as palavras, não podia escrevê-las em GREGO até que as tivesse diante de seus olhos as palavras em grego (do mesmo modo que eu olho a tradução para o Português "ele era um grande homem" mas não sei se vieram do Inglês "He was a big man" ou do Inglês "a great man was he" até que eu veja as palavras do documento inglês traduzido). Foi somente por isso que Erasmo não escreveu o Parêntese Joanino nas edições 1 e 2 do seu TR, mas somente na 3a., depois que confirmou com seus olhos as palavras gregas do Parêntese.



Ass.) Hélio.




Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Bibliologia-PreservacaoTT/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )