Anciãos presbíteros presbuteros da assembleia local são seus pastores e diáconos, oficiais dos seus dois ofícios. Bispo é presbítero supervisor - pastor. Diácono é presbítero servo serviçal ministro. Exame voto votação eleição eleito ordenado imposição de mãos.

10. OS ANCIÃOS (presbíteros)

 

a. Definição em sentido mais largo e genérico, de "varão maduro"

(sentido este determinado pelo contexto): Tal como (em gradação segundo a idade + força física + força mental e moral) havia "os filhinhos", "os mancebos" (rapazes), "os varões" (adultos ainda em ascensão ou em estabilidade de força e maturidade), assim também havia os "anciãos" ("presbuteros", em grego) (varões adultos em plena maturidade mental e moral, mas não mais em ascensão de força física, ou mesmo já em declínio).

Passando ao campo espiritual, o termo "ancião" (no seu sentido mais largo e genérico, de "varão maduro"), denota não um ofício, mas sim todos aqueles com maturidade espiritual, os espiritualmente maduros, espiritualmente anciãos cheios de sabedoria e experiência, verdadeiros exemplos a serem seguidos. 

   2Jo 1:1 O ANCIÃO {*} à senhora eleita, e a seus filhos, aos quais amo na verdade, e não somente eu, mas também todos os que têm conhecido a verdade, {* "ancião" apenas no sentido geral, que é físico e/ou espiritual, não no sentido de exercer um dos ofícios na assembleia (pastor ou diácono)}
   3Jo 1:1 O ANCIÃO {*} ao amado Gaio, a quem em verdade eu amo. {* idem}

Obviamente, todos os oficiais de um assembleia local (isto é, os seus pastores e diáconos) têm que ser de entre os seus anciãos espirituais. Ademais,

Só os anciãos espirituais é que devem exercer todas as funções de liderança e direção (inclusive como secretários, tesoureiros, líderes de departamentos [inclusive da "mocidade"!!!] [se é que tais departamentos existem, até hoje nós nunca conseguimos encontrá-los no NT], etc.).
   1Tm 5:22 A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.

Só os anciãos espirituais, anciãos espirituais que tenham certa aptidão para o ensino, é que devem ensinar e pregar, inclusive em todas as classes e departamentos (inclusive da "mocidade"!!!) [se é que tais departamentos existem, até hoje nós nunca conseguimos encontrá-los no NT].

b. Definição em sentido mais estreito e técnico, de "pastor ou diácono"

(sentido este determinado pelo contexto): os presbíteros de uma assembleia local são todos os seus membros, homens adultos, que por ela foram formalmente reconhecidos como tendo comprovada e grande maturidade, maturidade e sabedoria espirituais (não confundamos com mera idade! nem com longo tempo de salvação! nem com conhecimento e diplomas! nem com mero zelo e entusiasmo!), sendo verdadeiros exemplos a serem seguidos, e pela assembleia local tendo sido escolhidos e empossados para exercerem as funções (de pastor [principal ou auxiliar] ou de diácono) que lhes são especificadas no Novo Testamento.

Note que podem haver anciãos (no sentido mais largo e genérico) que não são, não estão servindo como oficiais da assembleia (quer por motivos de saúde, ou de morarem tão longe que não podiam comparecer tão freqüentemente, etc.).

Façamos uma convenção: neste livro eletrônico (e mesmo na tradução da Bíblia, quando for relevante) procuraremos restringir o termo "presbítero" para aqueles anciãos que desempenham as funções oficiais de pastor [principal ou auxiliar] ou de diácono, nas suas assembleias locais; e usaremos o termo "ancião" tanto para estes pastores e diáconos, como também para os anciãos espirituais fisicamente impedidos de exercer qualquer dos dois ofícios da assembleia local.

   At 14:23 " E, havendo-lhes, por comum consentimento, eleito {*} PRESBÍTEROS {**} em cada igreja, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.
{* "eleito" significa uma escolha (através do erguer de mãos) que deve ter sido guiada pelo Espírito Santo, não pela carne. Ver Capítulo 13. "Governo", seção c. "Elege"}
{** como pastores são mais essenciais para a organização das assembleias locais do que diáconos (que só vieram bem depois da organização inicial da assembleia de Jerusalém), estes "presbíteros", aqui, parecem ter sido os pastores escolhidos dentre os anciãos espirituais de cada assembleia local, para a pastorearem. Escolhidos por unanimidade de todos os membros da assembleia, e unanimidade entre eles e Paulo e Barnabé}.
   At 20:17-18   17 E de Mileto mandou a Éfeso, a chamar os PRESBÍTEROS {*} da igreja
{* Não podemos ter certeza se isto incluiu todos os presbíteros (os pastores e diáconos) ou, talvez, somente os pastores}.
   Tt 1:5-9   5 Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses PRESBÍTEROS {*}, como já te mandei: 6 Aquele que for ...
{* Idem a "**" em At 14:23}.
   1Pd 5:1-2   1 Aos PRESBÍTEROS {*}, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também PRESBÍTERO com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: 2 Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto
{* pastores, escolhidos de entre os demais anciãos da sua assembleia local}

c. Mesmo neste sentido técnico, presbítero não corresponde a um cargo-ofício

A prova disto é que presbíteros não são mencionados na lista de oficiais em Fp 1:1:
   Fp 1:1 "Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a todos os santos em Cristo Jesus, que estão em Filipos, com os [1] BISPOS e [2] DIÁCONOS:" Os tipos de oficiais da assembleia estão citados aqui, todos eles: 1. bispos (veremos que são o mesmo que pastores, supervisores) e 2. diáconos. Não há um terceiro ofício, o de presbítero.

d. Presbítero- pastor **E** presbítero- diácono devem ser:

Rigorosamente examinados (primeiro, informalmente observados muito tempo, anos ou muitos meses; depois, formalmente, digamos 1 hora para o presbítero- diácono, 3 horas para o presbítero- pastor?) (examinados somente quanto sólida doutrina **E** as características espirituais de 1Tm 3 e Tt 1! Diplomas e talentos humanos não garantem absolutamente nada! Nem sequer são mencionados no Novo Testamento!) [NOTA1]

eleitos

por votação (votação aberta, por erguer mãos, como em Atos 14:23 [seção b, acima]?
Ou votação secreta, em urna, como em Atos 1:26? Ver Capítulo 13. "Governo", seção c. "Elege"). Leitor: ROGAMOS QUE NOS ENVIE SUA ESPIRITUAL INSTRUÇÃO, BASEADA SÓ NO NT.
   At 1:26 E, lançaram as suas sortes {*}, e caiu a sorte {*} sobre Matias. E por voto comum foi contado com os onze apóstolos.
{* "Sorte" é um pedaço de madeira ou pedra ou cerâmica, usado para votar ou para escolher ao acaso. Neste verso, tivemos uma escolha por votação anônima! E unânime!}
   (Atos 6:3,5-6)   ESCOLHEI {*}, pois, IRMÃOS, dentre VÓS, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio. ... 5 E este parecer contentou a TODA a multidão, e ELEGERAM ... 6 E os apresentaram ante os apóstolos, e estes, orando, LHES IMPUSERAM AS MÃOS. 
{* "Escolhei" =  "episkeptomai" = "cuidadosa e diligentemente olhai, reparai, examinai, inspecionai para escolher, selecionai".}

votação unânime ou praticamente unânime
   Uma assembleia local que é dirigida pelo Espírito de Deus, o Qual é um só Espírito, necessariamente mostra união em tudo que a Bíblia diz, união em tudo, suas decisões são unânimes [bem, em assuntos em que a Bíblia não é totalmente explícita, talvez haja 2%, 3% dos votantes que não estão andando no mesmo passo da maioria].
   Se uma assembleia local estiver andando de forma ideal no Espírito Santo, então todas as suas decisões em assembleia (mesmo por votação secreta) devem ser por unanimidade: afinal de contas, é o mesmo Espírito Santo que está guiando a todos! Mas, por causa das nossas fraquezas, sempre haverá uma pequena percentagem de crentes ainda não suficientemente maduros ou que estão agindo não em completa sintonia com Deus mas sim com algum reflexo carnal. Então, na prática usual, ainda pode ser considerado "normal" se uma ou outra rara votação tenha, digamos, somente 95% dos votos pró uma posição, 2% pró alguma posição contrária, 3% de abstenção.
   Toda votação deve ser seguida de total amor e união. Mesmo aqueles eventuais 3%, 5% dos membros que raramente não votaram a favor da decisão tomada, devem passar a apoiá-la de todo coração, para que a assembleia seja um só coração pulsando por Deus. Se isto não for totalmente possível, pelo menos devem aceitá-la mansamente, sem murmurações, sem continuarem fazendo oposição.
   Seria bom que os Estatutos estabelecessem que só será considerado eleito, para qualquer cargo, quem obtiver pelo menos 75% dos votos dos membros votantes presentes. E que, se isso não for conseguido em primeiro escrutínio, a eleição daquele cargo deverá ser repetida logo após uma palavra de exortação e uma oração do presidente da assembleia. E, se mesmo neste 2º escrutínio, não for conseguida aquela percentagem, então a eleição deverá ser adiada por no mínimo 1 semana, talvez 1 mês, para que, com todos intensa e sinceramente buscando a orientação do Espírito Santo através da leitura da Bíblia, da oração, e do jejum em secreto, se possa chegar próximo do consenso. Se mesmo assim ainda perdurar esta divisão, então esta assembleia já não é uma assembleia, deve com humildade pedir a Deus e seriamente esforçar-se por ter uma radical mudança na vida da assembleia e na vida de cada um.
   Embora os Estatutos exijam somente 75%, é bonito quando o candidato, por livre e espontânea vontade, se impõe um percentual maior (um candidato a pastor auxiliar, que conhecemos no Canadá, se impôs 90%, só conseguiu cerca de 75% dos votos, 25% sendo-lhe contrários, e ele muito espiritualmente recusou o cargo e aconselhou a assembleia a orar e procurar outro candidato que fosse consensual ou quase assim).
   Mais bonito ainda é quando a assembleia sempre chega a percentuais de 100% ou de praticamente 100%, seja aceitando, seja recusando um nome, seja em todas as suas decisões.

com validade até a morte (ou, raramente, até desqualificação por desvio doutrinário, ou de moral e caráter)
Notemos que, nas páginas do Novo Testamento, nunca é encontrada a menor sombra de insinuação de que ancião foi indicado por Deus e reconhecido pela assembleia local para o ministério de presbítero- pastor ou de presbítero- diácono (ou qualquer outro ministério para Deus: de apóstolo, discípulo, profeta, sacerdote, rei, etc.) por período limitado, senão por toda a vida, e sem mudança de ministério. Em Atos 21:8, vinte anos depois de escolhido, Filipe ainda é "o evangelista, sendo de entre os sete" (os sete escolhidos em Atos 6). Que exemplo!

(Mas temos enorme, importantíssima dúvida: considerando as fraquezas do homem,
1. Se um pastor pender para mau, seria mais fácil a assembleia não reelegê-lo (se todo cargo durasse por um número predeterminado de anos e toda reeleição precisasse de uma certa percentagem de votos) do que convocar uma assembleia e exonerá-lo ou mesmo discipliná-lo, como devia.
2. Por outro lado, se uma assembleia pender para má, esta efemeridade do mandato do pastor poderia lhe vir a ser constante e amarga pedra de tropeço (nunca o foi numa assembleia de que fomos membro, no Canadá. mas sabemos de outras assembleias onde o foi).
Que fazer?
São apresentados muitos e fortes argumentos lógicos e da experiência, para que, mesmo o título de um oficial sendo por toda a vida (a não ser que a assembleia julgue que ele perdeu as qualificações de doutrina / moral / caráter), o exercício efetivo do ofício deva ser ratificado periodicamente (tipicamente 1 ou 2 anos para os diáconos, 2 ou 4 anos para os pastores auxiliares, raramente se estipulando para o pastor- supervisor). Mas nenhum desses argumentos vem de preceito ou exemplo claro ou sequer insinuação ou brecha no Novo Testamento. Por isso, mesmo aparentemente correndo maiores riscos práticos, preferimos não pisar fora das pisadas deixadas dentro do Novo Testamento, por melhor que as novas pisadas possam parecer. 
Talvez não haja nenhuma solução para o caso 1 senão os fiéis (depois de muitos meses ou anos de muita oração e lágrimas e jejuns, depois do dobro do tempo da situação ficar absolutamente insuportável) tomarem a iniciativa de mansamente saírem da assembleia?
Talvez não haja nenhuma solução para o caso 2 senão o pastor (novamente (depois de muitos meses ou anos de muita oração e lágrimas e jejuns, depois do dobro do tempo da situação ficar absolutamente insuportável) também tomar a iniciativa de mansamente sair da assembleia?
Que fazer? Leitor: ROGAMOS QUE NOS ENVIE SUA ESPIRITUAL INSTRUÇÃO, BASEADA SÓ NO NT.


ordenados (ou REordenados) com imposição de mãos.
(Orar pelos presbíteros- pastores ou pelos presbíteros- diáconos, e impor-lhe as mãos, não tem nenhum poder místico, apenas indica pleno aval, plena aprovação a ele e plena identificação com ele)
   1Tm 5:22 A ninguém imponhas precipitadamente {*} as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.
{* "impor precipitadamente as mãos" é impô-las sobre neófito, ou sobre mal examinado e mal "testado & comprovado")

tudo isto pela assembleia local (mesmo que assistida por presbíteros- pastores de outros assembleias locais, se e onde e quanto e enquanto o solicitarmos)
   At 14:23 " E, havendo-lhes, por COMUM consentimento, eleito presbíteros em CADA IGREJA, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido. 
(Não há, nas páginas do novo Testamento, precedente da aceitação da ordenação de um pastor ou diácono por outra assembleia local [ou, pior, por qualquer seminário/ missão/ denominação/ convenção/ associação/ etc.]. Ver Capítulo 9. "Organização [Interna] De Cada Assembleia Local", seção e. "Cartas de Recomendação").


A seguir, nos capítulos 11 e 12, respectivamente estudaremos o que as Escrituras nos ensinam sobre "10. Presbíteros-  Pastores, ou Bispos" e "11. Presbíteros- Serviçais, ou Diáconos".


[NOTA1]:
RE-EXAMES PERIÓDICOS DE PASTORES, PREGADORES, PROFESSORES: Poderia alguém ver algum mal e deixar de ver grande bem se cada assembleia RE-examinasse seus presbíteros - pastores, seus presbíteros - diáconos e todos os demais anciãos (particularmente os que pregam e ensinam) periodicamente, digamos, a cada 2 ou 4 anos?


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas. Para começar a ter uma idéia da gravidade de muitas das MILHARES de deturpações de todas as "Bíblias" alexandrinas (baseadas no Texto dos incessantes Críticos), em relação às Bíblias do TR, leia, por EXEMPLO, http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-Traducoes/AAlmeidaAtualizadaExposta-Helio.htm
http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-PreservacaoTT/ExpondoErrosNVI-Jun2000-Emidio.htm




(retorne a http://solascriptura-tt.org/EscatologiaEBatistas/00Helio-index.htm
retorne a http://solascriptura-tt.org/EscatologiaEBatistas/
retorne a http://solascriptura-tt.org/)