A ordenança memorial e simbólica, não sacramento, do batismo, batizar, baptisma, baptizô. Por submersão completa, não por imersão parcial, aspersão ou efusão. De adulto crente, não criancinha. Administrada pela inteira assembleia local e pré-requisito para membresia.

14. Ordenanças. A SUBMERSÃO Ou BATISMO

 

Artigos selecionados sobre Batismo (siga os links):

John MacArthur
Baptism: A Matter of Obedience by John MacArthur
A Scriptural Critique of Infant Baptism by John MacArthur

John Piper
Infant Baptism and the New Covenant Community by John Piper
How Do Circumcision and Baptism Correspond? by John Piper
John Piper Series on Christian Baptism By John Piper
The Baptism and Genealogy of Jesus by John Piper
Brothers, Magnify the Meaning of Baptism by John Piper
A Celebration of Baptism by John Piper
I Baptize You with Water by John Piper
Buried and Raised in Baptism through Faith by John Piper
What Baptism Portrays by John Piper
Strengthened to Suffer: Christ, Noah, and Baptism
by John Piper
United with Christ in Death and Life
by John Piper

 
John Gill
Baptism, A Divine Command to be Observed by John Gill
Baptism, A Public Ordinance of Divine Worship by John Gill
The Ancient Mode Of Baptizing, By Immersion, Plunging, Or Dipping Into Water; Maintained And Vindicated;  by John Gill
The Divine Right of Infant-Baptism, Examined and Disproved by by John Gill
The Argument from Apostolic Tradition, In Favor of Infant-Baptism, Considered by by John Gill
An Answer to a Welsh Clergyman's Twenty Arguments in Favor of Infant-Baptism by by John Gill
The Argument From Apostolic Tradition, In Favor of Infant-Baptism, Considered. by John Gill
Antipaedobaptism; or Infant-Baptism, an Innovation. by John Gill
Infant Baptism: A Part and Pillar of Popery by John Gill
A Reply to a Book, entitled, A Defense of the Divine Right of Infant-Baptism by John Gill
Some Strictures on a Late Treatise, called, a Fair and Rational Vindication of the Right of Infants to the Ordinance of Baptism by John Gill
Infant Baptism: Part and Pillar of Popery (John Gill)

 
Fred A. Malone
A String of Pearls Unstrung (Fred A. Malone) The author of this fine essay was once a Presbyterian. Although he still adheres to what is called Covenant Theology in Reformed circles, his arguments against infant baptism are some of the most cogent you will find on the internet. Almost incidentally, in answering peadobaptist arguments, he also shows the error of supposing that baptism is a prerequisite to justification and forgiveness of sins. A very worthwhile essay.
A String of Pearls Unstrung A Theological Journey into Believers' Baptism by Fred A. Malone
Infant Baptism and the Regulative Principle of Worship by Fred Malone

C.H.Spurgeon
Baptism—A Burial
by C.H. Spurgeon
Baptismal Regeneration (C.H. Spurgeon)

 
J.L.Dagg
Perpetuity of Baptism by J.L. Dagg
Baptism: Its Perpetuity, Meaning, Subjects, and Design (J.L. Dagg)
A very thorough treatise — a classic work!
 
Stan Reeves
A Reformed Baptist View of I Cor. 7:14 by Stan Reeves
FAQ on the Reformed Baptist View of Baptism by Stan Reeves
A Critique of Paedobaptist Interpretation of First Corinthians 7:14 (Stan Reeves)

 
Don Fortner
Baptism is For Believers Only (Don Fortner)
Why do We Practice Baptism by Immersion? (Don Fortner)
 
 
The Covenant of Circumcision: No Just Plea For Infant Baptism by W.T. Brantly
A Critical Evaluation of Paedobaptism By Greg Welty M.Div, Westminster Theological Seminary; B.A., UCLA
Baptism and Covenant Theology by Walter Chantry
Doing Baptism Baptist Style: Documents for Faith and Witness by William H. Brackney

Baptism by Rev. G.D.B. Pepper
Baptism a Symbol by George D. Boardman

The Abrahamic Covenant and Baptism by William Payne

The Evils of Infant Baptism by A.N. Arnold, D.D.
Troubling Waters of Baptism by Thomas Ascol
 
Contending For Truth In Love by Tom Ascol

Christian Baptism Prepared by Kirk Wellum, Pastor (book)
Baptism at Xenos Church (Gary DeLashmutt)
 
Baptism: A Confession of Faith (Michael Gowens)
 
Baptismal Regeneration and Bible Salvation (Dennis Costello)
 
What Saves? Baptism or Jesus Christ? (Buddy Bryant)
 
A Brief Rebuttal of Baptismal Regeneration (James White)
 
Infant Baptism: its History and its Harm (William Pettingill)
 
A Critical Evaluation of Paedobaptism (Greg Welty)
 
Baptismal Regeneration? (Dave Hunt)

 
 
An Examination of the Rationale Behind Paedobaptism
by Jay Wegter. An in-depth study of the practice of infant baptism among Reformed churches.
 
What is the Scriptural Mode of Baptism? (Anon.)
 
Baptism by Immersion (Elias E. Hidalgo) While I emphatically do not endorse Mosianic Christianity, or faith in the Lord that is even
 
In the Name of Jesus Only? (Dean Van Druff) An excellent essay discussing whether baptism in the name of the Father, Son, and Holy Spirit is required, or whether it is sufficient to baptize in the name of Jesus, and what it really means to baptize into the name.
 
One Baptism — One Immersion (Cecil Hook) An excellent response to trine immersionists by one who, apparently, is a sacramentalist.




 

 

Preliminar: SACRAMENTO? ou ORDENANÇA MEMORIAL?

A Bíblia ensina e nós, todos os crentes na Bíblia eterna, cremos em somente 2 ordenanças (diferentes de sacramentos): submersão e ceia do Senhor. Cremos que foram instituídas pelo Cristo, e o foram para seus filhos fiéis obedecerem quando juntamente reunidos em suas assembleias locais; e que, ao invés de conferirem (ou acrescentarem ou fortalecerem) graça, meramente relembram e simbolizam- exteriorizam a graça salvadora já recebida, são sinais externos da graça e da verdade que já foram derramadas por Deus no interior do salvo.

Vejamos melhor a diferença entre sacramento romanista e bíblica ordenança por Deus:


(0.a) SACRAMENTOS ROMANISTAS:

Segundo o Concílio de Trento (1551), "um sacramento é algo apresentado aos sentidos e que tem o poder, por divina instituição, não apenas de simbolizar graça, mas também de efetivamente transmiti-la."

Segundo o Catecismo dos romanistas, "um sacramento é um sinal visível ou ação, instituído pelo Cristo para conceder graça."

Todo este terrível ensino romanista é total e definitivamente aniquilado por Rm 3:24; Ef 2:8-9; Tt 3:5; etc.
   Sendo justificados GRATUITAMENTE pela sua GRAÇA, pela redenção que há em Cristo Jesus. (Rm 3:24)
   8 Porque pela GRAÇA sois salvos, por meio da FÉ; e isto não vem de vós, é DOM  de DEUS. 9 NÃO vem das obras, para que ninguém se glorie; (Ef 2:8-9)
   Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, (Tt 3:5)


O romanismo crê em 7 sacramentos, que misteriosa e miraculosamente conferem (ou acrescentam ainda mais) graça santificante:
1. BATISMO, essencial à inclusão na Igreja Universal e, assim, à salvação; "sem batismo, salvação é impossível";
2. EUCARISTIA da MISSA, onde só o sacerdote pode fazer a mágica de, na bolacha de trigo e no vinho embriagante, recriar o corpo literal e o sangue literal de Jesus, para novamente assassiná-lo, sacrificando-o. Só com a antibíblica confissão auricular ao sacerdote, só cumprindo a penitência por ele determinada, e só com a sua bênção, é que se pode canibalizar o corpo literal do Cristo (na hóstia) e vampirizar o seu sangue literal (no vinho). E, portanto, receber graça;
3. CRISMA- CONFIRMAÇÃO- RECEBIMENTO do Espírito Santo;
4. CASAMENTO (se não for na Igreja [a romanista, claro], é terrível fornicação, portanto garante o inferno eterno);
5. PENITÊNCIA;
6. EXTREMA-UNÇÃO;
7. ORDENAÇÃO DOS SACERDOTES.

Quanto à Reforma, agradecemos a Deus pelas boas coisas que ela ensejou:
- a possibilidade de pública pregação do verdadeiro evangelho da graça, levando à salvação de muitas almas;
- a luz das doutrinas- leite mais fundamentais expressas nos cinco Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fide, Soli Deo Gloria, Solo Christi (Somente as Escrituras, Somente a Graça, Somente a Fé, Só a Deus dai glória, Cristo somente);
- as fiéis traduções do Texto Tradicional (Massorético + Receptus) para muitos idiomas;
- a libertação do secular jugo de Roma;
- a liberdade religiosa e a separação assembleia- estado que terminaram advindo, mesmo que aos poucos; etc.
Mas todas as igrejas reformadas foram egressas de Roma. Por isso, em graus muitíssimo variados e mesmo que não tenham plena consciência disso, infelizmente herdaram algumas das influências, erros e práticas romanistas, fora das áreas básicas compostas pelos cinco "Sola".
Quanto à área das ordenanças, a maioria das igrejas reformadas adota apenas o batismo e a ceia. Mas, em algumas igrejas, essas ordenanças têm demasiadas sombras do romanismo, até mesmo um certo ranço de "sacramentos", que podem conferir (ou acrescentar e fortalecer) graça interna nos corações, pelo Espírito Santo.

(0.b) ORDENANÇAS- SIMBÓLICAS, BÍBLICAS, PARA A ASSEMBLEIA LOCAL:

Uma ordenança- simbólica, bíblica, a ser observada pela inteira assembleia local reunida, tem que ser:
1. Ordem direta do próprio Cristo, em pelo menos um dos quatro Evangelhos;
2. De natureza puramente simbólica ou memorial, sem conferir ou acrescentar ou fortalecer nenhuma medida de graça;
3. Diretamente relacionada a uma verdade do Evangelho, a uma verdade das boas novas sobre a salvação;
4. Intimamente ligada (como consequência e ilustração) à salvação (já ocorrida) do crente que está se submetendo à ordenança;
5. A ser observada pela inteira assembleia local, [NOTA1], jamais observada individualmente por cada crente em separado, nem a domicílio, nem nos aposentos dos hospitais, nem em subgrupos da assembleia, etc.;
6. Observada pelas primeiras assembleias: de Jerusalém, Antioquia, etc.

Assim, não são ordenanças- simbólicas:
1. Nenhum dos Sacramentos romanistas de crisma, casamento, penitência, extrema unção, ordenação de sacerdotes, etc.;

2. Apresentação e dedicação de crianças pelos pais, a Deus. Isto não satisfaz todos os 6 critérios, vistos no começo (de 0.b), para ser uma ordenança bíblica simbolizando um aspecto da salvação já ocorrida na vida dos participantes.
De Mt 1 a Ap 22, jamais foi ordenado, nem tolerado, nem mencionada a possibilidade, nem exemplificado algo pelo menos remotamente parecido como as atuais cerimônias de apresentação e dedicação de bebês e criancinhas pelos pais, a Deus, em festivo culto público da assembleia local, seja nas suas instalações, seja na casa dos pais, ou em qualquer local. Devemos ferrenhamente evitar todas estas coisas: são meras heranças de tradições humanas, a judaizante e a romanista. Devemos dizer: "Querem dedicar o filho que Deus lhes deu? Entendem bem o que dizem? Querem receber uma aula sobre o assunto? ... Ótimo, agora vocês já passaram a entender. Então entrem neste aposento, orem em secreto dizendo a Deus que Lhe dedicam a criança, totalmente, que vão se esforçar ao máximo para serem o melhor exemplo de verdadeiros cristãos que seu filho jamais verá, que vão se esforçar ao máximo para criá-lo na doutrina e admoestação do Senhor, etc. Pronto? Fizeram tudo isto e ainda mais? Então a dedicação está feita, está completa! Agora, não vemos motivo para não conservarem isto entre vocês e Deus. O que? Vocês insistem que gostariam de compartilhar isto com toda a assembleia local, no próximo culto de testemunhos e orações? Pelo menos não poderiam esperar até uma festa de aniversário depois dos 6 ou 7 anos de idade, para anunciarem a todos os presentes esta dedicação de hoje? Dizemos isto para que o filho guarde na memória dele o que vocês pronunciarão, e para que não haja o risco de um dos presentes confundir com alguma analogia com o batismo romanista. Que acham?"

3. Casamento na assembleia local. Isto não satisfaz todos os 6 critérios, vistos no começo (de 0.b), para ser uma ordenança bíblica simbolizando um aspecto da salvação já ocorrida na vida dos participantes.
De Mt 1 a Ap 22, jamais foi ordenado, nem tolerado, nem imaginado, nem mencionada a possibilidade, nem exemplificado algo pelo menos remotamente parecido como as atuais cerimônias de casamento em festivo culto público da assembleia local, seja nas suas instalações, seja na casa dos pais, ou em qualquer local. Devemos ferrenhamente evitar todas estas coisas: são meras heranças de tradições humanas, a judaizante e a romanista. Devemos dizer: "Querem casar? Entendem o padrão de Deus? Querem receber 2, 4 aulas sobre o assunto? ... Ótimo, agora vocês passaram a entender. Então casem segundo as lei do nosso país (o Brasil), ante o juiz e testemunhas; depois tenham uma abençoadíssima noite de núpcias e algumas semanas de lua de mel; tomem casa; bem depois, se quiserem e puderem, façam uma festa em casa (ou outro local não da assembleia) e convidem todos da assembleia. Como vocês dois são salvos, casaram virgens, em perfeita obediência e comunhão com Deus e com suas assembleias, que têm mesma fé e prática, então eu ou seus pais poderemos orar antes do bolo ser distribuído, agradecendo a Deus por este casamento exemplo. Mas enfatizaremos, o mais que pudermos, que a assembleia não casou vocês nem casa ninguém, ela apenas ora a Deus pelos casamentos já contraídos e consumados já a algumas semanas. OK?"

4. Jejum coletivo, para orar, dos Irmãos Plymouth (= Casa da Oração). Isto não satisfaz todos os 6 critérios, vistos no começo (de 0.b), para ser uma ordenança bíblica simbolizando um aspecto da salvação já ocorrida na vida dos participantes.
(Mas façamos jejum individualmente, para orar, e que isto para sempre fique em total segredo.)

5. Lava-pés. Isto não satisfaz todos os 6 critérios, vistos no começo (de a.b), para ser uma ordenança bíblica simbolizando um aspecto da salvação já ocorrida na vida dos participantes.
Jo 13:4-17 retrata uma lição prática para nos ensinar humildade, nos ensinar a servirmos uns aos outros. Nenhum dos fisicamente presentes ao lava-pés, nem a 1a assembleia local, entenderam o ato ter sido mais que isto. Nenhuma assembleia descrita na Bíblia ou na história dos primeiros séculos jamais praticou o lava-pés literal, da inteira assembleia reunida. Nenhuma epístola neotestamentária o ordena ou exemplifica. Ademais, o lava-pés moderno: não é um ato realmente necessário por causa de pés enlameados e muito sujos na caminhada por ruas sujas, não é um ato necessário e de serviço; tem que separar homens e mulheres, "para não exacerbar os sentidos"; não tem demonstrado humildade, mas sim "orgulhamo-nos de quão humildes somos"; e não simboliza nenhuma verdade da salvação em si mesma. Note que, em 1Jo 1:7,9, é o próprio Cristo que nos lava a todos, e não nós uns aos outros, literalmente. Quanto à alegação de que 1Tm 5:10 ensina que a assembleia tem que ter uma ordenança de lava-pés, ora, este verso trata de lavagem de pés no sentido corriqueiro, não religioso, algo a ser feito em casa, constituindo-se em algo exclusivamente do foro de cada indivíduo isoladamente, não da assembleia).
   Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. ... Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. (1Jo 1:7,9)
   Tendo testemunho de boas obras: Se criou os filhos, se exercitou hospitalidade, se lavou os pés aos santos, se socorreu os aflitos, se praticou toda a boa obra. (1Tm 5:10)

6. Untar com azeite (reservemos o verbo "ungir" e o substantivo "unção" para quando era Deus, através de um seu profeta [hoje não mais existem], que escolhia alguém para ser rei, profeta, ou sacerdote).
Este untar, em Tiago 5.14, não satisfaz todos os 6 critérios, vistos no começo (a.b), para ser uma ordenança bíblica simbolizando um aspecto da salvação já ocorrida na vida dos participantes.
   Está alguém entre vós doente? CHAME os PRESBÍTERO da igreja, e orem sobre ele, UNTANDO-o com azeite, em nome do Senhor; (Tg 5:14, tradução do Textus Receptus)

a. Submersão ORDENADA

Mt 28:19-20; Mr 16:15-16; At 2:38.
   19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, SUBMERGINDO-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. (Mt 28:19-20)
   15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. 16 Quem crer e for SUBMERSO será salvo; mas quem não crer será condenado. (Mr 16:15-16)
   E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja SUBMERSO em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (At 2:38)


Cada assembleia local é ordenada submergir todos que vierem a se converter. (Uma assembleia local é composta somente de crentes que obedeceram esta ordem e foram submersos!)

Cada crente é ordenado ser submerso. (Ordenado pelo seu Salvador, seu Senhor!)

b. Submersão OBEDECIDA

At 2:41-42; 8:12,35-39; 9:18; 10:48; 16:15,33; 18:8. A idéia de um crente não anelar ser submerso (mesmo com as maiores inconveniências e mesmo perseguições e represálias) simplesmente não tem a menor guarida no Novo Testamento! A existência de tal crente seria tamanho absurdo que as santas letras nem sequer enfocaram a possibilidade dele vir a existir!... Portanto, após devida instrução, então a recusa ou renitente desinteresse em ser submerso é grave pecado de desobediência, ou é indício de se aferrar a algum pecado oculto, ou é indício de não salvação! Considere isto com toda a gravidade!
   41 De sorte que foram submersos os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, (At 2:41-42)
   12 Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, eram submersos, tanto homens como mulheres. ... 36 E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja submerso? 37 E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. 38 E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o submergiu. 39 E, quando saíram da água, ... (At 8:12,35-39)
   E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi submerso. (At 9:18)
   E mandou que fossem submersos em nome do Senhor. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias. (At 10:48)
   15 E, depois que foi submersa, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso. ... 33 E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi submerso, ele e todos os seus. (At 16:15,33)
   E Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram submersos. (At 18:8)

c. A Submersão do Cristo DIFERE DA DE JOÃO, o Submersor

O submergir por João, o submersor, foi de arrependimento em preparação para entrada no reino que tinha sido prometido, o Milênio que ainda está por vir (Ml 3:1; 4:5-6; Mt 3:1-12; Mr 1:2-8; Lc 3:2-17; Jo 1:19-36),
   Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu Templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, ... (Ml 3:1)
   5 Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR; 6 E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição. (Ml 4:5-6)
   2 Sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias. 3 E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando a submersão de ARREPENDIMENTO, para o perdão dos pecados; 4 Segundo o que está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; Endireitai as suas veredas. 5 Todo o vale se encherá, E se abaixará todo o monte e outeiro; E o que é tortuoso se endireitará, E os caminhos escabrosos se aplanarão; 6 E toda a carne verá a salvação de Deus. ... 16 Respondeu João a todos, dizendo: EU, na verdade, submerjo-vos com água, mas eis que vem AQUELE que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das alparcas; esse vos submergirá com o Espírito Santo e com fogo. ... (Lc 3:2-17 = Mt 3:1-12 = Mr 1:2-8  = Jo 1:19-36)

Portanto, a submersão de João, o submersor, difere (At 10:37; 13:24; 18:25; 19:3) do submergir instituído pelo Cristo
   Tendo primeiramente João, antes da vinda dele, pregado a todo o povo de Israel a submersão do ARREPENDIMENTO. (At 13:24)
   Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente a submersão de JOÃO. (At 18:25)
   3 Perguntou-lhes, então: Em que sois submersos então? E eles disseram: Na submersão de JOÃO. 4 Mas Paulo disse: Certamente João submergiu com a submersão do ARREPENDIMENTO, dizendo ao povo que cresse no que após ele HAVIA de vir, isto é, em Jesus Cristo. 5 E os que ouviram foram SUBMERSOS em nome do Senhor Jesus. (Atos 19:4-5)
Estes versos são decisivos: se, por um lado, concordamos que a Bíblia silencia se aqueles submersos por João, o submersor (e que depois vieram a ser salvos sob o ministério terreno do Cristo), foram ou não foram submersos uma segunda vez (agora pelo Cristo ou à sua ordem), por outro lado a Bíblia não deixa nenhuma dúvida de que, após a ressurreição do Cristo e a sua ordem em Mt 28:19 (a grande comissão) e Mr 16:16, todos os que vieram a ser convertidos ao Cristo foram submersos depois e por causa disto, independentemente de terem ou não terem sido submersos por João. O fato que estes efésios de At 19:4-5, discípulos que tinham sido submersos por João (tendo crido na sua mensagem de arrependimento, da proximidade da vinda do Messias e do seu reino), tiveram que ser submersos de novo (agora "em nome do Senhor Jesus" que, já vimos, é a mesma submersão em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, de Mt 28:19), definitivamente prova que a submersão do Cristo difere da submersão de João o submersor.

d. Submersão é IDENTIFICAÇÃO

Os 3 passos da submersão neotestamentária (1. descer às águas; 2. por alguns segundos ser totalmente submerso sob águas, elas formando como que um túmulo líquido; 3. emergir de dentro para fora das águas, e delas subir para fora) simbolizam minha identificação com o Cristo:
   (1) na sua morte: dentro do Cristo eu morri quando ele deu Sua vida em meu lugar, pagou por meu pecado, e me salvou (morri quanto à condenação do pecado, morri para minha total escravidão e impossibilidade de resistir ao pecar, morri para minha antiga vida de pecado, morri para o mundo, para a carne, para meu eu e vontade e independência, para o Diabo e seus anjos do mal);
   (2) no seu sepultamento: dentro do Cristo eu fui sepultado para o pecado, para o mundo, para a carne, para meu eu e vontade e independência, para o Diabo e seus anjos do mal; e
   (3) na sua ressurreição: dentro do Cristo ressurgi para andar com Ele em nova vida, no Seu poder. Sou livre para viver para o Cristo e ser pare da Sua noiva (minha assembleia local, e a assembleia local totalizada futura);

Isto é consubstanciado em Rm 6:3-4; Cl 2:12; 1Pe 3:21:
   Ou não sabeis que todos quantos fomos SUBMERSOS em Jesus Cristo fomos SUBMERSOS na sua MORTE? De sorte que fomos SEPULTADOS com ele pela SUBMERSÃO na MORTE; para que, como Cristo foi RESSUSCITADO dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. (Rm 6:3-4)
   SEPULTADOS com ele na SUBMERSÃO, nele também RESSUSCITASTE pela fé no poder de Deus, que o RESSUSCITOU dentre os mortos. (cl 2:12)
   Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, a SUBMERSÃO, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela RESSURREIÇÃO de Jesus Cristo; (1Pd 3:21)
{Aqui, a submersão instituída pelo Cristo é apresentada como o antítipo da submersão da arca de Noé, onde almas foram salvas através da água: foi a submersão do Cristo, na cruz sofrendo em nosso lugar sob a ira de Deus, o que salvou da condenação do pecado aos que creriam; e foi a ressurreição do Cristo, para um corpo glorificado, o que nos salvou da escravidão ao pecado.}

e. Submersão é CONFISSÃO

A submersão também é confissão- pregação aberta e pública do senhorio do Cristo, e esta confissão- pregação é sinal da verdadeira conversão (ver seção b, "Submersão Obedecida") Mt 10:32-33; Rm 10:9-10:
   Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. (Mt 10:32-33)
   9 A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. 10 Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. (Rm 10:9-10)


f. Submersão PRESSUPÕE e DEMONSTRA:

Instrução (básica, sobre: a pessoa e obra do Cristo; salvação; obediência; grande comissão; etc.) Mt 28:18-20; At 19:3-5.
   E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no Céu e na terra. 19 Portanto ide, fazei DISCÍPULOS de todas as nações, SUBMERGINDO-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 ENSINANDO-os a guardar TODAS as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. (Mt 28:18-20)
   3 Perguntou-lhes, então: Em que sois SUBMERSOS então? E eles disseram: Na SUBMERSÃO de João. 4 Mas Paulo disse: Certamente João SUBMERGIU com a SUBMERSÃO do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em JESUS CRISTO. 5 E os que ouviram foram SUBMERSOS em nome do Senhor Jesus. (At 19:3-5)


Arrependimento
At 2:38;
   E disse-lhes Pedro: ARREPENDEI-vos, e cada um de vós seja SUBMERSO em nome de Jesus Cristo, para [NOTA2] perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (At 2:38)

Atos 2:41; 8:12; 18:8; Gl 3:26-27;
   De sorte que foram SUBMERSOS os que de BOM GRADO receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, (At 2:41)
   Mas, como CRESSEM em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, foram SUBMERSOS, tanto homens como mulheres. (At 8:12)
   E Crispo, principal da sinagoga, CREU no Senhor com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, CRERAM e foram SUBMERSOS. (At 18:8)
   Porque todos sois filhos de Deus pela FÉ em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes SUBMERSOS em Cristo já vos revestistes de Cristo. (Gl 3:26-27)

Identificação ao invocar o nome do Senhor At 22:16.
   E agora por que te deténs? Levanta-te, e sê SUBMERSO, e sê lavado dos teus pecados, INVOCANDO o nome do SENHOR. (At 22:16)

g. Submersão NÃO SALVA NEM AJUDA A SALVAR

(1) Em alguns versículos a submersão aparentemente (só aparentemente) causa- ajuda- melhora- completa a salvação (Mr 16:16; At 2:38 ; At 22:16 acima; 1Pe 3:21).
   Quem crer E for SUBMERSO será SALVO; mas quem não crer será condenado. (Mr 16:16)
   E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja SUBMERSO em nome de Jesus Cristo, PARA [NOTA2] perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (At 2:38)
   Também, como uma verdadeira figura, agora vos SALVA, a SUBMERSÃO (não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deu), pela ressurreição de Jesus Cristo; (1Pd 3:21)


(2) Mas tolerar por 1 segundo que submersão causa- ajuda- melhora- completa 1 milímetro de salvação, frontalmente se choca contra o claro ensino da Bíblia (como um todo e por passagens axiomáticas) que a salvação é somente pela verdadeira fé no Cristo bíblico, a salvação é sem obras (Ef 2:8-9; Tt 3:5. Contraste 1Co 1:17 e 4:15. Veja Soteriologia - a Doutrina da Salvação).
   Porque pela GRAÇA sois salvos, por meio da FÉ; e isto NÃO vem de vós, é DOM  de Deus. NÃO vem das obras, para que ninguém se glorie; (Ef 2:8-9)
   Porque Cristo enviou-me, não para SUBMERGIR, mas para EVANGELIZAR; ... (1Co 1:17)
   ... eu pelo EVANGELHO vos gerei em Jesus Cristo. (1Co 4:15)

(3) Ademais, nunca foi DITO, na Bíblia, que o crente não submerso não será salvo, nunca foi dito que a submersão é necessária para salvação. (Ao contrário, Lc 23:42-43 implica e prova que submersão não é necessária à salvação).
   E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que HOJE estarás comigo no Paraíso. (Lc 23:42-43)

A única explicação conciliando (e o faz com perfeição) os versos de (1) e de (2) e de (3), é que a submersão está tão proximamente ligada à fé salvadora que ambas são às vezes expressas como 1 só ato; ou seja, a submersão apenas sempre demonstra e segue o pacote instantâneo e indissolúvel da salvação (ver, em "Soteriologia - a Doutrina da Salvação", que pelo menos 17 coisas acontecem instantânea + simultânea + completa + definitivamente, no instante da salvação: arrependimento, fé, regeneração, etc.).
Tal como um vagão apenas segue a locomotiva a que está indissoluvelmente ligado, isto é, nunca é o vagão que puxa a locomotiva mas sim o contrário, assim também é a verdadeira salvação que indissoluvelmente puxa as obras, não são estas que causam- melhoram- completam- conservam a salvação. Obras meramente seguem, demonstram, provam a genuinidade da salvação. As obras são o fruto, a salvação é a raiz.

h. MODO da Submersão

Muitas denominações (particularmente denominações "protestantes", filhas diretas da Reforma) infelizmente herdaram algumas coisas do romanismo e, aqui e ali, puseram tradições humanas, conveniências e preferências pessoais acima do indiscutível Novo Testamento e do grego koinê. Em conseqüência disso, muitas Bíblias, em vários idiomas, não traduzem as palavras {907 baptizô}, {908 baptisma}, {909 baptismos}, {910 Baptistês}, antes usam o disfarce de as transliterar, respectivamente, por batizar, batismo, batismo, e Batista {Transliteração é a conversão das letras de um texto que está escrito em um alfabeto pelas suas equivalentes em outro alfabeto. Por exemplo, a frase grega "Ελληνική Δημοκρατία", traduzida pela substituição das letras do alfabeto grego pelas suas equivalentes no alfabeto romano, torna-se "Ellēnikē Dēmokratia."}.E adulteraram a palavra submersão do crente redefinindo-a como "um ato de identificação (com o Cristo) onde não importa o exato modo exigido pela palavra no grego". Em conseqüência disso, absurdamente chamam de submersão (batismo) aquilo que é:
   - ASPERSÃO (chuveirinho ou borrifo/esguicho) de água (usualmente 2 colheres de sopa?) sobre a cabeça reclinada sobre a alta pia batismal: Isto é praticado por romanistas, presbiterianos, a maioria dos congregacionais, metade dos metodistas, metade dos Evangelho Livre, etc.
   - EFUSÃO (derramamento) de jarra de água (usualmente 1 litro?) sobre a cabeça do crente de joelhos sobre algo parecido com uma banheira baixa: Isto é praticado por metade dos metodistas, metade dos Evangelho Livre, etc.
   - Além dos batistas, praticam SUBMERSÃO: os greco- ortodoxos (claro, sabem grego!), os Irmãos (Plymouth Brethren, ou Casa de Oração), os menonitas, outros remanescentes dos anabatistas, as Assembleias de Deus e muitos outros pentecostais, alguns congregacionais, muitas seitas antibíblicas tais como dos Adventistas e Mórmons, etc.

Talvez mais sangue de mártires tenha sido derramado por causa de alguns crentes fiéis submergirem biblicamente, do que por qualquer outra coisa. Eles foram mortos por submergirem só crentes (portanto não criancinhas); por re-submergirem os que já tinham sido "submersos por aspersão ou efusão" [que absurda frase]; por re-submergirem os que já tinham sido "submersos" mas como criancinhas; por re-submergirem os que já tinham sido "submersos" mas sem verdadeira fé salvadora; ou por submergirem por submersão [claro]:
   - Romanistas, durante toda a Idade das Trevas, assassinaram 77 milhões de pessoas, a grande maioria delas sendo Montanistas, Valdenses, Paulinenses, Cátaros/ Albigenses, ... enfim, anabatistas em geral [NOTA3]
   - Calvino, Lutero, Zwingli, John Knox, presbiterianos, congregacionais, luteranos, e muitas denominações reformadas, assassinaram milhares de irmãos quando eles se "re-batizaram", agora como salvos e por submersão em água. Graças a Deus tal perseguição foi parada, até mesmo por força de leis, e aqueles irmãos já não nos consideram inimigos a serem perseguidos e mortos.



O único modo bíblico de submergir, como veremos, é por submersão total (submersão só pode ser por submersão!) do crente, debaixo da água, uma só vez [NOTA4], em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, deitando-se para trás [NOTA5]:
xxxx
   (1) O idioma grego koinê exige que o significado original e principal de "submersão" {baptisma} seja submersão, completa cobertura por um líquido, ficar totalmente envolto dentro dele; e o de "submergir" {baptizô} seja submergir, completamente submergir dentro de um líquido. Veja (por favor, rogamos, não deixe de verificar) os bons e imparciais léxicos [NOTA6] do grego koinê e do grego clássico, e até mesmo os bons dicionários etimológicos de todas as línguas modernas. Oh, como todo este assunto é extremamente simples, ao menos para os sinceros, os que não querem se agarrar a uma tradição, os que realmente aceitam "Sola Scriptura"!
   Em toda a literatura grega (secular e religiosa, pagã e cristã), não se conhece exceção alguma onde "baptisma" não significa submersão, ou onde "baptizô" não significa submergir. Thomas J. Conant, em "Meaning and Use of Baptizein", assim sumariza seu monumental estudo do uso da palavra através de toda a literatura grega: "Em resumo, a palavra tem retido seu significado original sem mudança. Desde o nascimento da literatura grega até a sua morte, um período de cerca de 2000 anos, nem [sequer] um exemplo tem sido encontrado no qual a palavra tenha outro significado."
   O sentido secundário de "baptisma" pode incluir o de identificação, mas este sentido secundário nunca pode pôr de lado o sentido principal.
   Do mesmo modo que o sacrifício pascal tinha que ser de um cordeiro imaculado, apontando para o Cristo, e não o sacrifício de um galinho ou qualquer outro animal, desde que se passasse a convencionar que este também faz o mesmo papel do cordeiro; do mesmo modo que a ceia é com pão e suco de uva e não com batatinha frita e Coca Cola (ou qualquer outra comida e bebida), desde que se passe a convencionar que estas também passarão a apontar para o Cristo; assim também a submersão é identificatória com o Cristo mas, antes de qualquer coisa, é submersão, exatamente como na Bíblia e nos dicionários do grego koinê, não é "identificação com o Cristo, não importa se por submersão ou por algo mais cômodo".

   (2) As palavras gregas e as construções de algumas passagens do Novo Testamento simplesmente exigem que "submersão tenha sido por submersão", não deixam a menor margem a nada mais: Mr 1:5 (em o rio); 1:8 (em água); 1:10; Jo 3:23; e At 8:38-39.
   38 E mandou o carro parar, e AMBOS DESCERAM PARA DENTRO DE {"eis"} a água, tanto Filipe como o eunuco, e o SUBMERGIU. 39 E, quando VIERAM PARA CIMA {anebêsan}, PARA FORA DE {ek} a água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e o eunuco não o viu mais, porque ele foi indo no seu caminho regozijando. (At 8:38-39, tradução literal) {O uso da preposição "eis" em oposição a "ek" ("para fora") tem que significar "para dentro de" e não simplesmente "em direção a" ou "para próximo de"!}
   E, imediatamente INDO PARA CIMA {anabainôn}, PARA FORA DE {apo = de, a partir de} a água, ele [João] viu os céus se abrindo, e o Espírito, como pomba, descendo sobre Ele [Jesus]. (Mr 1:10, tradução literal)
   Ora, João estava SUBMERGINDO também em Enom, junto a Salim, porque havia ali MUITAS águas; e eles estavam vindo, e estavam sendo submersos. (Jo 3:23).
{Por que a necessidade de MUITAS águas? Se fosse aspersão ou efusão, por que seria feita tão longe e tão inconvenientemente, em um rio lamacento (2Rs 5:12-14), quando havia água pura nas cidades? (Lembrar que, na seca, a água pura das cisternas era pouca e não dava para uma pessoa entrar na água e nela ser submersa, mas bastaria para aspersão de algumas gotas ou efusão de alguns centímetros cúbicos)}

(3) O grego koinê tem palavras perfeitas para aspersão (rhantizo He 9:13) e para efusão (katacheo Mr 14:3), mas o Novo Testamento nunca as usou para o rito simbólico ordenado pelo próprio Cristo.
   Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha ESPARZIDA sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne, (He 9:13)
   E, estando ele em Betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho DERRAMOU sobre a cabeça. (Mr 14:3)


(4) O simbolismo do Novo Testamento exige que "submersão seja por submersão". Rm 6:3-11 (sepultamento); Cl 2:12 (sepultamento).
   3 Ou não sabeis que todos quantos fomos SUBMERSOS em Jesus Cristo fomos SUBMERSOS na sua morte? 4 De sorte que fomos SEPULTADOS com ele pela SUBMERSÃO na morte; para que, como Cristo foi RESSUSCITADO dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. 5 Porque, se fomos PLANTADOS juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua RESSURREIÇÃO; ... (Rm 6:3-11)
   SEPULTADOS com ele na SUBMERSÃO, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos. (Cl 2:12)

(5) Os gregos (desde o século 1 até mesmo hoje!) adotam submersão. Dizer "batismo por aspersão ou por efusão" é tão ridículo e impossível, mesmo no grego moderno, quanto dizer "submersão por aspersão ou por efusão", ou dizer "navegou de bicicleta" ou "acordou morto": todas estas são absurdas, risíveis contradições de termos, ou seja, oxímoros. Tais tremendas contradições de termos jamais foram aceitos na Grécia, por ninguém (afinal, os gregos sabiam e sabem grego! É impossível enganá-los quanto a significados na própria língua deles!).  De Stourdza, o maior teólogo grego moderno, escreveu que "baptizô" sempre significa mergulhar, literalmente. E que "O batismo e a submersão, portanto, são idênticos; e dizer 'batismo por aspersão' é como se alguém dissesse 'submersão por aspersão' ou qualquer outra besteira da mesma natureza."

(6) A História exige que "submersão seja por submersão". Em todo o mundo, outros modos de "submergir" foram totalmente desconhecidos nos primeiros 2 séculos (o século I vai de 0 a 100, o II de 101 a 200), só surgindo depois, muito ao pouquinho e controvertidamente, de conveniências (escassez de água; falta de instalações; inconveniência (ou crer que é indispensável para salvação) para os velhos e enfermos; outras inconveniências; e orgulho e vaidade):
- Entre 250 e 257 dC: Cipriano (200-257 dC), em Cártago, introduziu as antibíblicas doutrinas da regeneração batismal, da sucessão apostólica, do primado de Pedro, e do primado do bispo de Roma (suas idéias só vingaram completamente alguns séculos depois, mas pode-se dizer que Cipriano foi o precursor do romanismo);
- Cerca de 250 dC: Novaciano, doente, pensando estar à morte, sem poder receber a submersão mas em dúvida e com medo de talvez não se salvar sem ela, tentou imitá-la o melhor que pôde, fazendo-se enrolar completamente com lençóis, e água morna encharcá-los. Esta foi a 1a "submersão não por real submersão" registrada na História. Novaciano sobreviveu e, depois, parece que se firmou mais, pelo menos em algumas doutrinas, e pregou muitas das características que consideramos distintivas dos batistas. (Mas não se sabe se, depois, foi realmente submerso, ou não.)
- 337 dC: Constantino deu ordem para adiar seu batismo até entrar em estado de inconsciência pré-morte (pois pensava assim garantir o perdão de todos os seus pecados do passado, sem lhe dar tempo para cometer novos pecados e perder sua salvação): sendo impossível realmente submergir alguém neste estado, inventaram "submersão clínica", isto é, o oxímoro "submersão por aspersão".
- Só em 1311, no Concílio de Ravena, o bispo de Roma (isto é, o Papa) autoriza aspersão como alternativa para submersão, mesmo em casos de doença não impossibilitarem a submersão.
- Só em 1643 a Assembleia dos Divinos, da Igreja Anglicana, recomendou (por 25 contra 24 votos) aspersão, sancionada pelo Parlamento Inglês no ano seguinte.


(7) Mesmo os maiores não submersionistas reconheceram que o grego exige que "batismo seja por submersão" [isto é uma tautologia, uma verdade inescapável por decorrer dos significados das palavras: submersão é por submersão, claro]
   Brenner (Romanista): "Por 1300 anos, batismo foi geral e regularmente uma submersão da pessoa sob a água, e apenas em casos extraordinários foi um chuveirinho ou derramamento de água. Ademais, os [dois] últimos [modos] eram questionados como um modo de batismo [válido], sim, e até mesmo proibidos."
   Lutero: Lutero insistia, em oposição à prática padrão de efusão, que o batismo deve ser por imersão. Ele ressaltou que a palavra em grego significa "mergulhar uma coisa [ou pessoa] inteiramente dentro da a água, para que a água se fecha sobre ela", e instava que imersão devia ser o modo de batismo." http://www.gospelway.com/salvation/baptism_action.php , citando A Compend of Luther's Theology, p. 167, via Handbook of Religious Quotations, p. 11. Outra tradução que encontrei pode ser de semelhante frase em alemão: "Batismo é uma palavra grega e pode ser traduzida por submersão, como quando submergimos alguma coisa na água para que ela fique totalmente coberta";
   Calvino : "A própria palavra batizar, todavia, significa submergir e é certo que a submersão foi a prática da Igreja antiga" (comentário sobre At 8:38); e "A palavra baptize significa imergir, e o rito de imersão era o praticado pela antiga igreja " - T. W. Brents, The Gospel Plan of Salvation (Nashville, Tenn.: Gospel Advocate Company, 1957). p. 280-281, citado em http://www.scripturessay.com/apostles-pattern-in-the-practice-of-baptism
   Zwingli: " 'Na Sua morte': Quando fostes submergidos (intingeremini) nas águas do batismo, fostes enxertados na morte de Cristo." " (Notas sobre Romanos 6:3).
   Meyer: "palavra que, no grego clássico e no Novo Testamento e em toda as partes, significa submersão." Comentário sobre Mr 7:4.
   Lightfoot: "o batismo de João foi submersão do corpo..."
   Macknight (notável líder presbiteriano na Escócia): "Jesus submeteu-se a ser batizado - isto é, sepultado debaixo d'água e a ser levantado dela outra vez como um emblema de Sua futura morte e ressurreição." (Apostolic Epistles, nota sobre Rm 6:4-5).
   Whitfield: "É certo que, nas palavras de nosso texto (Rm 6:4), há uma alusão à maneira do batismo ser por submersão."
   Augusti: "A palavra 'batismo', segundo a etimologia e uso, significa imergir completamente, submergir."
   Lange: " 'E foram batizados, submergidos, no Jordão, confessando os seus pecados.' A submersão era o símbolo de arrependimento." Comentário sobre Mt 3:6.
   Campbell: "A palavra batismo, tanto nos autores sacros como nos clássicos, significa mergulhar, afundar, submergir."
   Chalmers: "o sentido original da palavra batismo é submersão."
   Schaff: "Submersão, não aspersão, foi inquestionavelmente a forma original [de batismo]. Isto está patente pelo próprio sentido da palavra grega baptizô, baptisma, e a analogia do batismo de João, que se realizou no Jordão." (History of the Apostolic Church, pág. 568).


(8) "Os pedobatistas argumentam que os rituais de purificação do Velho Testamento se transformaram no batismo do Novo Testamento? Acho que a existência do ritual da mikvah (número de Strong 04724, relacionado a 04723) entre os judeus, é o "ponto final" de toda a questão: o ritual para novos convertidos é a SUBMERSÃO completa. http://en.wikipedia.org/wiki/Mikvah  " (Marcelo Gross, correspondência pessoal, 2007). “Convertidos ao judaísmo são obrigados a passar por completa imersão em água. ... Convertidos ao judaísmo ortodoxo, independentemente de sexo, também são obrigados a mergulhar em um mikveh. ... Judaísmo Reformado e Reconstrucionista não se prendem aos requisitos haláchicos de mikveh do modo que o judaísmo ortodoxo o faz. No entanto, há crescentes tendências para a utilização de mikveh para conversões, ... há muitos (especialmente convertidos) que submetem-se ao mikveh, pelo menos uma vez em suas vidas” (mesmo link)

(9) Quanto a Atos 9:18,
E como que umas escamas imediatamente caíram para longe dos olhos dele (de Saulo), e instantaneamente viu de novo. E, havendo-se levantado (e saído), foi submerso.  LTT2009
uma vez um aspersionista tentou torcê-lo para dizer que Paulo se sentou na beira da cama e ali foi aspergido (com cuidado para não molhar colchão nem lençóis); tentou ridicularizar a submersão, praticamente me perguntando se tinham rapidamente construído um tanque de acrílico e silicone ao redor da cama a fim de Paulo, ainda ali sentado, ser submerso, ou se 4 homens fortes tinham levado a cama, com Paulo assentado e precariamente equilibrando-se sobre ela, para submergir ambos num tanque. Eu respondi:

Note você que o Espírito Santo, usando o homem Lucas para assoprar para dentro deste Suas palavras, fez escrever em Lc 4:39
"... E ela, havendo imediatamente se levantado, os servia",
isto é, num interlinear>
... "δὲ {e} ἀναστᾶσα {havendo ela se levantado <450> (5631) V-2AAP-NSF} διηκόνει {servia} αὐτοῖς {a eles}",
e isto não significa que ela se levantou da cama e ali mesmo, sentada, os servia; Mas, evidentemente, ela SAIU dali para os servir, quer preparando comida ou a servindo na mesa, quer os servindo de qualquer outra maneira que precisassem. Semelhantemente, o mesmo Espírito Santo, usando o mesmo homem (Lucas) para assoprar para dentro deste Suas palavras, fez escrever o mesmíssimo verbo (450 levantar) e o mesmíssimo tempo verbal (5631 2º aoristo ativo particípio) em Atos 9:18
"... E, havendo-se levantado, foi submerso",
isto é, num interlinear:
"και {e} αναστας {havendo ele se levantado <450> (5631)  V-2AAP-NSM} εβαπτισθη {foi submerso}".
Portanto, de igual modo, Atos 9:18 pode não significar que Paulo se levantou da cama e ali mesmo, sentado, foi aspergido ao invés de submerso, mas, evidentemente, pode significar que ele, depois de se levantar, SAIU dali para ser submerso, seja num tanque naquela casa, seja num rio, ou açude, ou cisterna, ou mesmo pequeno tanque, próximos.

i. Submersão é (simultaneamente) EM NOME DE: o PAI, e o FILHO, e o ESPÍRITO SANTO. Mt 28:19

   Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, submergindo-os EM NOME DO PAI, E DO FILHO, E DO ESPÍRITO SANTO; (Mt 28:19). Cada submersão neotestamentária deve ser simultaneamente feita em três nomes: o do Pai, e o do Filho, e o do Espírito Santo. (Somente o mais extremo hiper-dispensacionalismo chega ao ponto de proibir totalmente que submersões sejam feitas; ou, pelo menos, tenta fazer com que elas sejam somente em nome do Filho. [NOTA7])



i.a. Submergir, mas somente no nome do Filho, e pronunciando apenas essa parte da fórmula?
Alguns alegam as expressões que o Espírito Santo inspirou e fez escrever depois (em At 2:38; 8:16; 10:48; 19:5) para só pronunciarem a 1a parte da fórmula trinitariana usada no mandamento dado em Mt 28:19.
   E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja submerso EM NOME DE JESUS CRISTO, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (At 2:38)
   (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram submersos EM NOME DO SENHOR JESUS). (Atos 8:16)
   E mandou que fossem submersos EM NOME DO SENHOR. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias. (At 10:48)
   E os que ouviram foram submersos EM NOME DO SENHOR JESUS. (At 19:5)
   Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, SUBMERGINDO-os EM NOME DO PAI, E DO FILHO, E DO ESPÍRITO SANTO; (Mt 28:19)

Ora,

(i.a.a) Uma vez que entre o mandamento (Mt 28:19 e a 1a das expressões (At 2:38) acima alegadas, absolutamente nada aconteceu que pudesse implicar mudança do mandamento, estas pessoas realmente supõem que a Bíblia tem uma grave contradição entre o mandamento e a sua prática continuada, e optam pela prática em detrimento do mandamento;

(i.a.b) Uma vez que tais pessoas alegam fazer caso da repetição exata das palavras de uma expressão, de que modo poderão elas optar entre as expressões usadas em At 2:38 ("em nome de Jesus o Cristo"), 8:16 = 19:5 ("em nome do Senhor Jesus") e 10:48 ("em nome do Senhor")???!!!... As exatas seqüências de caracteres dessas expressões, as exatas palavras, são diferentes. E agora?

(i.a.c) Nossa explicação é que cada uma dessas expressões "em nome de ...":
   (i.a.c.a) não deve ser interpretada como uma "fórmula-mágica" cujas palavras devem ser repetidas de forma exata, tendo valor em si mesmas (isto seria magia, feitiçaria);
   (i.a.c.b) nem sequer deve ser interpretada como uma fórmula que tem que ser repetida com conteúdo exatamente equivalente, mesmo que a forma, as palavras sejam diferentes;
   (i.a.c.c) mas, sim, deve ser interpretada como significando "agindo em segura e perfeita obediência à ordenança que o meu Senhor e Salvador Jesus, o Cristo, clara e indiscutivelmente ordenou a mim, na Bíblia (muito cuidado!)" Isto está de acordo com as mais de 50 ocorrências da expressão "em nome de" e de similares, na Bíblia.
A propósito, orar "em nome de Jesus" não significa sempre terminar toda oração com estas palavras, como se fossem uma fórmula da magia e feitiçaria, assim obrigando Deus a cumprir nossa ordem; ao contrário, apenas significa orar de acordo com os princípios da Bíblia, orar como ela nos dá certeza de que o Cristo também poderia orar.

   (i.a.d) Portanto, não há conflito algum: dizermos que "a submersão é em perfeita obediência ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo" é idêntico a dizermos que "é em perfeita obediência a Jesus, o Cristo", ou dizermos que "é em perfeita obediência ao Senhor Jesus, o Cristo", ou "é em perfeita obediência ao Senhor", ou "é em perfeita obediência ao Senhor Jesus". Todos estes modos que o Espírito Santo usou na escrita da Bíblia são equivalentes e enfatizam uma só coisa: a diferença, o contraste entre esta submersão ordenada pelo Cristo, e aquela praticada por João, o submersor.
(Ver também (i.b.), abaixo)



i.b. "Em nome do Cristo" é fórmula mágica, com poder em si mesma?
Pelos motivos já vistos em (i.a.c), acima:

   (i.b.a.) Nunca deveríamos usar expressões tais como "em nome de Jesus", etc. como se fossem reles vírgulas ou pausas para nos dar tempo de melhor pensarmos, tais tiques de linguagem de modo nenhum honram a Deus;
   (i.b.b.) Nunca deveríamos usar a expressão "em nome de Jesus" pensando, mesmo que no mais interior: "Ah, agora vai dar certo, Deus vai ter que fazer o que EU quero, peguei-O na Sua promessa, que grande truque o meu!";
   (i.b.c.) Não somos forçados a terminar orações com a fórmula "em nome do Cristo, amém". Mas, sim, devemos terminar as nossas orações com a certeza de que tudo aquilo que estamos pedindo (e dizendo e fazendo), perfeitamente obedece à Palavra de Deus, em tudo. Nenhuma (note, nenhuma!) das muitas orações do Novo Testamento terminou com a fórmula "em nome de Jesus, amém"!!! Será que entendemos melhor o que Jesus quis dizer, melhor do que todos os apóstolos e discípulos que com Ele conversavam no mesmo idioma e face a face, e se esclareciam com Ele?
   (i.b.d.) Também nunca deveríamos fazer submersões repetindo sempre um mesmo padrão (como se fora uma fórmula que tem poder em si mesma) tal como "sê tu submerso em nome do Pai, e em nome do Filho, e em nome do Espírito Santo".

j. QUANDO da Submersão

   No Novo Testamento, todos os convertidos eram imediatamente instruídos e anelavam e pediam e eram imediatamente submersos, At 2:41. Por isso, temos ouvido a respeito de algumas poucas assembleias locais (entre as batistas independentes, fundamentalistas, crentes na Bíblia, nos Estados Unidos; e entre as pentecostais) que imediatamente submergem os convertidos, isto é, os submergem ao final do culto público em que creram e foram salvos, ou no primeiro culto público a que puderem comparecer após serem salvos em evangelismo pessoal, etc. A cada início de culto os tanques já estão cheios e morninhos, prontos para serem usados em caso de haver conversões.
   De sorte que foram submersos os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, (At 2:41)

Nossa posição é que, neste assunto, não somos forçados a imitar essas igrejas do tipo "submersão na mesma hora da conversão e pública confissão de fé":
Em primeiro lugar, o Novo Testamento não exige que o façamos, neste assunto; não proíbe direta nem indiretamente que usemos de certas precauções adicionais, quando necessárias.
Em segundo lugar, temos que notar que a grande maioria dos convertidos descritos no Novo Testamento, antes mesmo da salvação, já tinha toda uma vida de profundo conhecimento da Bíblia e da doutrina. Eram judeus ensinados durante anos (nas sinagogas, depois por João o submersor, depois pelo próprio Senhor Jesus, o Cristo, depois por seus apóstolos e discípulos), e não havia a atual proliferação de desvios do cristianismo continuamente confundindo as mentes das pessoas. No Brasil de hoje ocorre o contrário, a grande maioria dos convertidos vem da mais completa cegueira do romanismo, do espiritismo, de outras seitas, do materialismo e ateísmo práticos, da mais infame lama do pecado. Não havia a atual proliferação de desvios do cristianismo continuadamente confundindo as mentes da pessoas e se infiltrando com sutileza e traição. Por isso, a experiência mostra que hoje é geralmente aconselhável que, antes da submersão, o professante leve algum tempo sendo instruído e testado quanto às doutrinas-leite (aquelas mais fundamentais sobre o Cristo, salvação, submersão, obediência, etc.) e checado quanto ao seu testemunho antes e depois da alegada salvação (em particular seu estado civil, seu comportamento sexual que é aparente, a legitimidade de seus negócios, etc., etc., etc.), e quanto aos frutos de verdadeiramente ser uma nova criatura. Usualmente isto exigirá pelo menos algumas semanas ou mesmo alguns poucos meses. Imediatamente depois de devidamente instruído e testado e comprovado pelos frutos, ele deve anelar e pedir, e ser submerso.

k. QUEM é Submerso

[não as criancinhas [NOTAS 8,9:], não os mentalmente incapazes, não pessoas coagidas, mas sim, e somente,] aqueles que:

(1) Já se arrependeram, creram, confessaram o Cristo como único e suficiente Salvador e Senhor.
   Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, foram SUBMERSOS, tanto homens como mulheres. (At 8:12)
   E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja submerso? 37 E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. 38 E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o submergiu. (At 8:36-38)
   E Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram submersos. (At 18:8)


(2) Mostraram entender os ensinos mais básicos da Bíblia, especialmente sobre a pessoa e a obra de Deus-Pai e de Deus-Filho e de Deus-Espírito Santo, salvação, submersão, obediência;

(3) Exerceram suas próprias vontades e eles mesmos, espontaneamente, de livre vontade, pediram para ser submersos nas águas, em obediência ao e identificação com o Senhor;

(4) Têm mostrado frutos convincentes. (Lembrar que isto inclui sincero desejo de obedecer toda a lei de Deus, e isto inclui também obedecer todas as leis do país que não contrariem diretamente à Bíblia, inclusive a lei de Deus e as leis do país quanto ao casamento).

l. QUEM Submerge

É somente a inteira assembleia local que submerge. Ver [NOTA1]

m. ALISTAMENTO no Rol de Membros

A idéia de um crente não anelar ser ativo, vibrante membro de uma assembleia local (mesmo com os maiores sacrifícios) simplesmente não tem a menor guarida no Novo Testamento! Ele é tamanho absurdo que as santas letras nem sequer enfocaram a possibilidade dele vir a existir!... Portanto, após a devida instrução, então a recusa ou renitente desinteresse em ajuntar-se a uma assembleia local e nela entusiasticamente participar, é grave pecado de desobediência, ou é indício de se aferrar a algum pecado oculto, ou é indício de não salvação! Considere isto com toda a gravidade!

No Novo Testamento, a partir da submersão todos os crentes automática e imediatamente passavam a ser contados como membros da assembleia local. Por isso, muitos reformados e batistas crêem que At 2:41 ensina que a submersão sempre identifica o submerso com a assembleia local e sempre o adiciona, automaticamente, ao seu rol de membros, com imediatos plenos privilégios de decidir votando (e podendo ser votado para exercer quase que qualquer função). A maioria das assembleias batistas brasileiras faz o mesmo, ainda que os membros abaixo de 16 anos de idade sejam considerados não votantes, até mesmo por força das leis do país.
   De sorte que foram submersos os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, (At 2:41)

Nossa posição é que, neste assunto, não somos forçados a imitar essas igrejas.
Em primeiro lugar, o Novo Testamento não exige que o façamos; neste assunto, não proíbe direta nem indiretamente que usemos de certas precauções adicionais, quando necessárias.
Em segundo lugar, temos que notar que a grande maioria dos convertidos descritos no Novo Testamento, antes mesmo da salvação já tinha toda uma vida de profundo conhecimento da Bíblia e da doutrina. Nas pequenas aldeias e cidades de então, todos eram muito bem conhecidos, se eram sinceros ou não, ao passo que, nas grandes cidades do Brasil de hoje, ocorre o contrário, alguns dos convertidos são desconhecidos ou muito pouco conhecidos, a grande maioria dos convertidos vem da mais completa cegueira do romanismo, do espiritismo, de outras seitas, do materialismo e ateísmo práticos, da mais infame lama do pecado. Não havia a atual proliferação de desvios do cristianismo continuadamente confundindo as mentes da pessoas e se infiltrando com sutileza e traição. Por isso, a experiência mostra que hoje é geralmente aconselhável que, mesmo depois da submersão, o candidato leve ainda mais algum tempo sendo mais instruído quanto às doutrinas- carne e sendo mais checado quanto aos seus compromisso, testemunho, e maturidade doutrinária e de caráter, os frutos de verdadeira nova criatura. Usualmente, isto pode levar alguns meses depois da submersão. Excepcionalmente, poderá levar poucas semanas ou alguns anos. Ele deverá entender, saber explicar sozinho, e concordar ardentemente com cada parágrafo e subparágrafo dos Artigos de Fé + Estatutos + Regimento Interno + Normas Parlamentares + Termo de Compromisso da assembleia local. Imediatamente depois de devidamente instruído e testado e comprovado pelos frutos, ele deve anelar e pedir para ser membro da assembleia, deve assinar individualmente cada parágrafo e subparágrafo dos Artigos de Fé + Estatutos + Regimento Interno + Normas Parlamentares + Termo de Compromisso da assembleia local, em sinal de que concorda plenamente com cada um deles. Depois, se tudo for aprovado pela assembleia local, ele deve ser alegremente aceito como membro.


[NOTA1]:
QUEM ADMINISTRA UMA ORDENANÇA? ATRAVÉS DE QUEM? ONDE?
   Se o crente está ou brevemente poderá estar com a inteira assembleia local, já existente, da qual quer ser membro, e se ele preenche os pré-requisitos, e pode, e quer ser submerso, então é por esta inteira assembleia local que deve ser submerso (Exemplo: os 3000 submersos no dia de Pentecostes). É somente a inteira assembleia local que submerge (fisicamente, talvez só haverá necesssidade e espaço para o crente ser submerso pelo presbítero- pastor- superintendente, ou por um outro presbítero, ou um qualquer membro da assembleia para isso indicado, mas é a assembleia como um todo que autoriza e é responsável pela submersão).
   Se o crente não está nem de modo algum jamais poderá estar com a inteira assembleia local, já existente, de que quereria ser membro, e se ele preenche os pré-requisitos, e pode, e quer ser submerso, então é por esta inteira assembleia local que deve ser submerso, sim, mas através de alguém por ela comissionado (Exemplo: Filipe [comissionado pela assembleia de Jerusalém, em lugar dela, representando-a] submergindo o eunuco etíope que viajaria para longe e nunca mais voltar; Paulo [comissionado pela assembleia de Antioquia, em lugar dela, representando-a] submergindo os seus filhos na fé; etc.). É somente a inteira assembleia local que submerge. É suposto que o submergido está desejoso de fazer parte de nova assembleia semelhante àquela [mas dela independente, claro], e que estará ao seu alcance, e que ele quer ajudar na sua organização.

   Se o crente está ou brevemente poderá estar com a inteira assembleia local, já existente, de que é membro, então é com esta inteira assembleia local que deve tomar a ceia do Senhor. É somente a inteira assembleia local que administra a ceia.

   Portanto, é somente a inteira assembleia local que administra as 2 ordenanças, usualmente através de, representada pelo ancião- pastor-supervisor (se isto for completamente impossível, por muito tempo, então a assembleia local pode comissionar outros seus membros [usualmente dentre os presbíteros- pastores] para representá-la na administração das ordenanças). 

   Não vemos absolutamente nenhuma base bíblica para um homem crente (mesmo que pastor da assembleia local ou por ela comissionado para representá-la na administração da ordenança; mesmo que ele esteja acompanhado de uma parte da assembleia) sair para submergir ou dar ceia a um convertido que não pode sair da sua casa (ou prisão, ou hospital) e, assim, não pode juntar-se à inteira assembleia local, nem ela a ele; nem ele, ademais, está podendo e desejoso de fazer parte de nova assembleia semelhante àquela mas agora ao seu alcance, ele querendo ajudar na sua organização. Que lhe seja explicado: "Filho, esta ordenança é para ser observada pela inteira assembleia local, reunida. Já que você não pode observá-la assim, satisfaça-se na lembrança de que nenhuma das 2 ordenanças confere nem aumenta nem fortalece graça, e você não tem nenhum pecado ou culpa por não poder participar delas."



[NOTA2] At 2:38 -- "PARA O PERDÃO DOS VOSSOS PECADOS"
"Para o perdão dos vossos pecados" tem a mesma construção grega de "para arrependimento" em Mt 3:11 (que nós traduziríamos assim: "E eu, em verdade, vos submerjo com água, em conseqüência do arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujos sapatos não sou digno de levar; ele vos submergirá com o Espírito Santo, e com fogo." Ora, certamente, em Mt 3:11, João o submersor assumia que arrependimento já ocorrera antes, o "para" (da tradução ACF) deve ser entendido "em conseqüência de, por causa de, demonstrando". Portanto, em At 2:38, o perdão por Deus também deve vir antes da submersão.


{1519 eiv} pode ser traduzido de dois modos radicalmente diferentes, isto é, como: 1. "para, com o objetivo de" (isto aponta para o futuro); ou como 2. "por causa de, em conseqüência de" (isto aponta para o passado). Somente o contexto (contexto ao redor do verso, e também contexto da Bíblia tomada como um todo) nos ajuda a distinguir qual desses significados tem que ser adotado. E isto é fácil: se você visse um cartaz "Jesse James procurado 'eiv' roubo", obviamente não entenderia que ele estivesse sendo procurado PARA que pudesse cometer um assalto (o sentido 1), mas sim que ele está sendo procurado PORQUE cometeu um roubo. Assim, também nesta passagem, "eiv" se refere a uma ação no passado, do contrário o verso violaria o inteiro teor do Novo Testamento que ensina salvação pela graça de Deus e não por obras do homem. 


A tradução deveria ser assim:
E Pedro lhes dizia:"Arrependei-vos, e sede submersos cada um de vós (apoiados) sobre o nome de Jesus Cristo, em- consequência- da remissão dos (vossos) pecados. Então recebereis o dom- gratuito (que é) procedente- de {**} o Espírito Santo; (At 2:38, LTT)

NOTA3:
ValdenseS, MONTANISTAS, CÁTAROS/ albigenses, PAULICIANOS, ANABATISTAS, ETC.:
Explicação que daríamos se alguém se espantasse porque aqueles que ele chama de fundamentalistas diferem entre si em certas coisas, particularmente porque nós próprios às vezes defendemos os valdenses, os cátaros/ albigenses, os paulicianos, os arnaldistas, etc, e alguns daqueles que ele chama de fundamentalistas aceitam a idéia prevalente de que todos esses grupos foram sempre heréticos em tudo:


A palavra fundamentalista (só a usamos com inicial minúscula, não nome de denominação), como a palavra batista (também só a usamos com inicial minúscula, não nome de denominação), para nós é um mero adjetivo (como se você dissesse "os crentes que se conservaram crendo de forma simples e antiga e pura, segundo o que interpretam que a Bíblia diz literalmente"). Os verdadeiros fundamentalistas, tais como os batistas independentes e inafiliados (muitas vezes esses grupos se confundem em um só), não formam uma organização, algo tão bem montado e tão bem organizado que possam ter porta-vozes reconhecidos, e de modo que só haja um pensamento, igual nos mínimos átomos dos menores pontos dos i, o pensamento padrão ou pensamento oficial dos fundamentalistas. Não somos uma denominação, não somos uma organização, somos uma floresta de árvores da mesma espécie mas cada uma individual, independente, não exatamente uma fotocópia das outras. Assim, nós próprios, os autores deste livro eletrônicos, podemos ter algumas pequenas diferenças em relação a outros que são considerados fundamentalistas (aliás, hoje muita gente se diz fundamentalista e nós não mais os consideramos ser verdadeiros, 100%, históricos fundamentalistas).

Os grupos antigos de que você fala também eram mais ou menos assim (floresta de individualidades). Portanto, nós sabemos e reconhecemos que algumas de suas assembleias podiam ter alguns erros, talvez até erros graves. Mas também sabemos que é muito, muito fácil generalizar, principalmente quando se exterminaram todas as testemunhas contrárias. (Se os muçulmanos dominassem o mundo por 10 séculos, destruíssem todos os registros e testemunhas, todos os livros de que não gostassem, e reescrevessem a história, então descreveriam todos os "evangélicos" como pior que a soma do pior que nós hoje conhecemos dentre as piores assembleias dos piores grupos de hereges pseudo cristãos. E nós, que lutamos contra essas heresias, seríamos contados como tais piores dos piores). Portanto, não damos muito ouvido aos historiadores romanistas, nem aos das denominações reformadas (muito influenciados pelos romanistas), nem mesmo a todos os historiadores batistas, mas somente aos melhores destes últimos historiadores, aos mais odiados por Roma.

Há muitos desses BONS historiadores batistas. Sugerimos que os leia. Um ponto de partida seria ler todo o (pequeno) livro "O Rastro de Sangue - Acompanhando os Cristãos através dos séculos; ou A História dos Batistas, desde o tempo de Cristo, seu fundador, até os nossos dias." Um clássico, um dos melhores e mais influenciais livros jamais escritos, leitura obrigatória. Está dividido nos seguintes capítulos (todos eles disponíveis no excelente site http://www.palavraprudente.com.br/estudos/jm_carroll/rastrosangue/ ou em http://opbcb.org/biblioteca/download/classicos/Rastro%20de%20Sangue.pdf  
    Introdução por Clarence Walker
    Primeiro Período - 30 a 500 A.D.
    Período 600 a 1300 A.D.
    Período 1400 a 1600 A.D.
    Período 17, 18 e 19 Séculos
    A Religião nos Estados Unidos
    Algumas Palavras Finais.

Assim, consideramos como bíblicas e precursoras dos batistas as BOAS assembleias existentes dentre aqueles grupos que foram chamados:
   Valdenses (anos 157 a 1240 dC (quando Roma os assassinou), habitantes do Vale de Vaudois, nos Alpes Italianos. Em 1532, seus pouquíssimos remanescentes juntaram-se aos Calvinistas, no Sul da França. Hoje são ecumênicos, que trágica lição! Como um grupo muito firme e honrado durante séculos pode, com o tempo, completamente descaracterizar-se por terrível infiltração e por infecção interna!);
   Montanistas (ano 155 a século 4, habitantes da Frígia);
   Tertulianos (ano 400 a ?, habitantes do Cártago e de boa parte do Oriente, foram muito semelhantes aos Montanistas, talvez melhores em alguns pontos);
   Novacianos (séculos 2 e 3);
   Paterinos;
   Anabatistas  (nome genérico, significando RE-Batizadores, dado a todos os tipos de grupos (desde o século 1) que só aceitavam batismo de já crentes (quem tivesse sido batizado ainda sem crer em Cristo e o confessar como único e suficiente Salvador e Senhor, e sem tomar a iniciativa de pedir o batismo, então, depois, se viesse a crer de modo a ser salvo, devia ser RE-batizado). Em 1400 sobressaiu-se Huss, na Tchecoslováquia. Em 1523 sobressaiu-se Conrad Grebel, na Suíça);
   Donatistas (ano 311 – séc. 5; Norte da África)
  Cátaros e Albigenses (séc. 5 a 1209; Sul da França)
   Petrobrussianos;
   Paulicianos (séculos 7 a 9);
   Arnoldistas (século 12); e
   Henricianos (século 12).

Repetimos: as assembleias destes grupos, sendo locais, não tinham homogeneidade perfeita: algumas assembleias locais podem ter tido algum desvio doutrinário e este, malevolamente, foi somado, exagerado, caluniado e generalizado pelos seus perseguidores e exterminadores. Nem todas as assembleias locais desses grupos sempre tiveram todos os distintivos batistas, mas todas elas tinham aquele distintivo de independência e de localidade, e muitas tinham, basicamente, todos os nossos distintivos batistas.





NOTA4:
QUANTAS SUBMERSÕES, NA ORDENANÇA DA SUBMERSÃO? UMA SÓ VEZ!
   Por que? Ora, porque o Cristo morreu 1 vez, foi sepultado 1 vez, ressuscitou 1 vez.
   Há quem faça a submersão 3 vezes, em rápida sucessão: uma vez pronunciando "em nome do Pai", uma outra vez pronunciando "e em nome do Filho", e uma última vez pronunciando "e em nome do Espírito Santo". Isto não tem nenhuma base na língua grega em Mt 28:19 (Note que não diz "noS nomeS do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo", nem diz "primeiramente no nome do Pai, depois no nome do Filho, finalmente no nome do Espírito Santo", mas sim "... em nomE do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo."), nem em nenhum exemplo do Novo Testamento, nem se harmoniza com o Cristo ter morrido + sido sepultado + ressurgido 1 só vez, nem se harmoniza com cada homem morrer + ser sepultado + ressuscitar 1 só vez!!!...



NOTA5:
POSIÇÃO DO SUBMERGIDO: ROSTO PARA CIMA.
Alguns submergem deitando para frente, mas isto não se harmoniza com o sepultamento de Cristo, como praticado pelos Judeus (e, cremos, praticado por todos os povos), com o rosto para cima.



NOTA6:
BAPTISMA, BAPTIZÔ - SIGNIFICADO NOS LÉXICOS:
Liddel & Scott (grego clássico): "Mergulhar em ou mergulhar debaixo de água. No latim: immergere."

Sófocles (grego do período romano e bizantino): "Mergulhar, submergir, afundar ... Não há evidência de Locas, Paulo e os outros escritores do NT darem a este verbo significados não reconhecidos pelos gregos."

Thayer (grego koinê, do NT): "907 baptizô: ... No N.T. ... uma imersão em água, realizada como um sinal da remoção do pecado e administrada àqueles que ... procuraram admissão aos benefícios do reino do Messias."

Berry: "imergir, submergir, batizar."

Vine: "Substantivo 'baptisma' ... consistindo dos processos de imersão, submersão e emergência. ... mergulhar. Verbo 'baptizô', ... imergir, era usado entre os gregos para significar o ato de tingir roupas ou a ação de tirar água imergindo uma vasilha em outra, etc. Plutarco usa o verbo para designar o ato de tirar vinho imergindo o cálice numa tigela ... ".



NOTA7:
DISPENSACIONALISMO, ULTRADISPENSACIONALISMO, E A ORDENANÇA DA SUBMERSÃO:
   Somos dispensacionalistas. Acreditamos que ninguém poderá entender a Bíblia razoavelmente bem enquanto não entender que Deus tem algumas diferenças no seu modo de tratar a humanidade em diferentes dispensações (mas salvação sempre requerendo fé). Particularmente, acreditamos que ninguém poderá entender a Bíblia razoavelmente bem enquanto não entender a diferença entre a dispensação da Lei e a dispensação das assembleias locais. Neste sentido, mesmo que não use o nome, quase que todo crente que já está razoavelmente bem instruído na doutrina, é dispensacionalista, em maior ou menor grau. Ver http://solascriptura-tt.org/EscatologiaEDispensacoes/DispensacoesEAliancasDeus-AlcinoLToledo.htm.
   Mas acreditamos que alguns partem do bom dispensacionalismo e o levam a maus extremos, achando tantas dispensações e sub- dispensações absurdas que, em alguns casos, chegam a beirar completa heresia. Um dos erros mais comuns é subdividir o livro de Atos em 2 a 4 sub- dispensações, tudo isto até parece que tendo o objetivo único e previamente concebido de totalmente proibir submersões, ou, pelo menos, de fazer com que elas sejam somente em nome do Filho. Ultradispensacionalismo (também chamado hiper-dispensacionalismo) de modo algum é uma clara revelação a partir das Escrituras, mas tem de ser estabelecida através de se cortar a Escritura em muitas e muito finas fatias. Isto sempre leva a erro.
   Maiores detalhes em http://solascriptura-tt.org/Seitas/HeresyCalledHyperDispensationalism-Ruckman.htm, que descreve as principais posições do ultradispensacionalismo, e prova pela Bíblia quanto estão erradas.



NOTA8:
PEDOBATISMO (BATISMO DE BEBÊS OU CRIANCINHAS):
Alguns partem do fato que famílias completas foram submersas (At 10:48; 16:15,33; 18:8; 1Co 1:16) e inferem que isto tem que significar que até mesmo bebês foram e podem e devem ser submersos (fazem analogia com a circuncisão do Velho Testamento).
   E mandou que {*} fossem submersos em nome do Senhor. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias. (At 10:48) {* Todos aqueles que, juntamente com Cornélio, haviam recebido o Espírito Santo}
   E, depois que foi submersa, ela E A SUA CASA, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso. (At 16:15)
   E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi submerso, ele E TODOS OS SEUS. (At 16:33)
Este foi o carcereiro de Filipos.
   E Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor COM TODA A SUA CASA; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram submersos. (At 18:8)
   E submergi também a FAMÍLIA de Estéfanas; além destes, não sei se submergi algum outro. (1Co 1:16)

 Mas: 
(1) "Toda sua casa" de modo algum implica que havia bebês e crianças abaixo da idade de entendimento, que foram submersos; e.g. 1Co 16:15 mostra que todos os da família de Estéfanas SERVIAM aos salvos. Bebês e criancinhas não podem fazer isto.
   Agora vos rogo, irmãos (sabeis que a família de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se tem dedicado ao ministério dos santos), (1Co 16:15)

(2) Os submersos sempre foram, mesmo nestas passagens, somente aqueles que ouviram- entenderam- aceitaram a Palavra (At 10:44; 16:31-34). Bebês e criancinhas não podem fazer isto.
   E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que OUVIAM a palavra. (At 10:44)
   31 E eles disseram: CRÊ no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. 32 E lhe PREGAVAM a palavra do Senhor, e A TODOS os que estavam em sua casa. 33 E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi SUBMERSO, ele e todos os seus. 34 E, levando-os à sua casa, lhes pôs a mesa; e, na sua CRENÇA em Deus, alegrou-se COM TODA A SUA CASA. (At 16:31-34)


(3) O Novo Testamento nunca diz, explicitamente, que bebês ou criancinhas foram submersas (ou exibam as provas de que estamos enganados e, também, não do lado da segurança). Isto é herança de tradição humana, a romanista, e decorre da crença da regeneração batismal, que não há salvação sem batismo. (Aliás, parece que todos os erros quanto à doutrina da submersão tiveram seu ponto de partida lá atrás no passado, no erro da regeneração batismal, concordam?)

(4) A lei cerimonial não tem absolutamente nenhum lugar nas assembleias neotestamentárias, nenhuma aplicação aos crentes desta dispensação.

(5) A Didaque (125-135 dC) aconselha: "... e tendes que dizer, àquele sendo batizado, que jejue por 1 ou 2 dias antes." Bebês e criancinhas não podem fazer isto.
   Bem, a Didaque não é inspirada, portanto pode ter erros, e esse conselho para jejuar antes da submersão pode ser discutível; mas tudo isto prova que bebês e criancinhas não eram feitos cumprir a ordenança, seja qual fosse a forma dela .

(6) Na ordem do Cristo para submergir (Mt 28:19-20) o "os" em "SUBMERGINDO-os", refere-se aos discípulos (alunos feitos em todo o mundo, e que devem ser ensinados), isto exige que não sejam criancinhas.
   19 Portanto ide, fazei DISCÍPULOS de todas as nações, submergindo-OS em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 ENSINANDO-OS a GUARDAR todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. (Mt 28:19-20)

(7) Muitos dos mais eruditos teólogos- historiadores, adeptos do "batismo" infantil, reconhecem explicitamente que ele não tem o menor suporte neotestamentário http://www.lideranca.org/cgi-bin/index.cgi?action=forum&board=atualidades&op=display&num=3341&start=30 (acho que isto é uma tradução parcial do capítulo 15 do livro Why baptize the little ones? de David King http://churches-of-christ.ws/dk17.htm ):

           LUTERO – “Não pode ser provado pelas sagradas Escrituras que o batismo infantil foi instituído por Cristo ou começado pelos cristãos prístinos depois dos apóstolos.” A Lutheran Case Against Infant Baptism. Lutero "Livremente admitiu que o batismo infantil não é nem explicitamente ordenado ou explicitamente mencionada nas Escrituras. Não há 'passagens específicas referentes ao batismo infantil'. A testemunha direta da Escritura, por si só não é forte o suficiente para fornecer uma base adequada para começar o batismo infantil, não fosse ele já praticado." (The Theology of Martin Luther, por Paul Althaus, página 361)

           ERASMO – “Em nenhum lugar dos escritores apostólicos está expresso que batizaram criancinhas.”
           OLSHAUSEN – “Há totalmente em falta qualquer passagem que seja prova conclusiva para o batismo infantil no tempo dos apóstolos, nem pode para o mesmo haver qualquer necessidade e deduzir-se da natureza do batismo.”
           GEORDE EDUARD STEITZ – SCHAFF – HERZOG ENCY. – Art Bapt. – “Não há nenhum traço de batismo infantil no Novo Testamento.”
           A. T. BLEDSOE, LL. D. – “É artigo de nossa fé (Metodista Episcopal), que o batismo de criancinhas não deve de nenhuma maneira ser retido na igreja, como agradabilidade à instituição de Cristo. Ainda assim, com toda a nossa pesquisa, não temos podido achar no Novo Testamento uma só declaração expressa ou palavra a favor do batismo infantil.” (Southern Review, Vol. 14). E esse mesmo escritor diz: “Centenas de cultos pedobatistas têm chegado à mesma conclusão, especialmente desde que o Novo Testamento esteve sujeito a uma exegese mais íntima, mais conscienciosa e mais cândida do que foi anteriormente praticada pelos controversistas.”
           H. A. W. MEYER, TH. D. (chamado “o príncipe dos exegetas”) – “O batismo das crianças, do qual não se acha traço em o Novo Testamento, não deve ser sustentado como ordenança apostólica...”
           NEANDER – “O batismo, no princípio, foi administrado só a adultos, pois os homens estavam acostumados a conceber batismo e fé como estritamente ligados. Não aparece qualquer razão para derivar-se o batismo infantil de uma instituição apostólica e o reconhecimento dele, que se seguiu um tanto mais tarde, como de tradição apostólica, serve para confirmar esta hipótese.” (Church History).
           GEORGE HODGE – “Os recipientes do batismo parecem ter sido originalmente pessoas de vida madura. O mandamento. “Ide ensinai todas as nações e batizai-as”, e as duas  condições, “Arrependei-vos e sede batizados”, e “O que crer e for batizado” indica adultos” (The Episcopal Church, Its Faith and Order, pág. 51).
           A. B. MCGIFFERT – “Se as criancinhas foram batizadas na era apostólica, não temos meios de o determinar” (History os Chistianity im the Apostolic Age, pág. 543).
           ROBERT RAINY, ao tratar do período A. D. 98-180 – “O batismo pressupunha alguma instrução cristã e precedida de jejum. Significava perdão dos pecados passados e era um ponto de partida visível da nova vida sob as influências cristãs e com a inspiração dos fins e alvos cristãos” (Ancient Catholic Church, pág. 75).
           HARNACK, ao tratar do período pós-apostólico – “Não há traço seguro de batismo infantil na época; a fé pessoal é uma condição necessária.” (History of Dogma, Vol. I, pag. 20).
           H. M. GWATKIN – “Temos boa evidência de que o batismo infantil não é instituição direta quer do Senhor mesmo, quer dos Seus apóstolos. Não há traço dele no Novo Testamento” (Early Church History to 313, Vol. I, pág. 250).



(8) Estender à assembleia o concerto de Deus com Abraão não tem nenhuma garantia nas Escrituras.

(9) Quanto à pobre analogia com a circuncisão, não adianta sofismar: se submersão fosse a versão neo-testamentária da circuncisão, então só machos poderiam ser submersos, nunca fêmeas, Gn 17:10-14 (e estes machos, se fossem filhos de crentes, então teriam que ser submersos exatamente ao 8o dia de vida, como os judeus, senão teriam que ser submersos logo após suas conversões, como os prosélitos). Mas mulheres foram submersas em At 8:12; 16:14-15, e o são em todas as igrejas protestantes e anabatistas/ batistas, até mesmo nas romanistas, nas greco- ortodoxas, e em todas as outras seitas pseudo- cristãs de que sabemos. Ademais, a Bíblia tem muitas dezenas de referências dando o significado e analogias e implicações da circuncisão de per si; idem para submersão de per si; mas não tem nenhuma referência associando submersão e circuncisão.
   10 Esta é a minha aliança, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência depois de ti: Que todo o HOMEM entre vós será circuncidado. 11 E circuncidareis a carne do vosso PREPÚCIO; e isto será por sinal da aliança entre mim e vós. 12 O FILHO de OITO DIAS, pois, será circuncidado, todo o HOMEM nas vossas gerações; o nascido na casa, e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua descendência. 13 Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua. 14 E o HOMEM incircunciso, cuja carne do PREPÚCIO não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada do seu povo; quebrou a minha aliança. (Gn 17:10-14)
   Mas, como CRESSEM em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, eram submersos, tanto homens como MULHERES. (At 8:12)
   14 E uma certa MULHER, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. 15 E, depois que foi SUBMERSA, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso. (At 16:14-15)


Por favor, alguém poderia traduzir How Do Circumcision and Baptism Correspond? by John Piper ? http://www.desiringgod.org/sermons/how-do-circumcision-and-baptism-correspond
E The Covenant of Circumcision: No Just Plea For Infant Baptism, W. T. Brantly, http://www.gracesermons.com/robbeeee/circumcision.html



NOTA9:
A CRIANCINHA ESTÁ SALVA?
OU SERÁ SALVA, SE MORRER? QUAL O TIPO DE SUA SALVAÇÃO?

Se um bebê ou criancinha morrer antes de alcançar a idade da razão e responsabilidade (antes de ser capaz de entender suficientemente quão pecador é, e de se arrepender e crer no Cristo bíblico), será salvo (Mt 19:14 = Mr 10:14 = Lc 18:16; 2Sm 12:23). Cremos também que isto se estende a todos os mentalmente incapazes, pois "das tais é o reino..." pode ser traduzido e entendido como na tradução Menfítica ("para as pessoas desta espécie, delas é o reino...") e na tradução Peshita ("para os que são iguais a elas, deles é o reino...") 
   Jesus, porém, disse: Deixai os meninos, e não os estorveis de vir a mim; porque DOS TAIS É O REINO DOS CÉUS. (Mt 19:14)
   Porém, agora que está morta, porque jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? EU IREI A ELA, porém ela não voltará para mim. (2Sm 12:23)


Um bebê ou criancinha não é sem pecado, nem é um salvo definitivo (no mesmo sentido em que nós, os crentes adultos, o somos): ele herdou depravação e culpa, é pecador Sl 51:5; 58:3; Jó 14:4. Rever a doutrina do pecado original e da total depravidade do homem, em http://solascriptura-tt.org/AntropologiaEHamartologia/ (Antropologia é a doutrina sobre o homem, e Hamartiologia é a doutrina sobre o pecado).
   Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe. (Sl 51:5)
   Alienam-se os ímpios desde a madre; andam errados desde que nasceram, falando mentiras. (Sl 58:3)
   Quem do imundo tirará o puro? Ninguém. (Jó 14:4)


Um bebê ou criancinha não "É (tempo presente) um salvo que talvez perderá sua salvação posteriormente, se não vier a ser convertido". Por um lado, em http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/ (Soteriologia é a doutrina da salvação), rever como salvação é permanente e definitiva, não pode ser perdida. Por outro lado, ver abaixo como a salvação do bebê ou criancinha deve ser falada com o verbo no tempo futuro, não no tempo presente.

Certo, se um bebê ou criancinha morrer antes de alcançar a idade da razão e responsabilidade, será salvo. Mas não sabemos exatamente o porquê, nem o como, nem o quando ele estará no gozo do Senhor. É melhor usarmos o verbo no futuro e dizermos que ele SERÁ salvo (cremos que isto ocorrerá no instante em que ele morrer, mas não temos certeza sobre este tempo), do que usarmos o verbo no presente e dizermos que ele ESTÁ salvo. Só sabemos que, em algum tempo, Deus declarará definitivamente perdoado e salvo todo bebê ou criancinha que morrer antes de alcançar a idade da razão e responsabilidade. Repetindo tudo, em outras palavras: o bebê ou a criancinha não está, mas sim será salvo, pois salvação é só pela aplicação do sangue do Cristo através da fé, é definitiva, é incapaz de ser perdida, e o bebê ou criancinha ainda não teve aplicado o sangue do Cristo através da fé.

Certo, se um bebê ou criancinha morrer antes de alcançar a idade da razão e responsabilidade, será salvo, estará definitiva e eternamente no gozo do Senhor. Mas não fará parte da noiva do Cristo (a assembleia local totalizada futura), pois esta abrangerá somente os que morreram "EM Cristo" (1Ts 4:16), isto é, os crentes desta dispensação das assembleias locais. Portanto, o bebê ou criancinha fará parte dos convidados para o casamento, ou dos amigos do noivo, mas não fará parte da noiva.
   13 ¶ Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. 14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. 15 Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. 16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram EM CRISTO ressuscitarão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. (1Ts 4:13-17)

Não é por ser filho de casal salvo que uma pessoa estará salva se morrer depois de ter alcançado a idade da razão e responsabilidade, ter deixado de ser bebê e criancinha (Jo 1:13; 3:3-5) 
   Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. (Jo 1:13)
   3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? 5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. (Jo 3:3-5)


Um bebê ou criancinha não é um salvo definitivo, depois que alcançar a idade da razão e responsabilidade ele terá que crer no Cristo para ser salvo definitivamente. Ver, acima, Jo 1:13; 3:3-5.

Quanto a 1Co 7:14 ("Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos."), claramente o verso não está dizendo que a criança filha de crentes é moralmente santa e perfeita, nem salva. Assim como toda espécie de alimento é santificado pela oração (1Tm 4:5), de modo que um crente pode recebê-lo sem contaminação espiritual, assim também com seu cônjuge e filhos, ainda não salvos, podem por ele ser recebidos e amados sem contaminação espiritual. Ademais, o cônjuge descrente e os filhos receberão as boas influências santificadoras do cônjuge crente (mas terão que crer para serem salvos).

Alguém quer traduzir What About Children Being Saved? Jean Gibson http://www.plymouthbrethren.org/article/5085 ?


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas. (Mas traduzimos "baptizo", ao invés de transliterá-lo). Para começar a ter uma idéia da gravidade de muitas das MILHARES de deturpações de todas as "Bíblias" alexandrinas (baseadas no Texto dos incessantes Críticos), em relação às Bíblias do TR, leia, por EXEMPLO, http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-Traducoes/AAlmeidaAtualizadaExposta-Helio.htm
http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-PreservacaoTT/ExpondoErrosNVI-Jun2000-Emidio.htm




(retorne a http://solascriptura-tt.org/EscatologiaEBatistas/00Helio-index.htm
retorne a http://solascriptura-tt.org/EscatologiaEBatistas/
retorne a http://solascriptura-tt.org/)