Was St. Augustine a Protestant?

St. Augustine is one of the greatest of catholic saints.  He is revered by Western christians both Roman Catholic and Protestant, and especially by Calvinists and Lutherans.  Dr. R. C. Sproul, a leading Calvinist theologian and writer in the U.S. has written that he (Sproul) is an "Augustinian".  On a theological forum sponsored by Dr. Sproul's ministry, a participant made the audacious statement that "Calvin and Luther did not teach anything that Augustine did not teach."  Such statements are severely misinformed.  After listening to these Protestants make the "Augustinian" claim, I have come to realize that what they mean is that they accept Augustine's ideas of absolute predestination and salvation by grace.  Catholics affirm with Protestants that salvation is by God's grace.  However, in regards to predestination, the Catholic Church has not made a dogmatic statement on the matter.  In his writings on predestination, St. Augustine gave his private opinions and not the catholic consensus of the church.  It is noteworthy that St. Augustine is nearly alone in affirming absolute predestination.  His contemporaries and those who followed him did not follow such a rigid system but allowed the freedom of the will.

In his writings outside of his speculations on predestination, St. Augustine was generally reflecting the catholic consensus of the time, and the beliefs which he held as the catholic bishop of Hippo in North Africa.  Here are some of the catholic beliefs of Aurelius Augustine, catholic Bishop of Hippo:

1.     The canon of Scripture includes the Septuagint OT canon (deuterocanonicals, Apocrypha)

2.     Authoritative Tradition

3.     Baptismal regeneration and grace

4.     Necessity of baptism for salvation

5.     Real presence of Christ in the Eucharist (Lord's Supper)

6.     The Mass is a sacrifice

7.     Necessity of the Lord's Supper for salvation

8.     Purgatory and praying for the departed

9.     The communion of saints and saintly intercession

10. Authority of the Catholic Church

11. Apostolic Succession

12. Possibility of falling from grace

13. The sacrament of penance

14. Mary was ever virgin

After looking at these beliefs, if someone claimed to be Augustinian, I think it is rather obvious that they would not be a Calvinist or a Protestant, but Catholic. Although some Protestant denominations such as the Lutherans may accept some of these beliefs, no Protestant denomination will accept them all.  Calvinists reject every single one of these beliefs of Augustine.  If anyone was to preach all these beliefs in a Protestant church, he would immediately be branded an arch heretic--yet, Protestants quote Augustine and consider him a hero.  A heretic is a hero?  At one of his ministry conferences, Dr. Sproul made the statement that (paraphrased), "Anyone who believes in Purgatory knows nothing of the Gospel."  The implications of Dr. Sproul's extreme statement is that St. Augustine was not even a Christian.  It seems somewhat hypocritical and logically contradictory to me for people like Dr. Sproul to count Augustine as "one of their own", yet in other places to make statements that would exclude him from even being a Christian.  It is time for Calvinists to be honest and admit that they are really not Augustinian, but that they follow Calvin alone. Remember one other thing: If Calvin and Luther taught the same doctrines as Augustine, they would not have been excommunicated. St. Augustine is considered an orthodox Doctor of Theology for the Catholic Church and the patron saint of theologians whereas Luther and Calvin are not.  For more information, see Dave Armstrong's page on St. Augustine and St. Thomas Aquinas.

 


Augustine believed the canon of Scripture to contain the Greek OT canon also known today as the deuterocanonicals or "Apocrypha"

"The whole canon of the Scriptures, however, in which we say that consideration is to be applied, is contained in these books: the five of Moses . . . and one book of Joshua [Son of] Nave, one of Judges; one little book which is called Ruth . . . then the four of Kingdoms, and the two of Paralipomenon . . . . [T]here are also others too, of a different order . . . such as Job and Tobit and Esther and Judith and the two books of Maccabees, and the two of Esdras . . . . Then there are the Prophets, in which there is one book of the Psalms of David, and three of Solomon. . . . But as to those two books, one of which is entitled Wisdom and the other of which is entitled Ecclesiasticus and which are called `of Solomon' because of a certain similarity to his books, it is held most certainly that they were written by Jesus Sirach. They must, however, be accounted among the prophetic books, because of the authority which is deservedly accredited to them" (Christian Instruction 2:8:13 [A.D. 397]).


Augustine Believed in Authoritative Tradition

"[T]he custom [of not rebaptizing converts] . . . may be supposed to have had its origin in Apostolic Tradition, just as there are many things which are observed by the whole Church, and therefore are fairly held to have been enjoined by the Apostles, which yet are not mentioned in their writings" (On Baptism, Against the Donatists 5:23[31] [A.D. 400]).

"But the admonition that he [Cyprian] gives us, 'that we should go back to the fountain, that is, to Apostolic Tradition, and thence turn the channel of truth to our times,' is most excellent, and should be followed without hesitation" (ibid., 5:26[37]).

"But in regard to those observances which we carefully attend and which the whole world keeps, and which derive not from Scripture but from Tradition, we are given to understand that they are recommended and ordained to be kept, either by the Apostles themselves or by plenary [ecumenical] councils, the authority of which is quite vital in the Church" (Letter to Januarius [A.D. 400]).


Augustine believed in Baptismal Regeneration and Grace

"It is this one Spirit who makes it possible for an infant to be regenerated . . . when that infant is brought to baptism; and it is through this one Spirit that the infant so presented is reborn. For it is not written, `Unless a man be born again by the will of his parents' or `by the faith of those presenting him or ministering to him,' but, `Unless a man be born again of water and the Holy Spirit.'The water, therefore, manifesting exteriorly the sacrament of grace, and the Spirit effecting interiorly the benefit of grace, both regenerate in one Christ that man who was generated in Adam" (Letters 98:2 [A.D. 412]).

"Baptism washes away all, absolutely all, our sins, whether of deed, word, or thought, whether sins original or added, whether knowingly or unknowingly contracted" (Against Two Letters of the Pelagians 3:3:5 [A.D. 420]).


Augustine Believed Baptism was Necessary for Salvation

"There are three ways in which sins are forgiven: in baptism, in prayer, and in the greater humility of penance; yet God does not forgive sins except to the baptized" (Sermons to Catechumens, on the Creed 7:15 [A.D. 395]).

"[According to] Apostolic Tradition . . . the Churches of Christ hold inherently that without baptism and participation at the table of the Lord it is impossible for any man to attain either to the kingdom of God or to salvation and life eternal. This is the witness of Scripture too" (Forgiveness and the Just Deserts of Sin, and the Baptism of Infants 1:24:34 [A.D. 412]).

However, he did allow for exceptions--what he called baptism of desire or blood(martyrdom).

"That the place of baptism is sometimes supplied by suffering is supported by a substantial argument which the same blessed Cyprian draws from the circumstance of the thief, to whom, although not baptized, it was said, `Today you shall be with me in paradise' [Luke 23:43]. Considering this over and over again, I find that not only suffering for the name of Christ can supply for that which is lacking by way of baptism, but even faith and conversion of heart [i.e., baptism of desire] if, perhaps, because of the circumstances of the time, recourse cannot be had to the celebration of the mystery of baptism" (ibid., 4:22:29).


Augustine Believed in the Real Presence

"Christ was carried in his own hands when, referring to his own Body, he said, 'This is my Body' [Matt. 26:26]. For he carried that body in his hands" (Explanations of the Psalms 33:1:10 [A.D. 405]).

"I promised you [new Christians], who have now been baptized, a sermon in which I would explain the sacrament of the Lord's Table, which you now look upon and of which you last night were made participants. You ought to know that you have received, what you are going to receive, and what you ought to receive daily. That bread which you see on the altar, having been sanctified by the word of God, is the Body of Christ. That chalice, or rather, what is in that chalice, having been sanctified by the word of God, is the Blood of Christ" (Sermons227 [A.D. 411]).

"What you see is the bread and the chalice; that is what your own eyes report to you. But what your faith obliges you to accept is that the bread is the Body of Christ and the chalice is the Blood of Christ. This has been said very briefly, which may perhaps be sufficient for faith; yet faith does not desire instruction" (ibid., 272).


Augustine Believed the Mass to be a Sacrifice

"In the sacrament he is immolated for the people not only on every Easter Solemnity but on every day; and a man would not be lying if, when asked, he were to reply that Christ is beingimmolated. For if sacraments had not a likeness to those things of which they are sacraments, they would not be sacraments at all; and they generally take the names of those same things by reason of this likeness" (Letters 98:9 [A.D. 412]).

"For when he says in another book, which is called Ecclesiastes, 'There is no good for a man except that he should eat and drink' [Eccl. 2:24], what can he be more credibly understood to say [prophetically] than what belongs to the participation of this table which the Mediator of the New Testament himself, the priest after the order of Melchizedek, furnishes with his own body and blood? For that sacrifice has succeeded all the sacrifices of the Old Testament, which were slain as a shadow of what was to come. . . . Because, instead of all these sacrifices and oblations, his body is offered and is served up to the partakers of it" (The City of God 17:20 [A.D. 419]).


Augustine Believed in the Necessity of the Lord's Supper for Salvation

"[According to] Apostolic Tradition . . . the Churches of Christ hold inherently that without baptism and participation at the table of the Lord it is impossible for any man to attain either to the kingdom of God or to salvation and life eternal. This is the witness of Scripture too" (Forgiveness and the Just Deserts of Sin, and the Baptism of Infants 1:24:34 [A.D. 412]).


Augustine Believed in Purgatory and Praying for the Departed

"That there should be some fire even after this life is not incredible, and it can be inquired into and either be discovered or left hidden whether some of the faithful may be saved, some more slowly and some more quickly in the greater or lesser degree in which they loved the good things that perish, through a certain purgatorial fire" (Handbook on Faith, Hope, and Charity 18:69 [A.D. 421]).

"We read in the books of the Maccabees [2 Macc. 12:43] that sacrifice was offered for the dead. But even if it were found nowhere in the Old Testament writings, the authority of the Catholic Church which is clear on this point is of no small weight, where in the prayers of the priest poured forth to the Lord God at his altar the commendation of the dead has its place" (The Care to be Had for the Dead 1:3 [A.D. 421]).


Augustine Believed In the Communion of Saints and Saintly Intercession

"A Christian people celebrates together in religious solemnity the memorials of the martyrs, both to encourage their being imitated and so that it can share in their merits and be aided by their prayers" (Against Faustus the Manichean [A.D. 400]).

"At the Lord's table we do not commemorate martyrs in the same way that we do others who rest in peace so as to pray for them, but rather that they may pray for us that we may follow in their footsteps" (Homilies on John 84 [A.D. 416]).

"For even now miracles are wrought in the name of Christ, whether by his sacraments or by the prayers or relics of his saints . . . The miracle which was wrought at Milan when I was there. . . [and when people] had gathered to the bodies of the martyrs Protasius and Gervasius, which had long lain concealed and unknown but where now made known to the bishop Ambrose in a dream and discovered by him" (City of God 22:8 [A.D. 419]).

This last quote showed that Augustine believed there was something special about the relics of the saints. Show me a Protestant who believes that! 
 


Augustine Believed in the Authority of the Church

"We must hold to the Christian religion and to communication in her Church, which is Catholic and which is called Catholic not only by her own members but even by all her enemies. For when heretics or the adherents of schisms talk about her, not among themselves but with strangers, willy-nilly they call her nothing else but Catholic. For they will not be understood unless they distinguish her by this name which the whole world employs in her regard" (The True Religion 7:12 [A.D. 390]).

"If you should find someone who does not yet believe in the gospel, what would you [Mani] answer him when he says, 'I do not believe'? Indeed, I would not believe in the gospel myself if the authority of the Catholic Church did not move me to do so" (Against the Letter of Mani Called 'The Foundation' 5:6).
"Ego vero evangelio non crederem, nisi me Catholicae ecclesiae commoveret autoritas .... Sed absit ut ego Evangelio non credam. Illi enim credens, non invenio quomodo possim etiam tibi [Manichaeus] credere. Apostolorum enim nomina, quae ibi leguntur, non inter se continent nomen Manichaei." Contra Epist. Manichaei, quam vocant fundamenti, cap. 6 (ed. Bened. tom. viii. p. 154)

See also the section on Purgatory whence Augustine claims belief in Purgatory would be proper if even only based on the teaching of the Church. Augustine's belief in the authority of the church shows that he did not teach sola scriptura. 
 


Augustine Believed in Apostolic Succession

"If the very order of episcopal succession is to be considered, how much more surely, truly, and safely do we number them [the bishops of Rome] from Peter himself, to whom, as to one representing the whole Church, the Lord said, 'Upon this rock I will build my Church, and the gates of hell shall not conquer it.' Peter was succeeded by Linus, Linus by Clement . . . In this order of succession a Donatist bishop is not to be found" (Letters 53:1:2 [A.D. 412]).

"[T]here are many other things which most properly can keep me in [the Catholic Church's] bosom. The unanimity of peoples and nations keeps me here. Her authority, inaugurated in miracles, nourished by hope, augmented by love, and confirmed by her age, keeps me here. The succession of priests, from the very see of the Apostle Peter, to whom the Lord, after his resurrection, gave the charge of feeding his sheep [John 21:15-17], up to the present episcopate, keeps me here. And last, the very name Catholic, which, not without reason, belongs to this Church alone, in the face of so many heretics, so much so that, although all heretics want to be called 'Catholic,' when a stranger inquires where the Catholic Church meets, none of the heretics would dare to point out his own basilica or house" (Against the Letter of Mani Called 'The Foundation' 4:5 [A.D. 397]).


Augustine Believed in the Possibility of Falling from Grace

"I assert, therefore, that the perseverance by which we persevere in Christ even to the end is the gift of God; and I call that the end by which is finished that life wherein alone there is peril of falling. Therefore it is uncertain whether any one has received this gift so long as he is still alive. For if he fall before he dies, he is, of course, said not to have persevered; and most truly is it said." (On The Gift Of Perseverance)


Augustine Believed in the Sacrament of Penance

"When you shall have been baptized, keep to a good life in the commandments of God so that you may preserve your baptism to the very end. I do not tell you that you will live here without sin, but they are venial sins which this life is never without. Baptism was instituted for all sins. For light sins, without which we cannot live, prayer was instituted. . . . But do not commit those sins on account of which you would have to be separated from the body of Christ. Perish the thought! For those whom you see doing penance have committed crimes, either adultery or some other enormities. That is why they are doing penance. If their sins were light, daily prayer would suffice to blot them out. . . . In the Church, therefore, there are three ways in which sins are forgiven: in baptisms, in prayer, and in the greater humility of penance" (Sermon to Catechumens on the Creed 7:15, 8:16 [A.D. 395]).

"I realize what the incontinent can say: . . . that if a man, accusing his wife of adultery, kills her, this sin, since it is finished and does not perdure in him [i.e., since he does not keep committing it], if it is committed by a catechumen, is absolved in baptism, and if it is done by one who is baptized, it is healed by penance and reconciliation" (Adulterous Marriages 2:16:16 [A.D. 419]).

Augustine's belief in penance (and the necessity of baptism and the Eucharist) puts a death knell in the opinion that he taught sola fide. 
 


Augustine Believed Mary To Be Ever Virgin

Mary "remained a virgin in conceiving her Son, a virgin in giving birth to him, a virgin in carrying him, a virgin in nursing him at her breast, always a virgin." (Sermon 186)

"Heretics called Antidicomarites are those who contradict the perpetual virginity of Mary and affirm that after Christ was born she was joined as one with her husband" (Heresies 56).


Augustine On Mary's Sinlessness/Sinfulness

We must except the holy Virgin Mary, concerning whom I wish to raise no question when it touches the subject of sins, out of honour to the Lord; for from Him we know what abundance of grace for overcoming sin in every particular was conferred upon her who had the merit to conceive and bear Him who undoubtedly had no sin. (On Nature and Grace, XXXVI)

Augustine does not come out and say whether he thinks Mary is sinless. Out of "honour to the Lord" he is silent about whether Mary was sinful or sinless. Augustine shows some restraint which would be good to remember and to emulate. 

 

Foi Santo Agostinho um Protestante?

( FALTA TRADUZIR  À MÃO, ESTA COISA FEITA POR GOOGLE È HORRÍVELMENTE ERRADA. Quem quer ajudar a traduzir? )

Santo Agostinho é um dos maiores santos católicos. Ele é venerado pelos cristãos ocidentais tanto católicos e protestantes, e especialmente pelos calvinistas e luteranos. Dr. RC Sproul, um importante teólogo calvinista e escritor dos E.U. tem escrito que ele ( Sproul) é um "agostiniano". Em um fórum patrocinado pela teológica do ministério Dr. Sproul , um participante fez a afirmação audaciosa de que "Calvino e Lutero não ensinam nada que Agostinho não ensinou." Tais afirmações estão gravemente mal informado. Depois de ouvir estes protestantes fazem o "crédito" agostiniano, eu vim a perceber que o que eles querem dizer é que eles aceitam as idéias de Agostinho da predestinação absoluta ea salvação pela graça. católicos afirmam os protestantes que a salvação é pela a graça de Deus. Entretanto, no que diz respeito à predestinação, a Igreja Católica não fez uma declaração dogmática sobre o assunto. Em seus escritos sobre a predestinação, Santo Agostinho deu sua opinião particular e não o consenso da igreja católica. Note-se que Santo Agostinho está praticamente sozinho em afirmar a predestinação absoluta. Seus contemporâneos e aqueles que o seguiram não seguir tal sistema rígido, mas permitiu a liberdade da vontade.

Em seus escritos fora de suas especulações sobre a predestinação, St. Augustine era geralmente refletindo o consenso católico da época, e as crenças que ele considerada como o Bispo de Hipona, no Norte de África. Aqui estão algumas das crenças católicas de Aurélio Agostinho, Bispo de Hipona:

1.     O cânon das Escrituras inclui o cânon do Velho Testamento da Septuaginta (os livros deuterocanônicos, Apocrypha)

2.     Tradição Authoritative

3.     Regeneração e graça através do batismo

4.     Necessidade do batismo para a salvação

5.     Presença real de Cristo na Eucaristia (Ceia do Senhor)

6.     A missa é um sacrifício

7.     Necessidade da Ceia do Senhor para a salvação

8.                 Purgatório e rezar pelo morto

  1. A comunhão dos santos e santas intercessão
  2. Autoridade da Igreja Católica
  3. Sucessão Apostólica
  4. Possibilidade de queda de graça
  5. O sacramento da penitência
  6. Maria foi sempre virgem

Depois de olhar para essas crenças, se alguém pretendia ser agostiniano, eu acho que é bastante óbvio que não seria um calvinista ou protestante, mas católica. Embora algumas denominações protestantes, como os luteranos pode aceitar algumas dessas crenças, nenhuma denominação protestante irá aceitá-los todos. Calvinistas rejeitar cada uma dessas crenças de Agostinho. Se alguém estava a pregar todas essas crenças em uma igreja protestante, ele imediatamente ser classificado como um herege arco - contudo, os protestantes citar Agostinho e considerá-lo um herói. Um herege é um herói? Em uma das conferências do ministério dele, Dr. Sproul faz a declaração de que (parafraseado), "Quem acredita no purgatório não sabe de nada do Evangelho. "As implicações da declaração de extrema Dr. Sproul é que Santo Agostinho não era mesmo um cristão. Parece um tanto hipócrita e logicamente contraditórias para mim, para pessoas como o Dr. Sproul contar Agostinho como" um dos seus ", ainda em outros lugares para fazer declarações que excluí-lo do mesmo ser um cristão. É tempo de calvinistas que ser honesto e admitir que eles não são realmente agostiniano, mas que elas seguem Calvin sozinho. Lembre-se de uma coisa: Se Calvin e Luther ensinavam as mesmas doutrinas, como Agostinho, não teria sido excomungado. St. Agostinho é considerado um médico ortodoxo de Teologia para a Igreja Católica e padroeiro dos teólogos Considerando que Lutero e Calvino não são. Para mais informações, consulte Dave Armstrong página sobre Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino .

 


Agostinho acreditava que o cânon das Escrituras continha o Cânon do Velho Testamento em grego [a Septuaginta], também conhecidos hoje como livros  deuterocanônicos ou "apócrifos"

"O cânon inteiro da Bíblia, porém, em que dizemos que o exame deve ser aplicada, está contida nos livros: os cinco de Moisés... E um livro de Josué Filho [de] Nave, um dos juízes, um livrinho que se chama Ruth... então os quatro reinos, e os dois Paralipomenon....] T [aqui também são outros também, de uma ordem diferente... como Jó e Tobit e Esther e Judith e os dois livros dos Macabeus, e os dois de Esdras.... Depois, há os Profetas, em que há um livro dos Salmos de David, e três de Salomão.... Mas, a esses dois livros, um dos que tem direito a Sabedoria ea outra das quais é o direito Eclesiástico e que são chamados de `de Salomão", porque de uma certa semelhança com os seus livros, é realizado, certamente que eles foram escritos por Jesus Sirach. Devem, no entanto, ser contabilizados entre os livros proféticos, por causa da autoridade que é merecidamente credenciados a eles "(Instrução Cristã 2:8:13 [397 dC]).


Agostinho acreditava na Tradição Authoritative

"[A] [costume de não rebaptizing converte]... Pode ser suposto ter tido sua origem na Tradição Apostólica, assim como há muitas coisas que são observados por toda a Igreja e, portanto, são bastante detidos ter sido intimados pelos Apóstolos, que ainda não são mencionados em seus escritos "(On Batismo, contra os donatistas 5:23 [31] [400 dC]).

"Mas a advertência de que ele [São Cipriano] nos dá, de que deveríamos voltar à fonte, isto é, a Tradição Apostólica, e daí por sua vez o canal da verdade de nossos tempos, é o mais excelente, e deve ser seguido sem hesitação "(ibid., 5:26 [37]).

"Mas no que diz respeito às observâncias que atender cuidadosamente e que todo o mundo mantém, e que não derivam das Escrituras, mas da Tradição, que é dado a entender que eles são recomendados e ordenado para ser guardado, quer pelos próprios apóstolos ou por [plenário ecumênico] conselhos, cuja autoridade é muito vital na Igreja "(Carta a Januarius [400 dC]).


Agostinho acreditava na regeneração e graça através do batismo

"É este Espírito quem torna possível para uma criança para ser regenerado... Quando a criança é trazida para o batismo, e é com este espírito que o bebê assim apresentado é renascer. Pois não está escrito,« Salvo um homem nascer de novo, pela vontade de seus pais »ou« pela fé daqueles que apresentam-lo ou ministrar-lhe, "mas," menos que um homem nascer de novo da água e do Espírito Santo. "A água, portanto, manifestando-se exteriormente o sacramento da graça, e do Espírito efetuar interiormente o benefício da graça, tanto regenerar em um Cristoque o homem que foi gerado em Adão "(Letters 98:2 [412 dC]).

"O batismo lava tudo, absolutamente tudo, os nossos pecados, seja de ação, palavra ou pensamento, se os pecados original ou adicionado, se consciente ou inconscientemente contratada"(contra duas cartas do Pelagians 3:3:5 [AD 420]) .


Agostinho acreditava que batismo era necessário para a salvação

"Há três maneiras em que os pecados são perdoados: no batismo, na oração e na maior humildade, penitência, porém, Deus não perdoa pecados, exceto para os batizados" (Sermões aos Catecúmenos sobre o Credo 7:15 [395 dC ]).

"[De acordo com] Tradição Apostólica... Igrejas de Cristo espera que inerentemente sem batismo ea participação na mesa do Senhor é impossível para qualquer homem para atingir, quer para o reino de Deus ou a salvação ea vida eterna. Esta é a o testemunho da Escritura too "(perdão e os desertos Just do Pecado, eo batismo de crianças 1:24:34 [412 dC]).

No entanto, ele permite exceções - que ele chamou de batismo de desejo ou de sangue (o martírio).

"Esse lugar do batismo é por vezes fornecidos pelo sofrimento é suportado por um argumento substancial que o bendito Cipriano mesmo retira da circunstância de o ladrão, a quem, embora não batizado, dizia-se, hoje` você estará comigo no paraíso "[Lucas 23:43]. Considerando este repetidas vezes, eu acho que o sofrimento não só para o nome de Cristo pode fornecer para o que está faltando por meio do batismo, mas até mesmo a fé ea conversão de [ou seja, o coração, o batismo de ] desejo se, talvez, devido às circunstâncias do tempo, o recurso não pode ser tida em conta a celebração do mistério do batismo "(ibid., 4:22:29).


Agostinho acreditava na presença real [de Cristo, na Hóstia]

"Cristo foi realizada em suas próprias mãos, quando, referindo-se a seu próprio corpo, ele disse, 'Isto é meu corpo" [Matt. 26:26]. Para ele carregava aquele corpo em suas mãos"(Declarações dos Salmos 33:1 : 10 [405 dC]).

"Eu prometi-lhe [novos cristãos], que já foi batizado, um sermão em que eu iria explicar o sacramento do Senhor, a tabela, que agora olha e do que você na noite passada foram feitos participantes. Você deve saber que você ter recebido, o que você vai receber, eo que você deve receber diariamente. Aquele pão que você vê no altar, tendo sido santificado pela palavra de Deus, é o Corpo de Cristo. Aquele cálice, ou melhor, o que é nesse cálice, tendo sido santificado pela palavra de Deus, é o Sangue de Cristo "(Sermões 227 [411 dC]).

"O que você vê é o pão eo cálice, é o que os seus próprios olhos relatório para você. Mas, o que obriga você a sua fé para aceitar é que o pão é o Corpo de Cristo eo cálice é o Sangue de Cristo. Esta tem sido disse muito brevemente, o que talvez possa ser suficiente para a fé, a fé ainda é o desejo de instrução não "(ibid., 272).


Agostinho acreditava que a missa é um sacrifício

"No sacramento está imolado para as pessoas não só em cada solenidade da Páscoa, mas a cada dia, e um homem não estaria mentindo se, quando perguntado, ele estava a resposta de que Cristo está sendo imolado. Sacramentos Pois se não tivesse uma semelhança para essas coisas de que são os sacramentos, não seria em todos os sacramentos, e eles geralmente levam os nomes das mesmas coisas por causa dessa semelhança "(Letters 98:9 [412 dC]).

"Pois, quando ele diz em outro livro, que é chamado de Eclesiastes," Não há nenhum bom para um homem só que ele deve comer e beber "[Eccl.] 2:24, o que ele pode ser mais credível compreendido ao dizer [profeticamente] do que aquilo que pertence à participação deste quadro que o Mediador do Novo Testamento, ele mesmo, o sacerdote, após a ordem de Melquisedeque, fornece com seu próprio corpo e sangue? Para que o sacrifício conseguiu todos os sacrifícios do Antigo Testamento, que foram mortos como uma sombra do que estava por vir.... Porque, em vez de todos estes sacrifícios e oblações, seu corpo é oferecida e é servido até as participantes do mesmo "(A Cidade de Deus 17:20 [AD 419]).


Agostinho acreditava na necessidade da Ceia do Senhor para a Salvação

"[De acordo com] Tradição Apostólica... Igrejas de Cristo espera que inerentemente sem batismo e a participação na mesa do Senhor é impossível para qualquer homem para atingir, quer para o reino de Deus ou a salvação ea vida eterna. Esta é a o testemunho da Escritura too "(perdão e os desertos Just do Pecado, eo batismo de crianças 1:24:34 [412 dC]).


Agostinho acreditava no purgatório e em rezar em favor dos Mortos

"Isso deve haver algum fogo, mesmo após esta vida não é incrível, e pode ser examinado e quer ser descoberto ou se deixou escondido alguns dos fiéis podem ser salvos, alguns mais lentamente e mais rapidamente na maior ou menor grau em que incluiu as coisas boas que se perdem, por meio de um fogo purificador certo "(Manual de Fé, Esperança e Caridade 18:69 [421 dC]).

"Nós lemos nos livros do [Macabeus 2 Macc. 12:43] que o sacrifício foi oferecido para os mortos. Mas mesmo que fosse encontrada em nenhum lugar do Antigo Testamento, escritos, a autoridade da Igreja Católica, que é clara neste ponto não tem peso pequeno, onde nas orações do padre derramou ao Senhor Deus em seu altar o louvor dos mortos tem o seu lugar"(O cuidado a ser tido em proporção 1:3 Dead [421 dC]).


Agostinho acreditava na comunhão dos santos e santas Intercessão

"O povo cristão celebra juntos em solenidade religiosa os memoriais dos mártires, tanto para encorajar serem imitados e para que possa partilhar os seus méritos e ser ajudado por suas orações" (Contra o Fausto [maniqueísta de 400 dC]).

"Ao Senhor, a tabela não comemorar os mártires da mesma maneira que nós outros, que descanse em paz, a fim de orar por eles, mas sim que eles podem orar por nós para que sigamos os seus passos" (Homilias sobre João 84 [416 dC]).

"Porque até hoje os milagres são feitas em nome de Cristo, seja por seus sacramentos e pelas orações ou relíquias dos seus santos... O milagre que foi feito em Milão, quando eu estava lá... [E] as pessoas se reuniam para os corpos dos mártires Protásio e Gervásio, que tinha ficado muito tempo escondido e desconhecido, mas que agora a conhecer o bispo Ambrósio, em um sonho e foi descoberto por ele "(Cidade de Deus 22:8 [419 dC]).

Esta última citação mostra que Agostinho acreditava que havia algo especial sobre as relíquias dos santos. Mostre-me um protestante que acredita! 
 


Agostinho acreditava na autoridade da Igreja

"Nós devemos nos apegar à religião cristã e à comunicação em sua Igreja, que é católica e que é chamado de católico, não só por seus próprios membros, mas ainda por todos os seus inimigos. Porque, quando os hereges ou os adeptos do cismas falar sobre ela, não entre em si, mas com estranhos, quer queira quer não lhe chamam mais nada, mas católica. Para eles não vão ser entendido a não ser que distingui-la por esse nome que o mundo inteiro utiliza em sua matéria "(The True Religion 7:12 [390 dC]) .

"Se você encontrar alguém que ainda não crêem no evangelho, o que você [Mani] responder quando ele diz:" Eu não acredito? Na verdade, eu não acreditaria no Evangelho me se a autoridade da Igreja Católica Igreja não me move a fazê-lo "(Contra a Carta de Mani chamado" A Fundação "5,6).
"Ego vero evangelio non crederem, nisi me Catholicae ecclesiae commoveret autoritas .... Sed absit ut ego Evangelio non credam. Illi enim credens, non invenio quomodo possim etiam tibi [Manichaeus] credere. Apostolorum enim nomina, quae ibi leguntur, non inter se continent nomen Manichaei." Contra Epist. Manichaei, quam vocant fundamenti, cap. 6 (ed. Bened. tom. viii. p. 154)

Veja também a seção sobre o purgatório de onde Agostinho afirma a crença no Purgatório seria bom mesmo que apenas com base na doutrina da Igreja. Agostinho da crença na autoridade da igreja mostra que ele não ensinava a sola scriptura. 
 


Agostinho acreditava na sucessão apostólica

"Se a própria ordem da sucessão episcopal deve ser considerado, quanto mais certamente, verdadeiramente, e seguramente podemos numerá-los [os bispos de Roma], de Peter si mesmo, a quem, como a um representando toda a Igreja, o Senhor disse: "Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não deve conquistá-lo." Peter foi sucedido por Linus, Linus por Clemente... Nesta ordem de sucessão de um bispo donatista não é para ser encontrado "(Letters 53:1:2 [412 dC]).

"T] [Aqui estão muitas outras coisas que mais corretamente pode manter-me em [Igreja] de seio católico o. Necessária a unanimidade dos povos e nações que me mantém aqui. Sua autoridade, inaugurado em milagres, alimentada pela esperança, agravado por amor, e confirmado por sua idade, que me mantém aqui. A sucessão de sacerdotes, desde o ver muito do Apóstolo Pedro, a quem o Senhor, depois de sua ressurreição, deu o encargo de apascentar Suas ovelhas [João 21:15-17], até o episcopado presente, que me mantém aqui. E por último, o próprio nome católico, que, não sem razão, pertence a esta Igreja sozinho, na cara de muitos hereges, assim, tanto que, embora todos os hereges querem ser chamados «católicos, "quando um estranho pergunta se a Igreja Católica se encontra, nenhum dos hereges que ousam apontar sua própria basílica ou casa" (Contra a Carta de Mani Chamado '4:5 [Fundação O AD 397]).


Agostinho Acreditava na Possibilidade de Queda da Graça [JÁ TRADUZI]

"Afirmo, portanto, que a perseverança pela qual nós perseveramos em Cristo até o fim [das nossas vidas] é o dom de Deus, e chamo aquele [final] o final através do qual é terminada aquela vida na qual somente [nela] há perigo de queda. Portanto, é incerto se qualquer um tem recebido este dom, enquanto ele ainda está vivo. Porque, se ele cair antes de morrer, é óbvio que não se diz que ele tem perseverado; e isto é dito com a maior verdade. "(Sobre o Dom da Perseverança)


Comentário por Hélio:
Enviei a tradução acima a muitos calvinistas, a maioria deles ferrenhos admiradores de Agostinho, perguntando-lhes:
A tradução do latim para o inglês (de onde eu traduzi para português) está certa? Está certa mesmo? Chocante! Qual a diferença para o Arminianismo?

O diálogo com único calvinista que me respondeu sem me agredir foi:

Alguém: “Não se está aqui intentando dizer que o Cristão verdadeiro pode cair,”

Hélio: Mas como uma pessoa poderá ter absoluta certeza de que é um cristão <verdadeiro>? Agostinho implica que absolutamente ninguém pode saber com certeza absoluta se irá mesmo ser salvo do inferno e irá para o céu eterno: cada e todo crente terá que esperar para ver se persevera até o fim.

Alguém: “mas se está alertando a respeito da possível ‘presunção de salvação’ daqueles que, sem uma base firme para a fé, se acham salvos. Aqui Agostinho está argumentando que se alguém abandona a fé antes da morte então, obviamente, este não perseverou, não recebeu o dom da perseverança. Mas se alguém seguiu até o fim com fé em Cristo Jesus, então, claramente, este homem que perseverou, perseverou porque recebeu o dom de Deus para isto.”

Hélio: Então Agostinho ensinou que ninguém pode ter certeza de salvação até morrer: se perseverar até o fim, é porque é um dos eleitos, e recebeu o dom da perseverança. Se não, apenas teve a indevida ‘presunção de salvação’, pareceu ser salvo, pensou ser salvo, mas nunca foi um eleito de verdade, nunca recebeu a vida eterna de verdade, nunca recebeu o dom da perseverança, nunca passou de um perdido a caminho do inferno eterno. Ora, isto resulta na mesma insegurança que têm os arminianos.
Há uma diferença entre Agostinho e os melhores dos calvinistas pós-Reforma, tais como Owen, Spurgeon, etc.
Até mesmo o pastor presbiteriano (portanto, admirador de Agostinho), Henry Knapp, em sua tese de Ph.D., reconhece (mesmo tentando suavizar as palavras e dando algumas desculpas) que "
A preocupação de Agostinho com a santidade e seus receios quanto ao mal do orgulho levaram-no a negar qualquer possibilidade (aparte da revelação especial) de um crente ter recebido segurança de sua salvação e inclusão nos eleitos." http://www.monergismo.com/textos/perseveranca/agostinho_owen_perseveranca_knapp.pdf. Que contraste com a certeza absoluta dada pela Bíblia aos crentes da dispensação das igrejas locais. Ela me ensina que não preciso ficar esperando para ver em que estado eu morrerei, se num estirão de crença ou num estirão de desobediência. A Bíblia me ensina que, se eu sei que ***CRI*** de verdade no Cristo Bíblico, se de verdade e do modo bíblico eu me arrependi e confessei meus pecados e recebi o Cristo como meu Senhor, Salvador e Deus, então a transação está consumada e seu resultado (minha salvação eterna) não pode mudar, e eu, já agora e sempre, posso ter a maior de todas as certezas de que sou e estarei sempre salvo, porque cri e não porque perseverei; porque Deus persevera, não porque eu persevero. João 20:28; At 16:30-31; 2Tm 1:12; etc.
O artigo
http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/CalvinismoVsArminianismoVsBiblia-Helio-Valdenira.htm (Uma parábola harmoniosa com a Bíblia) expõe este grave erro de Agostinho, herdado por uma má redação na Confissão de Westminster e por uma ainda pior interpretação dela por alguns (não todos) calvinistas.
“E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!” (Jo 20:28 ACF)
 “30 E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? 31 E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” (At 16:30-31 ACF)
 “Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia.” (2Tm 1:12 ACF)


Agostinho acreditava no Sacramento da Penitência

"Quando você deve ter sido batizado, manter uma boa vida nos mandamentos de Deus para que você possa preservar seu batismo até o fim. Eu não digo que você vai viver aqui sem pecado, mas eles são os pecados veniais que este a vida nunca está fora. Batismo foi instituído para todos os pecados. pelos pecados leves, sem o qual não podemos viver, a oração foi instituída.... Mas não cometer os pecados em virtude de que você teria que ser separado do corpo de Cristo . perecer o pensamento! Para aqueles que você vê fazendo penitência ter cometido crimes, ou adultério, ou algumas outras enormidades. É por isso que eles estão fazendo penitência. Se os seus pecados eram leves, a oração diária seria suficiente para apagá-los.... Em da Igreja, portanto,existem três maneiras pelas quais os pecados são perdoados: no batismo, na oração e na maior humildade da penitência "(Sermão aos Catecúmenos sobre o Credo 7:15, 8:16 [395 dC]).

"Eu percebo que a incontinência pode dizer:... Que se um homem, acusando sua mulher de adultério, mata-la, este pecado, uma vez que está acabado e não Perdure nele [isto é, uma vez que ele não mantém cometê-lo] , se for cometido por um catecúmeno, é absolvido no batismo, e se for feito por alguém que é batizado, é curado por penitência e da reconciliação "(casamentos adúlteros 2:16:16 [419 dC]).

a crença de Agostinho de penitência (e da necessidade do batismo e da Eucaristia) coloca um golpe de morte na opinião de que ele ensinava a sola fide. 
 


Agostinho acreditava Maria estar sempre Virgem

Maria "permaneceu virgem concebendo seu Filho, virgem ao dar à luz a ele, uma virgem na execução dele, uma virgem em enfermagem ele em seu peito, sempre virgem". (Sermão 186)

"Hereges chamado Antidicomarites são aqueles que contradizem a virgindade perpétua de Maria, e afirmam que Cristo nasceu depois que ela se juntou como um com o seu marido" (Heresias56).


Agostinho sobre impecabilidade de Maria

Temos exceto a Virgem Santa Maria, relativamente às quais gostaria de levantar dúvidas quando se toca no assunto dos pecados, de homenagem ao Senhor; para Dele sabemos que a abundância da graça para vencer o pecado em cada detalhe foi que lhe são conferidos que teve o mérito de conceber e dar à ele que, sem dúvida, que não tinha pecado. (Sobre a natureza ea graça, XXXVI)

Agostinho não sair e dizer se ele acha que Maria é inocente. Fora de "honra ao Senhor", ele é silencioso sobre se Maria era pecado ou sem pecado. Agostinho mostra alguma moderação que seria bom para recordar e imitar. 








http://www.willcoxson.net/faith/augprot.htm

(Nota de Hélio: Este artigo é de um católico ortodoxo, e a doutrina da igreja católica ortodoxa também não conduz à salvação.)


 








Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ PessoasNosSeculos/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )