Calvinismo versus Arminianismo versus Bíblia:

Uma parábola harmoniosa com a Bíblia





 




1) No Porto do ATEÍSMO
Havia um homem, chamemo-lo simplesmente de "Zé, Como Tantos", que morava numa terra muito distante. Ele nunca havia ouvido o Evangelho, e tinha um grande vazio em seu coração.
Sentindo que precisava encontrar algo para preencher este vazio, sentindo que precisava encontrar algo para se tornar realmente feliz, decidiu viajar pelo mundo. Andou dias e dias por uma longa estrada, enfrentando sol e chuva, mas decidido a encontrar a felicidade que faltava em sua vida.
Finalmente, chegou a um porto onde havia um gigantesco navio. No seu casco podia-se ler: A T E Í S M O.
Explicaram-lhe que o navio estava recolhendo passageiros que poderiam ficar hospedados nele, como num hotel, esperando até que, sem aviso, o navio partisse para nunca mais deixá-los sair, levando-os para o destino eterno.

Ansioso para ver o que havia dentro daquele navio, Zé decidiu entrar. Nele havia um sem número de pessoas que conversavam sobre riquezas, poder, glória, fama, sexo, prazeres. Riquezas, poder, glória, fama, sexo, prazeres. Riquezas, poder, glória, fama, sexo, prazeres. Sempre e só isso!

No mais alto, luxuoso e refinado andar do navio havia pessoas que diziam que criam na existência de Deus, mas era evidente que, para todos os fins práticos, viviam exatamente como se não cressem;

no andar intermediário havia uma frase escrita com letras vermelhas: "DEUS NÃO EXISTE!", e todos gritavam este refrão em uníssono; nos mais variados tons de amargura, dor, revolta, ódio, ofensa, desafio;

e, no mais baixo andar, havia pessoas que, com muito ódio, reconheciam a existência de Deus, mas viviam na mais grosseira rebelião contra Ele.

Todos os homens neste navio, não importa em que andar estivessem, eram, igualmente, profundamente infelizes, mais do que qualquer outra pessoa fora daquele navio. Eram sem temor a nada nem a ninguém, materialistas, mundanos, egoístas, loucos hedonistas vivendo como se nunca fossem morrer, avestruzes com a cabeça enterrada na areia sem querer encarar a realidade da morte, loucos que não queriam encarar as quatro perguntas mais básicas de todo ser humano:
            "Quem projetou e criou e mantém todo o universo?
            De onde eu vim?
            Por que estou aqui?
            Para onde eu vou?"

Zé ficou hospedado anos e anos naquele navio, cada dia era como se ganhasse o prêmio Nobel da fama, farrasse o maior carnaval do mundo, ganhasse o maior prêmio da loteria e beleza e saúde, cada dia fosse o campeão mundial de um esporte, tomasse a mais fantástica droga que já houve, etc., mas cada dia ele se sentia mais triste, solitário, vazio e desesperado, debaixo do disfarce do seu riso.

Mas, tempos depois, Deus intensificou a preparação do terreno fazendo-o perceber quantas e quão puras e maravilhosas bênçãos já tinha recebido e estava recebendo dEle, bênçãos da Sua misericórdia e graça (favor recebido sem merecermos). Deus também o fez perceber como seus sofrimentos eram resultado do pecado (dele mesmo ou dos outros). E Deus habilitou o ouvido da consciência de Zé para começar a ouvir o que o Espírito Santo lhe falava ao coração por meio da observação da criação e, principalmente, pelo testemunhos de crentes usando a Palavra de Deus e que corajosamente adentravam o navio para pregar a Bíblia.

Finalmente, um dia, num lampejo de volta ao bom senso habilitado por Deus, Zé reconheceu sua loucura e abandonou tal navio, por razões que estão escritas em muitos versículos, tais como os poucos selecionados, a seguir:


“Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus.” (Hb 3:4 ACF)

“... Disse o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem.” (Sl 14:1 ACF)

No princípio criou Deus os céus e a terra.” (Gn 1:1 ACF)

“19  Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. 20 Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; 21 Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. 22 Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. 23 E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. 24 Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; 25 Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. ” (Rm 1:19-25 ACF)

“1 ... Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. 2 Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. 3 Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz. 4 A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pós uma tenda para o sol, 5 O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho. 6 A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor.” (Sl 19:1-6 ACF)

Pela altivez do seu rosto o ímpio não busca a Deus; todas as suas cogitações são que não há Deus.” (Sl 10:4 ACF)

“Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.” (Ef 2:12 ACF)

Diziam a Deus: Retira-te de nós. E: Que foi que o Todo-Poderoso nos fez?” (Jó 22:17 ACF)




2) No Porto do PAGANISMO
Ainda confuso, mas já reconhecendo a existência de um Deus Criador dele e de tudo (visível ou invisível) que existe, Zé andou por outra estrada que o levou a um outro porto, onde também havia um enorme navio. No seu casco podia-se ler: P A G A N I S M O.
Ali, também lhe explicaram a mesma coisa de antes: que o navio estava recolhendo passageiros que nele poderiam ficar hospedados, esperando a partida, sem aviso, para o destino eterno.

Com a mesma ansiedade de antes, Zé decidiu ver o que havia dentro do navio. Lá encontrou milhares de salões, grandes e pequenos, cada um com uma placa na entrada. Em uma entrada se lia BAAL, noutra ALÁ, noutra GADU (o Grande Arquiteto do Universo), noutra MANITU, noutra IDOLATRIA ROMANISTA, etc.

Ele, então, decidiu entrar pela porta onde se lia: ESPIRITISMO. Neste ambiente, ele viu coisas estranhas. Viu pessoas invocando espíritos; viu pessoas procurando descobrir o futuro usando horóscopo, cartas de tarô, e quiromancia; algumas recebiam passes (imposição das mãos sobre a cabeça ou corpo de alguém, a fim de curá-la por algum tipo de energia que alguns chamavam de mediúnica, outros de cósmica, outros de forças do bem e do mal, etc.). Todos ali acreditavam em karma e reencarnação. Acreditavam que o homem repete indefinidamente o ciclo "nascer, viver, morrer; reencarnar para pagar os pecados de sua vida anterior, viver, morrer; reencarnar para pagar os pecados de sua vida anterior, viver, morrer; ad infinitum”.

Depois de examinar tudo, Zé ficou numa quádrupla mistura (bem típica do Brasil pagão, o Brasil não bíblico): 25% Romanismo idólatra, 25% Maçonaria, 25% Espiritismo, e 25% Nova Era.

Mas cada dia ele ficava mais oprimido, mesmo com todos os seus esforços. Alguns desses esforços resultavam em atos (externos) de aparência (externa) extremamente louvável, todos o elogiavam e consideravam “um grande santo vivo, à espera da canonização”, mas Zé percebia claramente que seu coração oculto e seus mais ocultos pensamentos continuavam cada vez mais acorrentados e impotentes, cada vez mais mergulhando e se endurecendo na mais negra pecaminosidade.

Mais uma vez o Espírito de Deus, o longânimo, através da Palavra e do testemunho de crentes que ali iam evangelizar, habilitou Zé e este reconheceu sua loucura e abandonou as trevas de todo tipo de paganismo. Retirou-se do navio de toda forma de paganismo, porque:

Não vos virareis para os ídolos nem vos fareis deuses de fundição. Eu sou o SENHOR vosso Deus.” (Lv 19:4 ACF)

“4 Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. 5 Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. 6 Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. 7 Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. 8 A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam.” (Sl 115:4-8 ACF)

“Portanto, meus amados, fugi da idolatria.” (1Co 10:14 ACF)

“27 ¶ E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. 28 Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam.” (Lc 11:27-28 ACF)

A feiticeira não deixarás viver. (Êxodo 22:18 ACF)

10 Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; 11 Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; 12 Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti. 13 Perfeito serás, como o SENHOR teu Deus. 14 Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR teu Deus não permitiu tal coisa. (Deuteronômio 18:10-14 ACF)

Quando alguém se virar para os adivinhadores e encantadores, para se prostituir com eles, eu porei a minha face contra ele, e o extirparei do meio do seu povo. (Levítico 20:6 ACF)

Quando, pois, algum homem ou mulher em si tiver um espírito de necromancia ou espírito de adivinhação, certamente morrerá; serão apedrejados; o seu sangue será sobre eles. (Levítico 20:27 ACF)

Assim morreu Saul por causa da transgressão que cometeu contra o SENHOR, por causa da palavra do SENHOR, a qual não havia guardado; e também porque buscou a adivinhadora para a consultar. (1 Crônicas 10:13 ACF)

5 Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. 6 Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol. (Eclesiastes 9:5-6 ACF)

19 Quando, pois, vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram: Porventura não consultará o povo a seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á aos mortos? 20 À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles. (Isaías 8:19-20 ACF)

Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. (Apocalipse 21:8 ACF)

25 Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. 26 E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá. 27 E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai 28 Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. 29 Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. 30 E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. 31 Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite. (Lucas 16:19-31 ACF)

Também muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros, e os queimaram na presença de todos e, feita a conta do seu preço, acharam que montava a cinqüenta mil peças de prata. (Atos 19:19 ACF)

14 E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. 15 Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras. (2 Coríntios 11:14-15 ACF)




3) No Porto da assim chamada CRISTANDADE NOMINAL:
Zé ainda não sabia que o que importa é só e exclusivamente o relacionamento bíblico com o Deus bíblico, e não religião nenhuma, onde religião é a iniciativa e tentativa da parte do homem para se religar a Deus através dos seus próprios esforços e sistemas.

Mas, decidido a descobrir qual era a “verdadeira religião” que ele deveria abraçar, Zé resolveu seguir por uma outra estrada que o levaria, talvez, ao porto onde poderia encontrar a verdade. Depois de andar vários dias, ele viu ao longe um outro grande navio onde havia escrito em seu casco: CRISTANDADE NOMINAL, APARENTE, DESCOMPROMISSADA, CONFIADA NA IGREJA DE QUE SE É MEMBRO.

Além disso, ainda pôde ver várias bandeiras onde se lia: BATISTAS, ou REFORMADOS PRESBITERIANOS, LUTERANOS, EPISCOPAIS, PURITANOS e METODISTAS, ou PENTECOSTAIS, ou "CATÓLICOS ROMANOS RENOVADOS ALEGANDO NÃO SEREM IDÓLATRAS", etc..

Zé decidiu entrar e, no mais alto andar do navio, notou que estava começando uma semana de conferências destinadas a crentes membros de uma das mais antigas denominações não católicas. Após a primeira pregação, todos se reuniram para uma noitada de comunhão com iguarias regadas a cerveja. Durante 1 hora, ele viu um exuberantíssimo homem, tido como um crente bastante bom, tomar 1000 ml de cerveja (3 latinhas) com 5% de álcool, portanto um total de 50 ml de etanol. Zé, não ndoe cerveja, pediu para sair da festa por uns breves instantes a fim de voltar com “divertimento” de sua preferência. Lá fora, quase comprou um baseado de maconha mas achou que ela estava muito estragada, e decidiu por comprar uma garrafinha de uísque da melhor qualidade, de 100 ml, com 35% de álcool, portanto totalizando 35ml de etanol, e voltou à festa. Tencionava tomá-la aos poucos durante as próximas 2 horas, talvez se destacando e sendo elogiado pelo bom gosto na marca e moderação na quantidade, mas causou escândalo e foi severamente repreendido por todos. Ele não entendeu o por quê das regras daqueles pastores.

Meio desanimado, ele saiu deste ambiente que não entendia e achou meio hipócrita e só de fachada, e seguiu para outro andar. Lá havia uma placa onde se lia: "NENHUMA IGREJA PODE ALCANÇAR TODO TIPO DE PESSOAS. PORTANTO, ESCOLHA O TIPO MAIS VANTAJOSO PARA SEUS ESFORÇOS E FAÇA TUDO PARA AGRADÁ-LO, não importa nada se seus esforços desagradam aos outros crentes, nem mesmo se seus atos ofendem a Deus". Ele viu pastores procurando adaptar as suas igrejas a grupos muito específicos (e, até, estranhos). Para eles alcançarem pessoas para Deus era necessário uma variedade de estilos de evangelismo. O que importava era o que "o escolhido nicho dentre o povo" queria e não o que Deus queria.

Zé continuou confuso, pois realmente queria abraçar uma religião (ele ainda não sabia que o que importa é só e exclusivamente Deus e não religião) que fosse realmente cristã, 100% de acordo com a Bíblia.

Bem, durante a sua vida ele ouvira falar nos batistas. Seria esta a sua melhor escolha? Ou deveria ele abraçar o puritanismo reformado, ou o pentecostalismo, ou o epicospalismo? Ou, pior ainda, a pequena percentagem do catolicismo romano carismático que alega não ser idólatra nem mariólatra (será que isto realmente existe? ou será um mero oxomeron (uma louca e impossível contradição de termos?)? Ou deveria ele abraçar outra denominação da cristandade nominal?

Bem, ele decidiu conhecer os batistas. Caminhou para um outro andar, onde uns tais "batistas moderninhos" se reuniam e, quando foi se aproximando, percebeu que havia pessoas (pasmem) cantando antigos hinos em ritmos originados nas orgias sexuais dos cultos afro-indígenas, batendo palmas e dançando. Algumas vezes cantavam cantavam corinhos estilo calmo e Nova-Era, que não traziam nenhuma mensagem realmente bíblica e que tocasse o seu coração.

"Será que estou na sala errada?" ele pensou, e virou-se para ler a placa, mas viu que ali era mesmo a sala dos BATISTAS (moderninhos).

Ao observar cada coisa que era feita ali, ele percebeu que as pessoas não usavam o "Cantor Cristão" que, um dia, ele ouvira falar que continha muitos lindos e inspirados hinos. Mas por que? "Ah, já sei! Como poderão eles segurar o Cantor Cristão em suas mãos e ler dele, se têm que bater palmas e balançar o corpo em dancejos?"

Ele também notou que a Bíblia não precisava ser usada, não se encorajava que ninguém a trouxesse, pois todos os (poucos) versículos mencionados pelo pastor eram projetados na tela que usavam. Uma vez que ele estava ansioso e queria ouvir alguém pregar a PALAVRA, falar de Deus, notou que, das duas horas em que esteve lá, apenas quinze minutos foram dedicados à pregação da Bíblia (mesmo assim, que mensagem fraquinha e adoçada (com adoçante artificial)! ...).

Foi somente pela graciosa ação do Espírito Santo através da Palavra e do testemunho de crentes que ali iam evangelizar, que Zé reconheceu o pavoroso erro em que estavam todos daquele navio, e intensamente desejou sair da cristandade nominal, aparente, descompromissada com Deus e com a Bíblia, cristandade que não salva do inferno. Retirou-se daquele navio, porque:

“21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? 23 E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.” (Mt 7:21-23 ACF)

“15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! 16 Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. 17 Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;” (Ap 3:15-16 ACF)




4) No Porto do CRISTIANISMO QUASE BÍBLICO, QUASE VERDADEIRO, DE PESSOAS DEDICADAS
Caminhando numa outra estrada e, pela ação do Espírito de Deus através do testemunho da Palavra escrita e dos crentes, Zé finalmente se arrependeu de verdade e, de verdade, creu e recebeu Cristo como seu único e suficiente Salvador e Preservador e Senhor de fato e em verdade. Cristo, o Deus Altíssimo, o Criador de todas as coisas e criado por ninguém. Sem princípio e sem fim de dias.

Logo depois da sua verdadeira salvação, avistou um porto com um grande navio tendo o casco pintado, em letras bem grandes, com as palavras: "GRAÇA + PERSEVERANÇA". Logo ao entrar no navio, ele viu que havia 2 enormes placas em forma de setas opostas, quase iguais, apontando para duas metades do navio que correspondiam aos dois grupos rivais de seus hóspedes (na realidade, inimigos ferrenhos, inimigos que se odeiam no coração, inimigos quase mortais).

A primeira placa tinha um grande título: "VIVA o intocável ARMINIUS! ARMINIANOS ATÉ MORRERMOS!" e, abaixo dele, a explicação

"Vigie sempre para a 'Perseverança do homem-SALVO em Ser Santo', senão você escapulirá das mãos de Deus e acabará indo para o inferno! A perfeição da perseverança até a morte é que sinalizará se você é, realmente, salvo (pela sua fé do tipo 'perseverante- até- à- morte' )",

e estava assinada pelos 95% dos arminianos (todos os pentecostais, metodistas e menonitas, muitos congregacionais e batistas, e até alguns presbiterianos, na sua prática) ali presentes e que eram realmente arminianos de todo coração (os restantes 5% dos que se deixavam ser listados como arminianos talvez, lá dentro de seus corações, tinham, desde que creram, absoluta certeza de salvação incapaz de ser perdida, apenas não tinham coragem de deixar a denominação em que estavam há tantas décadas). E

A segunda placa tinha um grande título: "VIVA o intocável CALVINO! CALVINISTAS ATÉ MORRERMOS!" e, abaixo dele, a explicação

“Vigie sempre para a 'Perseverança do homem-SALVO em Ser Santo', senão você escapulirá das mãos de Deus e acabará indo para o inferno! A perfeição da perseverança até a morte é que sinalizará se você é, realmente, salvo (pela sua fé do tipo 'perseverante- até- à- morte' ).
Lembre: uma vez e-l-e-i-t-o sempre e-l-e-i-t-o, sim; mas só podemos saber se fomos eleitos se morrermos em estado de preservada santidade.”,

e estava assinada pelos 95% dos calvinistas ali presentes e que eram realmente "super- hiper- calvinistas- da- Confissão- de- Westminster" {*} de todo coração (novamente, os restantes 5% dos que se deixavam ser listados como "super- hiper- calvinistas- da- Confissão- de- Westminster" talvez, lá dentro de seus corações, já tinham, desde que creram, absoluta certeza de salvação incapaz de ser perdida, apenas não tinham coragem de deixar a denominação em que estavam há tantas décadas).

{* NOTA: Tais são os que interpretam o artigo 1 do capítulo 17, "Os que Deus aceitou em seu Bem-amado, os que ele chamou eficazmente e santificou pelo seu Espírito, não podem decair do estado da graça, nem total, nem finalmente; mas, com toda a certeza hão de perseverar nesse estado até o fim e serão eternamente salvos", como implicando que um verdadeiro eleito é aquele que persevera no sentido de, no instante em que morre, não o faz estando em certo grau e tipo de pecados, de esfriamento, etc., senão jamais terá sido eleito; que proíbem ou desencorajam ou fazem murchar o evangelismo pessoal e as missões; que pregam que há embriões e criancinhas novas que morrem predestinadas ao inferno; e, principalmente, que ficam insegura e eternamente focalizando em si mesmos, para ver ser perseveram até o fim}


Zé, então, durante vários dias, visitou as duas metades do navio, conversou longamente com cada hóspede, e notou que, apesar de os dois grandes grupos se odiarem tanto, eles se diferenciavam somente sobre quais os tipos e graus das obras exigidas para a preservação da salvação, sobre quais os pecados mortais e quais os veniais, quais os tipos e intensidades e graus e número de repetições e duração do tempo de quais pecados fazem perder a salvação ou indicam que a pessoa nunca foi salva e precisa o ser, etc.

Zé fez várias perguntas sinceras aos arminianos, e nenhum deles soube respondê-las a contento, pela Bíblia tomada literalmente e dentro da dispensação e contexto:
"- Por que você orou tantos anos a Deus, pedindo pela salvação de seus filhos, se tudo depende (ao menos parcialmente) deles???
- Por que você orou agradecendo a DEUS quando seu filho creu e foi salvo?
- Como é que você explica as "80 Razões Pelas Quais O Crente Não Pode Perder A Salvação" em http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/80RazoesCrenteNaoPerdeSalvacao-Dawson.htm ? (e não adianta fugir da resposta alegando versos de aparente perda de salvação mas que, na realidade, se referem a os falsos mestres, ou os nunca salvos, ou a os galardões, ou à usabilidade do crente, ou à disciplina do crente por Deus, ou aos frutos, ou ao crente confuso com doutrina, ou ao pecado para morte, ou ao pecado imperdoável, ou aos judeus na tribulação, ou aos gentios em contraste contra Israel, ou ao testemunho de igrejas locais, ou ao mero assentimento intelectual (que nunca salvou), ou à destruição de Jerusalém por Nabucodonozor, ou a assuntos específicos, ou ao livro da vida, ou a pessoas específicas. Ver os 15 artigos desde http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/32A-FalsosMestres-W.htm até http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/32Q-PessoasEspecificas-W.htm ).
- Na parte da Bíblia (Romanos a Filemon) que sempre trata, somente, do crente da atual dispensação, onde está um verso claro dizendo que tal crente pode perder sua salvação e ter seu nome apagado do livro da vida?
- Etc."

Zé também fez muitas perguntas sinceras aos "super- hiper- calvinistas- da- Confissão- de- Westminster", e nenhum deles soube respondê-las a contento, pela Bíblia tomada literalmente e dentro da dispensação e contexto:
"- Por que você orou tantos anos a Deus, pedindo pela salvação de seus filhos, se tudo já está predeterminado e não pode ser mudado???
- Por que, quando você prega em privado ou publicamente, então você convida, exorta as pessoas a crerem, se tudo já está predeterminado e não pode ser mudado???
- Por que, quando o carcereiro, em sinceridade, perguntou (ou alguém lhe pergunta, hoje) "... Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?", Paulo e Silas lhe responderam (e você responde, hoje) "... Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” (At 16:30-31 ACF), ao invés de responderem "Ah, amigo, não há absolutamente nada que você possa fazer: se você foi eleito desde a eternidade passada, então você, mesmo que não o queira, será mudado e obrigado a crer e a ser salvo; mas, se você não foi eleito, se seu nome não foi escolhido desde antes da fundação do mundo, então não há nada que possa mudar isso, você pode querer crer, você poderia até implorar a Deus para ser salvo, mas nunca o será, já está tudo predeterminado. Simplesmente fique esperando, nada pode ser feito, no final você saberá o que Deus predeterminou para você, quer céu, quer inferno. Não há nada a fazer."
- Como é que você explica todos os fatos mais extremos mostrados em "O Debate Sobre o Calvinismo: Quem é o Inimigo?" ( http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/DebateCalvinistaQuemInimigo-DCloud.htm ) e noutros artigos semelhantes?
- Etc."

Todos os arminianos e "super- hiper- calvinistas- da- Confissão- de- Westminster" (exceto os 5% de cada grupo, dos quais já falamos) concordavam somente numa coisa: engasgavam de indignação e ira quando Zé lhes dizia:


"Desde minha salvação e cada vez mais à medida que estudo minha Bíblia, tenho a mais absoluta certeza de que EU JÁ estou indelevelmente salvo.

Procuro intensamente a santificação diária (por gratidão e obediência e para servir e honrar ao meu Deus), provavelmente ninguém a procura muito mais que eu,

mas estou absolutamente convicto de que,


mesmo se eu cair até o fim da vida nos mais negros pecados de repetidos assassinatos, de contínuo adultério, de contínuo homossexualismo,

se por covardia ante armas eu blasfemar de Deus Pai e de Deus Filho e de Deus Espírito Santo,

se eu cuspir na Bíblia e pisar sobre ela,

e se uma bala perdida me atravessar o cérebro e coração e cerebelo de tal modo que eu morra em 1 milésimo de segundo, enquanto estava cometendo estes pecados, nos veros atos,

sem eu ter tempo de me arrepender e pedir perdão a Deus,


mesmo assim Deus não terá quebrado nem quebrará Sua promessa de me salvar e me preservar e me adotar como filho.

Sei que terei sido disciplinado, terei sofrido indescritivelmente, sei que consequências terríveis poderão ter devastado a mim e meus entes mais queridos, sei que terei perdido galardões e recompensas eternas,

mas sei também que Deus será fiel ao que Ele jurou, mesmo que eu não o tenha sido.
"



Estudando muito a sua Bíblia, Zé percebeu que, de todos os arminianos e "super- hiper- calvinistas- da- Confissão- de- Westminster" (exceto os 5% de cada grupo, dos quais já falamos), aqueles mais exaltados, aqueles que mais odiavam a sua cercom mais ira lhe repreendiam dizendo "Cala-te, louco! Ninguém pode ter tamanha certeza de salvação, tens que olhar muito por ti mesmo, se realmente perseverarás", nenhum deles jamais havia sido realmente salvo, uma vez que nenhum deles nunca havia posto a sua fé somente em Cristo, mas também (em maior ou menor grau, de um modo ou de outro) a havia posto na perseverança do HOMEM, portanto em suas OBRAS! Todas essas pobres almas, tão esforçadamente religiosas, passavam os anos angustiadamente focalizando a si mesmo (se estavam realmente perseverando), ao invés de focalizarem em Deus e em Sua fidelidade.

Zé saiu daquele navio, porque:

Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam. (Isaías 64:6 ACF)

Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada. (Gálatas 2:16 ACF)

8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. 9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie; (Efésios 2:8-9 ACF)

Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. (Tiago 2:10 ACF)

Quem nEle crê não é condenado; ... (João 3:18 ACF)

E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da Minha mão. (29) Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de Meu Pai. (João 10:28-29 ACF)

... os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. (Rom 8:28-30 ACF)

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? ... (38) Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, (39) Nem a altura, nem a profundidade, nem nenhuma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. (Rom 8:35, 38-39 ACF)

... Seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus. (1Cor 5:3-5 ACF)

E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.  (Efé 4:30 ACF)

“Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.”
(2Tm 2:13 ACF)




5) No Porto do CRISTIANISMO ANTIBÍBLICO EM CONFUNDIR A DOUTRINA DA SEGURIDADE DA SALVAÇÃO COM LICENÇA PARA PECAR
Neste Porto Zé nem sequer quis entrar, pois, antes de fazê-lo, o Espírito Santo o lembrou de versos tais como:

“15 Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum. 16 Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? 17 Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. 18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. 19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação. 20 Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. 21 E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. 22 Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” (Rm 6:15-22 ACF)




6) No Porto do CRISTIANISMO BÍBLICO, VERDADEIRO, DEDICADO, RESULTANDO NUM RELACIONAMENTO VERDADEIRO E PESSOAL COM O DEUS VERDADEIRO E PESSOAL
Apesar de triste e decepcionado com tudo que havia visto, Zé tomou o último caminho que ainda restava para a sua vida, para o último navio no último porto. Zé já tinha sido plena e definitivamente salvo, e tinha certeza disto. Mas não se sentia bem onde esta doce segurança era vista como uma ameaça, e tinha esperança de encontrar e ajuntar-se a verdadeiros crentes que tinham essa mesma e maravilhosa paz. Logo ele avistou um grande navio, tendo seu casco pintado com as palavras "SÓ GRAÇA, somente pela fé, fé somente no Cristo, o Cristo da Bíblia" (Por Bíblia, eles e nós nos referimos a aquelas fielmente traduzidas por equivalência formal e a partir do Texto Tradicional, não às alexandrinas, modernas deturpações por paródia ou por equivalência dinâmica, e baseadas em algum corrupto Texto Crítico, fundado quase que somente nos apenas dois mais corrompidos manuscritos do mundo, Sinaiticus e Vaticanus). Logo na entrada, também havia uma enorme placa com as seguintes palavras:

"Maravilhe-se sempre com a 'Perseverança do Deus SALVADOR em Conservar Salvos os Que Salvou' . A perfeição do crer de uma vez para sempre, no passado, é que sinalizou que você foi eternamente eleito desde antes da fundação do mundo. Uma vez salvo, sempre salvo: é o DEUS TRINO que nos preserva, e podemos exultar nessa certeza".
 

Neste navio estavam alguns milhares de crentes dentre aqueles considerados da melhor doutrina batista histórica ou da melhor doutrina reformada puritana histórica (inclusive alguns calvinistas moderados), e umas poucas pessoas que, mesmo crendo exatamente como Zé quanto à salvação, todavia, por pretextos errados, estavam ligadas a igrejas e denominações do navio do porto anterior (o quarto porto, isto é, do igrejas e denominações do "Cristianismo Quase Bíblico, Quase Verdadeiro")

Zé visitou todos os vários andares e agrupamentos menores do navio, conversou longamente com cada passageiro, e notou que se diferenciavam somente sobre o PORQUÊ  Deus elegeu; sobre o significado mais fino da eleição, da predestinação, do pré- conhecimento, da soberania de Deus, do livre- arbítrio do homem, etc.; sobre a ordem lógica de Deus envolvida na salvação. Ele teve a convicção, dada por Deus, de que todos que estavam neste navio iam para o céu porque eles depositaram sua fé somente em Cristo, o verdadeiro Cristo da verdadeira Bíblia, quer para a salvação, quer para a PRESERVAÇÃO dela.

Juntando-se a todos, Zé partiu a caminho do céu para encontrar a verdadeira felicidade em sua mansão celestial, junto a Jesus (o seu verdadeiro Senhor e Preservador e Salvador) e junto a todos os salvos pelo sangue do Cordeiro, para todo o sempre, por toda a eternidade.

33 ¶ O profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! 34 Porque quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? 35 Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? 36 Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” (Rm 11:33-36 ACF)

Rom 8:35, 38-39 Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? ... (38) Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, (39) Nem a altura, nem a profundidade, nem nenhuma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. (Rom 8:35, 38-39 ACF)

“Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia.” (2Tm 1:12 ACF)


Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas.” (Ap 4:11 ACF)

“9 E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; 10 E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.” (Ap 5:9-10 ACF)


 

--------------------------------------------------------------------------------










Hélio de Menezes Silva (idéia e esboço teológico inicial)
Valdenira de Menezes Silva
(preenchimento dos detalhes, redação final)

26.junho.2007

 



Todas as citações bíblicas são da ACF (Almeida Corrigida Fiel, da SBTB). As ACF e ARC (ARC idealmente até 1894, no máximo até a edição IBB-1948, não a SBB-1995) são as únicas Bíblias impressas que o crente deve usar, pois são boas herdeiras da Bíblia da Reforma (Almeida 1681/1753), fielmente traduzida somente da Palavra de Deus infalivelmente preservada (e finalmente impressa, na Reforma, como o Textus Receptus).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)



(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SoteriologiaESantificacao/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )