O Calvinismo que Ensina Perseverança do SALVADOR, não do Salvo


(Isto eu aprovo como bíblico, pois "uma vez [realmente] salvo, sempre salvo [mesmo sem perfeição até o fim])









A grande maioria dos bacharéis em teologia reformada, de marcante posição calvinista, e que eu conheço mais ou menos de perto (mas não todos, há duas honrosas exceções, eu posso ter horas de boa comunhão com eles), enraivece-se sobremaneira se vier a ler pelo menos um desses três dos meus artigos

    -- http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/CalvinismoVsArminianismoVsBiblia-Helio-Valdenira.htm ("Calvinismo versus Arminianismo versus Bíblia: uma Parábola Harmoniosa com a Bíblia"),
    -- http://solascriptura-tt.org/Ide/OsQueSeConsideramCristaosSalvosENaoOSao-Helio.htm ("3 Tipos de Sinceros, RELIGIOSOS, que se Julgam Crentes e Salvos ... Mas NÃO o São!..."),
    e, mais ainda, se irrita com
    -- http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/CrenteSuicidaAdulteroPecadorzao-Helio.htm  ("E o Crente que se Suicida? Divorcia e Casa com Outra Pessoa? Vive Naquele Pecadão?")


Enfurecidos e revoltados, os que fazem a maioria dos calvinistas que hoje conheço vociferam para mim:

"Hélio, você está entendendo errado e ensinando errado a doutrina, começando por chamá-la de 'Perseverança do SALVADOR', ao invés de 'Perseverança do ELEITO em ser santo'. Tenha muito cuidado, Hélio! Vigie sempre, senão você escapulirá das mãos de Deus e acabará indo para o inferno! A perfeição da sua perseverança até à morte [sim, até à morte] é que é o sinal indispensável e infalível se você é, realmente, salvo (lembre: uma vez e-l-e-i-t-o sempre e-l-e-i-t-o, sim; mas só podemos saber se fomos eleitos se morrermos em estado de preservada santidade). Se você vier a se desviar um ano e vier a viver numa vida de pecado, e um dia uma bala perdida lhe tirar a vida em 1 micro-segundo sem dar tempo de você se arrepender, isto será sinal seguro de que você nunca foi salvo, pois não foi eleito por Deus na eternidade passada. Cuidado, Hélio. Não pregue a heresia que está pregando."
"Hélio, faça como nós: você tem que viver sem a blasfema heresia da total segurança, tem que viver eternamente tremendo de pavor e vigiando, focalizando em si mesmo, examinando a si mesmo, com os olhos fitos no espelho procurando desvios em si mesmo, agonizando para ver se consegue perseverar até o fim, apavorado orando para não lhe ocorrer morrer em pecado sem ter tempo de se arrepender e pedir perdão a Deus."



Tais são os que elevam a Confissão de Westminster quase que ao nível da Bíblia e a vivem citando como a palavra final em qualquer assunto, às vezes citando-a mais do que a Bíblia. Mais que isso, tais são os que (erradamente) interpretam o artigo 1 do seu capítulo 17

    "Os que Deus aceitou em seu Bem-amado, os que ele chamou eficazmente e santificou pelo seu Espírito, não podem decair do estado da graça, nem total, nem finalmente; mas, com toda a certeza hão de perseverar nesse estado até o fim e serão eternamente salvos"


como implicando que um verdadeiro eleito é somente aquele que persevera no sentido de, no instante em que morre, não o faz estando em certo grau e tipo de pecados, de esfriamento, etc., senão jamais terá sido eleito. A certeza da salvação não viria de um exame subjetivo, uma vez para sempre, olhando para o passado e para dentro e para o alto ("naquele dia, no meu interior realmente cri biblicamente no Cristo da Bíblia? Ah, então estou garantido para sempre!"), mas sim de um exame objetivo, incessante, olhando para presente e para fora de mim e para meu proceder aqui na terra ("a cada dia, hoje e até à morte, o meu exterior realmente evidenciará uma vida perfeitamente transformada? Oh, nunca poderei saber disso com certeza, até o segundo de minha morte!")

Graças a Deus que não são todos os calvinistas que fazem esta interpretação tão errada. Exultei de alegria por receber hoje uma prova disso. Um caro irmão em Cristo que há muitos anos conheço pela internet, Prof. Josias Baraúna Jr. (do site fundamentalismo-Bíblico), presbiteriano fundamentalista, separatista, só-TR, pré-mil, pré-trib, CALVINISTA (mas sem o erro de que acima falei), em 3.8.13 escreveu um e-mail ao irmão IIII que lhe tinha enviado, para avaliação, um artigo do Presbítero SSSS, e esse e-mail me chegou às mãos. Com alegria e sua permissão, reproduzo uma pequena parte do e-mail:

"Caro irmão IIII:

Estou impressionado com o Presb. SSSS não ter relacionado a questão crucial da Justificação pela Fé, que não é insignificante: é o marco da Reforma Protestante do Século XVI!

Muitos Evangélicos confundem este assunto, por isso hoje existe esse processo de ecumenização: os "Evangélicos" acham a posição romanista muito familiar e acabam achando que os romanistas estão melhorando!

Os Reformados, à luz da Bíblia, ensinaram que a Justificação é uma Declaração Divina, não ocasionando nenhuma transformação física ou mesmo espiritual: "Em Cristo, nova criatura é" (II Coríntios 5:17); "nos lugares celestiais em Cristo" (Efésios 1:3), etc. Em todas estes versículos a ideia é de que somente em relação a Cristo é que a vida eterna começa em nossas vidas. Daí que o renascido NUNCA encontrará em si mesmo diferença com relação ao ímpio, a quem não nasceu de novo. Mais uma vez: " A vida eterna é esta: Que Te conheçam a Ti só, por único Deus Verdadeiro, e a Jesus Cristo, a Quem enviaste" (João 17:3). A nova vida em Cristo, portanto, é uma questão de conhecer o que Deus tem feito por nós, e para que houvéssemos entendido, o Espírito Santo nos foi outorgado, garantindo que, no futuro, por ocasião da Vinda de Cristo, seremos transformados! Antes disto, porém, em nossa luta contra o pecado, perdemos muitas vezes, e, quando superamos as tentações/provações, os méritos são do Espírito do Senhor e da Intercessão do Senhor Jesus Cristo em nosso favor.

[grifos de Hélio]

Roma, porém, ensina que há uma transformação com a Justificação, que o homem passa a ser capaz de, com suas próprias forças vencer ao pecado. E, para alcançar esta vitória, há técnicas de abstinência física e espiritual que conduzam à santificação do corpo e da alma e à união mística com Deus. E os méritos de Cristo pela Sua Intercessão a nosso favor são tirados e declarados como ação de Maria, feita eternamente virgem e co-Redentora. E, como se não bastasse tanto sacrilégio, nenhuma certeza de Salvação é conferida de forma que, quando romanistas morrem e vão para o inferno, pensam que estão no purgatório e lá padecem iludidos, junto com outros clérigos e prelados que lá estão, aguardando os benefícios das incontáveis missas que não existem!

Agora, veja isto: "...há uma transformação com a Justificação, que o homem passa a ser capaz de, com suas próprias forças vencer ao pecado. E, para alcançar esta vitória, há técnicas de abstinência física e espiritual que conduzam à santificação do corpo e da alma...". [Hélio acha que esta é a citação de algum livro católico, talvez "Exercícios Espirituais", de Inácio de Loyala?]
Acaso não se parece com as práticas dos arminianos (plenitude do Espírito Santo),
do Wesleyanismo (perfeição cristã),
do Pentecostalismo (Segunda Bênção)?

Agora nós entendemos porque alguns "Evangélicos" sentem que há algumas boas [coisas] no Romanismo: porque eles se afastaram da Verdade das Escrituras acerca da Justificação pela Fé!
        
...
"





Isto, que eu (Hélio) coloquei dentro do quadro, aprovo como bíblico, pois "uma vez [realmente] salvo, sempre salvo [mesmo sem perfeição até o fim]"




33 ¶  Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! 34  Porque, quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? 35  Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? 36  Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” (Rm 11:33-36 ACF)


Hélio, 3.8.2013

*******************

PS-1:

Se alguém duvida do fato de que há alguns calvinistas (não todos) que veem certo grau de santificação e boas obras, no balanço ao final da vida, como indispensável à salvação, deixe-me mostrar cinco citações do que li não muito tempo atrás:


"Santidade nesta vida faz tanta parte da nossa 'salvação' que é, de fato, um meio necessário para nos fazer dignos de sermos participantes da herança dos santos em glória e luz celestial" Walter Marshall, citado por A.W. Pink em "A Doutrina da Santificação". (grifo de Hélio)

"Persistência na fé é uma condição para salvação futura. Somente aqueles que permanecem na fé serão salvos por toda a eternidade." R.C. Sproul, "Grace Unknown". (grifo de Hélio)

"A única evidência da eleição é a chamada efetiva, isto é, a produção de santidade. E a única evidência da genuinidade desta chamada e a certeza da nossa perseverança é uma constância paciente em fazer o bem." Charles Hodge, "Commentary on Romans". (grifo de Hélio)

"Nunca podemos saber que somos eleitos por Deus para a vida eterna a não ser por manifestar em nossas vidas os frutos da eleição - fé e virtude, conhecimento e temperança, paciência e piedade, amor aos irmãos ... É inútil buscar segurança de eleição em outro lugar a não ser em santidade de vida." Benjamim B. Warfield, citado por Lorraine Boettner em "A Doutrina Reformada da Predestinação". (grifo de Hélio)

"Não nos refugiemos na nossa preguiça nem busquemos em nossa concupiscência, atitudes estas que provêm da abusada doutrina da segurança do crente. Mas apreciemos a doutrina da perseverança dos santos e reconhecemos que podemos entreter a fé de nossa segurança em Cristo apenas ao perseverarmos na fé e na santidade até o fim." John Murray, "Redemption, Accomplished and Applied". (grifo de Hélio)




*********************

PS-2:

Não quero puxar debates, mas todos concordamos com quase todas as afirmações "genéricas e ensaboadas (como um sabonete que não se consegue segurar") sobre segurança da salvação, a diferença é quando se vai para exemplos:

a) Um crente verdadeiro e que se suicida está salvo?
b) Um crente de verdade mas que estava 5 anos afundado na lama e cometendo o pecado 1234 (aquele mais horrível aos nossos olhos) e que recebe uma bala que o mata em 0,001 segundos quando ele estava no auge do ato pecaminoso, está salvo?
etc.

Eu respondo, pelo que leio no Novo Testamento (particularmente Romanos a Filemon que foram endereçadas a igrejas e crentes nas igrejas):

"**SE** , num certo segundo de algum dia passado, realmente ele passou a crer, crer de modo bíblico, no Cristo bíblico, então ele está salvo, embora tenha perdido todos os maravilhosos galardões que porventura tinha ganhado antes, embora tenha sido exemplarmente disciplinado e sofrido muito e prejudicado familiares. Maiores detalhes nos 3 meus artigos acima citados, e artigos sobre segurança da salvação, em http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/ . Devemos ter segurança por olhar para o passado, para o fato passado e definitivo, e confiar na fidelidade de Quem nos declarou justificado, ainda que caiamos em infidelidade e nela estejamos no instante de nossa morte."

Ao contrário de mim, muitos calvinistas (os que mal interpretam a Confissão de Westminster 17:1) me replicam:

"De jeito nenhum ele pode jamais ter sido eleito e salvo! Se fosse meu pecadinho que guardo oculto e ninguém sabe dele, ainda vá lá que seja, mas um pecadão tão horrível como o 1234 é sinal de que ele nunca foi salvo. Sua não perseverança é prova de que nunca foi salvo. É pecado termos total certeza de que seremos salvos não importa como morreremos, devemos ter certa insegurança ao olhar para o futuro, devemos sempre estar nos examinando no espelho, devemos vigiar e nos esforçar para perseverar e não cair em demasiada infidelidade até o instante de nossa morte."


Temos certeza de salvação "uma vez salvo, salvo para sempre" porque Deus é Quem persevera em nos segurar dentro de Suas todo poderosas mãos, não somos nós que perseveramos em nos segurar na Sua mão:
28  E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. 29  Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai. 30  Eu e o Pai somos um.” (Jo 10:28-30 ACF)

31 ¶  Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32  Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? 33  Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. 34  Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. 35  Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? 36  Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. 37  Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. 38  Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, 39  Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 8:31-39 ACF)

Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.” (2Tm 2:13 ACF)




Hélio, 3.8.2013



Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em http://BibliaLTT.org, com ou sem notas.



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ SoteriologiaESantificacao/
retorne a http://solascriptura-tt.org/)